Você está na página 1de 20

TOPOGRAFIA I - ESCALAS E UNIDADES BÁSICAS

PROF.: EUGÊNIO PARCELLI TOMAZ


V SEMESTRE

2017.1
ESCALAS

É comum em levantamentos topográficos a necessidade de representar no


papel certa porção da superfície terrestre. Para que isto seja possível, teremos
que representar as feições levantadas em uma escala adequada para os fins
do projeto. De forma simples, podemos definir escala com sendo a relação
entre o valor de uma distância medida no desenho e sua correspondente no
terreno. A NBR 8196 (Emprego de escalas em desenho técnico:
procedimentos) define escala como sendo a relação da dimensão linear de
um elemento e/ou um objeto apresentado no desenho original para a
dimensão real do mesmo e/ou do próprio objeto
Normalmente são empregados três tipos de notação para a representação da
escala:

Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN


descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa
descrição do lugar.
Por exemplo, se uma feição é representada no desenho com um centímetro
de comprimento e sabe-se que seu comprimento no terreno é de 100 metros,
então a escala de representação utilizada é de 1:10.000. Ao utilizar a fórmula
(3.2) para o cálculo da escala deve-se ter o cuidado de transformar as
distâncias para a mesma unidade. Por exemplo:
ESCALAS

As escalas podem ser de redução (1:n), ampliação (n:1) ou naturais (1:1). Em


Topografia as escalas empregadas normalmente são: 1:250, 1:200, 1:500 e
1:1000. Logicamente que não é algo rígido e estes valores dependerão do
objetivo do desenho.
Uma escala é dita grande quando apresenta o denominador pequeno (por
exemplo, 1:100, 1:200, 1:50, etc.). Já uma escala pequena possui o
denominador grande (1:10.000, 1:500.000, etc.).
ESCALAS

O valor da escala é adimensional, ou seja, não tem dimensão (unidade).


Escrever 1:200 significa que uma unidade no desenho equivale a 200
unidades no terreno. Assim, 1 cm no desenho corresponde a 200 cm no
terreno ou 1 milímetro do desenho corresponde a 200 milímetros no terreno.
Como as medidas no desenho são realizadas com uma régua, é comum
estabelecer esta relação em centímetros:
É comum medir-se uma área em um desenho e calcular-se sua
correspondente no terreno. Isto pode ser feito da seguinte forma: Imagina-se
um desenho na escala 1:50. Utilizando esta escala faz-se um desenho de um
quadrado de 2 x 2 unidades (u), não interessa qual é esta unidade. A figura
3.1 apresenta este desenho. A área do quadrado no desenho (Ad) será:
PRINCIPAIS ESCALAS E SUAS APLICAÇÕES
EXERCÍCIO RESOLVIDO
Determinar o comprimento de um rio onde a escala do desenho é de 1:18000
e o rio foi representado por uma linha com 17,5 cm de comprimento.
EXERCÍCIOS PARA CASA
1) Qual das escalas é maior 1:1 000 000 ou 1:1000?
2) Qual das escalas é menor 1:10 ou 1:1000?
3) Determinar qual a escala de uma carta sabendo-se que distâncias
homólogas na carta e no terreno são, respectivamente, 225 mm e 4,5 km.
4) Com qual comprimento uma estrada de 2500 m será representada na
escala 1:10000?
5) Um lote urbano tem a forma de um retângulo, sendo que o seu
comprimento é duas vezes maior que a sua altura e sua área é de 16.722,54
m 2 . Calcular os comprimentos dos lados se esta área fosse representada na
escala 1:10 560. (Adaptado de Irvine s.d.)
6) As dimensões de um terreno foram medidas em uma carta e os valores
obtidos foram 250 mm de comprimento por 175 mm de largura. Sabendo-se
que a escala do desenho é de 1:2000, qual é a área do terreno em m2 ?
7) Se a avaliação de uma área resultou em 2575 cm 2 para uma escala de
1:500, a quantos metros quadrados corresponderá a área no terreno?
Erro de Graficismo (eg)

O erro de graficismo (eg) é uma função da acuidade visual, habilidade manual


e qualidade do equipamento de desenho. De acordo com a NBR 13133
(Execução de Levantamentos Topográficos), o erro de graficismo admissível na
elaboração do desenho topográfico para lançamento de pontos e traçados de
linhas é de 0,2 mm e equivale a duas vezes a acuidade visual.
Em função deste valor é possível definir o valor da precisão da escala (pe), ou
seja, o menor valor representável em verdadeira grandeza, em uma escala.
A tabela a seguir, ilustra o valor da precisão da escala (pe) para

diferentes escalas .
Em casos onde é necessário representar elementos com dimensões menores
que as estabelecidas pela precisão da escala, podem ser utilizados símbolos.
A figura 3.2 apresenta exemplos de símbolos empregados em levantamentos
topográficos.
A Escala Gráfica

A escala gráfica é utilizada para facilitar a leitura de um mapa, consistindo-se


em um segmento de reta dividido de modo a mostrar graficamente a relação
entre as dimensões de um objeto no desenho e no terreno. Segundo JOLY
(1996) é um ábaco formado por uma linha graduada dividida em partes
iguais, cada uma delas representando a unidade de comprimento escolhida
para o terreno ou um dos seus múltiplos. Para a construção de uma escala
gráfica a primeira coisa a fazer é conhecer a escala do mapa. Por exemplo,
seja um mapa na escala 1:4000. Deseja-se desenhar um retângulo no mapa
que corresponda a 100 metros no terreno. Aplicando os conhecimentos
mostrados anteriormente deve-se desenhar um retângulo com 2,5
centímetros de comprimento:
Isto já seria uma escala gráfica, embora bastante simples. É comum desenhar-
se mais que um segmento (retângulo), bem como indicar qual o comprimento
no terreno que este segmento representa, conforme mostra a figura a seguir.
No caso anterior determinou-se que a escala gráfica seria graduada de 100
em 100 metros. Também é possível definir o tamanho do retângulo no
desenho, como por exemplo, 1 centímetro.
Existe também uma parte denominada de talão, que consiste em intervalos
menores, conforme mostra a figura abaixo.
Uma forma para apresentação final da escala gráfica é apresentada a seguir.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA. Luis A. K. Veiga/Maria A. Z.


Zanetti/Pedro L. Faggion i www.cartografica.ufpr.br.
• Topografia Para Engenharia: TEORIA E PRÁTICA DE GEOMÁTICA. SILVA,
Irineu / SEGANTINE, Paulo C. L., Editora Elsevier, 2015.
• Fundamentos de Geodésia e Cartografia. Oliveira, Marcelo T./ SARAIVA,
Sérgio L. C., Editora Bookman, 2015.
FIM!!!
• Muito Obrigado!