Você está na página 1de 19

Prevenção do Câncer de Mamas

Maria Laura Vidal Carret


Agosto, 2008
Epidemiologia do Câncer de Mamas
• Mundo
– 2º tipo de câncer mais comum
– 1º tipo de câncer mais comum em mulheres
– Câncer que mais mata mulheres no mundo

• Brasil
– Principal causa de óbitos por câncer em mulheres,
principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos

• RS
– Incidência: 69 casos novos / 100.000 mulheres
– 2º tipo mais diagnosticado
Epidemiologia do Câncer de Mamas
• Menos freqüente antes dos 35 anos de idade

• Mulheres → 10% com fatores de risco → 30%


irão desenvolvê-lo

• Prognóstico X diagnosticado e tratado

• 150 mulheres : 1 homem


Epidemiologia do Câncer de Mamas
Fatores de risco
• Maior idade
• Antecedentes familiares: principalmente de
primeiro grau (mãe ou irmã)
• Menarca precoce, menopausa tardia
• Primeira gestação após os 28 - 30 anos e
nuliparidade
• ACO ou terapia de reposição hormonal
(controversa)
• Dieta rica em gordura
• Obesidade
• Uso regular de álcool
Sinais e sintomas relacionados às mamas
• Aumento da sensibilidade e dor mamária
• Nódulos palpáveis
• Retração da pele
• Retração do mamilo
• Descarga papilar espontânea
• Descamação e erosão do mamilo e aréola
• Sinais inflamatórios da mama
Auto-exame de mamas
• Não substitui o exame clínico de mamas

• Não é considerado exame de rastreamento para


câncer de mama

• Deve ser estimulado pelo profissional de saúde

Recomendação do INCA:
• Como parte das ações de educação para a
saúde que contemplem o conhecimento do
próprio corpo
Auto-exame de mamas
Exame Clínico das Mamas (ECM)
• Deve ser realizado em todas as faixas etárias
• Médico ou enfermeira treinados: pode detectar
tumor de até 1 centímetro, se superficial

• Sensibilidade do ECM
– 57 a 83% em mulheres de 50 a 59 anos
– 71% em mulheres de 40 a 49 anos
• Especificidade do ECM
– 88 a 96% em mulheres de 50 a 59
– 71 a 84% em mulheres de 40 a 49 anos
Mamografia
• Radiografia da mama - detecção precoce do câncer,
capaz de mostrar lesões em fase inicial, muito
pequenas (de milímetros)

• Sensibilidade e especificidade dependem de:


– tamanho e localização da lesão
– densidade do tecido mamário ( jovens: mamas mais
densas)
– qualidade dos recursos técnicos
– habilidade de interpretação do radiologista

– Sensibilidade: 46 a 88%
– Especificidade: 82 e 99%
Câncer de Mama
Recomendações do INCA
1. Mulheres assintomática, sem fatores de risco

• ECM a partir dos 40 anos

• Mamografia em mulheres entre 50 e 69 anos de


2/2 anos
Recomendações do INCA
2. Mulheres > 35 anos + fatores de risco
– parente de primeiro grau com câncer de mama antes
dos 50 anos ou com câncer de mama bilateral ou
câncer de ovário
– história familiar de câncer de mama masculina
– lesão mamária proliferativa com atipia comprovada
em biópsia

• ECM e mamografia anual


Recomendações do INCA
• Não existem evidências científicas conclusivas
que justifiquem estratégias específicas de
prevenção primária

• Mulheres submetidas ao rastreamento, garantir


acesso aos exames de diagnóstico, tratamento
e acompanhamento das alterações encontradas
Recomendações do INCA
• Ações de promoção à saúde

• Controle de doenças crônicas não-transmissíveis

• Foco nos fatores de risco →obesidade, tabagismo


Estadiamento
Sistema de Classificação TNM
• classifica os tumores em estágios, dependendo
de características

• T→ tumor
• N → lingonodos regionais
• M → metástases a distância
CLASSIFICAÇÃO BI-RADS
Fonte: American College of Radiology
CATEGORIA DESCRIÇÃO RISCO
0 Inconclusivo -

1 Mamografia normal 0,05%

2 Achados benignos 0,05%

3 Achados provavelmente benignos Até 2%

4A Suspeita leve 5%

4B Suspeita moderada 25%

4C Suspeita forte 70%

5 Achados provavelmente malignos ≥95%

6 Achado maligno 100%


Referências bibliográficas
• Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ.
– Medicina ambulatorial: condutas de Atenção primária
Baseadas em Evidências. 3ª ed. Porto Alegre; 2004,
Capítulo 43

• INCA – Instituto Nacional do Câncer


– www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=336

– www.who.int/cancer/detection/breastcancer/en/