Você está na página 1de 3
34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006 A exposição de objetos

34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006

A exposição de objetos de Ciência e Técnica em museus:

uma experiência no MAST

Cláudia Penha dos Santos

Chefe do Serviço de Conservação e Processamento Técnico de Acervo /Museu de Astronomia e Ciências Afins(MAST)

Marcus Granato

Chefe da Coordenação de Museologia/Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)

Palavras-Chave: objetos de ciência e técniva, exposição, objeto musealizado, fontes documentais

Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar as reflexões acerca da conceituação de objetos de ciência e técnica que resultaram na exposição temporária Objetos de Ciência e Tecnologia: Trajetórias em Museus, inaugurada em dezembro de 2005, no Museu de Astronomia e Ciências Afins/MAST. Essa exposição foi um dos resultados do projeto de pesquisa Instrumentos científicos históricos: uma abordagem da história das ciências, desenvolvido na Coordenação de Museologia do MAST, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico eTecnológico (CNPq).

Os museus 1 de ciência e técnica são instituições que reúnem objetos, normalmente, não comuns no coti-

diano da maioria das pessoas e portadores de tecnologias muitas vezes não mais em uso. No caso brasileiro,

o acervo do Museu de Astronomia e Ciências afins (MAST) está diretamente relacionado com a história da

ciência e da técnica dos séculos XIX e XX, constituindo-se em um importante referencial histórico da ciência

brasileira.

A coleção do MAST, cujo núcleo inicial é composto de objetos procedentes do Observatório Nacional, começou

a ser documentada a partir de 1993 e a experiência adquirida em função dessa atividade indicou a possibilidade

de teorização sobre aspectos da história da ciência e da técnica no Brasil, a partir do estudo do acervo. Os objetos do acervo passariam, portanto, a adquirir características documentais, em princípio não inerentes aos mesmos. Surgiram, então, algumas questões: como entender os objetos de C&T como fontes documentais? Como indagar tais fontes? A utilização de fontes não textuais como documento ainda constitui-se num desafio. Normalmente, os objetos tridimensionais, quando utilizados em exposições museológicas ou mesmo em trabalhos acadêmicos, são submetidos a uma narrativa histórica, sendo utilizados quase sempre como ilustração.

A reflexão sobre o papel dos museus de ciência e técnica na atualidade, bem como sobre a utilização de seus

acervos em exposições, é vital para seu desenvolvimento, tanto no seu caráter de instituto de pesquisa, quanto

34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006 no de museu. Os

34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006

no de museu. Os objetos científicos e técnicos fazem referência à relações entre grupos de pesquisadores e disci- plinas científicas, explicitando o fazer científico. São também o resultado da pesquisa pela autonomia tecnológica do país. Essas questões constituem a base do projeto de pesquisa desenvolvido atualmente na CMU e estão presentes na exposição que será apresentada a seguir. A exposição abordou temas relacionados principalmente ao universo dos museus de ciência e técnica. O primeiro módulo, Objetos em Museus, fez referência ao processo de incorporação de objetos a um acervo museo- lógico. Nesse processo, todos os objetos, inclusive os objetos de ciência e técnica, perdem a sua função original, passando a assumir outros significados. Além de objetos do acervo do MAST, foram expostos objetos de museus localizados no Rio de Janeiro: Museu da Vida/Fiocruz, Museu de Ciências da Terra/DNPM, Museu da República, Museu Nacional e Museu de Odontologia Salles Cunha. No segundo módulo, Objetos de C&T, uma animação introduzia o visitante ao complexo universo da classi- ficação dos objetos de ciência e técnica. Em seguida, eram apresentados objetos de C&T de caráter histórico procedentes de alguns dos institutos de pesquisa do sistema de ciência e tecnologia brasileiro: Observatório Nacional - ON, Centro de Tecnologia Mineral - CETEM, Instituto de Engenharia Nuclear - IEN, Instituto Nacional de Tecnologia - INT e Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN. Esse grupo de objetos caracterizava-se por apresentar tipologias e períodos diferentes, serem representativos das mais diversas disciplinas e/ou técnicas científicas ou o resultado de pesquisas de desenvolvimento científico e tecnológico, ou por terem sido utilizados nas mesmas. Alguns pertencem ao acervo do MAST ou estão em fase de incorporação, enquanto outros serão alvo de políticas de preservação em seus institutos. No terceiro módulo foram apresentadas possibilidades de interpretação para os objetos científicos e tecnoló- gicos nos museus. Assim, cinco perguntas direcionavam o visitante: Os objetos de C&T podem ampliar o conheci- mento do homem sobre a natureza? Existem conceitos científicos por trás da construção dos objetos científicos? Objetos de C&T podem ser fontes históricas? Os objetos de C&T podem ser objetos de arte? Você já refletiu sobre o design dos objetos de ciência e tecnologia? A cada uma dessas perguntas eram apresentadas peças provenien- tes dos institutos citados, que serviam a uma reflexão e que potencialmente poderiam permitir conclusões sobre as questões levantadas. O último módulo da exposição fez referência aos diversos tipos de museus de ciência e tecnologia e apresen- tou um aparato participativo (uma réplica) e um instrumento científico do acervo do MAST, para experimentação de duas formas de intermediação entre os objetos de ciência e técnica e o público. É importante ressaltar ter sido essa a primeira experiência de utilização de uma réplica em exposições no MAST, experiência que está sendo alvo de estudos.

A exposição foi avaliada durante o período em que esteve aberta ao público, através de pesquisa junto aos visitantes. Os dados estão sendo analisados, mas já podemos afirmar que, a partir da aná- lise comportamental dos visitantes, informações relevantes sobre algumas formas de apresentação de acervos serão produzidas e futuramente publicadas e utilizadas na elaboração da nova exposição permanente do MAST.

34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006 A construção da memória

34º CONFERÊNCIA DO CIMUSET NO BRASIL – RIO DE JANEIRO, 2006

A construção da memória da ciência e da tecnologia no Brasil passa, efetivamente, pelos moldes de uma insti- tuição museológica. O MAST caminha nessa direção ao se propor a preservar os testemunhos materiais da ciência e da tecnologia dos diversos institutos de pesquisa do sistema de ciência e da tecnologia, transformando-os em documentos, em objetos de estudo. Ao socializar o conhecimento produzido a partir desse legado, o museu está cumprindo seu mais importante papel social.

Bibliografia:

GUIMARÃES, Márcia Barbosa da Costa. Relatório de Atividades 2000/2002. Estudos de Cultura Material. A Pesquisa Histórica do Acervo de Instrumentos Científicos e

Acessórios do MAST. Rio de Janeiro, 2002 (mimeo.)

LOURENÇO, M. C.C. Museu de Ciência e Técnica: Que Objectos?. Universidade Nova Lisboa. Lisboa, 2000.

PEARCE, Susan M. (ed.) Interpreting Objects and Collections. London: Routledge. 1991. P. 343.

SANTOS, Cláudia Penha dos. Os instrumentos científicos depois de Duchamp. Rio de Janeiro: Monografia do Curso de Especialização em Teoria da Arte, Faculdade de Educação/

UERJ, 2002.

Notas

1 Para esse trabalho consideramos museu como uma instituição com objetos de valor histórico, reunidos em coleções.