0

CURSO DE FISIOTERAPIA

Rafael Kniphoff da Silva

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM FUNCIONAL SOBRE O TORNOZELO PARA PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ENTORSE EM ATLETA DE CATEGORIA DE BASE DO BASQUETEBOL

Santa Cruz do Sul, dezembro de 2010.

1

Rafael Kniphoff da Silva

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM FUNCIONAL SOBRE O TORNOZELO PARA PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ENTORSE EM ATLETA DE CATEGORIA DE BASE DO BASQUETEBOL

Artigo científico apresentado ao Curso de Fisioterapia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de

Bacharel em Fisioterapia.

Orientador: Profª. Ms. Angelo Hoff

Co-orientadora: Profª Esp. Angela Cristina Ferreira da Silva

Santa Cruz do Sul, dezembro de 2010.

14 sessions were performed. realizou-se três testes especiais. This study aimed to recognize. através da técnica de bandagem funcional. Angela Cristina Ferreira da Silva 2. sprain. do Curso de Fisioterapia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC. entorse. O objetivo do estudo foi reconhecer. it was possible to verify the satisfactory use of functional bandage as a device to be used after physiotherapy treatment in lesions of grade 1 ankle sprain. For evaluation of joint stability and balance. Foram realizadas 14 sessões. do Curso de Fisioterapia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC. . specially affecting the anterior talofibular ligament. uma vez que esta impede a angulação necessária para a realização do referido teste. the resulting of the process of prevention of ankle sprain recurrence. sendo que nelas estavam inclusas reabilitação fisioterapêutica e aplicação de bandagem funcional antes da realização de qualquer atividade esportiva. foi possível constatar a utilização satisfatória da bandagem funcional como um dispositivo a ser utilizado após o tratamento fisioterapêutico nas lesões de entorse de tornozelo grau 1. functional bandage. Several methods to prevent ankle injuries are commonly used. Trata-se de um estudo qualitativo. Vários métodos para prevenir lesões no tornozelo são comumente usados. sem limitar suas funções desnecessariamente. os resultados foram satisfatórios quanto a realização dos testes de estabilidade articular e o teste de equilíbrio apresentou-se modificado devido ao uso da bandagem. em três períodos (pré-tratamento. Para avaliação da estabilidade e equilíbrio articular. Palavras-chave: basquetebol. through the functional bandage technique. dentre eles a bandagem funcional cujo objetivo é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles.2 EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM FUNCIONAL SOBRE O TORNOZELO PARA PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ENTORSE EM ATLETA DE CATEGORIA DE BASE DO BASQUETEBOL THE EFFECT OF THE FUNCTIONAL BANDAGE UTILIZATION IN ANKLE FOR PREVENTION OF SPRAIN RECURRENCE IN A BASE CATEGORY PLAYER IN BASKETBALL Rafael Kniphoff da Silva1. With this study. Co-orientadora – Profa. uma vez que impede recidivas. with an observational exploratory design and technical procedure through individual case study. de forma confortável e segura na realização das atividades de basquetebol. Thus. ankle. com acometimento do ligamento talofibular anterior. during three periods (pretreatment. tendo como delineamento observacional exploratório e procedimento técnico através de estudo de caso individual. __________________________________________________________________________ 1 2 Acadêmico do Curso de Fisioterapia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC. as this prevents the angulation necessary for the conduct of the test. post-treatment and post-application of bandage) in order to draw a comparison between them. physiotherapy. Dessa forma. Angelo Hoff3 RESUMO O entorse de tornozelo é uma lesão frequente no basquetebol. consisting of a patient who suffered right ankle sprain. it was held three special tests. pós-tratamento e pós-aplicação de bandagem) traçando um comparativo entre eles. ABSTRACT The ankle sprain is a common injury in basketball. proporcionando maior estabilidade a articulação em questão. fisioterapia. a resultante no processo de prevenção da recidiva de entorse de tornozelo. Com este estudo. among them the functional bandage whose objective is to provide support and protection to soft tissues. grade 1. acometendo especialmente o ligamento talofibular anterior. with involvement of the anterior talofibular ligament. tornozelo. It is a qualitative study. comfortable and safe in conducting the activities of basketball. 3 Orientador – Prof. the results were satisfactory for testing of joint stability and balance test had been changing due to the use of bandage. such as preventing recurrences. providing greater stability to the joint in question. Keywords: basketball. and it were included physiotherapy rehabilitation and functional bandage application before carrying out any sports. without limiting those functions unnecessarily. composto por um paciente que sofreu entorse de tornozelo direito grau 1. bandagem funcional.

edema moderado. onde há ruptura de poucas fibras. segundo Hebert (2009). dor instantânea e ininterrupta. que por si só o faz potencialmente lesivo. dificultando muito ou impedindo a continuação da atividade. entorse grave. Dessa forma. com aproximadamente 4 lesões por 1000 horas de jogo em competições e contabilizando 38% e 45% de todas lesões no basquetebol para homens e mulheres. as graduações e características da lesão. o ligamento talofibular anterior é o mais frequentemente acometido. FISBERG. aterrissagens. sendo a região lombar e as articulações do membro inferior as mais acometidas. (2004) citado por Rodrigues e Diefenthaeler (2008). pouco ou nenhum edema. desaceleração. com maior número de fibras rotas. e acentuação da dor após intervalo de repouso. com ruptura total de um ou mais ligamentos. . o índice de exposição destes atletas à lesão se torna alto. permitindo a continuidade da atividade. ligamento alongado. Com todos esses fatores que ocorrem no basquetebol. acarreta em muitos atletas. Nas entorses. o fazem um dos esportes mais lesivos entre todos (SILVA. Grau III. saltos. ABDALLA. pela própria exigência do esporte. Esta é a lesão mais comum no basquetebol. dividem-se em: Grau I. que caracteriza uma lesão moderada. mudanças de direção e pivoteios. Conforme Collins et al. sendo uma lesão mais leve. depois. sufusão sanguínea subcutânea. perda da capacidade de deambulação. respectivamente. também ocorre perda parcial da estabilidade. Entorse lateral de tornozelo é uma lesão frequente contabilizando 10% a 30% de todas as lesões esportivas e afetando participantes de uma ampla variedade de esportes. mais tarde. por ser um esporte coletivo. sufusão sanguínea extensa. Por apresentar saltos repetitivos durante jogos e treinos. 2007). o compartimento lateral da articulação do tornozelo é a estrutura do corpo com maior vulnerabilidade a sofrer entorse. dor instantânea e contínua. Somando-se. de instalação mais rápida. e.3 1 INTRODUÇÃO O basquetebol apresenta todos os movimentos básicos dos esportes. Medidas para prevenir lesões no tornozelo são comumente usadas em muitos esportes. corrida. sobrecargas corporais diversas. seguido pelo ligamento calcâneofibular e pelo ligamento talofibular posterior. aceleração. dor instantânea seguida de um período de alívio. aumento de volume rápido devido a hematoma e edema. onde dez jogadores se encontram em quadra na disputa do jogo. Grau II.

2002. 2000. (HERTEL. danos proprioceptivos. Lopes (2008) aponta as causas primárias da instabilidade crônica do tornozelo sendo a instabilidade mecânica e funcional do tornozelo ou. O equilíbrio é . ou em muitos outros movimentos do membro inferior. geralmente quando se está em pé é denominado equilíbrio. mais provavelmente. 2008). 2006). HALL. esta pode se tornar uma articulação bastante instável.. apud LOPES. reduzindo assim a freqüência ou gravidade de lesões. sem limitar suas funções desnecessariamente (GUIMARÃES 2005. 2008). déficits de força. HUBBARD et al. especialmente em inversão e eversão. Segundo Guimarães (2005) citado por Silva Junior (1999). como depois da ocorrência de lesões. alteração do controle neuromuscular. também. ou modificações degenerativas. A instabilidade funcional é definida como a sensação subjetiva de instabilidade do tornozelo ou sintomas recorrentes de entorse do tornozelo incluindo. irritação sinovial. o tornozelo fica estável quando altas forças são absorvidas pelo membro ao parar e rodar sobre ele. O principal objetivo da aplicação de bandagens é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles.4 devido ao número significativo de entorses de tornozelo (MOILER. reduzindo o risco de recidivas (SILVA JUNIOR. Essa técnica pode ser aplicada tanto antes (como prevenção). 2007. A instabilidade mecânica é definida como o movimento do tornozelo além do limite fisiológico da variedade de movimento do tornozelo (TROPP. devido ao dano estrutural dos tecidos ligamentares que apóiam a articulação (HERTEL. A habilidade para manter o centro de gravidade sobre a base de apoio. 2002. ROBINSON. A prevenção ocorre pela sustentação ou apoio às áreas submetidas a estresse excessivo e/ou repetido. 1999). seja nas etapas iniciais ou nas mais avançadas do tratamento fisioterápico. devido ao aumento da estabilidade articular ou pela maior estabilidade às articulações que apresentam histórico de lesões. estudos sobre a aplicação de bandagem no tornozelo demonstraram sua efetividade na restrição dos movimentos do tornozelo. De acordo com Hamill e Knutzen (1999) citado por Lopes (2008). apud LOPES. apud SILVA JUNIOR. e diminuição do controle postural (HERTEL. 1999). Contudo se qualquer uma das estruturas de suporte da articulação do tornozelo for lesada. 2002 apud LOPES. 2008). insuficiências especificas como lacidez patológica. Este é um fenômeno dinâmico que envolve uma combinação de estabilidade e mobilidade. 2008). apud LOPES. a combinação desses dois fenômenos.

podem restaurar o sentido de posicionamento articular para níveis normais (KONRADSEN. a resultante no processo de prevenção da recidiva de entorse de tornozelo. COLBY.5 necessário para manter uma determinada posição no espaço ou movimentar-se de modo controlado e coordenado (KISNER. Diante do exposto. . é uma das mais importantes na adaptação do corpo ao solo e manutenção do equilíbrio. no desenvolvimento da estabilidade e equilíbrio é eficaz na prevenção da recidiva de entorse de tornozelo em atletas da categoria de base do basquetebol. 2004 apud GUIMARÃES. 2005). através da técnica de bandagem funcional. sendo estas duas variáveis restabelecidas através da técnica de bandagem funcional para entorse. 2008). A articulação do tornozelo. O estudo teve como objetivo reconhecer. 1998 apud GUIMARÃES. afirma-se que a técnica de bandagem funcional utilizada como recurso para suporte da musculatura intrínseca do tornozelo. diante da avaliação do equilíbrio e da estabilidade articular do tornozelo. 2002 apud LOPES.. por se localizar bem próximo ao solo. 2005). ajustando as posturas na posição ereta (NAKAYAMA et al. Resultados de um pequeno número de estudos sugerem que o equilíbrio e o treino de coordenação.

em Santa Cruz do Sul (RS). orientando-os a um processo emancipatório e cidadão. cujo responsável concordou com a participação no estudo através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. entre 9 e 15 anos. Como critérios de exclusão. seja de proteção à privacidade ou identidade do sujeito. O projeto foi submetido e aprovado pelo CEP-UNISC. sendo os dados utilizados apenas para fins deste estudo. seguido o protocolo de uso da bandagem funcional sugerida para o trabalho e também que o responsável tenha assinado o Termo de Consentimento Livre Esclarecido e o atleta o Termo de Assentimento. incorporando-as no seu cotidiano para toda a vida. atleta da categoria infantil do Projeto Cestinha1. sendo que para o componente amostral também foi possibilitada a manifestação de aceite através do Termo de Assentimento. com entorse de tornozelo graus 1 ou 2 para o ligamento talofibular anterior. tendo como delineamento o estudo observacional exploratório e procedimento técnico através de estudo de caso individual. 2000). atleta das categorias de base do Projeto Cestinha. a prática do basquetebol. ¹ Criado em 2001. criança ou adolescente com idade inferior à 9 e/ou acima de 17 anos. a partir das áreas da Educação e Saúde. Para obtenção do sujeito de estudo. A participação do atleta deu-se de forma voluntária. que o diferencia dos demais (GOLDIM. As atividades fisioterapêuticas foram realizadas na Clínica FisioUNISC. foram aplicados os seguintes critérios de inclusão: criança ou adolescente de 9 a 17 anos. utilizado para descrever situações onde um indivíduo. . criando o gosto e o hábito para que mantenham as atividades aprendidas. pertencente a Universidade de Santa Cruz do Sul. atletas que sofreram entorse de tornozelo grau 3. participante de um processo já conhecido. e ao Esporte com fins educativos. Estes são estudos extremamente úteis para documentar situações peculiares. tais como sucessos ou fracassos imprevistos. estando o indivíduo livre para se retirar da pesquisa em qualquer momento se assim fosse a sua vontade. Compondo um estudo de caso. conforme a Resolução CNS 196/96. ou ainda com lesões associadas tais como: lesão em outros ligamentos do tornozelo e lesões tendinosas e capsulares da região do tornozelo. e cujos responsáveis não tenham assinado o Termo de Consentimento Livre Esclarecido. que teve um episódio de entorse de tornozelo grau I. sob protocolo 2484/09. Cabe ressaltar que não houve qualquer custo para o atleta e a instituição. O sujeito que fez parte da pesquisa foi um adolescente. no período de março a setembro de 2010. apresenta características peculiares. o Projeto Cestinha tem a finalidade de proporcionar a crianças e adolescentes de ambos os sexos.6 2 METODOLOGIA A pesquisa realizada constituiu-se de um estudo qualitativo. observando-se os critérios éticos em pesquisa com seres humanos.

visto que o atleta encontra-se em constante treinamento. o examinador fixa a extremidade inferior da perna. A mão que envolve o calcanhar aplica força varizante ao calcâneo. A estabilidade pôde-se dividir em duas. enquanto a outra mão envolve posteriormente o calcâneo de forma a permitir que o polegar se apóie sobre a cabeça do talo. deslocamento do talo no interior da pinça maleolar e indica insuficiência do ligamento talofibular anterior e porção anterolateral da cápsula ligamentar. A prova é considerada positiva quando ocorre. onde iniciou-se o processo de avaliação da lesão e tratamento propriamente dito. A prova é considerada positiva. subluxando a articulação tibiotársica. que segundo Cohen e Abdalla (2002). com a outra. em grau superior ao lado oposto (considerando esse como normal). Com o pé em discreta flexão (posição de maior instabilidade estática do tornozelo). Assim. realiza-se da seguinte forma: com uma das mãos. estes que foram testados através dos testes de gaveta anterior e inclinação lateral do talo. testando a integridade do ligamento fibulocalcaneano. O teste de gaveta anterior avalia o ligamento talofibular anterior e. o atleta foi encaminhado à FisioUNISC. Quando do registro inicial de ocorrência da lesão. enquanto. estática e dinâmica. o acadêmico-pesquisador fez contato via telefone com os pais para explicitação dos objetivos.7 Estando o pesquisador-participante nas atividades de treinamento dos atletas de categoria de base do Projeto Cestinha. supostamente fortalecida. A dinâmica relaciona-se com a musculatura que atua na região. ainda em quadra. o examinador apreende a região do tornozelo. O indivíduo foi avaliado de acordo com dois fatores: estabilidade e equilíbrio do tornozelo lesionado. envolve o retropé em sua face plantar. procedimentos e acompanhamento no caso da lesão do tipo entorse de tornozelo grau I ou II. é realizado da seguinte maneira: com uma das mãos. aplicam-se forças no sentido de anteriorizá-lo e posteriorizar a perna. procedimentos e condutas. quando a amplitude do varismo obtido do lado lesionado supera aquele observado no lado oposto. Já o teste de inclinação lateral do talo vem avaliar o ligamento calcaneofibular. . logo acima da interlinha tibiotársica. A estática depende do conjunto de ligamentos local. segundo Cohen e Abdalla (2002). obtendo-se o aceite das partes implicadas. possibilitou-se a explicitação do projeto de pesquisa a partir da apresentação dos objetivos. possibilitando ao grupo esclarecimento quanto à proposta.

compressas de gelo durante 15 minutos. Exercícios isométricos da musculatura local. sendo que há arredondamento dos decimais para mais ou menos. com as mãos apoiadas na altura da cintura e com o outro pé apoiado. Serão feitas seis tentativas consecutivas com 15 segundos de descanso entre cada uma. Com o cronômetro. o resultado é aferido em segundos (em número inteiro). visando limitar a extensão da lesão. inversora e eversora que se SEGUNDA FASE encontra diminuída. TERCEIRA FASE Treinos de equilíbrio e coordenação. Reeducação da musculatura flexora. dependendo da fração decimal se aproximar até 0. cujo atleta realizou o entorse. Fazer uso de uma atadura para compressão local. Depois de realizados os testes acima descritos. Aplicação de Ultra-Som pulsado. Quadro 1 – Fases de tratamento da lesão de entorse de tornozelo Indicações para o atleta realizar em casa. com a face plantar. que foi realizado através da “parada da cegonha”. O tratamento da entorse. É considerado o valor da melhor tentativa executada nas três repetições. Retorno ao esporte. ABDALLA. Segundo Tritschler (2003) citado por Pereira e Filho (2005). tocando os calcanhares no chão ou tirando as mãos da cintura. o avaliado permanece sobre o pé lesionado. e também impedir desenvolvimento de recidivas.8 Após ter sido avaliada a estabilidade. o avaliado eleva o calcanhar e permanece em apoio sobre os artelhos até perder o equilíbrio. na parte interna do joelho da perna cujo pé está com a lesão. Exercícios de propriocepção. segundo Cohen e Abdalla (2002). o que caracteriza motivo para interrupção do teste. PRIMEIRA FASE Uso de ataduras para deambulação de forma que a articulação esteja mais protegida. Restauração da agilidade específica para cada atleta.5 respectivamente. Sempre que sentado elevar o pé. Após comando do avaliador. como o resultado do teste. Fonte: COHEN. encontra-se no Quadro 1. . restaurar a agilidade e a resistência do atleta. o acadêmico-pesquisador iniciou a fase de tratamento desta lesão com o indivíduo. cinco vezes ao dia. 2002. sendo três tentativas com os olhos abertos e três tentativas com os olhos fechados (neste a abertura dos olhos também interrompe o teste). restaurar a mobilidade e a motricidade do tornozelo.5 ou maior que 0. o atleta submeteu-se ao teste de equilíbrio.

ocorreu-se a aplicação da bandagem funcional com esparadrapo 10 cm x 4.5 m no tornozelo do atleta. . foi feito o uso da Tintura de Benjoim sobre a pele do atleta. utilizando-se os mesmos testes realizados na avaliação fisioterapêutica. de forma a ter uma melhor fixação da bandagem funcional. conforme Perrin (2008). o atleta será reavaliado quanto a sua estabilidade e equilíbrio do tornozelo. ilustrada e descrita no Quadro 2. podendo assim realizar uma comparação pré-tratamento.9 Antes de retornar aos seus treinamentos. pós-tratamento e pós-bandagem. os quais já foram descritos. Em seguida. Antes da aplicação da bandagem. com a intenção de comparar sua melhora ou não após o tratamento. A bandagem de escolha foi a do tipo “Cesto Trançado”. sendo novamente realizados os testes de estabilidade e equilíbrio.

2010. partindo do aspecto medial e fixando-se lateralmente Faixa horizontal em forma de ferradura. Embaixo da meia e tênis . Com algodão. partindo do aspecto medial do pé na direção do lateral Repetida a forma de estribo em estilo de trança Repetida a forma de ferradura Terceira vez em forma de estribo Terceira vez em forma de ferradura Aplicação de uma faixa na forma de “8” Bandagem pronta Fonte: dados da pesquisa.10 Quadro 2 – protocolo de aplicação da bandagem funcional tipo Cesto Trançado. aplicação de Tintura de Benjoim sobre a pele do tornozelo Colocação de duas âncoras na perna distal Colocação de duas âncoras no pé Faixa em forma de estribo.

além de uma ficha de acompanhamento das sessões de fisioterapia realizadas durante este período. Para reconhecimento da percepção subjetiva dos atletas frente ao retorno as atividades esportivas com e sem o uso da bandagem. e foi verificada a incidência de recidivas da lesão. sendo os dados da percepção subjetiva do sujeito descritos de forma a aproximá-los do referencial teórico. Os registros dos dados foram categorizados e socializados através de uma análise qualitativa por fotos e gráficos. . o atleta voltou à atividade física.11 Findadas estas etapas. a mesma utilizada na avaliação. O sujeito foi acompanhado nas atividades de treinamento pelo período de dois meses. retomando-as com o uso da bandagem funcional. o atleta foi submetido a um roteiro de investigação que atende aos objetivos próprios como: melhora do equilíbrio e a percepção da estabilidade articular durante as atividades de treinamento. ocorreu a alta fisioterapêutica.

16 Hz. Talo positivo Parada Cegonha O. Após esta intervenção realizou-se.9s 1. 2010 Na segunda e na terceira sessão. O. sendo liberado em seguida. 50%) durante seis minutos. 16 Hz. S. desencadeando uma leve lesão do ligamento talofibular anterior.5 W/cm². e parada da cegonha: olhos abertos: 1. Lat.5 W/cm². A. atleta do Projeto Cestinha da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC categoria Infantil. o qual foi submetido a crioterapia por dois dias. O sujeito da pesquisa caracteriza-se: F. realizou-se Ultra-Som 1MHz (0. realizou-se novamente a aplicação do aparelho Ultra-Som 1MHz (0. Quadro 3 – resultados dos testes pré-tratamento.12 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesta sessão pretende-se explicitar de forma cronológica as sessões realizadas com o sujeito da pesquisa onde utilizou-se a bandagem tipo cesto trançado para entorse de tornozelo. Sofreu entorse de tornozelo grau 1 em tornozelo direito no dia 31/05/2010. conforme Quadro 3. F.5 W/cm². 1. Dia 2/06/2010 Gaveta anterior Negativo Inc. K. O. inclinação lateral do talo – positivo. sexo masculino.9s e olhos fechados: 1. K.77s. enfaixamento e elevação de membro inferior direito no decorrer do dia durante a fase 1 do tratamento conforme descrito na metodologia..: olhos fechados Fonte: dados da pesquisa. Os resultados destes testes são: gaveta anterior – negativo. estudante. na quarta sessão instituiu-se exercícios de fortalecimento local com .F. de modo que o atleta continuasse com o enfaixamento e aplicação de gelo no decorrer do dia. Em seguida. 15 anos. 10%) durante seis minutos na região do ligamento talofibular anterior do pé direito do atleta e orientações para uso de crioterapia. 48 Hz.77s Legenda: O.A.: olhos abertos. Além do tratamento com Ultra-Som 1MHz (0. 10%) durante seis minutos na região do ligamento talofibular anterior do pé direito do atleta. a avaliação fisioterapêutica que constou de: inspeção. palpação e realização dos testes específicos de estabilidade (gaveta anterior e inclinação lateral do talo) e equilíbrio (“parada da cegonha”). no dia 02/06/2010.

continuou-se apenas com o fortalecimento com banda elástica. plantiflexão. O. e parada da cegonha: olhos abertos: 2.85s 2. sendo realizadas as mesmas séries e repetições da sessão anterior. F.: olhos fechados Fonte: dados da pesquisa. todas antes de alguma atividade a ser realizada pelo atleta.58s 2.85s e olhos fechados: 2. pós-bandagem).93s Legenda: O. Nas duas próximas sessões (quinta e sexta). realizaram-se novamente os testes de estabilidade e equilíbrio.F. inclinação lateral do talo – negativo. onde o atleta realizava movimentos de dorsiflexão. 4. inversão e eversão do pé direito. de forma a fazer um comparativo entre as três fases (pré-tratamento. porém com uma resistência pesada. Dia 05/08/2010 Gaveta anterior negativo Inc.: olhos abertos. Dia 16/06/2010 Gaveta anterior negativo Inc. Na sétima sessão foram novamente realizados os testes iniciais de estabilidade e equilíbrio.A.A.: olhos fechados Fonte: dados da pesquisa. balancim e chapéu. 2010 . Os resultados destes testes são: gaveta anterior – negativo. Quadro 5 – resultados dos testes pós-bandagem.: olhos abertos. Quadro 4 – resultados dos testes pós-tratamento. O. Os resultados destes testes são: gaveta anterior – negativo. F.93s. Lat. conforme Quadro 4. Após a última aplicação de bandagem. conforme Quadro 5. Talo negativo Parada Cegonha O.F.13 banda elástica de resistência moderada. dessa forma. pós-tratamento. estaria encerrado o tratamento fisioterapêutico da lesão.33s. A. e parada da cegonha: olhos abertos: 4. A. 2. O. inclinação lateral do talo –negativo. e institui-se exercícios de equilíbrio com disco de propriocepção. Talo Negativo Parada Cegonha O. Lat.58s e olhos fechados: 2. O. Foram realizadas três séries de dez repetições para cada movimento.33s Legenda: O. 2010 Da sétima à décima terceira sessão foram realizadas as aplicações das bandagens funcionais. agora com a bandagem no pé.

enfaixamento e elevação US. Já um teste negativo não irá ter nenhum deslocamento em nenhum sentido. enfaixamento e elevação US. após tratamento fisioterapêutico e. o uso da bandagem restringe os movimentos de forma positiva. Quadro 6 – sequência cronológica das sessões Dia 02/06/2010 Sessão 1 Tratamento Avaliação. sem ruptura total do ligamento lateral. com aplicação da bandagem. realização de testes específicos. Quando comparados os resultados do teste de Inclinação Lateral do Talo. conferimos a sequência cronológica das sessões. Guimarães (2005) apud Silva Junior (1999). visto que foi uma lesão de grau 1 do ligamento talofibular. Porter (2005) citado por Silva (2007). . 2010 A partir da exposição dos dados. US. sem causar frouxidão ligamentar. posteriormente. houve uma melhora na estabilidade estática deste tornozelo porque segundo a literatura consultada.14 Através da tabela seguinte. na primeira avaliação obteve-se resultado positivo. proporcionando estabilidade articular. indicação para crioterapia. o qual foi o caso do atleta em questão. percebe-se que o teste de gaveta anterior manteve-se inalterado nas três vezes em que foi avaliado. diz que um teste positivo revela um deslocamento anterior do talo em torno da extremidade distal da tíbia e da fíbula e sugere uma ruptura do ligamento lateral maior. fortalecimento com banda elástica Fortalecimento com banda elástica e treino de equilíbiro Fortalecimento com banda elástica e treino de equilíbiro Aplicação de bandagem e realização de testes específicos 04/06/2010 07/06/2010 09/05/2010 11/06/2010 14/06/2010 16/06 à 05/08/2010 2 3 4 5 6 7 a 13 Fonte: dados da pesquisa. houve uma maior inclinação lateral. enquanto nas avaliações seguintes o resultado foi negativo. pode-se verificar que quando a lesão estava na fase aguda. indicação para crioterapia. indicação para crioterapia. enfaixamento e elevação US. principalmente em inversão e eversão. Dessa forma.

especialmente de inversão e eversão do pé. a bandagem neste teste foi negativa. inversão e eversão). K. S. aumentar as solicitações mecânicas longitudinais. uma resposta à dor ou um suco redondo no lado lateral do pé. no entanto. . sugere-se que a bandagem tem sua aplicabilidade na instabilidade articular (tanto aguda como crônica) por ser uma órtese que auxilia e divide a carga corporal. principalmente em relação à bandagem (SACCO et al. o tornozelo quase na posição vertical o que é impedido pela órtese. visto que a bandagem que não tem essa função. A análise biomecânica indica que as bandagens e órteses podem limitar a amplitude do movimento. Sendo assim. pós-tratamento. o teste positivo pode revelar o aumento do movimento de inversão. não limitando apenas a inversão que seria necessária para o caso em questão: entorse de tornozelo com acometimento do ligamento talofibular anterior. que na primeira avaliação teve um aumento do movimento de inversão e também resposta à dor quando aplicado o teste. o que foi o caso do paciente F. pós-bandagem).. por limitar os quatro movimentos do tornozelo (plantiflexão. 2005). Porém esse teste da parada da cegonha necessita de um aumento da plantiflexão e a transferência do peso para o antepé e.15 Segundo Porter (2005) citado por Silva (2007). Mas há de considerar que a estabilidade mecânica diminui consideravelmente após pouco tempo de exercício. com o movimento mais perto da normalidade. K. consequentemente. Ressalta-se que nos entorses de tornozelo os movimentos de inversão/eversão estão aumentados devido à frouxidão ligamentar e uso da bandagem irá atuar de forma positiva nos episódios desse tipo de lesão.. Ao avaliar o teste de equilíbrio da Parada da Cegonha comparando as três fases do tratamento (pré-tratamento. podendo. dorsiflexão. estabilizando a articulação e desta forma mantendo-a em posição funcional.

É interessante abordar os dois testes (olhos fechados e olhos abertos) isoladamente durante as três fases do tratamento. WOOLLACOTT. a projeção do cenário na retina não pode ser utilizada e. outras fontes de informação sensorial devem ser utilizadas. por possuir duas fontes complementares de informações: a visão.85 2. Já com os olhos abertos. é conhecido que as pessoas podem apresentar um maior ou menor grau de dependência da informação visual para o controle postural (SHUMWAY-COOK.16 Gráfico 1 – resultados dos testes “Parada da Cegonha”.58 2. que situa o olho na órbita através da coordenação cefálicas (GAGEY E WEBER. e a motricidade ocular. BARELA. 2003.33 Olhos Fechados Olhos Abertos Pós-tratamento Pós-bandagem Legenda: s: segundos Fonte: dados da pesquisa.77 2. Os estímulos visuais fornecem informações individuais sobre a posição e o movimento da cabeça em relação ao ambiente circunjacentes e ao resto do corpo por meio dos olhos (SHUMWAY-COOK. que situa o indivíduo no seu ambiente através de coordenadas retineanas. 6 5 4 3 2 1 0 Pré-tratamento (s) 4. percebe-se que com os olhos abertos o equilíbrio do atleta nas três fases está superior ao teste realizado com os olhos fechados. 2005). há uma ascendência muito significativa da primeira para a segunda fase de 155. BARELA.9 1.26%. De olhos fechados percebe-se que na segunda avaliação há um aumento significativo de 65%. 2005). com os olhos fechados. conseqüentemente. 2005). entretanto no uso da bandagem há uma queda de 21%. O sistema visual oferece referência para a verticalidade. 2003. 2010 De acordo com o Gráfico 1. por exemplo. Ao confrontarmos .93 1. WOOLLACOTT. 2000 apud GUIMARÃES. 2000 apud GUIMARÃES. 2000 apud GUIMARÃES. No entanto. Quando informações visuais não estão disponíveis.

81% ao aplicar-se a bandagem funcional. se apresentou . imobilização e estabilização quando associadas ao tratamento fisioterapêutico. Não tem nenhum ponto negativo o uso da bandagem. reduzindo assim a freqüência ou gravidade de lesões. O atleta também refere que a bandagem é confortável durante as atividades esportivas. Tais considerações são comprovadas através do resultado do roteiro de investigação final cujas considerações do sujeito da pesquisa frente ao uso da bandagem funcional são totalmente satisfatórias para impedir as recidivas de entorse de tornozelo grau 1. fato este explicado pela restrição de movimento do tornozelo para execução do teste “Parada da Cegonha”. 1999). Essa técnica pode ser aplicada tanto antes (como prevenção). Silva Junior (1999) afirma que experiências mostram que o uso de bandagens de compressão. Observa-se que há uma queda significativa de 46. o que vem ao encontro dos resultados obtidos. são capazes de acelerar o processo de cura e evitar traumas ou recidivas. A partir dos resultados obtidos e descritos acima. A prevenção ocorre pela sustentação ou apoio às áreas submetidas a estresse excessivo e/ou repetido. equilíbrio e propriocepção. Kuprian (1990) citado por Silva Junior (1999) acrescenta que a bandagem funcional auxilia na direção dos movimentos e no alívio do stress. K. S. K. sentindo a articulação mais estável e obtendo uma melhora do seu equilíbrio. Essas se refletem no excerto abaixo: Pontos positivos do uso da bandagem: Muito bom depois do uso da bandagem me senti bem melhor. que afirma a importância do uso da bandagem durante a prática de esportes como modo de proteção da articulação do tornozelo. Durante os dois meses de acompanhamento do sujeito não se verificou episódios de recidiva de entorse de tornozelo o que vem ao encontro da literatura consultada durante esta pesquisa. seja nas etapas iniciais ou nas mais avançadas do tratamento fisioterápico. devido ao aumento da estabilidade articular ou pela maior estabilidade às articulações que apresentam histórico de lesões. reduzindo o risco de recidivas (SILVA JUNIOR. sem episódios de sintomatologia dolorosa. com melhor estabilidade. o tratamento fisioterapêutico associado ao uso da bandagem funcional no paciente F.17 com a literatura o tratamento fisioterapêutico é de suma importância porque objetiva a regenereção dos tecidos moles proporcionando melhora no equilíbrio estático. como depois da ocorrência de lesões.

lhe proporcionando a participação nas atividades de basquetebol. a bandagem funcional também se mostrou positiva. Quanto ao equilíbrio estático.18 efetivo. mantendo a articulação do tornozelo estável. uma vez que permitiu um alinhamento na posição funcional do tornozelo deste atleta. impedindo recidivas de entorse e ao mesmo tempo. .

Sem dúvidas a realização deste estudo foi motivadora porque se buscou três temáticas (entorse de tornozelo. de forma confortável e segura na realização das atividades de basquetebol. . ampliando o número de atletas de basquetebol envolvidos. Ressalta-se ainda que a goniometria com e sem o uso da bandagem seria interessante de forma a aprofundar a discussão dos resultados obtidos no que se refere ao teste de equilíbrio da “Parada da Cegonha”. uma vez que os estudos nesta área com este foco ainda precisam ser explorados e seus resultados socializados. proporcionando maior estabilidade a articulação em questão. Entretanto sugerem-se mais estudos. articulando-as entre si. reforçando a prática preventiva às lesões desportivas. desmistificando a aplicação de métodos e técnicas. bandagem funcional e basquetebol). uma vez que impede recidivas. e dessa forma ampliando-se para subtemas (tratamento fisioterapêutico da lesão em questão e diferentes testes) que através das evidências científicas respaldaram o presente estudo.19 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao realizar esse estudo foi possível observar e constatar que a bandagem funcional pode ser um dispositivo a ser utilizado após o tratamento fisioterapêutico nas lesões de entorse de tornozelo grau 1.

2005. H. Porto Alegre: DaCasa. PERRIN. Porto Alegre: Artmed. Monografia (Graduação em Desporto e Educação Física) – Universidade do Porto. Prevenção e Tratamento. Ortopedia e traumatologia: princípios e prática. rev. 53 f.pdf.. 2008. e ampl. ed. Disponível em: http://www. N.com/. 2002. Manual de iniciação à pesquisa em saúde. R. GUIMARÃES.br/. n. Porto. da S. The role of fibular tape in the prevention of Ankle Injury in basketball: a pilot study. PEREIRA. ed. B.informaluiz. M. B. D. Perth. J. Lesões nos esportes – Diagnóstico. Porto Alegre: Artmed. 2. I. Cascavel. v. C. Acesso em: 16 nov. Bandagens funcionais e órteses esportivas. 2008. 2000. 2005. F. K.B. de C. 2009. Acesso em: 21 ago. MOILER. L. M. Porto Alegre. T. F. 2009. A importância do treino proprioceptivo na prevenção da entorse do tornozelo em futebolistas. Revista Brasileira de Medicina . GOLDIM. 2. Monografia (Graduação em Fisioterapia) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Efeito da utilização da técnica da bandagem funcional do tornozelo sobre o equilíbrio. ABDALLA. 2009. O envolvimento do tecido neural nas entorses de tornozelo. 2009 LOPES. In forma – Centro de atividade corporal. Disponível em: http://www. 36. 9. Disponível em: http://www. José Roberto. ROBINSON. HEBERT.20 REFERÊNCIAS COHEN. A. J. ed.br/por/download/ equilibrio_postural_mulher. 4. Rio de Janeiro: Revinter. DOMINGUES FILHO.pubmed. K. RODRIGUES. Brazilian Journal of Biomotricity. Efeito de um programa de exercícios proprioceptivos no equilíbrio postural de mulheres adultas saudáveis e fisicamente ativas. Acesso em: 01 set.com.brjb. Sizínio et al. A. Tradução de Denise Regina de Sales.com. HALL. SACCO. DIEFENTHAELER. Influência de implementos para o tornozelo nas respostas biomecânicas do salto e aterrissagem no basquete. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy.

pdf. Acta Ortop. 1999. L. 2009. Incidência de lesões musculoesqueléticas em atletas de elite do basquetebol feminino. S. SILVA JR. v. J.scielo. Monografia de conclusão de curso de fisioterapia da Universidade Veiga de Almeida – UVA. 2010. 6. Rio de Janeiro.br/pdf/rbme/v10n6/a01v10n6.uva. SILVA. Disponível em: http://www.br/aob. Rio de Janeiro: Sprint. n. Acesso em: 20 ago. Acesso em: 22 nov. R. 10. Entorse de tornozelo por inversão grau I com ênfase em tratamento. I. em: SILVA. Disponível www. M. L.br/cursos/graduacao/ccbs/fisioterapia_monografias/entorse_tornozelo _inversao_grau_um. Manual de bandagens esportivas. Bras. São Paulo. A. Disponível em: http://www. A. Acesso em: 16 nov. ABDALLA. . 2009. São Paulo.scielo.pdf.21 do Esporte. 2007. FISBERG.

22 ANEXO A – Carta de aceite do Comitê de Ética e Pesquisa .

através de testes de estabilidade. gelo. Proteção. equilíbrio e propriocepção. equilíbrio e propriocepção. 2ª fase (2ª e 3ª semana): exercícios de fortalecimento e propriocepção local. Retorno ao esporte. Após término de tratamento. podendo fazer uma comparação com os níveis de estabilidade. equilíbrio e propriocepção do atleta e então feita a aplicação da bandagem funcional em seu tornozelo. seja nas etapas iniciais ou nas mais avançadas do tratamento fisioterápico. venho pedir-lhe autorização para que seu filho possa participar deste projeto de pesquisa que está sendo realizado com crianças e adolescentes que tenham sofrido entorse de tornozelo. o mesmo será primeiramente avaliado quanto ao grau de sua lesão. Dessa forma ele será novamente reavaliado. como do final com e sem aplicação da técnica. 3ª fase (4ª semana): restauração da agilidade. objetivando fornecer apoio e proteção aos tecidos moles. Ao aceitar a participação do seu filho neste estudo. a fim de prevenir a reincidência desta lesão nas mesmas. repouso. que dependendo do grau de sua lesão se estenderá por no máximo um mês. as quais resumidamente são realizadas da seguinte forma: 1ª fase (1ª semana): indicações para realização de exercícios em casa. tanto do início do seu tratamento. como depois da ocorrência de lesões. O atleta não deverá estar fazendo uso de medicamentos e o tratamento fisioterápico será dividido em três fases. O grupo experimento/testagem (GT) fará uso da bandagem funcional no período de dois . sem limitar suas funções desnecessariamente.22 23 ANEXO B – Termo de Consentimento Livre Esclarecido EFEITO DA UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM FUNCIONAL SOBRE O TORNOZELO PARA PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ENTORSE EM ATLETAS DE CATEGORIAS DE BASE DO BASQUETEBOL Por meio deste. através do uso de bandagem funcional. será reavaliado os graus de estabilidade. Essa técnica pode ser aplicada tanto antes (como prevenção). Após. compressão e elevação. e diretamente encaminhado para o serviço de reabilitação em fisioterapia (Clínica FisioUNISC). o atleta recebe alta fisioterapêutica e segue seus treinamentos. Exercícios de fortalecimento e eletroterapia. Treinos de equilíbrio e coordenação.

igualmente. riscos. Da garantia de receber resposta a qualquer pergunta ou esclarecimento a qualquer dúvida a cerca dos procedimentos. Os atletas serão divididos de forma aleatória. informado: 1. Da garantia de que não serei identificado quando da divulgação dos resultados e que as informações obtidas serão utilizadas apenas para fins científicos vinculados ao presente projeto de pesquisa. Da liberdade de retirar meu consentimento. seguindo a cronológica da ocorrência de lesões. todos acima listados.24 meses. Já o grupo controle (GC) retornará normalmente aos treinamentos. Pelo presente Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. 2. a qualquer momento. dos riscos. livre de qualquer forma de constrangimento e coerção. O presente documento foi assinado em duas vias de igual teor. de forma a avaliar se o índice de recidivas irá reduzir. De que os gastos adicionais estão previstos e serão absorvidos pelo orçamento da pesquisa. e com Angela Cristina Ferreira da Silva pelo telefone (51) 9848-5529 ou com o acadêmico-pesquisador Rafael Kniphoff da Silva (51) 9863-0966. 3. declaro que autorizo a participação do meu filho___________________________________. e assim sucessivamente. começando por o primeiro lesionado a fazer parte do GT e o segundo do GC. ficando uma com o representante legal pelo atleta e outra com o pesquisador responsável. . sem que isto traga prejuízo aos treinamentos do meu filho. assim como das alternativas às quais poderia ser submetido (a). Fui. benefícios e outros assuntos relacionados com a pesquisa. pois fui informado. 4. de forma clara e detalhada. da justificativa. Em caso de dúvidas a respeito desta pesquisa você poderá entrar em contato com os pesquisadores responsáveis Angelo Hoff pelo telefone (51) 9948-7294. dos objetivos. dos procedimentos que o mesmo (a) será submetido (a). e deixar de participar do estudo. desconfortos e benefícios. sendo também observados durante dois meses. neste projeto de pesquisa.

25 Data __ / __ / ____ ____________________________ Assinatura do responsável __________________________ Angelo Hoff Professor Pesquisador ____________________________ Angela C. F. da Silva Professora Pesquisadora __________________________ Rafael Kniphoff da Silva Acadêmico Pesquisador .

sendo que metade retornará usando a bandagem e a outra metade sem o uso dela durante o exercício físico. de forma que o primeiro a realizar entorse fará o uso da bandagem nos treinamentos. fortalecimento. declaro que concordo em participar livremente deste projeto de pesquisa. eletroterapia. equilíbrio. Em seguida. o segundo não fará uso. que será realizado com atletas que foram acometidos de entorse de tornozelo. dos procedimentos que serei submetido. você passará por uma série de avaliações. diretamente farei contato com seus pais para que digam se estão de acordo com o projeto. visando um bom tratamento e uma forma de prevenir que aconteçam novas entorses nesta articulação. A escolha será aleatória. de forma clara e detalhada. O projeto acontecerá da seguinte forma: ao realizar a entorse de tornozelo. que envolve dicas de tratamentos para realizar em casa. dos objetivos. com duração máxima de um mês. Em seguida você será reavaliado. venho te perguntar se terias interesse em participar do meu projeto de pesquisa. para verificar se haverá uma nova entorse deste tornozelo. ____________________________ Assinatura do voluntário __________________________ Rafael Kniphoff da Silva Acadêmico Pesquisador . Irei acompanhá-lo durante dois meses. podendo fazer uma comparação para com os que fizeram uso da bandagem com os que não fizeram.26 ANEXO C – Termo de Assentimento Por meio deste documento. Então. e assim sucessivamente. da justificativa. assim como das alternativas às quais poderia ser submetido. e então será aplicada no seu tornozelo a técnica da bandagem funcional. fazendo então novamente os testes com a utilização da técnica. desconfortos e benefícios. Você será submetido a um tratamento de fisioterapia. dos riscos. para saber o grau de sua entorse e testar sua estabilidade. Pelo presente Termo de Assentimento. propriocepção e agilidade. exercícios de mobilidade. pois fui informado. equilíbrio e propriocepção. você receberá alta fisioterapêutica e retornará aos treinamentos.

estando a articulação mais segura com o uso da bandagem? Sim Não 3. Considerar como satisfatório o requisito avaliado que estiver totalmente adequado às condições de uso. físico? A bandagem funcional é de confortável uso durante a prática de exercício Sim Não 2. se os requisitos para o uso pretendido (melhorar estabilidade. 1.Os requisitos para o uso pretendido foram totalmente atendidos. assegurando que o produto atende às suas necessidades. assegurando que o produto não atende às suas necessidades (especificar motivos). TOTALMENTE SATISFATÓRIO . assegurando que o produto atende em parte às suas necessidades (especificar motivos). Você sente uma maior estabilidade. INSATISFATÓRIO . isto é.Os requisitos para o uso pretendido não foram atendidos. Você está livre de dores durante o uso da bandagem? Sim Não . equilíbrio e propriocepção) foram atendidos. assegurando que o produto atende às suas necessidades.27 ANEXO D – Roteiro de Investigação Final O objetivo desta avaliação é a verificação da adequação da bandagem funcional nas condições de uso. PARCIALMENTE SATISFATÓRIO .Os requisitos para o uso pretendido foram atendidos parcialmente. Houve uma melhora no seu equilíbrio durante o uso da bandagem funcional? Sim Não 4.

28 Pontos positivos: Pontos negativos: ___________________________ Assinatura do voluntário ___________________________ Rafael Kniphoff da Silva Acadêmico Pesquisador .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful