Você está na página 1de 37

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras -FFCL

Métodos de Pesquisa
Professora:
Mariângela Martinez
E-mail:
mariangela@feituverava.com.br

Ituverava-SP
2011
1
Apresentação:

Olá caros alunos,

Bem vindos a esta nova etapa da formação escolar: o ensino superior. Nesta etapa você deve se
conscientizar de que o processo da aprendizagem depende fundamentalmente de você.

Agora que você pertence ao curso de administração e deseja ser um ótimo profissional, é preciso saber
pensar para agir nos acontecimentos do dia-a-dia. O bom profissional não é constituído de “achismo” ou
de senso-comum, ele precisa ter um embasamento teórico para que seus argumentos tenham
credibilidade. Por isso, é importante assistir as aulas de todas as disciplinas, elas te ensinarão a ter
diferentes visões de um mesmo acontecimento e a criar a sua própria visão.

A disciplina Métodos de Pesquisa tem por objetivo ensinar o aluno a elaborar trabalhos científicos. Estes
conhecimentos serão de grande utilidade para o administrador uma vez que, em sua vida profissional, ele
precisa saber se expressar verbalmente e na escrita, apresentar projetos, entre outros.

Outro ponto muito importante é a postura que você deve adquirir na faculdade. Aqui você não pode ter
uma postura passiva diante do ensino, como era antigamente. Você precisa ser curioso, ir além das
informações dadas em sala de aula, questioná-las, relacioná-las com outras informações e nós temos
instrumentos para isso:

Instrumento de trabalho:

No meio universitário, você precisará dispor fundamentalmente de ferramentas bibliográficas. Por isso,
deve começar desde cedo a construir sua própria biblioteca. É claro que não estamos falando de longos
corredores cheio de livros, mas sim de uma prateleira no seu quarto que contenha:

# Textos clássicos (aqueles autores que continuam sendo referência mesmo com o passar dos anos);

# Textos básicos (para criar um contexto introdutório geral);

# Dicionário específico;

# Textos, livros ou revistas especializadas.

Já que não somos loucos e nem gostamos de desperdiçar dinheiro, vai uma dica: Arquive os xerox e
perguntem aos professores de cada disciplina, quais livros eles indicam comprar. Crie também o hábito de
usar, frequentemente, as bibliotecas da faculdade, da cidade e virtuais. Lembre-se que também dispomos
de recursos eletrônicos como, por exemplo, CD-RON e internet (crie um arquivo dos sites favoritos)

E então? Prontos para embarcar nesta aventura?

Mas antes, fica um pensamento de um autor desconhecido:

2
“O estudante não deve aprender pensamentos, deve aprender a pensar”

1ª. Unidade: Tipos de Conhecimentos.

O homem é um animal que busca entender e dominar o mundo a sua volta. Para isto, ele busca o
conhecimento. Segundo Platão, o conhecimento é a crença verdadeira e justificada.

verdade
conhecimento

crença

Assim, quando surge a dúvida de que nossas crenças não são suficientes para entendermos a realidade,
revemos e questionamos o nosso conhecimento e buscamos novas verdades. Podemos dizer que o
conhecimento é o caminho que nos leva a verdade a partir da dúvida. Porém, não há um caminho único,
ou seja há vários tipos de conhecimento. Veremos quatro destes tipos:

Conhecimento Religioso:

Conhecimento religioso ou conhecimento teológico é o conhecimento que parte do princípio que a


existência de Deus é inquestionável e, por isto, não precisa de comprovação. As explicações dos demais
fenômenos advém das explicações divinas. Este conhecimento não pode ser comprovado porque parte da
crença em experiências espirituais, místicas e sobrenaturais.

Conhecimento Filosófico: RAZÂO X RETÓRICA:


Razão: Capacidade que o homem tem de
chegar a uma resposta partindo de uma
A filosofia questiona o saber instituído, ela critica o saber premissa ou fenômeno observável,
podendo assim conhecer, entender as
dogmático, entretanto, sem ser a detentora do poder, pelo relações de causa e efeito, resolver
problemas e encontrar novas formas de
contrário, ela parte do princípio de que nada sabe e acredita que o fazer algo (diferente de desenvolver uma
forma de fazer). Esta capacidade do
homem, é capaz de alcançar o conhecimento verdadeiro porque homem o distingue dos demais animais.
ele é dado de razão. Seu conhecimento não se encontra apenas Para chegar as respostas, muitas vezes
utilizamos nossos conhecimentos.
nos livros, mas sim na experiência cotidiana.
Retórica: arte ou técnica de convencer ou
Desta forma a reflexão é o ponto chave da filosofia. Refletir sobre até persuadir alguém através da
comunicação. Geralmente a comunicação
um tema significa voltar atrás, pensar no que já foi pensado com
é verbal, mas também pode ser visual
um maior rigor lógico, questionar. Ao duvidar de tudo que lhe foi como a escrita e gestos. O discurso deve
ser eloqüente. Esta técnica era muito
dado como certo e não aceitar imediatamente o conhecimento, usada pelos filósofos, mas hoje em dia o
Descartes precisou desenvolver um exame crítico que passasse terno ganhou uma conotação negativa.

3
por comprovações racionais. Este exame ou instrumento intelectual foi chamado de dúvida metódica.

Não é qualquer reflexão que faz do homem um filósofo. São basicamente três os tipos de reflexão
filosófica.

1 Radical: Deriva do latin radix que significa raíz. Portanto, é a reflexão que busca entender a base, que
busca explicar os conceitos fundamentais.

2 Rigorosa: Deve ter um método claro para garantir a coerência de sua análise. A linguagem deve ser
rigorosa para evitar ambigüidade. É comum criarem ternos como forma de evitarem o duplo sentido.

3 De Conjunto: Este conhecumento não prima pela especialização, não olha fragmentos do real e sim o
contrário, busca a visão holística, o todo, a totalidade.

O conhecimento filosófico também não é passível de comprovação.

Conhecimento Popular ou senso comum:

O conhecimento popular ou senso comum é o conhecimento que herdamos, ou seja, é o conhecimento


que pasa de pai para filho sem grandes questionamentos. Por isto, afirmamos que é cultural, que é acrítica
(não questionamos) é superficial (não exige uma comprovação) e é transmitida de forma passiva (não há
uma reflexão).

Conhecimento Científico:

O conhecimento científico só aceita o conhecimento como verdadeiro se este for passível de


comprovação. A sua principal característica é a racionalidade, ou seja, as explicações devem ser racionais
e apresentar provas concretas e irrefutáveis. Estas provas são adquiridas pela obserrvação-
experimentação-repetição.

Podemos perceber assim que, ao desejar conhecer um fenômeno, podemos encontrar diferentes verdades
e isto ocorre porque temos a opção de adotar diferentes métodos ou caminhos (diferentes critérios de
verdade).

Ao adotarmos o critério de verdade baseado na fé, seguimos o caminho do dogmatismo.

Ao adotarmos o critério de verdade baseado na razão, seguimos o caminho da dialética.

Ao adotarmos o critério de verdade baseado no senso comum, seguimos o caminho da cultura e da


ideologia.

4
Ao adotarmos o critério de verdade baseado na ciência, seguimos o caminho da experimentação-
observação-repetição.

5
Exercício:

Faça uma pesquisa em livros e na internet (lembre-se de consultar apenas sites de credibilidade) e
responda:

1) O que é crença, conhecimento e verdade?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
2) O que é conhecimento popular ou senso comum?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
3) O que é conhecimento filosófico?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4) O que é conhecimento religioso?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
5) O que é conhecimento científico?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
6) O que é razão
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
7) O que é retórica?

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

6
2ª. Unidade: Análise e Interpretação de Textos.

LIVRO BASE:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. rev. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico São Paulo: Cortez, 2002.

Há dois tipos de textos:

Textos Literários: 2) Textos teóricos:

Fácil compreensão, segue um raciocínio e Segue um raciocínio mais rigoroso após


enredo que, através da imaginação, pode apresentação de dados que fundamentam o texto
compreender o desenvolvimento, ação e através do encadeamento lógico dos fatos. Utiliza-
encadeamento da história. se a RAZÃO REFLEXIVA.

RAZÃO REFLEXIVA: Estabelecer relações lógicas, conhecendo, compreendendo, raciocinando e


ponderando as idéias e fatos, isto é, refletindo cuidadosamente sobre o assunto.

Por isso, muitas vezes os textos teóricos, comuns no âmbito acadêmico, são difíceis de compreender
tornando necessário criar condições para a sua inteligibilidade. Os recursos metodológicos para análise e
interpretação dos textos são:

O que são textos teóricos e científicos?

A palavra teoria é de origem grega e significa ação de contemplar ou examinar.

Assim, a teoria é um conjunto de regras e leis que tem por objetivo descrever o

explicar um fenômeno observável. Esta explicação segue uma lógica, ou seja, um

raciocínio que é apresentado de forma vinculada. Porém, a teoria não precisa ser

necessariamente comprovada pela ciência e isto dá a ciência um caráter mais

rigoroso. No meio acadêmico usa o termo teoria como sinônimo de teoria

científica e, esta sim, segue um rigor metodológico e comprovação. Por este motivo

usaremos o termo textos teóricos e científicos como sinônimos.

7
Quatro passos para tornar o texto inteligível.

1º. Passo: Delimitação da Unidade de Leitura.

A unidade de leitura do texto é um setor que, sua soma forma a totalidade do livro ou texto. Pode vir sob
forma de capítulo, seção...

Delimitar a unidade significa dividi-la em partes menores para facilitar a análise da unidade. A extensão da
delimitação da unidade é pessoal e deve ser proporcional ao conhecimento do leitor sobre o assunto. Em
alguns casos não há necessidade de delimitá-la.

Deve evitar longos intervalos entre a análise das unidades e ao final de cada, recomenda fazer uma
síntese. Terminada as unidades, o leitor terá total compreensão do livro ou texto.

2º. Passo: Análise Textual.

Objetivo: Preparar para a leitura.

Metodologia: # Realizar uma atenta, porém rápida leitura.

# Grifar os pontos passíveis de dúvidas.

# Pesquisar dados a respeito do autor para conhecer seu paradigma e metodologia.

# Levantar conceitos e termos técnicos desconhecido pelo leitor.

# Fazer referência a dados históricos.

Vantagens: # Diversifica o estudo.

# Texto fica mais claro.

# Retém maior informação.

# Facilita a leitura de outros textos.

Fazendo uma pesquisa breve para esclarecê-los e transcrevendo esses elementos em uma folha, o leitor
estará pronto para analisar o texto.

3º. Passo: Análise Temática.

Objetivo: Visa à compreensão global do texto.

Metodologia: Nesta fase o leitor precisa realizar a leitura tendo em mente algumas questões:

a)Sobre o que o texto trata?

8
Muitos recorrem ao título para responder a esta questão, porém nem sempre o título

é fiel ao tema, deve ler toda a unidade de leitura para saber qual o assunto que o

autor está tratando.

b)Quais os argumentos do autor?

Nem sempre o problema está explícito no texto, cabendo ao leitor identificá-la.

c)Como o autor responde a este problema? Ou, qual a solução encontrada pelo autor?

A que conclusão o autor chegou.

Esta etapa é a base para fazer resumos, síntese e documentações.

LEMBRE-SE: Um bom resumo visa sintetizar as idéias principais do autor e não a simples redução dos
parágrafos.

4º. Passo: Análise Interpretativa.

Nesta etapa ocorre um diálogo entre autor e leitor. A interpretação está associada com a crítica, ou seja,
formulação de juízo.

FORMULAÇÃO DE JUÍZO. Formulação de conceito, através do ponderamento, da razão reflexiva.

Esta crítica pode ser feita através de três pontos:

1) Até que ponto o autor conseguiu alcançar seu objetivo.

2) Seus argumentos são sólidos e coerentes.

3) Até que ponto o autor é original, acrescentando informações e não apenas retomada de visões de
outros autores.

Vantagens: # O aluno desenvolve a razão reflexiva.

# Aborda o problema de modo original.

# Analisa o tema com profundidade.

Vamos ler juntos!

A importância do networking para a carreira profissional


Reinaldo Passadori
A concorrência no mercado de trabalho em todas as áreas revela um cenário de que o profissional que sai da
universidade não garante um bom emprego somente com o diploma. É necessário ter cursos de línguas - somente
o inglês também não basta -, pós-graduação, saber trabalhar em equipe, mostrar aptidão para liderança de grupos
e, é claro, fazer um bom networking.

9
O “networking” começou há mais de duas décadas a tomar espaço nas preocupações dos homens de negócios
brasileiros. Também conhecida como rede de relacionamentos e construída a partir da vontade e da disciplina de
quem sabe que esta é uma fortíssima ferramenta de marketing pessoal. Baseada no auxílio mútuo e na indicação
ou apresentação de produtos e/ou serviços, este mecanismo de interligação profissional se mantém entre as
pessoas, seja no âmbito profissional, pessoal, político, ou com qualquer outro objetivo.
Fala-se muito em empregabilidade que nada mais é do que a capacidade de se colocar rapidamente no mercado
de trabalho. Em qualquer profissão, em especial nas que têm exigência de qualificação mais elevada, o networking
é fundamental.
Para fazer uso correto do networking, é importante ter organização e disciplina para cumprir algumas tarefas
indispensáveis, em que destaco para que você possa refletir mais sobre cada uma delas:
Busque conhecer novas pessoas e fazer novas amizades.
Seja proativo em seus contatos, multiplique-os demonstrando real interesse pelas pessoas.
Telefonar às pessoas, mesmo sem motivos específicos. Parabenizar as pessoas por ocasião de datas importantes.
Telefonemas ocupam mais tempo, mas podem ser mais eficientes caso já haja um contato prévio ou um grau de
intimidade maior.
O uso da rede de relacionamentos sempre traz resultados, mas quando demonstramos afeto em nossos contatos,
os resultados tendem a ser ainda melhores.
Ter uma agenda completa e atualizada das pessoas que você conhece.
Guardar em um fichário ou arquivo apropriado os cartões de visitas que recebe, anotando no verso deles
informações que tempos mais tarde lhe possibilite identificar a origem / ocasião da obtenção daquele cartão.
Manter os cartões das pessoas que deixaram de ser seus colegas de trabalho.
Manter as pessoas de sua rede de contatos a par de suas mudanças de endereços, telefones, empregos ou
atividades.
Manter atualizado o cadastro eletrônico de sua rede de contatos.
Marque sua presença em eventos profissionais, sociais e congressos. Procure se aproximar de pessoas
desconhecidas ou pouco conhecidas. Circule, não fique em um só grupo todo o tempo.
Não recuse convites para participar de palestras, aulas, grupos de estudo.
Não se constranja em pedir ajuda, porém, aja com naturalidade e objetividade. Não seja inconveniente quando
precisar da ajuda de quem quer que seja.
Networking ou marketing pessoal não é autopromoção, uma confusão comum quando se trata desse assunto.
Diga sempre, por favor, por gentileza, e não se esqueça de agradecer.
Não faça comentários desfavoráveis sobre colegas de trabalho e, principalmente, sobre ex-empregadores.
Adotar uma postura de confiança e livre de preconceitos, superando defesas e tendo disciplina.
Ter consciência de que em “rede” muitas vezes temos um duplo papel, muitas vezes indicamos, outras, somos
indicados.
Em seus contatos profissionais procure enfatizar seus pontos fortes, tente esquecer os fracos, eles não lhe
ajudam. Faça isto de forma simpática para não parecer inconveniente.
Lembrar-se de que a informação é a fonte de realização da rede de relacionamentos e o acesso constante, garante
o sucesso de sua utilização.
Manter a sua reputação intocável, visto que, todo relacionamento se baseia em confiança mútua.
Ao sair de casa ou do escritório certifique-se que seu porta cartões está adequadamente abastecido. Tenha
sempre cartões de visita em mãos. Ao dar seu contato, forneça dois cartões. Se a pessoa gostar do seu serviço e
comentar com outra, terá também um cartão a mais para dar.
Poderia indicar muitas outras dicas para um networking eficaz, mas prefiro continuar essa reflexão reportando-me
a uma frase: “Nenhum homem é uma ilha” (atribuída ao filósofo Teilhard de Chardin). A meu ver, esta frase
explica com muita clareza a importância do networking e mesmo sem saber, já o praticamos muitas vezes seja
ajudando ou sendo ajudado por alguém da nossa rede de contatos.
Acredito que a sedimentação é a chave para este instrumento de extremo valor profissional, porque é dele que
surgem as boas alternativas para a recolocação no mercado, para a divulgação de produtos e serviços e para
fortalecimento da visibilidade profissional.

10
Vamos responder juntos!

1) Qual o nome do autor?


_____________________________________________________________________________________

2) Qual o tema?
_____________________________________________________________________________________

3) Quais os argumentos do autor?


_____________________________________________________________________________________

4) Qual a conclusão do autor?


_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

5) Faça uma análise interpretativa do texto.


_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

6) Quais são as etapas para tornar o texto inteligível?


_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
11
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

Exercício:

Em casa, fazer uma análise temática e uma análise interpretativa de um texto escolhido pelo aluno e
relacionado ao curso de administração. Dica de site: www.administradores.com.br

Análise Temática:_______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

Análise Interpretativa:___________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

12
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

Formas de arquivar.

Existem alguns tipos de trabalhos didáticos que também nos auxiliam para arquivar o texto analisado.
Apresentaremos aqui cinco deles. As vantagens de arquivar os textos são muitas: O leitor apreende
melhor as informações; treina sua escrita; economiza trabalho e tempo quando for solicitado novamente as
informações do texto.

Mas, antes precisamos saber:

O que é referência?

Referência é a indicação elementos da obra utilizada no trabalho para que o

leitor identifique a obra utilizada. Os elementos são: autor (es), título, edição,

local de publicação, editora, data de publicação e, se for de site, o site e a data de

acesso. Estes elementos são apresentados ao final do trabalho, em um tópico

específico denominado de REFERÊNCIA. Para fazê-lo, consulte o Manual para

elaboração e apresentação de monografias.

O que é citação?

Esta citação porque tem por objetivo fundamentar os argumentos apresentados pelo

autor. Assim, o autor utiliza outros trabalhos para fundamentar o seu trabalho,

sempre apresentando a autoria da obra utilizada para não ser acusado de plágio.

A citação é apresentada no “corpo” do trabalho de duas formas: A primeira forma

é denominada de citação indireta e o aluno apresenta, com suas palavras, a

idéia do autor.

Exemplo:

Segundo Dale (2004), há duas abordagens sobre o impacto da globalização.

ou

Há duas abordagens sobre o impacto da globalização. (DALE, 2004)

13
A segunda forma é denominada de citação direta (transcrições) e o aluno copia

na íntegra o autor. Lembre-se, esta cópia não pode ser longa e deve ser entre aspas.

Exemplo:

Conforme Martínez (2004), “Pode-se perceber que a idéia vigente em muitos meios,

de que as mulheres estão mais expostas a LER/DORT, vem reforçando os critérios

discriminatórios utilizados para a contratação de trabalhadores”.

ou

“Pode-se perceber que a idéia vigente em muitos meios, de que as mulheres estão

mais expostas a LER/DORT, vem reforçando os critérios discriminatórios utilizados

para a contratação de trabalhadores”. (MARTÍNEZ, 2004)

LEMBRE-SE. Caso a publicação seja periódica, deve constar dia, mês e ano.

Resumo de Textos:

Este tipo de trabalho não segue um preparo aprimorado, visa apenas apreender as idéias principais da
obra estudada e seu valor didático está no aperfeiçoamento da leitura.

O resumo do texto pode ser usado como sinônimo de síntese das idéias, mas lembre-se: Síntese das
idéias não é síntese das palavras, o aluno não se deve resumir parágrafos e sim as idéias do autor com
suas próprias palavras.

Exemplo:

Em uma folha já inicia o resumo.

Tema

Argumentos

Conclusão

OBS: Somente são colocadas as informações do texto.


Não deve escrever as palavras tema, argumentos e
conclusão.

14
Documentação:

Pode ser considerado um resumo mais elaborado por conter a referência da obra analisada.

Exemplo:

Referência

(pula uma linha)

Resumo

OBS: Não precisa escrever as palavras referência e


resumo.

Resenhas:

Para o dicionário Aurélio, resenha é uma relação minuciosa ou um pequeno sumário crítico de uma obra,
porém aqui nos referimos como um trabalho didático com características mais específicas.

Existem três tipos de resenha e elas têm por objetivo dar ao leitor um conhecimento prévio do tema
abordado. Por isso, a resenha é importante, baseado nela que o leitor decidirá qual o valor de seu
conteúdo e tomará a decisão de ler ou não a obra.

A resenha também permite realizar uma triagem bibliográfica para a elaboração de um trabalho
acadêmico.

Três tipos de resenha:

1) Resenha Informativa: Expõe o conteúdo da obra.

2) Resenha Crítica: Tece comentários sobre o valor da obra ou o seu alcance em relação ao tema
estudado.

3) Resenha Crítico-Informativa: Além de expor o conteúdo, faz observações sobre a obra analisada.

Estrutura da Resenha:

#Cabeçalho: Referência completa da obra.

15
#Informação sobre o autor: O paradigma do autor, a corrente de pensamento que o oautor segue
(dispensável se o autor for conhecido)

#Exposição sintética sobre o conteúdo da obra (caso a resenha seja informativa): Uma análise temática
sintética que informe o assunto, objetivos, idéias principais e a linha de raciocínio do autor. Se a obra for
longa pode separa por capítulos ou subcapítulos.

#Comentário crítico (caso a resenha seja crítica): A análise do resenhista destacando pontos positivos ou
negativos da obra.

OBS: Deve dar um espaço entre os três itens descrito acima.

LEMBRE-SE: A crítica deve se dirigir às idéias e posição do autor diante do tema e nunca a sua pessoa!

Exemplo de resenha informativa:

Referência

(pula uma linha)

Paradigma

(pula uma linha)

Resumo

OBS: Não precisa escrever as palavras referência, paradigma e


resumo. As ordens das informações é sempre esta e “pular
linha” já indica quando termina uma informação e começa a
outra.

Exemplo de resenha crítica:

16
Referência

(pula uma linha)

Paradigma

(pula uma linha)

Crítica ou síntese pessoal

OBS: Não precisa escrever as palavras referência, paradigma,


crítica ou síntese pessoal. As ordens das informações é sempre
esta e “pular linha” já indica quando termina uma informação e
começa a outra.

Exemplo de resenha crítico-informativa:

Referência

(pula uma linha)

Paradigma

(pula uma linha)

Resumo

(pula uma linha)

Crítica ou síntese pessoal

OBS: Não precisa escrever as palavras: referência; paradigma;


resumo; crítica ou síntese pessoal. As ordens das informações é
sempre esta e Pois o “pular linha” já indica quando termina uma
informação e começa a outra.

17
Exercício:

Fazer uma resenha crítico-informativa de um texto científico selecionado pelo aluno.

_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
18
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
3ª. Unidade: Trabalho científico.

LIVRO BASE:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. Ver. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa São Paulo: Atlas, 2008

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico São Paulo: Cortez, 2002.

A CONSTRUÇÃO LÓGICA DO TRABALHO:

“A construção lógica do trabalho é o arranjo encadeado dos raciocínios utilizados para a demonstração da
hipótese formulada no início” (SEVERINO, 2002 p. 82).

A construção de um trabalho científico exige um domínio do instrumental técnico a ser utilizado (que vai
deste o material de trabalho, ou seja, pesquisa bibliográfica e de campo, até técnicas de escritas), mas,
como em outros setores do saber que seguem uma metodologia, há muitas divergências no que se

19
referem às orientações. Sendo assim, mostraremos diretrizes que visam facilitar esse processo de
construção de trabalhos científicos, mas ressaltando que não é o único caminho existente.

A pesquisa:

Pode-se definir pesquisa como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar
respostas aos problemas que são propostos. A pesquisa é requerida quando ainda não se dispõe de
informação suficiente para responder ao problema. A pesquisa é desenvolvida mediante o uso dos
conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de métodos, técnicas e outros procedimentos
científicos. A pesquisa pode ser:

Pesquisa exploratória: A pesquisa exploratória é um método de pesquisa que permite ao pesquisador


conhecer melhor o objeto de pesquisa, dando a este uma visão global. Isto significa de que o pesquisador
terá que utilizar outro método e pesquisa para aprofundar seus estudos. A pesquisa exploratória é muito
utilizada para auxiliar o pesquisador a desenvolver a problemática, a hipótese e avaliar as dificuldades em
realizar tal pesquisa. Geralmente conta com o levantamento bibliográfico a respeito do tema e entrevistas
com pessoas relacionadas.

Pesquisa descritiva: A pesquisa descritiva é um método de pesquisa que tem por objetivo observar,
registrar o objeto de pesquisa e fazer relações entre duas ou mais variáveis sem, contudo, realizar uma
profunda análise. Para isso, o pesquisador utiliza técnicas padrões de coleta de dados tais como
questionários e observação sistemática. Desta forma, a pesquisa descritiva não permite ao pesquisador
chegar a uma conclusão, é necessário adotar outras metodologias para este fim. Um exemplo de pesquisa
descritiva são as pesquisas do IBGE.

Pesquisa explicativa: Tem por objetivo identificar as causas ou os fatores que levam a um fenômeno. Na
área de humanas ela é feita através da observação.

Para fazer uma pesquisa mais profunda é necessário adotar algumas técnicas:

Pesquisa bibliográfica
Pesquisa documental
ESCRITO:
Análise de conteúdo

Pesquisa experimental
TÉCNICAS UTILIZADAS:
Pesquisa ex-post facto
Estudo de coorte
Levantamento (survey)
PESSOAS: Estudo de campo
Estudo de caso 20
Pesquisa-ação
Pesquisa participante
Exercício

Procurem três textos relacionados ao seu tema e faça um fechamento. Ao final de cada fichamento
classifique o tipo de pesquisa (exploratória, descritiva ou explicativa) que você fez e explique o que é este
tipo de pesquisa. Não é necessário explicar as técnicas utilizadas. Faça isto em uma folha do seu caderno
e grampeie aqui.

21
Vamos fazer um trabalho científico!!!

REGRAS:

Individual.

De 7 á 10 laudas sendo:

1lauda para capa

1lauda para índice

½ á 1lauda para introdução

2 a 5laudas para desenvolvimento

½ á 1lauda para a conclusão.

1lauda para referência (mínimo de 4 referências)

Formatação:

CONFIGURAÇÃO DAS PÁGINAS

Processador MSWord
22
Tamanho do papel: A4 (29,7cm x 21 cm)

Margem superior: 3 cm

Margem inferior: 2 cm

Margem esquerda: 3 cm

Margem direita: 2 cm

CONFIGURAÇÃO DOS TEXTOS

Alinhamento: Justificado

Fonte: Arial, corpo 12.

Espaçamento entre linhas: 1,5

FORMATAÇÃO DE TEXTO

O parágrafo não deve ter deslocamento.

O aluno deve dar espaço de 0,12 entre os parágrafos.

No corpo do texto também serão aceitas notas “de rodapé” explicativas em tamanho 10 (dez), mas com
moderação.

A numeração da página deve ser no início da página à direita.

SUGESTÕES DE TEMA:

Transgênicos; Modelos de gestão da produção; Doenças sexualmente transmissíveis; Formas de plantio;


Responsabilidade social; Responsabilidade ambiental; Etanol; Aquecimento global; O cultivo da cana-de-
açúcar, Cultura organizacional, modelos de produção, comunicação organizacional, papel do
administrador,...

DICA DE SITE:

www.scielo.org www.administradores.com.br www.fcc.org.br www.scholar.google.com.br


www.rausp.usp.br

ENTREGA DO TRABALHO: ____/____/____

Iniciando o trabalho:

Um trabalho didático deve conter:

Capa Sumário Introdução Desenvol Conclusão Referência Anexos


vimento 23
Opcionais:

Índices Apêndices

Embora essa seja a ordem do trabalho, as etapas de realizá-la são diferentes.

Problemática Levantamento bibliográfico Desenvolvimento Conclusão

Anexo Capa Sumário Referência Introdução

Como fazer a problemática.

Toda a pesquisa científica inicia com um problema, uma pergunta que será pesquisada estudada ao longo
do trabalho.

Porém nem toda pergunta se caracteriza como uma problemática passível de pesquisa científica. Segundo
Gil (2008 p 23) um problema científico é qualquer “questão não solvida e que é objeto de discussão, em
qualquer domínio do conhecimento”. Desta forma, questões acerca de como fazer algo não são
consideradas científicas no campo da área de humanas, pois ela não consegue da uma resposta e sim
sugestões de como fazer. Para ser considerada científica a problemática deve envolver variáveis que
podem ser testadas, ou seja, relacionar isso com aquilo (idade com programas de televisão, como evoluiu
o nível de emprego na gestão FHC...).

Cabe ressaltar que a forma mais fácil de escrever a problemática é em forma de pergunta e o problema
deve ser claro e preciso.

24
Como fazer o levantamento bibliográfico

Após escolher o tema do trabalho, formular a problematização e/ou a hipótese inicia-se a etapa da
pesquisa bibliográfica.

Esta etapa é marcada pela busca metodológica por qualquer base de conhecimento que se possa
consultar e esteja relacionada ao tema do trabalho. Devido o trabalho científico ser de caráter teórico,
essas bases de conhecimento são basicamente textos, livros, artigos... Desta forma, a pesquisa
bibliográfica é o levantamento de toda a bibliografia pertinente ao tema do trabalho. Este levantamento
pode e deve ser arquivado para facilitar sua consulta.

Fontes de levantamento bibliográfico: O levantamento bibliográfico pode ser feito utilizando-se livros,
dicionário especializado, monografia, tratados, textos didáticos, revistas especializadas, CD/RON, entre
outros.

Objetivo da bibliografia: Dar ao leitor informações a respeito das fontes que serviram de referência para o
trabalho.

Por isso a bibliografia é transcrita primeiramente em fichas de documentação (que pode ser
documentação, resenha informativa, resenha crítica ou resenha crítica informativa) e novamente escritas o
final do trabalho. Para transcrevê-la você deve fazer a citação, assim pode mostrará que a idéia não é sua
e sim do autor.

Como fazer o desenvolvimento.

Nesta fase o autor realiza a construção racional do trabalho. Desta forma o autor deve esclarecer e
desenvolver discutir e demonstrar todas as idéias obscuras ou complexas relacionadas ao tema. Em
seguida ira comparar as diversas posições existentes dentro de uma gama de estudos relacionados a este
tema e, por fim, aplicar argumentações coerentes à idéia do trabalho.

Para escrever as idéias de outros autores em seu trabalho, dever seguir as regras de citação. Quem não
faz as citações pode ser acusado de plágio, assim a citação deve seguir as normas da ABNT- NBR 10520,
autor-data. Reveja a página 11 e 12.

Como fazer a conclusão

Nesta etapa o autor faz uma análise sobre os resultados de sua pesquisa, defendendo sua posição que
está baseada em argumentos sólidos desenvolvidos ao longo do trabalho (no desenvolvimento). Desta
forma, autor não pode apresentar nenhuma informação nova. A conclusão tem três etapas:
Contextualização; Reapresentação da problemática; Resposta da problemática.

Como fazer a introdução.

25
Nesta etapa autor mostra ao leitor quais assuntos ele irá abordar ao longo do trabalho. É como “vender o
peixe”, ou seja, é com base na introdução que o leitor decide se ia ler ou não o trabalho completo. A
introdução inicia com uma contextualização diferente da conclusão. Em seguida mostra, de forma
sintética, as principais teorias a respeito do tema. Esta etapa também mostra ao leitor a intenção e o
objetivo do autor em escrever este trabalho, a metodologia e os procedimentos para o desenvolvimento do
raciocínio respeito do tema (estrutura do trabalho).

Como fazer a referência.

Consulte:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. rev. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/

Como fazer o sumário

O sumário é uma lista que apresenta como a obra está dividida. Assim ela indica o nome e a página que
cada tópico, seção, ou outra forma que o trabalho se encontra. Para fazê-lo consulte:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. rev. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/

Como fazer o índice.

O índice é uma relação de termos, palavras, nomes ou qualquer outro critério de categoria que
complementa outras informações contidas no trabalho. Isto geralmente ocorre em livros.

Como fazer o anexo.

São textos, dados ou qualquer tipo de informação que NÃO foi desenvolvido pelo autor, mas que completa
ou fundamenta o seu trabalho. Para fazê-lo consulte:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. rev. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/

Como fazer o apêndice.

São textos, dados ou qualquer tipo de informação desenvolvido pelo autor e que completa ou fundamenta
o seu trabalho. Por exemplo: questionários desenvolvendo pelo autor e aplicado em sua pesquisa. Para
fazê-lo consulte:

CHAUD, Vera Mariza de Paula. Manual para elaboração e apresentação de monografias 2. Ed. rev. E
atual. --Ituverava: F.E.Ituverava, 2010. Disponível em: http://www.feituverava.com.br/biblioteca/
26
COMO MONTAR O TRABALHO:

Capa: Sumário: INTRODUÇÃO: TÏTULO

conforme o conforme Contextualizar Contextualizar

ensinado pelo ensinado pelo Apresentar Apresentar, de forma


problemática/objetiv detalhada, todas as
professor de professor de informações,
o
informática informática teorias...relacionada
Metodologia s ao tema.
Estrutura do pXX
trabalho

pX

CONCLUSÃO REFERÊNCIA ANEXO


Contextualizar
Com base no manual Grampear todos os
Reapresentar a
problemática/ de TCC artigos que vocês
objetivo
leram, exceto os livros.
Responder a
problemática com
base nas
informações

pXXX
pXXX
pXXXapresentada
s no
desenvolvimento.

27
EXEMPLO DE COMO ESCREVER:

INTRODUÇÃO

A década de 90 foi principalmente, um período de grandes mudanças para a


indústria de eletrodomésticos de linha branca mundial. A nova dinâmica
Contextualização:
econômica engendrada pelo processo de globalização alterou a configuração informações que
desse setor. A crise dos mercados de origem levou as grandes empresas a permite o leitor situar
procurarem novos mercados. A América Latina, o Leste Europeu e o Sudeste o objeto de estudo
Asiático foram os principais alvos de investimento das multinacionais. Os
avanços tecnológicos possibilitaram às empresas transporem barreiras
geográficas e gozarem das vantagens de cada parte do globo (CASTELLS, 1999). Novas estratégias
competitivas foram postas em prática, surgindo assim grandes desafios concorrenciais, principalmente nos
países em desenvolvimento. Estas mudanças acarretaram em um novo perfil de trabalhador, mais
qualificado e polivalente.

Neste estudo buscou analisar o impacto dessas mudanças sobre a mão-de-obra Apresentação da
problemática
empregada e a percepção dos trabalhadores sobre as conseqüências para seu
trabalho.

Para melhor entender as transformações na mão-de-obra, foi realizado uma


análise bibliográfica a respeito de reestruturação produtiva, qualificação e como
Apresentar a
esta tem se alterado com a mudança de modelo de produção taylorista/fordista metodologia. Esta é
e produção flexível. As principais fontes para obter estas informações foram uma forma bem
revistas da área de economia, sites de atualidades e livros específicos da área simples de
metodologia.
de administração.

Este trabalho iniciou com uma revisão da literatura no intuito de apresentar


as principais discussões em torno do tema "qualificação" e as diversas
Escrever a estrutura do
abordagens teórico-metodológicas que nelas se encontram trabalho, ou seja, como o
trabalho foi organizado e a
Em seguida foi apresentada a mudança de modelo de produção e suas
ordem das informações.
implicações para a questão da qualificação

Por fim, foi discutido brevemente seu histórico recente no Brasil e as mudanças no perfil e no volume de
emprego.

-------------------------------------quebra de página--------------------------------------------------

28
O PERFIL DO TRABALHADOR NO SETOR DE LINHA BRANCA NO
BRASIL
Contextualização:
informações que
A década de 80 foi um período de grandes transformações para as indústrias permite o leitor situar
o objeto de estudo
brasileiras. A abertura comercial iniciada pelo governo Collor permitiu as
empresas estrangeiras a penetrarem no mercado brasileiro. As formas
encontradas pelas multinacionais de penetrarem neste mercado foi firmar joint-
venture ou simplesmente adquirirem empresas nacionais (CASTELLS, 1999). As empresas brasileiras, por
sua vez se viram obrigadas a se reestruturarem para permanecer no mercado.

Na indústria de eletrodoméstico de linha branca, foco de análise do presente trabalho, foi alvo dessas
mudanças. A nova dinâmica econômica engendrada pelo processo de globalização alterou a configuração
deste setor. A crise do mercado de origem levou as grandes empresas a procurarem novos mercados. A
América Latina, o Leste Europeu e o Sudeste Asiático foram os principais
alvos de investimento das multinacionais. No Brasil, a indústria de linha
branca foi marcada por esse processo de internacionalização e Desenvolvimento: Reparem
que não escreve a palavra
concentração, sendo que as empresas de capital nacional existentes
desenvolvimento e sim o título
foram sendo gradativamente incorporadas por empresas de capital do capítulo. Como este
estrangeiro, o que levou a uma maior concentração do capital. trabalho em um único
capítulo, pode-se escrever o
Isso intensificou o processo de reestruturação produtiva nas fábricas
título do trabalho.
instaladas, com a implantação de novos equipamentos e conceitos
organizacionais, à adoção de ferramentas ligadas à qualidade, ao
planejamento e controle da produção e à organização do trabalho, entre outras áreas de gestão. Essas
mudanças tiveram um forte impacto sobre a força de trabalho, alterando as condições de emprego, com a
redução do volume de trabalhadores e novas exigências de qualificação, em relação à qual houve um
aumento da exigência do nível de escolaridade, entre outras.

Diante dessas mudanças, ressurgem debates referentes à avaliação da composição da mão-de-obra. A


polêmica remete às divergências em torno da construção de uma definição
para o conceito de qualificação. Laranjeira (1996) questiona quais os Este trabalho foi feito em
critérios a serem considerados em tal definição, se devem ser as apenas citação indireta,
habilidades do trabalhador ou os requisitos do posto de trabalho. Tal mas você pode fazer a
discussão é de suma importância para a análise da composição da mão- citação direta quando for
pertinente. Todas as
de-obra, pois as mudanças no termo nos levam a refletir se a composição
informações têm a fonte,
do trabalho mudou a ponto de tornar necessário adotar novos conceitos de ou seja, a citação.
qualificação. Devido ao reconhecimento da ausência de consenso na sua
definição, apresentaremos uma breve discussão em torno do conceito de

29
qualificação.

Manfered (1998) e Iinvernizzi (2000) propõem uma classificação em torno do conceito de qualificação que
engloba diversos enfoques apresentados a seguir. O enfoque macrossocial surgiu entre a década de 50 e
60, a partir da Economia da Educação, no qual o papel do Estado está em planejar e racionalizar seus
investimentos em prol de suprir as demandas dos sistemas ocupacionais através de investimentos no
sistema educacional. Desta forma, o Estado estaria investindo na formação do capital humano.

Segundo Manfredi (1999), os recursos destinados à formação do capital humano visam fornecer ao
indivíduo habilidades chaves para que possam atuar dentro do processo produtivo moderno. Esses
investimentos em treinamento por parte dos empresários e em educação por parte do Estado trariam um
retorno social ou individual...

-------------------------------------quebra de página--------------------------------------------------

CONCLUSÃO

A reconfiguração patrimonial da indústria de linha branca no Brasil nos anos 90 e a aceleração da


difusão de inovações tecnológicas e organizacionais acarretaram profundas transformações na
estrutura interna das empresas, envolvendo a organização da produção e o conteúdo e a divisão do
trabalho, modificando a forma de qualificação da mão-de-obra empregada
e levando a significativas mudanças no perfil do trabalhador. Diante de tais
acontecimentos, tornou-se pertinente retomar as discussões sobre o Contextualização.
Reparem que NÃO é
alcance desse processo de requalificação.
cópia das outras
O objetivo deste trabalho foi entender as transformações no perfil da mão- contextualizações.
de-obra no setor de linha branca no Brasil pós reestruturação produtiva.

A análise bibliográfica a respeito da qualificação permitiu observar a


existência de diferentes conceitos, entre os quais merecem: destaque o
enfoque macrossocial de qualificação, no qual o Estado fornece recursos Reapresentação do
para a formação do capital humano através do sistema educacional; o objetivo/problemática

enfoque microssocial, que transfere ao trabalhador a responsabilidade


da sua formação profissional, fazendo com que a qualificação esteja
relacionada à idéia de autodesenvolvimento; a abordagem analítica, desenvolvida no âmbito
acadêmico e a abordagem pragmática desenvolvida pelas empresas, que relaciona a qualificação com
as exigências dos postos de trabalho.

O tema da qualificação aparece freqüentemente associado à mudança de modelos de produção. No


modelo taylorista/fordista, o trabalhador é desqualificado, sem
conhecimento específico, cumpridor de tarefas repetitivas. A
Resposta da problemática
ascensão do modelo japonês trouxe grandes discussões no âmbito
com base nas informações
acadêmico sobre o quanto tais técnicas romperiam com as
apresentadas no
desenvolvimento
30
características do trabalhador taylorista/fordista. Há uma corrente de pensadores que afirmam que a
nova forma de organização da produção levaria a um trabalhador polivalente, mais qualificado, com
iniciativa e autonomia. Em contrapartida, há aqueles que acreditam que o trabalhador apenas se
adequou às novas circunstâncias, porém sem incidir em mudanças significativas de suas
características. Rompendo ou não com o modelo taylorista-fordista, o modelo japonês recolocou o
tema da qualificação.

Cabe ressaltar que a construção social da qualificação relacionada ao gênero parece resistir à
mudança de modelos. As mulheres continuam a ocupar espaços menos qualificados e com menor
investimento em cursos e treinamentos. Os valores sociais atribuídos aos sexos dificultam o acesso da
mão-de-obra feminina. Em nosso estudo de caso, isso aparece claramente na discussão da LER.

Também foram levantados dados secundários sobre a mudança do perfil dos trabalhadores dessa
indústria. Em relação à faixa etária, não foram observadas mudanças significativas, permanecendo
concentrada na faixa de 30 a 39 anos. O mesmo não acontece com a renda salarial, que apresentou uma
queda. Em 1994, os trabalhadores estavam concentrados na faixa de 7,1 a 10 salários mínimos e em
2000, a maior parte se encontrava na faixa de 3,1 a 5 salários mínimos...

31
4ª Unidade: Seminário.

LIVRO BASE:

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico São Paulo: Cortez, 2002.

O seminário tem por objetivo levar a todos os participantes a uma reflexão aprofundada de um tema ou
problema.

Aos seminaristas cabem a função de promover a compreensão e interpretação dos textos e levantar
problemas para a discussão geral. Aos demais, cabe participarem dos debates. O SEMINÁRIO NÃO É
UMA AULA EXPOSITIVA, MUITO MENOS UM RECITAL.

Porém, para realizar o seminário temos que seguir algumas etapas:

1) A PREPARAÇÃO: Nesta fase, o seminarista é capaz de responder:

Qual é o tema?

Qual a finalidade da apresentação?

Quem é o público?

Quais recursos eu disponho?

2) A ESTRUTURA: Nesta etapa o seminarista é capaz de apresentar a introdução (equivale a abertura); o


desenvolvimento (equivale ao conteúdo); a conclusão (equivale ao desfecho do assunto)

Na introdução o seminarista se apresenta; apresenta o tema, o objetivo e os principais pontos do trabalho.

No desenvolvimento Para que a platéia entenda a informação passada pelo seminarista, este deve falar
em uma linguagem simples, porém elegante, além de organizar os argumentos de forma coerentes e
sustentá-los em dados ou exemplos. Neste momento, o seminarista apresenta a idéia principal. Pode
também levantar problemas interessantes ou aprofundar nas questões.

Na conclusão Com base nas leis da memória, o ouvinte se lembra melhor do início e do fim de um
discurso (primacía e de recência). Por isso, o melhor é organizar a conclusão reafirmando a sua posição
diante do tema e finalizar o seminário destacando a frase principal do trabalho.

Esclarecer dúvidas.

DICAS:

Antes da primeira reunião, todos os participantes devem estar com o material. Caso necessite de uma
pesquisa prolongada para a obtenção deste material. Isto deve ser feito em conjunto.

A pesquisa fica mais rica quando retirada de várias fontes.


32
Na reunião o grupo deve discutir os problemas propriamente ditos; levantar questões relevantes implícitas
ou explícitas relacionadas ao tema para discutir com a sala durante o seminário; encontrar exemplos...

O grupo pode fazer um esquema geral do seminário que pode ser redigido em tópicos, em texto corrido ou
em forma de perguntas. Este esquema auxilia na preparação da apresentação do seminário. Ele não pode
ser lido no seminário e, no máximo, pode ficar em cima da mesa. Nunca o seminarista deve segurá-lo.

Lembre-se: O saber é a capacidade de reflexão em uma determinada


área do conhecimento e, para isso, faz-se necessário deter uma série
de informações de uma área específica e razoável conhecimento das
áreas afins, bem como um certo grau de cultura geral! A reflexão é
analisar o conteúdo por meio do entendimento e da razão. Pode se
referir aos principais problemas ou pontos do assunto retirado de
textos básicos e complementares.

33
5ª Unidade: Como apresentar o seminário: Arguição.

LIVRO BASE:

POLITO, Reinaldo. Fale muito melhor – São Paulo : Saraiva, 2003.

Linguagem corporal e verbal:

A postura que adotamos é fundamental para envolver os ouvintes.

Devemos ficar em pé e em constante movimento. Os movimentos devem ser suaves. Isso demonstra certa
tranqüilidade.

O contato visual com o público tem uma importância crucial no estabelecimento da relação com o ouvinte,
por isso, é importante manter o olhar dirigido para ela e não para o teto ou o chão.

A expressão facial deve ajustar-se ao assunto. Por exemplo, se pretende fazer rir o público, a expressão
deve conter o sentido jocoso do que estamos a referir.

Evita o excesso de gestos, se forem exagerados podem distrair o ouvinte. Mas utiliza-os para enfatizar um
ponto importante.

Como falar bem:

1- Use seu dom natural para falar bem

Muitos usam a desculpa que falar bem é um dom, ou a pessoa tem ou não tem e nunca terá. Isso não
passa de uma desculpa esfarrapada para não enfrentar o problema de frente (vergonha, preguiça...).

Aproveitar situações ainda na faculdade é outra forma bem interessante. Quando é estudante, o erro de
oratória não tem conseqüências, então se exponha.

Ao falar em publico não aja de forma diferente, seja você.

Evite:

Fala mecânica.

Olhar distanciado, postura enrijecida.

Vocabulário prolixo (carregado, enfadonho, lento...).

Pois isso significa insegurança.

DICAS:

Aja como se estivesse diante de um grupo de amigos com algumas adaptações.

Aumente um pouco o tom de voz, isso demonstra envolvimento e interesse.

34
Torne seus gestos e fisionomia mais expressiva para combinar com o tom de voz.

Deixe as pausas um pouco mais acentuadas quando quiser que a platéia reflita sobre a informação.

Se entregue fé corpo e alma: Deixe aparecer seu bom humor, seu estilo pessoal. Se souber faça
imitações, comte piadas, histórias.... Mas são em caso de seminário não acadêmico.

2- Não se leve tão a sério, assim as pessoas o achará mais simpático

Nunca resmungue ou reaja emocionalmente a ofensas pessoais.

Ria dos próprios erros e gafes.

Não fique se defendendo ou justificando seus erros, pois isso os reforça.

Use sempre o recurso da autocrítica.

Qualquer ofensa de menor importância deve ser ignorada com bom humor. Agora, se alguém agredir sua
moral dizendo que você é corrupto ou algo semelhante, parta para cima sem dó. Não use a emoção, mas
seja rígido.

3- Recorram ao bom humor para envolver a platéia

Use além das palavras a expressão corporal, o tom de voz e a pausa.

Cuidado com a vulgaridade, pois as pessoas até põem rir, mas a sua imagem será associado a algo
negativo. Piadas sobre raça, religião e opção sexual.

Conte uma piada só e ela for boa e inédita, o que é muito difícil.

Use o humor só se ele estiver relacionado com o tema ou se você quiser retomar a atenção dos ouvintes.

Faça com que pareça que o humor esteja surgindo naquele momento.

O humor deve ser breve. Evite histórias longas.

Ria como se estivesse surpreso coma própria graça

O humor é uma ferramenta e não o propósito do seminário. Lembre-se “graça por graça uma vez só basta”

Esteja pronto para a desgraça total. Nem sempre o humor funciona. Neste caso faça uma autogozação.

4- Como se proteger de ouvintes agressivos

Por algum motivo há na platéia um ouvinte agressivo. Seja por ele ter um dia ruim ou por ser obrigado a
estar lá o fato é que ele, sem perceber está esperando um momento para atacar o palestrante e convencer
ele e aos demais que aquilo é uma perda de tempo como ele já presumia.

35
Todos são livres para discordar da mensagem do palestrante, mas a forma que isso é feito faz toda a
diferença. Há ainda os que não discordam da mensagem de sim de coisas que o palestrante não tem
culpa, como, por exemplo, a luminosidade.

Nesta hora há duas coisas que você pode fazer:

Concordar com o ouvinte.

Não responder aos ataques.

Pois se tentar mostrar que ele está errado só irá aumentar a discussão e a tensão.

Outra forma de instigar o ouvinte agressivo é mexer com os sentimentos dele. Cuidado ao falar de política,
pois esta entrando no campo da ideologia e o ouvinte defenderá com unhas e dentes sua convicção.

5- O segredo da persuasão

Persuadir é levar alguém a aceitar ou acreditar em uma idéia. Para isso precisamos desenvolver algumas
técnicas:

Organizar as informações que encontramos ao longo do tempo.

Mais que boas argumentações devemos aprender a interagir com as pessoas para envolvê-las de forma
honesta.

Não basta que o ouvinte esteja convencido da veracidade da informação, muitas vezes ele precisa saber
sobre os benefícios e malefícios que terão.

O argumento por si só não tem força, ele precisa de reforço. Exemplos (quanto mais simples e verdadeira
for, melhor será o seu poder de persuasão); Comparações; Estatísticas e pesquisas; Testemunhos
(cuidado para não usar uma pessoa polemica e gerar resistência); Teses; Estudos científicos.

Qual a ordem de apresentação dos argumentos?

Depende do tipo de argumento que você tem em mãos.

Se forem todos sólidos apresentem-os separadamente e com pausa para que o ouvinte tenha tempo de
fixá-lo em sua mente.

Se todos forem frágeis apresente-os ao mesmo tempo para que a quantidade supra a fragilidade do
argumento.Se alguns forem fortes e outros frágeis, apresente primeiro um intermediário pra causar um
bom impacto, em seguida um frágil, mas que não comprometa os demais argumentos e por fim um forte

para fechar com “chave de ouro”.

Devemos te cuidado com a quantidade de argumentos usados o excesso deles tira a concentração dos
ouvintes e o foco da palestra

Nunca use argumentos sarcásticos, relacionados a raça ou preferência sexual, religião política e futebol.

36
Não defenda um argumento polêmico usando outro polêmico, pois assim terá que persuadir a platéia
duplamente. Ex; pena de morte e aborto.

6- Detalhes que fazem a diferença

Envolver o ouvinte incluindo-o no seu grupo. Para isso basta usar a palavra nós ao invés de vocês. Desta
forma o ouvinte vai se sentir no mesmo patamar do palestrante. Mas cuidado para o nós não soar como
uma falsa modéstia. Ex o palestrante dizer nós nos sentimos honrados por estar aqui. Ora, que está
honrado é o palestrante e não o ouvinte.

Cumprimentar com simpatia.

Existem regras para os cumprimentos. Primeiro as mulheres e em seguida os homens. Caso seja uma
mesa de autoridades aí devemos respeitar a hierarquia partido da mais alta para a mais baixa. Caso a
mesa seja grande não devemos gastar muito tempo cumprimentando um por um, neste caso basta dizer
“autoridades que compõe a mesa de honra”. Caso tenha uma figura ilustre, cite o nome dele dando-lhe um
aperto de mão e aperte a mão dos demais sem mencionar o nome

Inicie de forma inédita. Todos começam da mesma forma “é um enorme prazer estar presente...”. Isso não
chama a atenção do ouvinte embora seja uma forma gentil de iniciar a palestra. Se você sair da mesmice
surpreenderá os ouvintes que prestarão mais atenção em você.

Para encerrar evite expressões como “era isso o que eu tinha para dizer” Esta forma de conclusão é frágil
e sem conteúdo. Aproveite o momento para deixar uma mensagem que faça os ouvintes refletirem. Mexa
com as emoções. Use expressões como “assim sendo, eu espero, desta forma...” e encaixe a sua
mensagem.

37