Você está na página 1de 54

Música Popular

Arquivo de música de língua portuguesa 26 de Abril de 2003

1

Conteúdo

. Achégate a mim, Maruxa

A

.

caminho de Viseu .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

5

Agora que eu vou cantar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

alecrim .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

Alta vai a lua

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

A

machadinha .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

A

minha saia velhinha

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

. Anda duermete niño .

Amores do Douro

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

12

Ao passar a ribeirinha

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

Ao romper da bela aurora .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

A plaina

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16

A praia .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

As armas do meu adufe

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

A

senhora Chamarrita .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

Bailinho da Madeira

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

Bela aurora

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

. Cantar dos Reis (Donões, Montalegre)

Canário

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

24

Cantiga da Roda .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

Casei-me cun pastori

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

Cerigoça .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

Chamarrita .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

Charamba

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

Chin-glin-din

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

. Delicada da cintura

Chula

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

34

Diz a laranja ao limão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

35

Em 25 de Março .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

Entrai pastores .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

Entrudo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

. Este linho é mourisco

Entrudo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

40

Eu hei-de amar uma pedra

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

. Fui-te ver estavas lavando .

Foi na noite de Natal

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

43

Garras dos sentidos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

Guitarra

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

45

Laurinda .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

Lá vai o comboio

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

48

Lenga, lenga .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

49

Lira

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

50

Malhão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

51

Manuel cuco .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

Maria Faia .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

. Menina e moça

Marião .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

56

2

Vou-me embora vou partir

Letra e música: popular: Alentejo; Intérprete: Vitorino (?);

Vou-me embora, vou partir mas tenho esperança de correr o mundo inteiro, quero ir quero ver e conhecer rosa branca

e a vida do marinheiro sem dormir

E a vida do marinheiro branca flor

que anda lutando no mar com talento adeus adeus minha mãe, meu amor eu hei-de ir hei-de voltar com o tempo

106

Menina estás à janela

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

Milho verde

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

58

moleirinha .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

59

Não olhes pra mim não olhes

.

Natal africano

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

60

61

. No alto da montanha

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

62

No alto daquela serra

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

Noite feliz

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

64

O

fado dos passarinhos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

65

Oh meu S. Bentinho .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

66

Oh oh meu menino

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

67

Oh que janela tão alta

.

O

.

ladrão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

69

Olhei para o céu

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

Olhos pretos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

71

Oliveira da serra .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

O

Menino

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

O

menino está dormindo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

74

Ó

menino ó

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

75

Ó

minha amora madura

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

76

Ó

patrão dê-me um cigarro

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

77

O

que manto de tristeza

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

78

Ó

rosa, arredonda a saia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

79

Os bravos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

80

O

sol perguntou à lua

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

82

Pezinho da vila

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

83

. Porque não me vês Joana

Pézinho do pico

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

84

85

Por riba se ceifa o pão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

Puestos entan frente a frente

.

Rama

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

89

Resineiro engraçado .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

90

Ribeira vai cheia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

91

Romance Da Lhoba (romance da loba) .

.

.

.

.

.

.

92

Rouxinol repica o canti

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

93

San Macaio

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

94

. Senhor da Serra

Sapateia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

95

97

. Tia Anica de Loulé

S. Simão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

98

99

Trângulo mângulo .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

100

Três galinhas a cantar

.

.

Uma sardinha

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

102

103

Vem cantar à roda

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

104

. Vou-me embora vou partir

Verde Gaio

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

105

106

3

A caminho de Viseu

Letra e música: popular; (canção infantil, canção de roda)

A E7

Indo eu, indo eu,

A

A caminho de Viseu, [Bis]

E7

Encontrei o meu amor,

A

Ai Jesus, que lá vou eu! [Bis]

[Refrão] Ora zus, truz, truz, Ora zás, trás, trás, Ora chega, chega, chega, Ora arreda lá pr’a trás!

Indo eu, indo eu,

A caminho de Viseu,

Escorreguei, torci um pé, Ai que tanto me doeu!

[Refrão]

Vindo eu, vindo eu, Da cidade de Viseu,

Deixei lá o meu amor,

O que bem me aborreceu!

[Refrão]

Fernando Faria (Alternativamente C/G7)

A E7
A
E7

4

Verde Gaio

Letra e música: popular;

C/G7) A E7 4 Verde Gaio Letra e música: popular; Hei-de cantar hei-de rir [bis] hei-de
C/G7) A E7 4 Verde Gaio Letra e música: popular; Hei-de cantar hei-de rir [bis] hei-de

Hei-de cantar hei-de rir [bis] hei-de ser muito alegre [bis] hei-de mandar a tristeza [bis] para o demo que a leve [bis]

Verde gaio verde gaio verde guito [bis] agora é que vai a meio

o rapaz do casaquito

agora é que vai a meio

o rapaz do casaquito

O meu amor quer que eu tenha [bis] juizo capacidade [bis] tenha ele que é mais velho [bis] eu sou de menor idade [bis]

verde gaio

Sei um saco de cantigas [bis]

e mais uma saquetinha [bis]

quando as quero cantar [bis] desato-lhe a baracinha [bis]

A. Guimarães

105

Vem cantar à roda

Letra e música: popular; (canção de campos de férias)

Foi no grande tro-la-ró de Viana qu’eu achei qu’eu achei uma menina que no tro-la-ró deixei

aguenta minha gente que uma hora não é nada que quem não cantar agora cantará de madrugada

ah ah ah (Mariana) ah ah ah (Marianinha) vem cantar à roda vem cantar sozinha

Eu cantar não sei mas hei-de aprender peço ajuda ao (Manel) para o fazer

Mariana

Nota - Na quadra 3 o grupo indica alguém (Mariana) que irá cantar a quadra 4 sozinha. Na quadra 4, quam canta sozinho escolhe o seguinte.

104

Achégate a mim, Maruxa

Música: Zeca Afonso; Letra: popular: galego; Intérprete:

Zeca Afonso; (cantar galego)

popular: galego; Intérprete: Zeca Afonso; (cantar galego) Achégate a mim, Maruxa chégate ben, moreniña quérome
popular: galego; Intérprete: Zeca Afonso; (cantar galego) Achégate a mim, Maruxa chégate ben, moreniña quérome
popular: galego; Intérprete: Zeca Afonso; (cantar galego) Achégate a mim, Maruxa chégate ben, moreniña quérome

Achégate a mim, Maruxa chégate ben, moreniña quérome casar contigo serás miña mulleriña

Adeus, estrela brilante compañeiriña da lua moitas caras teño visto mais como a tua ningunha

Adeus lubeiriña triste de espaldas te vou mirando non sei que me queda dentro que me despido chorando

jj

0 In: “fura fura”, 1979;

5

Agora que eu vou cantar

Música: José Manuel David; Letra: popular: Alentejo; In- térprete: Gaiteiros de Lisboa;

Agora que eu vou cantar viva o meu atrevimento quem não me quiser ouvir bote os ouvidos ao vento

Por bem cantar, mal não digas dos que a voz aqui levantam pois uns cantam o que sabem e outros sabem o que cantam

José Guimarães

0 In: “bocas do inferno”, 1997;

6

Uma sardinha

Letra e música: popular (?); (canção de campos de férias)

e música: popular (?); (canção de campos de férias) Uma sardinha [bis] duas sardinhas [bis] três

Uma sardinha [bis] duas sardinhas [bis] três sardinhas [bis] um pau e um gato [bis] que se esconderam [bis] num sapato [bis] ah xixixixiuaua [bis] ah uauauauaxixi [bis] de la senhorita [bis] (luisita) [bis]

uma sardinha [bis] duas sardinhas [bis] três sardinhas [bis] um pau e um gato [bis] que se disputarm [bis] te tal maneira [bis] de se meterem [bis] na banheira [bis] ah xixixixiuaua [bis] ah uauauauaxixi [bis] de la senhorita [bis] (luisita) [bis]

jj

103

Três galinhas a cantar

Música: (popular francesa); Letra: popular; (canção infan- til)

(popular francesa); Letra: popular; (canção infan- til) Três galinhas a cantar vão p’ro campo passear; a

Três galinhas a cantar vão p’ro campo passear; a da frent’é a primeira logo’as outras em carreira, vão assim a passear os bichinhos procurar

A. Guimarães (versão portuguesa de “A vous dirais je Maman”)

102

alecrim

Letra e música: popular;

Alecrim alecrim aos molhos por causa de ti choram os meus olhos ai meu amor

quem te disse a ti que a flor do monte era o alecrim

Alecrim alecrim doirado que nasce no monte sem ser semeado ai meu amor quem te disse a ti que a flor do monte era o alecrim

Mariana

7

Alta vai a lua

Letra e música: popular: Trás-os-Montes;

Alta vai a lua alta

mais q(e) sol do meio-dia;

e mais alta vai a Senhora quando para Belém ia;

e

Madalena ia trás dela

e

alcança-la não podia;

e

alcançou-a em Belém

onde ela estaba parida;

e era tanta a sua pobreza

que nenhum cueiro tinha; deitou mãos à sua cabeça

a

um véu que ela trazia;

e

garrou tisourinha d’ouro

e

em três tiras o partia;

uma para pela manha

e outra para o meio-dia

e outra para o meio da noite onde Jesus envolvia outra para o meio da noite onde Jesus envolvia.

(Português-Mirandés)

0 In: “Música tradicional, vol 6- Terras de Miranda”;

8

não ficaram senão três

dessas três que me ficaram mandei-as calçar as luvas deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão duas

dessas duas que ficaram mandei-as comer pirua deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão uma

Tinha vinte e quatro freiras fi-las andar na poeira elas morreram-me todas com uma grande borracheira

Victor Almeida (Sta Marta de Penaguião)

101

Trângulo mângulo

Música: Carlos Guerreiro; Letra: popular; Intérprete: Gai- teiros de Lisboa; (lenga-lenga)

Tinha vinte e quatro freiras Mandei-as fazer um doce deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão doze

Dessas doze que ficaram mandei-as vestir de bronze deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão onze

dessas onze que ficaram mandei-as lavar os pés deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão dez

dessas dez que me ficaram mandei-as pró dezanove deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão nove

dessas nove que ficaram mandei-as coer biscoito deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão oito

dessas oito que ficaram manei-as pró dezassete deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão sete

dessas sete que me ficaram mandei-as contar os reis deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão seis

dessas seis que me ficaram mandei-as pró João Pinto deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão cinco

dessas cinco que ficaram mandei-as cortar tabaco deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas não ficaram senão quatro

dessas quatro que ficaram mandei-as lá outra vez deu-lhes o tragulotrico trangulumangulo nelas

100

A machadinha

Letra e música: popular; (dança de roda infantil)

Dm

Ah, ah, ah, minha machadinha,[bis]

A7

Quem te pôs a mão,

Dm

Sabendo que és minha?[bis]

Sabendo que és minha, também eu sou tua, Sabendo que és minha, também eu sou tua, Salta machadinha, p’ro meio da rua, Salta machadinha, p’ro meio da rua.

No meio da rua não hei-de ficar, No meio da rua não hei-de ficar, Eu hei-de ir à roda, escolher o meu par, Eu hei-de ir à roda, escolher o meu par.

Fernando Faria

Dm A7
Dm
A7

9

A minha saia velhinha

Letra e música: popular: Minho;

Tia Anica de Loulé

Letra e música: popular: Algarve;

A Tia Anica, tia Anica, E7 Tia Anica de Loulé , A quem deixaria ela
A
Tia Anica, tia Anica,
E7
Tia Anica de Loulé ,
A quem deixaria ela
A
A caixinha do rapé? [Bis]
[Refrão=]

A minha saia velhinha

Está toda rotinha

d’andar a bailar

agora tenh’uma nova feitinha na moda p’ra eu estriar.

Minha mãe casai-me cedo, enquanto sou rapariga:

que o milho ceifado tarde não dá palha nem espiga!

O meu amor era torto

e eu mandei-o cavacar:

agora já tenho lenha para fazer um jintar.

José Nuno Oliveira (recolhida em Marrancos, anos 70)

10

A E7

Olé, olá ,

A

Esta vida não está má ,

E7

Olá, olé ,

A

Tia Anica de Loulé .

Tia Anica, tia Anica, Tia Anica da Fuseta,

A

quem deixaria ela

A

barra da saia preta?

[Refrão]

Tia Anica, tia Anica, Tia Anica de Alportel,

A quem deixaria ela

A barra do seu mantel?

[Refrão]

Fernando Faria

A E7
A
E7

99

S. Simão

Música: João Afonso; Letra: popular; Intérprete: João Afonso; (rimance)

Em Castela há um santo que se chama S. Simão onde vão frades e freiras ouvir a missa e sermão;

e também D. Maria, das mais altas que lá vão.

Ao entrar para a igreja sete frades namorou;

o

que estava a dizer missa logo para trás olhou;

o

que mudou o missal sete folhas lhe rasgou;

o

que dava as galhetes todo o vinho lhe arramou;

e

o que tocava o sino do campanário saltou;

quebrava sete costelas e um braço deslocou! Mal haja a D. Maria e mais quem na cá passou; em tão poucochinho tempo tento mal ela causou!

João Moças, jj

Nota - segundo o livro (de 60 paginas!) que acompanha o disco, Este romance encontra-se documentado já no século XVI em folhetos de cordel.

0 In: “Novas vos trago”,1999 (Amélia Muge, Brigada Victor Jara, Gaitei- ros de Lisboa, João Afonso, Sérgio Godinho);

98

Amores do Douro

Música: Ricardo Costa, Carla Lopes; Letra: popular; Intér- prete: Frei Fado d’El Rei;

Ó meu amor se te fores

Leva-me no teu coração Eu navego nos teus olhos

E

tu no meu coração

O

meu coração é terra

Hei-de mandar cavá-lo

Para semear saudades Que tenho de te falar

Lá vai o rio correndo Oh, quem mo dera agarrar

O amor é como um rio

Vai-se e não torna a voltar

Ó rio que vais correndo

Levas meu bem que eu adoro Se te faltarem as águas Leva as lágrimas que choro

Aí vai meu coração Se o quiseres matar, podes:

Olha que estás dentro dele Se o matas também morres

José Ferreira Alves

0 In: “Danças no tempo”, 1995;

11

Anda duermete niño

Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Intérprete: Né La- deiras;

Anda duermete niño que viene el coco a comere los niños que duermen poco

Anda duermete niño duerme sin miedo aunque silben los aires gruñan los perros

Anda duermete niño ea la nana duerme duerme lucerito de la manãna

En la perta del cielo venden zapatos para los angelitos que estan descalzos

Creissac(Jan-96) (castelhano)

0 In: Traz os Montes;

12

Senhor da Serra

Letra e música: popular: Beira;

O Senhor da Serra é meu o Senhor da Serra é meu que o ganhei ao serão que o ganhei ao serão oh meu divino Senhor oh meu divino Senhor tende de mim compaixão tende de mim compaixão

Vira vira do norte pro sul vira vira do norte pro sul quando vira o norte faz o céu azul vira vira e torna a virar que eu nunca posso deixar de te amar

Oh meu divino Senhor oh meu divino Senhor vinde abaixo à ladeira vinde abaixo à ladeira vinde buscar a mortalha vinde buscar a mortalha qu’eu já tive à cabeceira qu’eu já tive à cabeceira

jj

97

Ó Sapateia, meu bem, Sapateia agora aqui, Eu quero morrer cantando, Já que cantando nasci.

[Refrão]

Aí vem a Sapateia, Para o balho se acabar. Menina com quem balhei, Bem me queira desculpar.

[Refrão]

Adeus, que me vou embora, Para as bandas do além. Quem me não conhece, chora, Que fará quem me quer bem?

[Refrão]

Fernando Faria (Alternativamente G7/C, A7/D)

A E7
A
E7

96

Ao passar a ribeirinha

Letra e música: popular: Açores;

A

D

Ao passar a ribeirinha

E

A

Pus o pé, molhei a meia,

F(m Bm

Pus o pé, molhei a meia, Pus o pé, molhei a meia!

Namorei na minha terra, Fui casar/ em terra alheia, Fui casar em terra alheia, Porque não/ fiquei na minha!

Fui casar em terra alheia, Minha mãe/ não me ralhou; Minha mãe já não se lembra Do tempo/ que já passou!

Do tempo que já passou, Do tempo/ que já lá vai, Minha mãe já não se lembra Quando na/morou meu pai!

Minha mãe casai-me cedo, Que me dói/ a passarinha!

Ó filha coç’à c’o dedo,

Que eu também/ cocei a minha!

O padre da minha aldeia,

No sermão/ do mês passado, Jurou p’la saúde dos filhos Que nunca/ tinha pecado!

São Gonçalo de Amarante, Que estais vi/rado pr’á vila, Virai-vos pró outro lado, Que vos dá/ o sol na pila!

Fui um dia ao cemitério

E pisei/ as campas todas;

Levantou-se um morto e disse «Talvez um/ dia tu morras!»

Santo António de Lisboa, Que pr’a mim/ foste um cabrão, Das três pernas que me deste Só duas/ chegam ao chão!

O cão da minha vizinha

13

Pôs-se na/ minha cadela; Vou fazer o mesmo à dona, Pr’a ficar/ ela por ela

Santo Cristo dos Milagres Casai-me/ que bem podeis! Que eu já tenh’ as unhas gastas De coçar/ onde sabeis!

Sapateia

Letra e música: popular: Açores;

E7

A

Se tu suspiras, suspira,

E7

A

Cá dentro, o meu coração;

Já tenho teias de aranha no sítio/ que bem sabeis

E7

Se tu choras, também chora,

A

 

E7

A

Fernando Faria

Vê lá se te quero, ou não. [Bis]

A D Bm E
A
D
Bm
E

14

[Refrão] Sapateia, meu bem, Sapateia, ai Outra vez a Sapateia,

Ó

quantas vezes, ó quantas,

O

jantar serve de ceia! [Bis]

O

ladrão da Sapateia,

Na hora que quer partir, Quem tem à vista o seu bem, Dele se vai despedir.

[Refrão]

Ó Sapateia, meu bem,

Sapateia pr’a «diente», Adiante mais um par, Que atrás vem muita gente.

[Refrão]

Vá de roda, fecha a roda, Fecha de meia rodela, Mal haja quem te dá penas, Amada, querida, bela.

[Refrão]

Ó Sapateia, meu bem,

Ai torna a sapatear, Uma volta não é nada, Outra volta vamos dar.

[Refrão]

Dá-me a tua mão esquerda, Que eu ta quero apertar, Não te peço a mão direita, Porque já tens a quem dar.

[Refrão]

95

San Macaio

Letra e música: popular: Açores;

G

San Ma caio, San Macaio deu à costa, [Bis]

D7

G

Ai deu à costa nos baixos da Urze lina;[Bis]

G

Toda a gente, toda a gente se salvou, [Bis]

D7

G

Ai se salvou, só morreu uma menina. [Bis]

San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa lá na Ponta dos Mosteiros; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só morreu dois passageiros.

San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa, deu à costa na fundura; Quebrou-se-lhe, quebrou-se-lhe o tabuado, Ai ficou só, ficou só na pregadura.

San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa na Baía da Feiteira; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só morreu uma feiticeira.

San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa nas pedras da Fajãzinha; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só morreu uma galinha.

San Macaio, San Macaio já é velho, Ai já é velho e também é marinheiro; Andava, andava sempre perdido, Sempre perdido por causa do nevoeiro.

San Macaio, San Macaio deu à costa, Ai deu à costa nos baixos do Maranhão; Toda a gente, toda a gente se salvou, Ai se salvou, só o San Macaio não.

Fernando Faria (Alternativamente A/E7, C/G7, E/B7)

G D7
G
D7

94

Ao romper da bela aurora

Letra e música: popular: Beira-Alta;

Ao romper da bela aurora vem o pastor da choupana vem gritando em altas vozes muito padece quem ama

muito padece quem ama mais padece quem namora vem o pastor da choupana ao romper da bela aurora

gosto de quem canta bem

é uma prenda bonita

gosto de que canta bem

é uma prenda bonita

Não empobrece ninguém assim como não enrica não empobrece ninguém assim como não enrica

Ao romper

jj

15

A plaina

Letra e música: popular;

A plaina corre ligeira

sol

Xária Xária Xáriá- ó Tornando lisa a madeira Xária Xária Xáriá-ó

sol

No vi çoso bosque em flor

sol

Sente- se o mesmo ru mor

Xária Xária Xária

sol

Xária Xária Xáriá- ó

No torno se amolda o aço Crissa crissa crissá-ó Com arte, amor e cansaço Crissa crissa crissá-ó

Na birgorna do ferreiro Bate o martelo certeiro Crissa crissa crissa Crissa crissa crissá-ó

O rochedo antes da aurora

Pinga pinga pingá-ó Aos golpes do pinção chora Pinga pinga pingá-ó

Um artista com suor Lhe dará forma melhor Pinga pinga pinga Pinga pinga pingá-ó

Agrupamento 739 - Fajã de Baixo, CNE

sol d fÆ
sol
d

16

Rouxinol repica o canti

Letra e música: popular: Alentejo;

Rouxinol repica o canti

e ao passar à passadeira

nunca mais voltes a Beja

o-aiii

sem passar à Vidigueira

Sem passar à Vidigueira sem ir beber ao Falcante

e ao passar à passadeira

o-aiii

rouxinol repica o canti

Eu gosto muito de ouvir cantar a quem aprendeu

se houvera quem me ensinara

o-aiii

quem aprendia era eu

jj

93

Romance Da Lhoba (romance da loba)

Letra e música: popular: Trás-os-Montes; Intérprete: Gai- teiros de Lisboa; (rimance)

Indo ió la sierra arriba Delantre de mia piara Indo ió la sierra arriba Delantre de minha piara Repicand‘al mio caldeiro Remando mia samarra Repicand‘al mio caldeiro Remando mia samarra

Quando me sai uma lhoba Que era grande e parda Quando me sai uma lhoba Que era grande e parda

E lhebou-me unha cordeira

La melhor de la piara

E lhebou-me unha cordeira

La melhor de la piara

Arriba seite cachorros Abaixo pera guardiana Arriba seite cachorros Abaixo pera guardiana Se m‘agarrardes la lhoba Boa cena teneis gana

E se non me l‘agarrardes

Cenareis com la caiata

E corrian siete léguas

Todas siete por arada

E corrian siete léguas

Todas siete por arada

E al final das siete léguas

Yá la lhoba va cansada

E al final das siete léguas

Yá la lhoba ya cansada

Nuno Miranda (letra em Mirandês)

0 In: “invasões bárbaras”;

92

A praia

Letra e música: popular: Açores;

Olha a praia, fita a praia,

D

Olha a praia onde fica;

A F(m

E

A F(m

Fica atrás daquele outeiro, Presa com um laço de fita.

Olha a praia, fita a praia, Olha a praia onde fica; Na roda da tua saia,

À moda de gente rica.

Rola a praia, rola a praia, Rola a praia aqui comigo; Comigo não perdes nada, Nem eu perco nada contigo.

Eu gosto muito da praia, Mais gosto se lá te vejo; Para irmos, bem juntinhos, Apanhar um caranguejo.

Menina, vamos à praia, Na praia se vende chita; Uma cara, outra barata, Uma feia, outra bonita.

Esta semana que vem, Muito vou ter que comer; Os miúdos de uma pulga, Que a carne é p’ra vender.

Na praia já não há moças, Que as levou a enchente; Apenas escapou uma, Que não tem cara de gente.

Na praia já não há moças, Que as levou a fiada; Apenas escapou uma, Na sua cama deitada.

À praia, vamos à praia,

Que à praia só vai quem quer; Quem for solteiro à praia, Pr’a cima já traz mulher.

Fernando Faria (Ilha de Sta. Maria)

17

A D E
A
D
E

Nota - Alternativamente G/Em/C/D, C/Am/F/G

18

Ribeira vai cheia

Letra e música: popular;

A

Ribeira vai cheia

E

E o barco não anda,

Tenho o meu amor

A

Lá na outra banda!

Lá na outra banda

E eu cá deste lado,

Ribeira vai cheia

E o barco parado!

Se eu tivesse amores Que me têm dado, Tinha a casa cheia Até ao telhado!

Amores, amores, Amores, só um;

E o melhor de tudo

É não ter nenhum!

Fernando Faria (Alternativamente C/G, D/A)

A E
A
E

91

Resineiro engraçado

Letra e música: popular: Beira-Alta;

A

D

A

Resineiro engraçado, engra çado no fa lar,

D A

Resineiro engraçado, engra çado no fa lar,

D E7

Ó i ó ai, eu hei-de ir à terra dele,

A

Ó i ó ai, se ele me lá quiser le var. [Bis]

Já tenho papel e tinta, caneta e mata-borrão, Já tenho papel e tinta, caneta e mata-borrão,

Ó i ó ai, pr’a escrever ao resineiro,

Ó i ó ai, que trago no coração.

Resineiro é casado, é casado e tem mulher, Resineiro é casado, é casado e tem mulher,

Ó i ó ai, vou escrever ao resineiro,

Ó i ó ai, quantas vezes eu quiser.

Fernando Faria (Mortágua; recolha de Zeca Afonso)

A E7 D
A
E7
D

Nota - A primeira mulher do Zeca Afonso, com que casou em Coim- bra, era de Mortágua.

Acorde de viola: Alternativamente C/F/G7, G/C/D7

90

As armas do meu adufe

Letra e música: popular: Beira; (canção de adufe)

ai as armas do meu adufe ai as armas do meu adufe

ai são de pau de laranjeira ai são de pau de laranjeira ai quem houver de tocar nele ai quem houver de tocar nele ai há-de ter a mão ligeira ai há-de ter a mão ligeira

ai o luar da meia noite ai o luar da meia noite ai guarda-te lá pro verão ai guarda-te lá pro verão ai quem anda cego de amores ai quem anda cego de amores ai quer escuro luar não ai quer escuro luar não

jj

19

A senhora Chamarrita

Letra e música: popular: Açores;

A senhora Chamarrita