TEORIAS DA TRIBUTAÇÃO

Análise das doutrinas econômicas
Elda Cilene F C Santos Gestão Pública e Social-2010.1

Introdução
•Evolução do pensamento econômico. A história do pensamento econômico pode ser dividida, grosso modo, em três períodos: •Pré-moderno (grego,romano, árabe) •Moderno (mercantilismo, fisiocracia) •Contemporâneo (a partir de Adam Smith no final do século XVIII).

Mercantilismo

SIR WILLIAM PETTY (1623-1687)

Thomas Mun (1571-1641)

CHARLES DAVENANT (1656-1714)

JEAN BAPTISTE COLBERT (Reims, 1619-Paris, 1683)

Mercantilismo
• Inicio Século XVI a XVIII  Chamada Revolução Comercial  Fundamentos para o estabelecimento de uma economia mundial • Novas formas de organização política: O Estado Nacional.
• Bases conceituais da futura teoria do comércio exterior.

Mercantilismo
• Construção do Sistema Econômico Mundial  Início do capitalismo, século XI • Cidades Estado ao Estado absolutista • As grandes navegações, século XIV • Inicio do processo de acumulação, pela exploração das minas de ouro e prata na América, a escravidão do negro e a prática predatória das companhias de exploração  Formação da Economia-Mundo • A partir do desenvolvimento de uma economia capitalista

desenvolvido na idade moderna. como um dos meios do Estado absolutista controlar a política de seu território . através (dentre outras práticas) da criação do sistema tributário = sistema de impostos regulares e obrigatórios para manter o governo e a administração pública.Mercantilismo • Conjunto de teorias e práticas de intervenção econômica. .

para assim comercial favorável.Mercantilismo • As monarquias do período regulavam suas economias de acordo com as práticas mercantilistas que tinham por base: • » aumentar a qualquer custo as economias da Coroa. ter uma balança . incluindo as colônias. • » vender mais do que comprar. • » incentivar a produção interna.

que atuava em todos os setores da nacional. • Nesse período . teve um estado interventor. • » a aliança da burguesia mercantil com os reis em favor dos seus interesses econômicos. • » conquistar colônias e explorar produtos de alto valor comercial na Europa.Mercantilismo • » adotar medidas de proteção para as manufaturas e controlar as taxas alfandegárias sobre os produtos importados. essa intervenção manifestou-se através do mercantilismo. Com isso a burguesia conseguiu até mesmo formar um exército forte. Na economia. .

a balança comercial favorável. . exportar mais do que importar. ou seja.Mercantilismo • Sua base foi o metalismo. a riqueza e o poder de um estado de acordo com os metais preciosos acumulados. e para diminuir a importação.

necessárias para um País que deseja receber pagamentos em moeda. propunham a obtenção de excedente de exportações. Os mercantilistas consideravam o ouro e a prata como a forma mais desejável de riqueza. 2. Para acumular esse metal. .Mercantilismo 1.

.Mercantilismo 3.. O nacionalismo mercantilista implicava em militarismo .Os mercantilistas promoveram o nacionalismo. O lucro de um homem representa o prejuízo de outro. . Nenhum homem pode receber lucros exceto pelo prejuízo de outros” (Michel de Montaigne) 4.

(As colônias eternamente dependentes). Os capitalistas mercantes acreditavam na dominação e exploração de colônias e no monopólio do comércio em seu próprio benefício. .Mercantilismo 5. Ênfase sobre as exportações relutância em importar. e 6.

O mercantilismo favorecia a existência de um governo centralizado forte para garantir a regulamentação dos negócios. Embora o mercantilismo promovesse riqueza para a nação. isto é. (garantir regulamentação nacional uniforme).Mercantilismo 7. não encorajava a riqueza para a maioria da população. opunham-se a impostos internos. os mercantilistas acreditavam no livre comércio dentro do país .Para promover seus interesses comerciais. 9. . taxas e outras restrições sobre o movimento de bens. o que não quer dizer que eram favoráveis à entrada de qualquer pessoa no ramo do comércio. 8.

. nascido em Londres e reconhecido como um Thomas Mun dos mais destacados membros da (1571-1641) escola mercantilista.Mercantilismo Comerciante Inglês. a drenagem de espécies de um país em qualquer ramo de comércio não importava”. principal tese: “enquanto as exportações totais excedessem as importações totais.

Mercantilismo  Passou grande parte de sua vida ocupando cargos governamentais relacionados à arrecadação de impostos e ao controle de CHARLES DAVENANT importações e importações. . (1656-1714) Defendeu a regulamentação governamental dos negócios.

Acreditava que a força do estado depende de suas finanças. . que depende da arrecadação de impostos.Mercantilismo Representa o coração e a alma do mercantilismo na França. que por isso passou a chamar-se de JEAN BAPTISTE COLBERT COLBERTISMO. 1683) •Defensor da acumulação de metais preciosos. (Reims. 1619-Paris.

Mercantilismo •Defensor do pleno emprego. SIR WILLIAM PETTY (1623-1687) • Apoiava a sobretaxa nas importações de bens de consumo que eram produzidos internamente. • Apoiava um comércio exterior mais livre. para evitar o contrabando. • Apoiava comércio a produção mais que o .

Escola Fisiocrata FRANÇOIS QUESNAY (1694-1774) .

. •Apesar de ter subsistido formalmente por apenas duas décadas. provocou influências por muito mais tempo.Escola Fisiocrata •Introdução •Foi desenvolvida na França entre 1756 1776 •Teve como marco inicial a publicação do Artigo de Quesnay intitulado Grande Encyclopédie.

Fisiocracia Os fisiocratas desenvolveram a idéia da ordem natural: Na esfera econômica. mercantilista e governamentais. desde que isso fosse coerente com o direito dos outros. o direito natural das pessoas era desfrutar seu próprio trabalho. . Oposição a quase todas as restrições feudais.

Fisiocracia •A indústria. pois criava um excedente. . Somente a agricultura era produtiva. •Somente os proprietários de terras deveriam pagar impostos. porque a agricultura era a única que gerava excedente. o comércio e as profissões eram úteis mais estéreis. um produto líquido acima dos custos de produção.

Era um ato que dificultava a acumulação de capital. .Fisiocracia •Condenava o consumo de produtos de luxo. •Consideravam a economia como um todo e analisavam o fluxo circular da riqueza.

Fisiocracia A utilidade da Escola •Ao considerar a sociedade como um todo e analisando as leis que governam a circulação de riqueza. fundaram a Economia como ciência. .

A ESCOLA CLÁSSICA ADAM SMITH (1723-1790) DAVID RICARDO (1772 .1823) .

e inferior à França em produção manufatureira. . quando Stanley Jevons e Carl Menger publicaram os trabalhos que deram origem à teoria neoclássica. a Inglaterra ocupava uma posição inferior à da Holanda em comércio. a 1871. •O período de influência da Escola Clássica pode ser datado de 1776. com a publicação da obra de Adam Smith.A ESCOLA CLÁSSICA •No Século XVII.

. que em seqüência à Revolução Comercial. a Inglaterra assumiu supremacia em comércio e indústria. que foi o ponto de partida de rápidas e decisivas mudanças no campo econômico.A ESCOLA CLÁSSICA •Em meados do Século XVIII. não só ampliou ainda mais a esfera dos grandes empreendimentos comerciais mais ainda se estendeu aos domínios da produção. •A Revolução Industrial.

Smith faz uma reflexão sobre o papel do governo na economia. Smith nos leva a admitir que uma estrutura tributária não é resultado de interpretações e aplicações de princípios normativos. Analisando a questão tributária baseada no seu contexto histórico. e dos sistemas tributários à época. . A Riqueza das Nações. mas é resultado da dinâmica econômica e social de um dado contexto histórico.A ESCOLA CLÁSSICA ADAM SMITH No seu livro.

ADAM SMITH • A estrutura tributária representa uma ação do Estado. a sua análise não deve ser separada da concepção do seu papel na economia capitalista e do próprio funcionamento da economia. .

.ADAM SMITH Adam Smith aceita como natural a formação social capitalista. com a propriedade privada dos meios de produção monopolizada em uma classe social. exalta como racional a organização da economia baseada na divisão do trabalho e dirigida pelo interesse privado dos produtores individuais (capitalistas).

mas esta visão não significa que o Estado não tenha um papel na economia. mas apoiar a dinâmica capitalista de produção . Seu papel não é de organizar e comandar. .ADAM SMITH • O liberalismo de Smith está ligado à idéia de que o produtor individual tem maiores e melhores condições de organizar e comandar a economia do que o Estado.

. não impliquem em problemas aos agentes econômicos e produzam uma receita suficiente para o Estado. • Os impostos ideais= justos.ADAM SMITH • Os princípios de tributação devem guiar os impostos para a formação de uma estrutura tributária ideal. não intervenham no funcionamento da sociedade.

. . o rendimento privado dos indivíduos advém de três fontes distintas: lucro. ser pago sobre um ou outro desses três tipos de rendimentos ou sobre todos eles. • Todo imposto deve.ADAM SMITH • Para Smith. renda e salários.

• A divisão do trabalho.ADAM SMITH • A grande questão de sua obra foi entender o processo pelo qual as nações se tornam ricas e. • A mão invisível. . sua resposta foi que isso ocorre devido  AO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO DECORRENTE DA DIVISÃO DO TRABALHO. Smith tinha como base de seu modelo: • O livre mercado. • Para que esta resposta fosse desenvolvida.

• Esse resultado significava que as intervenções do governo na economia deveria ser limitada e. • 3) Criar e manter as instituições públicas importantes para a sociedade.ADAM SMITH • MÃO INVISÍVEL: • Cada indivíduo age pelos seus próprios interesses e isto resultará que a economia como um todo tenha o melhor resultado possível. • 2) Proteger os membros da sociedade da injustiça e da opressão. . tais atividades deveria se restringir em: • 1) Proteger a sociedade da violência e da invasão.para Smith.

ADAM SMITH • Princípios da tributação:  Equidade  Certeza  Conveniência de pagamento  Economia no recolhimento .

Da noção de que a produção e a divisão do trabalho determinavam o bem-estar da nação. . capitalistas e trabalhadores. Apontava como problema-chave a divisão da produção da terra entre três classe: proprietários de terras.A ESCOLA CLÁSSICA DAVID RICARDO •Mudou a ênfase da análise econômica da produção para a distribuição. para a de que a distribuição era o problema principal.

• Principal obra: On the Principles of Political Economy and Taxation (Princípios da Economia Política e Tributação).David Ricardo • Ricardo segue como princípio de justiça na tributação: o da capacidade de pagamento. . de forma a perceber sobre que categoria social o imposto recai. • Para avaliar a eqüidade do tributo cria a teoria dos determinantes dos rendimentos. tal como anunciado por Smith.

Ricardo aponta qual era o problema central da economia política: “determinar as leis que regem a distribuição do produto total da terra entre as três classes.David Ricardo • Nesta obra. que entram com o trabalho para o cultivo da terra”. o proprietário da terra. . o dono do capital necessário para seu cultivo e os trabalhadores.

David Ricardo • Para Ricardo as despesas governamentais constituem sempre despesas improdutivas e. portanto. cuja principal fonte são os impostos. a não ser pelo lado do seu financiamento. . não interferem na acumulação de capital.

. É com esse objetivo que desenvolve sua teoria dos impostos.David Ricardo • Por isso. a preocupação principal de Ricardo está em que os impostos não interfiram na acumulação.

1982).. De acordo com o mesmo: "(..David Ricardo A teoria ricardiana da tributação é embasada pelo princípio da eqüidade.) os encargos do Estado devem ser suportados por todos. proporcionalmente aos seus recursos: este é um dos quatro princípios mencionados por Adam Smith. que devem servir de orientação para toda a tributação" (Ricardo. . já defendido por Smith.

. Nesse caso : "(. resulta que devam recair sobre o rendimento. ocorrerá uma diminuição da produção. enquanto a produção anual continuar diminuindo constantemente.David Ricardo • Se os impostos não devem atingir a acumulação. . os rendimentos da população e do Estado irão diminuindo a um ritmo crescente e o resultado será a miséria e a ruína” (Ricardo..) se a população e o Governo continuarem realizando as mesmas despesas improdutivas. Se a tributação atingir o capital. 1982).

114)... p. se isso acontecer.)"Portanto.David Ricardo • (. a menos que seja possível aumentar o capital e o rendimento na mesma proporção. os desfrutos anuais da população devem diminuir. a produção futura do país diminuirá" (Ricardo. A política governamental deve encorajar essa atitude da população e nunca lançar impostos que inevitavelmente atinjam o capital.pois. . 1982. à medida que aumentam os impostos ou crescem as despesas governamentais. o fundo de manutenção do trabalho será enfraquecido e. em conseqüência.

As três formas de rendimento são: o salário do trabalhador.David Ricardo • A preocupação principal de Ricardo ao formular sua teoria dos impostos está em que estes não representem um obstáculo ao desenvolvimento industrial da Inglaterra. o lucro do capitalista e a renda dos proprietários de terra. deverão incidir sobre o rendimento e não sobre o capital. . Para tanto.

não pode ser tributado o lucro. expressão do interesse destes últimos. . deve prevalecer o interesse dos capitalistas industriais contra os proprietários de terra. De acordo com isso.David Ricardo • Na teoria de Ricardo. mas sim a renda da terra.

. então. como modo de análise das perspectivas atuais da situação econômica. determinar as leis naturais que orientam essa distribuição.David Ricardo • O papel da ciência econômica seria. sem perder a preocupação com o crescimento em longo prazo.

Imposição de um imposto em um setor específico►aumento dos seus preços►redução do consumo►e da produção. .David Ricardo Preocupação com os impactos dos impostos sobre a produção: •Princípio da eqüidade= não taxar desigualmente “a classe que acumula e que poupa”.

na iniciativa individual e no controle individual da empresa. . na propriedade privada. • Baseia-se na liberdade pessoal. apoiadas na doutrina do laissez-faire.A ESCOLA CLÁSSICA A essência da Escola Clássica • A doutrina clássica é freqüentemente chamada de liberalismo econômico.

sem a intervenção governamental. As forças do mercado competitivo livre orientam a produção. • Com exceção de Ricardo.A ESCOLA CLÁSSICA • Principais características: • O primeiro princípio da Escola Clássica era o laissez-faire. harmonia de interesses. O melhor governo é aquele que menos governa. a troca e a distribuição. A economia era considerada auto ajustável e tendia para o pleno emprego. enfatizava a .

especialmente a indústria. . • Visava a promoção do máximo crescimento e desenvolvimento econômico e a crença do desejo individual inato de acumular riqueza como um fim em si mesmo. • Os Clássicos consideravam a economia como um todo – a abordagem macroeconômica.A ESCOLA CLÁSSICA • Ressaltava a importância de todas as atividades econômicas.

. dos Juros e da Moeda (1936). com queda na renda nacional e aumento do desemprego. a exemplo da crise de 1929 que foi resultado de uma recessão econômica.TEORIA KEYNESIANA John Maynard Keynes 1883-1946 • Principal Obra: Teoria Geral do Emprego. • A discussão de Keynes tem como ponto de partida as instabilidades econômicas que começaram a ganhar evidência a partir do século XX.

. problema se agravaria. tal problema se agravaria. se continuasse.TEORIA KEYNESIANA • Keynes ao buscar uma resposta a este problema chega a seguinte conclusão: o livre mercado estava sendo o causador do processo de recessão econômica no curto prazo e.

Isto ocasionou um desequilíbrio entre a demanda e a oferta de bens e serviços. renda e consumo.TEORIA KEYNESIANA • Para Keynes não havia desemprego voluntário. mas sim desemprego involuntário que estava ocasionando redução de produção. tudo ao mesmo tempo. .

gerando renda e consumo. geração e renda e ampliação do consumo que fariam com que a economia voltasse a um PLENO EMPREGO. motivando-as a aumentar novamente seus níveis de produção.TEORIA KEYNESIANA • A proposta apresentada por Keynes foi a INTERVENÇÃO DO GOVERNO através de gastos realizados principalmente em obras públicas. que trariam novos empregos. para que o governo conseguisse ser um agente econômico capaz de aumentar o nível de emprego. gerando renda e consumo. . aumentando emprego. aumentando a demanda por bens e serviços que absorveria os estoques de produção das empresas.

.TEORIA KEYNESIANA • Keynes destacou a necessidade de intervenção do governo de forma indireta ― incentivando o consumo via diminuição dos impostos. uma forma ainda mais indireta de intervenção. E mesmo alterando a oferta de moeda na Economia. ou aumentando os impostos se se tratasse de excesso de procura ― ou de forma direta -. aumentando o consumo próprio de bens e serviços. no caso de insuficiência da demanda.

seja privado ou público. são as decisões de gasto. Adicionalmente. são as expectativas que orientam as decisões de investimento de longo prazo . Segundo ele. em consumo e investimento que determinam o nível de atividade econômica.TEORIA KEYNESIANA • Relação direta entre crescimento econômico e aumento dos gastos públicos.

.via redução da carga tributária.TEORIA KEYNESIANA ESTADO INTERVENTOR •Para estabilizar a economia: •atuação mais efetiva do Estado •por meios de gastos públicoscompensem a falta de investimento privado. •pelo direcionamento e incentivos aos investimentos.

pois. a intervenção estatal deveria acontecer nas questões relacionadas com a poupança. . assim.TEORIA KEYNESIANA • Na opinião de Keynes. as demais questões seriam apenas conseqüentes das primeiras. investimento e controle populacional.

. O Estado assume. tendente ao desemprego e a crises cíclicas. então.TEORIA KEYNESIANA • Sua teoria econômica é basicamente uma teoria monetária da produção que incorpora a ação estatal como mecanismo de estabilização de uma economia essencialmente instável. e sua ação é preconizada por Keynes em dois sentidos: o controle monetário e a "socialização dos investimentos". uma importância vital.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful