Você está na página 1de 5

À Lupa

Breves

Carunchos à Beira de um Ataque de Nervos

A avaliação de desempenho está a

deixar os carunchos em alvoroço. Etelvina Casca apenas teve a menção de muito excelente. A injustiça não deixou ninguém indiferente. Jorge Lasca afirmou revoltado: “A Etelvina não merecia uma classificação tão baixa, não merecia não senhor. Só para o senhor ter uma ideia: ela não

só perfura com empenho as melhores madeiras, como dança, canta, é ventríloqua, já para não falar no trabalho colaborativo que desenvolveu com as traças no projecto Perfurar Solidário. Ser desdentada não é defeito nenhum, a final foi um acidente de trabalho”.

é defeito nenhum, a final foi um acidente de trabalho”. A Excelência Chega Mais uma Vez

A Excelência Chega Mais uma Vez à ESMA

de trabalho”. A Excelência Chega Mais uma Vez à ESMA As tartarugas do Clube de Ciências

As tartarugas do Clube de Ciências têm a honra de comunicar à comunidade escolar que o colega Mestre Professor Doutor Zé Carapaça acabou de concluir um pós- doutoramento em Ciências Ocultas. Toda a comunidade escolar se congratula com tamanha realização. Olinda Escama exclamou emocionada na cerimónia de entrega do diploma: “Eu sempre soube que

por debaixo daquela carapaça não estava um cágado qualquer!”. Mais uma vez parabéns colega Mestre Professor Pós-doutor Zé Carapaça, esperemos que continue a caminhar a alta velocidade em direcção à conquista de mais um grau académico.

Programa Redes Aquário

No clube de ciências a animação está

ao rubro. No próximo fim de semana começa a formação em redes,

promovida pela disciplina de Higiene

e Segurança no Trabalho. Viriato

Anzol, responsável pelo programa, estima que com este projecto seja possível diminuir a sinistralidade no

aquário em cerca de 30%. “A vida de

um peixe não é fácil - confidenciou aos nossos repórteres - está uma pessoa a olhar para uma garoupa e

zás, num triz cai malhas da rede, ou o que é pior, termina p’lo beijo agarrado a um anzol.”

o que é pior, termina p’lo beijo agarrado a um anzol.” Toupeiras A pomba Carolina entrou

Toupeiras

pior, termina p’lo beijo agarrado a um anzol.” Toupeiras A pomba Carolina entrou finalmente no mundo

A pomba Carolina entrou finalmente

no mundo das letras. Em trabalho

colaborativo com a Adelina e o

Ventura, as Toupeiras residentes no Jardim, licenciadas em sexologia, irá Coordenar uma revista sobre o Mundo Animal intitulada: “A vida Amorosa de uma Toupeira”. Entrevistadas pelo Jornal Atitudes, Adelina e Ventura afirmam: Quando

a Carolina nos convidou, aceitámos

logo, com esta actividade queimamos duas metas do PEE – o trabalho colaborativo e os hábitos de vida saudável. A gente sempre gostou de viver na escuridão, mas agora temos que arranjar evidências”.

Letícia Andrade

Jornal da E.S. com 3º Ciclo do EB de Matias Aires | Nº 63 |
Jornal da E.S. com 3º Ciclo do EB de Matias Aires
| Nº 63 | 3º Período 2010/2011 | 1 Euro
de Matias Aires | Nº 63 | 3º Período 2010/2011 | 1 Euro R e d

Redes Sociais

2010/2011 | 1 Euro R e d e s S o c i a i s

Semana de Escola

1 Euro R e d e s S o c i a i s Semana de

O Circo da Matemática

Nesta Edição:

» Semana de Escola

» Margarida Botelho

» Semana da Leitura

» Actos Extra V

» Dia Internacional da Diversidade Cultural

» Eça de Queirós, um Homem do Seu e do Nosso Tempo

» E Se Tupac Encontrasse Mozart

» Mesma - Onde as Gente e os Lugares se Entrelaçam

» Circo da Matemática

» A Preto e Branco

» Afectos e Palavras

» Redes e Sociais

» Bullying

» Os Jovens , as Festas e o Álcool

» Retrospectiva PIEF É Isto

» Desfile Sólidos Geométricos

E muito mais

24
24
Editorial “Redes Há muitas, Seus Palermas” O actor Vasco Santana é um dos ídolos da
Editorial “Redes Há muitas, Seus Palermas” O actor Vasco Santana é um dos ídolos da
Editorial “Redes Há muitas, Seus Palermas” O actor Vasco Santana é um dos ídolos da

Editorial

Editorial “Redes Há muitas, Seus Palermas” O actor Vasco Santana é um dos ídolos da minha

“Redes Há muitas, Seus Palermas”

O actor Vasco Santana é um dos

ídolos da minha infância. Quando

a televisão passava um dos seus

filmes, a gargalhada invadia as grossas paredes de pedra da casa dos meus avós. Quem não se lembra de frases como “Oh Evaristo, tens cá disto?”, ou “Chapéus há muitos, seu

palerma!”. Pois redes também há muitas: as de pescar, as neuronais,

as conceptuais, as mafiosas, as de

narcotráfico, as de armas, as de solidariedade social, etc. No entanto, quando ouvimos falar em redes vêem-nos imediatamente há memória as redes

sociais, que aliás englobam todas as outras, porque às vezes até de pesca são, os peixes que me perdoem a comparação…. Que na nossa mente surja de imediato o Facebook, o MySpace, o hi5Youtube, o Flickr, o Delicious, o Twitter (…), quando falamos em redes, não é para admirar

se

pensarmos que em todo o mundo

cerca de 625 milhões de utilizadores

activos da internet. Entre nós são cerca

de 2,9 milhões de utilizadores registados. Para muito s estudiosos a explosão do digital está na base da emergência de uma geração radicalmente diferente da anterior, capaz de realizar funções de processamento paralelo. Trocado por miúdos: É aquilo que supostamente está a acontecer quando entra no quarto do seu filho e ele estuda matemática, vê televisão, está no facebook, fala ao telefone com

a namorada, enquanto envia um e-

passam de instrumentos, sofisticados e atraentes, sem dúvida, mas tão-só instrumentos. Se o aluno não sabe estruturar um texto argumentativo, não há nenhum processador de texto que o ajude. Se não sabe interpretar o enunciado de um problema, não será a folha de cálculo que o fará. Se não sabe formular um problema, nenhum programa o ajudará a encontrar a melhor solução. (…) o fascínio pela tecnologia pode rapidamente transformar-se numa ilusão, esta sim extremamente negativa para o processo educativo, se conduzir à desvalorização do que é fundamental, ou seja, o desenvolvimento de competências cognitivas, capacidade de raciocínio lógico, domínios das maneiras de pensar. Mais do que aprender a fazer, as aprendizagens têm de orientar-se para aprender a pensar”. Desta forma não nos arriscaremos a formar gerações de máquinas úteis e dóceis, tecnicamente qualificadas, mas

leitores inteligentes da história, cidadãos aptos a pensar por si próprios, à compreensão do outro, fundamentais para uma cultura da empatia, capaz de transformar “o eu solitário, no

nós

solidário”.

de transformar “o eu solitário, no nós solidário”. mail. Este verdadeiro milagre de omnisciência mental levou

mail. Este verdadeiro milagre de omnisciência mental levou os mais optimistas a afirmar o nascimento de um novo tipo de homem “O Homo Zapiens”, e de uma nova geração: “A Net Generation”. Por seu turno os mais cépticos consideram que é impossível realizar, de modo eficaz e eficiente, funções de processamento paralelo.

Segundo eles esta ilusão conduziria a

um verbalismo digital, impeditivo do desenvolvimento de funções mentais superiores, tais como a: a

interpretação, a análise, a síntese e a

crítica.

Sem querer diabolizar, ou endeusar o digital a verdade é que nenhuma metodologia, nenhum recurso é em si mesmo bom ou mau, depende da ideia de homem que transporta. Como afirma David Justino “Há um ganho evidente na familiarização com as novas tecnologias com as quais (o aluno) vai ter de lidar na sua vida

futura. Contudo, as tecnologias não

avaliação

FICHA TÉCNICA:

COORDENAÇÃO e PLANIFICAÇÃO : Gina Rodrigues e Mª José Rodrigues | PAGINAÇÃO: Gina Rodrigues e Jaime Milton, em Page Maker 7.0 | CORRECÇÃO: Jaime Milton e Maria José Rodrigues |COLABORAÇÃO - Alunos: Ana Mendoça, Ana Pimenta, Ana Santiago, Andreia Nunes, Marilda Silva, Carla Mendes, Cláudia Indami, Cláudia

Amaro, Filomeno Sanches, Jael Correia, Keila Rosana, Margarida Barbosa, Miguel Domingos, Joana Rodrigues,

João Assis, Marco Sousa e Paulo Roque, Rui Costa, | TURMAS: 7º2, Pief - 3º Ciclo, PLNM.10º ano, P42, Professores: Alice Lobo, Anabela Santos, Amália Martins, Cristina Faria, Elizabeth Vieira, Graça Castanheira,

Helena Gaspar, Isabel Santana, Margarida Pessoa , Micaela Teixeira, Natália NunesPaula Roque, Teresa Neves| OUTROS: Cristina Consolado, Letícia Andrade e Equipa da Saúde| PRODUÇÃO: Escola Secundária de Matias Aires - Av. dos Bombeiros Voluntários, 2735 Agualva | TELEFONES: 21 4338380/85 | FAX: 21 4338387/ 8 | IMPRESSÃO: Mediateca Escolar da ESMA - Sandra Baião. | TIRAGEM: 50 exemplares. | LOCAIS DE DISTRIBUIÇÃO/VENDA - ESMA: Mediateca, Papelaria e Portaria.

2
2
- ESMA: Mediateca, Papelaria e Portaria. • 2 Última Hora Desfile de Sólidos Geométricos No dia
- ESMA: Mediateca, Papelaria e Portaria. • 2 Última Hora Desfile de Sólidos Geométricos No dia
- ESMA: Mediateca, Papelaria e Portaria. • 2 Última Hora Desfile de Sólidos Geométricos No dia

Última Hora

Mediateca, Papelaria e Portaria. • 2 Última Hora Desfile de Sólidos Geométricos No dia 16 de

Desfile de Sólidos Geométricos

No

dia 16 de Junho, realizou-

se

no refeitório da escola

um desfile de sólidos geométricos. No início do ano, os alunos tomaram conhecimento que lhes iria ser proposto um grande desafio no âmbito da

disciplina de Matemática A, sabendo que se trataria de um desfile de sólidos geométricos. Numa primeira fase, construímos

o sólido e a respectiva

planificação numa folha A4, para, passo a passo, ir desenhando

em

dimensões cada vez maiores

até

ao seu tamanho final, tudo

com a preciosa ajuda da nossa professora de Matemática Isabel Santana. No fim do sólido montado em tamanho real, ou seja, depois de já termos o “fato” com que a pessoa do nosso grupo iria desfilar, chegou a parte mais divertida, pois foi aquela que mais veio a requerer

a nossa criatividade, que foi enfeitar o nosso sólido

geométrico de maneira a torná-

lo diferente de todos os outros.

A professora Anabela Santos,

ajudou-nos em tudo. Esta organização implicou várias

etapas, que foi desde a escolha

da música, à afixação dos cartazes

foi desde a escolha da música, à afixação dos cartazes momento especial como este. Na realidade
foi desde a escolha da música, à afixação dos cartazes momento especial como este. Na realidade

momento especial como este. Na realidade este trabalho além de nos ter ajudado a desenvolver conhecimentos no campo da matemática e a aplicá-los, uma vez que foi necessário a realização de cálculos de áreas e volume, assim como de reduções e ampliações das medidas do modelo, também contribuiu para unir todos os alunos, porque para se realizar este espectáculo foi preciso a cooperação de todos os alunos e professores. Com este desafio nós ficámos mais confiantes, pois fomos capazes de realizar uma tarefa que ao início nos pareceu impossível, provando a nós mesmos que se nos esforçamos somos capazes de superar qualquer desafio e que no nosso percurso de vida nunca estamos sozinhos, porque teremos sempre a acompanhar-nos e a apoiarmo-nos os nossos colegas e professores.

onde estavam desenhados os nossos projectos em tamanho reduzido, os ensaios e até mesmoa construção de todo o ambiente que é preciso criar para um desfile. Com tudo finalizado e preparado convidámos os nossos Encarregados de Educação, que nos ajudou a ficar mais tranquilos, pois a sua presença era indispensável num

mais tranquilos, pois a sua presença era indispensável num Joana Rodrigues, 10º1 O Cantinho das Histórias

Joana Rodrigues, 10º1

O Cantinho das Histórias

O projecto “Cantinho das

Histórias” chegou finalmente à

plataforma Moodle da

Mediateca. Ficam assim disponíveis on-line um conjunto

de histórias infantis, que mesmo

aquelas crianças, cujo o mundo

é feito de silêncio, ou pintado

apenas com as cores da imaginação, podem desfrutar. Desde Janeiro que a turma Cef 42 se entregou, com carinho, à tarefa de construir um conjunto de histórias em formato multimédia que permitem

simultaneamente ler e ouvir contar. As turmas P42 e P32 envolveram-se neste projecto através da História de Sophia de Mello Breyner Andersen: A Menina do Mar. On-line estão

disponíveis A Galinha Ruiva, A Viagem da Sementinha e o Dumbo. Espero

que gostes tanto, como nós nos divertimos a ilustrar e sonorizar estas histórias nós! Não hesites em visitar- nos em www.esmaonline.eu

Professora Mª José Rodrigues

e sonorizar estas histórias nós! Não hesites em visitar- nos em www.esmaonline.eu Professora Mª José Rodrigues
23
23
Penso Eu Retrospectiva PIEF É Isto A nossa escola, sempre inovadora e receptiva a novas
Penso Eu Retrospectiva PIEF É Isto A nossa escola, sempre inovadora e receptiva a novas
Penso Eu Retrospectiva PIEF É Isto A nossa escola, sempre inovadora e receptiva a novas

Penso Eu

Penso Eu Retrospectiva PIEF É Isto A nossa escola, sempre inovadora e receptiva a novas estratégias,

Retrospectiva PIEF É Isto

A nossa escola, sempre inovadora e receptiva a novas estratégias, aderiu ao Programa Integrado de Educação e Formação em 2004. Construiu-se um percurso de vida para muitos, de reinserção social, de qualificação, de valorização de indivíduos e da sociedade em geral. Contactar com a medida PIEF é passar pela experiência de algo inovador e marcante, um desafio que nem sonhamos existir até nos surgir pela frente. É um choque de processos, de discursos, de registos, de envolvimento constante, de um fluir de vivências, sempre novas, sempre diferentes, quase sempre marcantes. Parecemos o encenador de uma peça, cujos protagonistas estão sempre a mudar o rumo e a surpreender, exigindo novos desenvolvimentos, cenários e adereços. E em cada acto, cada cena, engendramos novas respostas para as características dasrecusar a beleza do que o rodeia e virar costas à arte – MORRE! Em

engendramos novas respostas para as características das recusar a beleza do que o rodeia e virar

recusar a beleza do que o rodeia e virar costas à arte –

MORRE! Em PIEF conseguimos descobrir em nós e nos outros valores e emoções numa construção contínua de laços e afectos que envolvem até os mais reticentes. PIEF é vida, é emoção, é futuro, é crescer, é

aprender,

É ISTO, que se

reflecte nos testemunhos de quem, de uma forma ou de outra, por aqui passaram,

fazendo do PIEF o DESAFIO SUPREMO. A todos, muito obrigada!!!

Anabela Santos

Professora de PIEF desde

2004

personagens que estão continuamente a sair e a entrar. Não há uma igual a outra, e há sempre presença na galeria de quem passou por aqui, marcada por um sorriso, um olhar, um gesto ou milhares de pequenos nadas que nos preenchem e transformam. Cada dia, cada momento, cada pequeno nada constrói-nos, forma-nos, faz-nos crescer. Um colmatar de esperanças que criamos e que, infelizmente, nem sempre conseguimos satisfazer. Fica a frustração e o sabor amargo de um desalento num futuro mais incerto assim. Gerir tudo isto é uma tarefa hercúlea, um desgaste só compensado pelo sentir que uma missão está nas nossas mãos, nas mãos dos jovens que ajudamos a reencontrar o seu caminho. Num mundo de individualismo sabe bem aprender a contar com o outro em trabalho de equipa e a desenvolver o que de mais valioso queremos – respeito. Todo o ser humano pode aprender em qualquer altura e se recusar a fazê-lo é como

Tenho uma Caixa de Sonhos

e se recusar a fazê-lo é como Tenho uma Caixa de Sonhos Quando TENHO UMA CAIXA

Quando TENHO UMA CAIXA DE SONHOS, tenho a possibilidade de proporcionar momentos de confraternização e descontracção para que a equipa de profissionais desta escola possa melhorar o ambiente de trabalho, reforçando e humanizando o local onde passamos uma grande parte do dia, fazendo da nossa escola um espaço de criatividade, flexibilidade e de vida. Ao contrário de um senhor conhecido, eu não tenho um sonho, tenho uma

de um senhor conhecido, eu não tenho um sonho, tenho uma actividades de expressão e descontracção,

actividades de expressão e descontracção, nomeadamente:

Oficina De Escrita Criativa Oficina de Ritmos Latinos Oficina de Sons Corrida de Tampinhas

Professora Anabela Santos

caixa cheia deles. Quantas vezes o peso do dia-a-dia é tão grande que relegamos para segundo plano este ou aquele projecto pessoal. O cansaço, a rotina e a burocracia ocupam demasiado espaço nas nossas vidas. E se o sonho comanda a vida, há que criar um espaço só para ele. Para que possamos fazer algo de diferente, de conviver, de partilhar experiências, de fazer o que ainda não foi feito, por nós, para nós – escrever, dançar, cantar, brincar e tudo o que podemos experimentar. A todos que me acompanharam nestes desafios desejo um futuro cheio de sonhos. Promove na ESMA, em colaboração com a Mediateca Escola e o PESES e em defesa do bem-estar de todos,

22
22
Escola e o PESES e em defesa do bem-estar de todos, 22 VIP Semana de Escola
Escola e o PESES e em defesa do bem-estar de todos, 22 VIP Semana de Escola
Escola e o PESES e em defesa do bem-estar de todos, 22 VIP Semana de Escola
Escola e o PESES e em defesa do bem-estar de todos, 22 VIP Semana de Escola

VIP

Semana de Escola - Uma Rede de Afectos

Movimento num rodopio de sinais de vida de uma escola que se preza pela diversidade de ideias, culturas,

actividades

primando pela

tolerância e interacção, eis a Semana da Escola. Foi notório o empenho de

professores,

funcionários, alunos

e encarregados de

educação, que vestem a camisola da ESMA com o vigor próprio de quem acredita que está nas nossas mãos construir

base de trabalho de todos

nós e que esteve patente

neste momento especial

da nossa escola. A defesa do ambiente, a promoção da saúde, a valorização do conhecimento e a divulgação das culturas estiveram presentes nas diferentes actividades promovidas pelos departamentos da nossa escola, numa semana rica

em apontamentos de cor,

movimento, ideias e saber.

A ESMA esteve de parabéns!

Professor

Anabela santos

A ESMA esteve de parabéns! Professor Anabela santos uma sociedade a partir da Educação. Trabalhar o

uma sociedade a partir da Educação. Trabalhar o corpo e a mente estão na

Margarida Botelho

Cozinheira de Livros - Numa Rede de Ideias

Foi no dia dezasseis de Maio que a criadora de Cozinheiras

de Livros veio à nossa escola. Discreta e simples, Margarida Botelho revela-se, para além de um talento nacional, uma

jovemescritora

empreendedora e expressiva. Um grupo de alunos da turma 9º4, juntamente com a professora Elda Tomé, preparou uma pequena surpresa: a representação de um excerto da obra de Margarida Botelho. Apesar da simplicidade daquele momento, todos na Mediateca esboçaram um sorriso, incluindo a própria escritora e todas as pessoas colaborantes que a acompanhavam.

De seguida, foi a vez da autora nos brindar com uma surpresa. Interagindo com o público (começando pelos mais tímidos)

a escritora conseguiu brincar

com o conteúdo do seu livro e tornou-nos nuns verdadeiros cozinheiros de histórias. Tal não foi o espanto quando a autora

de histórias. Tal não foi o espanto quando a autora tirou da sua sacola um conjunto
de histórias. Tal não foi o espanto quando a autora tirou da sua sacola um conjunto

tirou da sua sacola um conjunto de pequenos tachos, panelas, pratinhos de brincar! O jogo não podia ser mais fácil: éramos nós que escolhíamos os ingredientes, ou seja, as personagens,

os cenários e tudo o que é preciso para uma história. Depois, Margarida Botelho colocaria os tachinhos e as panelas onde tínhamos adicionado os nossos ingredientes num forno que

só funcionava e era apenas visível para

quem tivesse um pouco de imaginação. E lá ficava a história a “cozer”, a “assar”ou a “fritar”.

A expressividade, a clareza e o à

vontade deste grande talento não passaram despercebidos aos olhos de quem assistia. Sucederam-se as perguntas, já depois da sessão culinária e ficámos a saber da viagem e estada numa tribo da Amazónia, da forma como a própria escritora faz as

suas insólitas e divertidas ilustrações

e até da experiência no clube de

teatro. Mas as surpresas não ficaram

por aqui: a turma presenteou Margarida Botelho com duas canecas, especialmente personalizadas para a escritora.Todos desfrutámos deste momento “bem temperado” e delicioso.

Cláudia Amaro, 9º4

3
3
VIP
VIP

Actos Extra V

Em rede tudo é possível

Foi no passado dia 29 de Abril que decorreu a V MOSTRA de PROJECTOS da nossa escola. Muitas foram as actividades desenvolvidas. A movimentaçãodesportivafoigrande, bem como o entusiasmo dos que participaram nos vários torneios dinamizados pelo Desporto Escolar. Ao fim da manhã, a realização de um Astropapper pelo Clube de Astronomiaanimouorecintoescolar. O Laboratório de Matemática esteve emgrande,comumaMostradeJogos Matemáticos e o 1º torneio do jogo vencedor do Prémio Nacional de Jogos Matemáticos 2010, criado por doisalunosnossos–“Evoluireformar 4” . Não faltaram as referências gastronómicas promovidas pelo Atelier de Línguas e a realização de um Puzzle Gigante da França. As lindas plantas, muito floridas, que o Clube de Ciências trouxe à escola promovendo a sua 3ª “Feira de Plantas” embelezaram ainda mais o dia. Ao início da tarde a animação foi ao rubro com o Concurso/Desfile de animais domésticos – “Expo Bicho IV” que, desta feita, contou com a colaboração da Loja de Animais de Agualva, CANIFELI e com os maravilhosos animais de estimação dos nossos alunos e professores, e

animais de estimação dos nossos alunos e professores, e outros pertencentes à comunidade envolvente da escola.

outros pertencentes à comunidade envolvente da escola. O Concurso de fotografia, “Olhares sobre a Natureza”, também promovido pelo Clube de Ciências, primou pela fantástica qualidade dos trabalhos expostos. A Oficina de Artes do Fogo colaborou com o PESES na elaboração de um painel de azulejo alusivo ao tema da Juventude e o Projecto Eco-Escolas com uma exposição referente ao meio ambiente.

Como sempre, a Biblioteca Escolar deu o seu contributo para que este fosse um dia

diferente e do agrado de todos, além, do apoio logístico a todas as actividades, promoveu

os

torneios de Damas e

de

Xadrez e participou na

entrega de prémios das várias actividades realizadas, não só neste dia, mas também, nos dias anteriores referentes às

Comemorações da Semana da Escola. E no final deste dia fabuloso, apesar do cansaço, todos enfrentaramumagrande

e inesperada chuvada,

com um grande sorriso!

A todos os alunos, professores e funcionários que tornaram este dia possível, um grande obrigado!

Professora Paula

Roque

21de Maio - Dia Internacional da Diversidade Cultural

Diversidade PLNM

No dia 22 de Maio celebrou-se o Dia Internacional da Diversidade Cultural, com uma mostra de instumentos musicais. feitos em materiais recicláveis. Cada um desses instrumentos foi apresentado como símbolo de uma cultura diferente, como por exemplo, o Adufe (árabe), o Pandeiro (cabo-verdiano), o Chocalho (moçambicano), o Berimbau (brasileiro), entre muitos outros. Aproveitando estes sons, montou-se uma exposição com o título “Música é/ e Arte”.

Este dia contou também com a iniciativa dos alunos dos 10º e do 11º de PLNM, que reuniram os seus textos, criando um livro

11º de PLNM, que reuniram os seus textos, criando um livro muito especial que traduz a

muito especial que traduz

a “Paixão pela Leitura”.

Aí deixámos as nossas lembranças e a esperança

de que a próxima geração

de PLNM seja ainda melhor do que a nossa… No fim, tentámos tocar os instrumentos, cantando o nosso próprio “Hino PLNM”, em versão RAP. Fizemos música de várias

cores…

Alunos PLNM, 10º ano

 

Laboratório de Matemática

7º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos

7º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos

No dia 18 de Março, cerca de 2400 alunos de 546 escolas do Continente e Ilhas disputaram, no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), a Final do Campeonato Nacional

(no jogo Rastros); Paulo Roque, do 11º1 (no jogo Hex); Paulo Gouveia, do 11º3 (no jogo Avanço) e Telmo Cunha, do 11º3 (no jogo Rastros). Foi um dia em grande, cheio de emoção, nervosismo e bom

 

de Jogos Matemáticos (7º CNJM).

desportivismo. Parabéns aluna Aleida

A ESMA fez-se representar com

Monteiro que chegou à final, ficando

seis alunos: Miguel Santiago do

assim entre os vinte primeiros lugares.

8º1 (no jogo Hex); Aleida

obrigado a todos pela forma como representaram a nossa escola.

E

 

Monteiro, do CEF 42 (no jogo Ouri); Domingos Eugénio, do 9º1

 

Professoras Graça Castanheira e Cristina Faria

1º Campeonato Nacional de Jogo “Evoluir e Formar 4”

vencedora foi a aluna Nayane Santos

Em Forma
Em Forma

Em Forma

da

turma quatro do décimo ano.

Durante o 2º período decorreram vários treinos, no Laboratório de Matemática, do jogo “Evoluir e

Durante o 2º período decorreram vários treinos, no Laboratório de Matemática, do jogo “Evoluir e Formar 4” (jogo criado pelos alunos Paulo Roque e Márcio Castro e premiado a nível nacional no ano lectivo passado). No dia 30 de Abril decorreu a eliminatória, na Mediateca da nossa escola, para escolher o vencedor deste jogo. E a grande

Actos Extra V e SintraViva

2011

Mais uma vez o Laboratório de Matemática esteve presente nos Actos Extra V (no dia 30 de Abril) e no SintraViva 2011 (no dia 27 de Maio), com os seus habituais jogos matemáticos. Míudos e graúdos jogaram diferentes tipos de jogos:

estratégicos, de tabuleiro, de computador e também os jogos inventados e criados pelos alunos no âmbito do projecto LudoMatemática.

O

principal objectivo foi o de divulgar

este tipo de actividade e proporcionar

convívio entre os visitantes e participantes.

o

 

Professoras Graça Castanheira e Cristina Faria

Voleibol

Castelo da Maia Vence Benfica por 3-1

No passado dia 9 de Abril de 2011, alguns alunos da Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Matias Aires, foram convidados pelo Professor Rodrigo Barroso para assistir ao jogo de Voleibol do Benfica contra o Castelo da Maia. Na recepção ao Castelo da Maia, os “encarnados” não entraram

bem e perderam os dois primeiros sets (25-27 e 24-26). No entanto, os benfiquistas reagiram no set seguinte

e

venceram por 25-21.

O

quarto set acabou por ser o último

deste encontro disputado no Pavilhão N.º 2 da Luz, com o Castelo da Maia a triunfar, por 20-25.

Margarida Barbosa, 11º5

encontro disputado no Pavilhão N.º 2 da Luz, com o Castelo da Maia a triunfar, por
4 21
4
21
Clube de Ciências A Partenogénese Humana A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na
Clube de Ciências A Partenogénese Humana A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na
Clube de Ciências A Partenogénese Humana A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na
Clube de Ciências A Partenogénese Humana A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na

Clube de Ciências

Clube de Ciências A Partenogénese Humana A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na qual

A Partenogénese Humana

A reprodução assexuada é um tipo de reprodução na qual apenas um progenitor intervém. A partenogénese é um exemplo de reprodução assexuada e consiste no desenvolvimento de um indivíduo a partir de um oócito não fecundado.

Será possível

partenogénese ocorra em humanos?Sim

a

que

A

partenogénese

humana ocorre quando um óvulo

sofre divisão sem

a

intervenção de

u

m

espermatozóide,

assim

um bebé sem a

intervenção

paterna.

gerando

assim um bebé sem a intervenção paterna. gerando A nível Humano, ocorrência a natural de partenogénese

A nível Humano,

ocorrência

a natural de

partenogénese é muito rara, sendo

no entanto possível de conseguir

artificialmente (apesar de tal não

ser bem aceite devido a problemas

éticos).

Há casos registados?

Não existe muita informação divulgada, pois a partenogénese humana é extremamente rara e quando ocorre pode ser facilmente confundida com uma gravidez normal

Este fenómeno ocorre naturalmente em invertebrados e

em certas plantas, sendo muito raro

a sua ocorrência em seres vertebrados.

A criança gerada por partenogénese nascerá com apenas 23 cromossomas?

Não.

Naturalmente, o ser humano reproduz-se sexuadamente, ou seja, há a junção do gâmeta

feminino(oócito)comomasculino

(espermatozóide), originando o ovo ou zigoto. Antes da fecundação ocorrem vários processos, nomeadamente a meiose, que assegura a redução do número de cromossomas para

metade ou seja, de 46 para 23

cromossomas em cada gâmeta. Assim na fecundação, o novo ser possuirá 46 cromossomas (pois houve a junção dos gâmetas). Na partenogénese humana a meiose do oócito não ocorre regularmente,formando-seoócito com 46 em vez de 23 cromossomas. Neste caso então obtém-se um zigoto, que à semelhança dos formados com a intervenção materna e paterna, possuirá 46 cromossomas.

A

religião

Um dos mais estranhos fenómenos de reprodução Humana, sem envolvimento de um pai é o do dogma da virgem Maria, a mãe de Jesus Cristo. Muitos questionam se esta divina concepção poderia na verdade ser resultante de partenogénese, mas tal levanta alguns problemas. Quando ocorre a partenogénese e uma mulher fica grávida sem a intervenção de qualquer tipo de gâmeta masculino, o bebé que se vai gerar será do mesmo sexo da mãe, visto o seu material genético ser igual ao da mãe, o que contesta a hipótese de Jesus Cristo ter sido gerado por partenogénese. Para uns, este facto constitui uma prova contra a ideias defendidas no cristianismo, enquanto que para outros é mais uma evidência do poder divino e do milagre do nascimento de Jesus.

a

partenogénese

e

Ana Santiago, 12º1

Continuação da Pág. 18 Sol

O que é e como se revela a actividade solar? O Sol encontra-se agora a meio do seu período de vida calma, com toda a sua matéria disposta sob a forma de uma gigantesca bola de gás com cerca de um milhão e quatrocentos mil quilómetros de diâmetro. Contém cerca de 73% de hidrogénio (H), aproximadamente 25% de hélio (He) e 2% de outros elementos mais pesados. Embora a “superfície” do Sol pareça uniforme, a sua observação, através

de um telescópio, revela uma

movimentada estrutura, produzida por colunas de gás quente elevando-se da fotosfera. Como observar o Sol? Nunca devemos apontar um telescópio ou um binóculo para o Sol, com a intenção de o observar directamente, tal como se faz com

outros astros, pois a concentração

dos raios solares no local da ocular

provoca lesões graves na retina, incluindo a cegueira irreversível e quase instantânea. Mas, no entanto, existem processos simples e seguros para

observar o Sol, sendo o mais acessível o chamado “processo de projecção”.

sendo o mais acessível o chamado “processo de projecção”. Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1

Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1

20
20
Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1 20 Retrospectiva Eça de Queirós, um Homem do Seu
Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1 20 Retrospectiva Eça de Queirós, um Homem do Seu
Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1 20 Retrospectiva Eça de Queirós, um Homem do Seu
Andreia Nunes, Joana Rodrigues e MarildaSilva, 10º1 20 Retrospectiva Eça de Queirós, um Homem do Seu

Retrospectiva

Eça de Queirós, um Homem do Seu e do Nosso Tempo Em rede tudo é possível

No passado dia 3 de Maio,terça- feira, realizámos uma visita de estudo ao Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, com o intuito de assistirmos a uma peça teatral baseada n’ Os Maias. A deslocação ao Centro foi feita de comboio, sendo que o local de encontro para a visita foi a estação do Cacém, pelas 10:00. Para além da turma 11º5, compareceram também outras turmas que estavam igualmente acompanhadas pelo professor responsável. A hora de chegada ao Centro Cultural foi por volta das 11:30 e terminou aproximadamente às 14:00. Tal como já referi, a peça era sobre a obra Os Maias, de Eça de Queirós, obra essa que faz parte do programa do 11º ano. Ao longo deste ano lectivo tivemos a oportunidade de ler esta obra, que fala sobre a família dos Maias, incidindo sobre Carlos da Maia, o mais jovem membro, que conhece uma mulher, acabando por se sentir atraído pela sua

conhece uma mulher, acabando por se sentir atraído pela sua delicadeza e beleza. A partir desse

delicadeza e beleza. A partir desse momento, Carlos tem uma relação amorosa sem saber que Maria Eduarda é a sua irmã, que tinha sido levada pela sua mãe quando ela abandonou Pedro da Maia (pai de Carlos), para viver com um austríaco. Podemos prever a partir desse instante que o desenlace da história será trágico.

A peça teatral abordava precisamente

a relação de Carlos com Maria Eduarda,

envolvendo várias personagens, que testemunham esse amor trágico. O encenador serviu-se de música, jogos de luzes e uma tela, onde iam sendo

projectadas algumas partes da acção, proporcionou uma atmosfera adequada à peça, tornando o enredo ainda mais interessante.

A personagem que mais me agradou

foi Dâmaso, pelo facto dele estar sempre a dizer “Chique a valer” e pela sua aparência física, que, como é referido na obra, dá-lhe um “ar pachorrento”. Gostei da peça, pela forma como foi encenada e pelos efeitos (música, luzes e filme) que fizeram com que fosse mais dinâmica. Com esta obra, Eça de Queirós pretendeu sobretudo criticar a sociedade do seu tempo, expondo os vícios e as intrigas e não é difícil perceber que, mais de um século depois, esta não se alterou assim tanto.

Marco Sousa, 11º5

Os Maias

Perpectivas

alterou assim tanto. Marco Sousa, 11º5 Os Maias Perpectivas Obrigatória no 11º ano, a leitura d´Os

Obrigatória no 11º ano, a leitura d´Os Maias afigura-se, para muitos alunos, um tormento ou um obstáculo difícil de transpor. Como criar o gosto pela leitura de obras literárias como esta? É um desafio que se coloca aos professores. Sendo assim, no dia 3 de Maio de 2011, três das turmas do 11º ano, da ESMA (11º5 e 11º3), acompanhadas pelos respectivos professores de Português (Sandra Videira e Paulo Martins), estiveram presentes no Centro Cultural Olga Cadaval, tentando alimentar de outra maneira o incentivo para a leitura de uma das obras principais de Eça de Queiroz.

O Teatro mostrou as cenas principais d’ Os Maias de forma coesa e organizada, dando uma noção de continuidade. Foi de certo modo importante para a percepção dos alunos relativamente aos Maias, pois estes tiveram um contacto mais directo com a obra. Foi também uma viagem no tempo e entre os tempos, que levou a visualizar os espaços queirosianos e a saborear as suas descrições pormenorizadas. Foi uma viagem que permitiu a comparação da evolução e das semelhanças e diferenças da sociedade de então e da actual. De certa forma foi uma viagem enriquecedora tanto para os professores como para os alunos.

Carla Mendes, 11º5

5
5