Você está na página 1de 6

Trabalho de Química

Definir a Química como ciência; Diferenciar substância e mistura; Definir misturas


homogêneas e heterogêneas; Comentar os modelos atômicos e os cientistas
responsáveis por cada um; Definir: ácido, base, sal e óxido.

Definir a Química como ciência:

Química é a ciência que estuda a composição e as propriedades das diferentes


matérias, suas transformações e variações de energia.

Química é uma ciência que conquista um lugar central e essencial em todos os


assuntos do conhecimento humano. Relaciona-se com outras ciências como a
Biologia, Ciências Ambientais, Física, Medicina e Ciências da Saúde.

A Química é utilizada em muitas atividades, como por exemplo, os agricultores a


utilizam para melhorar a acidez do solo, os médicos para conhecer a composição
das substâncias utilizadas como medicamento. Pensando nisto, e em tantos outros
aspectos em que a Química é útil, pode-se dizer que, sem os seus conhecimentos e
aplicação seria impossível viver.

A Química, enquanto ciência experimental, tem seu processo de descoberta ligado a


preocupação que as culturas antigas tinham em compreender a relação entre o ser
humano, a natureza e seus fenômenos.

Para entender esses fenômenos, Empédocles, filósofo grego, atribuiu uma idéia de
explicação da constituição da matéria, por quatro elementos: o fogo, o ar, a água e a
terra.
Posteriormente, Aristóteles apresentou a idéia de que esses elementos poderiam ser
diferenciados por suas características.

Outra idéia foi exposta em 400 a.C, quando os filósofos Leucipo e Demócrito,
explicavam que a matéria seria composta de átomos, pequenas partículas
indivisíveis.

O método científico da Química recebeu influência de Boyle, que diferenciou a


definição de elemento químico da enunciada anteriormente pelos antigos gregos.

Diferenciar substância e mistura e; definir misturas homogêneas e


heterogêneas:

Antes de definirmos as misturas, é preciso saber o que são substâncias:

Substância pura é a substância (ou composto) formada exclusivamente por


partículas (moléculas ou aglomerados) quimicamente iguais.
É muito difícil encontrarmos substâncias puras na natureza. Em geral, elas são
produzidas em laboratório, por processos de fracionamento de misturas ou métodos
de purificação. Qualquer fração dessas substâncias apresenta a mesma
característica que as demais, sempre igual a da própria substância.

Mistura é um sistema formado por duas ou mais substâncias puras, chamadas


componentes.

As misturas podem ser classificadas em homogêneas e heterogêneas. A diferença


entre elas é que a mistura homogênea é uma solução que apresenta uma única fase
enquanto a heterogênea pode apresentar duas ou mais fases. Fase é cada porção
que apresenta aspecto visual uniforme.

Existe uma diferença entre solução e composto, as soluções não têm composição
fixa como a dos compostos, ou seja, as quantidades de cada elemento presentes
nas soluções podem variar e estar em qualquer proporção.

Exemplos de misturas homogêneas: as águas salgadas, o ar, apresentam uma


única fase. A água do mar contém, além de água, uma quantidade enorme de sais
minerais. O ar é uma mistura de nitrogênio e oxigênio que apresenta aspecto
homogêneo.

Exemplos de misturas heterogêneas: água e óleo, granito. A água e o óleo não se


misturam, sendo assim, é um sistema que apresenta duas fases e cada uma é
composta por uma substância diferente. O granito é uma pedra cuja composição é
feita por uma mistura heterogênea de quartzo, feldspato e mica, podemos ver pela
diferença de cor de cada pedra.

Comentar os modelos atômicos e os cientistas responsáveis por cada um:

Modelo Atômico de J. Dalton (1808)

John Dalton, brilhante cientista inglês, através de experimentos, deu uma visão
científica a idéia do átomo criada pelos antigos filósofos gregos.

Para Dalton cada átomo seria: uma partícula extremamente pequena (invisível),
maciça, indivisível, esférica, indestrutível (numa reação ocorre rearranjo dos átomos)
e que varia em tamanho e massa a depender do elemento químico.

A teoria (resumidamente: esfera maciça) é, didaticamente, associada a idéia de


bolas de bilhar ou de gude, com tamanhos diferentes, representando os elementos
químicos constituintes da matéria.

Modelo Atômico de J. J. Thomson (1897)

Próximo no final do século XIX, após diversos experimentos realizados por


estudiosos como: Faraday, Crookes, Stoney, Becquerel, entre outros, Os cientistas
suspeitaram da existência de partículas subatômicas e com carga elétrica, dentro do

átomo.

Thomson, então, ao fazer experiências com gases rarefeitos submetidos ã descarga


elétrica, em tubos de Crookes (alto vácuo), propôs um novo modelo atômico onde, o
átomo seria uma partícula compacta, esférica mas não indivisível, formado por uma
“geleia” com carga positiva, na qual estariam dispersas partículas ainda menores de
carga negativa denominadas elétrons, em quantidade suficiente para tornarem o
conjunto neutro.

Modelo Atômico de Rutherford (1911)

No início do século XX, Ernest Rutherford, juntamente com uma equipe de


colaboradores, realizou dentre muitas, a célebre experiência da “lâmina de ouro”,

derrubando o modelo proposto por Thomson.

A experiência consistia em bombardear uma finíssima folha de ouro com partículas


α proveniente de um pedaço de metal polônio.

Com o experimento, Rutherford imaginou então que o átomo seria formado por um
núcleo pequeno (prótons), com carga positiva e concentrando boa parte da massa.
Em torno do núcleo estariam girando outras partículas muitas menores que o núcleo,
denominadas elétrons.

Este modelo foi comparado ao sistema solar onde, o núcleo, representaria o sol e as
partículas da eletrosfera, os planetas girando em torno do sol.
Modelo Atômico de Böhr (1913)

Este físico dinamarquês propôs um aperfeiçoamento do modelo de Rutherford,


baseado nos conhecimentos e conceitos da Teoria Quântica e com sustentação
experimental em eletroscopia, ele postulou que:

Os elétrons descrevem órbitas circulares(camadas) bem definidas, ao redor do


núcleo, tendo cada órbita uma energia constante e sendo maior, quanto mais
afastado do núcleo for a camada;

Os elétrons quando absorvem energia “pulam” para uma camada superior (afastada
do núcleo) e quando voltam para o seu nível de energia original liberam a energia
recebida, na forma de onda eletromagnética(luz).

As camadas, orbitais ou níveis de energia foram denominadas K, L, M, N, O, P e Q.

Observação:
O modelo de Böhr, porem, não explicava o comportamento de átomos com vários
elétrons.

Modelo Atômico de Sommerfeld (1916)

A partir do modelo de Böhr, Arnold Sommerfeld propôs que os níveis de


energia(camadas) estariam subdivididos em regiões menores denominadas
subníveis de energia. Os subníveis foram chamados de: (s, p, d, f ) a partir dos
nomes técnicos da espectografia –Sharp, Principal, Difuse e Fundamental

Definir: ácido, base, sal e óxido

Ácido: segundo Arrhenius (1887), é toda substância que, em solução aquosa, libera
única e exclusivamente íons H+. Um exemplo é o ácido clorídrico, de fórmula HCl:

HCl H+ + Cl –
Base: segundo Arrhenius, uma base (também chamada de álcali) é qualquer
substância que libera única e exclusivamente o ânion OH– (íons hidroxila ou oxidrila)
em solução aquosa. Soluções com estas propriedades dizem-se básicas ou
alcalinas. As bases possuem baixas concentrações de ions H+ sendo considerado
base as soluções que têm, a 25 °C, pH acima de 7. Possuem sabor adstringente (ou
popularmente, cica) e são empregadas como produtos de limpeza, medicamentos
(antiácidos) entre outros. Muitas bases, como o hidróxido de magnésio (leite de
magnésia) são fracas e não trazem danos. Outras como o hidróxido de sódio (NaOH
ou soda cáustica) são corrosivas e sua manipulação deve ser feita com cuidado.
Quando em contato com o papel tornassol vermelho apresentam a cor azul-marinho
ou violeta.

Em 1923, o químico dinamarquês Johannes Nicolaus Brønsted e o inglês Thomas


Martin Lowry propuseram a seguinte definição: Uma base é um aceitador de prótons
(íon hidrônio H+)

Mais tarde Gilbert Lewis definiu como base qualquer substância que doa pares de
elétrons não ligantes, numa reação química - doador do par electrônico.

As bases neutralizam os ácidos, segundo conceito de Arrhenius, formando água e


um sal:

H2SO4 + Ca(OH)2 → 2 H2O + CaSO4


(ácido sulfúrico + hidróxido de cálcio = água + sulfato de cálcio)
HCl + NaOH → H2O + NaCl
(ácido clorídrico + hidróxido de sódio = água + cloreto de sódio)

Sal: em química, um sal que em água se dissociam num cátion diferente de H+ e um


ânion diferente de OH- . Eles são tipicamente o produto de uma reação química
entre:

• Uma base e um ácido: forma-se um sal e água. Por exemplo:

2 NaOH + H2SO4 → Na2SO4 + 2H2O

• Um metal e um ácido: forma-se um sal e hidrogênio. Por exemplo:

Mg + H2SO4 → MgSO4 + H2

• Um óxido ácido e um óxido básico: forma-se um sal. Por exemplo:

CO2 + CaO → CaCO3


Óxido: é um composto químico formado por átomos de oxigênio com outros
elementos.

Os óxidos constituem um grande grupo na química pois a maioria dos elementos


químicos formam óxidos. Alguns exemplos de óxidos com os quais convivemos são:
ferrugem (óxido de ferro III), gás carbônico (óxido de carbono IV ou dióxido de
carbono), cal (óxido de cálcio).

Nos óxidos, o elemento mais eletronegativo deve ser o oxigênio. Os compostos OF2
ou O2F2 não são óxidos pois o flúor é mais eletronegativo que o oxigênio. Estes
compostos são chamados fluoretos de oxigênio.

Bibliografia:

http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/introducao-quimica.htm

http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/misturas-homogeneas-
heterogeneas.htm

http://fisica-com-quimica.blogspot.com/2008/03/modelos-atmicos-histricos-
evoluo.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido

http://pt.wikipedia.org/wiki/Base_%28qu%C3%ADmica%29

http://pt.wikipedia.org/wiki/Sal

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93xido