III Seminário e Mostra de Microgeração Distribuída

Regulamentação para Microgeração Resolução 482/2012

Armando Silva Filho ANEEL - SRD

22/05/2012 Brasília - DF

Objetivo
•  Redução das barreiras regulatórias para GD
Biomassa Eólica Hídrica

Net Metering
Solar

<1MW

GD

Cogeração

Solar <30MW

•  Aumentar desconto na TUSD e TUST •  De 50% para 80%

Alteração na Res. 077

Consulta e Audiência Pública

CP 15/2010
577 contribuições 39 agentes

AP 42/2011
403 contribuições 51 agentes

Ideia do net metering Competência da ANEEL para regular o assunto (Procuradoria)

30% aceitas total ou parcialmente Menor exigência de pequenos geradores
3

Dificuldades alegadas na inserção de GD
•  Aumento da complexidade de operação da rede de distribuição • Necessidade de alteração dos procedimentos das distribuidoras para operar, controlar e proteger suas redes • Controle do nível de tensão da rede no período de carga leve • Alteração dos níveis de curto-circuito das redes • Aumento da distorção harmônica na rede •  Intermitência da geração •  Alto custo de implantação •  Tempo de retorno elevado para o investimento
4

Resolução 482/2012
Definições:

Micro GD
< 100 kW

Mini GD
100 – 1000 kW

Sistema de compensação

Net metering

Fonte incentivada

Fonte incentivada

Para mini e micro GD

Conectada na D com unidade consumidora

Conectada na D com unidade consumidora
5

Resolução 482/2012

Conexão de Micro e Minigeração Distribuída

Conexão rasa

Net Metering
CUSD e CCD

Adesão por opção

240 dias

PRAZO INICIAL: Distribuidoras adequarem sistemas comerciais e elaborarem de normas após publicação da Resolução
6

Resolução 482/2012
•  Faturamento no Sistema de Compensação de Energia:
Compensação do Excedente: 1.  Outros postos horários (observada relação entre tarifas) 2.  MesesConsumida Injetada meses) subsequentes (até 36 3.  Outras unidades do mesmo consumidor

Líquido Líquido Mínimo: No mínimo: Custo de Disponibilidade (Grupo B)Custo de Disponibilidade (Grupo B) ou ou Demanda Contratada (Grupo A) Demanda Contratada (Grupo A)

Fatura = Líquido

Fatura = Mínimo
7

Resolução 482/2012
•  Medição: Custos de adequação: responsabilidade dos interessados
Diferença entre o custo do Net Metering e o custo do medidor convencional

Adequação: responsabilidade técnica da distribuidora
• Dentro do prazo de vistoria • Incorpora ao Ativo como Obrigações Esp. • Distr. responsável por: operação, manutenção, eventuais substituições e adequações

Especificações – conforme PRODIST
8

Resolução 482/2012

Comprovada irregularidade na medição os créditos de energia ativa gerados no período não poderão ser utilizados no sistema de compensação

Consumidor responsável por danos ao sistema elétrico caso o dano seja devido à mini ou micro GD e não tenham sido observadas as normas e padrões da distribuidora

9

Seção 3.7 do Módulo 3 do PRODIST Acesso de Micro e Minigeração Distribuída
•  Etapas para viabilização do acesso
Dados Necessários •  Distribuidora disponibiliza na internet a relação das informações necessárias para a solicitação de acesso e dados requeridos pela ANEEL para registro Registro na ANEEL •  Envio dos dados para registro da micro ou mini GD feito pela Distribuidora Acesso •  Etapas de “Consulta de Acesso” e “Informação de Acesso” não obrigatórias para mini e micro GD •  Parecer de Acesso emitido pela distribuidora, sem ônus para o acessante •  Caso necessários, estudos para integração da GD serão feitos pela distribuidora, sem ônus para o acessante
10

Seção 3.7 do Módulo 3 do PRODIST Acesso de Micro e Minigeração Distribuída
•  Critérios técnicos e operacionais
Tensão de conexão: ≤100 kW  BT 101 – 500 kW  BT ou MT ≥500 kW  MT

Menor potência, menos exigência!

Ponto de conexão: Micro GD  o mesmo da unidade consumidora Mini GD  único para a central geradora e unidade consumidora ficando na interseção das instalações de interesse restrito com o sistema de distribuição acessado Outros Exemplos: Micro GD  redundância desnecessária se as proteções estiverem inseridas nos inversores Mini GD  exigência de estudo de curto-circuito e de medidor de 4 quadrantes (não exigidos para Micro GD)
11

Seção 3.7 do Módulo 3 do PRODIST Acesso de Micro e Minigeração Distribuída
• Operação da rede:

Micro GD Mini GD

•  Relacionamento Operacional •  Sem contratos de geração

•  Acordo Operativo •  Sem contratos de geração

12

Seção 3.7 do Módulo 3 do PRODIST Acesso de Micro e Minigeração Distribuída
•  Prazos:

30 dias*
Emissão do Parecer de Acesso

30 dias
Vistoria após solicitação do consumidor

15 dias
Entrega do Relatório de Vistoria

7 dias
Aprovação do ponto de conexão

82 dias
Efetivação da Conexão

*

Caso seja mini GD e haja necessidade de obras, o prazo é de 60 dias

13

Muito Obrigado!
armandos@aneel.gov.br 61-2192-8927

Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição – SRD

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful