Você está na página 1de 79

Soluções em perfeita Harmonia

Soluções em perfeita Harmonia Quadros eléctricos Merlin Gerin 1
Soluções em perfeita Harmonia Quadros eléctricos Merlin Gerin 1

Quadros eléctricos Merlin Gerin

Soluções em perfeita Harmonia Quadros eléctricos Merlin Gerin 1
Entrada de quadro Cabeça Cabeça de grupo de grupo Cabeça de grupo Saídas iluminação Saídas
Entrada de quadro Cabeça Cabeça de grupo de grupo Cabeça de grupo Saídas iluminação Saídas
Entrada de quadro
Entrada de
quadro
Entrada de quadro Cabeça Cabeça de grupo de grupo Cabeça de grupo Saídas iluminação Saídas tomadas
Entrada de quadro Cabeça Cabeça de grupo de grupo Cabeça de grupo Saídas iluminação Saídas tomadas
Cabeça Cabeça de grupo de grupo
Cabeça
Cabeça
de grupo
de grupo
Cabeça de grupo
Cabeça
de grupo

Saídas iluminação

Saídas tomadas

Saídas diversas

Breves noções teóricas BTP - JOC – FEV.2007 - PT 3

Breves noções teóricas

Breves noções teóricas O que é um quadro eléctrico ? Um dos elos vitais na

Breves noções teóricas O que é um quadro eléctrico ?

Um dos elos vitais na cadeia de distribuição de energia eléctrica.

vitais na cadeia de distribuição de energia eléctrica. Conjunto de equipamentos, convenientemente agrupados,

Conjunto de equipamentos, convenientemente agrupados, incluindo as suas ligações, estrutura de suporte e invólucro, destinado a proteger, a comandar ou a controlar as instalações eléctricas.

Breves noções teóricas Função de um quadro eléctrico Reagrupar os aparelhos de protecção e comando

Breves noções teóricas Função de um quadro eléctrico

Reagrupar os aparelhos de protecção e comando Informar o utilizador final do estado das suas instalações Proteger o utilizador do quadro contra os riscos de acidente Evoluir dentro das necessidades do utilizador

Breves noções teóricas Corrente estipulada, In Corrente estipulada do aparelho de corte e/ou protecção definida

Breves noções teóricas Corrente estipulada, In

Corrente estipulada do aparelho de corte e/ou protecção definida aquando da concepção.

Corrente estipulada do aparelho de corte e/ou protecção definida aquando da concepção. BTP - JOC –
Breves noções teóricas Corrente de curto-circuito, Icc Corrente de valor elevado que resulta do contacto

Breves noções teóricas Corrente de curto-circuito, Icc

Corrente de valor elevado que resulta do contacto da alma condutora de dois condutores activos que em serviço normal apresentam potenciais diferentes, seja devido a defeito de isolamento ou devido a contacto acidental no qual a impedância da malha de defeito é desprezível. Os valores de Icc que podem ocorrer numa instalação dependem do lugar

de Icc que podem ocorrer numa instalação dependem do lugar onde ocorrem, da potência da fonte

onde ocorrem, da potência da fonte de alimentação, da extensão e da característica da rede.

da potência da fonte de alimentação, da extensão e da característica da rede. BTP - JOC
da potência da fonte de alimentação, da extensão e da característica da rede. BTP - JOC
Breves noções teóricas Corrente de curto-circuito, Icw ‘’Valor eficaz da corrente de curta duração admissível

Breves noções teóricas Corrente de curto-circuito, Icw

‘’Valor eficaz da corrente de curta duração admissível estipulada para o circuito pelo fabricante, que o circuito pode suportar sem danificações nas condições do ensaio normativo 8.2.3. Salvo indicação contrária do fabricante, esta duração é de 1 segundo’’(IEC 60439-1)

indicação contrária do fabricante, esta duração é de 1 segundo’’(IEC 60439-1) BTP - JOC – FEV.2007
Breves noções teóricas Grau de protecção, IP (NP EN 60529) 1º algarismo : protecção contra

Breves noções teóricas

Grau de protecção, IP (NP EN 60529)

1º algarismo : protecção contra os sólidos

Grau de protecção, IP (NP EN 60529) 1º algarismo : protecção contra os sólidos BTP -
Breves noções teóricas Grau de protecção, IP ( I E C 6 0 5 2

Breves noções teóricas Grau de protecção, IP (IEC 60529)

2º algarismo : protecção contra os líquidos

IP ( I E C 6 0 5 2 9 ) 2º algarismo : protecção contra
Breves noções teóricas Grau de protecção, IP ( I E C 6 0 5 2

Breves noções teóricas Grau de protecção, IP (IEC 60529)

Letra adicional (facultativa) : protecção contra o acesso às partes perigosas A : protecção contra o acessos das costas da mão B : protecção contra o acesso do dedo C : protecção contra o acesso de um utensílio Ø 2,5 mm D : protecção contra o acesso de um utensílio Ø 1 mm utensílio articulado normalizado de teste para a letra B

um utensílio Ø 1 mm – utensílio articulado normalizado de teste para a letra B BTP
Breves noções teóricas Grau de protecção contra impactos, IK IEC 62262 BTP - JOC –

Breves noções teóricas Grau de protecção contra impactos, IK IEC 62262

Breves noções teóricas Grau de protecção contra impactos, IK IEC 62262 BTP - JOC – FEV.2007
Breves noções teóricas Grau de protecção contra impactos, IK IEC 62262 BTP - JOC – FEV.2007
Breves noções teóricas Regimes de neutro, TT-IT-TN O regime de neutro determina a escolha dos

Breves noções teóricas Regimes de neutro, TT-IT-TN

O regime de neutro determina a escolha dos materiais e a concepção do quadro 3 regimes de neutro neutro à terra TT neutro isolado IT terra pelo neutro TN

de neutro neutro à terra TT neutro isolado IT terra pelo neutro TN TT IT TN
de neutro neutro à terra TT neutro isolado IT terra pelo neutro TN TT IT TN
de neutro neutro à terra TT neutro isolado IT terra pelo neutro TN TT IT TN

TT

IT

TN

Breves noções teóricas Ventilação Um quadro é concebido para funcionar num ambiente normal. A maior

Breves noções teóricas Ventilação

Um quadro é concebido para funcionar num ambiente normal. A maior parte dos aparelhos só funciona correctamente com temperaturas entre –10º e +70ºC.

parte dos aparelhos só funciona correctamente com temperaturas entre –10º e +70ºC. BTP - JOC –
parte dos aparelhos só funciona correctamente com temperaturas entre –10º e +70ºC. BTP - JOC –
parte dos aparelhos só funciona correctamente com temperaturas entre –10º e +70ºC. BTP - JOC –
Breves noções teóricas Ventilação Quadro G, IP30, 23 módulos Factor de simultaneidade : 0,7 Temperatura

Breves noções teóricas Ventilação

Quadro G, IP30, 23 módulos Factor de simultaneidade : 0,7 Temperatura ambiente em redor do quadro : 35ºC P(W) = 170 W

de simultaneidade : 0,7 Temperatura ambiente em redor do quadro : 35ºC P(W) = 170 W
Breves noções teóricas Localização dos quadros eléctricos O quadro de entrada deve ser estabelecido dentro

Breves noções teóricas Localização dos quadros eléctricos

O quadro de entrada deve ser estabelecido dentro do recinto servido pela instalação eléctrica e, tanto quanto possível, junto ao acesso normal do recinto e do local de entrada de energia.

Breves noções teóricas As formas : compartimentação Em maioria das instalações, os quadros eléctricos não

Breves noções teóricas

As formas : compartimentação

Em maioria das instalações, os quadros eléctricos não necessitam de uma compartimentação particular. A Schneider Electric propõe soluções que vão para além das recomendações da norma:

a abertura dos espelhos necessita de uma ferramenta.

as portas que dão acesso às partes sob tensão são fechadas com chave.

os tapa-bornes protegem sistematicamente os disjuntores Compact NS e os interruptores INS e INV

as ligações a montante e a jusante dos aparelhos de entrada são protegidas.

A protecção de pessoas e de bens é garantida de origem.

Independentemente, com o Prisma Plus , é possível realizar a compartimentação no interior das celas, respondendo às exigências das formas 2, 3 e 4 definidas pela norma.

Breves noções teóricas As formas : separação dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma

Breves noções teóricas

As formas : separação dentro de conjunto

teóricas As formas : separação dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a

Forma 1

teóricas As formas : separação dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a

Forma 2a

As formas : separação dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a Forma

Forma 2b

: separação dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a Forma 3b Forma

Forma 3a

dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a Forma 3b Forma 4a Forma

Forma 3b

dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a Forma 3b Forma 4a Forma

Forma 4a

dentro de conjunto Forma 1 Forma 2a Forma 2b Forma 3a Forma 3b Forma 4a Forma

Forma 4b

Breves noções teóricas As formas : separação dentro de um conjunto Definições Forma 1 :

Breves noções teóricas

As formas : separação dentro de um conjunto

Definições

Forma 1 : nenhuma separação no interior do invólucro

Forma 2a : as unidades funcionais são separadas do barramento mas não dos bornes. Forma 2b : as unidades funcionais e os bornes são separados dos barramento. Os bornes não são separados entre eles. Forma 3a : as unidades funcionais são separadas entre elas e são separadas do barramento e dos bornes Forma 3b : as unidades funcionais são separadas entre elas e são separadas do barramento. Os bornes são separados do barramento as unidades funcionais não são separados entre si. Forma 4a : as unidades funcionais são separadas entre elas e são separadas do barramento. Os bornes que fazem parte integrante das unidades funcionais são separados entre eles. Forma 4b : as unidades funcionais são separadas entre elas e são separadas do barramento. Os bornes são separados entre eles e são separados das unidades funcionais.

Regulamentações BTP - JOC – FEV.2007 - PT 2 0

Regulamentações

Regulamentações Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT Primeiro que
Regulamentações Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT Primeiro que
Regulamentações Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT Primeiro que
Regulamentações Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT Primeiro que
Regulamentações Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT Primeiro que

Regulamentações

Os mínimos requisitos para garantir a segurança de um quadro de BT

Primeiro que tudo, deve respeitar as normas :

Normas de construção de quadros :

IEC 60439-1 : conjunto de aparelhagem de baixa tensão

Normas construtivas para a aparelhagem incorporada :

IEC 60947-1 : dispositivos gerais IEC 60947-2/3, IEC 60898 : disjuntores/interruptores IEC 60269-1 : fusíveis de baixa tensão

Normas de instalacão :

Regras Técnicas de Instalações Eléctricas de Baixa Tensão, RTIEBT – Portaria nº 949-A/2006 IEC 60364 e Cenelec HD 384 : instalações eléctricas em edifícios

Regulamentações A norma IEC 60439-1 A norma IEC 60439-1 indica as regras gerais de realização

Regulamentações

A norma IEC 60439-1

A norma IEC 60439-1 indica as regras gerais de realização de quadros, de modo, responder aos critérios de segurança e de disponibilidade, exigidas pela aplicação :

garante o nível mínimo da segurança de pessoas e bens

aplica-se ao conjunto de aparelhagem de baixa tensão para a distribuição de potência e ou controlo-comando para ter em consideração:

- as condições do serviço (temperatura…)

- as exigências da construção (IP, IK, formulários…)

- as exigências dos testes

Assim, a conformidade a esta norma é, para o cliente final, uma segurança sobre a qualidade na realização do quadro.

Regulamentações Os ensaios da norma IEC 60439-1 Garantem a conformidade do quadro eléctrico e são

Regulamentações

Os ensaios da norma IEC 60439-1

Garantem a conformidade do quadro eléctrico e são destinados a verificar as características do quadro :

são destinados a verificar as características do quadro : 7 ensaios ao tipo : n°1 -

7 ensaios ao tipo :

n°1 - limites de aquecimento n°2 – propriedades dieléctricas n°3 – comportamento aos curtos-circuitos n°4 - eficácia do circuito de protecção n°5 - distâncias de isolamento e linhas de fuga n°6 - funcionamento mecânico n°7 – grau de protecção.

3 ensaios individuais de série (rotina) :

n°8 - cablagem, funcionamento eléctrico n°9 - isolamento / ensaio diélectrico n°10 - medida da protecção.

Regulamentações 7 ensaios ao tipo realizados pelo fabricante Estes ensaios obrigatórios são destinados a verificar
Regulamentações 7 ensaios ao tipo realizados pelo fabricante Estes ensaios obrigatórios são destinados a verificar

Regulamentações 7 ensaios ao tipo realizados pelo fabricante

Estes ensaios obrigatórios são destinados a verificar as características do quadro. Eles garantem a conformidade do quadro eléctrico. Os 7 ensaios ditos ao tipo são efectuados sobre as configurações mais desfavoráveis e as mais difíceis do sistema funcional Prisma Plus. Os quadros são completos, constituidos por componentes standards, de ligações pré- fabricadas…, equipadas por aparelhagem Merlin Gerin e Telemecanique e realizadas conforme as regras de arte.

Os ensaios são realizados nos laboratórios da Schneider Electric ou nos laboratórios acreditados Asefa, Kema, Lcie,

laboratórios da Schneider Electric ou nos laboratórios acreditados Asefa, Kema, Lcie, BTP - JOC – FEV.2007
Regulamentações Ensaio n°1 (8-2-1) : limites de aquecimento Garante a segurança e longevidade do quadro

Regulamentações

Ensaio n°1 (8-2-1) : limites de aquecimento

Garante a segurança e longevidade do quadro evitando problemas, tais como:

deterioração dos contactos diminuição da performance dos isolantes queimaduras de pessoal da manutenção deterioração de componentes electrónicos falhas no funcionamento dos aparelhos:

disparos intempestivos.

electrónicos falhas no funcionamento dos aparelhos: disparos intempestivos. BTP - JOC – FEV.2007 - PT 2
Regulamentações Ensaio n°2 (8-2-2) : propriedades dieléctricas Garante a segurança e a longevidade do quadro

Regulamentações

Ensaio n°2 (8-2-2) : propriedades dieléctricas

Garante a segurança e a longevidade do quadro evitando problemas, tais como:

aparecimento de arcos eléctricos isolantes deteriorados ao longo do tempo "riscos eléctricos" (contactos…).

deteriorados ao longo do tempo "riscos eléctricos" (contactos…). BTP - JOC – FEV.2007 - PT 2
Regulamentações Ensaio n°3 (8-2-3) : Comportamento aos curto-circuitos Simulação de um incidente que poderia

Regulamentações

Ensaio n°3 (8-2-3) : Comportamento aos curto-circuitos

Simulação de um incidente que poderia acontecer na instalação Resistir às correntes de curto circuito é:

Evitar o perigo (ruptura e projecção de componentes, e o geração de arcos e a sua propagação ao exterior do quadro, Garantir uma reposição rápida da instalação , após o incidente.

do quadro, Garantir uma reposição rápida da instalação , após o incidente. ) BTP - JOC
do quadro, Garantir uma reposição rápida da instalação , após o incidente. ) BTP - JOC

)

Regulamentações Ensaio n°4 (8-2-4) : circuito de protecção A eficácia do circuito de protecção é

Regulamentações

Ensaio n°4 (8-2-4) : circuito de protecção

A eficácia do circuito de protecção é controlado por dois ensaios:

Verificação, por estudo ou medição da resistência, havendo uma ligação real entre as massas de invólucro e o circuito de protecção Comportamento à corrente de curto-circuito realizado entre o condutor de protecção e a fase mais próxima.

protecção Comportamento à corrente de curto-circuito realizado entre o condutor de protecção e a fase mais
de curto-circuito realizado entre o condutor de protecção e a fase mais próxima. BTP - JOC
Regulamentações Ensaio n°5 (8-2-5) : distâncias de isolamento e linhas de fugas Controlo das distâncias

Regulamentações

Ensaio n°5 (8-2-5) : distâncias de isolamento e linhas de fugas

Controlo das distâncias de isolamento : distância mais curta entre duas partes condutoras.

Controlo das linhas de fuga : distância mais curta ao longo da superfície da matéria isolante entre 2 partes condutoras.

mais curta ao longo da superfície da matéria isolante entre 2 partes condutoras. BTP - JOC
Regulamentações Ensaio n°6 (8-2-6) : funcionamento mecânico Resistência do material, assegura e garante a longevidade

Regulamentações

Ensaio n°6 (8-2-6) : funcionamento mecânico

Resistência do material, assegura e garante a longevidade dos diferentes mecanismos.

Resistência do material, assegura e garante a longevidade dos diferentes mecanismos. BTP - JOC – FEV.2007
Regulamentações Ensaio n°7 (8-2-7) : grau de protecção Os ensaios efectuados definem a capacidade do

Regulamentações

Ensaio n°7 (8-2-7) : grau de protecção

Os ensaios efectuados definem a capacidade do quadro equipado a :

proteger as pessoas contra acessibilidades a partes perigosas proteger os materiais contra a penetração de corpos sólidos ou de líquidos proteger os materiais contra as influências externas tais com impactos.

líquidos proteger os materiais contra as influências externas tais com impactos. BTP - JOC – FEV.2007
Regulamentações 3 ensaios individuais de série (rotina) realizados pelo ‘quadrista’* Os ensaios devem ser
Regulamentações 3 ensaios individuais de série (rotina) realizados pelo ‘quadrista’* Os ensaios devem ser

Regulamentações

3 ensaios individuais de série (rotina) realizados pelo ‘quadrista’*

Os ensaios devem ser efectuados por um técnico com formação, sendo estes simples e rápidos de realizar :

Inspecção do conjunto segundo as instruções de montagem e o dossiê técnico do ‘quadrista’* (verificação dos calibres, apertos, verificação do isolamento verificação das medidas de protecção e da continuidade eléctrica dos circuitos de protecção.

)

Estes ensaios vêm completar os testes realizados pelo constructor e garantir o profissionalismo e a responsabilidade da colocação em obra.

Schneider Electric fornece as ferramentas facilitando estes ensaios:

guia de inspecção qualidade guia de colocação em serviço guias de montagem Prisma Plus Sistemas P e G.

* Quadrista, ou seja construtor do quadro eléctrico

Regulamentações Ensaio n°8 (8-3-1) : cablagem, funcionamento eléctrico Verificação da eficácia dos elementos de

Regulamentações

Ensaio n°8 (8-3-1) : cablagem, funcionamento eléctrico

Verificação da eficácia dos elementos de comando mecânico, encravamentos .

Disposição correcta dos condutores.

Existência de continuidade nas ligações.

. Disposição correcta dos condutores. Existência de continuidade nas ligações. BTP - JOC – FEV.2007 -
Regulamentações Ensaio n°9 (8-3-4) : isolamento / (8-3-2) : ensaio dieléctrico Verificação de ausência de

Regulamentações

Ensaio n°9 (8-3-4) : isolamento / (8-3-2) : ensaio dieléctrico

Verificação de ausência de arco eléctrico e da perfuração do isolamento, entre as partes sob tensão (entre elas) e entre elas e as massas.

do isolamento, entre as partes sob tensão (entre elas) e entre elas e as massas. BTP
Regulamentações Ensaio n°10 (8-3-3) : medida da protecção Verificação da continuidade dos circuitos de protecção

Regulamentações

Ensaio n°10 (8-3-3) : medida da protecção

Verificação da continuidade dos circuitos de protecção ao nível dos invólucros metálicos.

da continuidade dos circuitos de protecção ao nível dos invólucros metálicos. BTP - JOC – FEV.2007
Regulamentações Fabricante e ‘Quadrista’, juntos para garantir a segurança : IEC 60439-1 Fabricante : os

Regulamentações

Fabricante e ‘Quadrista’, juntos para garantir a segurança : IEC

60439-1

Fabricante :

juntos para garantir a segurança : IEC 60439-1 Fabricante : os produtos ensaiados em configurações reais

os produtos ensaiados em configurações reais dá instruções precisas para uma relaização sem falhas.

‘Quadrista’* :

colocação à disposição de informações, pelas ferramentas de colocação em obra (catálogos, internet) um conhecimento dos produtos e das soluções do quadro, fruto de uma longa experiência e optimização sistemática.

Um sucesso compartilhado:

esta complexidade deve ser duradoura, para de certo modo consolidar o nosso profissionalismo.

* Quadrista, ou seja construtor do quadro eléctrico

Regulamentações A norma IEC 60947-2 IEC 60947-2 Disjuntores de BT destinado a ser operado por

Regulamentações

A norma IEC 60947-2

IEC 60947-2 Disjuntores de BT destinado a ser operado por pessoas qualificadas.

Prevê a existência de pessoal técnico na instalação, ou seja equipas de manutenção. Como tal, o poder de corte do aparelho é mais elevado mas suporta menos curto-circuitos.

Ex. O poder de corte do disjuntor C60N, segundo a IEC 60947-2 é de 10 KA

Regulamentações A norma IEC 60898 IEC 60898 Disjuntores de BT para uso residencial acessível a

Regulamentações

A norma IEC 60898

IEC 60898 Disjuntores de BT para uso residencial acessível a ser operado por pessoas não qualificadas.

Não prevê a existência de pessoal técnico na instalação, ou seja equipas de manutenção. Como tal, o poder de corte do aparelho é mais baixo e suporta mais curto-circuitos. Reforçando assim a protecção de pessoas e bens.

Ex. O poder de corte do disjuntor C60N, segundo a IEC 60898 é de 6 KA

Não conformidades mais habituais BTP - JOC – FEV.2007 - PT 3 9

Não conformidades mais habituais

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Circuitos dos quadros não

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Circuitos dos quadros não estão identificados

mais habituais em quadros eléctricos Circuitos dos quadros não estão identificados BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Não existe continuidade eléctrica

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Não existe continuidade eléctrica no condutor de protecção

em quadros eléctricos Não existe continuidade eléctrica no condutor de protecção BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Circuito sem protecção contra

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Circuito sem protecção contra sobreintensidades

mais habituais em quadros eléctricos Circuito sem protecção contra sobreintensidades BTP - JOC – FEV.2007 -
mais habituais em quadros eléctricos Circuito sem protecção contra sobreintensidades BTP - JOC – FEV.2007 -
mais habituais em quadros eléctricos Circuito sem protecção contra sobreintensidades BTP - JOC – FEV.2007 -
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos A instalação não garante

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

A instalação não garante a resistência de isolamento regulamentar

não garante a resistência de isolamento regulamentar Distância de isolamento nesta montagem : 11 mm Distância

Distância de isolamento nesta montagem : 11 mm Distância de isolamento norma IEC 60439-1: 14 mm

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Quadro eléctrico sem fechadura

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Quadro eléctrico sem fechadura em local público

mais habituais em quadros eléctricos Quadro eléctrico sem fechadura em local público BTP - JOC –
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Não possui caixa estanque

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Não possui caixa estanque

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Não possui caixa estanque BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Código de cores incorrecto

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Código de cores incorrecto Cor de identificação incorrecta – condutor fase verde/amarelo

Cores dos condutores

Fase : Castanho, preto, cinzento ou vermelho Neutro : azul claro Condutor de protecção (PE): verde-amarelo

cinzento ou vermelho Neutro : azul claro Condutor de protecção (PE): verde-amarelo BTP - JOC –
cinzento ou vermelho Neutro : azul claro Condutor de protecção (PE): verde-amarelo BTP - JOC –
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos O In do interruptor

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

O In do interruptor não é o adequado (mínimo 16A)

eléctricos O In do interruptor não é o adequado (mínimo 16A ) In (mínimo 16A )
eléctricos O In do interruptor não é o adequado (mínimo 16A ) In (mínimo 16A )

In (mínimo 16A)

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Não foram apresentados certificados

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Não foram apresentados certificados de conformidade

habituais em quadros eléctricos Não foram apresentados certificados de conformidade BTP - JOC – FEV.2007 -
habituais em quadros eléctricos Não foram apresentados certificados de conformidade BTP - JOC – FEV.2007 -
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Não existe coerência do

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Não existe coerência do material utilizado

mais habituais em quadros eléctricos Não existe coerência do material utilizado BTP - JOC – FEV.2007
mais habituais em quadros eléctricos Não existe coerência do material utilizado BTP - JOC – FEV.2007
mais habituais em quadros eléctricos Não existe coerência do material utilizado BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Possibilidade de contacto fortuito

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Possibilidade de contacto fortuito com condutores activos

em quadros eléctricos Possibilidade de contacto fortuito com condutores activos BTP - JOC – FEV.2007 -
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Materiais da instalação não

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Materiais da instalação não cumprem normas

mais habituais em quadros eléctricos Materiais da instalação não cumprem normas BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Os aparelhos de corte

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Os aparelhos de corte não têm In>= Iz

Iz – corrente máxima suportada pela canalização eléctrica

In>= Iz Iz – corrente máxima suportada pela canalização eléctrica QGBT QP BTP - JOC –
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
QGBT

QGBT

QGBT
QGBT
QGBT
QGBT
In>= Iz Iz – corrente máxima suportada pela canalização eléctrica QGBT QP BTP - JOC –

QP

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Quadro eléctrico não está

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Quadro eléctrico não está no interior da instalação junto a acesso normal

Falta a instalação de Quadro Parcial no(s) andare(s)

O quadro eléctrico não está correctamente localizado

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Locais EPT- aparelhos e

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Locais EPT- aparelhos e Quadros com características <IP23 a IP26-IK04

eléctricos Locais EPT- aparelhos e Quadros com características <IP23 a IP26-IK04 BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Locais EPT- aparelhos e

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Locais EPT- aparelhos e Quadros com características <IP23 a IP26-IK04

eléctricos Locais EPT- aparelhos e Quadros com características <IP23 a IP26-IK04 BTP - JOC – FEV.2007
Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Local público com Quadro

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Local público com Quadro e aparelho de corte e comando acessível ao público

No quadro deve estar previsto um contacto NF no aparelho de entrada, pronto a ser actuado em caso de emergência (ex. fogo, catástrofes naturais, etc)

Riscos de origem eléctrica Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos Falta de obturadores nos

Riscos de origem eléctrica

Não conformidades mais habituais em quadros eléctricos

Falta de obturadores nos quadros

conformidades mais habituais em quadros eléctricos Falta de obturadores nos quadros BTP - JOC – FEV.2007
conformidades mais habituais em quadros eléctricos Falta de obturadores nos quadros BTP - JOC – FEV.2007
Escolha, dimensionamento, orçamentação BTP - JOC – FEV.2007 - PT 5 8

Escolha,

dimensionamento,

orçamentação

Escolha, dimensionamento, orçamentação Questões do local de instalação Local de instalação Questões técnicas

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Questões do local de instalação Local de instalação

Questões técnicas potência e distância do transfo secções e natureza dos cabos entradas, saídas acessos ao quadro extensão futura esquema de ligação à terra identificação forma

: IP / IK

: In / Icc : bornes / extensão : cima / baixo : frente, atrás, lateral : extensão por barramentos : PE / PEN : circuitos / aparelhos / quadros : necessidades dos utilizadores

Escolha, dimensionamento, orçamentação Perante um pedido de preço para um equipamento, quadro eléctrico, o que

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Perante um pedido de preço para um equipamento, quadro eléctrico, o que fazer ?

Conheço a oferta do fabricante ?

Como escolher os aparelhos ?

Tenho documentação que me suporte a escolha ?

Que ferramentas de apoio : catálogos, software ?

Escolha, dimensionamento, orçamentação Catálogo Multi9 Catálogo Compact NS Catálogo Pragma Catálogo Prisma Plus

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Catálogo Multi9

Catálogo Compact NS

Catálogo Pragma

Catálogo Prisma Plus

Software de escolha, dimensionamento e orçamentação de quadros eléctricos “Sisprobuilding”

Escolha, dimensionamento, orçamentação BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 2

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Escolha, dimensionamento, orçamentação BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 2
Escolha, dimensionamento, orçamentação BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 3

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Escolha, dimensionamento, orçamentação BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 3
Escolha, dimensionamento, orçamentação Ex. 1 In : 63A Icc : 10 KA, IEC 60947-2 IP

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Ex. 1

In : 63A Icc : 10 KA, IEC 60947-2 IP : 30 IK : 08

orçamentação Ex. 1 In : 63A Icc : 10 KA, IEC 60947-2 IP : 30 IK
Escolha, dimensionamento, orçamentação Ex. 2 Q NS 4 250 In : 250A EVA STI 1

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Ex. 2 Q NS 4 250 In : 250A EVA STI 1 Icc : 15
Ex. 2
Q
NS
4
250
In : 250A
EVA
STI
1
Icc : 15 KA
2
SELCTOR V
IP : 30
P
IK : 08
SELECTOR A
P
Sugestão: Barramento
Powerclip
ID
ID
ID
ID
4
4
4
4
25
25
25
25
300 mA
300 mA
300 mA
300 mA
D
D
D
D
D
D
D
D
D
D
D
D
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
C60
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
10
10
16
16
10
16
10
10
16
16
10
16
Escolha, dimensionamento, orçamentação Ex. 3 In : 250A Icc : 15 KA IP : 55

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Ex. 3

Escolha, dimensionamento, orçamentação Ex. 3 In : 250A Icc : 15 KA IP : 55 IK

In : 250A

Icc : 15 KA

IP : 55

IK : 10

Sugestão: Barramento em escada

Escolha, dimensionamento, orçamentação Sisprobuilding BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 7

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Sisprobuilding

Escolha, dimensionamento, orçamentação Sisprobuilding BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 7
Escolha, dimensionamento, orçamentação Sisprobuilding BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 8

Escolha, dimensionamento, orçamentação

Sisprobuilding

Escolha, dimensionamento, orçamentação Sisprobuilding BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 8
Equipamento M9 e Compact NS BTP - JOC – FEV.2007 - PT 6 9

Equipamento M9 e Compact NS

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7

Equipamento M9

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0

Domae

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0

Clario

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0

C60

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0

C120

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0

NG125

Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0
Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0
Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0
Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0
Equipamento M9 Domae Clario C60 C120 NG125 BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 0
Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 -

Equipamento M9

Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT
Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT

Logis

Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT

Pragma

Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT

Micro

Pragma

Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT
Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT

Mini

Pragma

Kaedra

Equipamento M9 Logis Pragma Micro Pragma Mini Pragma Kaedra BTP - JOC – FEV.2007 - PT
NS 80 H-MA Compact NS A gama de 100 a 630 A NSA 160 NS

NS 80 H-MA

NS 80 H-MA Compact NS A gama de 100 a 630 A NSA 160 NS 100

Compact NS

A gama de 100 a 630 A

NSA 160

NS 80 H-MA Compact NS A gama de 100 a 630 A NSA 160 NS 100

NS 100 a 250

H-MA Compact NS A gama de 100 a 630 A NSA 160 NS 100 a 250

NS 400 a 630

NS A gama de 100 a 630 A NSA 160 NS 100 a 250 NS 400

4 atravancamentos de 100 a 630 A 4 dimensões de 36 a 150 kA

Compact NS Desempenho Icu e Ics L H N Icu (kA) 220 / 415 V

Compact NS

Desempenho Icu e Ics

L

H

N

Icu (kA) 220 / 415 V

150 70 36 100 160 250 100 % % 100 100 %
150
70
36
100
160
250
100 %
%
100 100
%
220 / 415 V 150 70 36 100 160 250 100 % % 100 100 %

100 %

150

100 %

70

100 %

50

400

630

100 % % 100 100 % 1 0 0 % 150 100 % 70 100 %

Desempenho Ics em % Icu

Compact NS Os disparadores NS 100 a 250 NS 400 a 630 Magnetotérmico TM Electrónicos

Compact NS

Os disparadores

NS 100 a 250

NS 400 a 630

Compact NS Os disparadores NS 100 a 250 NS 400 a 630 Magnetotérmico TM Electrónicos STR

Magnetotérmico TM

Os disparadores NS 100 a 250 NS 400 a 630 Magnetotérmico TM Electrónicos STR 22 SE,

Electrónicos STR 22 SE, STR 22 ME, STR 22 GE

TM Electrónicos STR 22 SE, STR 22 ME, STR 22 GE Electrónicos STR 23 Electrónicos STR

Electrónicos STR 23

STR 22 SE, STR 22 ME, STR 22 GE Electrónicos STR 23 Electrónicos STR 43 ME,

Electrónicos STR 43 ME, STR 53

22 ME, STR 22 GE Electrónicos STR 23 Electrónicos STR 43 ME, STR 53 Específico DC

Específico DC

Compact NS Disparadores para NS 100 a 250 TM - D STR22SE TM - G

Compact NS

Disparadores para NS 100 a 250

TM - D STR22SE TM - G STR22GE TM - D TM - G 16
TM -
D
STR22SE
TM -
G
STR22GE
TM
- D
TM -
G
16
25
40
63
80
100
125
160
200
250

Protecção base- D TM - G 16 25 40 63 80 100 125 160 200 250 Protecção

Protecção das redes alimentadas por geradores e cabos de grande comprimento Protecção das redes de corrente contínua
Protecção das redes de corrente contínuaProtecção das redes alimentadas por geradores e cabos de grande comprimento

NS 100 a 250 NS 400 a 630 Compact NS Instalação Instalação fixo Extr. base

NS 100 a 250

NS 400 a 630

Compact NS

Instalação

Instalação

fixo

a 250 NS 400 a 630 Compact NS Instalação Instalação fixo Extr. base Extr. chassis fixo
Extr. base
Extr.
base
a 630 Compact NS Instalação Instalação fixo Extr. base Extr. chassis fixo Ligações tomadas atrás tomadas

Extr.

chassis

Instalação Instalação fixo Extr. base Extr. chassis fixo Ligações tomadas atrás tomadas à frente

fixo

Ligações

tomadas atrás
tomadas
atrás
Extr. base Extr. chassis fixo Ligações tomadas atrás tomadas à frente por cabo extraível sobre base

tomadas

à frente

por

cabo

tomadas atrás tomadas à frente por cabo extraível sobre base Comando manual eléctrico rotativo

extraível sobre base

Comando

manualà frente por cabo extraível sobre base Comando eléctrico rotativo extraível sobre chassis BTP - JOC

frente por cabo extraível sobre base Comando manual eléctrico rotativo extraível sobre chassis BTP - JOC
eléctrico
eléctrico
por cabo extraível sobre base Comando manual eléctrico rotativo extraível sobre chassis BTP - JOC –
por cabo extraível sobre base Comando manual eléctrico rotativo extraível sobre chassis BTP - JOC –
rotativo
rotativo
cabo extraível sobre base Comando manual eléctrico rotativo extraível sobre chassis BTP - JOC – FEV.2007

extraível sobre chassis

Compact NS Auxiliares e acessórios Auxiliares eléctricos Contactos auxiliares Comando rotativo Comando eléctrico

Compact NS

Auxiliares e acessórios

Auxiliares eléctricos

Compact NS Auxiliares e acessórios Auxiliares eléctricos Contactos auxiliares Comando rotativo Comando eléctrico

Contactos auxiliares

Comando rotativo

Auxiliares eléctricos Contactos auxiliares Comando rotativo Comando eléctrico Encravamentos Ligações Bloco de medida

Comando eléctrico

Encravamentos

Ligações

Bloco de medida

Compact NS Regulação dos Disparadores BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 8

Compact NS

Regulação dos Disparadores

Compact NS Regulação dos Disparadores BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 8
Compact NS Regulação dos Disparadores BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 8
Compact NS
Compact NS

Regulação dos Disparadores

Compact NS Regulação dos Disparadores BTP - JOC – FEV.2007 - PT 7 9