Você está na página 1de 8
ECC 1006 – CONCRETO ARMADO A DETALHAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS NA SEÇÃO Prof. Gerson Moacyr

ECC 1006 – CONCRETO ARMADO A

DETALHAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS NA SEÇÃO

Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva

Armadura mínima de tração

Função: Evitar ruptura frágil quando da formação da primeira fissura

Na transferência de esforços do concreto tracionado para a armadura

Deve-se calcular a armadura mínima para:

= 0,8.W .f M Sd min , 0 ctk su , p
= 0,8.W .f
M Sd min
,
0
ctk su
,
p

W 0 = módulo de resistência elástico da seção bruta de concreto

W

0 =

I

c

y

t

I c = momento de inércia da seção bruta

y t = distância da linha neutra até a fibra mais tracionada da seção

f

ctk,sup

(

= 0,39 f

ck

) 2/ 3

Para aço CA-50: pode-se utilizar diretamente a tabela 17.3 da NBR 6118:

Taxa mínima de armadura:

A s,min ρ = min A c
A s,min
ρ
=
min
A c

A s,min = área mínima de armadura tracionada

A c

= área bruta da seção de concreto

tracionada A c = área bruta da seção de concreto ⇒ função do f ck e

função do f

ck

e do

tipo da seção

Exemplo:

Seções retangulares e T Concretos C20 e C25:

ρ min

⇒ função do f ck e do tipo da seção Exemplo: Seções retangulares e T C

= 0,15%

Armadura máxima na seção transversal

´ + A ≤ 0,04A A s s c
´
+ A
≤ 0,04A
A s
s
c

A = área da armadura de tração

s

´

A = área da armadura de compressão

s

Condição de ductilidade nos apoios

Limites da NBR 6118:

Para

Para

f

ck

f

ck

35MPa

>

35MPa

x ≤ 0 5 0 d x 0 50d

,

x ≤ 0,40d 0,40d

Possíveis soluções no caso de não atendimento:

Di

d

d

e arma ura

d

ã

e compress o

Aumentar as dimensões da viga

spor

Espaçamento entre as barras na seção transversal

Seção típica de concreto armado:

Armadura comprimida ("porta estribos") d estribo CG Armadura tracionada
Armadura
comprimida
("porta estribos")
d
estribo
CG
Armadura
tracionada

d = altura útil da seção

Armaduras longitudinais

Armaduras transversais (estribos)

distância entre a fibra mais comprimida e o CG das barras tracionadasArmaduras longitudinais Armaduras transversais (estribos) depende: número de barras (camadas); diâmetro do estribo;

depende: número de barras (camadas); diâmetro do estribo; cobrimento cobrimento

c = cobrimento (depende da CAA)

Tabela 7.2 da NBR 6118c = cobrimento (depende da CAA) a a h v ≥ ≥ ⎧ 20mm ⎪ ⎨

a

a

h

v

20mm

φ

1,2d

máx,agreg


20mm

φ

0 5d

, máx,agreg

máx,agreg ⎧ ⎪ ⎨ ⎪ ⎩ 20mm φ 0 5d , máx,agreg φ t c a
φ t c a φ v c a h
φ
t
c
a
φ
v
c
a h

Brita 1:

Brita 2 :

d

máx,agreg

d

máx,agreg

=

=

19mm

25mm

Função das limitações: Permitir boa execução

passagem de vibradores (adensamento) passagem dos agregados entre armaduras (evitar segregação)

Armaduras em mais de uma camada

Se a<0,10h L.N. d h CG CG a
Se a<0,10h
L.N.
d
h
CG
CG
a

a = distância do CG das armaduras até o eixo da barra mais afastada da L.N.

Se a 0,10h:

Incluir resultantes das armaduras adicionais nas equações de equilíbrio e nas equações de compatibilidade de deformações.

Armadura de pele

Obrigatória para vigas com h 60cm

As´ t As,pele ( ØL ) t As
As´
t
As,pele
( ØL )
t
As

Área necessária em cada face lateral:

A = 0,001.A

s,pele

ou

c,alma

A

s,pele

=

0,001.b .h

w

Espaçamento entre barras:

t

d/ 3

20cm

⎩ ⎪ 15. φ

L

Função: Durabilidade Controle da fissuração por retração e da abertura das fissuras na alma