Você está na página 1de 4

Rev Bras Cardiol Invasiva.

2014;22(4):320-3

DOI: 10.1590/0104-1843000000053
Artigo Original

Padrão de Exposição Radiológica em Profissionais da


Saúde Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos
Cristiano de Oliveira Cardoso, Cláudio Vasques de Moraes, Júlio Vinícius de Souza Teixeira,
Leandro dos Santos Fischer, Gabriel Garcia Broetto, Bruna Santos Silva, Rogério Fachel de Medeiros,
Rogério Sarmento-Leite, Carlos Antônio Mascia Gottschall

Resumo Abstract
Introdução: Procedimentos cardiológicos invasivos expõem Pattern of Radiation Exposure in Healthcare
mé­­dicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem aos riscos Professionals During Coronary Angiography
da radiação ionizante. O objetivo deste estudo foi determi­
nar os padrões de exposição radiológica em profissionais da Background: Invasive cardiologic procedures expose physicians
saúde durante procedimentos cardiológicos. Métodos: Estudo and nurses/technicians to the risks of ionizing radiation. The
prospectivo incluindo pacientes submetidos a procedimento aim of this study was to determine the exposure patterns
cardiológico invasivo entre dezembro de 2011 e agosto de in healthcare professionals during cardiologic procedures.
2012 em equipamento com detectores do tipo plano. Caracte­ Methods: Prospective study including patients undergoing
rísticas clínicas, angiográficas e de exposição à radiação invasive cardiologic procedures between December 2011
foram registradas em banco de dados específico. Os padrões and August 2012 using flat-panel detector fluoroscopy. Cli­
de exposição à radiação foram determinados em pacientes nical, angiographic and radiation exposure characteristics
submetidos ao cateterismo cardíaco diagnóstico. Correlação were recorded in a dedicated database. Patterns of radiation
entre dose do médico operador e enfermeiro/técnico de en­ exposure were determined in patients undergoing diagnostic
fermagem também foi efetuada. Resultados: Amostra incluiu cardiac catheterization. The correlation between operator
119 pacientes submetidos ao cateterismo. A dose de kerma and nurse/technician dose was also evaluated. Results: The
no ar e o produto dose-área médio de radiação recebida pelos sample included 119 patients undergoing catheterization. The
pacientes foram de 549 ± 220 mGy e 29.054 ± 14.696 mGy.cm², patient mean air kerma dose and dose-area product was 549
respec­tivamente. Médicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem ± 220 mGy and 29.054 ± 14.696 mGy.cm², respectively.
fo­ram expostos à dose efetiva média por exame de 0,47 ± 0,16 Physicians and nurses/technicians were exposed to a mean
e 0,28 ± 0,13 mSv, respectivamente. A correlação entre dose effective dose of 0.47 ± 0.16 and 0.28 ± 0.13 mSv per exam,
efetiva dos médicos e enfermeiro/técnico de enfermagem foi respectively. The correlation between physicians and nurses/
de 0,54 (p < 0,001). Conclusões: Médicos e enfermeiros/ technicians effective dose was 0.54 (p < 0.001). Conclusions:
técnicos de enfermagem são expostos a doses pequenas de Physicians and nurses/technicians are exposed to low ionizing
radiação ionizante durante cateterismo cardíaco diagnóstico. radiation doses during diagnostic cardiac catheterization.
Enfermeiros/técnicos de enfermagem são expostos a cerca de Nurses/technicians are exposed to approximately 60% of the
60% da dose do médico operador. operator’s dose.

DESCRITORES: Cateterismo cardíaco. Radiação ionizante. Ex­­ DESCRIPTORS: Cardiac catheterization. Radiation, ionizing. Ra­­­­
posição a radiação. Dosagem de radiação. dia­tion exposure. Radiation dosage.

P
rocedimentos na sala de hemodinâmica têm sido número de exames invasivos tem crescido na Cardiologia
amplamente utilizados para avaliação da doença moderna, pacientes, equipe médica e de enfermagem
arterial coronariana. Ao mesmo tempo em que o são expostos a doses maiores de radiação ionizante.1,2

Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, Fundação Universitária Correspondência: Cristiano de Oliveira Cardoso. Rua José Albano
de Cardiologia, Porto Alegre, RS, Brasil. Volkmer, 340/506 – Jardim do Salso – CEP: 91410-180 – Porto Ale­
gre, RS, Brasil
E-mail: cro_cardoso@yahoo.com.br
Recebido em: 3/9/2014 • Aceito em: 26/11/2014
Rev Bras Cardiol Invasiva. Cardoso et al. 321
2014;22(4):320-3 Exposição Radiológica Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos

Atualmente, relatos crescentes de lesões3,4 relacio­ imagens foram obtidas com aquisição de imagens em
nadas à radiação ionizante têm colocado equipes de 15 quadros por segundo. Os exames foram executados
saúde em preocupação constante. No entanto, a li­ por intervencionistas habilitados e exclusivamente pela
teratura nacional carece de dados sobre a exposição via de acesso femoral. Devido às características do
radiológica em profissionais da saúde nos dias atuais. protocolo, pacientes com cirurgia de revascularização
miocárdica foram excluídos.
O objetivo do presente trabalho foi determinar o
padrão de exposição radiológica em profissionais da Parâmetros de exposição radiológica
saúde em procedimentos cardiológicos invasivos.
A exposição radiológica dos profissionais da saúde
MÉTODOS foi mensurada por meio de dosímetro digital (Polimaster
PM1621, Arlington, Estados Unidos) em cada procedi­
Tratou-se de estudo observacional com coleta de mento. A dose efetiva (µSv) recebida foi determinada de
dados prospectiva. acordo com seguinte fórmula: dose efetiva = (dose proce­
dimento – radiação de fundo) x fator conversão. Radiação
Registro RADIAÇÃO de fundo (background radiation) foi determinada pelo
tempo de procedimento em segundos x 0,00004 µSv/s,
O registro RADIAÇÃO é um registro institucional
considerando o fator de conversão de 1,01. O dosímetro
com a finalidade de documentar os procedimentos
era zerado no início do procedimento, e a dose final
diagnósticos e terapêuticos no campo da cardiologia
aferida no término do mesmo.
intervencionista realizados em um aparelho com detec­
tores planos (flat detectors). Informações referentes à Dois dosímetros foram utilizados, sendo um pelo
exposição radiológica e detalhes técnicos dos procedi­ médico operador do procedimento e outro por um en­
mentos foram prospectivamente registradas. fermeiro/técnico de enfermagem que auxiliava o exa­
me. Todos os profissionais utilizaram equipamento de
Amostra proteção radiológica (avental e protetor de tireoide,
Pacientes com indicação de cateterismo cardíaco 0,5 mm de espessura) com o dosímetro posicionado sobre
diagnóstico tiveram seus procedimentos acompanhados o avental de chumbo. No caso do médico executante
com o intuito de registro dos padrões de exposição do cateterismo, foram utilizados anteparos superior e
radiológica. Todos os pacientes assinaram um Termo inferior (saia e escudo) para proteção adicional.
de Consentimento, e o protocolo foi aprovado pelo
Análise estatística
Comitê de Ética em Pesquisa local (UP 4454/10).
Os dados foram analisados em programa Statistical
Características analisadas Package for the Social Sciences (SPSS), versão 18.0,
Para o registro, foram coletadas e analisadas informa­ sendo os resultados apresentados em média e desvio
ções referentes a: idade, sexo, fatores de risco para padrão, ou números absolutos e percentuais. Correlação
doen­ça cardiovascular, apresentação clínica e indicação entre dose do médico operador e enfermeiro/técnico
do procedimento, função ventricular, número de vasos de enfermagem foi avaliada.
comprometidos, vaso tratado, características das lesões
e índice de sucesso. Dados específicos de exposição RESULTADOS
radiológica (dose recebida, produto dose-área e tempo Entre dezembro de 2011 e agosto de 2012 foram
de fluoroscopia) também foram coletados. avaliados 119 procedimentos cardiológicos invasivos
com finalidade diagnóstica. Na tabela 1, são demons­
Procedimentos cardiológicos invasivos
tradas as características clínicas dos pacientes incluídos
As imagens foram adquiridas no único aparelho com no estudo.
detector plano (Philips Allura, Einthoven, Holanda) com
Em relação às características angiográficas, veri­
três campos de magnificação (15, 20 e 25 cm) e duplo
ficou-se que 60 pacientes (50,4%) não apresentaram
filtro (cobre + alumínio). Para obtenção das ima­gens, fo­­­
estenose coronariana > 70%. Lesões graves em 1, 2 ou
ram realizadas cinco projeções para coronária esquerda,
3 vasos ocorreu em 35 (29,4%), 19 (16,0%) e 5 (4,2%)
duas para coronária direita e uma para a ventriculografia
pacientes, respectivamente. A fração de ejeção dos
esquerda. As posições do detector plano seguiram as
pacientes foi de 67 ± 15%. O tempo de procedimento
seguintes angulações: (1) coronária esquerda: oblíqua
médio foi de 15h06 ± 4h03 minutos e da fluoroscopia
anterior direita 20° com angulação caudal 20°, antero­
foi de 2h55 ± 4h03 minutos, com volume de contraste
posterior com angulação caudal 20°, oblíqua anterior
de 96,9 ± 10,7 mL por exame. Foram realizadas 9,45 ±
esquerda 40° com angulação caudal 30° (spider view),
0,65 aquisições por procedimento com cerca de 741 ±
oblíqua anterior direita 40° com angulação cranial 25°,
101 quadros por exame. A média de quadros por
anteroposterior com angulação cranial 40°; (2) coronária
aquisição foi 78 ± 10.
direita: oblíqua anterior direita 30°, oblíqua anterior
esquerda 30° com angulação cranial 30°; (3) ventricu­ A exposição radiológica dos pacientes envolvidos
lografia esquerda: oblíqua anterior direita 30°. Todas as no estudo, bem como dos profissionais da saúde, está
322 Cardoso et al. Rev Bras Cardiol Invasiva.
Exposição Radiológica Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos 2014;22(4):320-3

demonstrada na tabela 2. A correlação entre dose efe­ profissionais que trabalham diretamente com radiação
tiva dos médicos e enfermeiro/técnico de enfermagem ionizante não demonstram conhecimento adequado
é demonstrada na figura. sobre seus riscos.5 Logo, é cabível e pertinente a todo
indivíduo exposto a esse tipo de efeito biológico que
DISCUSSÃO promovam medidas na redução da dose e para o co­
nhecimento adequado sobre seu uso.
O presente estudo visou determinar a exposição
radiológica dos profissionais de saúde envolvidos dire­ Nosso grupo demonstrou previamente os padrões
tamente na realização de procedimentos cardiológicos atuais de exposição radiológica durante procedimentos
invasivos em aparelhos de hemodinâmica com detectores diagnósticos e terapêuticos.1 Além disso, determinamos
planos. A tecnologia com detectores planos vem sendo que peso,8 tipo de procedimento9,10 e via de acesso
incorporada nos novos aparelhos de hemodinâmica, radial11 são importantes preditores de exposição radio­
pois, conforme informam os fabricantes, essa tecnologia lógica aumentada. No entanto, a exposição ocupacional
promove maior qualidade de imagem e, teoricamente, in­­dividual era desconhecida nos dias atuais com o uso
menor exposição radiológica.5,6 de detectores planos. Verificamos que as doses efetivas
média individuais por exame foram relativamente baixas
Todos que trabalham com o uso da radiação ioni­
durante cateterismo cardíaco diagnóstico, tanto para
zante devem seguir o chamado princípio ALARA (ALARA,
médicos (0,47 µSv) quanto para enfermeiro/técnicos
acrônimo de As Low As Reasonably Achievable),7 que
(0,28 µSv). Apesar disso, nossos achados demonstraram
define basicamente que a exposição à radiação deve
que enfermeiros/técnicos são expostos a 60% da radia­
ser mantida tão baixa quanto razoavelmente exequível.
ção do médico operador. Consideramos esses achados
Apesar de o conceito ALARA ser amplamente conhecido,
importantes, pois a dose efetiva recebida por enfermeiros/
pesquisa recente demonstrou que cerca de 80% dos
técnicos de enfermagem correlaciona-se diretamente com
a do médico operador. Esse resulta­do é significativo e
ratifica a necessidade de todos os profissionais utiliza­
TABELA 1
Características clínicas do pacientes
Variável n = 119 TABELA 2
Idade, anos 58,2 ± 10,2 Parâmetros de exposição radiológica média por exame
Sexo masculino, n (%) 68 (57,1) Variável Valor
Raça branca, n (%) 105 (88,2) Exposição radiológica do paciente
Peso, kg 82,8 ± 17,7 Kerma no ar, mGy 549 ± 220
Altura, cm 167,0 ± 12,1 Produto dose-área, mGy.cm2 29.054 ± 14.696
Tabagismo ativo, n (%) 40 (33,6) Exposição radiológica do operador
Hipertensão arterial, n (%) 92 (77,3) Dose efetiva, µSv 0,47 ± 0,16
Diabetes, n (%) 40 (33,6) Exposição radiológica do enfermeiro/
Em uso de insulina 11 (9,2) técnico de enfermagem
Dislipidemia, n (%) 55 (46,2) Dose efetiva, Sv 0,28 ± 0,13
História familiar de DAC, n (%) 52 (43,7)
Intervenção coronariana percutânea prévia, n (%) 26 (21,8)
Infarto do miocárdio prévio, n (%) 23 (19,3)
Acidente vascular cerebral prévio, n (%) 4 (3,4)
Medicações em uso, n (%)
Ácido acetilsalicílico 92 (77,3)
Clopidogrel/ticlopidina 16 (13,4)
Betabloqueador 82 (68,9)
Nitrato 34 (28,6)
Estatina 61 (51,3)
IECA 64 (53,8)
Antagonista do cálcio 17 (14,3)
Diurético 41 (34,5)
Antagonista da aldosterona 18 (15,1)
DAC: doença arterial coronária; IECA: inibidores da enzima de conversão da
angiotensina. Figura. Correlação da exposição ocupacional entre profissionais da saúde.
Rev Bras Cardiol Invasiva. Cardoso et al. 323
2014;22(4):320-3 Exposição Radiológica Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos

rem o máximo de dispositivos de proteção radiológica cardiológicos invasivos em equipamentos com detectores
quando expostos à radiação ionizante.12 planos. Rev Bras Cardiol Invasiva. 2011(1):84-9.
2. Vano E, Ubeda C, Leyton F, Miranda P, Gonzalez L. Staff
A portaria do Ministério da Saúde 45313 determi­ radiation doses in interventional cardiology: correlation with
na que a dose efetiva média anual não deve exceder patient exposure. Pediatr Cardiol. 2009;30(4):409-13.
20 mSv em qualquer período de 5 anos consecutivos; 3. Roguin A, Goldstein J, Bar O. Brain malignancies and ioni­
não podendo exceder 50 mSv em nenhum ano. Medi­ sing radiation: more cases reported. EuroIntervention. 2012;
das que promovam a redução na dose para pacientes 8(1):169-70.
e profissionais da saúde são pertinentes e cada vez 4. Roguin A, Goldstein J, Bar O. Brain tumours among interven­
tional cardiologists: a cause for alarm? Report of four new cases
mais estimuladas pelas sociedades científicas.12,14,15 A
from two cities and a review of the literature. EuroIntervention.
literatura internacional tem demonstrado que simples 2012;7(9):1081-6.
ações podem promover significativa redução da exposi­ 5. Gurley JC. Flat detectors and new aspects of radiation safety.
ção radiológica. Frequentemente pacientes submetidos Cardiol Clin. 2009;27(3):385-94.
a cateterismo cardíaco possuem função ventricular es­ 6. Trianni A, Bernardi G, Padovani R. Are new technologies always
querda avaliada por ecocardiograma ou outro método reducing patient doses in cardiac procedures? Radiat Prot Dosi­
de imagem. Lin et al.16 demonstraram que a supressão metry. 2005;117(1-3):97-101.
da ventriculografia esquerda promove redução de 10% 7. International Commission on Radiological Protection (ICRP). Re­
no produto dose-área. Seguindo essa linha, Abdelaal et commendations. Oxford: Pergamon Press; 1977. (Publication, 26).
al.17 avaliaram, de maneira randomizada, dois métodos 8. Vargas FG, Silva BS, Cardoso CO, Leguisamo N, Moraes CAR,
de aquisição de imagem: com 7,5 e 15 quadros/segundo. Moraes CV, et al. Impacto do peso corporal dos pacientes na
Essa simples redução na taxa de exposição promoveu exposição radiológica durante procedimentos cardiológicos
invasivos. Rev Bras Cardio Invasiva. 2012(1):63-8.
de maneira significativa redução de 30% na dose do
9. Medeiros RF, Sarmento-Leite R, Cardoso CO, Quadros AS, Risso
operador e 19% na dose do paciente. Não advogamos
E, Fischer L, et al. Exposição à radiação ionizante na sala de
uma mudança na técnica, mas é importante que todos hemodinâmica. Rev Bras Cardiol Invasiva. 2010(3):316-20.
os profissionais envolvidos em exames radiológicos 10. Azevedo EM, Gomes HB, Yordi LM, Moura MRS, Laguna A,
tenham conhecimento de que simples medidas podem Fischer LS, et al. Impacto das lesões complexas na exposição
reduzir a dose em seus procedimentos. Cabe, portanto, radiológica durante intervenção coronária percutânea. Rev
ao profissional definir qual a estratégia a ser utilizada. Bras Cardiol Invasiva. 2013(1):49-53.
11. Mattos EI, Cardoso CO, Moraes CV, Teixeira JVS, Azmus AD,
O presente estudo teve limitações que devem ser Fischer LS, et al. Exposição radiológica em procedimentos
consideradas. Essa foi uma análise em centro único e coronários realizados pelas vias radial e femoral. Rev Bras
com um número reduzido de pacientes. Não foram Cardiol Invasiva. 2013(1):54-9.
incluídos pacientes submetidos à angioplastia corona­ 12. Chambers CE, Fetterly KA, Holzer R, Lin PJ, Blankenship
riana, portadores de cirurgia de revascularização mio­ JC, Balter S, et al. Radiation safety program for the cardiac
cárdica ou procedimentos pela via de acesso radial. No catheterization laboratory. Catheter Cardiovasc Interv. 2011;
entanto, em razão da carência de dados na literatura 77(4):546-56.
nacional, este artigo pode servir como referência para 13. Brasil. Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância
Sa­nitária. Portaria n. 453, de 1 de junho de 1998. Aprova
trabalhos futuros.
o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas
para proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e
CONCLUSÕES odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-xdiagnósticos em
todo território nacional e dá outras providências [Internet].
Médicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem são Brasília; 1998 [citado 2013 dez. 15]]. Disponível em: http://
expostos a doses pequenas de radiação ionizante durante www.conter.gov.br/uploads/legislativo/portaria_453.pdf
cateterismo cardíaco diagnóstico. Enfermeiros/técnicos 14. Kim KP, Miller DL. Minimising radiation exposure to physicians
de enfermagem são expostos a cerca de 60% da dose performing fluoroscopically guided cardiac catheterisation pro­
do médico operador. cedures: a review. Radiat Prot Dosimetry. 2009;133(4):227-33.
15. Brasselet C, Blanpain T, Tassan-Mangina S, Deschildre A, Duval
CONFLITO DE INTERESSES S, Vitry F, et al. Comparison of operator radiation exposure
with optimized radiation protection devices during coronary
Não há. angiograms and ad hoc percutaneous coronary interventions
by radial and femoral routes. Eur Heart J. 2008;29(1):63-70.
FONTE DE FINANCIAMENTO 16. Lin A, Brennan P, Sadick N, Kovoor P, Lewis S, Robinson JW.
Optimisation of coronary angiography exposures requires a
Não há. multifactorial approach and careful procedural definition. Br
J Radiol. 2013;86(1027):20120028.
REFERÊNCIAS 17. Abdelaal E, Plourde G, MacHaalany J, Arsenault J, Rimac G,
Déry JP, et al. Effectiveness of low rate fluoroscopy at reducing
1. Cardoso CO, Sebben JC, Fischer LS, Vidal M, Broetto GG, operator and patient radiation dose during transradial coro­
Silva BS, et al. Padrão de exposição radiológica e preditores nary angiography and interventions. JACC Cardiovasc Interv.
de superexposição dos pacientes submetidos a procedimentos 2014;7(5):567-74.