EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO OU INTRAEMPREENDEDORISMO Segundo Guimarães (2005) na maioria das pesquisas existentes sobre empreendedorismo corporativo, dentre os principais

assuntos tratados, foram relacionados aos benefícios do processo do empreendedorismo corporativo nas organizações (ZAHRA; COVIN, 1995), na consistência da definição do fenômeno no campo de estudo do empreendedorismo corporativo (SHARMA; CHRISMAN, 1999), nos atributos necessários para a organização analisada ser considerada empreendedora (MILLER, 1983) e no papel do indivíduo empreendedor como responsável pelo processo nas organizações empreendedoras de sucesso (GREENWOOD; BRUSH; HART, 1999). Por tanto, na literatura pode-se encontrar como conceito associado ao empreendedorismo corporativo, o intraempreendedorismo, empreendedorismo interno ou Corporate Entrepeneurship ou Intrapreneurship (DORNELAS, 2008). Dentro das organizações, o intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo como também e conhecido, é uma forma para incentivar as pessoas com potencial para empreender, mas que preferem, em vez de iniciar seu próprio negócio, empreender dentro da empresa ou organização onde trabalham (PINCHOT III,1989; FILION, 1999; PINCHOT; PELMANN 2004). O intraempreendedorismo surge como uma possibilidade para pessoas, com espírito empreendedor, que trabalham em empresas ou instituições, atuarem em benefício de sua empregadora e de forma auto-realizável ao mesmo tempo (PINCHOT III,1989; FILION, 1999; PINCHOT; PELMANN 2004). Corroborando Dornelas (2008) define o intraempreendedorismo como o processo pelo qual um indivíduo ou um grupo de indivíduos, associado a uma organização existente, cria uma nova organização ou instiga a renovação ou inovação dentro da organização existente. O estudo do intraempreendedorismo foi inicialmente evidenciado com a obra de Pinchot III (1989), denominada de Intraempreendedorismo, publicada em meados da década de 1980, que desencadeou o aumento do interesse no empreendedorismo dentro das organizações empresas sugerindo que, nas grandes organizações, não era suficiente somente o investimento em pesquisa e desenvolvimento, elas deveriam também desenvolver um clima no qual os empregados seriam estimulados e encorajados a

ele é motivado. Pinchot III (1989) e Pinchot e Pellman (2004) definem ainda que o intraempreendedor como a pessoa que. ( DOLABELA. ele acomoda-se ao sistema ou o leva ao curto-circuito sem o abandonar. mesmo sem deixar a organização em que atua. Estudando como se estabelecia o processo das inovações dentro das organizações. mas pronto para o compromisso e. crescimento e sustentabilidade das . para transformação em novos negócios de crescimento rápido. quanto à competência ele é parecido com o empreendedor. mas também coloca a mão na massa quando necessário. A prática hoje não é mais criticada. O intra-empreendedor é motivado tanto pela liberdade de ação quanto pelo acesso aos recursos organizacionais. têm necessidade de agir. estabelecem metas. finalmente. estabelecem altos padrões internos. quanto às atividades. Quanto às decisões. Ele se interessa por tudo que acontece dentro e fora da empresa e compreende as necessidades do mercado. ele por meio de sua observação identificou comportamentos empreendedores em alguns colaboradores. sendo que o intraempreendedorismo é reconhecido como uma estratégia de renovação. em um ambiente cultural favorável. ele dissimula os projetos de risco para não macular a imagem de qualidade e da empresa. Pinchot III (1989) constatou que a estagnação era o resultado quase inevitável dos sistemas de análise e controle. 1989. Os intraempreendedores são visionários. administram riscos. ele pode delegá-las. 1999) Eles propõem idéias novas e valiosas que eles são capazes de desenvolver. Conforme Zahra (1991) e Zahra e Covin (1995). ele é orientado para a ação. superam erros e fracassos. ele é mestre na arte de convencer os outros da boa fundamentação da sua visão. PINCHOT. PELMANN 2004). Examinando inovações bem sucedidas em grandes empresas. realiza atos de criação ou inovação típicos dos empreendedores tendo iniciativa em suas tarefas. Estes colaboradores atuavam como agentes de mudanças em suas organizações. são dedicados. mas sensível às recompensas organizacionais. melhorando processos e criando novas oportunidades de negócio.desenvolver inovações. dentro da estrutura corporativa já existente. por muitos anos o intraempreendedorismo foi visto apenas como um palpite de executivos sobre como revitalizar organizações e melhorar seu desempenho financeiro. mas utiliza certa habilidade política. Assim. e possuem lealdade em seus negócios (PINCHOT III. Pinchot III (1989) os denominou de empreendedores intracorporativos ou intraempreendedores (intrapreneurs).

parcerias e conhecimentos que estão disponíveis a qualquer pessoa para produzir algo novo. podendo ser visto como uma maneira incomum de administrar (THORNBERRY. crescimento e criação de valor. 2001. HISRICH. 1990). ANTONCIC. O empreendedorismo corporativo pode ser evidenciado como a um conjunto de atividades. podendo maximizar os resultados. 2003. necessitando-se assim mobilizar o talento e o potencial empreendedor de todos os seus colaboradores. PINCHOT. atitudes e comportamentos que podem dar vida nova à organização. neste contexto o intraempreendedor preocupa-se com a forma e meios que a organização deve utilizar para atingir seus objetivos. FILION. revelando um processo de descobertas e aproveitamento de oportunidades que criam valor para a organização. PERLMAN. inovam na organização sem o seu apoio (CORNWALL. a partir de novas combinações de recursos gerados internamente (STONER. 1989. Os intraempreendedores sabem usar informações. resultando em vantagens competitivas (PINCHOT III. desenvolvendo novos conhecimentos e compartilhando-os. HISRICH. PELMANN. 1999). 2004). baseados no capital humano de todos os funcionários. 2006. BULUT. PETERS. possuem dificuldades em implementar inovações. HISRICH. 2009). FREMANN. 2004. PELMANN 2004. 2009). 2004. criatividade. O intraempreendedor procura expandir o domínio da organização em competência e em oportunidades correspondentes. na busca do progresso da organização. ou seja. DESS et al. . ANTONCIC. PINCHOT. 2001. A perspectiva intraempreendedora se inicia com uma projeção um futuro bem definido e. Pode se ressaltar ainda que intraempreendedor muitas vezes seja forçado a encontrar o sucesso entre pessoas que não estão preparadas para ajudá-lo. FILION 2004. enquanto que a administração tradicional preocupa-se somente com trabalho que precisa ser feito (FILION. Atualmente. ALPKAN. PETERS. Portanto a ação intraempreendedora deveria ser adotada e principalmente incentivada por administradores visionários.organizações (THORNBERRY. 2009) Saber aproveitar as boas idéias e as atitudes das equipes de trabalho tornou-se primordial para manter as organizações competitivas. Conceitualmente o intraempreendedorismo pode ser definido como uma referência a intenções de comportamento que renunciam a hábitos e privilegiam novas formas de trabalho dentro das organizações. HISRICH. FILION 2004. 2001. PETERS. principalmente as grandes empresas estão encorajando o empreendedorismo corporativo porque devido ao tamanho e sua malha burocrática e hierárquica. 2003.

melhor realocação de recursos e tolerância a assumir riscos. olha para frente. ³Compartilhamento´ Recursos precisariam ser compartilhados ³Criatividade e inovação´ Promoção da criatividade e inovação. De acordo com Goosen. com a esperança de manter a empresa de modo semelhante ao presente (GERBER. oferecer suporte em projetos. . De Coning e Smit (2002). para um futuro repleto de incertezas. ³Liberdade e empowerment´ O ³empowerment´ (poder de decisão) acontece em ambientes onde existe uma medida de liberdade. .então. um clima empreendedor no ambiente de trabalho instiga os funcionários a desenvolver idéias. com a intenção de modificá-la para adaptar-se à visão. A perspectiva tradicional começa com o presente e. a auto-renovação e a proatividade. ³Recompensas e reconhecimento´ Os intraempreendedores e o trabalho deles deveriam ser reconhecidos e recompensados. este modelo contém como principais elementos de plano de fundo a inovação. participar de decisões estratégicas. Para Bulut e Alpkan (2006). ³Comunicações e feedback´ O feedback e promoção de idéias deveriam ser constantes. Quadro 5: Elementos do Intraempreendedorismo Fonte: Adaptado de Goosen. formando o ³intrapreneurial construt´ que estão brevemente resumidos a seguir no quadro 5: Elementos ³Equipes empreendedoras´ Descrição Empreendedorismo é praticado quando há um ambiente de equipe. De Coning e Smit (2002) diversos pontos de vista sobre intraempreendedorismo resultou no que pode ser descrito por eles como um modelo clássico de mensuração do intraempreendedorismo. ³Intracapital´ Introdução de um sistema de investimentos focados no intraempreendedorismo ³Sangue novo´ Introdução de novas idéias na organização ³Promoção do sucesso´ Deveria ser promovido um ambiente positivo estimulando o sucesso. então. Os estilos de administração deveriam promover o intraemprendedorismo. 2004). um comportamento mais autônomo. ³Executivos incentivadores´ A alta administração deve apoiar e patrocinar os intraempreendedores ³Confiança e estilo de administração´ Os intraempreendedores deveriam ser confiantes e estarem inseridos em um ambiente não penalizador. volta para o presente.

c) Rejuvenescimento organizacional refere-se ao processo de inovação com o objetivo de melhorar processos. 8 . mas realista quanto ás maneiras de atingi -las. especialmente quando você tiver que quebrar alguma regra ou evitar a burocracia.Seja leal à suas metas.Tipos de Empreendedorismo Corporativo Conforme Covin e Miles (1999): a) Renovação estratégica significa alterar as estratégias da organização para se alinhar com o ambiente externo. e desta forma aproveitar melhor a exploração de novos produtos e mercados. 6 . processos e estruturas com o objetivo de suportar e encorajar inovações de produtos ou processos. Intraempreendedorismo não é uma atividade solitária. 5 . b) Redefinição de domínio acontece quando a empresa busca a criação de um novo mercado para um novo produto. Fonte: Adaptado da Dissertação de Mestrado em Administração de Jaison Ademir Sevegnani (2010). estabelecidos por Gifford Pinchot (1989): 1 . .Faça o trabalho necessário para atingir o seu sonho. 7 ± Tenha sempre em mente os interesses de sua empresa e dos clientes. 9 . independentemente de sua descrição de cargo.Lembre-se de que é mais fácil pedir perdão do que pedir permissão. d) Regeneração sustentada acontece quando a organização desenvolve novas culturas.Vá para o trabalho a cada dia disposto a ser demitido. 10 ± Honre e eduque seus patrocinadores. 4 . rotinas administrativas e políticas operacionais. Os 10 mandamentos do intraempreendedor. 3 ± Solicite aconselhamento antes de pedir recursos.Forme sua equipe. 2 ± Compartilhe o mais amplamente possível as recompensas.É melhor prometer pouco e realizar em excesso.