Você está na página 1de 28

INTERNATIONAL UNION SHORIN-RYU KARATE-DO FEDERATION

UNIÃO SHORIN-RYU KARATE-DO BRASIL


ASSOCIAÇÃO OKINAWA SHORIN-RYU KARATÊ-DO BRASIL

CONTRIBUIÇÃO DO KARATÊ-DO
AO DESENVOLVIMENTO DA SAÚDE, PERCEPÇÃO,
CARÁTER, COMUNICAÇÃO SOCIAL, PRODUTIVIDADE,
QUALIDADE DE VIDA, E HUMANITARISMO

Luiz Rodolfo de Aragão Ortiz

DIREITO AUTORAL
FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL - RIO DE JANEIRO
CERTIFICADO DE REGISTRO N° 289.453 - LIVRO: 524 - FOLHA: 113
10 DE JUNHO DE 2003
Autorizada a reprodução de todo ou parte deste texto quando mencionado a fonte e o autor
Autorizado pelo autor a publicação e divulgação no Site da IUSKF

Rio de Janeiro
Novembro - 2002
INTERNATIONAL UNION SHORIN-RYU KARATE-DO FEDERATION
2

UNIÃO SHORIN-RYU KARATE-DO BRASIL


ASSOCIAÇÃO OKINAWA SHORIN-RYU KARATÊ-DO BRASIL

CONTRIBUIÇÃO DO KARATÊ-DO
AO DESENVOLVIMENTO DA SAÚDE, PERCEPÇÃO,
CARÁTER, COMUNICAÇÃO SOCIAL, PRODUTIVIDADE,
QUALIDADE DE VIDA, E HUMANITARISMO

Luiz Rodolfo de Aragão Ortiz

Tese desenvolvida para obtenção do Grau de 7°


Dan da Associação Okinawa Shorin-Ryu
Karatê-Do Brasil / União Shorin-Ryu Karatê-Do
Brasil.

Rio de Janeiro
Novembro / 2002
3

DEDICATÓRIA

Meus pais Luiz Ortiz (in memorian) e Hilda de Aragão Ortiz (in memorian)
Minha querida e paciente companheira Criméa Chaar Salan
Sensei Gran-Mestre Shinzato & D. Família
Fiel colega e amigo Mestre Masahiro Shinzato & D. Família
Mestre Hector Gonzalez & D. Familia
Minha irmã Luizilda Ortiz de Moraes
Meu cunhado Marco Antonio Ioselli de Moraes
Minha sobrinha e afilhada Gabriela Ortiz de Moraes
Minha sobrinha Gisela Ortiz de Moraes
4

AGRADECIMENTOS

• Amados Parentes
• Mestre Katsuyoshi Kanei - Okinawa (in memorian)
• Mestre "Papae" - Bairro Liberdade - SP (in memorian)
• Prof. Augusto Falcão
• Prof. Gilberto Israel & D. Família
• Prof. Claudio Carvalho de Lima & D. Família
• Sensei Rogério Wong & D. Família
• Prof. Jorge Yoshimura & D. Família
• Prof. Vicente Soares & D. Família
• Dr. Marcelo Arantes & D. Família
• Sensei Teruo Furusho & D. Família
• Sensei Shingeme Kohara & D.Família
• Sensei Yoshiki Kohara & D. Família
• Sensei Juigi Sagara (in memorian)
• Sensei Lirto Monassa (in memorian)
• Prof. Fernando Gomes da Silva & D. Família
• Prof. Alcione Machado de Goes Soares & D. Família
• Prof. Amaury Alves Pereira & D. Família
• Prof. Horácio Macedo (in memorian)
• Prof. Augusto Araújo Lopes Zamith (in memorian)
• Prof. Adolpho Wasserman
• Luiz Santiago Alves de Mesquita - Casa do Estudante do Brasil (in memorian)
• Jornalista Hamilton Sbarra & D. Família
• Jornalista Prof. Geraldo Pançardes
• Jornalista Lauro Freitas
• Jornalista Wanda Figueiredo & D. Família
• Jornalista Gilse Campos
• Prof. Orlando Ribeiro Matos D. Família
• Prof. Renato Carrieri & D. Família
5

• Sensei Oscar Malaquias & D. Família


• Mestre DeRose
• Prof. Neiva Paiva
• Marcio Landes Claussen & D. Esposa
• Rui Pinheiro dos Santos & D. Família
• Eduardo Morand & D. Família
• João Augustinho de Almeida & D. Família
• Dra. Marilia Aciolli & D. Família
• Almirante Humberto Annibal de Mello Santos & D. Família
• Luiz Washington Machado de Oliveira & D. Família
• Biólogo Cláudio José Matos de Araújo (Sideral) & D. Família
• Roosevelt de Oliveira (in memorian)
• Julio Gamara (in memorian)
• José I. Thomas (in memorian)
• Euro S.R. e Deusaly
• Edgard N. Rocca (Bituca)
• Felicitas Baer Barreto
• Wellington Cordeiro de Miranda & D. Família
• Carlos Pimenta
• Carlos Zimbardi
• Francisco Yuzo Nakajima & Hiçaku Nakajima
• Colegas
• Amigos
• Alunos e Alunas
• Colaboradores
• AOSKB / USKB / IUSKF / USKI /ACS
• FKERJ
• CBK
• Shiva
• Buda
6

• Cristo
• A Todos...
• A Tudo...
• Ao Nada...

...tudo se inicia com nada


e o nada é tudo...

tudo se inicia com algo...


...e algo é tudo...

tudo se inicia com tudo...


e tudo é nada...

relaxamento e postura
inicio de tudo...

atenção e ação
inicio de tudo...

reflexo e intuição
inicio do nada...

ação e inação
inicio de tudo...

equilíbrio na ação
fim de tudo...

harmonia e justiça
fim do nada...

guerra e paz
inicio e fim...

espada e coração
inicio do fim...

fraternidade e ação
fim do inicio...

morte e renascimento
fim e inicio...
7

transformação e movimento
vida enfim..

-LRAO

RESUMO

Este trabalho foi preparado a fim de atender solicitação do Gran-Mestre Yoshihide Shinzato,
no sentido de preparar um texto relatando principais acontecimentos e reflexões relevantes, ao
longo de minha prática de Karatê, de maneira bem sintética, resumida e objetiva, como condição
prévia à subseqüente argüição, como candidato, a convite, à promoção ao Grau de 7° Dan na
Associação Okinawa Shorin-Ryu Karatê-Do Brasil.
Aproveitei parte do texto de um pequeno livro sobre Karatê que iniciei, com reflexões sobre
o Karatê, a partir de 1974, quando então ministrava aulas de Karatê na Universidade do Estado de
Illinois, nos EUA.
A tônica do trabalho está na conceituação sobre arte marcial, o Karatê, a organização
mundial, os objetivos, formas de ensino e prática, benefícios à saúde, e como pode contribuir para a
performance da máquina humana, a segurança pessoal, e a qualidade de vida, com extensões sociais
e humanitárias.
Este trabalho pode eventualmente servir como um guia resumido, contendo os fundamentos
filosóficos do Karatê, para praticantes, e interessados em geral.
8

SUMÁRIO

HISTÓRICO
CAPITULO I - ARTE MARCIAL
CAPITULO II - KARATÊ-DO
CAPITULO III - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL
CAPITULO IV - OBJETIVOS
CAPITULO V - AULA
CAPITULO VI - COMPETIÇÃO
CAPITULO VII - GRADUAÇÃO
CAPITULO VIII - PRINCÍPIOS EDUCACIONAIS
CAPITULO IX - BENEFÍCIOS À SAÚDE
CAPITULO X - BIOENERGÉTICA
CAPITULO XI - DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL
CAPITULO XII - CONCEITOS FUNDAMENTAIS
9

HISTÓRICO

Comecei a praticar Karatê em 1966, motivado por meu pai, saudoso Luiz Ortiz, que tinha
exercido, dentre outras atividades comerciais e empresariais, a pratica do Boxe Inglês.
Na época eu nadava e jogava pólo aquático em Santos-SP, no Clube de Regatas Saldanha da
Gama, pelo qual logrei alguns títulos a nível Estadual.
Alguns colegas de natação praticavam o Karatê com Mestre Shinzato, e eu observava
atentamente aqueles eficientes movimentos altamente plásticos.
No dia que cheguei na Academia do Mestre Shinzato (Rua General Câmara - Santos),
perguntei a ele (sem saber quem era) se ali era a Academia de Karatê. Ele simplesmente disse que
sim.
Perguntei se era ele o professor.
Ele me disse que iniciaria uma aula dentro de alguns minutos.
Simplesmente a aula prendeu toda minha atenção e meus pensamentos se dirigiam àqueles
movimentos extremamente harmônicos e obviamente de uma importância vital para a saúde das
articulações.
Feita a matrícula lá estava de quimono e extremamente compenetrado.
Os comandos enérgicos dos instrutores e a moderação do Mestre Shinzato me
impressionavam.
As paredes da Academia da Rua General Câmara em Santos eram repletas de dizeres
alusivos ao desenvolvimento de um bom caráter, respeito e importância da dedicação aos treinos.
Rapidamente me tornei faixa azul, e em seguida faixa roxa.
A eficiência da defesa pessoal do karatê e a arte dos movimentos do Kata realmente me
impressionavam.
A personalidade forte do Mestre Shinzato sempre foi um amparo às indagações e
dificuldades da vida de todos seus alunos.
Somente aqueles que não seguiram sua orientação tiveram maiores dificuldades.
10

Todos, sem exceção, que ouvimos suas recomendações, tivemos os problemas usuais de
nossas s vidas amenizados, e obtivemos avanços no karatê.
Quando em Santos, eu me preparava no Cursinho CCS, para prestar o vestibular para
Engenharia Química, um colega da Academia do Mestre Shinzato, o Faixa-Preta João Carlos Luiz,
então estudante de medicina na UFRJ incentivou-me a ir ao Rio ministrar aulas de Karatê.
Com o desdobramento, eu, estudante na UFRJ, na Associação Atlética Acadêmica da Escola
de Química, iniciei um curso de Karatê, ministrado por mim, Rui Pinheiro dos Santos, do Rio de
Janeiro, e outro colega, o Benício, do Ceará.
Chegamos a ter muitos alunos de várias Faculdades, e participamos de muitos eventos do
Mestre Shinzato em Santos, com nossa equipe, a partir de 1968.
Ministrando aulas de Karatê na UFRJ, consegui arrecadação para as despesas fundamentais
de meus estudos.
Em função de questões políticas relativas ao final dos anos 60, nosso curso foi suspenso na
Praia Vermelha, tendo prosseguido posteriormente na Cidade Universitária do Fundão sob outra
direção. Em paralelo nosso núcleo prosseguiu na Academia Buguei-Kan em Copacabana.
Após circular por Academias, Escolas, Clubes e Associações passamos a ter nossa própria
Academia e Associação fundada em 1985, em Copacabana, a Associação Studio Montreal, alusiva à
Academia Montreal formada por mim, com os sócios Rui Pinheiro do Santos e o amigo Advogado
Eduardo Morand, vindo a situar-se posteriormente em Santa Teresa, e em seguida na Copa Corpo
Clube como comodatário conveniado, estando hoje no Olympico Club, em Copacabana.
Ao longo deste período participamos intensamente da FKERJ, CBK, USKB e IUSKF, com
boas classificações nas competições, e gerando filiais através de nossos alunos faixas-pretas.
Muitas informações foram consolidadas ao longo das Aulas Especiais em Santos e no Rio, e
viagens acompanhando o Mestre Shinzato à Argentina e Okinawa (Japão), bem como através de
conversas com o Mestre, seus alunos e meus colegas, através do convívio com outros professores, e
pesquisas pessoais em aula, com alunos, leituras e pesquisas em museus, salientando-se o Museu de
Xapoutepec no México, Museu do Ouro em Lima-Perú, Universidade da Califórnia e Golden Gate
House of Study em San Francisco - EUA.
Importantes livros cedidos pelo Prof. Gilberto Israel vieram a complementar e sedimentar
esta pesquisa.
Muitas observações também foram feitas em função de meus estudos em Química, Física
Nuclear, Bioenergética, Yoga e Meditações.
Época importante nestas etapas foi o estágio efetuado com o Prof. DeRose em seu Instituto
de Swastya Yoga em Copacabana, onde tive oportunidade de conviver holisticamente com
11

pesquisadores de varias áreas, como o Biólogo Claudio Araujo (Sideral), grande pesquisador das
questões ecológicas, a astróloga e atriz Leiloca e a atriz e cantora Tânia Alves, outra grande
pesquisadora.
Recebo sempre grande incentivo participando no Conselho Empresarial de Educação da
Associação Comercial de Ipanema, e na sua Diretoria de Esportes, onde tenho oportunidade de
atuar como palestrante juntamente com representantes de várias Universidades e Institutos de
Pesquisa.
Minha participação como Químico, enquanto Gerente Geral no Conselho Regional de
Química e no INPI - MIC - Organização Mundial da Propriedade Intelectual (ONU), vieram
também consolidar muitas observações cientificas, também na ocasião como bolsista do Conselho
Nacional de Pesquisas e Comissão Nacional de Energia Nuclear, tendo desenvolvido trabalhos
sobre partículas cósmicas elementares.
Na direção da Associação Studio Montreal, quando sediada na Academia Montreal, em
Copacabana e em Santa Teresa, tivemos o privilégio da colaboração de uma equipe multidisciplinar,
para estudos e palestras nas áreas do Zen, Budismo, Meditação, Teatro, Percussão, Ufologia,
Terapias Naturais, Parapsicologia, Nutrição, Psicologia, Medicina, Artes Marciais em geral,
Astrologia, Psicotrônica, Ecologia, Alquimia, e outros estudos afins.
Meu convívio com os alunos sempre enriquece meus estudos, com a contribuição de varias
áreas do conhecimento, profissões e religiões.
A psicóloga Marilia Acioli, grande pesquisadora da área de Parapsicologia, Alquimia e
Metafísica sempre contribuiu muito com inúmeros conhecimentos aos meus estudos.
Elder Carvalho, incansável desbravador, terapeuta natural, um dos precursores no Brasil em
sua área, sempre foi um grande incentivador e colega em pesquisas importantes.
Gran-Mestre Shinzato, meu amigo e professor, baluarte incansável do Karatê internacional,
um dos pioneiros no Brasil, grande Mestre orientador de todas as causas, professor de inúmeros
professores da atualidade, e campeões internacionais, educador agraciado com inúmeras honrarias,
vindo da longínqua Okinawa, encontrou respaldo na cidade de Santos para seu trabalho.
A todos os alunos que me substituíram durante minhas viagens a estudo, trabalho e pesquisa,
como por exemplo o Prof. Antonio Carlos Ramos Troyman, hoje Yondan, agradeço a dedicação, e
confiança para com o verdadeiro espírito do Karatê.
Desejo externar os meus mais sinceros agradecimentos também ao amigo, colega e aluno
Prof. Gilberto Israel, Godan, também aluno do Gran-Mestre Shinzato, hoje ministrando aulas de
Kobu-Do em Angra dos Reis, pelos incentivos e auxílios de toda ordem.
12

A estrada do Karatê é longa (infinita), mas onipresente e muito saudável, cercada de


momentos de esclarecimentos sobre a vida, o ser humano, a sociologia, as noções sobre os Direitos
Humanos, Justiça e Paz.
Sensei Masahiro Shinzato, filho do Mestre Shinzato, hoje 8.o Dan, e ex-presidente da
Federação Paulista de Karatê com brilhantismo e coragem para enfrentar longas jornadas e desafios
políticos, é hoje assistente do Mestre Shinzato em sua Academia em Santos.
Dentre os inúmeros colegas gostaria de ficar grato em especial ao professores Orlando,
Nassim, Marcio, Gilson, Furquim, Wong, Higa, e Yoshimura, dentre tantos outros que sempre
contribuíram e contribuem para minha evolução.
Agradecimento especial ao Mestre Yasunori Yonamine, grande autoridade do Karatê
mundial, ao saudoso Mestre Kanei do Kobu-Do, Prof. Hector Gonzalez da Argentina e D. Esposa
Suzana-também professora e Sensei Keller e D. Esposa Deborah-também professora, saudoso e
amigo Mestre “Papae” do bairro da Liberdade, em São Paulo, e tantos outros.
Aos professores Luiz Gonzaga o agradecimento pela confiança, Prof. Adauto pela estima,
Prof. Oton pela credibilidade, Prof. Antonio Claudio pela amizade e competência, Prof. Augusto
Cantizano pela dedicação, Prof. Silvio pelo gosto e dedicação no Karate, Prof. Claudio Carvalho
pela dedicação, e ao aluno Prof. Augusto Falcão pela perpetuação de nosso convívio, através de
seus alunos.
Na FKERJ registro meu satisfatório convívio com os irmãos Kohara , Sensei Furusho,
Gravina, Penha, Clementino, Sensei Lirto Monassa, Sensei Naoiuki Hirakawa, Prof. Benedito, Prof.
Leonardo Carion , nosso saudoso Prof. Miranda, e Amanda, bem como Maria Cecília de Almeida
pelos papos agradáveis e inteligentes; Dr. Haroldo pelo profissionalismo, Dr. Luiz Carlos pela
educação, Prof. Chagas pelo incentivo, Prof. Felix pelas informações, Sensei Alcione pela
camaradagem, e Prof. Manoel Dantas, pelo incentivo e companheirismo.
Prof. Fernando Gomes, hoje Presidente da FKERJ, pela competência e gosto pelo Karatê,
Prof. Geraldo pela amizade, Prof. Amauri, por seu senso de humor, dentre tantos outros inumeráveis
e incansáveis batalhadores pela grande causa do Karatê.
Na CBK fica meu reconhecimento pela brilhante atuação de. Marcelo Arantes e do técnico
Frazer. Minha admiração pelo atleta Didi, e reconhecimento aos atletas, professores e amigos
Serjão, Andréa, Vicente e Orlando, dentre tantos outros.
Não poderia deixar de agradecer os sábios ensinamentos de Judô obtidos com Mestre Oscar
Malaquias (o Índio), ex-assistente do saudoso Sensei Nagashima, os ensinamentos de Educação
Física do Prof. Oscar e de meu ex-técnico de natação Neiva Paiva, do Clube de Regatas Saldanha
da Gama, do qual guardo sempre excelentes recordações.
13

Agradecimentos ao Prof. João Augustinho de Almeida, da natação e Karatê, pela amizade.


Aos meus ex-socios e colegas Rui P. Santos, Eduardo Morand e Mussi meus
agradecimentos.
À Iris e Carlos pela amizade. À Sandra pela companhia. À Vera , Lúcia e Suzana pela
amizade.
À Simone os agradecimentos pela dedicação; à Criméa e seus filhos pela dedicação, ajuda e
compreensão de nossos ideais.
À Wanda Figueiredo e suas irmãs Glorinha e Filó, Gilse Campos, Hamilton Sbarra e
Geraldo Pançardes pela amizade.
Ao Almirante da Marinha Humberto de Mello, pelo incentivo e agradável convívio na
Diretoria da Associação Comercial de Ipanema e Conselho Empresarial de Educação.
Ao Olympico Club, pela receptividade, confiança e oportunidade do convívio em um Clube
de alto nível e tradição histórica em Copacabana.
Meus agradecimentos ao KARATE, que me deu forças nas grandes batalhas, e ao espírito
maior Universal pela condução de minhas atitudes.
14

CAPITULO I - ARTE MARCIAL

"Mizu no kokoro..." "Mente como água" ...


é um principio das artes marciais que enfatizam a necessidade de calma da mente, como a superfície
tranqüila de um lago parado, refletindo a realidade e/ou a face do oponente, de uma maneira correta,
e amoldando-se ao "recipiente" ou ao obstáculo.
Arte Marcial refere-se à arte do equilíbrio entre os conflitos, nas decisões, no balanceamento
interior de cada um de nós entre as forças positivas e negativas, do bem e do mal, e da eficácia na
obtenção de resultados práticos.
Estas forças já foram amplamente descritas em todas as religiões e nas mitologias, como por
exemplo, em Marte, Deus da guerra (interior), o autocontrole das nossas emoções e ações.
Podemos imaginar a origem das artes marciais como sendo próprio do instinto de defesa
instintiva do ser humano.
Em todas civilizações, os povos antigos e da atualidade possuem seus rituais,
objetivando o fortalecimento de suas energias, baseado na observação dos animais e das forças da
natureza.
Estas manifestações envolvem danças, tambores, enfeites e lutas, na tentativa de resgatar o
espírito da natureza para solução dos problemas, preparação para os momentos difíceis, saudar
momentos notórios, e promover a saúde.
As lutas resgatam as energias vitais proporcionando bem-estar, discernimento e
combatividade.
Na antiga Índia já Buda praticava arte marcial. Muitos povos o fizeram. Existem indícios que
Jesus Cristo praticou arte marcial, no preparo para o que viria a enfrentar.
Inúmeras modalidades surgiram em vários recantos do mundo.
Na China praticou-se o Kung-Fu (Kempo), que mais tarde viria a influenciar o Te praticado
na Ilha de Okinawa.
15

CAPITULO II - KARATE-DO

A junção do Kempo (Kung-Fu) do Mosteiro de Shaolin da China, com o Te (de Okinawa),


gerou o Okinawa-Te.
A partir do Okinawa-te surgiram primordialmente três estilos em locais distintos da Ilha de
Okinawa: o Shuri-Te, Naha-te e o Tomari-te.
Fundamentalmente, a partir destes três estilos, surgiram todos os demais hoje existentes.
Nosso estilo Shorin-Ryu surgiu como desdobramento do Shuri-Te, aproximadamente em
1921.
Kara significa vazio, ação ou inação, isento de intenção.
É a partir desta não intenção que nossa mente fica livre para perceber da melhor maneira
possível a “realidade”.
Enquanto nossa mente estiver agitada é como se fosse água turbilhonada impedindo que
vejamos a imagem por inteiro refletida em sua superfície.
Podemos perceber isto claramente ao verificarmos que quase sempre a solução para nossos
grandes problemas, esgotadas todas tentativas de resolução, aparecem em momentos de
descontração, que se seguem após grande empreendimento físico e/ou intelectual. Fica evidente aí a
importância do lazer, da meditação e sociabilidade, em paralelo aos excelentes benefícios dos
exercícios físicos, mentais e espirituais das artes marciais, em especial do Karatê bem orientado.
Os conflitos trazem em si a semente da discórdia, e ao mesmo tempo a fórmula para as
soluções. Na administração correta dos conflitos está a receita para a paz. A guerra só deve se
processar quando se esgotar toda e qualquer possibilidade do bom gerenciamento do conflito.
Tê significa mão, mas pode ser eventualmente interpretado simbolicamente como corpo.
Portanto Karatê significa mão (ou corpo) equilibrando energeticamente (em União),
para ação ou inação corretas.
16

CAPITULO III - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL

Estão treinando com Mestre Shinzato ilustres autoridades, políticos da cidade de Santos,
renomados profissionais liberais, militares e policiais de todas as fardas de vários países,
professores de educação física, médicos, engenheiros, advogados e juízes, artistas, jornalistas,
estudantes, enfim toda uma comunidade.
Seus alunos faixas-pretas, milhares pelo mundo, levam sua bandeira de união, harmonia,
justiça, energia, ação, equilíbrio e realização.
Observei Mestre Shinzato, sempre extremamente apoiado pelos seus filhos, também faixas-
pretas e profissionais liberais, sua magnânima esposa TOMI, SAUDOSO e HONROSO PAI, E
DEMAIS FAMILIARES, nunca medindo esforços para ser o mais justo possível para com todos os
bem intencionados dentro da família karateca Shorin.
Inúmeros estilos de karate surgiram na atualidade, bem como Federações e Organizações
Internacionais que culminaram com o reconhecimento do Karate como esporte olímpico.
O Karate é hoje a arte marcial mais praticada no mundo, em 173 paises.
17

CAPITULO IV - OBJETIVOS

Os princípios básicos do karate são os mesmos do direito (justiça), e da sociologia, da


pedagogia (educação), ,da filosofia (ética, estética e moral), do bushido (código compoortamental),
e dos direitos humanos, com um desdobramento histórico para a estratégia de combate defensivo e
ofensivo, sendo que modernamente com finalidades fundamentalmente desportivas, artísticas,
segurança pessoal, terapêuticas, educativas e lazer, visando fundamentalmente o desenvolvimento
de uma boa saúde, do caráter e qualidade de vida.

CAPITULO V - AULA

A aula inicia-se com meditação zen (concentração mokussô), passando-se aos exercícios de
aquecimentos articulares, alongamentos, fortalecimentos, resistência e fôlego (endurance cardio-
pulmonar), o yobi-taiso.
Em seguida passa-se aos exercícios básicos de posições de pernas, tronco, braços e cabeça,
parados e em movimento (kihon)
A seguir ataques e defesas básicas com varias partes do corpo, individual e em grupo, parado
e em movimento.
Passa-se às estratégias de defesa pessoal (yakussoku-kumite) com movimentos seqüenciados,
saídas de agarramentos, quedas e imobilizações com um ou vários adversários.
Treina-se em seguida luta simulada (kumite), com aplicação de todas técnicas aprendidas.
A etapa seguinte é a do kata, formas simulando luta com inimigos, ou fatos imaginários ou
reais, em todas direções, e suas aplicações (bunkai).
Encerra-se a sessão com relaxamentos e alongamentos visando restaurar a calma.
18

Podem ser usados aparelhos de condicionamento, como o makiwara (controle, precisão,


fortalecimento, e calejamento)

CAPITULO VI - COMPETIÇÃO

As competições são optativas e realizam-se nas modalidades luta (kumite) e kata em


categorias, masculino e feminino, por idades, pesos, faixas e alturas, individual ou por equipe.
Existem competições de estilos, organizações estaduais, nacionais, continentais, mundiais e
circuitos olímpicos.
As regras impedem contato total, e exigem protetores individuais adequados.

CAPITULO VII - GRADUAÇÃO

As graduações variam muito de estilo para estilo, sendo no Shorin-Ryu vermelha (faixa de
incentivo para iniciante), amarela, laranja, azul, verde, roxa, marrom , preta (6 Dans), vermelha e
branca (7.o e 8.o Dan), e vermelha larga (9.o e 10.o Dan).
Os critérios para graduação são prioritariamente tempo de prática, comportamento,
desenvolvimento físico, mental e espiritual, eficácia na defesa pessoal, técnica e arte na execução,
desenvolvimento da percepção, intuição, compreensão, sociabilidade e conhecimentos teóricos
básicos da parte legal, legitima defesa, historia e filosofia do Karatê, primeiros-socorros, princípios
básicos de anatomia, organização desportiva, nomenclatura, arbitragem, ética, princípios didáticos e
pedagógicos, psicologia e sociologia, e muita filosofia.
19

CAPITULO VIII - PRINCÍPIOS EDUCACIONAIS

"Saiba o momento correto de usar cada uma das quatro


qualidades que a natureza nos ensina. Dependendo das
circunstâncias, seja duro como um diamante, flexível
como uma pena, generoso como a água, ou vazio como o
ar. Se a origem do seu problema é o fogo, não adianta
contra-atacar com mais fogo, porque isso só irá aumentar
o incêndio: NESTE CASO, APENAS A ÁGUA SERÁ
CAPAZ DE COMBATER O MAL. Nunca o problema pode
lhe ensinar como reagir a ele - só você tem poder para
isso".
- Paulo Coelho

O Karatê parte do principio da paz, enfrentando, em principio, o conflito com o mínimo de


participação corporal.
Havendo a possibilidade de resolução pacifica, este é o caminho.
Tenta-se, sempre que possível, a compreensão para com o próximo, tentando-se interpretar
as questões da maneira mais pacifica e diplomática possível.
Somente em defesa da integridade da vida, da justiça e presença de inimigo em potencial,
aciona-se o Karatê prático, primeiramente sob forma de defesa e em última instância, o ataque.
20

CAPITULO IX - BENEFÍCIOS À SAÚDE

Saúde segundo a Organização Mundial da Saúde (ONU), é estado de bem-estar físico,


mental e social.
Vemos claramente o quanto o Karatê pode contribuir para nossa saúde.
Ao terminar uma sessão pratica, percebemos nitidamente essa fortíssima sensação de bem-
estar, fato inegável entre todos os praticantes.
Obviamente que isto reverte em boa solução para nossos questionamentos, conflitos e saúde.
Com isto, fica clara a melhora de nosso desempenho, não só em termos de uma boa defesa
pessoal, mas antes de tudo, gerenciamento de nossas ações perante o nosso semelhante, fatos, e
sociedade em geral.
A melhora das atitudes nos estudos, no trabalho, relacionamento familiar, com nossos
amigos e necessitados evidencia-se com um resultado de satisfação, realização, auto-estima,
confiança, e bom desenvolvimento do caráter.
Com tudo isto quem ganha é a sociedade como um todo, na paz, na saúde, na educação, na
segurança, ordem pública, harmonia, e dedicação, com realizações pessoais e coletivas de
qualidade.
O bem-estar obtido com a prática é o resultado da boa circulação do ki em nosso organismo.
Substâncias bioquímicas liberadas em nosso organismo durante a prática, produzem um
estado de tranqüilidade, com visão clara das coisas, grande bem-estar, e força física.
Ao resgatarmos nossas energias vitais de sobrevivência, entramos em um sincronismo de
união energética universal, a partir da qual adquirimos saúde e conseqüentemente bom senso e bom
discernimento nas decisões.
A noção da necessidade de esforço e precisão para solução de nossos problemas torna-se
evidente e flui na direção de um melhor relacionamento e consciência pessoal em sociedade, na
escola, no trabalho, em família, com os amigos, em todas etapas da vida.
21

CAPITULO X - BIOENERGÉTICA

Voltemos agora ao nosso conceito de vazio (kara).


A física moderna admite que nos imensos espaços vazios (a imensa e maior parte do
cosmos) entre as micro-partículas universais, existe um potencial imenso de energia ainda
totalmente desconhecida, a partir da qual tudo em principio pode acontecer.
Em estado meditativo, durante a pratica do Karatê, podemos vir a atingir o estado que
denominamos de satori, nirvana, estado budico, samadi, estado de espírito de iluminação, bem-
aventurança, alto grau de percepção, intuição, criatividade e discernimento.
No que se refere à atividade eletroquímica do cérebro, mais especificamente no
tocante às "ondas" que ele emite, são conhecidos quatro ritmos de ondas cerebrais emitidas
pelo cérebro, ou seja, Beta, Alfa, Teta e Delta.
Na realidade usamos as chamadas ondas cerebrais à vida toda, ou seja, quando pensamos e
sentimos, quando reagimos a influências sugestivas, ou auto-induzidas ou provocadas por
associação com persuasão dominadora de amigos ou pessoas que afetam a nossa vida, voluntária ou
inconscientemente. Na maioria das vezes, não tomamos consciência das forças de causa desses
efeitos sobre nós.
A ciência classificou as nossas reações mentais e emocionais, em termos de ondas cerebrais
funcionando em vários planos de consciência. Para compreender este assunto é preciso ter em
mente os quatro principais ritmos de ondas cerebrais.

- Ondas BETA: refere-se aos nossos planos de consciência externos, onde experimentamos a tensão
e a ansiedade. É nesse estado de onda mental que nos empenhamos em atividade física e tentamos
chegar a termos com a vida.
- Ondas ALFA: trata dos planos internos da atividade mental, quando nossos sentimentos se elevam
acima de nossas tensões e ansiedades. É nesse estado de onda mental que encontramos a
tranqüilidade, a inspiração, a capacidade criadora, os processos extra-sensoriais e curadores, a
memória, a capacidade de aprendizagem e o potencial de visualização e de sonhar acordado. Essa é
22

obviamente, a onda desejável de se conservar e de se manter sintonizado.


- Ondas TETA: São encontradas quando nos entregamos à meditação profunda. Nesse nível mental,
muitas vezes é possível controlar a dor, conseguir realização interior e ter uma experiência cósmica.
- Ondas DELTA: existem no sono profundo e funcionam quando estamos num estado inconsciente.

Embora essas ondas cerebrais reajam à natureza de nossos pensamentos e sentimentos, não
criam pensamentos e nem tampouco sentimentos, sendo apenas receptores e condutores, em outras
palavras, centros cerebrais que a nossa mente, identidade, ego e espírito usam para manifesta-se
nesta vida.
Os altos poderes de nossa mente estão constantemente atraindo e ajudando a criar para nós
aquilo que quisermos fazer, ser ou ter.
O acesso à energia de que precisamos para materializar qualquer coisa que visualizamos é
fornecido por meio do nosso cérebro.
As ondas ALFA e TETA cerebrais referem-se a estados mentais análogos aos transes
mediúnicos, de equilíbrio de nossas ondas cerebrais, da percepção extra-sensorial, e do eureka das
descobertas cientificas, onde forte intuição é evidenciada propiciando criatividade para idéias,
planejamento e projetos.
Neste estado estaríamos alinhados com o wa (também identificado como mushin) , com a
energia primeira (DO, TAO, DEUS, KI, OM, I AM), em união cósmica, com o tudo, e o nada (vazio
não manifesto).
Esta energia única e primeira vem do "vazio", e têm características ora de energia em ondas,
ora de partícula material, tendo sido estudada por inúmeros cientistas que pretendem interpretá-la
como modelo para o campo unificado, na direção de utilização dos princípios da mecânica quântica,
ou ondulatória, com objetivo de unificação das forças nucleares (pequenas e grandes) e magnéticas
(incluindo o eletromagnetismo).
Esta energia última, o ki, em estado de wa (ou mushin), viabilizam a harmonia do universo,
dos planetas e dos seres.
Esta energia "primeira", quando equilibrada, em união universal proporciona no ser humano
o estado denominado de sincronicidade, de integração com os fenômenos da natureza, a dança de
Shiva.
Esta energia já teve varias denominações como éter dos alquimistas, prana, orgon, e
anima-mundi, dentre outras.
23

Nesta situação a nossa mente está livre para percorrer situações variadas, dentro de um
campo de criatividade praticamente infinito, característico da arte, ciência, filosofia, poesia e
literatura.
A arte é a expressão da poderosa harmonia que rege o universo, dissipando as brumas, e as
obscuridades da matéria fazendo-nos entrever outros planos universais.
Quando o ki flui adequadamente em nosso organismo, há saúde.
Os movimentos alternados de contração e relaxamento massageiam nosso organismo
possibilitando um fluxo adequado das energias vitais.
Durante a prática do Karatê, estando nosso cérebro devidamente equilibrado, a liberação
bioquímica combinada de adrenalina, acetilcolina, serotonina e endorfinas, propicia bom reflexo e
bem-estar adequados para realização de tarefas em geral, clareza mental e senso de justiça, com
espírito de segurança e realização adequados.
Nossos neurotransmissores tornam-se aptos, para induzirem tomadas de decisão, reflexo,
intuição e criatividade, em estado de relaxação adequado, melhorando nossa performance, nas
atividades diárias em geral, como estudo, trabalho e lazer.

CAPITULO XI - DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL

A partir de um físico e mente equilibrados, e unificados, (mente são em corpo são), têm-se
condições de iniciar a jornada do desenvolvimento espiritual.
Torna-se indispensável uma compreensão verdadeira a respeito dos processos sutis da
mente, na percepção.
A meditação é indispensável para entrarmos em processo de concentração profundo, onde o
não-pensar (libertação do racional, do lógico e do intelectual) é a meta.
Nosso organismo deve estar suficientemente relaxado, mente e corpo, com respiração
pausada, regular, suave e completa.
Desta maneira, passa a fluir, com mais potencialidade, nosso processo energético vital,
nutrindo nossas células, propiciando bom metabolismo global, aflorando nossa sensibilidade a
níveis de maior percepção.
Passamos a ouvir sons sutis, observarmos com mais precisão, falamos com mais critério, e
agimos mais adequadamente.
Obviamente que nossas tarefas e noção de ajuda mútua afloram a um nível de otimização.
24

A intuição aparece, e com ela, maior possibilidade de boa criatividade em nossos afazeres e
obrigações sociais, com ética, bom caráter, estética, harmonia, enfim...arte marcial para controle e
boa administração de nossos impulsos internos.

CAPITULO XII - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

BU
É o conceito de combate, pressupondo confronto, mas inclui a arte da evasão (estratégia).
"Forças armadas" ou "guerreiro". Um conceito que denota a dimensão militar inteira do
Japão feudal.

BUDO
Maneira militar ou maneira da luta, um termo genérico que abrange todas as artes marciais
japonesas, caminho do combate.
Treino físico e espiritual oferecido através do estudo e pratica das artes marciais,
"maneira militar"... ou "maneira da luta".

BUGEI
Arte do combate real praticada pelo Samurai, principalmente relativo ao uso de armas.
São as artes marciais japonesas mais antigas, abrangendo um termo genérico que se aplica e aos
princípios usados pelo Samurai, ou pelo Bushi.

BUJIN
Traduzido como "a pessoa militar" ou "a pessoa guerreira".

BUJUTSU
"Artes Militares", termo coletivo para todas as artes japonesas praticadas pelo Samurai.
Técnicas de combate real.

BUKE
25

Samurai. Traduzido como a "pessoa ou a classe militar".

BUNKAI
"Análise". O estudo detalhado de técnicas marciais.

BUSHI
"Pessoa militar,"guerreiro," ou "Samurai." Um termo para o guerreiro japonês que foi
atribuído ao Samurai.
Tradição familiar de guerreiro.

KOBU-DO (KOBU-JUTSU)
Caminho, ou técnica das artes marciais antigas dos guerreiros de Okinawa.

BUSHIDO
Código estrito do comportamento ético seguido pelo Samurai, tendo sido formulado
durante a era de Tokugawa (1603 - 1868) de Japão. A premissa do código devia recomendar
um Samurai como se conduzir na batalha e como encontrar um lugar significativo em uma
sociedade pacífica.
Código do Samurai frente ao oponente, um código estrito do comportamento ético
seguido pelo Samurai. Bushido foi formulado durante a era de Tokugawa (1603 - 1868) de
Japão.
A premissa do Código devia recomendar um Samurai como se conduzir na batalha e
como encontrar um lugar significativo em uma sociedade pacífica. Caminho do guerreiro,
com coragem, polidez, sinceridade, autocontrole, senso de justiça, honestidade, lealdade aos
superiores, honra, dever, resolução, generosidade, firmeza de espírito, magnanimidade, e
humanidade, respeito a todos indistintamente, independente de serem fracos ou fortes,
controle mental dos impulsos e paixões, civilidade, e cortesia, com o objetivo de atingir o
espírito de harmonia com o universo.

DO
Caminho espiritual de disciplina. Este conceito está integrado ao budo, sem o qual estaria
reduzida apenas a mera técnica de luta (jutsu).
26

Têm o significado de do, o caminho supremo para se atingir a união perfeita (analogamente
à Yôga) do ser material e espiritual com o Cosmos (Energia Superior).

MU
O conceito de total negação de tudo que parece existir (Maya), análogo ao de Shunya da
filosofia budista. Preconiza que a unidade e totalidade de tudo na existência é unida em uma única
entidade que não pode ser percebida pelos sentidos.
"Nada". O nada-vazio do Zen. Principio usado nas artes marciais japonesas, para clarear a
mente, de todos os pensamentos, de maneira que o corpo responda instantaneamente a qualquer
situação.

KIAI
União Espiritual.

BUDISMO
Uma doutrina religiosa, - a escola de Chan, ou Zen - conectada à prática das artes marciais.

MUGA
Estado mental de intensa concentração que não permite pensamentos perturbarem a
execução de uma ação. É descrito como consciência intuitiva do Todo, uma identificação com o
outro, permitindo ação correta.

MUSHIN
Não-mente, mente original, mente não fixa em nada, e aberta par tudo, refletindo tudo como
um espelho.
SEISHIN
Mente, alma, ou espírito.

SATORI
27

Abertura da mente e do espírito, resultando da acumulação de conhecimento, compreensão


intuitiva, ou experiência repentina que revela a última realidade dos seres e coisas, bem como total
identidade com si próprio e o universo.
Não é um estado definitivo, mas valido para um dado tempo e circunstancia. Não é uma
experiência de êxtase, mas a transformação da essência do pensamento.
A prática de budo pode trazer esta transformação a quem seguir sinceramente.
É a realização da união, o aspecto da consciência a respeito dos processos de pensamento.

AIKI
"Reunião harmônica".
Quando combinar energia dos oponentes com sua própria, para o controle.

OREI
Respeito, ou etiqueta.

KI
"Espírito". Idealmente, o poder mental e espiritual, obtido através de concentração e
respiração, que pode ser aplicado a realizações físicas. Esta energia centralizada, inerente a toda
pessoa, pode ser amplificada e manifestada objetivamente, através da pratica de qualquer disciplina
de arte marcial.

WA
Paz, harmonia. Unidade com serenidade, entre a mente e a energia cósmica, criando
harmonia, união, e coordenação entre o homem e o resto do universo.
As artes marciais denominam a harmonia como wa que também têm o significado de paz e
acordo.
Wa é o símbolo da unidade entre as forças cósmicas e humanas, mente e corpo, e o inter-
relacionamento entre os seres.
Wa condiciona todas as artes e as ciências, reconciliando os aspectos positivos materiais,
com os estados ativos ou energias.
Wa é considerado o principio essencial do universo, criador e destruidor, positivo e negativo,
ativo e passivo.
Têm a equivalência ao tao, e ao do, como ao om (do Bramanismo), que reúne no mesmo
principio eterno, as forças complementares universais.
28

. Wa tem a mesma essência do principio divino, ser ou inteligência suprema, ki, ou energia
cósmica.