SKINNER Ideia central: O comportamento é determinado pelo ambiente.

Skinner se baseava no behaviorismo, o qual pode ser entendido como o estudo do comportamento tomado como um conjunto de reações dos organismos aos estímulos externos. Ou seja, para este pensador, o ambiente (meio externo) era capaz de controlar e moldar o comportamento humano. Teoria: As teorias de Skinner tinham o caráter científico rígido aceitável para a época antiga, ou seja, construída a partir do que é cientificamente observável. E deste modo, não eram considerados conceitos centrais para outras teorias como: consciência, vontade, inteligência, emoção e memória — os estados mentais ou subjetivos. Processo de aprendizagem: É representado pela mudança de comportamento pelo condicionamento operante através da moldagem de um novo comportamento, ou seja, a criação de um novo meio ou realidade. A nova realidade é imposta por um método conhecido como “esforço” que implica na percepção das consequências de uma ação para quem a pratica. Assim, por exemplo, se induzirmos uma nova realidade ou meio e o indivíduo em questão responder de forma condizente a esta, a prática é caracterizada como esforço positivo, ou seja, recompensa-se o indivíduo pela resposta positiva. Do contrário, caso a atitude do mesmo esteja fora do contexto esperado, Skinner a caracteriza como esforço negativo e, deste modo, deve ser empregada uma ação que evite essa consequência indesejada observada (punição). Deste modo, Skinner desenvolve uma linha teórica de aprendizado com caráter associacionista. Nesta o indivíduo não passa de um ser passivo e heterônomo restando ao ambiente (meio) toda a responsabilidade de “fazê-lo aprender”. Dentro deste contexto, uma frase marca bem o pensamento de Skinner: “Dê-me a criança, me diga o que queres e eu a transformarei.” Ou seja, há a caracterização plena de que o ser em processo de aprendizagem pode ser manipulado aos mais diversos tipos de moldes que o meio exigir. Entretanto, basta olharmos para uma sala de aula comum para derrubarmos a ideia central do pensamento de Skinner. Nesta, o meio (ambiente/aula) é o mesmo para os 40 alunos ali sentados, porém o resultado final para cada um deles é completamente diversificado. VYGOTSKY A perspectiva sócio-cultural: Para Vygotsky a origem dos processos psicológicos superiores está nas relações do homem com seu meio sócio-cultural, ou seja, o que o homem é depende de sua inserção cultural. Diante disto, seu o objetivo de seu estudo são os processos psicológicos superiores, ou seja, como a consciência caracteriza o funcionamento psicológico humano, pois para Vygotsky, o determinante dessas funções está na relação do sujeito com a cultura: o sujeito constrói a consciência na ação (social) entre sujeitos.

O funcionamento psicológico humano fundamenta-se nas relações sociais. a educação desempenha um papel fundamental na formação dos indivíduos. Piaget não é pedagogo. uma vez que. pois através do processo de ensino. . é a fonte primária de dados para o estudo de seu desenvolvimento intelectual. Para tanto. . 3) A QUESTÃO DA MEDIAÇÃO: A relação do sujeito com o mundo é sempre mediada por sistemas simbólicos. Piaget procura estabelecer um nexo lógico entre a psicologia e a biologia.Comportamento intencional Ideias centrais da sua teoria: 1) O SUPORTE BIOLÓGICO: . à medida que uma função psicológica se internaliza. . e sua característica fundamental é a plasticidade (flexibilidade a qualquer cultura): o sistema nervoso é adaptável. promovendo o desenvolvimento. o sujeito para Vygotsky não é passivo nem ativo.Internalização: Processo por meio do qual o sujeito vai adquirindo maior controle sobre suas funções psicológicas.O homem forma-se na cultura e pela cultura. cada vez mais funções são abertas e consolidadas. .Ação controlada conscientemente . trata-se. não é psicólogo. cria um método próprio de pesquisa focado no desenvolvimento infantil utilizando: a observação do comportamento espontâneo da criança. 2) A VISÃO DO MATERIALISMO SÓCIO DIALÉTICO: . e jamais formulou uma teoria de aprendizagem. para Piaget. ela sofre modificações pela ação do sujeito: a cultura modifica o sujeito e o sujeito modifica a cultura.Funções psicológicas superiores: .O cérebro é considerado como um sistema aberto. PIAGET Objetivo: Na busca de uma explicação científica da existência psicológica do homem. Seu objetivo maior é a busca do entendimento de como o conhecimento é .Atenção voluntária . . Desenvolvimento humano: O desenvolvimento humano se dá dentro de uma cultura.Pensamento abstrato .As funções psicológicas são produtos da atividade cerebral. Desta forma. em que a linguagem é mediadora dessa relação.Memorização ativa .Zona de desenvolvimento proximal (ZDP): Compreende a distância entre o que o sujeito é capaz de fazer sozinho e o que ele precisa de ajuda para fazer. de um sujeito interativo. a criança. e não as perguntas formuladas. as quais se desenvolvem num processo histórico. a observação do comportamento provocado por uma situação experimental e o diálogo estabelecido entre o pesquisador e a criança.O homem nasce um ser biológico e torna-se um ser histórico: forma-se na sociedade. portanto. Assim. mas o papel do sujeito é absolutamente ativo nessa relação. Ou seja.

Aprendizagem e Conhecimento: “Primeiro.construído. e nesta perspectiva ele torna-se epistemólogo. a aprendizagem é provocada por situações provocadas por psicólogos experimentais. 1964. o conhecimento não está no sujeito. o que existe são propostas pedagógicas que utilizam as ideias de Piaget como diretrizes para uma metodologia de trabalho didático-pedagógica visando ao processo de ensinoaprendizagem. Desenvolvimento.. Na verdade. Eu denomino esse fator de Equilibração ou.desenvolvimento é um processo que diz respeito à totalidade das estruturas de conhecimento. organismo. eu gostaria de esclarecer a diferença entre dois problemas: o problema do desenvolvimento e o da aprendizagem. o papel da Experiência adquirida no meio físico sobre as estruturas da inteligência. Desde o nascimento até a idade adulta. Aprendizagem apresenta o caso oposto. todo pensamento se origina na ação. 176. parece fundamental e mesmo o principal fator. e esta opinião é contrária à opinião amplamente difundida de que o desenvolvimento é uma soma de experiências discretas de aprendizagem. 178. ou por uma situação externa. Além disso. meio e tampouco no objeto. e quarto. mas é decorrente das contínuas interações entre os estes. se vocês preferem.. uma vez que este desenvolvimento é uma continuação da embriogênese. é provocada e não espontânea. Assim. “Para mim. para mim. Transmissão Social num sentido amplo (transmissão linguística. citado por Ferracioli. a inteligência é relacionada com a aquisição de conhecimento à medida que sua função é estruturar as convivências sujeito/objeto. A construção do conhecimento através de estádios: Segundo Piaget. etc. educação. Maturação. p. existem quatro fatores principais: em primeiro lugar. e para se conhecer a gênese das operações intelectuais é imprescindível a observação da experiência do sujeito com o objeto. que. Piaget entende que o desenvolvimento é o processo essencial que dá suporte para cada nova experiência de aprendizagem. eu penso que desenvolvimento explica aprendizagem. 1964. 2009). ao lado de características que são constantes e comuns a todas as idades. Em geral. 2009). um fator que frequentemente é negligenciado. Assim. segundo.” (PIAGET. Ele restringe a noção de aprendizagem à aquisição de um conhecimento novo e específico derivado do . Em geral. em função da necessidade de uma melhor organização. Cada estádio se caracteriza pelo surgimento de estruturas originais que diferem das estruturas anteriores pela natureza de suas coordenações e pela extensão do campo de aplicação. cada aprendizagem ocorre como função do desenvolvimento total. o desenvolvimento mental do indivíduo é um processo contínuo de construção de estruturas variáveis. isto é.. Para ele. autorregulação. é um processo limitado a um problema único ou a uma estrutura única. Dessa forma.. Estas estruturas correspondem a características momentâneas que são alteradas pelo desenvolvimento subsequente. mas que. refletem o seu grau de desenvolvimento intelectual. terceiro.).. e não como um fator que o explica. citado por Ferracioli. p. ou por professores em relação a um tópico específico.” (PIAGET.” “.

2.77. Piaget versus Vygotsky: Ambos afirmam o papel ativo do sujeito no desenvolvimento. Aprendizagem. & KRAMER. diferenciando-a do desenvolvimento da inteligência. por meio da ação mediada entre sujeito e objeto. jan.176-186. são construtivistas. Para Piaget. Brasília. n. como. que corresponderia à totalidade das estruturas do conhecimento construídas. Development and learning. Revista brasileira de Estudos pedagógicos./abr. 1964. para Vygotsky. J. ou seja. p. n. PIAGET.meio.194.5-18. o conhecimento adquirido não é devido a uma ação unilateral do meio (estímulo) sobre o sujeito passivo. desenvolvimento e conhecimento na obra de Jean Piaget: uma análise do processo de ensino-aprendizagem em Ciências. Caderno de pesquisa. o conhecimento se da na relação do sujeito com o objeto do conhecimento e. para ele. 1991. baseada no esquema estímulo/resposta. O debate Piaget/Vygotsky e as políticas educacionais. No entanto.80. Referências bibliográficas: FERRACIOLI. New York. p. essa visão de aprendizagem difere da ideia associacionista.3. maio. v. Textos consultados: JOBIM E SOUZA. S. S. . v. A divergência está no tipo de visão construtivista: para Piaget. Journal of Research in Science Teaching. L. emite uma resposta. portanto. 1999. após uma interação ativa. o indivíduo assimila o estímulo e. mas sim a uma interação nos dois sentidos: do estímulo sobre o sujeito e ao mesmo tempo do sujeito sobre o estímulo. n. o sujeito possui uma estrutura mental.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful