Você está na página 1de 27

Filosofia moderna

Kant
(Idealismo)

Ensino Médio – Apostila 0


Prof. Márcio
Kant (1724-1804)

• Filósofo alemão
considerado por
muitos o pensador
mais influente dos
tempos modernos.
Kant (1724-1804)

• Nasceu em Könisberg, 22/04/1724


Estudos
• Collegium Fredericiacum
• Universidade Könisberg
Docência
• Inicialmente aulas particulares
• Nomeado professor da Universidade em 1770
“Não se pode duvidar de que todo
conhecimento se inicia com a experiência”

MAS

Qual é o significado dessa experiência?


• O conhecimento procede da percepção
sensorial mas não termina aí.
• Percepção – Fenômeno
• Coisas em si mesmas
• Númeno (noumenon, noumena)
• Dicotomia:
o que é percebido
x
o que é experenciado
O conhecimento se inicia com a experiência, mas
não se desenvolve com a experiência.

Mente transcendental
• O problema da natureza do mundo foi
deslocado da percepção objetiva do
sujeito, para a mente “transcendental”
humana e seus limites.

• A mente ordena a percepção


• A mente percebe os objetos dentro das
dimensões de tempo e espaço porque é
única forma pela qual o sujeito pode
perceber.

• O mundo percebido:
– Percepção sensorial do objeto
– Formas apriorísticas da mente
• Conhecer:
– Sensação – passiva
– Compreensão – ativa

• Sentimentos:
– Estéticos – úteis
– De prazer e dor – obstáculos à razão pura
Kant (1724-1804) - Epistemologia

• O conhecimento humano está confinado ao


mundo fenomenal, o mundo construído
sinteticamente que nós experienciamos. Não se
pode penetrar além do véu do mundo
"noumenal“(nômeno, númeno) das "coisas elas
mesmas".
• Kant legitimou o conhecimento no mundo de
nossa experiência e excluiu o conhecimento da
realidade última e da natureza da alma.
Kant (1724-1804) - Lógica
• O conhecimento começa mas não procede da
experiência;
• Como é possível a experiência?
• Através da classificação do juízo
– Analíticos
– a-priori
• pensamento pensado simultaneamente pelo sujeito;
– Sintéticos
• a-posteriori
Kant (1724-1804) - Lógica

• Juízos analíticos são vazios mas certos.


• Juízos sintéticos não são vazios, não são certos
– mas são independentes da experiência.
Kant (1724-1804) - Lógica

• Há um conhecimento que se ocupa dos


objetos e do modo de conhecê-los;

• Este é o conhecimento transcendental.


Kant (1724-1804) - Lógica

Analítica

Experiência Razão
Sintética
Kant (1724-1804) - Lógica

RAZÃO EXPERIÊNCIA

Analítico a-priori Casas brancas são casas

Sintético a-posteriori A casa é branca

MODO DE OBJETO DO
CONHECER CONHECIMENTO
Kant (1724-1804)

• Principal livro: Crítica da Razão Pura

Estética transcendental
Doutrina
transcendental
dos elementos Lógica transcendental

Analítica Dialética
transcendental transcendental
Kant (1724-1804)

Transcendental
• Idéia de uma ciência.
• Algo que não é nem objeto nem tampouco
o sujeito cognoscente, senão uma relação
entre eles.
Kant

• Deus
• Alma
• Mundo Idéias
• Liberdade
• Imortalidade
Kant (1724-1804)

• Idéias não são representações.


• São noções que rebaixam a possibilidade
da experiência.
• O conhecimento começa com os sentidos,
passa pela inteligência e termina na razão.
• A função característica da razão é o
raciocínio dedutivo.
Kant (1724-1804) - Ética

O homem é uma conjunção de dois mundos:

– O mundo dos sentidos e do corpo


• todos os eventos devem ser considerados como
determinados por causalidade
• O mundo da mente e da razão, cujas as ações estão sujeitas
a lei racional e moral.
Ética em Kant: Tu deves - consciência moral incondicional

• O dever é a expressão da natureza racional do


homem, completamente independente de seus
desejos e inclinações.
• O agir motivado por estímulos externos ou por
desejos e inclinações atende a uma necessidade
causal.
Racionalismo Empirismo Idealismo

Experiência
Síntese
Idéia inata (idéia
mental
adquirida)
Idealismo
• No sentido gnosiológico, tal como ocorre
especialmente no kantismo, teoria que
considera o sentido e a inteligibilidade de um
objeto de conhecimento dependente do sujeito
que o compreende, que torna a realidade
cognoscível heterônoma, carente de auto-
suficiência, e necessariamente redutível aos
termos ou forma ideais que caracterizam a
subjetividade humana.
1º nível do conhecimento
A construção do conhecimento, numa
primeira fase - sensibilidade ou receptividade – é
feita através desta faculdade que está “equipada”
com as intuições puras do espaço e do tempo.
Podemos organizar os fenómenos em percepções. A
este nível do conhecimento podemos chamar nível da
intuição.

Percepções
Espaço Tempo 1º nível:
Sensibilidade Conhecimento
sensível

Fenómenos

Númeno = “coisa em si”


2º nível do conhecimento
Numa segunda etapa - a do entendimento - os fenômenos estabelecem relações
entre si, organizando as percepções correspondentes, através da faculdade da
imaginação, num nível superior que chamaremos de representação ou de
conhecimento, através do auxílio de um conjunto de regras a priori designadas de
categorias - quantidade, qualidade, relação e modalidade. Em sentido próprio só
neste momento podemos falar de conhecimento, pois só aqui os objetos são
pensados. Este conhecimento será constituído por um conjunto de juízos sintéticos
a priori que se identificam, na prática, com o conhecimento científico.

Juízos sintéticos a priori


2º nível:
Entendimento Conhecimento
Científico
Qualidade Relação
Quantidade Conceitos puros Modalidade
Conhecer
Percepções
Percepções
Espaço Tempo 1º nivel:
Sensibilidade Conhecimento
sensível

Fenómenos

Númeno = coisa em si
A razão
Ideais
reguladores
Deus
Alma Mundo
Pensar Razão
Conceitos racionais

Juízos sintéticos a priori

Este edifício não ficaria completo se Kant não pensasse um nível


superior completamente metafísico constituído, não por conhecimentos
mas, por um conjunto de ideias reguladoras do qual faz parte a
faculdade da razão. Estes ideais, por oposição à sensibilidade, são
perfeitamente vazios, tendo como finalidade estabelecer a unidade
racional de todo o conhecimento. A nível científico, os objetos nunca
serão conhecidos em si mesmos enquanto noumeno); só podem mesmo
ser conhecidos como algo para nós (como fenômenos) porquanto têm
de se submeter a um conjunto de regras ou princípios a priori.
Esquema do processo de conhecimento em Kant
Ideais
Pensar reguladores

Deus
Alma Mundo

Razão
Conceitos racionais

Juízos sintéticos a priori


2º nível:
Entendimento Conhecimento
Científico
Causalidade
Qualidade Relação
Quantidade Conceitos puros Modalidade

Conhecer
Percepções 1º nivel:
Conhecimento
Espaço Tempo
Sensibilidade Sensivel

Intuições Sensíveis

Fenómenos = objetos
Númeno = coisa em si