Você está na página 1de 28

APOPTOSE

APOPTOSE
Conceito: É o processo de morte celular programada, ou
seja, uma auto destruição celular.

Durante a apoptose, a célula sofre alterações morfológicas


características desse tipo de morte celular. Tais alterações
incluem a retração da célula, perda de aderência com a
matriz extracelular e células vizinhas.

APO+ PTOSIS = queda das folhas.


FUNÇÕES
- Esculpir estruturas.

- Formação de dígitos.

- Formação de tubos e cavidades.

- Modelamento de órgãos.

- Eliminação de estruturas.

- Regulação da quantidade de células.

- Eliminação de células defeituosas.


ESTÍMULOS FISIOLÓGICOS
Casos de involução de estruturas fetais durante o
desenvolvimento embrionário do feto.

No processo embrionário e fetal, o normal é que as


células que compõem essa membrana, sofram apoptose,
para que a criança não possua sindactilia (anormalidade
embriológica que resulta na visível união entre dois ou
mais dedos das mãos ou dos pés).
ESTÍMULOS FISIOLÓGICOS
Involução de tecidos regulados por hormônios.
ESTÍMULOS PATOLÓGICO

• Lesão por isquemia ou hipóxia.


• Lesões por material genético (DNA) da célula.

Quando a lesão causada ao DNA é maior que a


capacidade da célula de revertê-la, é mais seguro para
o organismo que o programa de morte celular seja
ativado, já que a multiplicação de uma célula mutante
pode dar origem a neoplasias. Lesão por isquemia ou
hipóxia moderadas podem levar as células de
determinado tecido, tanto à necrose, quanto à
apoptose.
NECROSE
É um processo irreversível de morte celular, ocorrida no
organismo vivo e seguida de fenômenos de
autólise( destruição de tecido vivo ou morto por enzimas e
células do próprio organismo, autodigestão).
CAUSAS DA NECROSE
A Necrose leva o desaparecimento total do núcleo celular, e
por fim, da própria célula. A necrose pode ocorrer por conta de
agentes físicos, químicos e biológicos/infecciosos, reações
imunológicas, defeitos genéticos e desequilíbrios nutricionais.
Apoptose x Necrose
APOPTOSE X NECROSE
CASPASES

O conjunto proteico responsável pela apoptose é composto


por proteases que têm uma cisteína em seu sítio ativo e clivam
suas proteínas-alvo em ácidos aspárticos específicos. Elas
foram denominadas caspases (c para cisteína e asp para
ácido aspártico).

As caspases são as proteínas que lideram os eventos que


culminam na apoptose celular. .A ação delas permite que o
processo apoptótico ocorra de maneira bem feita, o que é
fundamental para que se evite algumas complicações com a
célula.
CASPASES
- São conhecidas 14 caspases humanas, sendo que seis
(caspases 3, 6, 7, 8, 9, 10) participam da apoptose.

- Existem dois tipos de caspases: INICIADORAS (correspodem


às de número 8, 9 e 10 e são responsáveis por ativar mais pró-
caspases) e as EFETORAS (são as de numero igual a 3 e 6, e
exercem um papel fundamental na apoptose, a ativação das
endonucleases, que são enzimas responsáveis por clivar o
material genético.
MECANISMOS DA APOPTOSE
A apoptose pode ocorrer por duas vias:

Via Intrínseca: Também chamada de mitocondrial, ocorre quando


há retirada de fatores de crescimento ou de hormônios ou quando
acontece lesão ao DNA. Os sinais que são traduzidos em
respostas a estes insultos convergem para a mitocôndria que
fornece energia para a apoptose e liberam citocromo c no
citoplasma que ativam as caspases.

Via Extrínseca: Também conhecida como Via do Receptor de


Morte, é desencadeada pela ligação específicos a um grupo de
receptores de membrana da superfamília dos receptores de
fatores de necrose tumoral (rTNF). Esta ligação é capaz de ativar
a cascata das caspases.
. .
ALTERAÇÕES CELULARES DA
APOPTOSE
Na apoptose, a célula encolhe, bolhas começam a se
formar e a cromatina é compactada, formando
massas concentradas nas bordas internas do núcleo,
que se parte, levando à formação dos corpos
apoptóticos.
ALTERAÇÕES CELULARES DA
APOPTOSE

 O citoesqueleto se desmonta devido à ruptura de seus


filamentos.
 Encolhimento celular.
 Os filamentos laminares se dissociam.
 Condensação da cromatina
 Formação de bolhas citoplasmáticas e corpos
apoptóticos.
 Fagocitose das células ou corpos apoptóticos pelos
macrófagos principalmente.
PROTEÍNA P53 E A APOPTOSE

Já se observou que alguns genes que são ativados pela


proteína p53 estão envolvidos com a apoptose. A p53 é uma
proteína supressora de tumor, e participa da regulação do
ciclo celular quando ocorrem danos no DNA. De um modo
geral, a p53 retarda o ciclo celular, de modo que as células
ficam estacionadas.. Acredita-se que a p53 funcione como
um ativador transcricional na promoção da apoptose, mas
ela ainda pode atuar em uma outra via apoptótica que
envolve as mitocôndrias.
PROTEÍNAS DA FAMÍLIA BCL-2
- Proteínas indutoras e repressoras de morte celular
por apoptose;

- Participam ativamente da regulação da apoptose;

- Regulam a permeabilidade da membrana externa


da mitocôndria;

- Previnem a liberação de citocromo C e são


chamadas de reguladores anti-apoptóticos.
FATORES TRÓFICOS
- As células se mantém
viva por fatores tróficos.
Esses interagem com a
membrana celular
ativando
fosfatidilinositol 3-
cinase (P13-K).
APOPTOSE NA PATOGÊNESE DE
DOENÇAS

A morte celular programada faz parte de diversos


processos vitais, como o desenvolvimento embrionário, o
controle de tumores e a regulação de populações de
células do sistema imune. Porem alterações nos genes
responsáveis pela autodestruição podem ser desastrosas.
Qualquer distúrbio de sua regulação (tanto o excesso
quanto a insuficiência) pode provocar uma variedade de
doenças .
DOENÇAS ASSOCIADAS A
APOPTOSE INSUFICIENTE
DOENÇAS ASSOCIADAS A
APOPTOSE EXCESSIVA
CONCLUSÃO

O estudo da apoptose é muito importante para


compreender os mecanismos de controle e
manutenção do organismo e diferentes doenças,
como o câncer. O melhor entendimento da apoptose
permitiu o desenvolvimento de novas alternativas
para o controle e cura de diversos tumores através
da indução da morte nas células tumorais.
BIBLIOGRAFIA

APS – PATOLOGIA BÁSICA APOPTOSE E NECROSE Professora Priscila Resmer


http://www.ufrgs.br

Bases da Biologia Celular e Molecular - Eduardo de Robertis e José Hib, 4ª Ed

Histologia Básica Luiz C. Junqueira , José Carneiro 10ª edição

https://scholar.google.com.br

https://www.portalsaofrancisco.com.br/biologia/apoptose
Copyright © Portal São Francisco