Você está na página 1de 12
UFCD Métodos e técnicas de análise económica e financeira Trabalho elaborado por: Ana Roías Andreia
UFCD Métodos e técnicas de análise económica e financeira Trabalho elaborado por: Ana Roías Andreia

UFCD

Métodos e técnicas de análise económica e financeira

UFCD Métodos e técnicas de análise económica e financeira Trabalho elaborado por: Ana Roías Andreia Câmara
UFCD Métodos e técnicas de análise económica e financeira Trabalho elaborado por: Ana Roías Andreia Câmara

Trabalho elaborado por:

Ana Roías

Andreia Câmara

Cândida Amaral

Carla Araújo

Formador: Rogério Nicolau

Índice Introdução 3 Balanço da empresa Cananca, 4 Análise Financeira 5 Activo não Corrente 5

Índice

Índice Introdução 3 Balanço da empresa Cananca, 4 Análise Financeira 5 Activo não Corrente 5

Introdução

3

Balanço da empresa Cananca,

4

Análise Financeira

5

Activo não Corrente

5

Activo Corrente

5

Capital próprio

5

Passivo

5

Fundo de Maneio

6

Necessidades de Fundo Maneio

6

Tesouraria Líquida

6

Rácios Financeiros

7

Rácios de Liquidez

7

Rácio de Liquidez Geral

7

Liquidez

Reduzida

7

Liquidez Imediata

8

Rácios de Solvabilidade

8

Rácios

de

Autonomia Financeira

8

Rácios Económicos

 

9

Rendibilidade das vendas

9

Rendibilidade dos Capitais Próprios

9

Rendibilidade do Activo Total

9

Rotação do Activo

 

10

Prazo Médio de Armazenamento

10

Prazo Médio de Recebimento

10

Prazo Médio de Pagamento

10

Conclusão

11

Bibliografia:

 

12

Introdução No presente trabalho foi-nos proposto a execução de uma analise financeira a um balanço
Introdução No presente trabalho foi-nos proposto a execução de uma analise financeira a um balanço

Introdução

No presente trabalho foi-nos proposto a execução de uma analise financeira a um balanço de uma empresa, denominada por “Cananca, Lda.”, com o objectivo de analisar e calcular o fundo maneio, as necessidades de fundo maneio, a tesouraria liquida e os vários Rácios existentes.

A elaboração deste trabalho é importante para analisarmos até que ponto a empresa dispõe de meios financeiros adequados ás suas necessidades operacionais e de investimento.

Balanço da empresa Cananca, Lda.           % de % de Activo
Balanço da empresa Cananca, Lda.           % de % de Activo

Balanço da empresa Cananca, Lda.

         

% de

% de

Activo

Ano 2009

Ano 2010

Aumento

Diminuição

2009

2010

Activo Não Corrente

           

Activos tangíveis

904.198,00 €

787.189,70 €

 

117.009,00 €

40,72%

45,52%

Activos intangíveis

79.773,00 €

19.734,00 €

 

60.039,00 €

3,59%

1,14%

Propriedades de investimento

367.374,00 €

157.537,00 €

 

209.835,00 €

16,55%

9,11%

Total do Activo Não Corrente

1.351.343,00 €

964.460,00 €

 

386.882,30 €

60,86%

55,77%

Activo Corrente

           

Inventários e activos biológicos

           

Matérias-primas

209.231,00 €

266.894,00 €

57.663,00 €

 

9,42%

15,43%

Produtos

342.748,00 €

303.954,00 €

 

38.794,00 €

15,44%

17,58%

Dívidas a 3º

           

Clientes

116.271,00 €

145.396,30 €

29.125,00 €

 

5,24%

8,41%

Outras contas a receber

166.813,00 €

45.674,00 €

 

121.139,00 €

7,51%

2,64%

Meios financeiros líquidos

           

Depósitos bancários

33.828,00 €

2.749,00 €

 

31.079,00 €

1,52%

0,16%

Caixa

160,00 €

120,00 €

 

40,00 €

0,01%

0,01%

Total do Activo Corrente

869.051,00 €

764.787,30 €

 

104.263,70 €

39,14%

44,23%

TOTAL DO ACTIVO

2.220.394,00 €

1.729.248,00 €

 

491.146,00 €

100%

100%

Capital Próprio

           

Capital realizado

500.000,00 €

500.000,00 €

   

22,52%

28,91%

       

5.000,00

     

Reservas

20.000,00 €

25.000,00 €

0,90%

1,45%

Resultado líquido do periodo

252.526,00 €

135.787,00 €

 

116.739,00 €

11,37%

7,85%

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO

772.526,00 €

660.787,00 €

 

111.468,00 €

34,79%

38,21%

Passivo

           

Passivo Não Corrente

           

Financiamentos Obtidos

256.000,00 €

292.000,00 €

36.000,00 €

 

11,53%

16,89%

Total do Passivo Não Corrente

256.000,00 €

292.000,00 €

36.000,00 €

 

11,53%

16,89%

Passivo Corrente

           

Dívidas a 3º a curto prazo

           

Financiamentos Obtidos

50.000,00 €

250.000,00 €

200.000,00 €

 

2,25%

14,46%

Fornecedores

538.177,00 €

434.708,00 €

 

103.469,00 €

24,24%

25,14%

Outras contas a pagar

574.675,00 €

5.324,00 €

 

569.351,00 €

25,88%

0,31%

Estado

29.016,00 €

86.429,00 €

57.413,00 €

 

1,31%

5,00%

Total do Passivo Corrente

1.191.868,00 €

776.461,00 €

 

415.407,00 €

53,68%

44,90%

TOTAL DO PASSIVO

1.447.868,00 €

1.068.461,00 €

 

379.407,00 €

65,21%

61,79%

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO

           

2.220.394,00 €

1.729.248,00 €

 

491.146,00 €

100%

100%

Análise Financeira Activo não Corrente O peso do activo não corrente no balanço total apresenta
Análise Financeira Activo não Corrente O peso do activo não corrente no balanço total apresenta

Análise Financeira

Activo não Corrente

O peso do activo não corrente no balanço total apresenta uma diminuição em 2010 de 55.77%, para

60.86% face a 2009. Para isso contribuíram as propriedades de investimento que diminuíram de

9.11% em 2010 para 16.55% face a 2009.

O activo não corrente apresenta uma variação negativa de 28.63%.

Activo Corrente

O Activo Corrente aumentou o seu peso no balanço total, isto é, apresentou em 2010 44.23% e em

2009 apresentou 39.14%. Para este facto contribuíram as rubricas matérias-primas, (que aumentaram

15.43% em 2010 para 9.42% face a 2009) e os clientes (que aumentaram 8.41% em 2010 para 5.24%

face a 2009).

No entanto, o activo corrente apresenta uma variação negativa de 11.99% em 2010 face a 2009.

Capital próprio

O Capital Próprio aumentou o seu peso no balanço total em 2010 de 38.21% para 34.79% face a

2009.

Para esta variação negativa de 14.46% em 2010, face a 2009, contribuiu o Resultado Liquido do

Período que diminuiu 7.82% em 2010 face a 2009 (11.37%). Apesar de ter tido um aumento no

capital Realizado de 28.91% em 2010 para 22.52% face a 2009.

Passivo

O peso do Passivo total no balanço total diminuiu 61.79% em 2010 para 65.21% face a 2009.

As rubricas que contribuíram para esta diminuição foram os financiamentos obtidos (diminuíram de

14.46% em 2010 para 22.52% face a 2009), outras contas a pagar (diminuíram de 0.31% em 2010

para 25.88% face a 2009) e o Estado (aumentou 5% em 2010 para 1.31% face a 2009), relativamente

ao passivo Corrente.

Apesar de ter apresentado um aumento nos financiamentos obtidos do Passivo não Corrente de 16.89%
Apesar de ter apresentado um aumento nos financiamentos obtidos do Passivo não Corrente de 16.89%

Apesar de ter apresentado um aumento nos financiamentos obtidos do Passivo não Corrente de

16.89% em 2010 para 11.53% face a 2009.

Este apresentou uma variação negativa de 35.51% em 2010 face a 2009.

Fundo de Maneio

A empresa não está equilibrada financeiramente nos dois anos. Os Capitais Permanentes não são

suficientes para financiar o Activo não Corrente. Isto é, a empresa necessita de recorrer ao Passivo

Corrente para financiar uma parte do Activo não Corrente.

Apesar de apresentar uma variação de 96.38% em 2010 face a 2009.

A empresa apresenta uma margem de segurança.

Necessidades de Fundo Maneio Em 2009 o ciclo operacional da empresa não gera liquidez suficiente para fazer face aos

compromissos de curto prazo.

A empresa é industrial, logo por regra as necessidades teriam que ser positivas.

A rubrica fornecedor apresenta valores elevados, o que pode indicar que a empresa tem em média um

prazo de pagamento longo.

Em 2010 o ciclo operacional da empresa gera liquidez suficiente para cumprir os compromissos da

empresa a curto prazo.

Tesouraria Líquida

A

empresa não apresenta excedentes de tesouraria. Esta apresenta um nível aceitável de investimento

na

mesma.

Rácios de Liquidez  Rácio de Liquidez Geral Rácios Financeiros Em 2009 a empresa apresenta

Rácios de Liquidez

Rácio de Liquidez Geral

Rácios de Liquidez  Rácio de Liquidez Geral Rácios Financeiros Em 2009 a empresa apresenta de

Rácios Financeiros

Em 2009 a empresa apresenta de liquidez geral 0.73 de valor absoluto.

Em 2010 a empresa apresenta de liquidez geral 0.98 de valor absoluto.

A empresa não dispõe de Activos Correntes para pagar as dívidas a curto prazo nos

A empresa não dispõe de Activos Correntes para pagar as dívidas a curto prazo nos dois anos.

Liquidez Reduzida

Em 2009 a empresa apresenta de liquidez reduzida 0.27 de valor absoluto.

 

Em 2010 a empresa apresenta de liquidez reduzida 0.25 de valor absoluto.

A empresa não tem capacidade de pagar as dívidas a curto prazo recorrendo ao Activo

A empresa não tem capacidade de pagar as dívidas a curto prazo recorrendo ao Activo Corrente.

 Liquidez Imediata Em 2009 a empresa apresenta de liquidez imediata 0.03 de valor absoluto

Liquidez Imediata

 Liquidez Imediata Em 2009 a empresa apresenta de liquidez imediata 0.03 de valor absoluto Em

Em 2009 a empresa apresenta de liquidez imediata 0.03 de valor absoluto

Em 2010 a empresa apresenta de liquidez imediata 0.003 de valor absoluto.

A empresa não tem capacidade de pagar as dívidas a curto prazo, recorrendo às disponibilidades.

A

empresa não tem capacidade de pagar as dívidas a curto prazo, recorrendo às disponibilidades.

Rácios de Solvabilidade

 

Em 2009 a empresa apresenta de solvabilidade 0.53 de valor absoluto.

 

Em 2010 a empresa apresenta de solvabilidade 0.62 de valor absoluto.

A empresa não tem capacidade de pagar as suas dívidas e está dependente de dívidas

A

empresa não tem capacidade de pagar as suas dívidas e está dependente de dívidas de terceiros.

Rácios de Autonomia Financeira

 

Em 2009 a empresa apresenta de autonomia financeira 0.35 de valor absoluto.

Em 2010 a empresa apresenta de autonomia financeira 0.38 de valor absoluto.

A empresa está em risco financeiro, estando desta forma dependente dos credores.

A

empresa está em risco financeiro, estando desta forma dependente dos credores.

Rácios Económicos  Rendibilidade das vendas Rácios Financeiros O Rácio Rendibilidade das vendas, contribuiu 8.9%

Rácios Económicos

Rendibilidade das vendas

Rácios Económicos  Rendibilidade das vendas Rácios Financeiros O Rácio Rendibilidade das vendas, contribuiu 8.9%

Rácios Financeiros

 Rendibilidade das vendas Rácios Financeiros O Rácio Rendibilidade das vendas, contribuiu 8.9% para a

O Rácio Rendibilidade das vendas, contribuiu 8.9% para a formação do Resultado Líquido do Período.

Rendibilidade dos Capitais Próprios

A empresa ganhou por cada 100€ de capital investido 32.69% em 2009 e 20.55% em 2010 para o Resultado Liquido do Período.

2009 e 20.55% em 2010 para o Resultado Liquido do Período.  Rendibilidade do Activo Total

Rendibilidade do Activo Total

O Rácio Rendibilidade do Activo total diminuiu 7.85% em 2010 para 11.37% face a 2009 para o Resultado Liquido do Período.

Rotação do Activo Rácios Financeiros O Rácio de Funcionamento de rotação do activo tem 0.88

Rotação do Activo

Rotação do Activo Rácios Financeiros O Rácio de Funcionamento de rotação do activo tem 0.88 (valor

Rácios Financeiros

O Rácio de Funcionamento de rotação do activo tem 0.88 (valor absoluto) de utilização dos activos,

significando um subaproveitamento dos activos.

Prazo Médio de Armazenamento

O

Rácio Médio de Armazenamento da empresa roda o seu stock 168.85 (valor absoluto) em 2010.

Prazo Médio de Recebimento

O

Rácio Prazo Médio de Recebimento da empresa para a concisão de crédito aos clientes é de 34.76

(valor absoluto) em 2010.

Prazo Médio de Pagamento

O Rácio Prazo Médio de Pagamento para a empresa para obtenção de crédito junto dos fornecedores

é de 126.64 (valor absoluto) em 2010.

Conclusão Consideramos este trabalho de grupo muito importante porque fizemos uma análise financeira à empresa
Conclusão Consideramos este trabalho de grupo muito importante porque fizemos uma análise financeira à empresa

Conclusão

Consideramos este trabalho de grupo muito importante porque fizemos uma análise financeira à empresa Cananca, Lda., que se dedica à actividade industrial de confecção de vestuário e calçado, de maneira a aprendermos como calcular e analisar a situação financeira de diversas organizações.

Estes conhecimentos são importantes para a vida pessoal e profissional, visto que são essências para recolher informações, analisar e averiguar os recursos financeiros que a empresa dispõe.

Concluímos que a empresa estudada não contem recursos financeiros para a sua sustentabilidade.

A elaboração deste trabalho foi rentável, visto que todos os elementos do grupo contribuíram para a realização do mesmo.

Bibliografia:  Documentação fornecida pelo formador;  Apontamentos dos elementos do grupo. ESCOLA PROFISSIONAL
Bibliografia:  Documentação fornecida pelo formador;  Apontamentos dos elementos do grupo. ESCOLA PROFISSIONAL

Bibliografia:

Documentação fornecida pelo formador;

Apontamentos dos elementos do grupo.