P. 1
Questões de provas de Comunicação

Questões de provas de Comunicação

5.0

|Views: 7.370|Likes:
Publicado porpalovabrito
Questões de provas anteriores de Comunicação para concursos
Questões de provas anteriores de Comunicação para concursos

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: palovabrito on Dec 09, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/07/2014

pdf

text

original

Questões de provas de Comunicação

1. O elemento do processo comunicacional que oferece ao emissor retorno

sobre a reação do destinatário diante da mensagem fazendo prosseguir o fluxo de comunicação é chamado de: FEEBACK.
2. Em 1808, com a chegada da corte portuguesa, é instalada a Imprensa

Régia do Brasil e, em 10 de setembro deste mesmo ano, passa a circular: GAZETA DO RIO DE JANEIRO.
3. De acordo com o artigo 6º do Código de Ética do Jornalismo, o exercício

da profissão possui finalidade: PÚBLICA.
4. As três cores primárias da síntese substrativa são: MAGENTA, CIANO E

AMARELO.
5. Caso um jornal publique uma informação errônea ou ofensiva, é

assegurado por lei o Direito de Resposta, para apresentar a sua versão dos fatos: NO MESMO JORNAL E NA MESMA SEÇÃO EM QUE FOI PUBLICADO O ERRO OU OFENSA, PARA ATINGIR O MESMO PÚBLICO QUE LEU A MATÉRIA ORIGINAL.
6. A hipótese se agenda setting também é conhecida como: TEORIA DOS

EFEITOS A LONGO PRAZO.
7.

Em uma notícia sobre eleições municipais, um cientista político convidado para analisar as propostas eleitorais dos principais candidatos, é considerado uma fonte: SECUNDÁRIA. se dá mediante a repelência entre água e gordura é: OFF-SET.

8. O sistema de impressão que utiliza uma matriz plana e cuja reprodução

9. O crime de comunicação, conhecido como calúnia, consiste em:

IMPUTAR A ALGUÉM, FALSAMENTE, FATO DEFINIDO COMO CRIME.
10. Em 1923 foi fundada a primeira emissora radiofônica do país: a PRA –

1, Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, uma rádio educativa com fins científicos e sociais, ligada à Academia Brasileira de Ciências.À frente do projeto estava um antropólogo, botânico, lingüista, folclorista, que lutou incansavelmente pela “cultura de nossa gente, pelo progresso do Brasil”: EDGARD ROQUETTE-PINTO. 11. A espiral do silêncio é uma teoria que trata de meios de comunicação poderosos em sua capacidade de influenciar pessoas.

12. A teoria hipodérmica descreve a ação comunicativa como relação automática de estímulo e resposta, reduzindo a ação humana a uma relação de causalidade linear. 13. A teoria crítica da comunicação defende que não se deve estudar o comportamento da audiência sem considerar até que ponto esse comportamento é condicional pela estrutura da sociedade.
14. Juan Bordenave descreve as frases do processo de comunicação

como: pulsação vital, interação, seleção, percepção, decodificação, interpretação, incorporação e reação. 15. Simulacro é uma reconstrução do real, ou seja, transforma o real em uma nova realidade, mais intensa que a original. 16. O radiojornalismo cresceu em importância durante a Segunda Guerra Mundial. Neste período, surgiu o Repórter Esso. 17. A cortina é um breve trecho musical que identifica ou separa determinada parte de um programa radiofônico. 18. O primeiro jornal brasileiro a adotar o lead foi o Diário Carioca. 19. Off the Record designa uma informação de fonte que se mantém anônima. 20. Fac-símile é o termo que designa a reprodução idêntica de um documento. 21. A descrição pictórica consiste em apresentar o objeto, situação ou pessoa em detalhes.
22. Uma publicação semanal ou quinzenal com até quatro páginas e pouca

variedade temática pode ser caracterizada como um boletim. 23. A pauta faz parte da produção editorial de um jornal empresarial; a diagramação e a composição, da produção gráfica. 24. O Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) criado durante o governo Vargas atuava com divulgação, comunicação institucional e censura. 25. Súmula é um resumo das principais notícias de interesse do cliente veiculadas em rádio e televisão, incluindo ou não gravações.
26. Não traziam títulos, apenas data e local de procedência. As notícias

eram vinculadas ao interesse mercantil, com informes sobe colheitas, chegadas de navios... Custavam uma moeda – GAZETAS.

27. A Declaração de Chapultepec, criada no México em 1994, reúne dez princípios básicos para o exercício da profissão de jornalista.
28. Decreto de 22 de novembro de 1823 criou no Brasil, nos moldes da lei

portuguesa de 1821 a LEI DE IMPRENSA.
29. A primeira transmissão oficial de rádio no Brasil ocorreu no dia 7 de

setembro, quando o presidente Epitácio Pessoa fez um discurso na Praia Vermelha. O ano era de 1922.
30. São Paulo será a primeira cidade a ter Televisão Digital no Brasil. O

modelo escolhido para a TV Digital no país terá o padrão JAPONÊS.
31. STAKEHOLDER é uma expressão utilizada para designar pessoas,

grupos ou empresas relacionados direta e/ou indiretamente às ações de uma organização. 32. Quando a televisão chegou no Brasil, sua primeira transmissão foi em 1950 e a apresentação foi de Frei José Mojica, cantor mexicano que se tornara religioso.
33. - Em termos de prática jornalística, muitos autores diferenciam os

procedimentos para elaboração de notícias e reportagens. Em relação às diferenças entre esses dois gêneros jornalísticos podemos afirmar que: a notícia e a reportagem contêm, em geral, graus diferentes de profundidade no trato do assunto, sendo que a notícia tende a ser mais breve e pouco durável.
34. Claude Shannon e Warren Weaver, na primeira metade do século XX,

apresentaram um modelo que se tornaria clássico para o entendimento do processo de comunicação. A respeito desse modelo podemos afirmar que: procura, estruturado em bases técnicas, entender a comunicação como um processo de transmissão de informações através de um canal.
35. A entrevista é considerada como uma importante forma de apuração e,

de acordo com o meio em que será veiculada, deve ser conduzida e editada de modo específico. Quanto às técnicas de entrevista jornalística é correto afirmar: as entrevistas em rádio podem ser ocasionais ou produzidas, gravadas ou ao vivo, mas geralmente são marcadas pelo tom coloquial.
36. Ao preparar um texto para TV devem-se levadas em conta as

características audiovisuais do veículo. Com relação ao texto para TV, avalie as afirmativas a seguir: 1) Para escrever um texto para televisão, devemos, antes de tudo, conhecer as imagens disponíveis. A partir delas, o texto deve ser construído de maneira

coloquial e, preferencialmente, em ordem direta. 2) O texto jornalístico para televisão não deve ser escrito de maneira independente das imagens disponíveis. Em casos de distanciamento ou paralelismo das mensagens verbais e visuais, o texto deve ser reescrito.
37. Como as sonoras são de grande importância em um noticiário para

rádio, a edição deve cuidar para que: sejam, sempre que possível, opinativas, porque além de destinarem ao entrevistado o espaço da opinião, são mais contundentes e chamam a atenção do ouvinte.
38. Sobre as diferenças que o jornalismo digital apresenta em relação às

tradicionais mídias eletrônicas e impressas, é correto afirmar que: o jornalismo para Internet é construído com base em hiperlinks, levando em conta que o internauta acompanhará o noticiário de maneira não linear.
39. A RAC - Reportagem Assistida por Computador - é uma forma de

apuração baseada em novas tecnologias. Sobre ela, podemos afirmar que: permite combinar o uso da Internet com métodos qualitativos de pesquisa no sentido de produzir matérias mais profundas e analíticas.
40. Na linguagem jornalística as informações para o lead clássico são

selecionadas e ordenadas do seguinte modo: o lead clássico deve ordenar os elementos da proposição quem, fez o que, quando, onde, como e por quê – a partir da notação mais importante, excluído o verbo.
41. Sobre os diversos modos de se conduzir uma entrevista, que dependem

fundamentalmente das circunstâncias em que elas são realizadas e com que objetivos, indique a opção correta: a entrevista dialogal é marcada com antecedência e permite aprofundar e detalhar a apuração e, em alguns casos, geralmente por questões mercadológicas, pode ser publicada como “entrevista exclusiva”;
42. O trabalho do assessor de imprensa costuma estar associado à imagem

de uma ponte que liga o assessorado aos veículos de comunicação e vice-versa. Nesse sentido, a ação que NÃO ESTÁ DE ACORDO com a função do jornalista, enquanto assessor de imprensa, é: ser o portavoz, fonte oficial da empresa, em processos de gerenciamento de crises, evitando que os jornalistas tenham acesso direto aos executivos da empresa.

43. Os house organs traduzidos literalmente do inglês como “órgão da

casa” possuem características que os diferenciam da chamada “grande mídia” e os colocam no universo das assessorias de imprensa. Com relação às características do house organ, a afirmativa INCORRETA é: deve privilegiar os aspectos institucionais da publicação, abandonando os critérios jornalísticos no tratamento da informação.
44. Em relação ao media trainning é correto afirmar que: serve para,

através de entrevistas simuladas e orientações sobre as peculiaridades da imprensa e da atividade jornalística, orientar executivos e fontes de informação em geral a lidar com os repórteres de diversas mídias.
45. As novas tecnologias vão transformar o rádio de maneira decisiva e sua

permanência na web “depende de transformações profundas em que o romantismo do passado – do velho rádio transmissor de onda curta, o rádio de som FM e o rádio digital via satélite – não vão ter lugar”. São características do rádio na web, EXCETO: com a descentralização da produção, o rádio na web será ainda mais imediatista e o internauta não poderá acessar conteúdos já veiculados.
46. O tipo de ação que deve ser tomada pela Assessoria de Imprensa, num

processo de gerenciamento de crise, é: empenhar-se no sentido de fornecer informações de interesse público, reconhecendo as responsabilidades da empresa e enfatizando as medidas tomadas no sentido de resolver o problema.
47. Ao construir um texto jornalístico, NÃO É indicado: o uso de

estrangeirismos, gíria local e jargão profissional, assim como o uso de termos técnicos, quando não puder ser evitado, deve vir acompanhado da explicação necessária ao entendimento imediato.
48. Com o uso das tecnologias digitais e a entrada na era da Internet

surgiram novas palavras no cotidiano da comunicação on line. Sobre esses novos termos, indique a DEFINIÇÃO INCORRETA: hiperlink – texto eletrônico que fornece acesso instantâneo a outro texto, obrigando o internauta a seguir uma sequência linear (FALSO) estabelecida pela lógica jornalística.
49. Muitos autores diferenciam os termos publicidade e propaganda,

identificando publicidade à promoção de produtos e serviços com objetivos comerciais e a propaganda à divulgação de idéias, crenças e princípios. Sobre as características da propaganda institucional é correto afirmar: é a área de maior interação entre a Propaganda e as Relações Públicas ao divulgar as práticas, políticas e objetivos de

uma empresa, que são diferentes da metas de venda de um produto ou serviço.
50. Embora o slogan não seja um elemento indispensável nas campanhas,

a maior parte das mensagens publicitárias faz uso desse recurso. A respeito das características de um slogan, é correto afirmar que: deve ser preciso, rítmico, breve e positivo e, ainda apresentar, preferencialmente, um toque de originalidade.
51. Ao preparar uma legenda ou texto-legenda, o editor deve estar

consciente das funções do texto e da imagem nos meios jornalísticos impressos. Sobre essa relação, indique a AFIRMATIVA ERRADA: a legenda deve funcionar como uma etiqueta de identificação, descrevendo o que é mostrado na fotografia, pois só através da redundância o leitor será capaz de apreender a mensagem jornalística.
52. No contexto da sociedade contemporânea, se acentua, cada vez mais,

um processo que tem por base a cultura de REDES.
53. No jargão digital, o termo que normalmente se usa para transmitir

informações captadas em vídeo e outros suportes para a internet é: ENCODAR.
54. Espaço virtualmente ilimitado, associado à participação de qualquer

internauta na escrita GATEWATCHING.

das

notícias,

criou

o

processo

de

55. Ao assinar uma lista RSS (Really Simple Syndication), o leitor de um

blog ou site pode: automatizar o recebimento das notícias mais atualizadas de um site ou blog.
56. Licenças Creative Commons (CC): autores e criadores de conteúdo

permitem compartilhar a sua criação intelectual na internet sem que o usuário viole as leis de direitos autorais.
57. Páginas comunitárias que possibilitam a inclusão e a edição de artigos

que podem ser alterados por todos os usuários que têm direito de acesso. A esse conceito de colaboração on-line se dá o nome de: WIKI. 58. Nos títulos de jornais impressos, algumas regras são constantes. Três dessas regras são: evitar o uso de artigos, não separar palavras com hífen e não terminar o título com ponto final. 59. A diferença entre notícia e reportagem, respectivamente: relata os fatos; investiga e aprofunda os assuntos.
60. Informação jornalística em linguagem gráfica – INFOGRÁFICO.

61. Por facilitarem a leitura, costuma-se dar preferência, nos textos corridos

dos veículos impressos, às letras SERIFADAS.
62. O Sistema Brasileiro de Televisão Digital segue o padrão JAPONÊS,

que permite utilização de HDTV, multicasting e aplicações móveis e portáteis.
63. Edição de imagens linear é ANALÓGICA.

64. De acordo com a Lei de Imprensa que vigora no Brasil, a pena para o jornalista que cometer difamação é: prisão de 3 a 18 meses e multa de 2 a 10 salários mínimos da região.
65. AUTORIA COLETIVA é: contextualização ampliada da notícia. 66. Sobre os PODCASTS é correto afirmar que são arquivos de áudio na

Internet.
67. Os BLOGS podem ser caracterizados como ferramentas de ambientes

abertos, sem necessidade de hospedagem.
68. Sobre a noção de indústria cultural, criada por Adorno e Horkheimer, é

correto afirmar que: aponta para o conformismo intelectual na sociedade capitalista.
69. O uso de frases de impacto na abertura de um telejornal, resumindo o

conteúdo principal da edição, é denominado ESCALADA.
70. O sinal gravado não audível na pista de controle do cartucho que indica

o início de uma gravação é denominado BIP.
71. A notícia lida pelo apresentador ou apresentadora de um telejornal, sem

qualquer imagem de ilustração, é considerada como nota AO VIVO.
72. A intervenção deliberada nos dados da notícia, distorcendo-os, sem

anulá-los, e apresentando um sentido diferente, de modo que o leitor, ouvinte ou espectador não possa dar-se conta da distorção sem recorrer a outras fontes, constitui a(o): manipulação dos mass media.
73. Segundo informado na obra Teorias da Comunicação, existe uma

diferença entre os termos “mediação” e “mediatização”, que significam, respectivamente: acesso a uma realidade simbólica e operada por modelos digitais.
74. A inserção de imagem nas áreas azuis da imagem em TV, permitindo e

panorâmicos, com efeito similar à retroprojeção é chamado de: chroma-key.

75. A resolução da imagem dos primeiros aparelhos de TV apresentava 240

linhas de vídeo; o aparelho analógico tem entre 525 e 625 linhas; já os de alta definição chegam a 1080 linhas.
76. As locuções de até três palavras no interior das matérias, com intervalo

médio de três parágrafos que funcionam como títulos internos, criando áreas de respiro na peça jornalística são: intertítulos.
77. Recurso de planejamento gráfico como parte da informação veiculada:

sumários ilustrados, micro informações complementares, intervenção estética nas fotos, sem prejuízo ético, uso de diagramação funcional, com textos aplicados diretamente na página informatizada, com arquivos de texto e imagem acessados em tempo real e infográficos.
78. A

expressão fade (in ou out) significa: desaparecimento gradual de imagem e/ou som.

aparecimento

ou

79. Se, na feitura de um jornal, o editor pede que, em uma determinada

página de texto, a foto venha “sangrada”, isso significa que ele deseja que: a mancha gráfica ultrapasse a margem superior, inferior ou lateral da página. 80. Em relação às limitações de autonomia editorial, é correto afirmar que o período do Estado Novo (1937- 1945) e o do regime militar (1964-1985) apresentam semelhanças em relação ao controle dos conteúdos divulgados, ressalvadas as especificidades de cada época em relação ao regime político e ao tipo de censura de cada período. 81. Historicamente, do ponto de vista da análise dos meios de comunicação de massa no Brasil, é correto afirmar que a emergência de revistas ilustradas representou a primeira manifestação de produções editoriais baseadas nos pressupostos efetivos da cultura de massa, nos moldes norte-americanos. Entre essas revistas destaca-se O Cruzeiro, uma das pioneiras do gênero, que começou a ser publicada no final da década de 20 do século passado, pelos Diários Associados de Assis Chateaubriand. 82. Entre os pontos marcantes na história do jornalismo brasileiro, no início da segunda metade do século XX, é correto incluir a reforma gráfica e editorial do Jornal do Brasil (JB), realizada no final da década de 50. Tal reforma foi tão relevante na época que contribuiu para que o JB se tornasse um dos jornais mais respeitados no país. Entre os jornalistas envolvidos no referido processo de reforma estava Odylo Costa Filho. 83. Entre as abordagens que estudam os critérios de seleção dos elementos da notícia estão os estudos sobre gatekeeping, que consistem na análise dos procedimentos relacionados à escolha de

temas e enfoques as para notícias. Os estudos sobre os agentes chamados gatekeepers surgiram no campo da psicologia e foram adaptados à análise comunicacional por David Manning White na década de 50 do século passado, com ênfase à ação pessoal dos jornalistas no processo de seleção.
84. A teoria multifatorial da notícia explica a complexidade das condições

de produção da notícia, que envolve uma multiplicidade de elementos, tais como fatores sociais, políticos, econômicos, ideológicos, históricos, tecnológicos e organizacionais. 85. Historicamente, os estudos dos efeitos dos mass media tiveram início no período entreguerras (1920-1930), com a vertente norte-americana denominada Communication Research, conhecida pelas pesquisas sobre efeitos de curto prazo, que associavam, entre outros elementos, os conceitos de massa e de behaviorismo. 86. O efeito de consonância, associado ao estudo da construção social da realidade pelos meios de comunicação de massa, é consequência das rotinas produtivas, dos critérios de noticiabilidade e da cultura profissional dos jornalistas. Como resultado desse conjunto de fatores, os noticiários apresentam mais semelhanças do que diferenças — sejam as manchetes, as chamadas de primeira página ou o lide das principais notícias. 87. Vertentes teóricas como agenda-setting e newsmaking são exemplos de abordagens sobre a mídia resultantes do estudo dos efeitos de longo prazo, de abordagem sociológica, chamada sociologia dos emissores. 88. No âmbito institucional, os assessores de imprensa exercem a função de promotores de notícia, ou seja, tentam promover a publicação de notícias que favoreçam a imagem da instituição que representam. Para obter êxito nessa tarefa, uma rede eficiente de relacionamento com jornalistas e editores de veículos convencionais é imprescindível. 89. Entre as técnicas de pesquisa no âmbito organizacional está a análise de conteúdo, que pode ser aplicada para o acompanhamento de temas relacionados ao desempenho ou aos interesses da organização. Nesse caso, os primeiros passos são a definição do tema a ser monitorado, dos objetivos do estudo e da amostragem de material de divulgação na mídia. Essa técnica pode ser utilizada tanto por pesquisadores como por assessores de imprensa, auditores e consultores da área de comunicação organizacional e afins.
90. Uma notícia que vai ao ar na televisão, sem cobertura de imagem,

chama-se, no jargão profissional, de nota PELADA.

91. A tendência contemporânea de utilização da internet como plataforma

para produzir e disseminar informações está permitindo o desenvolvimento de um novo processo para a comunicação em rede cujo conceito se denomina CONVERGÊNCIA DAS MÍDIAS.
92. No ensaio Simulacro e Poder: Uma Análise da Mídia, Marilena Chaui

diz que o jornalismo impresso vem passando, gradualmente, de um órgão de notícias a um órgão de opinião. Assim, os jornalistas passam a ocupar o lugar que, tradicionalmente, cabia a grupos e classes sociais e a partidos políticos.
93. Diversas características diferenciam o texto publicitário do texto

jornalístico, entre elas: linguagem coloquial, uso de clichês, criação de intimidade.
94. Segundo Maria Immacolata Vassallo de Lopes, em seu livro Pesquisa

em Comunicação, o paradigma funcionalista dos estudos de comunicação e cultura é regido pelos seguintes princípios metodológicos: análise centrada no receptor, enfoque psicossociológico e psicolingüístico, conceitos operacionais e nível descritivo de estudo.
95. O projeto gráfico de um veículo estabelece para ele uma identidade

ESTÉTICA. 96. Na produção de notícias para veículos on-line, o jornalista deve concentrar-se no (a) utilização de recursos de hipermídia, para enriquecer a navegação.
97. A figura do profissional que produz matérias sobre a mesma pauta para

TV, rádio, jornal impresso e internet ilustra a definição do conceito de jornalista MULTIMÍDIA.
98. O infográfico, por apresentar informações jornalísticas de forma visual,

propicia uma ECONOMIA NARRATIVA.
99. “Anúncio breve que pretende gerar curiosidade sobre produto a ser

revelado posteriormente”; “matéria produzida por terceiros com a finalidade de divulgação, que recebe tratamento visual diferenciado” e “instruções transmitidas aos responsáveis pela execução de um trabalho”. Estas três definições, respectivamente, descrevem: TEASER, INFORME PUBLICITÁRIO, BRIEFING. Com relação ao jornalismo praticado na grande imprensa, o jornalismo empresarial se diferencia pela ABORDAGEM.
100.

A entrevista não estruturada realizada com grupo pequeno de respondentes e moderada por profissional treinado é um instrumento
101.

utilizado em pesquisa qualitativa, ao qual se dá o nome de GRUPO DE FOCO. 102. As primeiras abordagens teóricas acerca da relação entre modelos comunicativos e teorias da comunicação, no contexto da primeira metade do século XX, priorizaram os modelos comunicativos, a exemplo da teoria hipodérmica (modelo estímulo-resposta) e da teoria matemática da comunicação (modelo de Shannon e Weaver) 103. Historicamente, o conceito de indústria cultural desenvolvido no âmbito da escola de Frankfurt, por Adorno e Horkheimer, é posterior ao de cultura de massas e se contrapõe ao pressuposto norte-americano de cultura democrática. 104. Com a decisão do STF, no final de abril de 2009, de acatar os questionamentos em relação à aplicabilidade da Lei de Imprensa, passaram a valer, nos casos de calúnia, injúria e difamação, os dispositivos em vigor estabelecidos pelo Código Penal, Código Civil e pela Constituição Federal de 1988. 105. No jornalismo digital, no jornalismo online e no webjornalismo, o uso de textos com estrutura em blocos é considerado fator que favorece a leitura e a compreensão do leitor. A perenidade ou memória, que é a capacidade de armazenamento de informações, torna-se uma das vantagens do jornalismo online em relação ao jornalismo impresso convencional.
106.

Chama-se de DIAGRAMAÇÃO LINCADA o recurso que permite a ligação visual entre palavras do texto e elementos gráficos, como fotos e textos explicativos (boxe).
107.

A colocação de texto da mídia em papel (jornal ou revista) na internet sem modificação chama-se TRANSPOSIÇÃO PURA.
108.

109. O funcionamento pleno da TV Digital permitirá ao usuário escolher a que programas assistir e em que horário. 110. O jornalista não pode divulgar informações obtidas de maneira inadequada, por exemplo, com o uso de câmeras escondidas ou microfones ocultos, salvo em casos de incontestável interesse público e quando esgotadas todas as outras possibilidades de apuração. A respeito do LIDE: foi resultado, em parte, da invenção do telégrafo e do seu uso durante a Guerra Civil Americana. O lide garantia que o resumo dos acontecimentos na abertura dos textos preservasse o
111.

essencial dos fatos, mesmo que o resto da história fosse cortado em decorrência da precariedade do telégrafo. ARTIGO JORNALÍSTICO: normalmente se divide em duas modalidades: o artigo propriamente dito e o ensaio.
112.

COLUNA: gênero jornalístico que apareceu, primeiramente, na imprensa norte-americana, ainda no século XIX, e se caracteriza, muitas vezes, por uma estrutura em mosaico, com unidades curtas de informação e de opinião, trabalhando especialmente com os bastidores da notícia.
113.

114. O jornal O DIA praticava um jornalismo popular, que também se encontrava expresso em jornais como Última Hora e Tribuna da Imprensa. INFOGRÁFICOS: informação jornalística em linguagem de gráfico. Não é ilustração. É notícia visual, expressão iconográfica dos fatos. Possuem geralmente um título, um pequeno parágrafo introdutório, o corpo, com informação legendada e uma menção à fonte de informação.
115.

116. No que concerne o Novo Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros: a presunção de inocência é um dos fundamentos da atividade jornalística. Quando o jornalista imputa fato ofensivo à reputação de alguém, diz-se que ele cometeu um crime contra a honra denominado: DIFAMAÇÃO.
117.

Segundo Gaudêncio Torquato, o ‘fluxo de comunicação entre níveis hierárquicos com a mesma posição no organograma’ é denominado de Fluxo LATERAL.
118.

É uma das formas pela qual a mídia pode ter um efeito no público. É a idéia de que a mídia jornalística, pela apresentação de notícias, determina os assuntos sobre os quais o público pensa e conversa. Esse enunciado foi criado por Maxwell McCombs. Trata-se de AGENDA SETTING.
119.

No momento de crise, a empresa é procurada pela imprensa. A atitude que deve ser adotada é: prestar informações necessárias e se empenhar em solucionar o problema.
120. 121.

A fotografia utiliza código ANALÓGICO.

122. A decodificação de uma página impressa acontece em dois momentos. Em primeiro lugar, o leitor observa a massa gráfica como um todo e, em um segundo momento, se fixa nos detalhes.

Em 1971, os jornalistas Reginaldo Finotti e Alaor José Gomes fundaram uma assessoria de imprensa pioneira, que consolidou o modelo jornalístico nesse tipo de trabalho. Essa assessoria de chamava: UNIPRESS.
123.

De acordo com o Código de Ética, o exercício da profissão de jornalista é uma atividade de natureza: SOCIAL.
124.

A entrevista cujo ponto de interesse está mais centrado na exposição do entrevistado do que no que ele tem a dizer é conhecida como TEMÁTICA.
125.

Baseado em um modelo linear do processo comunicativo, o paradigma que buscava a medida de informação contida na mensagem e se focava no cálculo das condições mais aptas para sua transferência pelo canal é o MATEMÁTICO-INFORMACIONAL.
126.

De acordo com o inciso XVI do artigo 21 da Constituição Federal de 1988, a classificação, para efeito indicativo, de diversões públicas e de programas de rádio e televisão compete à UNIÃO.
127.

Na comunicação, o meio físico que transporta os sinais do emissor ao receptor é conhecido como CANAL.
128.

Três cores primária da síntese aditiva são: MAGENTA, CIANO E AMARELO.
129. 130. 131.

O processo de offset usa matrizes do tipo: PLANOGRÁFICAS.

FOLLOW UP: acompanhamento, pelo assessoria de imprensa, de uma pauta encaminhada à redação.
132.

Formato de papel AA, mede: 76X 112cm. FORMATO DIN Série Principal (Medidas em mm) Símbolos A0 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 Dimensões 841 x 1189 594 x 841 420 x 594 297 x 420 210 x 297 148 x 210 105 x 148 74 x 105 52 x 74

A9 A 10 A 11 A 12

37 26 18 13

x x x x

52 37 26 18

FORMATO AA (Medidas cm) AA A ½A ¼A 1/8 A 1/16 A 1/32 A 76 x 112 56 x 76 38 x 56 28 x 38 19 x 28 14 x 19 9 x 14

133.

Recorte ou gravação de uma unidade informativa que consolida o processo de interação entre a empresa e um veículo de comunicação é conhecido como: CLIPPING. A Teoria Matemática da Comunicação sistematizou o processo comunicativo a partir de uma perspectiva técnica. Essa teoria foi elaborada por: SHANNON e WEAVER. Gênero jornalístico que utiliza recursos literários e combina notícia, pesquisa e interpretação: NEWS JOURNALISM. LEAD CLÁSSICO: começar o texto pelo sintagma nominal ou circunstancial mais importante.

134.

135.

136.

137. A obra de Marshall McLuhan, a ênfase é dada ao canaç de comunicação. 138. Uma das pioneiras e marcantes iniciativas de telejornalismo no Brasil foi: O Repórter Esso da Rede Tupi de Televisão, pertencente a Assis Chateaubriand.
139.

AGENDA SETTING: As pessoas têm a tendência para incluir ou excluir dos seus próprios conhecimentos aquilo que os meios de comunicação incluem ou excluem do seu próprio conteúdo. NEWSMAKING: Na produção de informações de massa, tem-se, por um lado, a cultura profissional dos jornalistas e, por outro, a organização do trabalho e dos processos produtivos.

140.

141.

ESPIRAL DO SILÊNCIO: O indivíduo, por medo de isolamento, não expressa sua opinião, especialmente se minoritária. USOS E GRATIFICAÇÕES: A mensagem mais potente dos meios de comunicação não pode influenciar um indivíduo que não faça uso dela no contexto sociopsicológico em que vive. PLANO: Documento que define o tipo de atitudes a serem adotadas na realização de tarefas cotidianas. PLANEJAMENTO: Definição de metas, objetivos, públicos e políticas para que a constituição direcione seus atos. MAILLING LIST: Relação atualizada de nomes e endereços para envio de informações de interesse do assessorado. PRESSKIT: Conjunto de textos, fotos, cópias de documentos e outros materiais para a divulgação de determinadas atividades.

142.

143.

144.

145.

146.

147.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->