Você está na página 1de 5

PEQUENO MANUAL PARA COBERTURA DE EVENTOS

Por onde começar?

A apuração de uma matéria especialmente aqui, a cobertura de


um evento da RCC, requer preparação. Apurar quer dizer conhecer ao certo,
averiguar. Portanto, é preciso saber aonde se quer chegar.
O ponto de partida da apuração é sempre a pauta, ou seja, o tema /
assunto a ser tratado com o direcionamento que se quer dar. É com a pauta em
mãos que visualizamos toda a matéria. Com quem vamos conversar e o que
traremos.
Tomemos como exemplo o Congresso Estadual, trata-se de uma
grande apuração. Os pregadores oficiais, os representantes nacionais que
marcam presença as lideranças no Estado, os sacerdotes, os servos e o público.
Todos são parte de nossa apuração.

Como fazer?
● Elementos da Pauta ●

Há algumas questões que devemos ter como base:

Como?
O que? Quando?
Por que? Onde?
Quem?

O nome do evento, a data, o local, quem está produzindo, com


que objetivo e a sua programação devem ser alguns pontos iniciais a serem
considerados.
É claro que no calor do evento outras questões surgem e devem
surgir para que o leitor sinta um pouco do que foi vivido no encontro.
Bloco de anotações, caneta, gravador, máquina fotográfica. É
preciso se preparar.

O gravador
- É opcional. Quando usar, teste-o antes. Confira o
funcionamento da fita e das pilhas.
- Vantagem: maior espontaneidade e rapidez na apuração.
- Desvantagem: alguns demonstram incômodo. Requer tempo
para ouvir a gravação.

A máquina fotográfica
- É muito importante na apuração.
- Confira, do mesmo modo, o filme e as pilhas.

● No encontro / evento ●

Pregações

- Procure saber o nome completo do pregador (como o de todos


os entrevistados)
- Confira o tema da pregação
- Anote as passagens bíblicas
- Fique atento às frases de efeito ditas pelo pregador (elas podem
servir na hora da edição)

• Outros pontos na programação

- Dinâmicas, grupos de trabalho e outros pontos na programação


devem ser situados quanto aos seus objetivos.

● Entrevistas ●

Pregadores, coordenadores e secretários

- Falam pelo grupo que representam, portanto contextualize suas


à realidade do pregador.
- Sobre o encontro que estão participando, verifique suas
impressões.
- Use o bom senso, não intime o entrevistado, deixe-o à vontade.
Se for gravar a entrevista, faça-a em local calmo e o mais silencioso possível.

Público

- Procure entrevistar pessoas com algum diferencial. Exemplo: no


caso do Congresso Estadual: pessoas que vieram pela primeira vez ou que
freqüentam há anos. Ou então pessoas que expressivas, que falem bem (não
que dizer muito).
- A enquête é um recurso interessante, mas depende do evento.
Nada mais é do que um mesma pergunta dirigida a várias pessoas.

Servos
- Além de valorizar o trabalho voluntário, a entrevista dos servos
enriquece o texto.
- Incluem-se aqui os ministérios de música, por vezes esquecidos,
mas que têm muitos testemunhos, estão nos bastidores.

Sacerdotes
- Devem sempre ser ouvidos
- Podem também enviar mensagens

Entrevista ping e pong


- Quando o objetivo é realizar uma entrevista com perguntas e
respostas diretas (ping pong) o melhor é o uso do gravador para que as
respostas sejam as mais fiéis possíveis. Erros de português devem ser
corrigidos, palavras ou frases ressaltadas devem expressar esse efeito no texto.

Respostas inseridas no texto.


- Geralmente entre aspas. Não coloque qualquer frase só por
colocar, dê coesão às frases, completamente a fala com um verbo no passado.
Ex: “...”, disse ele.

● Cobertura Fotográfica ●

Este é um dos pontos menos explorados e conhecidos da


cobertura de um evento, mas não o menos importante.
- Não tenha vergonha de circular pelo local do encontro. No
início, as pessoas vão olhar curiosas, mas logo vão se acostumar e até ajudá-lo
na tarefa.
- Use roupas discretas.

Pregadores e convidados principais

A foto é essencial, e deve ser tirada de perto. (tire mais de uma


para garantir)
- Focos: da cintura para cima ou corpo inteiro (não corte os pés).
- Procure tirar também do pregador e do público juntos

Assembléia ou público
- Elimine: cadeiras e espaços vazios
- Não corte as pessoas
- Experimente vários ângulos e posições

E agora?
Cumpridas todas as etapas, todas as informações em mãos. E
agora? Bom, reúna todos os dados, ouça as fitas e faça um pequeno esquema.
Há várias formas de se começar um texto. Contanto uma história,
falando do que as pessoas sentiram no evento, com uma frase forte do
pregador. Mas é preciso bom senso e cuidado com o que se fala. Se quiser,
ouse! Deixe o Espírito Santo agir! E, se assim o fizer procure alguém que
avalie o seu texto, peça a sua opinião.
Se ainda não tiver muita intimidade com as palavras, lembre-se
das seis perguntas da pauta e escreva o básico. Dê início, meio e fim ao seu
texto. Utilize as falas das pessoas que ouviu para enriquecer sua matéria.
Seja claro, não use palavras difíceis e não tenha medo! Abrace a
missão e comunique!

Para não esquecer

• Os nomes nas matérias devem ser completos

• Não tenha dúvidas nas informações do texto, cheque todos os


dados

• Em um evento de grande porte, dividas as tarefas.

• Na etapa de revisão do texto, faça com que mais de uma


pessoa leia o(s) texto(s)

• Faça com amor e alegria aquilo que Deus o confiou


Conclusão

Nossa proposta com esse pequeno manual é apontar caminhos


gerais na cobertura de um evento.
O assunto, por sua vez, é amplo e requer muitas outras
considerações. No entanto, não temos a pretensão de esgotar o assunto e nem
tampouco atender a um rigor jornalístico. Nosso objetivo é clarear o caminho
daqueles que, na missão do Ministério Comunicação Social, ainda não estão
familiarizados com esse tipo de ação.
Além do que, essa deve ser considerada uma obra em aberto,
receptiva à novas informações, críticas e sugestões.
Lembre-se sempre que a comunicação no Projeto de Deus é
diferente, inspirada, e que, acima da sabedoria humana, está a divina. Deus o
abençoe e bom trabalho!

Interesses relacionados