P. 1
Slide LIVRO DE ÊXODO

Slide LIVRO DE ÊXODO

|Views: 235|Likes:
Publicado porLuis Fernando

More info:

Published by: Luis Fernando on Jan 09, 2014
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/02/2014

pdf

text

original

EXÔDO

 INTRODUÇÃO

 1. Titulo: Êxodo significa “saída” e a Versão Grega deu ao livro esse título porque ele narra o grande evento da história de Israel: a saída do povo de Deus do Egito.
 2. Relação com os demais livros de Moisés: Êxodo

é o elo indispensável que une de forma inseparável o Pentateuco. Continua a história dos hebreus iniciada no Gênesis no mesmo estilo inigualável deste e acentuando o elemento pessoal. É a figura de Moisés que domina quase todo relato de Êxodo. Por isso ao livro de Êxodo se chama “O coração do Pentateuco”.

.C. O livramento do Egito possibilitava o nascimento da nação. Registra os dois acontecimentos transcendentes da história de Israel: o livramento do Egito e a entrega do pacto da lei no Sinai. Propósito e mensagem do livro: O livro de Êxodo relata como a família escolhida no Gênesis veio a ser uma nação. o pacto da lei modelava o caráter da nação a fim de que fosse um povo santo.• 4. • 5. pois um monumento levantado pelo Faraó Mereptá faz alusão ao combate entre egípcios e israelitas na Palestina. A data do êxodo: Não há dúvida alguma de que os israelitas saíram do Egito no lapso compreendido entre 1450 e 1220 a. naquela data. .

Provações no deserto – 15:22 – 17:16 B. 7.• 6. Israel é libertado – 1:1 – 15:21 A. Deus suscita um líder – Capítulos 1 – 4 B. Pacto da lei – 19 – 24 B. Divide-se o livro assim. Israel no Sinai – 19 – 40 A. 35:1 – 40:38 . O pacto violado e renovado – 31:18 – 34:35 C. Jetro visita a Moisés – capítulo 18 III. a outorga da lei e a revelação do plano do tabernáculo. I. O conflito com Faraó – Capítulos 5 – 11 C. Estrutura: O conteúdo do livro de Êxodo é representado por meio de três montanhas são: o livramento do Egito. O tabernáculo – 25:1 – 31:17. Assunto: Deus redime a seu povo e o transforma • • • • • • • • • • • • em uma nação. Israel sai do Egito – Capítulos 12:1 – 15:21 II. Israel vai para o Sinai – 15:22 – 18:27 A. O vale sombrio é o episódio do bezerro de ouro.

Libertador. Mas o povo israelita. é agora escravo temido e odiado do rei egípcio. Transcorreram aproximadamente trezentos anos desde a morte de José. profeta. outrora objeto do favor de Faraó. • 2. Deus suscita no Egito: Capítulo 1. A preparação de Moisés. dirigente.I – ISRAEL É LIBERTADO: Capítulos 1:1 – 15:21 • A. legislador. foi sobretudo um grande homem de Deus. Os setenta hebreus que se haviam radicado no fértil delta do rio Nilo multiplicaram-se em centenas de milhares. Capítulo 2. mediador. . Moisés figura junto a Abraão e Davi como um dos três maiores personagens do Antigo Testamento.

4. Deuteronômio 4:24). . como atos divinos pelos quais Deus julgou os egípcios e libertou a seu povo. Uma das palavras hebraicas que se traduzem por “praga” no Êxodo significa dar golpes ou ferir. O conflito com Faraó: Capítulos 5:1 – 7:7. Chamamento e comissão de Moisés: Capítulos 3. • 2. Moisés foi chamado enquanto pastoreava ovelhas no sopé do monte Horebe ou Sinai. As pragas: Capítulos 7:8 – 11:10.• 3. Com intrepidez Moisés e Aarão se apresentam na sala de audiências de Faraó e lhe comunicaram a exigência do Senhor. • B. e a sarça talvez representava a Israel em sua baixa condição. De modo que as pragas foram tanto sinais divinos que demonstraram que o Senhor é o Deus supremo. Outras duas palavras descrevem as pragas como “sinais” e “juízos”. O fogo na sarça simbolizava a presença e santidade purificadora de Deus (Gênesis 15:17.

e mais ainda.  A palavra “páscoa” significa “passar de largo”. Endurecimento do coração de Faraó: As imitações dos primeiros milagres de Aarão e Moisés por parte dos feiticeiros desacreditaram o poder do Senhor aos olhos de Faraó. pois o anjo destruidor passou de largo as casas onde havia sido aplicado o sangue nas ombreiras e na verga da porta. A páscoa é para Israel o que o dia da independência é para um país. Israel sai do Egito: Capítulos 12:1 – 15:21  1. A páscoa: Capítulos 12:1 – 13:16. O apóstolo São Paulo usa este fato para ilustrar o florescimento do poder oculto nos últimos dias (II Timóteo 3:8). Mas a vara de Aarão devorou as dos feiticeiros e isto constituiu indício da vitória final. 4. .  C.

Por que ele não conduziu Israel pela rota curta ou longa da linha costeira do mar Mediterrâneo? Porque nessa rota havia fortes guarnições egípcias e na Palestina o esperavam os belicosos filisteus. Deus mesmo se constituiu em guia de seu povo manifestando-se em uma coluna de nuvem e de fogo. . 2. Foi necessária a terrível praga da morte dos primogênitos para que Faraó voltasse à razão e permitisse que os israelitas se retirassem.  3. A travessia do mar Vermelho: Capítulos 13:17 – 15:21. A partida dos israelitas: Capítulo 12:29-51.

Não havia água nem alimentos suficientes. em perigo de ser atacados pelas tribos aguerridas e ferozes. profetas e salmistas repetidamente assinaram o caráter providencial. Capítulos 15:22 – 18:27. extraordinário e miraculoso dos acontecimentos que acompanharam a saída do Egito e. . Deus conduziu Israel ao deserto. a travessia do mar Vermelho. estéril e vazio. ISRAEL VAI PARA O SINAI. As dificuldades da caminhada no deserto são maiores do que podemos imaginar. A importância do êxodo: Ao longo da história de Israel. 4.  II. Ali estiveram os israelitas em perigo de morrer de fome e de sede. em especial. um lugar muito quente. legisladores.

A fome e o maná: Capítulo 16. Decorridos três dias de viagem pelo deserto de Sur. As queixas eram dirigidas contra Moisés. Desilusão em Mara. 2. porém em realidade murmuravam contra o Senhor (16:8). Capítulo 15:22-27. Deus retribuiu-lhes o mal com o bem (II Timóteo 2:13). Esquecendo-se da aflição no Egito. promoveu codornizes e maná. Provações no deserto. Capítulos 15:22 – 17:16  1. Os israelitas sentiram fome no deserto e começaram a expressar de novo seus queixosos lamentos. . os israelitas chegaram finalmente às fontes de Mara. a árvore que tornou doces as águas. queriam voltar para onde tinham alimento em abundância.  A.

Em vez de aprender a suportar as dificuldades. Jetro visita a Moisés. atacou pela retaguarda. Amaleque. Capítulo 18  Recaía sobre os ombros de Moisés a tarefa de organizar uma multidão tão grande e julgar o povo mesmo nas coisas insignificantes que surgiam entre eles e cada momento.  b. Guerra com Amaleque e a ajuda divina: Capítulo 17:8-16.  4. 3. Enquanto Deus trabalhava na vanguarda. . A sede e a rocha de Horebe: Capítulos 17:1-7. uma tribo saqueadora. os israelitas murmuravam ainda mais.

Capítulos 19 40  A. O pacto da lei não teve a intenção de ser meio de salvação. Israel já era seu povo.III – ISRAEL NO SINAI. Deus já havia restaurado Israel à justa relação com ele. Ali permaneceu quase um ano (Números 10:11). . Propósito da lei: Capítulos 19:1-8. Capítulos 19 – 24  1.  2. Foi celebrado com Israel depois de sua redenção alcançada mediante poder e sangue. O pacto da lei. O monte Sinai: Israel chegou ao monte Sinai aproximadamente seis semanas após sua partida do mar Vermelho. mediante a graça. 20:2.

 3. Deus entregou as leis pelas quais a nação devia governar-se.  5. Deus se apresentou em forma de nuvem.Deus fez escrever os dez mandamentos em duas tábuas de pedra. Leis civis e cerimoniais: Capítulos 21 – 23. Preparativos e sinais: Capítulo 19:9-25. e pronunciou o Decálogo em voz troante. Depois de dar os dez mandamentos.  4. Para gravar na mente hebraica a importância do pacto da lei. figura que Israel não poderia reproduzir. A santidade infinita de Deus foi ressaltada pelos preparativos que Israel devia fazer. . O decálogo: capítulos 20:1-26.

porém este se negou a buscar algo para si próprio. baseando sua intercessão inteiramente na natureza de Deus e em sua palavra. . Moisés demonstrou sua grandeza: o Senhor provou-o ameaçando destruir a Israel e em seu lugar constituir um grande povo de Moisés. orou a favor do povo. B.  1. Capítulos 31:18 – 34:35  Os capítulos 32 a 34 formam um parêntese na história da construção do tabernáculo e seguem cronologicamente o relato do concerto da lei. Convémnos considerá-los antes de começar o estudo do tabernáculo. Intercessão de Moisés: Capítulos 32:7-14. Pecado de Israel – o bezerro de ouro: Capítulos 31:18 – 32:6.  2. Informado por Deus acerca do pecado de Israel. O pacto violado e renovado.

mas pediu que o Senhor perdoasse completamente o pecado do povo e o restaurasse espiritualmente. Moisés volta a interceder: Capítulos 32:30 – 33:23. A intercessão de Moisés foi grandemente recompensada. O tarbenáculo. 30:1 – 31:11. 5. 4. 35:4 – 38:31. 3. A ratificação do pacto ensinou aos israelitas a grande verdade de que um povo disposto a fazer a vontade de Deus podia aproximar-se dele mediante sacrifícios. O pacto é renovado: Capítulo34. Moisés não se conformou com a salvação física de Israel. Israel é castigado: Capítulo 32:15-29. 39:32 – 40:38. . Capítulos 25 – 27. A rebelião     vergonhosa de Israel acarretou-lhe castigo. apesar da intercessão de Moisés e da misericórdia de Deus. C.

 1. 35:4 – 38:31. das experiências no deserto e das leis dadas no Sinai. . 29:38 – 31:17. O dinheiro do resgate: Capítulo 30:11-16.  3. Só aos redimidos era permitido oferecer culto a Deus.  2. 39:32 – 40:38. Deus ensinou a Israel muitas lições mediante o livramento do Egito. Construção do tabernáculo: Capítulos 25:1 – 27:21. Números 7:89). Simbolismo do tabernáculo:  4. Aí o Rei invisível podia encontrar-se com os representantes de seu povo e eles com o Rei.29:42-46. Propósito do tarbenáculo:  a) Proporcionar um lugar onde Deus habite entre seu povo (25:8.

. Tanto a nuvem como a glória eram demasiado fortes. 5. nem na prata. nem no ouro. mas na presença do Deus vivente. a nuvem que havia guiado a Israel aproximou-se e descansou sobre o tabernáculo como uma manifestação visível da presença de Deus e aí permaneceu. Quando Moisés terminou sua obra. Israel cumpriu ao pé da letra as instruções divinas concernentes à construção do tabernáculo. Quando Moisés procurou entrar no lugar santo. A glória no tabernáculo: Capítulo 40:34-38. A maior glória do tabernáculo não se encontrava nas magníficas cortinas. não pôde fazê-lo.

O Deus que habita entre seu povo é também o Deus que levará seu povo a Canaã. Assim o livro de Êxodo termina com cumprimento da promessa de Deus: “E habitarei no meio dos filhos de Israel. em cumprimento de sua promessa aos patriarcas. Nós também podemos estar persuadidos de que o que começou em nós “a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo” (Filipenses 1:6) . e lhes serei por Deus” (29:45).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->