Você está na página 1de 95

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE DESENHO INDUSTRIAL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ARTES GRÁFICAS

JAIR GUILHERME CORDEIRO JOÃO AFONSO MALINOWSKI CORREIA

SISTEMA DE IDENTIDADE VISUAL DA EXPO STICKERS 2008

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO

CURITIBA 2008

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE DESENHO INDUSTRIAL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ARTES GRÁFICAS

JAIR GUILHERME CORDEIRO (Código 508250) JOÃO AFONSO MALINOWSKI CORREIA (Código 558150)

SISTEMA DE IDENTIDADE VISUAL DA EXPO STICKERS 2008

Monografia de Trabalho de Diplomação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Tecnólogos em Artes Gráficas do Curso Superior de Tecnologia em Artes Gráficas da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Orientadora: Profa. Maria Cláudia Reggiani

CURITIBA 2008

Jair Guilherme Cordeiro João Afonso Malinowski Correia SISTEMA DE IDENTIDADE VISUAL DA EXPO STICKERS 2008 Esta pesquisa foi julgada adequada e aprovada como Trabalho de Diplomação de Tecnologia em Artes Gráficas, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, ____ de __________________ de 2008.

Orientadora: ________________________________ Profa. Maria Cláudia Reggiani - UTFPR Orientadora Banca Examinadora:

________________________________ Profa. Maria Cláudia Reggiani - UTFPR Orientadora

________________________________ Profa. Dra. Maristela Mitsuko Ono Professora convidada

________________________________ Prof. Professor da UTFPR

.A uma arte livre.

pelo apoio e compromisso. pela força de vontade. À Carolina Corção. nossa fotógrafa oficial. Ao SESC da Esquina.AGRADECIMENTOS - Aos familiares. pela atenção. A todos os colaboradores da EXS 08. E a todos os praticantes da Sticker Art. Aos 170 artistas que enviaram seus trabalhos para a exposição. que participou diretamente da realização do evento. . À Maria Cláudia. dedicação e confiança. Ao amigo Akira. sem eles não chegaríamos a lugar algum.

nem passado nem futuro. na arte.” Pablo Picasso .“Não há. A arte que não estiver no presente jamais será arte.

.......3...............................4 EXPO STICKERS 2008................................3 3...................3...................................................... 38 3 3....................................................................................2 2.....................................................................................................................................................4 Autoridades X Artistas ....3...............................................................................................................................4.................................................................................................................................... 16 PROBLEMATIZAÇÃO ................................................1 1.......................................................................................... 26 STICKER ART .................. 18 DIALOGANDO COM A ARTE . 20 A ARTE COM ‘A’ MAIÚSCULO ..................................................................... 15 JUSTIFICATIVA ......................... 31 2................................................................................................. 49 GERAÇÃO DO SÍMBOLO ..............................................1 4........4 2 2..................................................................................................................................3 4........................................... 17 METODOLOGIA ..................................5 4 4......................................................4.......... 37 2....... 55 ...........2 3............................1 2................ 46 CRIAÇÃO DE LOGOMARCA PARA A EXS 08 ..................................5 Uma arte de intercâmbio .........6 VALIDAÇÃO ..3...................................................................................2 1........................... 50 GERAÇÃO DO LOGOTIPO .........................2 Produzindo stickers ................ 20 A ARTE URBANA E SUAS INTERVENÇÕES .................................................3 Branco .......... 33 2.......................... 45 ANÁLISE SINCRÔNICA ...........1 Origem ............... 37 2.......1 3............3....................... 42 MEIOS DE DIVULGAÇÃO E CAPTAÇÃO DE MATERIAIS .. 43 PROJETOS SIMILARES .................... 55 LOGOMARCA FINAL ......4 3..................... 49 CONCEITUAÇÃO .......................1 Vermelho ............................................................................ 52 APLICAÇÃO DAS CORES ..... 17 OBJETIVOS .......................................................................................................................................4......................................................................... 41 DETALHAMENTO DO PROJETO ....................... 54 4.................2 4................................. 40 EDITAL DE OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS EXPOSITIVOS .......................................3 INTRODUÇÃO ..................................................................................5 4......................................................................................3 1............................... 34 2........................................................... 54 4.......... 53 4...........................................6 A arte nos olhos de quem vê ..................... 36 2............2 Preto .......................................3 Propostas da Sticker Art ..... 53 4............3.SUMÁRIO 1 1.................................................................

.................................... 56 GRADE DE CONSTRUÇÃO ...............10 7 7.............................4 7........................................................................4 5....................................................................1 Escala de cinza ............................. 60 POSICIONAMENTO SECUNDÁRIO ..............................................................1 6. 80 SERIGRAFIA ........................................... 70 HOT-SITE .......................................................... 69 CARIMBO ............... 73 INÍCIO............................................................................... 67 STICKERS .............................. 77 ORÇAMENTOS ... 75 OFICINA ............................ 59 REDUÇÃO ............................................................................. 61 DESENVOLVIMENTO DOS MATERIAIS GRÁFICOS PARA A EXS 08............................................................................................................................. 60 TIPOGRAFIA DO LOGOTIPO ...............3 6.....................................................................................1 7..... 73 MONTAGEM .........................6 6........................ 61 ALFABETOS INSTITUCIONAIS ................................................................................ 79 IMPRESSÃO DIGITAL ...........................................................................................................2 5........................................................................ 79 IMPRESSÃO OFF-SET .2 8......7 6... 68 MINI SHELTER ........... 56 ÁREA DE RESERVA ..............1 5..............................................................7 5.....................................................................................2 6......................................................................................................................... 63 FLYER DIGITAL ..................................................................................................................................... 81 ...................................3 8.................... 58 5....................................................................................................................................................................................................................................................................... 57 5....................................4 6.........................................3.................................................. 73 ABERTURA ........ 57 CORES .......................................................... 80 STENCIL .3............................................. 66 BOTTONS ........ 58 5.............................................2 7..............................................................................................................................3.............. 71 A EXPOSIÇÃO .........................................5 8 8.............. 76 EXS 08 NA MÍDIA ................ 62 FLYER .....6 5........................................................ 59 5................. 70 ADESIVOS ........................3 ESPECIFICAÇÕES PARA O USO DA LOGOMARCA .....................8 6..........................................................3 Negativo ....................................................................... 65 CARTAZES ................8 6 6.......2 Monocromia ......................4 FUNDOS COLORIDOS .....................................................................................1 8..........................................................................................................5 5...........................................................................3 7..........................5 6.......................5 5......................................................................

..................................................................................................................... 87 APÊNDICES . 92 ..................................................................................9 CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................................................... 90 ANEXOS .................................................................................................................................................................................. 84 GLOSSÁRIO . 82 REFERÊNCIAS..................................................................

......................................................................... EM LONDRES ........................................................................................ 35 FIGURA 14 – STICKERS OBTIDOS ATRAVÉS DA SERIGRAFIA......... 42 FIGURA 18 – FLICKR DA EXPOSIÇÃO .......................... 47 FIGURA 25 – FLYERS DIGITAIS DE OUTROS EVENTOS ............................................................... 46 FIGURA 24 – LOGOMARCAS DE OUTROS EVENTOS .................. 27 FIGURA 5 – STENCIL DO ARTISTA BANKSY............................................... 36 FIGURA 16 – PLACA EM CURITIBA ......................... 44 FIGURA 20 – EXEMPLOS DE PACKS RECEBIDOS PELA EXS 08 .. 32 FIGURA 10 – STICKER EM LIXEIRA DE BUENOS AIRES............................................................................................. 51 FIGURA 28 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “SKY FONT THICK” ................................ 44 FIGURA 21 – EXEMPLOS DE PACKS RECEBIDOS PELA EXS 08 .. 52 ................... 21 FIGURA 2 – CABINES TELEFÔNICAS INGLESAS CAÍDAS ...... 43 FIGURA 19 – HOT-SITE DA EXPOSIÇÃO ...................................................... 27 FIGURA 6 – LAMBE-LAMBE NA CIDADE DE SANTOS ... 52 FIGURA 29 – LOGOTIPO PARA SIGLA ....................................................................................................................................... 45 FIGURA 23 – PELL HERE ...... 34 FIGURA 13 – STICKERS OBTIDOS ATRAVÉS DA IMPRESSÃO OFF-SET ..................................................................................... 40 FIGURA 17 – PLANTA BAIXA DA EXPOSIÇÃO ......................................... 33 FIGURA 12 – STICKERS PINTADOS A MÃO .......................................................... 23 FIGURA 3 – MARYLIN REPRODUZIDA POR ANDY WARHOL................................................................. 28 FIGURA 7 – STICKER NA CIDADE DE VANCOUVER ..................................... 29 FIGURA 9 – STICKER EM POSTE NO HAWAII .......... 35 FIGURA 15 – MESA SERIGRÁFICA PARA PRODUÇÃO DE STICKERS ....... 28 FIGURA 8 – INSTALAÇÃO URBANA PETS ..........LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 – INTERVENÇÃO URBANA EM PAREDE ......... 47 FIGURA 26 – FLYERS DIGITAIS DE OUTROS EVENTOS ................................................................................................................. 48 FIGURA 27 – ALTERNATIVAS DE SÍMBOLO ........................................................................ 32 FIGURA 11 – STICKER OBEY GIANT ........................................................................................................................................................ 24 FIGURA 4 – GRAFITTI NA CIDADE DE PARIS ............................. 45 FIGURA 22 – CALCOMANÍACA ...................................................................................

........... 60 FIGURA 42 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “SKY FONT THICK” ............................................................. 58 FIGURA 36 – VERSÃO MONOCROMÁTICA ........... 63 FIGURA 49 – FLYER ....... 55 FIGURA 32 – GRADE DE CONSTRUÇÃO DA LOGOMARCA.. 66 FIGURA 53 – CARTAZES ........ 71 FIGURA 63 – PAREDE DO HALL DE ENTRADA .... 68 FIGURA 57 – STICKERS DA EXS 08 EM OUTRAS CIDADES ........................................... MODELO CRIADO E MODELO IMPRESSO .. 61 FIGURA 44 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “TREBUCHET MS” ............................. 65 FIGURA 52 – DIVULGAÇÃO NO MEIO VIRTUAL .............................................................. 58 FIGURA 37 – VERSÃO MONOCROMÁTICA EM NEGATIVO..................... 56 FIGURA 33 – ÁREA DE RESERVA ...................................................................................... 64 FIGURA 50 – FLYER – VERSO................................................................................................................................................................ 62 FIGURA 46 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO A ............. 57 FIGURA 35 – VERSÃO ESCALA DE CINZA .................. 67 FIGURA 56 – STENCIL PARA PRODUÇÃO DE STICKERS DA EXS 08 ............. 59 FIGURA 38 – APLICAÇÃO DA LOGOMARCA COM ÁREA DE RESERVA ................................................... 63 FIGURA 48 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO C .. 68 FIGURA 58 – SERIGRAFIA .......................................... 52 FIGURA 31 – LOGOMARCA ESCOLHIDA ...................................................................................................................................................................................................................FIGURA 30 – LOGOTIPO POR EXTENSO ........................... 60 FIGURA 40 – REDUÇÃO MÁXIMA DA LOGOMARCA ....... 70 FIGURA 61 – PÁGINA INICIAL DO HOT-SITE ........ 63 FIGURA 47 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO B ............................................................................. 57 FIGURA 34 – PALETAS DE CORES INSTITUCIONAIS ............ 72 ................................ 69 FIGURA 59 – MINI SHELTER MONTADO........................................................................................... 61 FIGURA 45 – MARCAS AUXILIARES ........................................ 61 FIGURA 43 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “TAHOMA” ........................................................................................................................................................ 69 FIGURA 60 – LEIAUTE DO CARIMBO ............................................................................................................. 66 FIGURA 54 – LEIAUTE DO BOTTON – DIÂMETRO E ÁREA DE RESERVA ..........................FRENTE .................................................................. 67 FIGURA 55 – BOTTONS PRODUZIDOS ................................ 71 FIGURA 62 – TELAS DO HOT-SITE ............................................................................................ 65 FIGURA 51 – FLYER DIGITAL ................................................................ 60 FIGURA 41 – POSICIONAMENTO SECUNDÁRIO DA LOGOMARCA .................................................................................................... 59 FIGURA 39 – APLICAÇÃO DA LOGOMARCA SOBRE FUNDOS CLAROS ............................................

..................................FIGURA 64 – COLUNA ADESIVADA ......... 77 FIGURA 69 – PING MAG ..................... 72 FIGURA 65 – MONTAGEM DA EXPO STICKERS 2008 ..................................... 77 FIGURA 70 – CAPA E PÁGINA INTERNA DA REVISTA ABCDESIGN ................................... 74 FIGURA 66 – NOITE DE ABERTURA DA EXPOSIÇÃO ........................ 78 ................................................. 75 FIGURA 67 – OFICINA PARA CRIANÇAS ..................................................................................... 76 FIGURA 68 – SITES E BLOGS DE DIVULGAÇÃO ................................................................................................................

LISTA DE SIGLAS DADIN EXS 08 SESC SIV TD UTFPR .Departamento Acadêmico de Desenho Industrial .Serviço Social do Comércio .Expo Stickers 2008 .Universidade Tecnológica Federal do Paraná .Trabalho de Diplomação .Sistema de Identidade Visual .

foi realizada uma contextualização histórica e artística acerca da arte urbana. orientados pela Profa. . RESUMO Esta monografia trata do Trabalho de Diplomação desenvolvido pelos alunos Jair Guilherme Cordeiro e João Afonso Malinowski Correia. reuniu 170 artistas de 25 países e cerca de 8. Arte Urbana. Trabalho de Diplomação do Curso de Tecnologia em Artes Gráficas. Este trabalho consiste em um levantamento teórico acerca da arte urbana. CORREIA. João Afonso Malinowski. tornando possível que os stickers e as demais modalidades da arte urbana se consolidem como expressão artística. Sticker Art. O projeto gráfico consistiu na criação de uma logomarca e dos materiais gráficos necessários para representar a exposição. onde se buscou significado e conceito. Exposição. exposição referente à Sticker Art em um contexto mundial. Sticker. Jair Guilherme. Palavras-chave: Design.000 stickers. O resultado deste trabalho se traduz na expectativa para que mais pessoas reflitam sobre as intervenções urbanas. 2008. Maria Cláudia Reggiani. com aprofundamento na Sticker Art. Sistema de Identidade Visual da Expo Stickers 2008. Curitiba. e na criação de um sistema de identidade visual para a Expo Stickers 2008. com enfoque nos stickers. Intervenção Urbana. A exposição ocorreu entre os dias 17 de abril e 5 de junho de 2008.CORDEIRO. Universidade Tecnológica federal do Paraná. Identidade Visual. Para isso. graduandos no Curso Superior de Tecnologia em Artes Gráficas do Departamento Acadêmico de Desenho Industrial da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

CORREIA. Graphic Identity of the “Expo Stickers 2008”. and creation of a visual identity for Expo Stickers 2008.000 stickers. 2008. focusing on stickers. graduatings from the university course of Technology in Graphic Arts from Industrial Design Academic Department at the Universidade Tecnologica Federal do Paraná (UTFPR). gathering 170 artists from 25 countries and approximately 8. . Activism. ABSTRACT This document was written by Jair Guilherme Cordeiro and João Afonso Malinowski Correia. making possible that stickers and the others urban art modalities solidify as human artistic expression. Sticker Art. This work consists of a Theoretical research about urban art. Keywords: Design. Exposition. João Afonso Malinowski. Visual Identity. was done. Curitiba. where concept and meaning was investigated. show about Sticker Art in a world wide context. oriented by Professor Maria Cláudia Reggiani.CORDEIRO. The result of this work translates into the expectation that more people think about urban interventions. An essay for the graduation of the course of Technology in Graphic Arts at the Universidade Tecnológica Federal do Paraná. The show was held between april/17 and june/5 2008. Sticker. with a profound study of Sticker Art. The graphical design encompasses creation of a trademark and needed graphical material to display the show. Street Art. Jair Guilherme. To help on this task an historical and artistic contextualization about urban art.

desenvolvem a visão crítica das pessoas. a apresentação desta modalidade da arte urbana em um ambiente expositivo possibilita que os indivíduos conheçam. Um dos focos é atingir um público não convencional à arte urbana. O objetivo da exposição é mostrar o que é a Sticker Art e como ela acontece ao redor do mundo. A arte nos espaços públicos. Na arte urbana. mas pode ser dividida em duas principais. ainda é muito polêmica. que muitas vezes só faz sentido a céu aberto. Sem a ameaçadora combinação do sticker com a paisagem urbana. A Expo Stickers 2008 (EXS 08) é uma exposição focada na Sticker Art. abordam e relacionam o indivíduo com a produção artística em questão. difundindo a arte e atingindo a todos – quem gosta. no SESC da esquina. A primeira é o levantamento . criando questionamentos. implicando na necessidade de transmitir uma mensagem compreensiva. passível de ser recebido e integrado. e muitas pessoas apóiam a punição dos artistas urbanos. O artista pós-moderno se revela um ser incumbido de responsabilidade social. surgem as exposições. quem desaprova e quem desconhece o movimento. Neste contexto. em Curitiba. divulgação e. para que assim a comunicação seja efetiva. artistas exploram as paisagens das cidades em busca de suporte para sua liberdade criativa. Foi realizada no 1º semestre de 2008. têm conquistado a cada dia o respeito das pessoas. Uma das principais intenções é aumentar a percepção das pessoas acerca dos mecanismos de alienação que as cercam. um questionador dos valores da sociedade. Diante deste panorama. como as modalidades da arte urbana. e será realizada também em outros espaços. Porém. enxergando-os como transgressores. de qualquer tipo de arte. no 2° semestre. por conseqüência. intervir em espaços públicos é considerado contravenção. Exposições. O discurso tem de ser compreensível.15 1 INTRODUÇÃO Expressões artísticas contemporâneas. O projeto do sistema de identidade visual da Expo Stickers 2008 consiste em várias etapas. reflitam e venham a enxergar os stickers como objetos artísticos. o crescimento destas expressões artísticas. o material desenvolvido neste Trabalho de Diplomação busca representar a EXS 08. que atuam como importantes meios para a promoção. objetiva e atraente.

O desenvolvimento do trabalho foi viável. Por fim. fato que revela a vontade destes. instituição que vem dando crescente oportunidade às modalidades da arte urbana.1 JUSTIFICATIVA Por meio deste projeto. divulgação e sinalização da exposição. assim. Muitas pessoas ainda desconhecem as expressões artísticas urbanas. Semelhante a muitas dissertações e artigos. Este projeto também se constituiu em uma excelente oportunidade para aplicar os conhecimentos apreendidos. Ressalta-se a responsabilidade com a Sticker Art e seus adeptos. este projeto aborda uma reflexão acerca da arte urbana. envolveram o conhecimento obtido em outras disciplinas. Deve-se. se faz presente neste projeto. por suas características. revelando o papel do artista e seu sentido de responsabilidade social. justifica-se a produção deste trabalho. Representar a Expo Stickers 2008 não surge apenas como uma oportunidade de exercício profissional. promover e divulgar a exposição. A responsabilidade de significar as modalidades artísticas urbanas. visando desenvolver a visão crítica das pessoas. com o objetivo de diminuir a carência de bibliografia voltada a essa modalidade. tornaram possível a criação do sistema de identidade visual da exposição. pois os alunos adquiriram na Universidade. busca-se dialogar com os preconceitos e paradigmas presentes do mundo artístico. Semiótica e História da Arte. Teoria da Cor. Indicar essas manifestações favorece o crescimento de uma arte pública e para todos. da arte urbana e principalmente da Sticker Art. simbolizar. os conhecimentos técnicos necessários para a elaboração de projetos gráficos. O diferencial deste é o foco na Sticker Art.16 teórico acerca da arte convencional. A exposição também teve o apoio e suporte do SESC da Esquina. que. de desvincular a arte urbana de conceitos transgressores. 1. A segunda etapa se constitui na criação da logomarca e dos materiais gráficos de promoção. como Técnicas de Estruturação de Imagem. . na difusão e no acesso à arte. As disciplinas de Projeto. Organização Espacial. A EXS 08 foi motivada por muitos artistas urbanos em um contexto mundial. durante o curso de Tecnologia em Artes Gráficas. de se expressar diante da sociedade.

Dentro de um grupo que envolve artistas com os mais diferentes níveis de educação. junto a outras modalidades da arte urbana. podem-se encontrar tanto quem utiliza argumentos para condenar o uso dos stickers quanto quem se preocupa em defender a globalizada ocupação do mobiliário urbano nos centros urbanos. Assim. Os problemas seriam dois. o que acaba resultando em variações na credibilidade do posicionamento. De forma equilibrada. mas também na qualidade dos conceitos que sustentam esse movimento. É preciso contribuir para que quem condena veementemente a presença de um sticker em uma lixeira. faz-se necessário que a riqueza de conteúdo e de referências aumente de forma proporcional. Faz parte também a abertura do . há quem utilize maior ou menor conhecimento para externar seus pensamentos. representar e divulgar uma exposição de arte urbana? Como conseguir o reconhecimento público acerca das manifestações artísticas não legitimadas? 1. Espera-se que a educação contribua positivamente. que são igualmente discriminadas. Simultaneamente ao crescimento da discussão a respeito da legalidade dos stickers. que indica a criação da logomarca e uma série de aplicações. possa iniciar uma mudança de pensamento. esse trabalho vai além da criação de um sistema de identidade visual. que celebrem.3 OBJETIVOS Os objetivos deste trabalho vão além do que consta no título.2 PROBLEMATIZAÇÃO Com o visível aumento do número de praticantes. De um lado ou de outro. mas que acima de tudo contribuam diretamente com a consolidação dessa modalidade artística.17 1. decidindo em favor daqueles que se prontificam a tentar transformar o local onde vivemos. ou até mesmo condenem a Sticker Art. inicia-se mais uma etapa em busca do reconhecimento. a Sticker Art tem sido cada vez mais inserida em debates. uma reflexão baseada não apenas na justificativa da arte espalhada pelas ruas. cujo tema é a legalidade ou ilegalidade do movimento. Para que assim possamos registrar os argumentos. e consistem em: Como um projeto gráfico pode contribuir para promover.

especialmente da Sticker Art. e desenvolver o sistema de identidade visual da Expo Stickers 2008 (EXS 08). o foco será o desenvolvimento da logomarca. A quinta e última parte condiz com à finalização e apresentação do Sistema de Identidade Visual da EXS 08. Desenvolver o projeto gráfico dos materiais impressos e digitais referentes à divulgação da exposição. Documentar a realização da EXS 08. c. d. Desenvolver o projeto gráfico da logomarca da EXS 08. e. . da arte tradicional a arte urbana. 1. Localizar a Sticker Art como uma modalidade artística.18 tema.4 METODOLOGIA O desenvolvimento deste projeto consiste em cinco partes distintas. a captação de procedimentos e conceitos ligados diretamente à organização de eventos será desenvolvida. A primeira parte estará voltada ao levantamento teórico a respeito da arte urbana e suas modalidades. buscando posicioná-la dentro das manifestações artísticas contemporâneas. com ênfase na Sticker Art. Junto a isso. A quarta parte consiste na aplicação da logomarca nos materiais gráficos referentes à exposição. Na terceira etapa. mostrando como foi a exposição. tendo como objetivo um conceito que realmente transmita a Sticker Art. Os objetivos gerais deste trabalho consistem em fazer um levantamento teórico a respeito da arte urbana. sendo que o envolvimento direto com os stickers se dará desde o início e terá fundamental importância para o alcance dos objetivos. uma conseqüente discussão acerca da importância e da metodologia que existe no meio da Sticker Art. onde serão analisadas as exposições semelhantes. Os objetivos específicos são: a. Desenvolver projeto gráfico dos materiais referentes à sinalização e organização da exposição. A segunda será direcionada à Expo Stickers 2008. b.

Para orientação quanto aos materiais necessários para a exposição. 2003. museus e bibliotecas virtuais. periódicos. a referência foi “Organização de eventos”. Foi também necessário buscar referências na internet. Além destes. 2001. algumas obras foram de grande valia. será o principal referencial. em especial as que tratam de assuntos relacionados ao pós-modernismo e à cibercultura. de Marlene Matias.19 A quantidade de materiais publicados que têm como foco a arte urbana. outros livros. é muito pequena. por meio de acessos a artigos. Porém. como o livro “Culturas e artes do pós-humano”. . Para o processo de criação da marca e do SIV. em especial a Sticker Art. de Maria Luísa Peón. de Lucia Santaella. o livro “Sistemas de Identidade Visual”. artigos e periódicos foram de suma importância para a construção de um marco teórico consistente. 2000.

fazer art. Gruszynski (2007. sentir. Sobre este panorama de reconhecimento e aceitação da arte. 64) afirma que: “A legitimação de um discurso se dá pelo contrato entre dois jogadores. ele corre o risco de sua obra ser compreendida de maneira adversa. o jogo se transforma”. pois muitas pessoas podem não compreender ou dar devida consideração a esta obra de arte. inteligente. todas diferentes. As regras mudaram de tal modo que desconhecemos os limites de uma expressão artística. Outras querem uma arte crítica. o conselho municipal da cidade de Bristol determinou que todas as obras do artista urbano Banksy fossem preservadas. parece simples. porém a arte teve sua evolução e a humanidade também. Porém. São múltiplas necessidades. em um caso de luta contra pichação. por exemplo.20 2 DIALOGANDO COM A ARTE O que é arte? Todos os dias milhões de pessoas visitam museus e galerias de arte. outros preferem as abstratas. Essa incompreensão é comum em modalidades artísticas contemporâneas como a arte urbana. Há ainda aquelas que aliam arte à tecnologia. ficou clara a incompreensão da sociedade acerca da obra de Banksy. sendo que sem regras não há jogo. O papel do artista. . pois são bilhões de pessoas no mundo.1 A ARTE COM ‘A’ MAIÚSCULO Quando um artista se propõe a produzir arte. Alguns procuram obras clássicas. onde os artistas utilizam o mobiliário urbano como suporte para criação. a própria prefeitura apagou um mural do artista por engano. Os motivos para a rejeição variam e geralmente se justificam nos padrões culturais das sociedades. revelando que muitas expressões artísticas contemporâneas ainda não se consolidaram como arte. Neste ocorrido. Ao se alterarem as regras. agradável ao olhar. Um público que quer ver. 2. Tarefa difícil é agradar a todos. p. No Reino Unido. aprender e se entreter. Por que as pessoas buscam a arte? Algumas buscam o admirável.

pode-se dizer que Banksy é inglês. Extra-oficialmente podemos afirmar que Banksy é satírico. contestador e polêmico.26) comenta: Do pouco que se sabe oficialmente sobre o artista. Ainda sobre Banksy. Muitos indicam ser um ato transgressor. Guimarães (2008. uma das obras de Banksy (Figura 1). O que nunca falta em seu trabalho é o tom crítico sempre bem humorado. Logo se chega à conclusão de que a arte não se trata de um conceito simples.uk>. Para entender os artistas urbanos e as demais expressões artísticas contemporâneas é necessário romper com o já pensado. Ferreira (2004. onde se reluta mudar as regras. mas Banksy também transita por outras formas de instalações e performances. p. de caráter estético. 201) define a arte como uma “atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito.21 Porém. de vandalismo.banksy. No Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. É fato que nem todos enxergam a arte no trabalho de Banksy. A seguir. podendo suscitar em outrem o desejo de . onde fez sua intervenção a partir da fenda de uma parede rachada: FIGURA 1 – INTERVENÇÃO URBANA EM PAREDE Fonte: Disponível em: <http://www. p.co. 2008. carregados de vivência pessoal e profunda. Seus stencils são os trabalhos mais conhecidos. o diálogo entre artistas urbanos e a população torna-se um combate. Acesso em: 10 jun.

música. da desmistificação da “Arte com A maiúsculo” e da existência dos artistas. hoje. Em contrapartida. escultura. 09). palpitam e pulsam” (SANTAELLA. eram homens que apanhavam um punhado de terra colorida e com ela modelavam toscamente as formas de um bisão na parede de uma caverna. existe o engajamento que visa à instigação e o conhecimento. desde que conserve em mente que tal palavra pode significar coisas muito diversas. entra em cena o questionamento sobre os limites de criação destes artistas em suas concepções. 15) afirma: Nada existe realmente a que se possa dar o nome Arte. eles faziam e fazem muitas outras coisas. p. pode-se perder sua essência. o historiador de arte Gombrich (2000. pois possuem características que vão além das fronteiras da arte convencional. “Toda definição acabada é uma espécie de morte. fechada às definições únicas e costumeiras. que esgotam as possibilidades criativas. 1989. porque sendo fechada. Essa característica de questionamento se faz presente em muitas obras consideradas pós-modernas. Responsável pela concepção da arte. em paralelo a uma diversidade de conceitos. Contrariamente às “definições acabadas”. Existem somente artistas. literatura. uma arte inovadora. São as chamadas modalidades. p. surgem dúvidas e controvérsias sobre o que deve ser considerado arte. Não prejudica ninguém dar o nome de arte a todas essas atividades. alguns compram suas tintas e desenham cartazes para tapumes. e ainda como a “capacidade criadora do artista de expressar ou transmitir tais sensações ou sentimentos”. Porém. vivas. . Modalidades artísticas tais como pintura. definir o que é arte não se trata de uma questão simples. o artista pode codificar sua mensagem através de diferentes meios. quando a arte é rotulada e limitada ao já existente. artes cênicas e muitas outras são classificadas didaticamente a partir da pré-história. em tempos e lugares diferentes. e que Arte com A maiúsculo não existe. Nas duas definições são mencionados o ato de criar e a habilidade criativa do artista. Partindo dessas afirmações.22 prolongamento ou renovação”. Outrora. mata justo a inquietação e curiosidade que nos impulsionam para as coisas que. e. ramificações da arte. sendo também representadas através de uma linha do tempo. arquitetura. Novas tecnologias e mudanças na dinâmica das sociedades geram novas formas e possibilidades de expressão. Em relação a essa questão de definir o que é arte.

Questionar o governo? Criticar o comportamento da sociedade? Cabe ao público entender e tirar suas próprias conclusões acerca da obra de Mach. apressada e ambiciosa“ (LEITE. A ‘verdade’ pós-moderna. aparentando uma óbvia desconfiança em relação ao apelo da verdade. nunca atingindo um ponto de certeza absoluto. 2008. 2008).23 Nas ruas de Londres. Acesso em: 16 jul. “Buscam manifestar sentimentos emotivos numa sociedade acusada por eles de ser fria.com/Noticias/PopArte>. levantar questões e assumir uma postura reflexiva. a desconstrução. Sobre essa característica das manifestações pós-modernas de criar interrogações no espectador. Lima e Oliveira (2008. . A obra foi batizada como: “Fora de ordem” (Figura 2). adiada..3) comentam: De acordo com esta idéia.. FIGURA 2 – CABINES TELEFÔNICAS INGLESAS CAÍDAS Fonte: Disponível em: <http://g1.globo. calculista. como uma fileira decadente de dominós. uma idéia pronta para ser digerida. justamente. de Verdade. É necessário refletir. [. é fundamental dizer que o pós-modernismo não é a construção de um grande edifício lógico e racional.] Além de tratar das incertezas. Sua obra consistiu em dispor as cabines caídas. o artista David Mach criou uma instalação utilizando as tradicionais cabines telefônicas inglesas. os artistas pósmodernos buscam criticar os valores de uma sociedade cada vez mais individualista e apática. é perpetuamente diferida. agora entendida dentro e inerente a um determinado contexto. PECCININI. portanto. que possa ser chamado. p. mas sim a revisão. da verdade não absoluta. Não existe uma verdade absoluta. do modelo modernista.

FIGURA 3 – MARYLIN REPRODUZIDA POR ANDY WARHOL Fonte: Disponível em: <http://www. [.. objetos e ícones do consumismo idolatrados pela sociedade. . Tornou-se um artista de prestígio e conseguiu ser reconhecido por seus trabalhos polêmicos e originais. Acerca das criações deste artista.]”. A Pop Art surgiu com a explosão das comunicações de massa.com>. Acesso em: 10 jun. Biesenbach (2005) comenta: “Como artista visual Warhol aproximava-se mais à verdade e à beleza dos fenômenos que lhe fascinavam aplicando o mecanismo de fazer imagens da própria indústria ao seu trabalho. Andy Warhol.blogspot. Andy Warhol transmitia seu estilo através da simplificação das formas e da combinação de cores. tendo a Pop Art como expressão artística pioneira.. em diversas ocasiões trabalhou com a estilização de ícones populares.24 As manifestações artísticas pós-modernas se iniciaram no final da década de 1950. a atriz americana Marylin Monroe (Figura 3). Tinha como ideal estético ironizar os símbolos. um dos precursores deste estilo artístico. 2008. como. por exemplo. Em algumas de suas obras.o-prima.

25 Apesar do sucesso de Warhol e de muitas outras expressões artísticas consideradas pós-modernas, diferentes estilos ainda entram em choque com preceitos de manifestações artísticas tradicionais. Mas como lidar com os limites criados pelas manifestações já existentes? Para Santaella (2003, p. 327) “Sempre que o artista começa a falar uma outra linguagem, distinta das que o precederam, as fronteiras, as funções, o lugar social e, sobretudo, o conceito de arte têm de ser negociados”. Acerca dessa negociação do conceito de arte, o público em geral, pessoas orientadas pelo senso comum, são os principais envolvidos. Nesse contexto, ainda predomina a idéia de que o artista é um ser que deve produzir pinturas ou esculturas, assim como um padeiro produz pães, ou seja, através de uma arte já rotulada. Esse comportamento é fruto da dificuldade em descartar hábitos e preconceitos. O caminho para a mudança pode estar no comportamento inovador dos artistas, na relutância em expor e defender suas idéias até sob as mais adversas condições. Quanto mais vezes se vêem uma nova manifestação representada em arte, mais forte será a convicção de que ela deve ser representada como tal (GOMBRICH, 2000). Uma nova manifestação, com as características inovadoras da arte pósmoderna, não possui a pretensão de acabar com as expressões artísticas que a precederam, mas sim inaugurar uma nova etapa. O mundo mudou, e as necessidades são outras. É necessário construir uma identidade própria e coerente com as relações humanas do presente, época mediada pela globalização e pelos apelos do consumismo. Neste contexto, as identidades são desvinculadas de muitos valores tradicionais, tornando possível a construção de uma identidade nova. “Somos confrontados por uma gama de diferentes identidades (cada qual nos fazendo apelos, ou melhor, fazendo apelos a diferentes partes de nós), dentre as quais parece possível fazer uma escolha” (HALL, 2006, p. 75). Nessa construção de uma identidade contemporânea, as expressões não convencionais têm gradualmente superado as críticas. Muito dessa evolução se deve ao diálogo com a ética, onde se firmou uma espécie de código de conduta perante os padrões culturais da sociedade. É no dialogo entre os limites do certo e do errado que se afirma o aceitável. Um exemplo polêmico e mal sucedido ocorreu na Costa Rica, onde um homem pegou um cão abandonado e o amarrou na parede de uma

26 galeria de arte. Lentamente o cão morreu de fome e sede. Essa ação ultrapassou os limites do errado, a sociedade repugnou o ato, classificou como covarde, cruel, uma arte criminosa. O fato é que a postura do artista contemporâneo tem de ser aceitável. Amarrar um cão ao poste e deixá-lo morrer, tal manifestação pode até ser entendida como protesto à postura humana perante os cães abandonados, mas será eternamente condenada perante a humanidade e seus padrões éticos. Um artista inovador deve ousar, porém seu discurso deve ser compreensível, passível de ser recebido, contextualizando a arte de acordo com sua época. É a partir de um processo versátil e reflexivo que a arte tende a se confirmar como “uma linguagem na qual o homem codifica sua visão de mundo e suas inquietações” (PROSSER, 2006, p. 04). Um dos principais objetivos dos artistas contemporâneos tem sido impactar o público. Entre as múltiplas expressões artísticas existentes, a arte urbana tem ganhado espaço diante do público e da mídia. Com criatividade e ousadia, designers e artistas têm explorado possibilidades das paisagens urbanas. A arte dos espaços públicos será o assunto do próximo tópico.

2.2 A ARTE URBANA E SUAS INTERVENÇÕES Codificar visões e se expressar frente ao mundo. Esses anseios são percebidos diariamente em nossas ruas, onde, através da arte urbana, uma cidade se revela um organismo vivo, em constante mudança. O cotidiano das cidades vem sendo marcado por um consumismo desenfreado, por pessoas subordinadas ao sistema em busca de um estilo de vida superficial. A arte urbana e suas intervenções públicas tornaram-se mecanismos de alerta a problemas do dia-a-dia, que muitas vezes passam despercebidos na rotina das pessoas. As intervenções urbanas podem ser vistas em qualquer grande cidade. Para os praticantes da arte urbana, as paisagens de uma cidade se equiparam a uma tela em branco, onde se utilizam de ousadia e criatividade para se expressar. “Para artistas e designers, vale quase tudo para intervir na paisagem urbana. O importante é que o mundo todo veja” (GUIMARÃES, 2008, p. 24).

27 A arte urbana pode ser dividida em diversas modalidades. Dentre elas, quatro merecem destaque: o Grafitti (Figura 6) e a Sticker Art
4 1

(Figura 4), o Stencil

2

(Figura 5), o Lambe-lambe

3

(Figura 7).

FIGURA 4 – GRAFITTI NA CIDADE DE PARIS Fonte: Disponível em: <http://www.flickr.com/photos/vitostreet>. Acesso em: 28 jun. 2008.

FIGURA 5 – STENCIL DO ARTISTA BANKSY, EM LONDRES Fonte: Disponível em: <http://www.flickr.com/photos/overthecounterculture/>. Acesso em: 28 jun. 2008.

Graffiti se constitui em um movimento popular onde o artista se aproveita dos espaços públicos para interferir na cidade. Geralmente utiliza-se de tinta spray para deixar uma mensagem em muros e paredes. 2 Stencil é um desenho ou uma ilustração delineada por um molde vazado (papelão, metal, etc.). 3 Lambe-lambe é semelhante do cartaz, com baixo custo de produção. Pode ser feito com diversos tipos de papéis e precisa de cola para aderência. 4 Sticker Art é uma forma de transmitir uma mensagem, intervindo no meio urbano através de adesivos colados em diversos tipos de suportes, como por exemplo, lixeiras e postes.

1

Na arquitetura das cidades os artistas urbanos encontram seus suportes para criação.com/photos/basco5>. FIGURA 7 – STICKER NA CIDADE DE VANCOUVER Fonte: Disponível em: <http://www. Muros. Um fato comum e característico dessas modalidades é a intervenção no ambiente urbano. Acesso em: 28 jun. p. Apodera-se deles.flickr. usa-os como suporte para o seu protesto. 14). Acesso em: 28 jun. paredes. postes e qualquer espaço que não esteja sendo devidamente utilizado se transformam em uma galeria de arte a céu aberto. idéias e códigos” (PROSSER. . “Ressignificando espaços públicos e privados. restabelece uma geografia urbana conforme suas próprias necessidades.flickr. onde o artista utiliza-se dos espaços públicos para se expressar.com/photos/mcid>. 2008.28 FIGURA 6 – LAMBE-LAMBE NA CIDADE DE SANTOS Fonte: Disponível em: <http://www. 2008. 2006. placas.

até a disponibilização da arte para os transeuntes. 2008.com/Noticias/SaoPaulo>. Um exemplo foi à instalação urbana “Pets” (Figura 8). a poluição visual.29 Porém. a agressão e a destruição do patrimônio cultural introduzidos por muitas dessas interferências provocam conseqüências indesejáveis sobre a sociedade à qual são impostos e defendem o combate a estas práticas e aos seus praticantes. Vandalismo ou arte? Esse é o ponto capital do conflito. o caos. Prosser (2006. intervir em espaços públicos geralmente se caracteriza como uma contravenção. é através de manifestos inteligentes que os artistas ganham o respeito da população. o stress. com sua ânsia por mudanças. p. de outro. FIGURA 8 – INSTALAÇÃO URBANA PETS Fonte: Disponível em: < http://g1. . porém. Em relação a esse conflito entre artistas urbanos e a sociedade. Esses manifestos vão desde os alertas aos problemas notórios do cotidiano. que consistiu em 20 esculturas de garrafas plásticas gigantes. em São Paulo. que ele julga conseguir por meio da manifestação do seu protesto e da ressignificação de espaços. colocadas nas margens do rio Tietê. 08) comenta: De um lado está o jovem. A idéia foi fazer a população ver as garrafas nas margens do rio e refletir sobre a poluição da cidade. a desordenação territorial. onde todos os envolvidos têm suas razões e justificativas. que crêem que a destruição. Acesso em: 25 jun.globo. gerando assim um choque entre artistas urbanos e a sociedade. autoridades instituídas e proprietários de espaços privados. O conflito é evidente.

é claramente notada na arte urbana. o alerta para o novo. instaurando formações sociais que não podem mais ser chamadas de modernas. 322) destaca o pós-moderno como um período de relativa desordem. Santaella (2003. Outra característica deste tipo de intervenção pública é a responsabilidade social do artista. inovação. Em meio a essas diferenças fundamentais entre a estética pós-moderna e suas precedentes. p. Além dessas características da arte urbana que a inserem no pós-moderno. vanguarda vem do francês Avant Garde. Segundo Telles (2002). 2002). agressividade e impacto. onde a infinidade de estilos e a completa liberdade e diversidade de intenções resultam em concepções plurais e reflexivas. 126) afirma ainda que: A emergência da cultura digital e seus sistemas de comunicação mediados eletronicamente transformam o modo como pensamos o sujeito. esta modalidade artística também possui características vanguardistas. suas características como: a ruptura. Literalmente. prometendo também alterar a forma da sociedade. os artistas revolucionários e a noção da arte como uma antena da consciência humana. Essa cultura promove o indivíduo como uma identidade instável. Uma das principais características vanguardistas. observa-se uma sincronia entre culturas distintas. são alguns dos traços definidores das vanguardas. p. Ações como esta fazem com que mais pessoas tenham contato com a arte e reflitam a respeito do caos em que vivem. onde a linguagem das intervenções revela-se como um instrumento crítico na formação de identidades e valores das . Essa prática que envolve suportes não convencionais insere-se nos moldes da estética pós-moderna. a de propor uma nova visão da arte.30 Muito além dos museus e das galerias de arte. se encaixam perfeitamente na arte pós-moderna (TELLES. ruptura. Daí deduz-se que vanguarda é aquilo que “está à frente”. dinamismo. guarda avante. como um processo contínuo de formação de múltiplas identidades. O momento é passível de uma renovação cultural. mas pós-modernas. Santaella (2003. fazendo referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante uma batalha. Apesar das vanguardas estarem costumeiramente associadas ao modernismo. essa intervenção urbana atingiu milhões de pessoas por dia. Esta apresenta diferenças fundamentais em relação às demais manifestações estéticas que a precederam.

uma única narrativa que amarre todas as pontas.3 STICKER ART A partir da compreensão da arte urbana como expressão artística do pósmoderno. Cardoso (2000. Talvez pela primeira vez desde o início do processo de industrialização. por um lado o tradicionalismo persiste. ainda existem muitos confrontos. movimento iniciado nos anos 90. 208-209) comenta: A marca registrada da pós-modernidade é o pluralismo. neste caso e de maneira específica. torna-se possível a reflexão acerca das expressões artísticas não convencionais. o que não deixa de ser (quase que por ironia) um progresso. Yuge (2008) comenta: A sticker art. nesta abertura de espaço para discussão. ou seja. dos ''lambe-lambes''. Na época pósmoderna. por outro. a Sticker Art. já não existe mais a pretensão de encontrar uma única forma correta de fazer as coisas. promovendo reflexões na sociedade. vem da forma de expressão de colar adesivos com imagens ou mensagens em lugares públicos. e dos ''stencils''. 2.31 sociedades. As intervenções críticas em um espaço alienado revelam o sentido de responsabilidade social do artista. Neste contexto. Sendo assim. composta por outras manifestações. a exemplo do grafite. Apesar de toda conceituação teórica a favor da arte urbana. a sociedade ocidental esteja se dispondo a conviver com a complexidade em vez de combatê-la. e é na pluralidade e diversidade da pós-modernidade que se situa a arte urbana. que poderia ser traduzida livremente como ''arte do adesivo''. p. devem ser compreendidas suas modalidades. É considerada arte pós-moderna e uma extensão da arte urbana. uma única solução que resolva todos os problemas. é uma expressão artística pós-moderna que demonstra estar sendo aprendida pelos transeuntes. . Mas se. a abertura para posturas novas e tolerância de posições divergentes. em que os adeptos utilizam ''máscaras'' de ilustrações ou textos que são impressos a partir de sprays sobre os painéis. desvinculada do vandalismo. mas bem menores. Visando explicar essa modalidade. que usam colagens semelhantes aos outdoors.

Acesso em: 25 jun. 10): FIGURA 9 – STICKER EM POSTE NO HAWAII. Fonte: Disponível em: <http://flickr. FIGURA 10 – STICKER EM LIXEIRA DE BUENOS AIRES. Acesso em: 25 jun. . 2008.com/photos/f-a-r-a-w-a-y>. Fonte: Disponível em: <http://flickr. 2008.com/photos/tigapics>.32 A seguir dois exemplares da Sticker Art (Figuras 9.

Esse ato consistia em colar nos espaços públicos a imagem estilizada do campeão de luta livre André Roussinof. Além da imagem do lutador.3. que traduzido do inglês. .com>.wordpress. OBEY. FIGURA 11 – STICKER OBEY GIANT Fonte: Disponível em: <http://bigchase. Acesso em: 20 jun.33 2. a intervenção chegou a ser percebida como manifesto ao comunismo. mas logo essa hipótese foi desmistificada. o sticker continha a mensagem OBEY.1 Origem Em meados de 1990. Nos dias que se seguiram. A mensagem clara e direta. o estudante de design gráfico Shepard Fairey começou a espalhar o que hoje é conhecido como Obey. OBEY (Figura 11) tornou-se o marco inicial da Sticker Art. utilizava um recurso próprio da publicidade e ao mesmo tempo ironizava uma sociedade marcada pelo consumo e obediência às leis. mais conhecido como Andre the Giant. significa obedeça. 2008. O objetivo deste sticker era fazer com que as pessoas refletissem acerca da sociedade vigente. Como a mensagem era composta por letras brancas em um fundo vermelho.

a serigrafia e a impressão off-set. o artista valoriza suas habilidades manuais de desenho e pintura. 2008. com características peculiares à Sticker Art. criou a imagem do campeão de luta livre Andre. e a espalhou pelos Estados Unidos. Hoje. com a inscrição Obey giant em stickers e lambe-lambes. eles podem ser produzidos a partir de diversas técnicas e materiais. . Em 1979. Mas. marcadores. Europa e Ásia. quanto em etiquetas adesivas reaproveitadas.3. fazendo uma brincadeira com as palavras de ordem política do movimento estudantil. FIGURA 12 – STICKERS PINTADOS A MÃO Fonte: Disponível em: < http://flickr. 2. No jornal virtual A-SIDE (2007) existe a seguinte referência: Esta forma de transmitir mensagens e defender ideais (não importa qual) não é tão recente.34 Existem registros de intervenções anteriores a de Fairey. the giant. pessoas de diversos lugares do mundo fazem o mesmo como uma forma de chamar a atenção das pessoas para o local onde vivem ou simplesmente pelo prazer de fazer arte. Nesta técnica. merecem destaque o modo artesanal. tintas e pincéis. As possibilidades são imensas. quando o americano Shepard Fairey. No modo artesanal (Figura 12) o artista geralmente utiliza-se de papel adesivo.com/photos/exs08>. Acesso em: 20 jun. o método ficou conhecido mundialmente nos anos 90. sendo assim. Um sticker pode ser concebido tanto em um vinil ou papel adesivo de alta qualidade. faça figa e fuja do faro da fera. um estudante de design.2 Produzindo stickers Não existem regras quanto ao método para se produzir um sticker. o artista Tadeu Jungle colou e distribuiu 1000 adesivos em São Paulo com as frases Fure fila. Entre as técnicas de produção.

Acesso em: 20 jun. Acesso em: 20 jun. fazendo com que a tinta passe pela área planejada da tela e chegue ao adesivo. conseguindo resultados precisos e uniformes. o artista aplica a tinta através da pressão de um rodo ou puxador. através de uma tela já preparada. . Uma facilidade deste processo é a obtenção de grandes quantidades. stickers produzidos através da impressão off-set (Figura 13): FIGURA 13 – STICKERS OBTIDOS ATRAVÉS DA IMPRESSÃO OFF-SET Fonte: Disponível em: < http://flickr. o artista consegue aliar técnica e tecnologia. 2008. A seguir. Na serigrafia.com/photos/exs08>.35 Pelo modo de impressão off-set ou off-set digital. 2008. Uma das vantagens da serigrafia para impressão em adesivos é o baixo custo para produção de grandes quantidades. A seguir exemplos stickers produzidos em serigrafia (Figura 14) e uma mesa serigráfica para produção de stickers (Figura 15): FIGURA 14 – STICKERS OBTIDOS ATRAVÉS DA SERIGRAFIA Fonte: Disponível em: < http://flickr. sem o esforço do trabalho manual.com/photos/exs08>.

texturas. diferentes visões de mundo e universos imaginários. um sticker pode ser removido em questão de minutos.36 FIGURA 15 – MESA SERIGRÁFICA PARA PRODUÇÃO DE STICKERS Fonte: Disponível em: <http://flickr. Em meio à poluição visual das propagandas e do cinza predominante das cidades. da linguagem e da arte. 2. talvez as pessoas não percebam nada de diferente. inserido no cotidiano das pessoas e longe dos museus. da comunicação. Yuge (2008. Muitos defendem que somente quando integrado ao ambiente urbano o sticker deve ser considerado arte. é possível entrar em contato com a arte no simples ato de sair de casa e circular pelas ruas. abordando e dialogando vários conceitos. variando do aspecto estético e poético da arte ao inconformismo crítico. “Do ponto de vista da representação.3.3 Propostas da Sticker Art Quando colados. da imagem. após ser colado. cores. Resultantes da vivência cotidiana. essas intervenções urbanas apresentam formas.com/photos/alasortis>. Em meio ao caos das grandes metrópoles. 11). rir das próprias mazelas modernas e desafiar os parâmetros do diálogo entre os transeuntes e a própria arte”. os stickers passam uma mensagem a ser interpretada. Acesso em: 25 jun. aonde viria a ser uma arte domesticada. 2008. pois. 2006. 6) comenta: “Uma expressão cultural nasceu justamente desse caos para usar os espaços da selva de pedra para se fazer ouvir. conteúdos. p. os significados e suas múltiplas leituras são um universo apaixonante” (PROSSER. os símbolos. Isso também se dá pelo caráter efêmero da Sticker Art. Muitas vezes as intervenções podem não ser vistas. p. os significantes. .

4 Autoridades X Artistas Por ser uma atividade de intervenção no meio urbano.5 Uma arte de intercâmbio Graças a essa enorme rede de contatos existente entre os praticantes da Sticker Art. 2007). No G1. os stickers contam com uma espécie de ''código de ética'' para não prejudicar a cidade que moram”. na matéria “Placas de trânsito servem de galeria para artistas urbanos” (RIBEIRO. tudo depende da consciência de quem cola e de quem vê. . os stickers são forma de arte típica do século XXI (RIBEIRO. comenta que o fato de colar em ambientes públicos ser enquadrado como uma infração não exclui a possibilidade de o sticker ser arte. como os postes e o verso de placas. portal virtual de notícias da Globo. “O artista não pode ser ingênuo. 6) descreve: “Para evitar problemas com a polícia e a população. 2. professora da Universidade de São Paulo. Nesse contexto. Ele tem de saber qual é a regra do jogo e fazer opções. os stickers oscilam entre o vandalismo e a arte. Uma maneira de amenizar a questão da não legalidade é o ato de colar em locais que não estão sendo utilizados. muitas vezes.3. basta acessar sites e fóruns direcionados a esse público e então estabelecer contatos com diversos parceiros que estão sempre dispostos a sair pelas suas cidades e divulgar os trabalhos que. o que um artista produz pode ser visto em qualquer lugar do mundo. Yuge (2008.3.37 2. atravessam oceanos em simples envelopes. sendo que podem ser relacionados com crime ambiental. Ainda que exista uma espécie de código de ética. Para isso. a Sticker Art gera um conflito entre artistas e órgãos públicos. defendem que os infratores cumpram penas alternativas ou até mesmo reclusão. As autoridades apontam tais manifestações como vandalismo. de conduta. 2007). Se é contravenção. Já para especialistas. p. a artista plástica entrevistada Ana Maria Tavares. tem que assumir os riscos”.

p. Ainda sobre essa característica de união e colaboração entre os artistas. Este diálogo será. . nascida e desenvolvida nas ruas. exemplos dos mais recentes avanços tecnológicos. isto é. p. a era digital pode ser classificada como “cultura do acesso”.3. amigos e “inimigos”. É assim que muitos artistas ganham espaço e são reconhecidos mundialmente. esta sim como instrumento de divulgação e troca de material entre indivíduos. onde dialoga. surpreendente e enriquecedor. clama. são tão importantes para o universo desta arte quanto a sua realização. 19) comenta: Basta abrir os olhos e a mente para enxergá-los e compreendê-los. em um segundo momento. registrando a ação para depois publicar na rede. mas também compartilhar e obter conteúdo áudio-visual em um só equipamento. Prosser (2006. os leia e estabeleça um diálogo com eles. ao mesmo tempo silenciosa e ruidosamente. rua. sem dúvida. Nesse contexto.38 É pela Internet que os artistas e os coletivos 5 se apresentam e fazem esse intercâmbio de produção: trocam stickers e se responsabilizam em espalhar a arte do outro nas ruas da sua cidade. após a realização da sua obra. 12) afirma: No entanto. a fotografia digital. mesmo que algumas pessoas não a entendam ou percebam. e se expressa das mais variadas formas aos transeuntes. onde a Internet fez surgir o primeiro sistema amplamente difundido que possibilita ao usuário não só gerar. museu e academia (superando os limites do bairro e da cidade). estabelecendo uma relação dinâmica de ação e colaboração criativa. a sua transitoriedade) e socializa-a com a reprodução de DVDs e na Internet. assim. O objetivo maior está em interromper a monotonia cotidiana das cidades. Prosser (2006.6 A arte nos olhos de quem vê A Sticker Art. 2. à espera de quem os olhe. tão simples e tão despojada. 5 Coletivos: grupos de colaboradores que se unem para realizar algo em conjunto. tribos. Assim. deve prevalecer nas ruas. cidades e continentes. o telefone celular e a Internet. registra-a e documenta-a com a fotografia e o vídeo (superando. descobrindo universos de representação que estão. Segundo Santaella (2003).

talvez a mais democrática das artes. nos muros. . no receptor que julga a mensagem. Firmada a base teórica acerca da Sticker Art. os mais diversos temas são abordados através de uma arte livre e contemporânea. A arte está nos olhos de quem a vê. uma exposição global de stickers que ocorreu de abril a junho de 2008. acessível e diante dos olhos dos transeuntes. aprecia a arte e não teme descartar preconceitos.39 É neste diálogo que o artista se expressa. Quando cola um sticker. lixeiras e nos prédios. postes. o tema abordado a seguir será a Expo Stickers 2008. É no olhar das pessoas que está o sentido da Sticker Art e das demais modalidades da arte urbana. A arte está nas ruas.

Não é difícil encontrar stickers. O mobiliário urbano oferece os suportes preferidos e ideais para quem cola stickers. e ainda há espaço para muitas obras autocolantes. pelas ruas curitibanas. que visitam ou enviam seus trabalhos para serem colados em Curitiba. Postes e lixeiras são freqüentemente utilizados como suporte. bares. isolados ou em combos (Figura 16). Lojas. FIGURA 16 – PLACA EM CURITIBA Rua Flavio Dallegrave – Hugo Lange Fonte: Carolina Corção . estão abrindo espaço para que essa modalidade mostre que o movimento vai além da colagem de simples adesivos. galerias de arte e espaços culturais. a Sticker Art na capital paranaense vem crescendo graças aos artistas locais e de outros lugares. Ainda com menor repercussão do que em cidades brasileiras como São Paulo e Porto Alegre. por exemplo.40 3 EXPO STICKERS 2008 O crescimento da Sticker Art acontece junto à necessidade do surgimento de novos espaços para essa modalidade artística. mas esses adesivos começam a fazer parte de outros locais.

que analisou shoppings. dando ênfase aos adesivos e suas origens. Além do auxílio dado pelo SESC. o projeto da EXS 08 no “Edital para ocupação de espaços expositivos do SESC da Esquina”. A escolha desse espaço cultural deve-se principalmente a fatores como o apoio à arte urbana realizado pelo SESC e pela oportunidade de atingir um público bastante eclético.41 Com esse cenário surgiu a idéia e a necessidade de realizar um evento focado exclusivamente na Sticker Art. Dessa forma. Visitas. Além de ceder o espaço para a exposição. a descrição do projeto. 3. Entre dezenas de projetos. escolher o melhor espaço para realizar a Expo Stickers 2008 aconteceu após uma análise dos possíveis locais. a planta baixa e as instalações. ganha mais espaços nas ruas. Dentro dessa idéia. espaços culturais. informações como o objetivo. o detalhamento do projeto. a exposição deixou de priorizar o público que já conhece a Sticker Art e buscou mostrar como é essa modalidade artística também a quem não está familiarizado. a Expo Stickers 2008 foi selecionada pela comissão e teve seu período definido para acontecer entre os dias 14 de abril e 5 de junho de 2008. foi necessário apresentar um projeto da EXS 08. Uma mostra com características expositivas e até didáticas. já que pelo edifício da instituição passa um grande número de pessoas que exercem diferentes atividades.1 EDITAL DE OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS EXPOSITIVOS Para a participação no Edital do SESC da Esquina. Essa ajuda consistiu em uma quantia em dinheiro. museus. mas sem perder a informalidade e o colorido dessa modalidade artística que. O projeto foi apresentado a outras . e priorizar. bares e faculdades. e-mails e telefonemas fizeram parte desse estudo. foi preciso conseguir mais recursos. Outro ponto positivo do espaço foi sua localização central e a dimensão da área expositiva. a aprovação do projeto também garantiu uma ajuda de custo fornecida pelo SESC da Esquina. E então foi tomada a decisão de inscrever. na impressão de um lote de flyers para divulgação e na sinalização da exposição por meio de textos adesivos. para que se pudesse mostrar como a exposição fora planejada. a cada dia. Nele. foram devidamente explanadas.

onde o visitante também podia colar o seu sticker. As partes 2. as marcas da exposição e a lista de participantes. A exposição ganhou uma área extra. Como é possível observar na Figura 17. que corresponde ao corredor do 2º andar do edifício. Dispostas em formas semelhantes ao mobiliário urbano. 4 e 5 tiveram grandes chapas de poliestireno fixadas.42 entidades e quatro delas patrocinaram a EXS 08. FIGURA 17 – PLANTA BAIXA DA EXPOSIÇÃO Fonte: Dos autores A parte 1 corresponde à parede do hall do 2º andar. 3. com cada uma mostrando uma atração diferente. A exposição apresentou os stickers recebidos. . bem como os artistas e seus envelopes. além de fotografias e materiais relacionados à Sticker Art. 3. A escolha foi feita com base principalmente no espaço disponível para a exposição. o corredor foi dividido em partes distintas. Um dos textos foi escrito pelo artista plástico Nelson Hohmann e o outro pelos organizadores. já que foi também disponibilizada a parede do hall do andar. e elas serviram como suportes para a colagem dos stickers. essas chapas abrigaram os combos. onde os stickers foram colados aleatoriamente. Nela foram adesivados dois textos explanativos.2 DETALHAMENTO DO PROJETO Dentre os quatro locais disponibilizados foi escolhido o chamado “Plano 1”. fazendo assim com que o projeto fosse executado de acordo com o planejado. As chapas localizadas na parede 5 eram uma área livre.

stickers. chamadas de “Id’s”. foram expostas doze fotos feitas pela artista gráfica Carolina Corção. o nome e o país de origem de cada artista. Além desse serviço da Yahoo!. elas mostravam.3 MEIOS DE DIVULGAÇÃO E CAPTAÇÃO DE MATERIAIS Antes mesmo da inscrição e da aprovação do projeto.com/exs08>. 2008. a terceira vitrine expôs materiais relacionados à Sticker Art. tendo como canal exclusivo a internet. entre as partes 3 e 4. 3. Em frente à parte 6. outros materiais foram expostos em três vitrines colocadas no corredor. flyers e cartazes. onde. Além das paredes. FIGURA 18 – FLICKR DA EXPOSIÇÃO Fonte: Disponível em: < http://flickr. como bottons. Acesso em: 26 jun. duas grandes embalagens recebidas com stickers foram expostas. praticantes da Sticker Art de diversos países foram convidados a enviar seus materiais. A parte 9 foi utilizada para expor alguns envelopes recebidos com para a EXS 08. após criar uma conta exclusiva. Diante da parte 9. Essas chapas. A principal ferramenta foi o Flickr (Figura 18). além de stickers. serviram para identificar os participantes. uma vitrine mostrou materiais promocionais da Expo Stickers. Um total de trinta e sete chapas menores foram fixadas nas paredes 7 e 8. Por fim. . um hot-site (Figura 19) foi criado para que se pudesse mostrar o projeto da exposição. porque. a organização da EXS 08 iniciou a divulgação do evento.43 Na parte 6.

44

FIGURA 19 – HOT-SITE DA EXPOSIÇÃO Fonte: < http://expostickers.org>. Acesso em: 08 mar. 2008.

Enquanto convites e contatos por e-mail movimentavam a rede, foi necessário contratar um serviço de Caixa Postal junto a uma agência dos Correios. Com a “Caixa Postal 941”, os packs foram recebidos durante aproximadamente quatro meses, entre dezembro de 2007 e abril de 2008. O sistema era simples: o artista interessado em participar enviava seus stickers e algumas informações pessoais. À medida que chegavam à Caixa Postal, uma imagem do pack era publicada no Flickr da exposição. A intenção era dar um feedback a quem enviou seu pack (Figuras 20 e 21) e também mostrar aos outros visitantes do site como estava sendo desenvolvido o projeto.

FIGURA 20 – EXEMPLOS DE PACKS RECEBIDOS PELA EXS 08: Charstarr (EUA) e Super.Rafaela (BRA) Fonte: Disponíveis em: <http://www.flickr.com/exs08>. Acesso em: 25 jul. 2008.

45

FIGURA 21 – EXEMPLOS DE PACKS RECEBIDOS PELA EXS 08: Un-Plugged (ING) e Delme (ING) Fonte: Disponíveis em: <http://www.flickr.com/exs08>. Acesso em: 25 jul. 2008.

3.4 PROJETOS SIMILARES A busca por projetos similares, feita na internet, encontrou vários eventos onde o tema principal era voltado à Sticker Art ou outra modalidade da arte urbana. Entretanto, esses eventos apresentaram conceitos diferentes do utilizado pela EXS 08. Os maiores eventos ligados à Sticker Art encontrados foram a Calcomaníaca e a Peel Here, mas ambos mostraram a Sticker Art como ela acontece nas ruas, em meio a combos, tags, desenhos e outros objetos presentes no cenário das ruas. A Calcomaníaca (Figura 22) foi um evento realizado em Buenos Aires (Argentina). Nos dias 8 e 9 de dezembro de 2007, no Espacio Soma, stickers de dezenas de artistas foram expostos. O local, um espaço cultural alternativo, recebeu centenas de visitantes que puderam ver as obras principalmente de artistas latinoamericanos. Essa exposição teve como destaque, além dos stickers, as apresentações de DJ’s.

FIGURA 22 – CALCOMANÍACA Fonte: Disponíveis em: <http://www.flickr.com/calcomaniaca>. Acesso em: 16 abr. 2008.

46 Uma semana antes, no dia 1º de dezembro, foi realizada a 3ª edição do Peel Here (Figura 23), em Los Angeles, nos Estados Unidos. Esse evento, que pelo terceiro ano consecutivo aconteceu na “The Ghetto Mansion”, ocupou as dependências do local com muitos stickers. Além disso, lambe-lambes, graffitis e outras intervenções também puderam ser vistas naquele evento.

FIGURA 23 – PEEL HERE Fonte: Disponíveis em: <http://www.flickr.com/vsqz>. Acesso em: 16 abr. 2008.

Fora os dois eventos já citados, é possível encontrar outros, como por exemplo: Tehran Sticker Combo (Irã), Expo End of The World (Chile), Slaptown (Estados Unidos), São Paulo Super Combo (Brasil), Stick my Vespa e Stick my Surfborad (Itália). Esses eventos caracterizam-se pela dedicação à Sticker Art, e assim como a Calcomaníaca, a Peel Here e a EXS 08, também foram divulgadas através da internet e receberam packs através dos correios. Geralmente organizados por praticantes da Sticker Art, e muitas vezes sem qualquer tipo de patrocínio, cada exposição ou combo organizado e realizado em cada parte do mundo fortalece o cenário dessa tão ainda jovem modalidade artística. São pequenos atos que não apenas unem os praticantes, através dos constantes envios de materiais, mas também fazem com que colar um sticker deixe de ser visto como algo contra os bons costumes, passando a ser considerado um tipo de manifestação artística.

3.5 ANÁLISE SINCRÔNICA A quantidade de eventos relacionados à Sticker Art está em crescimento. Entretanto, são poucos os que apresentam uma identidade visual própria. Na maioria

apenas um flyer digital é publicado em algum site ou Flickr. a Calcomaníaca e a Peel Here foram analisadas (Figura 24). Acesso em: 16 abr.com/29895271@N00/>. Nesse caso. FIGURA 25 – FLYERS DIGITAIS DE OUTROS EVENTOS Fonte: Disponíveis em: <http://www.47 dos casos. não existindo assim uma marca que represente a exposição. <http://www. .com/newcolony>.flickr. Acesso em: 25 abr.com/omino71>. Essa é a referência mais ligada à Sticker Art encontrada nas marcas analisadas. o combo ou seja qual for o evento. <http://www.flickr. <http://www. A procura por símbolos que pudessem ser classificados como ‘logomarcas’ de eventos ligados à Sticker Art resultou em uma quantidade baixa. podemos ver os flyers digitais (Figuras 25 e 26) coletados nos Flickrs e blogs de divulgação desses projetos. 2008.peelhere. <http://www.flickr. Dos outros eventos que também enfatizam o sticker. 2008. FIGURA 24 – LOGOMARCAS DE OUTROS EVENTOS Fonte: Disponíveis em: <http://www.net/>.flickr.com/expostreetart>.com/calcomaniaca/>. Percebe-se que a marca da Calcomaníaca buscou representar um adesivo “sendo preparado” para a colagem. sendo que o evento estado unidense utilizou dois modelos.flickr.

com/KSC/>.48 FIGURA 26 – FLYERS DIGITAIS DE OUTROS EVENTOS Fonte: Disponíveis em: <http://www. . Criou-se assim a necessidade da Expo Stickers 2008 ser representada por um sistema de identidade visual que realmente transmitisse o conceito da Sticker Art. < http://www.flickr.com/boomart>. Ao analisar estes materiais. percebeu-se a falta de uma identidade visual consistente para simbolizar um evento sobre stickers.kolahstudio. tema que será abordado no capítulo a seguir. 2008. O primeiro passo para a elaboração deste sistema de identidade visual foi a criação de uma logomarca para a EXS 08. Acesso em: 25 abr.

Aplicação das cores. Para atingir o resultado esperado. polêmica. encontrou-se a necessidade de criar uma identidade visual que representasse de maneira efetiva a Sticker Art. Geração do logotipo. Segundo Levi (2007). Na etapa de criação. pregnância. . objetivou-se criar uma logomarca condizente com os seguintes princípios: impacto. “Entende-se que o processo criativo é gerado com base nas experiências vividas. a logomarca é constituída pelo logotipo.1 CONCEITUAÇÃO Primeiramente. Sendo assim. Vale ainda afirmar que foram descartadas as idéias dos exemplos pesquisados. onde será caracterizada a personalidade da exposição. pois o objetivo foi criar uma logomarca com referência direta aos stickers. 4. A partir desta definição.69). conceitos absorvidos e imagens vistas”.49 4 CRIAÇÃO DE LOGOMARCA PARA A EXS 08 Após a análise sincrônica de exposições semelhantes à EXS 08. Para isso. o conceito da Sticker Art deve ser representado na logomarca. Validação. destaque e organização. contemporaneidade. abordando sua relação com a sociedade e a paisagem urbana. legibilidade. foi estabelecido um processo para desenvolver a logomarca da exposição. p. objetividade. comunicação. em especial no símbolo. foi necessário localizar uma definição de logomarca. pelo símbolo e pelas cores institucionais. A criação foi dividida nas seguintes etapas: Conceituação. o uso de um ou mais elementos cotidianos do meio urbano tornou-se indispensável. Geração do símbolo. Para Strunck (2001. Logomarca final. foi iniciado um processo de criação com enfoque no sticker.

p. p. que se aproxima do figurativo. . em signo. Estes conceitos. Segundo Strunck (2001. Peirce (2003. Assim. ou por desenhos estilizados. Peón (2000. São conceitos subjetivos. 2000. Já os figurativos são aqueles representados por desenhos bastante fiéis ao que pretendem representar. No caso da EXS 08. optou-se por uma linguagem de pictograma. 76) diz: “Qualquer coisa que conduz alguma coisa (seu interpretante) a referir-se a um objeto o qual ela mesma se refere (seu objeto).2 GERAÇÃO DO SÍMBOLO Símbolo é “um sinal gráfico que substitui o registro do nome da instituição” (PEÓN. simbólicos. 28). e assim sucessivamente ad infinitum”. Portanto.50 Esses princípios deveriam ser traduzidos por meio de elementos da logomarca. Os abstratos ocorrem quando os sinais não representam algo específico em um primeiro contato do público com a marca. de modo idêntico. p. Sobre o olhar do público-alvo. A função destes é causar um determinado impacto sobre as pessoas. 64) afirma: Uma das funções dos sistemas de identidade visual é a de agregar à imagem corporativa determinados conceitos que a valorizem junto ao seu público-alvo. por sua vez. os símbolos dividem-se em abstratos e figurativos. o passo seguinte foi a geração do símbolo. são construções do imaginário dos sujeitos daquele universo. p. transformando-se o interpretante.72). por sua vez. é inevitável citar a existência dos signos quando se trata da criação ou análise semiótica de uma logomarca. 4. influenciando diretamente seus olhares perante a imagem da exposição. Sobre o signo. que nem sempre é o mesmo do designer ou do próprio cliente. funções e elementos que serão necessários à logomarca. Agregar conceitos e aplicar uma linguagem que o público-alvo compreenda envolve a utilização de elementos estéticos pelo designer. que muitas vezes só fazem sentido naquele universo próprio. Ou seja: é preciso compreender a aplicar o código daquele universo. com vistas a propiciar uma comunicação mais rápida. chamados também de signos. Após esta conceituação acerca dos objetivos. é preciso compreender este universo e aprender a sua lógica para lançar mão de elementos que o exprimam de uma forma tão natural que leve a uma identificação também natural entre o público-alvo e o objeto.

a partir desta alteração. por exemplo. um símbolo quase universal de comunicação. Inicialmente. Com as cores branca (pictograma) e vermelha (fundo). a criação da marca da EXS 08 priorizou um visual limpo. a placa foi apresentada com um detalhe que incomodou algumas pessoas não familiarizadas com a Sticker Art. sem que ninguém saia prejudicado. FIGURA 27 – ALTERNATIVAS DE SÍMBOLO Fonte: Dos autores . A ausência de uma separação entre o suporte e a placa deixava uma possibilidade de que o observador entendesse que o personagem estaria colando um sticker na frente da placa. ainda que possa estar circundado por outros elementos com cores e formas diversas. Utilizando um pictograma. a figura central da marca se destaca perante o fundo. deixando à mostra uma grande variedade de cores e formas. na nova alternativa ficou claro que a aplicação do sticker pelo personagem seria feita no verso da placa. Mesmo com esse precedente da aglomeração de stickers. No verso de uma placa de rua. Limitado por cores chapadas. a idéia fundamental foi utilizar um elemento característico da paisagem urbana. mais especificamente uma placa de rua.51 Sendo assim. O principal objeto de análise foi a sinalização urbana. o símbolo da Expo Stickers 2008 ganha destaque em suas aplicações. o que seria algo negativo perante a sociedade. dezenas de stickers podem se aglomerar. Esse aprimoramento foi realizado. alvo freqüente de artistas urbanos. enfatizando tanto as cores quanto as formas escolhidas. e. o personagem representado na marca é uma referência direta ao ato de colar stickers.

sem serifa e de fácil leitura. legibilidade. objetividade e destaque.52 4. p.70) explica que logotipo é a maneira como se escreve o nome da marca. por meio de uma pesquisa de tipos. Acesso em 5 abr. Um logotipo sem legibilidade muitas vezes tende a transformar-se em um símbolo. visou-se utilizar uma tipografia moderna. que garante a visibilidade em meio às cores e formas.3 GERAÇÃO DO LOGOTIPO Strunck (2001. Como os caracteres foram utilizados apenas para a constituição do logotipo. não foi necessária a escolha de uma família tipográfica completa. envolvendo as características particulares das letras utilizadas para descrever este nome. FIGURA 28 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “SKY FONT THICK” Fonte: Disponível em: <http://www. O logotipo foi planejado com uma fonte espessa. o segundo logotipo (Figura 30) contém o nome por extenso do evento – “Expo Stickers 2008”. Assim. ficando disponível para ser utilizado em áreas horizontais. com ou sem o símbolo. Sendo assim. conferindo impacto. a fonte escolhida foi a Sky Font Thick (Figura 28).braineaters. O objetivo de um logotipo é que ele demonstre legibilidade.com>. 2008. com todos os caracteres em caixa alta. Foram criados dois logotipos: o primeiro (Figura 29) consiste na opção que contém somente a sigla “EXS 08”. FIGURA 29 – LOGOTIPO PARA SIGLA Fonte: Dos autores FIGURA 30 – LOGOTIPO POR EXTENSO Fonte: Dos autores .

4 APLICAÇÃO DAS CORES Após as etapas de geração do símbolo e logotipo. despertando sensações. Pedrosa (2003. quando utilizada de maneira indevida.53 4. no contexto em que são aplicadas.1 Vermelho Com relação aos princípios de impacto e destaque. . um grande número de cores não influi necessariamente de forma positiva na eficiência do sistema. As combinações cromáticas devem ser cuidadosas. 98) recomenda que um projeto de identidade visual utilize no máximo duas ou três cores institucionais. legibilidade. Além dos custos do projeto serem diretamente proporcionais ao número de cores. e da pesquisa simbológica nos livros de BARROS. p. como impacto. o preto e o branco. O uso das cores é de fundamental importância para representar e transmitir os conceitos pretendidos. decorrendo daí sua maior visibilidade em comparação com as demais [. PEDROSA e PASTOREAU. Retomando alguns princípios citados anteriormente.. pregnância. p. p. interesse e deslumbramento” (BARROS. a próxima fase se constitui na aplicação das cores institucionais nesses elementos. 107) afirma que o vermelho “Possui elevado grau de cromaticidade e é a mais saturada das cores. foi decidido que no símbolo da Expo Stickers 2008 seriam utilizadas duas cores. estas três cores satisfazem tais necessidades. Ficou definido que o símbolo seria vermelho e branco.]”. para que os objetivos da exposição fossem simbolizados de maneira clara e objetiva. Apesar da cor ser uma poderosa ferramenta para a transmissão das idéias. a cores escolhidas para a logomarca foram o vermelho. Sua presença no mundo visível exerce incontestável atração sobre nós. Sendo assim. 15). pode prejudicar a identidade visual. Péon (2000. o logotipo preto e a área de reserva branca. 2006. 4. objetividade e destaque. polêmica. Por meio de estudos de contraste e legibilidade.4.. “A cor é um fenômeno fascinante.

o vermelho passou a simbolizar a revolução proletária e é atualmente identificado como símbolo ideológico”. O alto contraste do branco com as demais cores utilizadas propicia a legibilidade da logomarca. 162) indica que além do perigo e da proibição. conclui-se que a cor vermelha. que é como uma promessa. detém. Pastoreau (1997. a transgressão dos tabus. proximidade. e representa com eficácia os anseios polêmicos e ideológicos presentes na Sticker Art. Dessa forma. p. no logotipo da logomarca. é uma “Cor que alerta. quando afirma que: “O branco é a cor da pureza. o vermelho é associado à paixão. Também sobre a característica polêmica desta cor. acessos proibidos. 202). Pedrosa (2003. zonas de prostituição). . Seu uso se justifica pela combinação harmônica com o vermelho e o branco.18). p.3 Branco O princípio de utilização da cor branca foi sua neutralidade e objetividade.54 Simbologicamente. aliada às formas do símbolo da logomarca. o vermelho às vezes parece ter uma função contraditória: proíbe e convida ao mesmo tempo”. No seu dicionário das cores. a atração. 109) comenta que: “A partir da Comuna de Paris. inquieta (presente nos sinais de trânsito. p. incita a vigilância. 4.2 Preto A cor preta foi aplicada na tipografia.4. satisfaz as necessidades de destaque e impacto.4. o vermelho costuma ser associado ao perigo e a proibição. cabe ressaltar a simbologia indicada por Pedrosa (2003. a expectativa de um fato a se desenvolver”. campo que não originou ainda uma cor definida. e pela legibilidade propiciada. ressaltando também a importância do vermelho no cenário político. luxo e a festa. p. 4. enquanto plano de fundo para o símbolo e o logotipo. Para Barros (2006. Entre os diversos significados atribuídos a esta cor.

5 VALIDAÇÃO Após a geração do símbolo e do logotipo. sendo 13 artistas urbanos e 7 profissionais da área de design. 85% declararam que o símbolo escolhido representa perfeitamente a exposição. FIGURA 31 – LOGOMARCA ESCOLHIDA Fonte: Dos autores .42). paz e o grau zero da cor. simplicidade. tema do próximo capítulo. o passo seguinte será a apresentação da logomarca (Figura 31) e suas especificações de uso. 4. a logomarca da EXS 08 foi apresentada oficialmente a 20 pessoas. Com relação às cores. p.6 LOGOMARCA FINAL Com a logomarca escolhida. 4. 80% consideraram que o vermelho foi bem escolhido para representar o evento. o branco pode significar neutralidade. tratando diretamente do símbolo. Questionados a respeito das formas utilizadas. discrição.55 Para Pastoreau (1997.

56 5 ESPECIFICAÇÕES PARA O USO DA LOGOMARCA Definida a logomarca. Fonte: Dos autores . além de estabelecer um módulo dimensional que guiará todas as outras dimensões da marca em suas aplicações. algumas regras foram estipuladas para facilitar e padronizar a reprodução e as aplicações da mesma. FIGURA 32 – GRADE DE CONSTRUÇÃO DA LOGOMARCA Nota: “y” representa uma medida qualquer como exemplo de escala. 5.1 GRADE DE CONSTRUÇÃO A inserção da logomarca em uma grade de construção (Figura 32) tem como objetivo delimitar os alinhamentos dos elementos que a compõem.

FIGURA 34 – PALETAS DE CORES INSTITUCIONAIS Fonte: Dos autores . FIGURA 33 – ÁREA DE RESERVA Nota: “x” representa uma medida qualquer como exemplo de escala. ficando assim livre de interferências de elementos externos. Fonte: Dos autores 5.3 CORES Para evitar variações de cores nos diversos tipos de suportes. foram definidas paletas de cores institucionais (Figura 34) nas escalas CMYK e RGB.2 ÁREA DE RESERVA A área de reserva (Figura 33) visa garantir a segurança e a integridade da logomarca.57 5.

quando não for possível o uso das cores institucionais.3. a cor preta dá lugar ao vermelho institucional. a logomarca não deverá ser reproduzida em escala de cinza. FIGURA 35 – VERSÃO ESCALA DE CINZA Fonte: Dos autores 5. utilizando apenas a cor preta. Dessa forma.2 Monocromia A versão monocromática (Figura 36) permite a utilização da marca em vermelho. FIGURA 36 – VERSÃO MONOCROMÁTICA Fonte: Dos autores . Nesse caso.1 Escala de cinza Ficou definido que.3.58 5. a aplicação deverá ser feita em uma versão monocromática (Figura 35).

com estampas. a marca deverá ser inserida sobre um fundo preto. FIGURA 38 – APLICAÇÃO DA LOGOMARCA COM ÁREA DE RESERVA Fonte: Dos autores .4 FUNDOS COLORIDOS A aplicação da logomarca original não deve ocorrer sobre fundos nas cores institucionais. desde que ocorra quando o material impresso for preto e branco. a mesma deve ser aplicada obrigatoriamente em fundo branco.3. sobre fundos com tonalidade acima de 40% ou sobre fundos que provoquem contrastes que prejudiquem a legibilidade da marca.59 5.3 Negativo Além da versão monocromática está autorizada a aplicação da marca em negativo (Figura 37). Dessa forma. com a área de reserva (Figura 38). Caso haja a necessidade de utilizar a logomarca em fundos variados. FIGURA 37 – VERSÃO MONOCROMÁTICA EM NEGATIVO Fonte: Dos autores 5.

FIGURA 39 – APLICAÇÃO DA LOGOMARCA SOBRE FUNDOS CLAROS Fonte: Dos autores 5. com percentual de cor inferior a 40%. Nesse caso.60 Sobre fundos claros. FIGURA 41 – POSICIONAMENTO SECUNDÁRIO DA LOGOMARCA Fonte: Dos autores .5 REDUÇÃO A fim de não prejudicar a legibilidade do nome “EXS 08”. FIGURA 40 – REDUÇÃO MÁXIMA DA LOGOMARCA Fonte: Dos autores 5. sendo estes nuanças de suas cores institucionais ou de cores que combinem. apenas o símbolo deverá ser utilizado. a logomarca pode ser aplicada nas cores originais sem fundo branco (Figura 39). está autorizada a modificação demonstrada na Figura 41. foi definido que a marca não deve ser reduzida abaixo da dimensão horizontal mínima de 10mm (Figura 40).6 POSICIONAMENTO SECUNDÁRIO Em casos de impossibilidade ou inadequação da aplicação da logomarca no seu posicionamento original.

o capítulo a seguir apresentará os materiais desenvolvidos para a Expo Stickers 2008.61 5. recomenda-se o uso das fontes “Tahoma” (Figura 43) ou “Trebuchet MS” (Figura 44). 2008. 5.dafont. FIGURA 43 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “TAHOMA” Fonte: sistema Microsoft Windows FIGURA 44 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “TREBUCHET MS” Fonte: sistema Microsoft Windows Apresentada a logomarca oficial e as orientações para o seu uso.8 ALFABETOS INSTITUCIONAIS Para os textos complementares. com alterações de espaçamento. FIGURA 42 – FAMÍLIA TIPOGRÁFICA “SKY FONT THICK” Fonte: Disponível em: <http://www.com>. que acompanharão a logomarca em diversos materiais.7 TIPOGRAFIA DO LOGOTIPO A família tipográfica utilizada para a formação do logotipo refere-se à família catalogada como “Sky Font Thick” (Figura 42). Acesso em: 5 abr. .

O posicionamento deve obedecer uma das quatro orientações: sozinho (A). a logomarca tem uma parte tipográfica complementar. FIGURA 45 – MARCAS AUXILIARES Fonte: Dos autores Para as cinco marcas auxiliares. buscou-se atender os seguintes requisitos: eficácia na comunicação com o público-alvo. que pode ser utilizada quando for necessário mostrar o nome da exposição por extenso. Para que o projeto gráfico fosse eficiente. . que são: lixeira.62 6 DESENVOLVIMENTO DOS MATERIAIS GRÁFICOS PARA A EXS 08 A criação e o desenvolvimento de materiais de divulgação e apoio fizeram parte do projeto gráfico da Expo Stickers 2008. onde foram identificados stickers colados nestes equipamentos urbanos. ao lado direito de um único símbolo (B). Como material de apoio. Nos modelos utilizados há a representação de outros itens do mobiliário urbano. criadas de acordo com as mesmas orientações feitas para a marca oficial. utilizando a mesma fonte da logomarca oficial. acima ou abaixo dos seis símbolos (B). nos stickers e nos bottons. enquanto que para divulgação os materiais foram: flyer. São outros cinco modelos empregados na sinalização. que deverão estar dispostos horizontalmente (Figuras 46 a 48). placa e telefone público. mini shelter. stickers. foram desenvolvidos os adesivos utilizados na sinalização da exposição. A inserção dos novos itens foi baseada na observação da paisagem urbana. flyer digital. viabilidade técnica e econômica de reprodução gráfica e distribuição. Alguns itens feitos apresentam marcas auxiliares (Figura 45). carimbo e hot-site. bottons. Esse complemento deve ser escrito. shelter (dois modelos). Além da representação por meio das marcas auxiliares. o pictograma ganhou novas ações e uma versão feminina. cartazes.

. Como os flyers seriam o maior meio de divulgação palpável. já que ocorreram várias sobreposições. Além da desordem aparente.63 FIGURA 46 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO A Fonte: Dos autores FIGURA 47 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO B Fonte: Dos autores FIGURA 48 – COMPLEMENTO TIPOGRÁFICO C Fonte: Dos autores 6. em meio a cores e formatos diversos. foi permitido que os responsáveis pela exposição enviassem o leiaute do material a ser impresso. buscou-se passar a idéia dos combos. a impressão dos flyers ficou sob responsabilidade do SESC da Esquina.1 FLYER Conforme dito anteriormente. Mas. optou-se pelo leiaute mostrado na Figura 49. A proximidade entre os stickers utilizados no flyer chega a atrapalhar a visualização de cada um. que são característicos da Sticker Art. como a intenção foi de justamente mostrar a união desta modalidade. Mesmo assim. esse amontoado de stickers mostra também a interação que existe entre os que colam seus pequenos adesivos pelas ruas.

.FRENTE Fonte: Dos autores Devido ao processo de impressão ter ficado a cargo do SESC da Esquina. que informou os organizadores da exposição que um membro da equipe do SESC iria modificar o verso do flyer. sendo que o primeiro (esquerda) foi o desenvolvido pelos organizadores e o segundo (direita) foi o modelo impresso. Na Figura 50.64 FIGURA 49 – FLYER . Então. o leiaute inicialmente criado não foi o enviado para a gráfica. foram feitas algumas mudanças no verso do flyer. Essa mudança se deve a normas da instituição. pode-se ver os 2 modelos do verso do flyer.

MODELO CRIADO E MODELO IMPRESSO Fonte: Dos autores Este material foi impresso no processo off-set. blogs e enviado por correio eletrônico. foi feito na horizontal. com dimensões de 138 x 212 mm. 6. esse flyer (Figura 51) foi publicado em alguns sites. A grande diferença está no formato que.2 FLYER DIGITAL O flyer digital utilizou os mesmos stickers presentes no flyer impresso.65 FIGURA 50 – FLYER – VERSO. para uma melhor visualização na tela. em papel couché 250g. FIGURA 51 – FLYER DIGITAL Fonte: Dos autores . Com medidas de 680 x 458 pixels.

66 Além do flyer digital. O cartaz em A3 utilizou os stickers e na parte inferior mostrou uma faixa com as informações básicas sobre a exposição bem como as marcas dos patrocinadores. respectivamente. Ambos foram distribuídos e fixados exclusivamente em instituições de ensino. em dois tamanhos. FIGURA 52 – DIVULGAÇÃO NO MEIO VIRTUAL Nota: As imagens divulgaram o Natal e as datas da exposição. Fonte: Dos autores 6. como pode ser observado na Figura 52. Um em tamanho A3 (297 x 420 mm) e outro com um tamanho diferenciado (99 x 420 mm).3 CARTAZES Para a divulgação do evento também foram desenvolvidos e impressos dois modelos de cartazes (Figura 53). FIGURA 53 – CARTAZES Fonte: Dos autores . a divulgação do evento no meio virtual teve o uso de outros materiais digitais produzidos pelos organizadores.

Cada um foi confeccionado em formato circular com diâmetro de 25 mm. a mudança foi a utilização das marcas alternativas no lugar dos stickers. conforme demonstrado nas Figuras 54 e 55. FIGURA 54 – LEIAUTE DO BOTTON – DIÂMETRO E ÁREA DE RESERVA Fonte: Dos autores FIGURA 55 – BOTTONS PRODUZIDOS Fonte: Dos autores . Por ser feito em um tamanho menor. sendo necessária uma margem de reserva de aproximadamente 5 mm. para a fixação do material impresso ao suporte metálico. a intenção foi destacar as marcas e seus pictogramas. para que assim o cartaz não corresse o risco de passar despercebido em meio aos outros.4 BOTTONS Os bottons desenvolvidos apresentaram a marca da EXS 08 (principal ou auxiliar) na frente e o endereço do Flickr da exposição na borda interna. 6.67 No modelo diferenciado.

5 STICKERS Os stickers da EXS 08 foram produzidos de duas formas distintas e em dois momentos. os adesivos foram feitos tendo como técnica base o stencil (Figura 56). sendo assim enviados por carta para outros adeptos da Sticker Art. As cores utilizadas foram o “Vermelho Ferrari” (adesivo vinílico) e o branco (spray). que se baseia na aplicação de tinta (spray) através de um molde vazado sobre adesivo vinílico. FIGURA 60 – STENCIL PARA PRODUÇÃO DE STICKERS DA EXS 08 Fonte: Dos autores O tamanho de cada sticker era de 70 x 70 mm. No primeiro lote. Esses stickers foram utilizados principalmente para divulgação em outras cidades (Figura 57).68 6. FIGURA 57 – STICKERS DA EXS 08 EM OUTRAS CIDADES Fonte: Dos autores .

os modelos também mudaram.69 O segundo lote de stickers com a marca da EXS 08 foi feito em serigrafia (Figura 58). 6. Devido à facilidade de montagem. FIGURA 59 – MINI SHELTER MONTADO Fonte: Dos autores . para que a qualidade final fosse melhor que do anterior. criou-se então um mini shelter (Figura 59). Os seis modelos da marca foram utilizados e cada sticker ganhou a inscrição “EXS 08”.6 MINI SHELTER Como a Sticker Art tem uma das suas bases na interatividade. foi decidido criar um toy art. já que esses novos seriam utilizados em packs promocionais e nos painéis da exposição. A diferença principal está na técnica. Além disso. já que para a serigrafia é necessário uma tela devidamente preparada e tinta vinílica. FIGURA 58 – SERIGRAFIA Fonte: Dos autores Tanto o tamanho quanto as cores utilizadas nesses novos modelos foram os mesmo de antes.

o hot-site utilizou stickers para a função de ícones. o mini shelter foi disponibilizado para download.8 HOT-SITE O hot-site. Ainda durante o processo de recebimento de packs para a exposição. Utilizado para marcar o endereço do Flickr em stickers e envelopes. Quando a lista de participantes foi fechada. Tendo como base duas imagens de Curitiba.7 CARIMBO Foi criado um carimbo (Figura 60) para a EXS 08. Além de também ser disponibilizada para download. criado para a divulgação do evento. deixando assim os menus com a aparência de pequenos combos. . FIGURA 60 – LEIAUTE DO CARIMBO Fonte: Dos autores 6. 120g preferencialmente. essa versão foi distribuída junto com alguns packs promocionais distribuídos pela organização durante a exposição. 6. foi desenvolvido em quatro idiomas.70 Esse item foi desenvolvido para ser impresso em papel A4. e em qualquer impressora. contendo o nome de todos os artistas. ele foi produzido em madeira e borracha por uma empresa especializada. o toy recebeu na parte de trás uma lista.

Na parte esquerda. Essas imagens mostravam as opções de idiomas do site: português. tanto no hall quanto no corredor. uma lista com os nomes de todos os participantes também foi adesivada. a parede foi dividida em duas partes. junto com o logotipo "Expo Stickers 2008". o hot-site mostrava um novo menu. foram utilizados textos e indicações adesivadas nas paredes e colunas do 2º andar do SESC da Esquina. dessa vez com stickers reais que foram escolhidos para exercer a função dos botões (Figura 62). No hal l (Figura 63). foram colocadas as seis marcas da exposição (oficial e auxiliares). Logo abaixo.10 ADESIVOS Para uma melhor ambientação e sinalização. FIGURA 61 – PÁGINA INICIAL DO HOT-SITE Fonte: Dos autores FIGURA 62 – TELAS DO HOT-SITE Fonte: Dos autores 6.71 Na página inicial (Figura 61). inglês. . os ícones foram representados por imagens criadas pelos organizadores. alemão e francês. Após escolher o idioma.

Um escrito pelos organizadores e outro por Nelson Hohmann. FIGURA 63 – PAREDE DO HALL DE ENTRADA Fonte: Dos autores No corredor. os adesivos foram utilizados apenas como complemento visual.72 O lado direito da parede mostrou dois textos. "SESC da Esquina" e "Curitiba . FIGURA 64 – COLUNA ADESIVADA Fonte: Dos autores .org". Toda essa parte utilizou textos em preto. as inscrições "expostickers. Brasil". já que as colunas (Figura 64) haviam sido pintadas de vermelho. artista plástico convidado pelo SESC da Esquina a escrever um texto crítico sobre a EXS 08. Fixadas nas colunas. foram produzidas em adesivo branco.

site. Foi um evento que envolveu uma grande quantidade de pessoas. Cerca de dois meses após o começo da divulgação chegou o primeiro pack. onde artistas do mundo todo foram convidados a participar. Com os recursos ofertados pelo SESC foram adquiridas dez chapas de PS. de captação de stickers. respectivamente. 7. Foram recebidos packs de 170 artistas. Desses. com 62. mídias impressas. direta e indiretamente. sendo oito na . Parte dos stickers foi distribuída aos visitantes da exposição e às crianças que participaram da oficina realizada no SESC da Esquina. Brasil e Inglaterra foram os países mais representativos. ou PS. Ao todo. 7. de 4 continentes. com dimensões de 100 x 200 cm. a maior parte foi utilizada diretamente na EXS 08.73 7 A EXPOSIÇÃO Durante sete semanas. era necessário enviar um pack para a “Caixa Postal 941” junto com os dados pessoais – apelido. Nesse período. em visitas guiadas e em uma oficina realizada nas dependências do SESC. mas não somente nos painéis. como suporte. mas também em sites.2 MONTAGEM O projeto da Expo Stickers 2008 foi firmado na colagem dos stickers em chapas de poliestireno. foram recebidos mais de oito mil stickers. Estados Unidos. 42 e 10 artistas. a Sticker Art foi divulgada não apenas através das instalações da exposição. Brasil. levou pouco mais de quatro meses para ser concluído. Esse processo. cujo remetente era de Porto Alegre. Logo em seguida teve início a divulgação do evento no site e no Flickr da exposição.1 INÍCIO A EXS 08 teve início quando foi contratado o serviço de Caixa Postal em uma agência dos Correios em Curitiba. cidade e país. Artistas que começaram há pouco tempo na Sticker Art dividiram espaço com outros já conhecidos em vários países. Para tal. a Expo Stickers 2008 esteve aberta ao público no SESC da Esquina.

iniciou-se a montagem da exposição. quase todas as chapas pretas e brancas precisaram ser cortadas para que os painéis inicialmente projetados pudessem ser montados. a colagem dos stickers. A organização foi necessária para que se tivesse o cuidado de colar os materiais de todos os artistas nos painéis que representavam os combos. O local. além do país de origem. Além disso. Essa etapa consistiu apenas na marcação e nos cortes. Com exceção das vermelhas. que já havia sido devidamente pintado nas cores branca e vermelha. para que os visitantes pudessem conhecer os stickers de determinado artista. apesar da aparente confusão visual vista observada na maioria dos painéis. Com as chapas nos tamanhos adequados. foram adquiridas nove chapas de 52 x 40 cm. que ocorreu de forma organizada. passou a abrigar os suportes para os stickers. FIGURA 65 – MONTAGEM DA EXPO STICKERS 2008 Fonte: Dos autores . Com a cor vermelha.74 cor preta e duas na cor branca. uma parte da exposição teve painéis com stickers identificados. que foram fixados nas paredes com fita dupla face. A última parte da montagem foi a que definitivamente mostrou o que seria o assunto da exposição.

Alguns deles colaram um ou mais stickers no painel reservado para intervenções livres. aos visitantes. 7. Além da Expo Stickers 2008. O processo de montagem foi feito durante três noites. com uma duração total de aproximadamente 25 horas. Nessa oportunidade. com 5 stickers cada. fotografias. “Os céus velam minhas mortes contínuas (Gabriele Gomes). “Intervenção De-corativa” (Clarissa Costa) e “Desenhos para situações variáveis” (Patrícia Stuart) passaram a ocupar os espaços expositivos do edifício. FIGURA 66 – NOITE DE ABERTURA DA EXPOSIÇÃO Fonte: Dos autores .3 ABERTURA Na noite de 17 de abril. foram distribuídos 50 packs. uma quinta-feira. “Corpo Urbano” (Luana Navarro). packs e materiais relacionados à Sticker Art também foram expostos.75 Completando a exposição. foram abertas cinco exposições no SESC da Esquina.

FIGURA 67 – OFICINA PARA CRIANÇAS Fonte: Dos Autores Com a utilização de papéis adesivos e materiais para desenho. 66). agregando um conceito educativo à exposição. para que pudessem colar suas pequenas obras de arte.4 OFICINA Durante o período da exposição. Em seguida. uma sala especial onde tarefas práticas são desenvolvidas. o que mais prendeu a atenção foi a parte prática.PR. chegou até a EXS 08. Após visitar as outras quatro exposições. as crianças viram as instalações e ouviram explicações a respeito do que estavam vendo. cada participante ganhou um pack com alguns stickers recebidos para a exposição. p. Um breve conteúdo teórico foi passado a eles. Ao final da oficina. porque proporciona a construção do conhecimento” (MATIAS. cada participante teve a oportunidade de criar o seu sticker. o grupo. Lá. Porém. caracterizando-a como: “evento utilizado pela área educacional. 2001. Finalizada essa atividade. o grupo formado por professores e crianças entre 5 e 16 anos teve contato com a Sticker Art. técnicas de produção e meios de colagem. o grupo foi encaminhado ao painel próprio para os visitantes. como canetas hidrocor e lápis de cor. .76 7. Durante 50 minutos. abordando à história dos stickers. guiado por duas monitoras do SESC da Esquina. Nesse local foi realizada uma oficina (Figura 67). todos foram encaminhados à “Experimentoteca”. foi realizada uma oficina para alunos de uma escola da cidade de Porto Amazonas .

Na internet. Feita através de correio eletrônico e por intermédio de Aroldo Cardoso Júnior. exibido também em inglês. Acesso em: 25 jul. colaborador da revista digital. <http://www. a utilização de materiais feitos pelos organizadores ajudaram a atingir um maior número de artistas e interessados na Sticker Art. No site japonês “Ping Mag” (Figura 69).br>.77 7. foi publicada uma entrevista virtual com os organizadores.collecta. .jp>. o que contribuiu para o conhecimento da Sticker Art no Brasil e em outros países.5 EXS 08 NA MÍDIA A Expo Stickers 2008 foi divulgada e repercutiu tanto na internet quanto na mídia impressa. a matéria mostrou uma conversa informal a respeito da Sticker Art e da exposição.com.monovolume.com. FIGURA 68 – SITES E BLOGS DE DIVULGAÇÃO Fonte: Disponível em: <http://www. FIGURA 69 – PING MAG Fonte: Disponível em: <http://www.br>. Acesso em: 25 jul. Neles. 2008.com>.maissoma. 2008. <http://www.blogspot.pingmag. alguns sites e blogs divulgaram a realização do evento no SESC da Esquina.

. diversos artistas aplicaram seus stencils em uma das ruas da cidade. 2008. edição n° 24 O Cans Festival foi um evento organizado pelo artista Banksy e realizado em Londres. FIGURA 70 – CAPA E PÁGINA INTERNA DA REVISTA ABCDESIGN Fonte: abcDesign. na Inglaterra. com uma matéria feita pelo jornalista Claudio Yuge. Na matéria “A cidade é uma tela em branco”. “O que estes dois eventos tão distantes têm em comum? São tributos a esta que pode ser considerada a arte mais democrática atualmente: a street art” (GUIMARÃES. citando dois eventos. o jornal Folha de Londrina e a revista abcDesign também fizeram publicações relacionadas com a Expo Stickers 2008. p. onde tratou diretamente da arte urbana. Neste. a jornalista relacionou a Expo Stickers 2008 com o Cans Festival. A Folha de Londrina. em três dias. a EXS 08 e o Cans Festival. mostrou um pouco da entrevista feita com os organizadores no SESC da Esquina. Já a revista abcDesign (Figura 70) publicou a matéria “A cidade é uma tela em branco”. 24).78 Na mídia impressa.

as especificações dos materiais: 8. foi feito um levantamento de custo.00 Material: cartaz alternativo • • • • • Tiragem: 30 cópias Formato: 99 x 420 mm Papel: couché 120 g/m² Cores: 4x0 Acabamento: refile Custo: R$ 36. Para os flyers. Para a maioria dos materiais de divulgação. A seguir . com alta tiragem. como o stencil e a serigrafia. com baixa tiragem.00 .79 8 ORÇAMENTOS Para a produção dos materiais gráficos impressos relativos á exposição. Alguns materiais custeados pelo SESC da esquina. como os textos adesivados. ambos para a produção dos stickers de divulgação da EXS 08. foi consultada uma gráfica off-set.1 IMPRESSÃO DIGITAL Material: cartaz A3 • • • • • Tiragem: 30 cópias Formato: 297 x 420 mm Papel: couché 120 g/m² Cores: 4x0 Acabamento: refile Custo: R$ 108. não foram inclusos neste levantamento de dados. Ainda foram utilizados outros processos. foi consultada uma gráfica especializada em impressão digital.

2 IMPRESSÃO OFF-SET Material: flyer • • • • Tiragem: 500 unidades Formato: 138 x 212 mm Papel: couché 250 g/m² Cores: 4x1 Custo: R$ 625.00 8.80 Material: botton • • • • • Tiragem: 200 unidades Formato: circular com 25 mm diâmetro Papel: couché 90 g/m² Cores: 1x0 Acabamento: suporte metálico com fecho de alfinete Custo: R$ 140.2 SERIGRAFIA Material: stickers • • • • • Tiragem: 200 unidades Formato: 70 x 70 mm Material: adesivo vinílico vermelho Técnica: Tinta vazada através de uma tela preparada Cores: 1x0 Custo: R$ 40.00 .00 8.00 Material: mini shelter • • • • Tiragem: 50 unidades Formato: 210 x 297 mm Papel: off-set 120 g/m² Cores: 2x0 Custo: R$ 90.

Valor que. não foram inseridos neste orçamento. indica a necessidade de apoios e patrocínios. somado aos custos da estrutura física da exposição. foram utilizados na divulgação da exposição.81 8. Os custos relativos à estrutura física e apoio da exposição. como chapas de PS. .00 Estes materiais. O custo total do material de divulgação foi de R$ 1. e à característica não lucrativa da mesma. locação da caixa postal e adesivagem. fitas dupla face. citados anteriormente. impressão de fotografias.3 STENCIL Material: stickers • • • • • Tiragem: 200 unidades Formato: 70 x 70 mm Material: adesivo vinílico vermelho Técnica: Tinta spray através de um molde vazado Cores: 1x0 Custo: R$ 25.064. carimbo.00.

mas também cria espaços para novos argumentos de quem defende ou mesmo condena essa crescente ocupação do mobiliário urbano. Ao mesmo tempo. onde apesar das diferenças. nas ruas. Mais do que . Foi visível a confiança depositada nos organizadores. Espanha e Brasil. da rede de contatos criada durante o desenvolvimento do projeto. como Estados Unidos. formas e conceitos. ainda que inconscientes. residindo em cidades de países distantes. marcado pela troca e interação que movimenta e reforça conceitos ao redor do mundo. Artistas de locais já esperados. juntamente a outros de locais menos óbvios. um princípio básico da Sticker Art. de distintas culturas. modalidade artística.82 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante de um cenário globalizado. nota-se a existência de conceitos semelhantes. A interação. Na criação da identidade visual do evento. se mostra também na exposição. Nele encontram-se impregnados valores que vão além da pequena dimensão de um papel adesivo. onde combos tentam mudar o visual saturado dos grandes centros. porém marcante. os objetivos passam a ser os mesmos – se expressar de alguma forma. seus princípios tornam-se mais claros. protestos. Pessoas com diferentes habilidades artísticas. principalmente. mas quando analisado em profundidade. a EXS 08 ainda se mantém em ativa através de outros espaços expositivos e. Um sticker colado na paisagem urbana a primeira vista parece uma transgressão. Israel e Taiwan. contribuíram muito para que o evento atingisse uma magnitude não imaginada previamente. Finlândia. conseguem formar um diálogo coerente através dessa efêmera. devaneios e criações aleatórias se misturam e criam um ciclo. resultando em uma arte democrática e sem fins lucrativos. a Expo Stickers 2008 busca mostrar um pouco mais da Sticker Art que acontece no Brasil e em dezenas de outros países. criticar ou amenizar as atribulações rotineiras das pessoas. Mesmo tendo o seu período principal encerrado em junho. Inglaterra. é possível perceber que. através de cores. Sonhos. como Irã. a utilização de cores e formas livres se unem a conceitos acadêmicos que buscam manter a unidade dos elementos. Os stickers não representam apenas um símbolo ou um personagem feito à mão por algum artista. Este evento não apenas aumenta a visibilidade dessa modalidade artística.

Outras entidades deram seus votos de confiança e ajudaram financeiramente. voltados para a arte urbana. Mesmo assim. um projeto futuro consiste na elaboração e publicação de um catálogo ou um livro referente à exposição. assim. Além do que já foi obtido. mesmo antes do encerramento oficial da edição 2008. onde a voluntariedade dos organizadores foi a tônica do projeto. dando ênfase à arte. Quando da realização da Expo Stickers 2008. o SESC da Esquina teve um papel essencial para que a exposição pudesse ser colocada em prática. mantenham ativas iniciativas como essas. a instituição também contribuiu com uma ajuda de custo e com materiais de apoio e divulgação. quanto as pessoas e empresas que contribuíram para o sucesso da exposição. que entenderá o avanço desses pequenos trabalhos artísticos como um capítulo representativo. Amazing Company. Inconstancia e IdMark se juntaram aos artistas que enviaram seus trabalhos e contribuíram para que a exposição alcançasse suas metas.83 isso. foi necessária uma busca por recursos adicionais. o evento e todos esses artistas fizeram com que a Sticker Art mundial criasse um novo foco. espera-se também que outros artistas e outras entidades passem a contribuir para o avanço da educação. Tecnolach. . Essas contribuições podem ocorrer pela realização. foi necessária a busca por recursos que viabilizassem o evento. Junto a eles. estará sendo criada uma onda de conhecimento. contribuir para que se ajude a desenvolver a ainda carente bibliografia sobre a Sticker Art. que está diretamente ligado à Expo Stickers 2008. Visando. já que o projeto para a edição 2009 desse evento já está em andamento. Levando em consideração o caráter independente do evento. A parte que cabe aos organizadores da EXS 08 está garantida. uma legítima manifestação artística que expressa a criatividade e a velocidade que fazem parte do atual momento sócio-cultural. apoio e patrocínio à organização de eventos e pelo desenvolvimento de projetos relacionados à pesquisa ou ao ensino de artes. Dessa forma. Espera-se que tanto este Trabalho de Diplomação. além de oferecer seu espaço físico para a realização de eventos culturais independentes. em especial à Sticker Art. porque. colocando Curitiba na movimentada rota dos packs.

ed. GUIMARÃES. São Paulo. 3. A.27. Organização de eventos: procedimentos e técnicas. ed. 2000.84 REFERÊNCIAS BARROS. A imagem da palavra: retórica tipográfica na pósmodernidade. PASTOREAU. Museu de Arte Moderna de São Paulo. A cidade é uma tela em branco. 2006. ed. A história da arte. Rafael. FERREIRA. Ernst Hans Josef. 2004. 16. 1997. Lilian Ried Miller. BIESENBACH. 24 .24. 2001. São Paulo: Editora Senac. GRUSZYNSKI. D. Curitiba. São Paulo: Manole. São Paulo: Edgard Blücher. Rio de Janeiro: DP&A. A cor no processo criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria de Goethe. H. M. Teresópolis: Novas Idéias. Ana Cláudia. 2007. . Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e sociedade. jun. Uma introdução à história do design. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. AbcDesign. Stuart. 2000. Português. 2008. HALL. MATIAS. Curitiba: Positivo. Michel. A. 2006. CARDOSO. Lisboa: Editorial Estampa. Klaus. p. GOMBRICH. n. 11. Isabel. São Paulo: LTC Editora. B. A identidade cultural na pós-modernidade. Andy Warhol motion pictures: catálogo: de 16 de junho a 14 de agosto de 2005.

Israel. 7. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura.org. Folha de Londrina. 17. Lucia. . Rio de Janeiro: Editora Vozes. Elizabeth Seraphim. Na cola da sticker art. CECHINEL. Charles S. Arte de rua e artes gráficas: paralelos e Influências. SANTAELLA. São Paulo: Paulus. In: ARTE DE RUA. YUGE. 9. TELLES. Anais do IV FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE: Curitiba: ISSN 1809-2616. Acesso em: 10 jun. São Paulo: Editora Perspectiva. PEIRCE. 2006. Artista urbano anônimo. O que é semiótica. ed. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO.banksy. 2000. Disponível em: <http://www. Referências eletrônicas: BANKSY. Maria Luísa. 2008. 2007. São Paulo: Editora Leo Christiano. 2008. 2006.85 PEDROSA. Semiótica. Londrina. CARICATURA E GRAVURA: CRÍTICA E POLÍTICA. Vanguarda européia e modernismo brasileiro. Gilberto Mendonça. p. 6.uk>. Ivan Ordonha. Folha dois. 2003. PROSSER. ed. Acesso em: 10 jun. 2003. SANTAELLA. Mercado e Comunicação na Sociedade Digital. Mundo Jovem. São Paulo: Editora Brasiliense. Disponível em: <http://www. Da cor a cor inexistente.br/>. 2003. 2002. 2001. ed. Gilberto Luiz. Sistemas de identidade visual. STRUNCK. C. 2008.co. Curitiba. Rio de Janeiro: Rio Books.intercom. A cidade como suporte da arte de rua em Curitiba: uma perspectiva sociológica e antropológica. 23 mar. 30. 1989. 4º. Santos. CD-ROM. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. PEÓN. Rios de Janeiro: 2AB. Lucia.

Disponível em: < http://g1. 2008. 2008. Flávio. FOLHA ONLINE. LEITE. Acesso em: 15 jun.com/jornal/modules/articles >. Biblioteca on-line de ciências da comunicação. 2008. .com>.webinsider.com/jornal/modules/articles>.com.macvirtual. PORO.br>. Acesso em: 02 jun. 2007. Francisco Cardoso. diz especialista. 2008. 2008. Disponível em: <http://jornalaside. UOL. PECCININI.br>. Placas de trânsito servem de galeria para artistas urbanos.giant. no poste. Disponível em: <http://www. Acesso em: 05 mai. LEVI. 2005. Disponível em: <http://jornalaside. Disponível em: <http://www.usp. Acesso em: 16 jul. O lugar da criação. Disponível em: <http://obey. Acesso em: 20 mai.usp. Luciana de A. Rosa Maria. BOCC. RIBEIRO. São Paulo. Acesso em: 28 jun.net>. onde você quiser. A arte de colar stickers.folha.poro.com. Arte | É no muro. Acesso em: 15 jul. 2008. Daisy V. Acesso em: 28 jun.4ª SOPCOM. Arte | Sticker: o pós-grafite.redezero. G1. JORNAL A-SIDE. “Grupos são forma privilegiada de organização”. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. nov.86 JORNAL A-SIDE.zip. Disponível em: <http://www.ubi.br>.bocc. Intervenções urbanas e ações efêmeras. 2008. A criação de identidade visual em etapas definidas. MAC.mac.pt/>. 2008.org>.globo. Livro de Atas . M. Acesso em: 01 jun. 2008. R.uol. LIMA. Disponível em: <http://www. Disponível em: <http://www. OLIVEIRA.br>. Pós-Moderno: a problemática do pós-moderno no campo artístico. Disponível em: <http://www.. 2008. Acesso em: 20 mai.

Botton – pingente circular. lançamento. medidos em pontos. onde se encontram as informações e parâmetros necessários para o desenvolvimento de um determinado trabalho. ligaduras.87 GLOSSÁRIO Blog – é uma página da web. Continuidade – padrão visual originado por configurações que apresentam seqüências ou fluidez de formas. significa que vários stickers foram colados juntos em um determinado local. conduta ou eventualidade executada por ela. É a abreviatura do sistema de cores formado por Ciano (Cyan). Amarelo (Yellow) e Preto (blacK). Faz uso dos meios de comunicação modernos. Combo – redução do termo combinação. Sua comunicação acontece de forma virtual. comunicação e outros. Na Sticker Art. Flickr – aplicativo online de compartilhamento e gerenciamento de fotos. Flyer – também chamado de filipeta. fazendo com que exista um endereço eletrônico só para aquele fim. cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos de tamanho variável. números. funciona devido à absorção da luz. através de um alfinete. divulgação. destacando-se entre eles a internet. confeccionado em alumínio.são ferramentas para páginas de Internet destinadas a promover debates e discussões através de mensagens publicadas abordando uma mesma questão. sinais comuns e acentos. chamados artigos ou posts. serviços ou instruções numa ampla gama de aplicações. Fóruns . Hot-site – site de caráter temporário utilizado para fins de promoção. Os flyers ou filipetas diferem dos panfletos ou folhetos principalmente pela sua gramatura especial. Download – transferência de dados de um computador remoto para um computador local. ou seja. Ciberespaço – espaço das comunicações por rede de computador. . Também conhecido como broche. Fonte – conjunto de caracteres de determinado tipo e tamanho. São pequenos folhetos publicitários que têm a função de anunciar e promover eventos. Magenta (Magenta). Briefing – é um documento básico. inclui caracteres maiúsculos. Feedback – procedimento que consiste no provimento de informação à uma pessoa sobre o desempenho. sinais de pontuação. CMYK – sistema de cores subtrativas. com fixação geralmente em tecidos.

aumenta ou diminui também as outras. Layout – ou leiaute. aumentando ou diminuindo uma parte. É a abreviatura do sistema de cores formado por Vermelho (Red). Pack – pode ser traduzido como pacote. Off-set – processo planográfico cuja essência consiste em repulsão entre água e gordura (tinta gordurosa).88 Ícone – na informática ícone é um pequeno símbolo gráfico. Poliestireno – resina do grupo dos termoplásticos. Serve para auxiliar a empresa no direcionamento que irá promover a um determinado produto. Pregnância – organização visual da forma do objeto em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação. Proporção – igualdade ente razões. Internet – rede em escala mundial de milhões de computadores que permite o acesso a informações e todo tipo de transferência de dados. usado geralmente para representar um software ou um caminho para um arquivo específico. RGB – sistema de cores aditivas. em que todas as cores são catalogadas com códigos específicos. é um processo de impressão no qual a tinta é vazada pela pressão de um rodo ou puxador. . Serifa – são pequenos traços ou prolongamentos que ocorrem no fim das hastes das letras. Semelhança – a igualdade de forma ou cor tendem a construir unidades. Menu – lista de opções ou comandos pertencentes a um programa ou a uma página da web. ou seja. segmento de mercado ou target. Serigrafia – ou silk-screen. através de uma tela preparada. Público-alvo – pode também ser relacionado como levantamento de perfil. gráficos ou figuras num determinado espaço. cuja característica reside na sua fácil flexibilidade ou moldabilidade sob a ação do calor. tamanhos e pesos de elementos como texto. de projeções de luz. ou seja. agrupamentos de partes semelhantes. Na Sticker Art. É um esboço mostrando a distribuição física. representa o envelope ou mala postal enviada no processo de intercâmbio entre os praticantes do sticker. Geralmente abriga redes elétricas e telefônicas. Shelter – mobiliário urbano em formato de caixa. Pantone – sistema de cores utilizado na indústria gráfica. Verde (Green) e Azul (Blue).

produto ou serviço. de hipertextos acessíveis geralmente pelo protocolo HTTP na Internet. também conhecidos como fontes. Sites – termo inglês derivado de website. Tag – forma de assinatura utilizada por artistas urbanos. moda e urbanidade. Formado por elementos básicos da identidade visual. Termo utilizado para designar os movimentos artísticos relacionados às intervenções visuais das grandes metrópoles. que é um conjunto de páginas web. cores institucionais e alfabeto padrão. Normalmente é chamado de programa. . Street art – arte urbana. símbolo. É um sistema de normatização do aspecto visual de uma determinada empresa.é uma sentença escrita em uma linguagem computável. Software . Web – rede mundial de computadores. isto é. Tipologia – conjunto de caracteres tipográficos. como logotipo. estando geralmente acompanhada do logotipo.89 Símbolo – imagem que identifica graficamente a marca. Toy art – manifestação contemporânea que se apropria do brinquedo para mesclar design. SIV – Sistema de Identidade Visual. para a qual existe uma máquina capaz de interpretá-la.

Após uma visita às instalações da Expo Stickers 2008. O formato indicado pode ser algo próximo a 10 x 10 cm. pode-se considerar um artigo supérfluo.90 APÊNDICE A – Proposta de oficina para crianças Expo Stickers 2008 @ Curitiba .Caneta hidrocor . 17 de abril a 05 de junho de 2008 PROPOSTA DE OFICINA PARA CRIANÇAS Como: Uma oficina para crianças deve contar com conteúdo quase que exclusivamente prático. elípticos. elas serão encaminhadas para um local onde seja possível "criar stickers". A tesoura sem ponta é indicada para que as crianças possam dar formatos especiais aos seus stickers. O flyer é o material didático. A intenção será mostrar várias imagens de stickers. etc.).Tesoura sem ponta Mais: . explicando a Sticker Art. Indica-se o uso de etiquetas brancas e foscas. - - . Quando: Dois períodos por semana Duração: 40 minutos Vagas disponíveis: Até 25 crianças Materiais necessários: . O Data show será importante. O conteúdo será um pequeno texto. Brasil SESC da Esquina . para que os desenhos possam ser feitos sem dificuldades (cores escuras ou papel brilhante certamente dificultarão a atividade). Orientadas por monitores. elas voltarão ao corredor do 2º andar e lá terão a oportunidade de colar o que produziram.Papel adesivo .Giz de cera . Quando terminados. voltado para as crianças. Entretanto.Papel adesivo pode ser encontrado em diversos formatos (quase todos retangulares).Data show . para que não seja necessário o fornecimento de tesouras para as crianças. Possivelmente um A4 1x1 (impresso em preto e branco. frente e verso).Flyer . formato de ameba. mesmo não havendo um conteúdo teórico para ser exibido. Uma alternativa é entregar os papéis adesivos previamente recortados (redondos.Lápis de cor . as crianças poderão fazer seus desenhos em papéis autocolantes.

Flyer . frente e verso) conterá informações sobre a Sticker Art e sobre a Expo Stickers 2008.Papel adesivo . 17 de abril a 05 de junho de 2008 PROPOSTA DE OFICINA PARA ADOLESCENTES E/OU ADULTOS Como: A oficina para o público adulto (alunos do ensino médio.Adesivo vinílico .mai) Duração: 3 horas (09h – 12h) Vagas disponíveis: Até 25 pessoas Materiais necessários: .O Data Show é solicitado para que se possa ministrar uma pequena aula sobre a Sticker Art. Ao término das atividades.Tesoura Mais: . Nela será apresentado um breve conteúdo teórico.abr e 17. O flyer (impresso preto e branco. utilizando material digital (apresentação em Power point). todos serão orientados a colar o que foi produzido no local reservado para que o público possa participar ativamente da exposição. formato A4. universitários e públicos em geral) deverá ser ministrada em uma manhã de sábado.Marcador permanente . Brasil SESC da Esquina . onde os participantes poderão criar stickers. Quando: Dois sábados (19.Data show .Lápis de cor . . que mostre a história da Sticker Art. Em seguida será a vez da atividade prática.91 APÊNDICE B – Proposta de oficina para adolescentes e/ou adultos Expo Stickers 2008 @ Curitiba .

92 ANEXO A – MINI SHELTER .

Mario Rufino. Sneak One. Mike Clark. Zen Jellyfish FInlândia Pomo França Bz. Catv. D3d. Art 1. Subhumanoid. Hogue. Paco. ADER. Tuna Man.A. Super Rafaela. Dryopi. Buy it. Crevice Creeps. Fabricio Brochier. St. Muga. Resistor. FFSC. Subas. Deezy. Mike. Tina Merz. Grazi. Coleta Seletiva. 2 tone. The Mosart Crew Hong Kong Sam Choi . ODER 1. Junior de paiva. ten13one. You Are Beautiful. Robots Will Kill. Vis Holanda Discodip. Ferrugem. Collecta. Erase. Curious. Tarkinson. Allan Reis. Dr. Bezzi. Birita. Nano. Fixxa. AK 144. Chã. Urban 70's. No name. Blutt. Snub. ESPN. Enik. Dee87. Theory Propaganda. Boom. Stick-a-thing Argentina Faraway Austrália Suspecto Bélgica Freaq. Justin Kees. Diego Medina. Transeúteis. Smuggler. Trampo. Tigapics. Epik. Popdesign. JowJow. Sicked worms Brasil Alasortis. Red Nails. Injah. Ernst. Everybody get up.. Lazar. PEOR. Ticky. JK. Mad One. Blurble. Verdes Pastos. BHC. Orek Oner. New Colony. Case. Synthesis. t83van. Think.ortega. Loso. I am Doom. Cat Cult. Commute. A. Luke da Duke. ma. XNY Chile Hedset Cingapura too8pe Colômbia Narcográfico Espanha 2 rombos. Under Water Pirates. Markuza. Phoneticontrol. Chan. OPS. Billi Kid. El Bokom. Biafra Inc. Charstarr. Elmendes. G-rat. Jojo the Leek. Lady Ayku.93 ANEXO B – LISTA DE PARTICIPANTES POR PAÍS Alemanha Asselbande. As. Colante. Atradies. Shamrock13. Synical. Desali. Seven Estados Unidos 14 Bolt.ela. Know-ourenemy. gui666. Ricardo Dias. Roy. Toy Eater.N.T. 3ms. Drao. Think War. Fragile Freak.art. Mr.

riot68. Un-plugged Irã A1one Israel Dave Nio. Omino71. Me love. Mose. Oh. Elna Itália e5io. Massakre. Foe. Czakoo. Flosinski. Satoboy Malásia VLT Crew Panamá Funkdamental Force Polônia Bell. Ciah Ciah. CCC. Olive47. If Portugal Cooper Suíça Art Genossen. Weehsel Taiwan Dj Nicole. Lovelovelove.94 Indonésia Indieguerillas. Robin . Ink Joy. The Sompret Inglaterra Cuban. Mono. Messy Menk. Delme. no! John!.

Interesses relacionados