Você está na página 1de 14

O valor do uso de

probióticos na prevenção
primária
Mayara Sampaio A. de Novais
Farmacêutica Bioquímica formada em 2012 pela FACIMED.
Farmacêutica Clínica em 2016 pela FAEMA.
Residente em Farmácia Saúde da Família e Comunidade em Andamento 2018-
VILHENA-RO
NASF – UBS Carlos Mazala e Vitalino GEntil em Vilhena -RO
O que são probióticos?

• Probióticos são microorganismos vivos que, administrados em quantidades


adequadas, conferem benefícios à saúde de quem os ingere. (Susana Marta Isay
Saad, pesquisadora e farmacêutica do FoRC ).

E DEMAIS NOMENCLATURAS TEM DIFERENÇAS?


• Prebióticos são componentes alimentares não digeríveis que estimulam
seletivamente a proliferação ou atividade de populações de bactérias desejáveis no
intestino (cólon), beneficiando o indivíduo hospedeiro dessas bactérias.
• Simbiótico = probióticos + probióticos
Sugestões na indústria

• ,
Alternativas

• LACTOBACCILLUS 1BI UFC - 1 DOSE ATÉ 2X AO DIA. -MANIPULADO


(CASEI, ACIDOFILLUS, RHAMNOSUS)
CANDIDA ALBICANS

• Queixas de sintomas vaginais são muito comuns, gerando cerca de 10


milhões de consultas por ano somente nos Estados Unidos. Dentre as
vulvovaginites, a candidíase vulvovaginal (CVV) é a segunda mais frequente,
estimada em 17 a 39% dos casos, atrás somente da vaginose bacteriana (VB)
com 22 a 50%. (Feuerschuette OHM,2010)
• A não identificação do fungo na microscopia não descarta presença de VVC. A
ausência de odor de peixe após contato com KOH aumenta a probabilidade
de infecção fúngica.
• O desenvolvimento de CVV está associado ao
uso de antibiótico, anticoncepcionais orais com altos níveis de estrógenos,
diabetes, entre outros fatores de risco. (Sobel, 2007; Achkar e Fries, 2010).
•  O estrógeno facilita a
adesão e invasão tecidual pelo fungo e além disso, promove a redução do
infiltrado de leucócitos polimorfonucleares (PMN) e inibição das respostas
imunes inata e adaptativa (Fidel e Sobel, 1999; Fidel, 2007). Figura:(Peters et al.,
2014: Candida vaginitis: when opportunism knocks, the host responds. PLoS Pathog. 
TRATAMENTO CONVENCIONAL

• Quando a vulvite é intensa, associa-se corticoide tópico de baixa


potência que, apesar do ardor da primeira aplicação, tem ação mais
rápida que os azólicos, que demoram de 24 a 48 horas para iniciar sua
ação.
• O clotrimazol tópico semanal também é uma boa opção terapêutica.
• Banho de assento com bicarbonato e utilização de nistatina na
vulva também produz boa resposta, pois seu emoliente é extremamente
bem tolerado pela pele lesada.
• O tratamento de manutenção pode ser realizado com fluconazol oral
150 mg uma vez por semana, clotrimazol vaginal 500 mg uma vez por
semana ou 200 mg duas vezes por semana.
POR QUE USAR PROBIÓTICOS?

• Os probióticos L. rhamnosus e L. reuteri foram capazes de


suprimir o crescimento de C. albicans e até mesmo
demonstraram um efeito fungicida. (LEÃO,M.V.,2015)
• Certas cepas de lactobacilos, além de inibirem o
crescimento de Candida, parecem dificultar sua aderência
às células epiteliais.
• Após 24, 48 ou 72 horas de incubação, observou-se uma
redução significativa do crescimento de C. albicans na
presença de lactobacilos, quando comparado ao
crescimento na ausência desses microorganismos, tanto
em aerobiose quanto em microaerofilia.
Sugestão suplementar

• Tomar 30 ml de kefir diariamente manhã e noite/ uso lactobaccillus contínuo


• Óleo de melaleuca, calêndula, para uso íntimo externo.
• Controle do estresse momentâneo :
• Aswhaguanda 100 a 400 mg manhã
• Melissa 120 mg 3x ao dia /
• Passiflora 300mg+ gaba150mg+mulungu 120mg noite
• kawa kawa 60 mg 2x ao dia (PRESCRIÇÃO MÉDICA)
Constipação

• COMO CULTIVAR O KEFIR DE ÁGUA:


Os passos são os mesmo o que muda é o liquido.
• QUANTIDADE:
Para 1 colher de sopa de grãos de água coloque 500 ml de água mineral e 2 colheres
de sopa de açúcar mascavo
Para 1 colher de chá de grãos de kefir de água coloque 250 ml de água mineral e 1
colher de sopa de açúcar mascavo.

• Posologia : Tomar 1 dose de kefir de 30 ml em jejum uso contínuo.


• Flatulência: Também pode indicar a carqueja 500mg 2x ao dia, ou o uso do chá.
OUTRAS INDICAÇÕES CLÍNICAS

• INTOLERÂNCIA A LACTOSE
• RECONSTITUIR A MICROBIOTA INTESTINAL, COM AUMENTO DA BARREIRA
IMUNOLÓGICA LOCAL.
• Controle de Dermatites Atópicas em crianças (Koop, M.V. 2008)
• Prevenção das dermatites atópicas em crianças menores de 3 anos de
idade. ( FOOLAD, n.,1014)
• Pode ser usada em Gestantes e Lactantes sem problemas.
REFERÊNCIAS

• FEUERSCHUETTE, O. H. M., et al. CANDIDÍASE VAGINAL RECORRENTE: MANEJO CLÍNICO. Femina, vol.38,
2010.
• LEÃO, M. V. P. LACTOBACCULS RHAMNOSUS PODE ALTERAR A VIRUÊNCIA DE CANDIDA ALBUCANS. Revista
brasileira Ginecol.Obstet. Vol. 37, Taubaté,2015.
• ALMEIDA, S. M.A., BEZERRA, A. N., MENDONÇA, P.S. EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE Lactobacillus spp. NO
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE CANDIDÍASE VULVOVAGINAL E VAGINOSE BACTERIANA. Ver. Saúde
Pública, Florianópolis-SC, 2017.
• Koop, M.V. et al. Randomized, double-blind, placebo-controlled trial of probiotics for primary prevention:
no clinical effects of Lactobacillus GG supplementation. Pediatrics, 2008. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18332075.
• FOOLAD, N. ARMSTRONG, A.W. Prebiotics and probiotics: the prevention and reduction in severity of
atopic dermatitis in children. beNEF Microbes,2014. Disponível em:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24463205