Você está na página 1de 3

2 Dilemas da prática de ensino: os

métodos de alfabetização
Situação-problema
Existem receitas para se alfabetizar uma criança? Se sim, qual é a melhor? Na
ausência de uma receita, como proceder?

Leia os textos abaixo, compare-os e reflita sobre as diferentes posturas


apresentadas: é possível alfabetizar sem métodos?

Receita de Alfabetização Alfabetização sem receita

Marlene Carvalho Marlene Carvalho

Pegue uma criança de 6 anos e lave-a Pegue uma criança de 6 anos ou mais,
bem. Enxugue-a com cuidado, enrole-a no estado em que estiver, suja ou
num uniforme e coloque-a sentadinha limpa, e coloque-a numa sala de aula
na sala de aula. Nas oito primeiras onde existem muitas coisas escritas
semanas, alimente-a com exercícios de para olhar e examinar. Servem jornais
prontidão, ou seja, exercícios para que velhos, revistas, embalagens,
ela fique pronta para aprender a ler. propaganda eleitoral, latas de óleo
vazias, caixas de sabão, sacolas de
Na nona semana, ponha uma cartilha
supermercado, enfim, tudo que estiver
nas mãos da criança. Tome cuidado
entulhando os armários da escola e da
para que ela não se contamine no
sua casa.
contato com livros, jornais, revistas e
outros perigosos materiais impressos, Convide a criança para brincar de ler,
pois se isso ocorrer, ela vai querer ficar adivinhando o que está escrito: você
mexendo eles sempre. vai descobrir que ela já sabe muitas
coisas. Converse com a criança, troque
Abra a boca da criança e faça com que
ideias sobre quem são vocês e as
ela engula as vogais, mande-a
coisas de que gostam e não gostam.
mastigar, uma a uma as palavras da
Escreva no quadro algumas das coisas
cartilha. Cada palavra deve ser
que foram ditas e leia para ela. Peça a
mastigada, no mínimo, 60 vezes. Se
criança que olhe as coisas escritas que
houver dificuldade para engolir, separe
existem por aí, nas lojas, nos ônibus,
as palavras em pedacinhos. Mantenha
nas ruas, na televisão.
a criança em banho-maria durante
quatro meses, fazendo exercícios de Escreva algumas destas coisas no
cópia. Em seguida faça com que a quadro. Deixe a criança cortar letras,
palavras e frases dos jornais velhos e
criança engula algumas frases inteiras. não esqueça de mandá-las limpar o
Mexa com cuidado para não embolar. chão depois para não criar problemas
Ao fim do oitavo mês, espete a criança na escola. Todos os dias leia em voz
com um palito, ou melhor, aplique uma alta para a criança alguma coisa
prova de leitura e verifique se ela interessante: historinha, poesia, notícia
devolve, pelo menos, 70 % das de jornal, anedota, letra de música,
palavras e frases engolidas. Se isto adivinhação. Mostre para a criança
acontecer, considere a criança alguns tipos de coisas escritas que
alfabetizada. Enrole-a num bonito papel talvez ela não conheça: catálogo de
de presente (a beca da formatura) e telefone, um dicionário, um telegrama,
despache-a para a série seguinte. Se a uma carta, um bilhete, um livro de
criança não devolver o que lhe foi dado receitas de cozinha, por exemplo.
para engolir, recomece a receita desde Desafie a criança a pensar sobre a
o início, isto é, volte aos exercícios de escrita e pense você também.
prontidão. Quando a criança estiver tentando
Repita a receita quantas vezes for escrever, deixe-a perguntar ou ajudar o
necessário. Ao fim de três anos, colega. Não se apavore se a criança
embrulhe a criança em papel pardo e estiver “comendo” letras, até hoje não
coloque um rótulo: “ALUNO- houve caso de indigestão alfabética.
DEFICIENTE.” Acalme a supervisora e a diretora se
elas ficarem alarmadas. Invente sua
  própria cartilha. Use sua imaginação e
  sua capacidade de observação para
  ensinar a ler. Leia e estude, você
também.

Fonte: https://pedagogiaaopedaletra.com/receita-de-alfabetizacao/  (Links para um site


externo)Links para um site externo

Introdução e Objetivos
Durante muito tempo, os educadores buscaram um método de alfabetização ideal.
Ah... como seria bom se a gente tivesse uma receita organizada e infalível para
alfabetizar todas as crianças!!!

Esse sonho, no entanto, cai por terra quando compreendemos a complexidade


dessa aprendizagem. Por isso, nesta semana, vamos apresentar as diferentes
propostas de alfabetização e conhecer os debates que geraram “a guerra dos
métodos”. 

Dessa forma, são objetivos:


 apresentar o percuso histórico da alfabetização e "a guerra dos métodos";
 evidenciar a ineficiência de procedimentos fechados, estabelecido a priori;
 refletir a relação da alfabetização com a formação dos professores.

Revisitando Conhecimentos
O que você precisa saber para aproveitar melhor o conteúdo e ampliar seus
conhecimentos.

Sugere-se a leitura de uma notícia publicada no site da revista Nova Escola sobre
as polêmicas que envolvem os métodos de ensino. 
“Quando os especialistas pararem de gritar uns com os outros, o problema da
alfabetização estará resolvido” | Revista Nova Escola

Orientação de estudo
Para trabalhar o conteúdo desta semana, estamos propondo a videoaula “Os
métodos de alfabetização” (entrevista com a Professora Elaine Vidal), que deve
ser complementada pela leitura do texto-base “Alfabetização: conheça os métodos
sintéticos e analíticos”. Uma vez tendo compreendido as diferenças básicas entre
os métodos, veja o vídeo-base do Canal Futura “Métodos de alfabetização”
(entrevista com a Professora Dra. Magda Soares, especialista no assunto), que
traz uma visão crítica sobre essa temática.

A leitura complementar sugerida é uma resenha de um livro escrito pela mesma


autora, que cumpre bem o papel de sintetizar a sua postura.