Você está na página 1de 4

MAGIA UNIVERSAL

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS RELIGIOSAS


Definição de Magia: ato de manipular energias espirituais, através de objetos
de qualquer natureza, ações ou reações, com objetivo de alcançar desejos próprios ou de ter
eiros;
Definição de Magia Universal: ato de manipular energias espirituais, utiliza
ndo-se de toda e qualquer forma de Magia existente, independente de sua origem,
através de objetos de qualquer natureza, ações ou reações, com objetivo de alcançar desejos
próprios ou de terceiros;
Objetivos na Magia Universal: auto-conhecimento, auto-controle, elevação esp
iritual e intelectual, equilíbrio social e emocional, dominar seu próprio destino, t
anto no Mundo Carnal quanto no futuro Mundo Espiritual;
Código de Ética da Magia Universal: sinceridade, verdade, humildade, respeit
o aos seus fundamentos e práticas religiosas e aos demais segmentos religiosos ind
ependente de sua origem, respeito à todo ser humano ou espiritual independente de
sua posição social, raça ou crença; Proteger os fundamentos secretos da Magia Universal
e a todos ligados à ela, direta ou indiretamente quando assim solicitarem sigilo;
Não influenciar terceiros em sua decisão de iniciar-se ou não na Magia Universal;
Em qualquer momento que citamos o sujeito como masculino, também serve par
a o feminino, ou seja, qualquer degrau da Magia Universal, pode ser ocupado tant
o por homens quanto por mulheres, independente de sua cor, raça, ocupação social ou opção
sexual.
Nesta doutrina religiosa, os adeptos são conhecidos como:
Mestre: aquele que é chefe de seu Clã, ou seja, o Mago;
Discípulos: aqueles que seguem as orientações e ensinamentos de seu Mestre.
O Mestre chama todos os integrantes de seu Clã de discípulos, jamais chama-o
s de “filhos”. Os Discípulos chamam o Mago do Clã de Mestre, jamais de Pai ou Mãe;
Não existem padrinhos ou madrinhas, apenas testemunhas de Ritual;
Não existem beijos nas mãos como “pedido de benção”, a forma de saudação entre os i
antes, independente de seu degrau, é um aperto de mão estendido, ou seja, a mão de um
aperta o antebraço do outro;
Em virtude de não haver o tratamento e simbolismo de “família” dentro da Magia U
niversal, podem existir relações de qualquer natureza entre seus integrantes
, Discípulos com Discípulos e Discípulos com Mestre;
No momento de sua Iniciação, a pessoa renasce espiritualmente e recebe um no
me pelo qual será chamada e conhecida no mundo da Magia e, todo seu passado religi
oso será zerado, ou seja, permanecerá somente o conhecimento e qualquer material lig
ado ao passado será desfeito e despachado em locais específicos; A pessoa terá apenas
uma Entidade, a qual é chamada de Guardião; Esta Entidade poderá ser uma das Entidades
que já acompanhavam a pessoa, independente se havia incorporação ou, poderá escolher qu
alquer Entidade como Guardião;
O Guardião, mesmo que já tenha vindo de outro segmento religioso, receberá um
novo nome, o qual será pronunciado apenas pelo seu possuidor e seu Mestre, para as
demais pessoas do Clã ou terceiros, o Guardião é chamado pelo seu nome tradicional;
Observação: caso o Guardião seja de origem da Umbanda, Nação ou Candomblé, seu poss
idor poderá continuar incorporando com as Entidades que já incorporava, se assim as
mesmas desejarem; No caso do Guardião ser de origem Quimbanda, não haverá incorporação de
outras Entidades; No caso do Guardião ser de origem fora destes segmentos citados
acima, a incorporação ficará por conta das Entidades; Contudo, a tendência é do Guardião oc
par todos os espaços e, mesmo que seja aos poucos, fazer com que as demais Entidad
es não incorporem ou percam o interesse na incorporação;
Nos Rituais dentro da Magia, independente do que está sendo feito, o Guard
ião poderá estar presente, pois agora ele esta transformado em outra Entidade, em um
a vibração totalmente neutra, seu nome tradicional é apenas um ponto de referência de co
mo ele é, contudo, não importa a origem tradicional do Guardião, este se portará de form
a adequada ao Ritual que está sendo executado, sem agredir as origens e sem desres
peitar os fundamentos das Raízes que estão trabalhando no momento;
Na Magia Universal, pode-se efetuar Trabalhos e Rituais derivados de qua
lquer segmento religioso, contudo, o início, meio e fim do Trabalho ou Ritual deve
ser pelos fundamentos da Magia Universal, visando não desrespeitar sua origem;
Na Magia Universal, seus adeptos são divididos em três categorias, assim com
o segue:
Iniciado: a) apenas acompanha seu Mestre pelo tempo que julgar necessário
ou, b) recebe conhecimento de imediato para começar sua trajetória dentro da Magia U
niversal, de forma independente. Tratando-se da letra “b“, este Iniciado recebe conh
ecimento para agir e reagir apenas dentro dos Fundamentos da Magia Pura, não receb
erá conhecimentos de Rituais de Corte ou Toque de outros segmentos religiosos. Con
tudo, com o passar do tempo, poderá receber este conhecimento, que será comprovado m
ediante Declarações de seu Mestre.
Mago: após auto-análise do Iniciado ou, por intimação de seu Mestre, este será ele
vado ao posto de Mago em Ritual específico e, receberá Certificado de seu Mestre; Es
te terá conhecimentos, teóricos e práticos, em todas as formas de magia, independente
de sua origem. Contudo, desde sua iniciação até sua elevação à Mago, recebe conhecimento de
seu Mestre, apenas de como iniciar e encerrar Rituais da Magia Universal e não dos
demais seguimentos religiosos. Este conhecimento o iniciado já possui pela sua tr
ajetória religiosa ou irá buscar por meios próprios ou, com seu Mestre, o qual fornece
rá Declaração sobre o que foi ensinado; O Mago poderá ter conhecimento para praticar rit
uais e trabalhos espirituais, de origem da Nação, Candomblé, Vodu, Umbanda e Quimbanda
, com exceção de: iniciar pessoas nestes segmentos, realizar o Aprontamento de Sacer
dotes, bem como não tem o direito de preparar e entregar Axés de Faca, Axés de Búzios, A
prontamento, Re-Aprontamento, Afirmação de Sacerdote, Assentamentos de Entidades, fe
itura de algo que a pessoa ainda não possua ou emitir Certificados de Aprontamento
; Para os Magos cujo Guardião tenha como origem a Umbanda, esta exceção não se aplica no
caso de Umbanda e, quando o Guardião tem como origem a Quimbanda, esta exceção não se a
plica para Quimbanda;
Grão-Mago: após auto-análise do Mago, além destes dois degraus de elevação já perco
dos, terá mais nove degraus de elevação para tornar-se Grão-Mago, cada um dos nove degra
us seguintes, após elevação à Mago, serão repassados um por vez pelo Mestre e, a cada degr
au conquistado, receberá um Certificado de seu Mestre;
Após a elevação do Iniciado à Mago, este se desejar, pode desligar-se totalmente
de seu Mestre, pois possui independência espiritual suficiente para manter-se e m
anter seus discípulos; Contudo, somente poderá elevar-se aos próximos degraus com acom
panhamento de um Mestre, o qual irá fornecer informações sobre o próximo degrau e como p
roceder em todas as etapas do Ritual, acompanhará o resultado e fornecerá o Certific
ado de conquista de determinado degrau;
Como meio de previsão de presente, passado e futuro, bem como comunicação indi
reta com Entidades, Anjos, Demônios ou Espíritos, o Iniciado ou Mago tem o Portal ch
amado “Pandora”. Esta pode ser nas seguintes formas:
Cartas: uma única figura e os mesmos símbolos em todas as Cartas, contudo, em cada u
ma delas possui um conjunto de letras cujo significado é individual e, dois objeto
s recheados com fundamentos secretos;
Espelho: Inúmeros símbolos, desenhos e conjuntos de letras que podem ser desenhados
com tinta especial em couro ou, gravados em pedra ou, talhados em madeira ou, mo
ldados em barro ou, gravados em chapa de metal ou, bordados em tecido; Também acom
panhado de dois objetos recheados com fundamentos secretos e, outros objetos peq
uenos que serão lançados sobre Pandora, podendo estes serem de livre escolha de seu
futuro possuidor. Citamos alguns exemplos: pedras, conchas, moedas, ossos, búzios,
objetos confeccionados sob medida, etc.
Seja qual for a forma de Pandora, sempre que for aberta, estará acompanhada de uma
vela de sebo ou carnaúba e de um copo com líquido que pode variar dependendo do pos
suidor; A qualquer momento, o Mago poderá fazer atualização dos conjuntos de letras de
sua própria Pandora e de seus Discípulos, contudo, nada poderá ser retirado, somente
acrescentado;
No momento da Iniciação ou de elevação de Iniciado para Mago, seu Mestre irá abrir
um “Domínio” para esta pessoa; O Domínio é um espaço reservado, em forma de círculo que po
ser abaixo ou acima da terra; De acordo com o local onde será erguido, será o materi
al e a forma como será erguida a parede; Dentro deste Domínio, estarão: Firmação Material
de seu Guardião, ferramentas de inúmeros tipos e formas, objetos secretos, Firmação de E
spíritos menores e no mínimo um Espírito considerado forte para comandar os menores; O
Domínio pode ser em qualquer parte da casa, apartamento ou terreno, não sendo acons
elhável abrir um Domínio em local alugado; O local onde se encontra o Domínio, ou seja
quarto ou construção separada da casa, também é chamado de Domínio;
A Raiz do Domínio é baseado nos seguintes fundamentos: Alta e Baixa Magia, Magia Neg
ra, Culto às Almas de Jongo, Vodu Haitiano, Candomblé das Nações: Angola, Ketu, Efãn, Jeje
e Xambá. Culto à Egungun, Nação, Umbanda e Quimbanda;
As ferramentas de trabalho do Iniciado (quando for o caso) ou o Mago, são:
Livro: representa a sabedoria; Nele são escritos fundamentos, inúmeras forma
s de Rituais, tratados, pactos, receitas de trabalhos de magia e feitiços; o idiom
a varia conforme a importância, significado ou tipo de assunto, pode ser em hebreu
, latin, português ou símbolos de significados importantes dentro da Magia;
Chicote: representa o poder dominador; Pode ser de qualquer material, ma
s a preferência é todo de couro;
Espada: representa o poder de defesa e ataque; Pode ser de qualquer meta
l e, o tamanho pode variar, desde pequena como usadas por antigos soldados roman
os como grandes utilizadas nas forças armadas atuais;
Corda: representa o poder de segurança, apoio e auto-controle; pode ser de
qualquer material e deve dar duas voltas na cintura; A mesma é utilizada para apo
iar a espada na cintura;
Anel: representa a nobreza; Pode ser de qualquer metal, o mais indicado é
que seja de prata e que possua uma ou mais pedras; Cores indicadas de pedras: pr
eta, vermelha, branca ou verde;
Faca ou punhal: sem representação; Utilizada para diversos fins, o cabo semp
re na cor branca, independente do material;
Adja: não faz parte das ferramentas, contudo, se for do interesse do Inici
ado ou Mago, poderá utilizar este instrumento em alguns Rituais; Pode-se utilizar
tantos Adjas quanto desejar desde que o número de “bocas cantando”, somadas, não tenham
uma quantia par;
Trajes: não existem trajes obrigatórios para a prática da Magia Universal. O i
ndicado é que, dependendo do Ritual, use-se roupas totalmente pretas ou totalmente
brancas. Existem cores específicas para cada propósito, mas isto fica a critério indi
vidual;
Dias de trabalho: Os Iniciados, Magos e Grão-Magos, bem como seus Guardiões,
podem efetuar qualquer tipo de trabalho ou ritual, independente do dia e horário
com exceção de: primeiro domingo de cada mês e os altos da Lua Minguante, ou seja, os
dias que ficam entre o primeiro dia e o último dia da Lua Minguante; Nos dias cons
iderados exceções, também chamados de “dias proibidos”, nada é feito dentro da Magia, por m
nor que seja e, caso o Guardião incorpore no Iniciado, Mago ou Grão-Mago, este não irá m
anifestar-se nestes dias;
Todos os Iniciados serão ensinados que devem buscar conhecimento sobre as
Leis Estaduais e Municipais de onde quer que venham à trabalhar, que devem realiza
r seus Rituais e Trabalhos de forma que não agrida a natureza ou se for impossível,
agir de forma que menos agrida a natureza; Receberão também, conhecimento de que as
vias públicas devem ser utilizadas apenas em casos inevitáveis e de extrema emergência
e, de que não devem utilizar materiais de vidro, barro, plástico, papel ou material
de grande porte, assim como é totalmente contra os Fundamentos e Práticas da Magia
Universal sacrificar ou despachar animais em vias públicas;
Mago Barão do Fogo
e-mail: mago.barao@hotmail.com
blog: http://magobarao.blogspot.com
fone: (51) 9243-3997