Você está na página 1de 6

A internet e a pesquisa em História

Alice Elias Ximendes1

Como advento das novas tecnologias, as formas de ensinar e aprender estão se


transformando. Essas tecnologias funcionam como ferramentas de auxilio ao professor e aos
alunos no processo ensino-apredizagem, facilitando e diversificando as atividades tanto
dentro da sala de aula, quanto nas atividades extraclasse.

A internet, dentro dessas novas tecnologias, tem se mostrado uma ferramenta completa
e ao mesmo tempo complexa, pois ao ponto que se tem disponível inúmeras informações
relevantes para os estudos, encontram-se informações incorretas, imprecisas, e sem nenhuma
credibilidade. Mas com o cuidado certo, os professores podem utilizar essa ferramenta com
tranqüilidade, tanto para o uso da internet em sala de aula, quanto para a pesquisa de
conteúdos a serem usados para ao ensino. Para que isso aconteça é necessário avaliar os sites,
e escolher os mais adequados para utilizar.

De acordo com Elza Chagas, o uso da internet pode oferecer desvantagens, sendo elas:

A primeira delas esta relacionada com o grande número de páginas que são inseridas
diariamente na rede. Isto tende a facilitar a dispersão, pois muitos alunos se perdem
no emaranhado de possibilidades de navegação, não procuram o que foi solicitado
deixando-se arrastar para áreas de interesse pessoal. É fácil perder tempo com
informações pouco significativas, ficando na periferia dos assuntos, sem aprofundá-
los, sem integrá-los num paradigma consistente. Destacamos também a impaciência
de muitos alunos por mudar de um endereço para outro, levando-os a aprofundar
fundar pouco as possibilidades que há em cada página encontrada. É difícil avaliar
rapidamente o valor de cada página, porque há muita semelhança estética na sua
apresentação, há muita cópia da forma e do conteúdo; copiam-se os mesmos sites, os
mesmos gráficos, animações, links. (CHAGAS, 2003. P. 47-48)

Para a pesquisa em História, a internet disponibiliza inúmeros sites, com os mais


diversos temas, e abordagens. Para que essa pesquisa seja o mais seguro possível o melhor é
optar por sites e textos que identifiquem os autores tanto de textos, quando de imagens, e
vídeos. Ao se pesquisar na internet devemos atentar tanto para os domínios dos sites, por
exemplo, .edu, .org, .com, .gov, .net, quanto para as devidas referências dos textos. Uma

1
Pedagoga pela Universidade Luterana do Brasil, Bacharel em História e Especialista em História do Rio
Grande do Sul, pela Universidade Federal do Rio Grande. Tutora da disciplina produção de material didático
para a licenciatura em história, do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, da Universidade Federal do
Rio Grande.
ótima fonte de pesquisa são os sites de institutos de pesquisa, centros de documentação,
museus, bibliotecas, revistas eletrônicas especializadas em História, Anais de congressos e
eventos, com publicações acadêmicas. A seguir disponibilizaremos uma lista de alguns sites
confiáveis para pesquisa escrita, estes são somente alguns que selecionamos, mas como
professor, cada um poderá selecionar os sites que sejam mais convenientes para a pesquisa
que realizará com seus alunos ou para a seleção de conteúdos.

 Periódicos da CAPES.2

 Scientific Eletronic Library Online – SciELO3. Biblioteca eletrônica que abrange uma
coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros.

 Biblioteca Prof. Joel Martins da Universidade Federal de Campinas4 Acesso a vários


materiais, inclusive teses e dissertações. Lista e acesso a periódicos ligados á
educação.

 Biblioteca Digital da UNICAMP5.

 Biblioteca Apostólica Vaticana6, conteúdo disponível em Italiano e Inglês. Contém


principalmente informações e história da biblioteca. Está sendo elaborada uma secção
com catálogos de documentos e livros disponíveis para consulta in loco.

 Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.7 Acesso a acervo


fotográfico, artigos de periódicos, livros e capítulos de livros, teses, dissertações, tcc
de especialização, tcc de graduação e trabalhos de eventos.

 A Biblioteca Digital de Obras Raras e Especiais,8 da USP.

 Biblioteca Acadêmico Luiz Viana Filho.9

2
http://www.periodicos.capes.gov.br
3
http://www.scielo.org/php/index.php
4
http://www.bibli.fae.unicamp.br/
5
http://cutter.unicamp.br/
6
bav.vatican.va
7
http://www.lume.ufrgs.br
8
http://www.obrasraras.usp.br/
9
http://www.senado.gov.br/senado/biblioteca/default.asp
 Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro - especializada em literatura
em língua portuguesa.10

 Biblioteca Digital Nacional.11

 Portal do Domínio Público.12

A pesquisa de História, na internet, também poder ser muito útil. Não somente para
quem trabalha com História do Tempo Presente, ou para a busca de documentos raros e de
difícil acesso, mas também para que os alunos desenvolvam pensamento crítico e a sua
intuição,

uma vez que as informações vão sendo descobertas por acerto e erro. Neste sentido,
é importante ressaltarmos que a rede mundial pode então ser considerada como uma
ferramenta construtivista uma vez que ela oferece a flexibilidade mental e a
adaptação a ritmos diferentes. (CHAGAS, 2003. P. 43)

O uso da internet exige atenção redobrada do professor, pois ele deve ficar atento ao
ritmo de cada aluno, às suas formas pessoais de navegação, além de instruí-los previamente
quanto ao tipo de pesquisa a ser realizada, e se possível quais sites utilizar. Desta maneira,
com uma boa utilização, a internet se torna uma ferramenta transformadora da sala de aula,
conforme veremos no quadro a seguir:

10
www.bibvirt.futuro.usp.br
11
http://bndigital.bn.br/
12
http://www.dominiopublico.gov.br
Imagem retirada do texto de autoria de Elza Marisa Paiva de Figueiredo Chagas, sob o título de Os Novos
Rumos das Aulas Tradicionais após o Advento da Internet Apresentando Algumas Discussões, pubicado na
Revista Intermeio.13

13
Disponível em:
http://www.propp.ufms.br/poseduc/revistas/intermeio/revistas/17/17artigo03.pdf
Com o uso da internet, a comunicação entre alunos e professores é ampliada, há mais
interação e troca de idéias. As escolas saem do isolamento, promovendo assim um
intercâmbio cultural e educacional, fazendo com que a educação assuma um caráter coletivo
além de tornar-la mais atrativa para os alunos, com significativos avanços em relação a auto-
aprendizagem.
A internet vem para somar, fazendo com que os alunos deixem de ser agentes passivos
da informação transmitida, e passem a ser agentes ativos, levando as informações que
recolheram na internet pra sala de aula, e promovendo troca de idéias e conhecimentos. Ao
passo que o professor deixa de ser o detentor do conhecimento e passa a ser um facilitador.

Para se utilizar a internet como ferramenta de auxílio no processo ensino-


aprendizagem, este deve sofrer uma mudança no seu contexto estrutural. Pois de nada adianta
a tecnologia sem a metodologia, caso contrario, a internet pode se tornar somente mais uma
ferramenta que venha a perpetuar as formas de ensino tradicionais.

Bibliografia

• ALMEIDA, Fábio Chang. O Historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da


internet como fonte primária para pesquisas históricas. IN: X Encontro Estadual de
História- Anpuhrs. Santa Maria, 2010. Disponível em: http://www.eeh 2010.anpuh-
rs.org.br/resources/anais/9/1279508083_ARQUIVO_O_Historiador_ e_as_ Fontes_
Digitais%5B1%5D.pdf. Acesso em 23 de fevereiro de 2011.
• CALDEIRA NETO, Odilon. Breves reflexões sobre o uso da Internet em pesquisas
historiográficas. Revista Eletrônica Boletim do TEMPO, Ano 4, n. 20, Rio de Janeiro,
2009. Disponível em http://www.tempo.tempopresente.org/index.php?option
=com_content&view=article&id=5011:breves-reflexoes-sobre-o-uso-da-internet-em-
pesquisas-historiograficas&catid=222&Itemid=100076. Acesso em 01 de março de
2011.
• CHAGAS, Elza Marisa Paiva de Figueiredo. Os Novos Rumos das Aulas Tradicionais
após o Advento da Internet Apresentando Algumas Discussões. Intermeio: revista do
Mestrado em Educação. Campo Grande, 2003. Disponível em:
http://www.propp.ufms.br/poseduc/revistas/intermeio/revistas/17/17artigo03.pdf. Acesso
em 01 de março de 2011.
• CARTOLANO, Maria Teresa Penteado. Fontes e Arquivos na pesquisa Histórico-
Educacional. Intermeio: revista do Mestrado em Educação. Campo Grande, 2002.
Disponível em: http://www.propp.ufms.br/poseduc/revistas/intermeio/revistas/16/
16artigo03.pdf. Acesso em 01 de março de 2011.
• MACHADO, Artur Versiani. Métodos e meios de ensino: categorias básicas da
Tecnologia Educacional. Publicação do Programa de Pós-Graduação em Educação da
Universidade Federal de Mato Grosso. Disponível em: http://www.
ufmt.br/revista/arquivo /rev16/machado.htm. Acesso em 28 de fevereiro de 2011.
• ROLLAND, Denis. Internet e história do tempo presente: estratégias de memória e
mitologias políticas. Revista Tempo, n. 16, vol. 8. Rio de Janeiro: UFF, 2004.
Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg16-4.pdf. Acesso em
25 de fevereiro de 2011.
• SILVA, Edson Aramando. Bancos de dados e pesquisa qualitativa em história:
reflexões acerca de uma experiência. Revista de História Regional, 1998. Disponível
em: http://www.revistas.uepg.br/index.php?journal=rhr&page=article&op= download
&path%5B%5D=114&path%5B%5D=6. Acesso em 23 de fevereiro de 2011.