Você está na página 1de 5

Introdução : Este estudo visa fazer um juízo a partir do livro e também do filme que é baseado no livro e que leva

o mesmo título “O PROCESSO” de Fran z Kafka. O material usado na pesquisa foi o próprio livro, o filme e de materiais extraídos de sites da internet com a devida menção do autor e dos sites, que aliás contribuíram em muito para que este estudo fosse elaborado. Queria poder mencionar todos os autores dos comentários após os textos porem alguns destes estão como anônimo. Por se tratar de um enredo desapegado, desconexo e desafiador à compreensão do leitor do livro. Primeiramente procurarei fazer um breve relato acerca da vida, da personalidade, suas obras, o ambiente em que viveu, suas frustrações e por fim pela necessidade de desvendar o que Kafka vivia em seu mundo emocional, porque a todos que leram o livro dizem o desenrolar de seu enredo se passa em sonhos e pesadelos.

Do Autor: Diante de uma obra tão desapegada, faz-se necessário que se conheça seu autor para que se possa fazer um juízo. Franz Kafka foi um dos maiores escritores de ficção do século XX, era de origem Judaica, nasceu em Praga na Áustria e escrevia no idioma Alemão. Sob a influencia de três culturas, judaica, tcheca e alemã e com uma relação familiar paterna perturbada pois seu pai tinha um gênio autoritário e exigente. Queria cursar filosofia porem seu pai o impedira, frustrado acabou por cursar química mas logo desistiu e cursou direito. Trabalhou voluntariamente em um escritório de advocacia, fez doutorado em direito e estagiou em dois tribunais por um ano. Considerado solitário e com uma vida imersa de frustrações e problemas maus resolvidos. Aos vinte anos teve sua primeira relação sexual, relação esta que foi frustrada e por conta disto se tornou inseguro nos relacionamentos amorosos por toda a vida. Teve vários casos amorosos mal resolvidos, nunca se casou Kafka sempre desistia antes. Trabalhou na Companhia de Seguros de Acidente de Trabalho de Praga, que lhe afligia e o angustiava, mas também serviu de inspiração para escrever. Passou a se envolver em questões socialistas. Em 1912 escreveu sua primeira grande obra “O Veredito” que em sua trama fala de um pai que exerce o poder de juiz diante do filho, nesta obra a semelhança na relação com seu pai é inconfundível.

fica atormentado com pois caso aceite qualquer uma das possibilidades ainda . Mas K. esta submetido. mas para compreensão estes dois são suficientes. Em suas ações que mais parecem delirios K.Escreveu também o livro com o nome de “A Colônia Penal” pouco antes do Livro “O Processo”. a exemplo disto até crianças são chamadas a depor. tenda dar um rumo de normalidade na sua vida. O desenrolar da história causa um uma inquietude no leitor por conta da confusão que se passa na mente de K. e o aconselha a contratar um advogado. infinita . Há uma constante demonstração para que se perceba que os acusadores e as testemunhas pareçam ter atitudes duvidosas. O pintor lhe da algumas possibilidades de fazer o processo andar. porem com grande semelhança ao padrão adotado nas sociedades modernas. O sistema que condenava estava baseado numa doutrina arbitrária e o acusado não tinha direito a defesa. contrata um advogado porem este é demasiado lento e trata o caso de K." Franz Kafka. é um jovem que foi acusado sem saber do que exatamente e de quem era o acusador Diante desta situação K. Josef K. zomba da justiça fala que são preguiçosos os investigadores corruptos e que só agem por meio de subornos porque de forma normal as investigações não seguem.Em O Processo há uma sequencia cansativa e quase infindável de surpresas surreais por conta de uma lei que beira a loucura. "Há esperanças suficiente. Depois de depor no tribunal K. Escreveu outros livros como “A Metamorfose” o mais importante de todos. com indiferença. porem seu tio Karl o visita e e o convence de que ele deve dar mais atenção ao processo. O Enredo: “O Processo” romance escrito por Kafka é apresentado em uma explanação confusa onde o personagem central Josef K. Lhe é apresentado um pintor que detém certa influencia com os magistrado. luta para se defender de forma inútil pois nem se quer consegue saber do que se trata sua acusação e muito menos em que lei esta tal embasamento para construir sua defesa.só não para nós. No Livro “A Colônia Penal” Kafka fala de uma Maquina que tem o poder de executar sentenças em uma colônia francesa usava tal maquina para torturar e matar pessoas sem que estas pessoas soubessem o porque de sua condenação e morte. K.

K. que. é esfaqueado no peito e sussurra “como um cão”. um entendimento ele o autor não queria que construíssemos. Faz com que quando nos apresamos em estabelecer um conceito. A tão falada opinião formada. ele faz com que prestemos mais atenção a nossa volta e . não apresenta muita resistencia. se sente desanimado e aparentemente sem forças.assim não terá sua situação resolvida e esta as cegas em um labirinto de incertezas e e indefinições. K. Agora já longe do centro da cidade K. estes levam K. Kafka coloca um freio na ânsia que temos em querer estabelecer um conceito apressado de um capítulo sem se ter uma visão do todo e ainda tendo a visão do todo não é necessário ou não é sábio estabelecer um único ponto de vista. Kafka faz com que freamos nossa ânsia apressada por uma explicação e a busca por culpados. por meio de analogia e por se parecer com um sonho ou pesadelo autoriza o leitor fazer varias interpretações e juízos. As relações de domínio do Estado sobre o cidadão no livro são postas de uma maneira que não tem como não trazer o tema aos dias de hoje e sim fazer uma comparação efetuando uma busca de um caso em que conhecemos para poder entender o que o autor quis dizer. e me pergunto se é proposital pois nesse mundo de incertezas Kafka nos serve de um combustível de ver o mesmo de varias maneiras diferentes e não ter a certeza de nada. O direito e justiça se conflitam desde sua criação e na época de Kafka não era diferente. vivia no seu mundo emocional. a força e cruzam a cidade. Somos manipulados por Kafka em sua narrativa cheia de metáforas. O Processo se desenrola em um mundo de sonho e pesadelo que o próprio K. O autor usa este mundo e faz o leitor desconstruir aquilo que na sena anterior havia estabelecido. Se depara com dois homens descritos como sendo atores. Diante de varios devaneios K. não aguenta a pressão e demite seu advogado porque ele não dava a devida atenção ao seu processo. ele nos tira do que nos parece óbvio e nos faz duvidar da análise. porem na sua visão é aparente que provocavam grande revolta. O Processo uma visão Filosófica: É notório que o livro foi escrito com uma narrativa alegórica. A dúvida paira em nossa mente o tempo todo. parábolas contraditórias que duvidamos até de suas narrativas mais simples.

uol.org. Ao final pergunto era de conhecimento do autor promover tais experiências e sentimentos nos seus leitores.com. nos deu carona e ao final dessa viagem ficamos com um ponto de interrogação. Meus encontros com Kafka por Otto Maria Carpeaux http://www.blogspot.htm?infoid=6881&sid=594&tpl=pri nterview http://www.htm acessado dia 30/03/2014 http://www.folha.br/abl/cgi/cgilua. e sim instintivo.culturaebarbarie.com. sonho. “Um sonho que não se interpreta é como uma carta que não se lê.com/livros/o-processo/ acessado dia 30/03/2014 as 12:58hs http://almanaque.html .com/resumos/o-processo-franz-kafka Postado por Eduardo Andrade http://visaoliteraria. para mostrar que o funcionamento da justiça não é dado a compreender pelos que usualmente a lei é dirigida. mas agora não” me parece promessas dada por políticos.org. realidade.org/sopro/arquivo/carpeauxkafka.exe/sys/start.br/2009/03/o-processo. Ele nos desconecta da realidade e nos conecta de forma tão repentina que olhamos com mais clareza em que mundo estamos. a meu ver não foi.revistaliberdades.php?rcon_id=31 http://www.br/site/outrasEdicoes/outrasEdicoesExibir. imaginário este é o mundo em que Josef K.academia.html KAFKA: ENTRE O BRILHO DA JUSTIÇA E A BELEZA DOS ACUSADOS Ana Gabriela Mendes Braga http://www. Kafka se coloca na pele de K.infoescola.coladaweb. a justiça aqui envolta de burocracia não é célere e que para andar precisa de se ter “conhecimento” para se conseguir alguma eficácia. pois tais abordagens no livro se parecem com a vida de Kafka.não fazer do simples complicado.” Talmude Lições do Livro: O “Homem do Campo” representa todos aqueles que com nada ou quase nada de estudo tenta ter acesso ao “Portão” que é a justiça e encontram barreiras “é possível.br/kafka.

guiadepraga.com./livros/layout_autor.br/2012/10/resenha-o-processo-franz-kafka.br/site/default.http://www.com.asp&AutorID=628162 http://rockideologia.cz/pt/FranzKafka/?PHPSESSID=682f346c0486603c0bceb5671153f13a http://lpm.blogspot.asp?TroncoID=805134&SecaoID=948848&SubsecaoID=0&Tem plate=..html .