Você está na página 1de 168

ONCOLOGIA: UMA NOVA FRONTEIRA

PARA A OZONIOTERAPIA
Visão Biológica das Neoplasias
Radicais
Hipóxia Vírus
livres

Oferta de glicose

Inflamação crônica
Déficit imunológico
Célula normal Déficit mineral e vitaminas (Se, Mg,
Zn, Vitamina D) Célula tumoral
Metais pesados
Hiperproteinização / Hiperacidez
Disbiose intestinal
Alergia alimentar tardia (imunocomplexos)
Campos de interferência / Focos (dentes)
Geopatia
Visão Biológica das Neoplasias
• Produção de lactato
• Indução de HIF-1
• Avidez por glicose
• Manutenção de
hiperacidez
Glicólise anaeróbica
• Diminuição da
apoptose
• Destruição da MEC
• Fatores de
Célula tumoral crescimento
• Neoangiogênese
• Metástases
Silvia Menendez
Efeitos Biológicos da Ozonioterapia
Efeitos Biológicos da Ozonioterapia

Os efeitos biológicos da ozonioterapia incluem:


• o aumento do metabolismo e da liberação de oxigênio a nível
tecidual
• imunomodulação (indução de citocinas - interferons, interleucinas e
fatores de crescimento)
• manutenção do balanceamento redox celular (equilíbrio
antioxidantes/pró-oxidantes) induzindo um aumento do sistema anti-
oxidante intracelular
• influência na síntese e na liberação dos eicosanóides (metabólitos
do ácido aracdônico)
• propriedades virustáticas

A hormése (adaptação do organismo ao meio), levando a uma


sinalização celular com uma resposta de proteção celular e indução
de apoptose das células tumorais, parece ser um mecanismo
adicional de ação da ozonioterapia em Oncologia.
Silvia Menendez
Ozone selectively inhibits growth of human
cancer cells.
Sweet F, Kao MS, Lee SC, Hagar WL, Sweet WE.

Science. 1980 Aug 22;209(4459):931-3.]

The growth of human cancer cells from lung, breast, and uterine tumors
was selectively inhibited in a dose-dependent manner by ozone at 0.3
to 0.8 part per million of ozone in ambient air during 8 days of culture.
Human lung diploid fibroblasts served as noncancerous control cells.
The presence of ozone at 0.3 to 0.5 part per million inhibited cancer cell
growth 40 and 60 percent, respectively. The noncancerous lung cells
were unaffected at these levels. Exposure to ozone at 0.8 part per
million inhibited cancer cell growth more than 90 percent and control
cell growth less than 50 percent. Evidently, the mechanisms for
defense against ozone damage are impaired in human
cancer cells.
PMID: 7403859 [PubMed - indexed for MEDLINE]
Os protocolos de ozonioterapia utilizados na
prevenção e tratamento de tumores
incluem combinações variadas de:
grande auto-hemoterapia (GAHT)
pequena auto-hemoterapia (PAHT)
insuflação retal
ozonioterapia intraperitoneal (resultados
preliminares muito promissores no
controle e até mesmo erradicação de
tumores agressivos)
infiltração local da mistura gasosa
Oncogênese

Flora intestinal

Vírus

Déficit Hipóxia
Imunológico

Inflamação crônica Stress oxidativo


Hipóxia
The Prime Cause and Prevention of Cancer
Revised Lindau Lecture
By Otto Warburg
(Director, Max Planck Institute for Cell Physiology, Berlin-Dahlem, Germany)
English Edition by DEAN BURK*, National Cancer Institute, Bethesda, Maryland

• There are prime and secondary causes of diseases. For example, the prime
cause of the plaque is the plaque bacillus, but secondary causes of the
plaque are filth, rats, and the fleas that transfer the plaque bacillus from rats
to man. By a prime cause of a disease I mean one that is found in every
case of the disease.
• Cancer, above all other diseases, has countless secondary causes. But,
even for cancer, there is only one prime cause. Summarized in a few
words, the prime cause of cancer is the replacement of
the respiration of oxygen in normal body cells by a
fermentation of sugar.
• All normal body cells meet their energy needs by respiration of oxygen,
whereas cancer cells meet their energy needs in great part by fermentation.
All normal body cells are thus obligate aerobes, whereas all cancer cells
are partial anaerobes. From the standpoint of the physics and chemistry of
life this difference between normal and cancer cells is so great that one can
scarcely picture a greater difference. Oxygen gas, the donor of energy in
plants and animals is dethroned in the cancer cells and replaced by an
energy yielding reaction of the lowest living forms, namely, a fermentation
of glucose.
Johannes Coy

German Biologist and researcher, who discovered the


metabolic pathway, which Prof.Otto Warburg already
postulated in 1924.
1996: First description of the TKTL1-
Gene (Transketolase like enzyme)

2005: Description of the enzyme and


metabolic pathway of TKTL1 and the
importance for cancer cells:
(fermentation of Glucose to R-lactic acid, which
turns the cancer cell metabolism into highly
malignant)
TKTL1-negativ TKTL1-positiv

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Hipóxia
As células saudáveis obtém energia através da respiração
aeróbica, em contraste com as células tumorais que, em
presença de hipóxia, o fazem preferencialmente por
meio da fermentação anaeróbica.
 a hipóxia crônica leva à alteração do metabolismo
celular, liberação do fator induzível por hipóxia (HIF-1),
produção da citocina imunosupressora VEGF e de
angiopoetinas e neoangiogênese de vasos anormais.
 a hipóxia também pode induzir metástases e aumentar a
resistência à radioterapia (RXT) e à quimioterapia (QT),
favorecendo o crescimento tumoral e perpetuando o
processo neoplásico.
 na presença de hipóxia, as células tumorais reforçam a
conversão de glicose em lactato, através de oncogenes
e da expressão da enzima TKTL-1 (transketolase-1) que
ativam a via glicolítica anaeróbica, promovendo acidose
intracelular persistente.
Efeitos da Hipóxia
Alteração do metabolismo celular
Produção de angiopoetinas
Liberação de HIF-1 (Fator Induzível pela Hipóxia)
Neoangiogênese de vasos anormais
Crescimento tumoral
Metástases
Resistência à RXT e QT

Hipóxia tumoral : 2-10 mm Hg


Tecido normal: 45-50 mm Hg
TKTL-1 Cancer Metabolism

The scientific findings of Dr.Johannes Coy:

There are cancer cells with a special TKTL-1-metabolism, which are


specially malignant, infiltrativ and only fermentate glucose. They can be
blocked by total glucose-reduction.

The bad R-lactate can be inhibited by l-lactate.

With specific fatty acids you can „isolate“ these cells.

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Different types of cancer cells

 TKTL1- negative:  TKTL1- positive:

 Mitochondrias are active


 Mitochondrias are inactive

 Glucose gets metabolized in


citric acid cycle  Glucose gets fermentated

 36 ATP  2 ATP

 Production of H2O and CO2  Production of lactic acid

 Better Prognosis  Prognosis much worse!

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Metabolism of Cancer Cells,
the 2 different metabolic types

Glucose Glucose
or Fats

O2
O2
TKTL1-negative
TKTL1-positiv

CO2 + H2O Lactic


acid

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Clinical relevance and results

 The more TKTL-1-positive cells are in a cancer, the


worse is the prognosis.

 The more TKTL-1-positive cells are in a cancer, the less


the cancer responds to chemotherapy.

 The more TKTL-1-positive cells are in a cancer, the


more the surroinding gets blocked and infiltrated.

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
TKTL1-cells even get selected by chemo !!

TKTL1-negative TKTL1-negative & positive

1. Chemotherapie

2. Chemotherapie

Death of the der TKTL1- Selection of the TKTL1-


negative cells ! positive cells !

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Prognosis: e.g. Colon- Cancer

Langbein S et al: Expression of transketolase TKTL1 predicts colon an urothelial cancer patient
survival: Warburg effect reinterpreted. British Journal of Cancer, 2006; 94(4): 578-585

© Dr. med. Thomas Rau, Chefarzt, Paracelsus Klinik Lustmühle, Schweiz Juni 2008
Tumor Hypoxia and Ozone Therapy
• Author: Kornel Kusznieruk
• Affiliation: University of Western Ontario
• Date Published: Tuesday October 24th, 2006 @ 23:30:29
EST

Abstract
• This paper describes the importance of increasing oxygen
content in tumors and provides some possible ways of doing
this.

• The SCP Journal


Tumor Hypoxia
1. Stimulates angiogenesis

2. Suppresses immune function by:


- Blocking TNF-α toxicity
- Blocking systemic TNF-α activity by shed receptors
- Blocking lymphocyte proliferation
- Blocking LAK cell generation and activity
- Induces production of the immune-suppressive
cytokine VEGF

3. Stimulates resistance to radio- and chemotherapy.


Efeitos da Hipóxia
A ozonioterapia ativa o metabolismo das
hemácias e aumenta a flexibilidade de
suas membranas celulares, além de
promover o aumento da síntese de 2-3
DPG, que desloca a curva de dissociação
da oxihemoglobina para a direita e
estimula a liberação de oxigênio a nível
tecidual. Tal aumento da oxigenação inibe
o HIF-1, estimulando a apoptose e
diminuindo o crescimento tumoral.
Ozonioterapia e
Oxigenação Tissular
Buckley et al., 1975
Freeman et al., 1979
Washüttl et al., 1977, 1986
Lell,Viebahn et al., 2001
Hoffmann, Viebahn, 2001

Oxygen saturation

Formação de peróxidos e
without DPG ativação do metabolismo das
hemácias, sistema da
with DPG
glutationa com melhora da
liberação de oxigênio nos
Oxygen partial pressure pO2 in mm Hg tecidos
Microscopia de
Campo Escuro - Pós-ozônio
Pré
Restoration of normoxia by ozone therapy may
control neoplastic growth: a review and a working
hypothesis.
V Bocci, A Larini, and V Micheli

J Altern Complement Med, April 1, 2005; 11(2): 257-65.


Department of Physiology, University of Siena, Italy. bocci@unisi.it

In contrast to normal tissues, tumors thrive in hypoxic environments. This


appears to be because they can metastasize and secrete angiopoietins for
enhancing neoangiogenesis and further tumor spread. Thus, during chronic
ischemia, normal tissues tend to die, while neoplasms tend to grow. During
the past two decades, it has been shown in arteriopathic patients that
ozonated autohemotherapy is therapeutically useful because it increases
oxygen delivery in hypoxic tissues, leading to normoxia. Although several
oxygenation approaches have been tested, none is able to restore
normoxia permanently in patients with cancer. We postulate that a
prolonged cycle of ozonated autohemotherapy may
correct tumor hypoxia, lead to less aggressive tumor
behavior, and represent a valid adjuvant during or after
chemo- or radiotherapy. Moreover, it may re-equilibrate
the chronic oxidative stress and reduce fatigue.
Ozonioterapia e Hipóxia
Ciclos prolongados de GAHT podem
potencialmente corrigir a hipóxia, aumentando o
nível de oxigenação, inibindo o HIF-1, deixando
o tumor menos agressivo, promovendo a
apoptose e diminuindo o crescimento tumoral,
representando um grande adjuvante durante e
após QT e/ou RXT, equilibrando o estresse
oxidativo e reduzindo a fadiga (J Altern
Complement Med, April 1, 2005,11(2): 257-65).
Stress oxidativo
Stress Oxidativo
• As espécies reativas de oxigênio (ROS) estão
envolvidas em uma diversidade de fenômenos
importantes no processo de desenvolvimento tumoral.
Altos níveis do oncogene MYC podem estimular a
formação das ROS, levando à mutação do mtDNA e à
disfunção mitocondrial.
• As ROS também estão envolvidas no processo de
indução da peroxidação lipídica pela diminuição da
eficiência das enzimas reparadoras de DNA, inibição
das antiproteases, oxidação das proteínas e alterações
químicas que levam à mutação genética e à progressão
do tumor.
Stress Oxidativo

Principalmente durante a QT (mas também


durante a RXT), ocorre uma elevação
acentuada do estresse oxidativo, devido
ao aumento dos radicais livres, associado
à inibição do metabolismo da respiração
aeróbica, gerando diminuição de ATP.
Quimioterapia

Antraciclina
Radioterapia
A RXT age por lesão no DNA e é sabido
que a lesão ao DNA é menor na ausência
de oxigênio, ou seja, o oxigênio sensibiliza
as células à ação da RXT. Clinical trials
com tumores de cabeça e pescoço têm
demonstrado que os tumores mais
hipóxicos (com pO2 médio menor que 10
mmHg) são mais radioresistentes que os
menos hipóxicos.
Ozonioterapia e
Proteção Anti-oxidante
León, Bocci et al., 1998
Peralta et al., 1999

70 Protective effect of ozone in


60 Hepatic Ischaemia - Reperfusion
50
40 Ativação de enzimas anti-
30
20
oxidantes e varredores de
10 radicais livres - nas células
0
H2O2 SOD GSH saudáveis
Kontrolle Ischaemia/Reperfusion Ozone+I/R
Ozônio e Prevenção (León et al. 2002 )
Baixas Doses

Insuflação retal de ozônio em


a modelo animal
Depleção de glicogênio em
células hepáticas
a. Controle
b
b. Depleção de glicogênio
induzida por CCl4

c c. Aplicação preventiva de
ozônio como insuflação
retal (15 sessões)
Ozonioterapia e Stress Oxidativo
Em concentrações apropriadas, a ozonioterapia induz um
estresse oxidativo leve, transitório e controlado, o qual
estimula (up-regulation) via ROS, a ativação dos
linfócitos, que por sua vez ativam o sistema imunológico
e os produtos da peroxidação lipídica (LOPs), sendo
estes últimos os responsáveis pelo aumento de todas as
enzimas antioxidantes intracelulares, levando a uma
varredura de radicais livres e à prevenção dos efeitos
colaterais da QT e da RXT nas células saudáveis. Nas
células tumorais, que possuem mecanismos anti-
oxidantes ineficientes, a ozonioterapia apresenta uma
ação sinérgica à RXT e à QT, potencializando seus
efeitos.
Immune Activating Effect
of Ozone

Bocci et al., 1990

Cytokin induction in % dep.on O3-conc.


450
400
350 oxygen

300 11 µg
Indução de citocinas
250
200 25 µg (interferons,
150
100
42 µg interleucinas e fatores de
50 78 µg
crescimento)
0
IFN-γ
IFN-g IL-6 TNF-α
TNF-a
Immune Activating Effect
of Ozone
• Activation of immuno-competent cells directly,
i.e. it can produce a specific immuno-
activation.(Viebahn, 2002).
• Many researches has proved that ozonized
blood releases interferons (IFN-α, IFN-β, and
IFN-γ), Interleukins (interleukins of the types IL-
1b, 2, 4, 6, 8, 10), tumor necrosis factor (TNF -
α), granulocyte macrophage colony-stimulating
factor (GM-CSF) and the transforming growth
factor TGF-β1.(Bocci et al 1990 &1993,
Paulesu et al 1991, Larini et al 2001)
Immune Activating Effect
of Ozone
• The first step in the ozone activation of immuno-
competent cells takes place via the ozonolysis of
unsaturated fatty acids as components of the cell
membrane. Short-chained hydroxy-hydroperoxides
enter the intracellular space and activate nuclear factor
NF-kB (Haddad et al 1996).
• Via the activation of cell nucleus mRNA, translation, the
corresponding protein synthesis, cell-specific cytokines
are finally released (Dee Forge et al 1992, Andreson et
al 1994, Schenk et al 1996, Sen and Packer 1996,
Bocci 1996, Flohe et al 1997, Ginn-Pease and Whisler
1998, Hack et al 1998, Arrigo 1999, Tatla et al 1999,
Allen and Tresini 2000).
Immune Activating Effect
of Ozone

• Interleukin-6 accelerates antibody


synthesis
• GM-CSF factor produces leucocytosis
• Interferons with their antiviral activity
prevent viral replication, additionally
activating basic immuno-modulatory
functions together with interleukin-2 and
TNF-α.
Immune Activating Effect
of Ozone
• These produce : an activation of the cytotoxic
T-cells (CD8), macrophages, neutrophils,
eosinophils, natural killer cells, and activation
of antibody-dependent cell-mediated
cytotoxicity
• This is finally responsible for killing off virus
infected cells or neoplastic cells and
responsible for eliminating bacteria.
• The release of interleukine-10 and TGF-β1 is
able to suppress excess immuno-stimulation,
thus resulting in an orderly programming of
immune response. (Bocci, 1995)
Immune Activating Effect
of Ozone
• Among the immuno-competent cells, the T4
lymphocytes (TH1) occupy a key position.
Activated by the macrophages, they produce
cytokines, which initiate intercellular
communication in their function as
messengers.
• Interleukin-2 is responsible for activation of
more T4 lymphocytes to become cytotoxic
killer cells, and the activation of B
lymphocytes to produce specific antibodies.
• Activated helper cells set off a whole cascade
of immune reactions.
Efeitos Biológicos da Ozonioterapia
Ozonioterapia e Imunoativação
Ozonioterapia e Imunoativação

A ozonioterapia também ativa as células


imunocompetentes por induzir a liberação
de citocinas, as quais aumentam a
atividade fagocitária e modulam a
resposta inflamatória. Assim, a
ozonioterapia colabora para diminuir o
déficit imunológico, fator constante nos
pacientes oncológicos e principalmente
naqueles que estão sendo submetidos à
QT e à RXT.
Inflamação crônica
Inflamação Crônica
• A inflamação crônica tem sido identificada
como um componente crítico na gênese e
progressão de vários tipos de tumor.
• No processo de oncogênese, ocorre
formação preferencial dos “maus
eicosanóides” (derivados da PGE2) a
partir do ácido aracdônico.
INFLAMMATION AND CANCER
References:
1. Bortuzzo C, Hanif R, et al The effect of leukotrienes B and selected HETEs on the proliferation of colon cancer cells.
Biochim Biophys Acta 1996,1300.240-246
2. Bortuzzo C, Hanif R, et al The effect of leukotrienes B and selected HETEs on the proliferation of colon cancer cells.
Biochim Biophys Acta 1996,1300.240-246
3. Liu B, Maher RJ, et al 12(S)-HETE increases the motility of prostate tumor cells through selective activation of PKC
alpha.
Adv Exp Med Biol 1997,400:B707-B718
4. Gati I, Bergstrom M, et al. Effects of the 5-lipoxygenase inhibitors AA-863 and U-60,257 on human glioma cell lines
Prostaglandins Leukotrienes Essential Fatty A.cids 1990;40:117-124.
5. Gati I, Bergstrom M, Westerberg G. Effects of prostaglandin and leukotriene inhibitors on the growth of human ghoma
speroids. Eur J C.ancer 1990;26.802-807
6. Blomgren H, Kling-Andersson G. Growth inhibition of human malignant glioma cells in vitro by agents which interfere
with biosynthesis of eicosanoids. Anticancer Res 1992,12:981-986.
7. Anderson KM, Seed T, et al. Morphologic changes of apoptosis induced in human chronic myelogenous leukemia "blast"
cells by SC41661 A (Searle), a selective inhibitor of 5-lipoxygenase. Scanning Microse 1994;8.675-684.
8. Anderson KM, Seed T, et al Selective inhibitors of 5-lipoxygenase reduce CML blast cell proliferation and induce limited
differentiation and apoptosis. Leuk Res 1995,19:789-801
9. Anderson KM, Seed T, et al An in vivo inhibitor of 5-lipoxygenase, MK886, at micromolar concentration induced
apoptosis in U937 and CML cells. Anticancer Res 1996;16 2589-2599
10. Snyder DS, Castro R, Desforges JF Antiproliferative affects of lipoxygenase inhibitors on malignant human
hematopoietic
cell lines Exp Hematol. 1989;17 (1):6-9.
11. Jeanne M. Wallace, PhD, CNC - Integrative Cancer Therapies, Vol. 1, No. 1, 7-37 (2002) DOI:
10.1177/153473540200100102 © 2002 SAGE Publications - Nutritional and Botanical Modulation of the Inflammatory
Cascade—Eicosanoids, Cyclooxygenases, and Lipoxygenases— As an Adjunct in Cancer Therapy
12. Decreased tumor growth in Walker 256 tumor-bearing rats chronically supplemented with fish oil involves COX-2 and
PGE2 reduction associated with apoptosis and increased peroxidation.
Mund RC, Pizato N, Bonatto S, Nunes EA, Vicenzi T, Tanhoffer R, de Oliveira HH, Curi R, Calder PC, Fernandes LC.
Department of Physiology, University Federal of Parana, Biological Science Building, 81530-990, Curitiba, Brazil.
Silvia Menendez
Intestinal responses to gut flora during homeostasis (healthy intestine) and IBD.
M. Nedim Ince, MD & David E. Elliott, MD. Immunologic and Molecular Mechanisms in Inflammatory Bowel Disease.
Surgical Clinics of North America - Volume 87, Issue 3, June 2007
INSUFLAÇÃO RETAL DE OZÔNIO
(COLITE – MÉTODO DE KNOCH)

1ª. Semana (3 dias): 20 mcg/mL, 300 mL de gás


2ª. Semana (3 dias): 25 mcg/mL, 300 mL de gás
3ª. Semana (3 dias): 30 mcg/mL, 400 mL de gás
4ª. Semana (3 dias): 30 mcg/mL, 500 mL de gás
RETOCOLITE ULCERATIVA
(Knoch et al. „Aktuelle Koloproktologie“)
Fem, 45a

Insuflação retal
ozônio
20-30 µg/ml
300-500 ml
Estágio florido de retocolite Biópsia de controle após 4
• destruição do epitélio semanas:

• abscessos de cripta • epitélio intacto

• infiltração leucocitária maciça • reversão da inflamação


COLITE ULCERATIVA
Masc, 62 a (Knoch et al. „Aktuelle Koloproktologie“)

Insuflação retal
ozônio
8,5-27 µg/ml
300 ml /dia,
3x/semana Biópsia de controle após 4
Estágio florido de colite semanas:

• destruição do epitélio • epitélio intacto

• abscessos de cripta • aspecto normal das criptas

• inflamação crônica com • reversão da inflamação


infiltração leucocitária maciça • infiltração leucocitária
moderada
Ozonioterapia e Eicosanóides
Modelo experimental (Schulz et al, Int. J.
Cancer: 122, 2360–2367 (2008))
demonstrou que a ozonioterapia
intraperitonial modula as reações
inflamatórias levando a um estímulo de
maior formação dos “bons eicosanóides”
(derivados da PGI2: dinor-6-k-f1 alfa e 6-
keto-PGF1 alfa), diminuindo a reação
inflamatória, com estímulo da apoptose e
diminuição da proliferação celular.
The Medozon generator
Ozonioterapia Intraperitonial

• Vol: 80 ml/kg body weight

• Conc.: 50 ug/ml

• Period of 05 days

Corresponding Contigent 2,5% O3 e 97,5% O2


CT scan of the thorax of a
O3/O2-cured rabbit

Necropsized lung of a sham


rabbit after death
Adverse effects: Body weight
Flora intestinal
Prêmio Nobel 2005
Fisiologia e Medicina
• Robin Warren & Barry Marshall

• “A solução para algumas doenças humanas não se


limita exclusivamente dentro do hospedeiro mas
mais provavelmente deve ser encontrada na
interface com o meio ambiente microbiano.”

• “Manipulação da flora está se tornando uma


estratégia realista preventiva e terapêutica para
muitas doenças infecciosas, inflamatórias e até
neoplásicas dentro do intestino.”
Human Microbiome Project
• National Institutes of Health – USA

• Orçamento: 100 milhões de dólares

• Estudo da associação entre saúde humana e


microbiota em 5 sítios: cavidades nasal e
oral, tratos gastrointestinal e urogenital, pele

• http://nihroadmap.nih.gov/hmp
Aprox. 1.000.000.000.000 Aprox. 100.000.000.000.000

1012 células 1014 bactérias


Aprox. 100.000.000.000.000 (1014) bactérias

=
Aprox. 1012 cells

=
D 005-0114 11 06.08.2004
+

Microbioma Intestinal
Genoma coletivo
D 005-0114 11 06.08.2004
Human Microbiome Project
Conceito de Disbiose

Pai da Imunologia
Teoria Fagocítica

Élie Metchnikoff e Paul Ehrlich dividiram o


Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina de 1908.

Acreditando que a imunidade estava ligada à nutrição,


Metchnikoff popularizou o consumo de iogurtes para
combater os efeitos deletérios de bactérias tóxicas
presentes na flora intestinal, e assim promover a
longevidade.
É por causa do Metchnikoff que tomamos iogurte!
Conceito Moderno de Disbiose
Disbiose é um estado no qual a microbiota
produz efeitos nocivos via:

1- Mudanças qualitativas e quantitativas na


própria microbiota intestinal
2- Mudanças na sua atividade metabólica
3- Mudanças em sua distribuição no TGI.
Flora Intestinal Patológica

Alimentação inadequada
Stress
Consumo de álcool e
medicamentos (ATB, Alteração na flora normal
inibidores de bomba de
prótons, AINH,
anticoncepcionais)
Viagens
Gravidez
Constipação
Idade DISBIOSE
Amálgamas dentários
Sonda nasoenteral
Obstrução nasal Alteração do humor
Halitose
Rinite Depressão
Alergias Insônia
Infecções de repetição Enxaqueca

Hipotireoidismo Asma
Eczema
Patologia coronariana
Dematite atópica
Psoríase
Inflamação crônica
Urticária mínima persistente Fibromialgia
Artralgias
Artrite reumatóide
Hipercolesterolemia Doenças por imunocomplexos
Esteatose hepática Osteoporose
Cirrose hepática
Hipersensibilidade química Cólicas
Diabetes Gases
Obesidade Distensão abdominal
Diarréias
Infecção urinária
Disbiose intestinal
Intolerâncias alimentares
Candididíase vaginal de repetição Alergias alimentares
Deficiências nutricionais
Síndrome da Fadiga crônica Sínd. Intestino Irritável
(desânimo, estresse, cansaço, Colite ulcerativa
Doença de Crohn
enxaquecas, mau-humor – “enfezada”,
Diverticulose
edema nas pernas, desinteresse no Polipose
trabalho, perda do apetite sexual, Câncer
mãos e pés frios)
Autismo Insuficiência venosa crônica
Úlceras de MMII
Leucemia
Tromboembolismo
12/12/2010 Hartmut Dorstewitz 110
12/12/2010 Hartmut Dorstewitz 111

D 004-0047 06.10.2004
Os animais gnotobióticos, ou germ-free – que vivem em ambientes livres de
patógenos, e não possuem bactérias intestinais – possuem todo o sistema imune em baixo
nível de desenvolvimento – placas de peyer subdesenvolvidas, baço reduzido e com pouco
tecido linfóide, menos anticorpos e linfócitos em geral. Quando imunizados com antígenos
modelo, mostram uma resposta reduzida, sugerindo que a colonização do intestino por
bactérias comensais é importante para uma ativação geral do sistema imune.
SP 007-0002 01 08.10.2007
Funções da Flora Intestinal
 Barreira microbiana
 Estimulação do sistema imune
 Aporte nutricional
 Produção de vitaminas
Funções da flora intestinal
O sistema MALT

Mucosa
Associated
Lymphoid
Tissue

O MALT é um sistema funcional


caracterizado pela permuta
integrada de células e moléculas
entre todas as superfícies
mucosas do organismo.
Nariz (NALT)

Sistema MALT
(UALT)

Pele (SALT)
MALT
Será coincidência?!...
SISTEMA IMUNE - MALT COLONIZAÇÃO BACTERIANA

Respiratory
tract
Cheng-Kuang Hsu, Jiunn-Wang Liao, Yun-Chin Chung, Chia-Pei Hsieh, and Yin-Ching Chan
J. Nutr., Jun 2004; 134: 1523 - 1528.
Mark M. Huycke and H. Rex Gaskins
Experimental Biology and Medicine,
Jul 2004; 229: 586 - 597.
Flora 11 Flora
“Prejudicial” Bacteroides
Benéfica
Produção de toxinas, Bifidobacterium
carcinógenos
Eubacterium
potenciais, putrefação Inibição das bactérias
intestinal metanógenos prejudiciais

anaer. G(+) cocci Estimulação do sistema


imune
Redutores de sulfatos
Lactobacillus
Diarréia 8
Constipação E. coli Auxilia na digestão e/ou
absorção de
Infecções enterobacteria
nutrientes/minerais
Efeitos sistêmicos Veillonella
Síntese de vitaminas
Clostridium
Staphylococcus
Vibrionaceae
Ps. aeruginosa
2
População, log cfu/g fezes
Aumento de
Permabilidade Intestinal
“Leaky Gut”
Passagem de
macromoléculas
alimentares (gaps
na mucosa
intestinal) e
translocação  Alergias alimentares
bacteriana tardias
 Doenças sistêmicas
associadas aos
imunocomplexos
Inflamação crônica
A reação imunológica
Lesão intestinal (e.g. antibióticos, viroses, stress)

Parede intestinal permeável

Alimentos não marcados como “inofensivos” entram na cor. sanguínea

Formação de anticorpos

Mais consumo do alimento

Mais anticorpos formados

Formação de imunocomplexos de antígenos e anticorpos

Imunocomplexos depositam nos tecidos

Reação inflamatória durante a destruição de imunocomplexos

Lesão aos tecidos: queixas crônicas


Lesão do intestino delgado
Ruptura das “tight-junctions”
Disbiose, Infecção
Destruição dos enterócitos
Aumento da permeabilidade

Modificação da Resposta imunológica

Tolerante Intolerante
Passagem da barreira intestinal
IgG Antígeno

Complexo Antígeno-IgG

Imunocomplexos circulantes
Via do complemento

Adesão no tecido
Mediadores inflamatórios (TNF-α)
= Síndrome inflamatória
Atração dos fagócitos
Liberação de radicais livres

Destruição dos imunocomplexos Inflamação crônica


ImuPro 300
Alergias alimentares tardias – IgG e Imunocomplexos
Lâmpada fluorescente Amálgama dentário (cada)
22 mg de Hg 1.000 mg de Hg
Micromercurialismo
• Cefaléia, enxaqueca
• Sintomas locais (paladar, sabor metálico, estomatite,
gengivite, liquen plano)
• Alergias tipo I (liberação de histamina pelos mastócitos
sem aumento de IgE)
• Sintomas neurológicos e psicovegetativos
(concentração, audição, sono, eretismo, depressão,
tremor, desordens da marcha, parestesias)
• Desordens hormonais (hiperandrogenismo, ovários
policísticos, infertilidade, queda de cabelo)
Ozônio e Mucosa Intestinal

► Efeito bactericida: absorção


de LPS –indução de citocinas
– manutenção do sistema
imune alerta

► Possível reequilíbrio da flora


bacteriana e imunoreatividade

► Linfócitos T da submucosa
(GALT): resposta anti-
inflamatória e
imunossupressora

► Permeabilidade intestinal
Ozônio e Mucosa Intestinal

► Ratos (Gonzalez, 2004):


adaptação ao stress oxidativo
crônico em 2 semanas

► Coelhos (Knoch, 1987):


aumento do conteúdo de
oxigênio na veia
mesocolônica, veia porta e
parênquima hepático, 8-20
minutos após insuflação retal
de 150 mL da mistura
oxigênio-ozônio (retorno em
50 minutos ao valor de base)
Vírus
Efeitos Virustáticos da
Ozonioterapia
Os efeitos da mistura gasosa oxigênio/ozônio nas
infecções virais sistêmicas são relacionados a 4
processos parcialmente sinérgicos:

1. As propriedades de inativação dos vírus (do ozônio e de


seus produtos peroxidicos) – stress oxidativo (enzimas
anti-oxidantes deficientes), n-acetil glucosamina,
desnaturação do envelope viral
2. A ativação da fagocitose
3. O efeito protetor sobre as células orgânicas normais
4. O efeito citotóxico (peróxido de hidrogênio)sobre células
infectadas e lesadas pelo vírus, garantindo sua
eliminação mais rápida.
Ozônio e Ação Antiviral

Ozônio pode alterar


diretamente
estruturas no
envelope viral
(peplômeros –
protuberâncias
glicoproteicas que
se ligam aos
receptores das
células
hospedeiras)
Conclusões
Em resumo, a ozonioterapia, aplicada de forma
coadjuvante aos tratamentos oncológicos
convencionais, representa uma ferramenta
importante a ser incorporada no arsenal da
Oncologia moderna.
• Qualidade de vida (bem-estar, fadiga, peso)
• Prevenção de metástases
• Otimização de QT e RXT
• Possível cura
emilia@institutoalpha.com.br
Instituto Alpha de Saúde Integral
São Paulo - Brasil
55 11 3078-67777