Você está na página 1de 9

Alice na cidade das baladas

Era uma vez, uma garota de 17 anos muito decidida no que fazia ou desejava.
Alice não abre mão de seus estudos, seus amigos e, em primeiro lugar de
suas freqüentes baladas de sexta a domingo. Ela já estava cursando o 3° ano
consecutivo, não podia de forma alguma se distrair, pois era o seu último ano em sua
escola. Suas melhores amigas eram Kelly e Jake e estavam sempre presentes para o que
der e vier.
Certo dia Alice estava confusa e disse para suas amigas:
_Minhas queridas amigas quero dizer para vocês que não poderei mais
freqüentar as nossas baladas, porque este é o meu último ano nesta escola e em breve
estarei concluindo o meu Ensino Médio, e não posso descuidar dos meus estudos.
Kelly respondeu:
_Claro! Entendemos a sua decisão Alice. Eu e Jake te apoiaremos sempre.
Sempre seremos “as melhores amigas” mesmo depois de concluirmos o Ensino Médio.
Mas quero te fazer um pedido. Hoje já é sábado e quero que você venha conosco a
balada só para nos despedirmos com estilo e glamour.
_ Ok! Aceito. Uma por todas e todas por uma.
Chega a noite da balada e elas estavam arrasando na pista de dança. De repente
apareceu um lindo rapaz que roubou a cena e deixou todas as garotas de queixo caído.
Ele se interessou por Alice. Chegou até ela e se apresentou:
_ Oi! Muito prazer meu nome é Carlos.
_ Prazer o meu nome é Alice, você quer dançar comigo?
_ Claro! Vamos.
Foi amor à primeira vista, os dois se apaixonaram e trocaram telefones.
Alice considerava Jake como uma boa amiga, mas Jake não sentia o mesmo por
Alice e era muito invejosa. Com a intenção de roubar o namorado de Alice, ela planejou
algo inesperado, pegou o celular de sua amiga sem que ela percebesse e enviou várias
mensagens para Carlos dizendo coisas horríveis.
Carlos terminou o namoro com Alice.
Alice ficou super arrasada e foi correndo contar para e Kelly o que havia
acontecido.
_Alice não esconda nada, diga tudo.
_Carlos e eu terminamos.
_ Eu já sabia.
_Como assim?
_Eu vi quando Jake pegou o seu Celular e passou várias mensagens para Carlos.
_Porque você não me disse antes?
_Eu queria que você descobrisse sozinha que Jake não era uma boa amiga, mas
como não teve jeito eu estou te contando agora.
_E agora o que eu faço?
_ Não se preocupe, vou agora à casa do Carlos e o contarei todas as maldades de
Jake.
No dia seguinte Alice ligou para Carlos e marcou um encontro com ele. Eles
conversaram muito e decidiram que voltariam a namorar. Jake quando viu que Alice e
Carlos estavam juntos se mordeu de inveja e na maior cara-de-pau foi cumprimentá-los.
_Oi Alice! Oi Carlos! Tudo bem?
_Tudo! Responderam Alice e Carlos.
Alice e Carlos não romperam a relação com Jake, apenas não acreditavam em
mais nada do que ela dizia.
Eliziele 9° ano
O baile e as maldades da madrasta
Certa vez uma moça por ter uma pele branca como a neve, tinha o nome de
Branca de Neve. Morava com sete anãos muitos engraçadinhos ela era uma verdadeira
heroína, por que combatia todas as maldades de uma terrível vilã _ a madrasta. Ela era
uma mulher muita má usava um casaco preto e horroroso, tinha uma enorme pinta no
rosto.
Branca de Neve tinha sido convidada para um baile. Ela parecia ser frágil, mas o
melhor de tudo, ela tinha poderes incríveis e a madrasta não sabia. E para acabar com
baile da Branca de Neve, a madrasta preparou uma armadilha, como ela era velha, se
transformou em uma mocinha e vestiu um belo vestido como disfarce. O baile seria de
fantasia.
Branca de Neve estava linda e esperava um belo príncipe que iria apanhá-la para
o baile, eles não sabiam o endereço do baile seguiram em frente pedindo informações
até que encontrou uma linda moçinha no caminho “a madrasta”. Sem saber quem era a
mocinha pediram informações e ela os informou o caminho errado.
Branca de Neve e o príncipe foram parar numa caverna fria, escura, cheia de
ratos e baratas nojentas. A madrasta pegou um atalho e chegou à caverna primeiro e os
disse que caíram em uma armadilha e que não iriam em baile algum . Preso em um jaula
Branca de Neve ficou furiosa e mostrou os poderes que tinha. Colocou para fora suas
mãos que estavam em chamas feito fogo. Ela lançou na madrasta bola de fogo que
saíam de suas mãos, a madrasta saiu correndo gritando e pulou num lago que havia na
caverna.
Branca de Neve conseguiu abrir a jaula e fugiu com o príncipe, chegando a
tempo no baile. Depois de toda esta confusão Branca de Neve tem uma noite linda com
príncipe na festa de fantasia, enquanto a malvada madrasta que pulou na água para
apagar ao fogo não sabia nadar e morreu afogada.
Eliana 9° ano
O Lobo Bonzinho
Era uma vez um lobo bonzinho. Ele era muito esperto e gostava de ajudar as
pessoas, ele morava na floresta como todos os outros lobos, ele era diferente, pois não
agredia ninguém. O lobo era muito amigo de D. Maria, avó de uma menina muito
esperta chamada Lívia.
Lívia levava docinhos toda a semana para sua avó e não tinha medo de andar
sozinha pela floresta porque o lobo que ali morava era seu amigo.
Um dia apareceu na floresta um lobo muito mal e queria pegar Lívia. O lobo que
era bonzinho não deixou que o lobo mal machucasse Lívia. Os dois lobos lutavam,
lutavam, Lívia conseguiu escapar e foi correndo para a casa de sua avô e começou a
contar tudo o que estava acontecendo lá na floresta. D. Maria pegou o seu helicóptero e
foi correndo resgatar seu amigo. A vovó sobrevoou a floresta e lá embaixo viu o lobo
mal correndo atrás de seu amigo, ela jogou uma corda para que o lobo bonzinho se
agarrasse a ela e fosse puxado para cima
Lívia estava com muito medo de voltar a casa da sua avô por causa do lobo que
andava por lá. Até que um dia o lobo bonzinho viu um cartaz que dizia; “Procura-se um
lobo que fugiu do zoológico da cidade, daremos uma grande recompensa para quem o
capturar.”
Vendo aquele cartaz o lobo bonzinho não pensou duas vezes e logo bolou uma
armadilha para pegar o lobo mal. Ele precisava de uma isca para sua armadilha e seria
Lívia. Precisava também da ajuda de D. Maria com o seu helicóptero.
O lobo bonzinho pegou uma grande rede e colocou no meio da floresta,
amarrada em uma árvore morgada que puxaria o lobo mal para cima. Lívia se amarrou
em uma corda que estava presa ao helicóptero e ficou bem em cima da rede. O lobo mal
caiu direitinho na armadilha, ele saltou em cima de Lívia e ficou preso na rede.
O dono do zoológico foi chamado. Levou o lobo mal de volta para o zoológico,
Lívia, sua avó e o Lobo bom receberam uma boa recompensa e viveram felizes para
sempre.
Lucas 9° ano
O maior sufoco de Pink
Era uma vez....
Uma linda menina que se chamava Lorena Vitória, mais conhecida como Pink,
certo dia aconteceu uma coisa inesperada em sua vida. Em um sábado, Kátia sua mãe, a
pediu que levasse um celular que havia comprado na promoção pra sua tia que morava
do outro lado da cidade e lhe deu dinheiro para que ela fosse de ônibus. Mas ao sair de
casa resolveu ir a pé com a intenção de observar como era a vida em uma favela.
Ao passar por um beco ela foi surpreendida por dois rapazes:
_Onde você esta indo? Perguntaram
_ Já vou para a casa de uma tia minha.
Os rapazes que aos olhos de Pink pareciam amigáveis anunciaram o assalto.
_Isto é um assalto, passe para cá tudo o que você tiver de valor.
Pink com muito medo passou para os bandidos uma bolsa.
_ Por favor me deixe ir agora. Disse Pink.
_ Calma, gracinha pra que a pressa? Perguntou um dos bandidos
Pink estava com muito medo, estava passando por um grande sufoco e não tinha
como pedir ajuda, mas o que ela não esperava era que a sua mãe havia comunicado com
sua tia sobre a sua visita e pediu que mandasse Felipe pra ir ao seu encontro.
Feliipe saiu de casa todo feliz, pois Pink era a sua melhor amiga e estava louco
para contá-la as novidades da balada de sexta.
Quando passava próximo ao beco ouviu a voz de Pink. Foi correndo em sua
direção e de longe avistou os bandidos, aflito pegou o celular e discou 190. Como a
policia estava demorando a chegar foi socorrer a sua prima.
_ Largue-a. Disse Felipe.
_o que você disse fedelho.
_ Largue a garota.
Felipe pode ver que o bandido colocava a mão na cintura para sacar o revólver.
Mas graças a Deus a policia chegou e os bandidos fugiram.
Pink abraçou Fellipe e disse:
_obrigada! Você salvou a minha vida, mas por favor não conte nada para as
nossas mães elas ficariam muito assustadas.
_ Tudo bem não direi nada, mas e o celular como vamos recuperá-lo?
_ o celular está no meu bolso, e aquela bolsa, eu a encontrei perdida na rua, e
como não tinha nada dentro eu a trousse comigo.
_Felipe, como você sabia que eu não estava no ônibus?
_Você uma vez me disse que queria vir a minha casa caminhado para observar a
favela. Lembra? Como você não desceu no ponto de ônibus resolvi caminhar até ao seu
encontro.
Felipe e Pink foram para a casa. Pink entregou o celular a sua tia e ficou lá até o
anoitecer, depois entrou no ônibus das dez e voltou para a casa. Sua mãe e sua tia nunca
ficaram sabendo o que aconteceu naquele dia em que Pink viveu o seu maior sufoco.

Flavia e Taynara 9° ano


O baile fank
Alguns dias atrás na cidade do Rio de Janeiro, morava no centro da cidade uma
linda moça chamada Cindy.
Certo dia resolveu sair com suas amigas para uma boate, chegando lá Cindy
começou a dançar com um lindo garoto chamado Victor, quando a festa estava bem
animada Cindy se lembrou do horário que seu pai havia marcado. (_Cindy, quero você
em casa às 24:00.)
Cindy olhando fixamente para Victor disse:
_Adorei te conhecer, quero te ver mais vezes, aqui está o meu endereço e o meu
número de celular. Tenho que ir agora, você sabe como são os pais, marcam a hora
certinha pra gente chegar em casa.
Cindy saiu correndo da festa, tropeçou na escada e perdeu o seu sapato de salto
agulha, mas como estava com pressa nem se importou.
Suas amigas ficaram na festa com Victor e começaram a paquerá-lo, mas como
ele havia gostado muito de Cindy não deu a mínima para suas amigas.
Quando a festa acabou Victor achou o sapatinho de Cindy.
No dia seguinte Victor foi até a casa de Cindy para verificar se o sapato era
realmente dela, pois ele se lembrava muito bem o que aquele lindo pezinho calçava.
Chegando a casa de sua amada ele teve uma surpresa, todas as suas amigas estavam lá e
todas diziam que eram as donas do sapato. Victor disse:
_Deixarei todas experimentarem o sapato, aquele em que o sapato servir
perfeitamente será a minha namorada como aconteceu no conto da Cinderela.
_Eu quero ser a primeira. Disse uma das amigas de Cindy.
_E eu a segunda.
_ E eu depois.
O sapato foi testado em cada uma, um pé era gordo, o outro era grande e o outro
pequeno demais. Quando chegou a vez de Cindy ela não queria calçar o sapato porque
estava com chulé.
Victor disse para Cindy bem baixinho ao seu ouvido:
_Eu sei que o sapato é seu, mas as suas amigas não sabem, quando você o calçar
ele irá servir perfeitamente em você. Eu gostei muito de você então calce o sapato, suas
amigas vão acreditar em contos de fadas e nós vamos namorar.
_ Mas eu estou com chulé. Disse Cindy
_ Eu não me importo, quem não tem chulé!?
Cindy calçou o sapato e ele serviu perfeitamente. Victor e Cindy começaram a
namorar e suas amigas a acreditar em contos de fadas.

Nirleide e Rebeca 7° ano


O Ogro da Floresta

Era uma vez uma princesa muito branca e bonita que se chamava Mônica, ela
morava em um castelo com seus pais perto de uma floresta assustadora e lá vivia um
ogro que gostava de capturar as princesas e nunca mais devolvê-las.
Certo dia a princesa saiu para fora do castelo para apanhar algumas flores,
quando de repente chegou o Ogro e a capturou. Por lá passava um caçador que viu todo
o acontecido e em vez de matar o ogro foi correndo ao castelo para contar ao rei o que
tinha visto.
Os pais da princesa mandaram chamar todos os príncipes do reino, mas nenhum
viu nem sinal da princesa.
Enquanto isso... No pântano do Ogro.
_Eu não vou lhe devolver nunca mais. Dizia o ogro.
A princesa não parava de chorar. Com o chorão da princesa o ogro resolveu dar
a ela uma pera envenenada. Enquanto a princesa estava caída no chão como se estivesse
morta, o ogro aproveitou para fugir,
Um príncipe que por ali passava a viu caída no chão com uma pera ao lado, ele a
pegou e a levou até seus pais, no caminho a pera caiu da boca da princesa e ela acordou.
_Você está viva! Disse o Príncipe.
A princesa e o príncipe se beijaram e foram para o castelo. Os pais ficaram
felizes com a volta da princesa Mônica, ela e o príncipe se casaram. Nunca mais a
princesa quis saber de pera. E viveram felizes para sempre.

Fabiana 5º ano
A coragem de um príncipe

Era uma vez, em um reino muito distante morava em um castelo o rei e a rainha
e uma princesa. O rei não adimitia que sua filha namorasse, mas ela não obedecia o pai
e namorava um principe chamado Felipe. Todas as noites ela falava com seu pai que ia
passear no jardim, mas na verdade ia encontrar o príncipe Felipe.
Seu pai estava começando a desconfiar.
Em uma bela noite ela foi se encontrar com o príncipe. Seu pai a seguiu e
descobriu tudo.
_ Ou você larga ele, ou você vai viver em uma torre bem alta com um dragçao
que solta fogo pelas narinas. Disse o pai
Em casa a princesa disse que havia largado o príncipe. Mas era mentira, pois
continuava se encontrando com ele. Quando seu pai descobriu a mentira ele cumpriu o
que havia dito, colocou a princesa em uma torre bem alta e com um grande dração ára
vigiar.
O principe soube o que havia acontecido e disse:
_Preciso arrumar um jeito de salvar a princesa.
Ele foi até ao castelo e disse ao rei:
_Se eu conseguir salvar a princesa eu casarei com ela.
O rei caiu na gargalha, confiante que não conseguiria falou:
_Você pode até ir, mas não vai conseguir.
O principe foi até a torre com pedaços enormes de carne e jogou bem longe. O
dragão esfomeado foi logo comer a carne. O principe aproveitou para entrar na torre e
resgatar a princesa. Quando eles saíram da torre o dragão estava esperando o príncipe,
eles lutaram e o príncipe venceu o dragão. O principe colocou a princesa na garupa do
seu cavalo, levou a levou até o castelo e pediu ao rei sua mão em casamento. O rei
permitiu, eles se casaram, tiveram uma linda menina e viveram felizes para sempre.

Diana 5ºano
A cirurgia do lobo mal

Era uma vez uma menina chamada chapeuzinho vermelho que vivia em uma
cidadezinha longe da casa da sua avó.
Chapeuzinho todos os dias levava doces e remédios para sua avó. Em um certo dia
Chapeuzinho se arrumou e foi levar a cesta com remédios e doces para sua avó que
morava lá na floresta,chapeuzinho teve uma surpresa quando ela passou pela ponte deu
de cara com o lobo que pulou na frente e falou:
_ Menina você vai para onde?
Chapeuzinho inocente respondeu:
_Eu vou para a casa da minha avó, e você por que pulou na minha frente?
_Sua tonta. Eu sou o lobo mal e vou te comer.
Chapeuzinho saiu correndo e chegou na casa da sua avó muito assustada.
O lobo como foi mais esperto passou pelo caminho mais curto e chegou primeiro
que chapeuzinho. A coitadinha sem saber que ele poderia estar dentro da casa gritou:
_Vó...Vó abra a porta, sou eu sua netinha.
_Calma, calma é só puxar a tramelinha da porta. E chapeuzinho entrou pediu um
copo de água e disse:
_Vó eu encontrei com um lobo no meio do caminho.
E olhando bem para a sua avó disse:
_Vovó será que eu tô assustada ou tem muito tempo que eu não venho aqui, você
esta com um olho grande. A avó respondeu:
_É pra te ver melhor.
_Mas que dentes grandes.
_É pra comer melhor.
_Que nariz grande.
_É pra te cheira melhor.
_E essa boca grande.
_É Pra te comer melhor.
O lobo se levantou e deu o bote em chapeuzinho e ela gritou:
_ Socorro! O lobo mau a engoliu.
Um helicóptero que passava por ali viu o lobo correndo para a floresta o homem que
estava dentro do helicóptero ficou cismado porque o lobo estava saindo da casa de uma
senhora lá em baixo. O guarda que estava no helicóptero atirou um dado tranquilizante
no lobo, e com 5 minutos o lobo já estava no chão, o helicóptero pousou e sentiu que
havia uma senhora e uma menina dentro da barriga do lobo. O veterinário Marcos, que
estava no helicóptero, chegou e fez uma abertura na barriga do lobo bem rápido, antes
que ele acordasse. E assim, eles salvaram chapeuzinho e a avó.

Marcos 8º ano
O Rock acorda Bela
Era uma vez, numa enorme casa que era um verdadeiro palácio, moravam um rei, uma
rainha e uma garotinha. Eram uma família muito feliz.
Um dia, o rei resolveu dar uma linda festa de aniversário à sua princesinha e todos
foram arrumar os preparativos da festa.
Na cozinha, o cozinheiro percebe que há apenas dez pratos de cristal e comunica ao rei.
O rei resolve convidar dez fadas apenas, mas na verdade eram doze fadas que haviam
no reino. O rei convidou as mais boazinhas.
No decorrer da festa Bela ganhou muitos presentes das fadas: beleza, inteligência,
saúde, simpatia, charme, simplicidade etc.
As duas fadas que não foram convidadas, apareceram na festa e deram presentes
horríveis.
Uma das fadas disse:
_Quando Bela crescer ficará muito doente.
A outra disse:
_E quando ela fizer quinze anos morrerá.
Uma fada que era boa e não havia presenteado a criança, falou:
_Não. Ela apenas ficará dormindo até que venha um príncipe e a beije, ou algo inusitado
e a desperte.
Quando Bela fez quinze anos, espetou o dedo em uma agulha e começou a dormir, o
feitiço havia entrado em ação.
Muito tempo se passou e nada de príncipe. Feiurinha e Feionilda, as duas fadas más, só
observavam e soltavam gargalhadas.
O rei não agüentava mais esperar, até que uma fada fez aparecer uma banda de rock do
futuro que fez um som da pesada no ouvido de Bela e rapidinha ela acordou e entrou no
embalo do som. Bela não quis mais saber de príncipe algum e viveu feliz para sempre
ouvindo Rock and Roll.