Você está na página 1de 10

Caetano Veloso

1 Caetano Veloso
CAETANO VELOSO

Santo Amaro da Purificação, BA — 1942

Incluir Caetano Veloso em um livro dedicado à poesia significa reconhecer uma tradição
lírica muito peculiar à literatura brasileira: o cancioneiro popular, que remonta a Noel Rosa,
Cartola e Humberto Teixeira e chega até nossos dias com Dorival Caymmi, Chico Buarque,
Gilberto Gil, Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro, Luiz Tatit e Tom Zé, entre tantos outros.

Discute-se muito se as letras de MPB devem ser lidas de um ponto de vista estritamente
poético, desvinculadas das músicas com as quais foram criadas. A questão traz nas
entrelinhas um julgamento de valor, como se o fato de ser indissociável de melodias e
harmonias circunscrevesse essa produção a um gênero menor (prova disso são
as resistências à obra de Vinicius Pág. 39] de Moraes). Mas também existe o argumento de
que no Brasil — graças a inventividade singular de compositores que prescindem de
comparações com a literatura "pura"—, a canção popular se tornou um gênero maior.
Seja como for, a recente publicação de Letra Só (2003), reunindo 180 composições de
Caetano Veloso, demonstra que podemos enxergá-las também como poemas. Lendo os
versos de "Língua", por exemplo, seria quase possível esquecer as harmonias e a voz do
compositor — se isso não significasse a pobreza de espírito de trocar o mais pelo menos,
de ignorar as virtualidades latentes na pergunta que ele mesmo formula: "O que quer/ O
que pode/ Esta língua?"
Nas mãos de Caetano, a língua pode muito: assimila a alta tradição lírica ao
experimentalismo concreto ("Sampa"), deglute a si mesma em gesto que reproduz
metalingüisticamente aquilo que denuncia ("O furto, o estupro, rapto pútrido/ O fétido
sequestro,/ O adjetivo esdrúxulo em U") e se reinventa numa sucessão barroca de
neologismos (como em "Outras Palavras": "Parafins, gatins, alphaluz, sexonhei da
guerrapaz/ Ouraxé, palávoras, driz, okê, cris, espacial").

Já em 1967, ao comentar uma de suas músicas, Augusto de Campos identificava os


procedimentos poéticos do compositor: "A letra de 'Alegria, Alegria' traz o imprevisto da
realidade urbana, múltipla e fragmentária, captada isomorficamente através de uma
linguagem nova, também fragmentária, onde predominam substantivos-estilhaços da
'implosão informativa' moderna [...]. E o mundo das 'bancas de revista'.
O mundo da comunicação rápida, do 'mosaico informativo' de que fala Marshall McLuhan".
A frase é uma síntese de sua obra: sem ter jamais abandonado as referências, Augusto de
Campos. "A Explosão de 'Alegria Alegria'", Em: O balanço da Bossa Outras Bossas.. São
Paulo: Perspectiva. 1993. (Publicado originalmente em O Estado de São Paulo,
25/11/1967.)
Caetano resistiu à folclorização nacionalista do subdesenvolvimento, recriando nossa
dialética modernidade-arcaísmo (magnificamente presentificada no poemamanifesto
"Tropicália"). Nesse sentido, é importante notar que a canção "Fora da Ordem" pode ser
lida como o primeiro poema de nossa literatura a refletir (ainda em 1991) o impacto da
globalização num país periférico como o Brasil e que sua autobiografia, Verdade Tropical
(1997), é também uma radiografia da cultura brasileira nas últimas décadas.

"A seleção revelou muita coisa interessante da dicção dessas palavras escritas para serem
cantadas que eu não perceberia de outra forma", confessa Caetano Veloso. "Senti que as
letras, apresentadas na condição de poemas,
mostraram virtudes que eu não desconfiava que possuíssem e fiquei surpreso com valores
que eu não observava."

Eucanaã Ferraz toma o cuidado de não chamar as letras de poemas e não chamar
Caetano de poeta. "Ele faz as letras para a música", observa." Mas há, na transposição
para um papel, um deslocamento formidável, como o que em Cinema Falado assegurava a
impureza do cinema; aqui, o poema cantado, observado distante da melodia, mostra-se em
outra dimensão. E é surpreendente como, mesmo para quem conhece bem as melodias,
ao ler as letras fora dos encartes dos discos percebe outros valores. É como se o tempo
todo essas letras estivessem nos enganando, fingindo não ser poemas. A reunião em livro
dá numa forma de vida nova para os escritos."

2 Caetano Veloso
Mas, afinal, letra de música é poesia ou não? Eucanaã acha que a discussão, dada a
peculiaridade da produção cultural brasileira, é, sim, pertinente, e que o livro trouxe o tema
de novo à baila. Afinal, Caetano hoje é citado, junto a outros como Chico Buarque e
Arnaldo Antunes por Manuel da Costa Filho em Literatura Brasileira hoje, publicação Folha
Explica, como poeta. Em tempo, Chico consta como prosista.

Principais Obras: Verdade Tropical (Companhia das Letras, 1997), Letra Só (Companhia
das Letras, 2003).

3 Caetano Veloso
Língua
Caetano Veloso

Gosta de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões


Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior?
E deixe os Portugais morrerem à míngua
“Minha pátria é minha língua”
Fala Mangueira! Fala!

Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó


O que quer
O que pode esta língua?

Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas


E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas! Cadê? Sejamos imperialistas!
Vamos na velô da dicção choo-choo de Carmem Miranda
E que o Chico Buarque de Holanda nos resgate
E – xeque-mate – explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os deles e os delas da TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homem
Lobo do lobo do lobo do homem
Adoro nomes
Nomes em ã
De coisas como rã e ímã
Ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã
Nomes de nomes
Como Scarlet Moon de Chevalier, Glauco Mattoso e Arrigo Barnabé
e Maria da Fé

Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó


O que quer
O que pode esta língua?

Se você tem uma idéia incrível é melhor fazer uma canção


Está provado que só é possível filosofar em alemão
Blitz quer dizer corisco
Hollywood quer dizer Azevedo
E o Recôncavo, e o Recôncavo, e o Recôncavo meu medo
A língua é minha pátria
E eu não tenho pátria, tenho mátria
E quero frátria
Poesia concreta, prosa caótica
Ótica futura
Samba-rap, chic-left com banana
(– Será que ele está no Pão de Açúcar?
– Tá craude brô
– Você e tu
– Lhe amo
– Qué queu te faço, nego?

4 Caetano Veloso
– Bote ligeiro!
– Ma’de brinquinho, Ricardo!? Teu tio vai ficar desesperado!
– Ó Tavinho, põe camisola pra dentro, assim mais pareces um espantalho!
– I like to spend some time in Mozambique
– Arigatô, arigatô!)
Nós canto-falamos como quem inveja negros
Que sofrem horrores no Gueto do Harlem
Livros, discos, vídeos à mancheia
E deixa que digam, que pensem, que falem.

Sampa
Caetano Veloso

Alguma coisa acontece no meu coração


Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas

Ainda não havia para mim Rita Lee


A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João

Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto


Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto
É que Narciso acha feio o que não é espelho
E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes quando não somos mutantes

E foste um difícil começo


Afasto o que não conheço
E quem vende outro sonho feliz de cidade
Aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas


Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas de campos, espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

Pan-Américas de Áfricas utópicas, túmulo do samba


Mais possível novo quilombo de Zumbi
E os novos baianos passeiam na tua garoa
E novos baianos te podem curtir numa boa

Outras Palavras
Caetano Veloso

Nada dessa cica de palavra triste em mim na boca


Travo, trava mãe e papai, alma buena, dicha louca
Neca desse sono de nunca jamais nem never more
Sim, dizer que sim pra Cilu, pra Dedé, pra Dadi e Dó
Crista do desejo o destino deslinda-se em beleza:
Outras palavras

5 Caetano Veloso
Tudo seu azul, tudo céu, tudo azul e furta-cor
Tudo meu amor, tudo mel, tudo amor e ouro e sol
Na televisão, na palavra, no átimo, no chão
Quero essa mulher solamente pra mim, mais, muito mais
Rima, pra que faz tanto, mas tudo dor, amor e gozo:
Outras palavras

Nem vem que não tem, vem que tem coração, tamanho trem
Como na palavra, palavra, a palavra estou em mim
E fora de mim
quando você parece que não dá
Você diz que diz em silêncio o que eu não desejo ouvir
Tem me feito muito infeliz mas agora minha filha:
Outras palavras

Quase João, Gil, Ben, muito bem mas barroco como eu


Cérebro, máquina, palavras, sentidos, corações
Hiperestesia, Buarque, voilá, tu sais de cor
Tinjo-me romântico mas sou vadio computador
Só que sofri tanto que grita porém daqui pra a frente:
Outras palavras

Parafins, gatins, alphaluz, sexonhei da guerrapaz


Ouraxé, palávoras, driz, okê, cris, espacial
Projeitinho, imanso, ciumortevida, vivavid
Lambetelho, frúturo, orgasmaravalha-me Logun
Homenina nel paraís de felicidadania:
Outras palavras

Alegria, Alegria
Caetano Veloso

Caminhando contra o vento


Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou...

O sol se reparte em crimes


Espaçonaves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou...

Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e Brigitte Bardot...

O sol nas bancas de revista


Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou...

Por entre fotos e nomes


Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não...

6 Caetano Veloso
Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço e sem documento,
Eu vou...

Eu tomo uma coca-cola


Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou...

Por entre fotos e nomes


Sem livros e sem fuzil
Sem fome, sem telefone
No coração do Brasil...

Ela nem sabe até pensei


Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou...

Sem lenço, sem documento


Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou...

Por que não, por que não...


Por que não, por que não...
Por que não, por que não...
Por que não, por que não...

Tropicália
Caetano Veloso

Sobre a cabeça os aviões


Sob os meus pés os caminhões
Aponta contra os chapadões
Meu nariz
Eu organizo o movimento
Eu oriento o carnaval
Eu inauguro o monumento
No planalto central do país...

Viva a bossa
Sa, sa
Viva a palhoça
Ca, ça, ça, ça...

O monumento
É de papel crepom e prata
Os olhos verdes da mulata
A cabeleira esconde
Atrás da verde mata
O luar do sertão
O monumento não tem porta
A entrada é uma rua antiga
Estreita e torta
E no joelho uma criança
Sorridente, feia e morta

7 Caetano Veloso
Estende a mão...

Viva a mata
Ta, ta
Viva a mulata
Ta, ta, ta, ta...

No pátio interno há uma piscina


Com água azul de Amaralina
Coqueiro, brisa
E fala nordestina
E faróis
Na mão direita tem uma roseira
Autenticando eterna primavera
E no jardim os urubus passeiam
A tarde inteira
Entre os girassóis...

Viva Maria
Ia, ia
Viva a Bahia
Ia, ia, ia, ia...

No pulso esquerdo o bang-bang


Em suas veias corre
Muito pouco sangue
Mas seu coração
Balança um samba de tamborim
Emite acordes dissonantes
Pelos cinco mil alto-falantes
Senhoras e senhores
Ele põe os olhos grandes
Sobre mim...

Viva Iracema
Ma, ma
Viva Ipanema
Ma, ma, ma, ma...

Domingo é o fino-da-bossa
Segunda-feira está na fossa
Terça-feira vai à roça
Porém!
O monumento é bem moderno
Não disse nada do modelo
Do meu terno
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem!
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem!...

Viva a banda
Da, da
Carmem Miranda
Da, da, da, da...

8 Caetano Veloso
Fora de Ordem
Caetano Veloso

Vapor barato
Um mero serviçal
Do narcotráfico
Foi encontrado na ruína
De uma escola em construção...

Aqui tudo parece


Que era ainda construção
E já é ruína
Tudo é menino, menina
No olho da rua
O asfalto, a ponte, o viaduto
Ganindo prá lua
Nada continua...

E o cano da pistola
Que as crianças mordem
Reflete todas as cores
Da paisagem da cidade
Que é muito mais bonita
E muito mais intensa
Do que no cartão postal...

Alguma coisa
Está fora da ordem
Fora da nova ordem
Mundial...

Escuras coxas duras


Tuas duas de acrobata mulata
Tua batata da perna moderna
A trupe intrépida em que fluis...

Te encontro em Sampa
De onde mal se vê
Quem sobe ou desce a rampa
Alguma coisa em nossa transa
É quase luz forte demais
Parece pôr tudo à prova
Parece fogo, parece
Parece paz, parece paz...

Pletora de alegria
Um show de Jorge Benjor
Dentro de nós
É muito, é grande
É total...

Alguma coisa
Está fora da ordem
Fora da nova ordem
Mundial...

Meu canto esconde-se


Como um bando de Ianomâmis
Na floresta
Na minha testa caem

9 Caetano Veloso
Vem colocar-se plumas
De um velho cocar...

Estou de pé em cima
Do monte de imundo
Lixo baiano
Cuspo chicletes do ódio
No esgoto exposto do Leblon
Mas retribuo a piscadela
Do garoto de frete
Do Trianon
Eu sei o que é bom...

Eu não espero pelo dia


Em que todos
Os homens concordem
Apenas sei de diversas
Harmonias bonitas
Possíveis sem juízo final...

Alguma coisa
Está fora da ordem
Fora da nova ordem
Mundial...

©Protegido pela Lei do Direito Autoral


LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
Permitido o uso apenas para fins educacionais.
Este material pode ser redistribuído livremente, desde que não seja alterado, modificado e que as informações
sejam mantidas.

10 Caetano Veloso