P. 1
Tst - Curso Instrumentos e Medições - Avaliação Do Ruído Industrial

Tst - Curso Instrumentos e Medições - Avaliação Do Ruído Industrial

4.0

|Views: 8.245|Likes:
Publicado porapi-3765940

More info:

Published by: api-3765940 on Oct 18, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/22/2015

pdf

text

original

APOSTILA PREPARADA PARA O CURSO DO SINTESP

AVALIAÇÃO DO RUÍDO INDUSTRIAL

JOSÉ POSSEBON Julho de 2003

EFEITOS DO RUÍDO
⌠ Deslocamento temporário do limiar auditivo   ⌠ Condutiva  Surdez profissional   Neurosensorial Dor de cabeça Irritabilidade Vertigens Cansaço excessivo Insônia Dor no coração Zumbido no ouvido Ruído x Tolueno

* AUDITIVOS

* NÃO AUDITIVOS

* SINÉRGICOS

Altera a condutividade elétrica do cérebro, provocando uma queda na atividade motora. RUÍDO INTENSO Diminui a atenção e concentração, provocando uma diminuição na produtividade. A INTENSIDADE SONORA É EXPRESSA PELO DECIBEL, QUE É A RELAÇÃO LOGARÍTMICA DE DUAS PRESSÕES ACÚSTICAS CONFORME A EXPRESSÃO: P dB = 20 log -----Po Onde: P = pressão acústica (N/m2) Po = pressão acústica de referência (0,00002 N/m2) Para grandes variações de pressão, teremos pequenas variações no nível em decibeis. O decibel pode também ser expresso pela relação logarítmica de Energia W dB = 10 . log ------Wo Onde: W = energia (watt) Wo = energia de referência (10-12 watts)

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE
Entendemos como limite de tolerância para ruído, os níveis de pressão acústica e durações diárias de cada um deles, aos quais a maioria dos trabalhadores podem estar expostos, dia após dia, durante toda sua vida laboral, sem que disto resulte em efeito adverso na sua habilidade de ouvir e entender uma conversação normal. Devido à susceptibilidade individual, nunca devemos considerar o limite de tolerância como uma divisória separando os ruídos perigosos dos não perigosos. O Limite de Tolerância para o ruído contínuo ou intermitente é dado através da NR-15, em seu Anexo 1, como sendo de 85 decibéis no circuito de compensação A, para 8 horas diárias de trabalho, sendo a razão de troca igual a 5 dBA, isto é a cada cinco decibeis que se acresce no nível ambiente, o tempo de exposição é reduzido pela metade, de forma que tenhamos para os diversos níveis os seguintes tempos máximos de exposição permissíveis: MÁXIMA EXPOSIÇÃO DIÁRIA PERMITIDA. 08:00 07:00 06:00 05:00 04:30 04:00 03:30 03:00 02:40 02:15 02:00 01:45 01:15 01:00 00:45 00:30 00:25 00:20 00:15 00:10 00:08 00:07

NÍVEL (dBA) 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 98 100 102 104 106 108 110 112 114 115

REGRA DOS CINCO DECIBÉIS Para cada cinco decibéis de aumento no nível, o máximo tempo permitido de exposição diminui pela metade. NÍVEL(dBA ) 85 90 95 100 105 110 115 TEMPO PERMITIDO 8h 4h 2h 1h 30 min. 15 min. 07 min.

DOSE DE RUÍDO
Como a variabilidade do nível de ruído é muito grande nos ambientes de trabalho, a sobre exposição é estimada através da Dose de Ruído, que é a relação entre o tempo exposto em um determinado nível e o tempo permitido nesse nível.
Texposto D = ----------------- (%) T permitido C1 C2 Dt = ------ + ----- +....................+ T1 T2 Cn ------- (%) Tn

O tempo permitido é o da legislação, no entanto existe uma expressão algébrica para o cálculo do tempo permitido:

16
Tpermit = _________
N – 80 _______ 5

2
A Norma Regulamentadora n° 9 que trata do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), exige a adoção de Medidas de Controle para o ruído, quando a dose atingir o valor de 50%, isto corresponde a um Nível Médio Equivalente de 80 dBA

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDOS DE IMPACTO Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia de duração inferior a um segundo, a intervalos superiores a um segundo.

2) Os níveis de impacto deverão ser avaliados em decibéis, com o medidor de nível de pressão sonora operando no circuito Linear e circuito de resposta para impacto. As leituras devem ser feitas próximo ao ouvido do trabalhador. O Limite de Tolerância para Ruído de Impacto será de 130 dB Linear. Nos intervalos entre os picos, o ruído existente deverá ser avaliado como ruído contínuo. 3) Em caso de não se dispor de medidor de nível de pressão sonora com circuito de resposta para impacto, será válida a leitura feita no circuito de resposta rápida (FAST) e circuito de compensação “C” e neste caso o Limite de Tolerância será de 120 dBC. 4) As atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção adequada, a níveis de ruído de impacto superiores a 140 dBL, medidos no circuito de resposta para impacto, ou superiores a 130 dBC medidos no circuito de resposta rápida (FAST), oferecerão Risco Grave e Iminente.
LT = 130 dB Linear LT = 120 dBC - FAST RISCO GRAVE E IMINENTE 140 dBL 130 dBC -Fast

LEVANTAMENTOS DE RUÍDO
Existem dois tipos de levantamento de ruído: 1) AMBIENTAL (levantamento ponto a ponto com medições instantâneas para conhecimento do perfil do ruído na área (rastreamento), que pode ser obtido unindo-se os pontos de mesmo nível de ruído 2) PESSOAL (através de dosimetria de ruído para avaliação de funções, sendo geralmente feito através de audio-dosímetros). CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS EM UM LEVANT. AMBIENTAL 1) Calibrar o medidor de nível sonoro 2) Utilizar um croquis da área, com a posição dos equipamentos. 3) Posicionar o medidor de forma a medir o maior nível encontrado no ponto 4) Manter o medidor na altura da região auditiva(1,5 m do solo). 5) Em pontos onde a variabilidade é grande, fazer um numero maior de med. 6) Ficar afastado do aparelho pelo menos por 0,5 m a fim de evitar as reflexões 7) Não medir muito próximo da máquina, pois aí é o chamado campo próximo 8) Anotar todas as condições ambientais(temp/veloc. do ar etc) 9) Anotar todas as condições operacionais.(assinalar equipamentos parados) 10) Anotar o número de trabalhadores expostos na área. 11) Não expor o aparelho ao sol ou à umidade excessiva 12) Ao fim das medições aferir o medidor, isto é verificar se não saiu de calibr. 13) Registrar a marca, tipo e o número de série do aparelho utilizado. 14) Em ambientes externos utilizar sempre o protetor de vento 15) Na elaboração do relatório, unindo-se todos os pontos de mesmo nível, obteremos o perfil do ruído ambiental através das curvas isoruidosas.

LEVANTAMENTOS DE RUÍDO
I) INSTRUMENTAL NECESSÁRIO: 1) Medidor de Nível de Pressão Sonora no mínimo tipo 2, conforme: ANSI S1-4- 1971(R1976) IEC 651/1979. Assessórios Obrigatórios: Calibrador Acústico Protetor de vento e poeira 2) Cronômetro 3) Folha de Campo (para anotações das leituras, condições operacionais e ambientais e descrição das atividades realizadas pelo trabalhador) 4) Croqui detalhado da área. II) MEDIÇÕES 1) Verificação da integridade do aparelho 2) Calibração do Aparelho 3) Anotação das condições operacionais e ambientais, bem como dados da função a ser avaliada, número de trabalhadores etc) 4) Medição próximo da região auditiva(geralmente a 1,5m do solo) 5) Posicionar o aparelho na direção do maior nível. III) LEITURA 1) Resposta dinâmica lenta (SLOW) 2) Circuito de Compensação A 3) Tempo de estabilização de cinco segundos 4) Número de leituras é função da variabilidade do nível no local, sendo pelo menos 3 leituras anotando-se o valor médio. 5) Desprezar os picos de orígem impulsiva 6) Verificar periodicamente o nível das baterias. RESUMO DAS VARIÁVEIS
TIPO DE LEVANTAMENTO RUIDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE RUÍDO DE IMPACTO CÁLCULO DE ATENUAÇÃO (Rc) ANÁLISE PÔR FAIXA DE FREQUÊNCIA. CIRCUITO DE COMPENSAÇÃO dBA dBC dBL dBC dBL ESCALA ATENUAÇÃO Slow Fast Slow Slow ALTURA DO PONTO (m) 1,5 1,5 1,5 1,5

CIRCUITOS DE COMPENSAÇÃO A, B, C e D
As curvas isofônicas representam a resposta do ouvido ao estímulo do som. Observamos que ela é função da freqüência e da intensidade e que para as freqüências mais baixas, as perdas relativas são maiores que para as freqüências mais altas. A intensidade também modifica essa resposta, pois para mais altas intensidades as curvas isofônicas são mais lineares. Como a curva de resposta do ouvido é diferente da curva do aparelho(linear), se introduziu no medidor, um circuito que modifica uma resposta linear para uma parábola, aproximando-se da resposta do ouvido. Em princípio se estabeleceu três níveis de respostas diferentes: dBA(40 fones), dBB(70fones) e dBC (100 fones), no entanto era impraticável se utilizar as três, face a grande variedade de níveis do ruído ambiental. A experiência mostrou que a escala A era a que mais se aproximava da resposta do ouvido, isto é, a escala que permitia se fazer correlações entre os níveis e os efeitos no trabalhador e a escala “C” por ser a mais linear possível, é utilizada quando o equipamento não possui escala linear( é o caso do ruído de impacto que pode ser medido em dBL e dBC. Mais tarde se introduziu também o circuito de compensação D para ruído de aeroportos que são muito intensos.

Circuito de Compensação A

Unidade dBA

Aplicações Levantamentos ocupacionais e dosimetrias Atualmente não é utilizada Ruído de impacto e calculo de Atenuação de protetores auriculares Ruído de aeroportos

B C D

dBB dBC dBD

RESPOSTA RELATIVA PARA OS CIRCUITOS DE PONDERAÇÃO A, B e C ASSOCIADA ÀS CONDIÇÕES DE CAMPO LIVRE
FREQÜÊNCIA (Hz) CURVA A dB(A) CURVA B dB(B) CURVA C dB(C)

10 12,5 16 20 25 31,5 40

- 70,4 - 63,4 - 56,7 - 50,5 - 44,7 - 39,4 - 34,6

- 38,2 - 33,2 - 28,5 - 24,2 - 20,4 - 17,1 - 14,2

- 14,3 - 11,2 - 8,5 - 6,2 - 4,4 - 3,0 - 2,0

50 63 80 100 125 160 200 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 2500 3150 4000 5000 6300 8000 10000 12500 1600 20000

- 30,2 - 26,2 - 22,5 - 19,1 - 16,1 - 13,4 - 10,9 - 8,6 - 6,6 - 4,8 - 3,2 - 1,9 - 0,8 + 0,0 + 0,6 + 1,0 + 1,2 + 1,3 + 1,2 + 1,0 + 0,5 - 0,1 - 1,1 - 2,5 - 4,3 - 6,6 - 9,3

- 11,6 - 9,3 - 7,4 - 5,6 - 4,2 - 3,0 - 2,0 - 1,3 - 0,8 - 0,5 - 0,3 - 0,1 0 0 0 0 - 0,1 - 0,2 - 0,4 - 0,7 - 1,2 - 1,9 - 2,9 - 4,3 - 6,1 - 8,4 -11,1

- 1,3 - 0,8 - 0,5 - 0,3 - 0,2 - 0,1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 - 0,1 - 0,2 - 0,3 - 0,5 - 0,8 - 1,3 - 2,0 - 3,0 - 4,4 - 6,2 - 8,5 -11,2

NORMAS PARA RUIDO OCUPACIONAL E AMBIENTAL
1) NORMAS DA FUNDACENTRO (NHTs) (Normas de Higiene do Trabalho) NHT 06 R/E - Avaliação da exposição ocupacional ao ruído (contínuo ou intermitente). NHT 07 R/E - Avaliação da exposição ocupacional ao ruído (impacto) NHT 09 R/E - Norma para avaliação da exposição ao ruído(através de dosím.B&K 4431) NHO-01 – Avaliação da exposição ocupacional ao ruído (substitui as NHTs 06/07/09 2) NORMAS DA ABNT NBR-10151 comunidade. Avaliação de ruído em área habitadas visando o conforto da

NBR-10152 - Níveis de ruído para conforto acústico. NBR-7731 - Guias para execução de medição de ruído aéreo e avaliação de seus efeitos sobre o homem.

3) LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA AGENTES FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS DA ACGIH -1994-1995. COMPARAÇÃO DOS LIMITES DE TOLERÂNCIA ENTRE BRASIL e EUA
TIPO DE RUÍDO ACGIH - 1994/5 (R=3dB) NR-15 Anexos 1e2 (R=5 dB) 85 dBA 8h 88 5h 90 4h 91 3,5 h 94 2,25h 95 2h 98 1,25 h 100 1h 102 45 min. 105 30 min. 106 25 min. 110 15 min. 112 10 min. 115 7 min.

RUÍDO CONTÍNUO

OU INTERMITENTE

80 dBA 82 85 88 91 94 97 100 103 106 109 112 115 118 139

IMPACTO

24 h 16 h 8h 4h 2h 1h 30 min. 15 min. 7,5 min. 3,75 min. 1,88 min. 0,94 min. 28,12 seg. 14,06 seg. 0,11 seg. 140 dBL

130 dBL 120 dBC

CALCULO DA ATENUAÇÃO DOS PROTETORES AURICULARES
A Atenuação do protetor auricular é função do espectro do ruído no ambiente. Um protetor poderá atenuar de forma diferente dois ruídos de mesmo nível, porém de fontes diferentes como o de uma serra circular e de um motor. De um modo geral os protetores auriculares atenuam em média de 15 a 20 decibeis. Comparando-se as curvas de atenuação dos protetores auriculares, observamos que os protetores tipo inserção são mais eficientes em baixas frequências, enquanto que os tipo abafador são mais eficiente às altas frequências. Utilizando os dados de atenuação do fabricante, selecionamos dois protetores da MSA, sendo um de inserção e outro circum-auricular (concha) e obtivemos a tabela abaixo comprovando essa característica.
FREQUÊNCIA (Hertz) 125 250 500 1000 2000 3000 4000 ATENUAÇÃO CONCHA 12 13 15 29 30 38 45 EM DECIBÉIS INSERÇÃO 22 22 25 28 31 36 28

6000 8000

42 38

30 25

A utilização do protetor auricular em si só não basta para proteger o trabalhador contra a sobre exposição ao ruído, temos que ter a certeza de que a atenuação é suficiente para manter o nível abaixo do LT. A estimativa da atenuação pode ser feita através de dois modos diferentes: 1) Método NIOSH -1.

a) Medimos o ruído ambiente por faixa de oitavas. b) Subtraimos o valor da atenuação por faixa de oitavas do protetor c) Subtraimos desse valor obtido, dois desvios-padrão do protetor. d) Somamos as correções do circuito de ponderação A, e através da soma logarítima, obtemos o valor do nível em dBA que realmente atinge o ouvido do trabalhador.

2) Método NIOSH - 2 a) Medimos o ruído ambiente em dBC. b) Subtraimos desse resultado o valor do Rc do protetor, obtendo o valor em dBA que atinge o ouvido do trabalhador.
dBA = dBC - Rc + 3

O Rc é um índice de redução do protetor e análogo ao NRR Americano, que é regulamentado pela EPA. O valor do Rc deve ser fornecido pelo fabricante que de preferência deve fornecer o valor do Rc nominal e do Rc compensado para condução óssea. 3) Método NIOSH-3 Utilizamos o nível ambiente em dBA e o valor do Rc subtraído de 7.
dBA(atenuado) = dBA(medido) - (Rc - b7) + 3

O CONTROLE DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO ATRAVÉS DO USO DE PROTETORES AURICULARES Todos os Equipamentos de Proteção Individual apresentam limitações que devem ser perfeitamente conhecidas e exigem cuidados por parte do usuário na sua guarda, manutenção e sobretudo na forma correta de sua utilização. Os protetores auriculares sem sombra de dúvida também exigem muitos cuidados, podendo tornar-se ineficiente por diversas razões: - Colocação e ajuste inadequados. - Interferência através de “vazamentos” provocados pelo uso de óculos e excesso de cabelo ou barba. - Deterioração do protetor com o passar do tempo. - Utilização do tamanho incorreto, devendo-se utilizar o cálibre para se conhecer o tamanho correto. Algumas vezes existem diferenças anatomicas entre os ouvidos de uma mesma pessoa. - Torna-se necessário o ajuste do protetor quando ocorre vazamentos provocados pelo ato de falar, mascar ou comer. - Se o protetor não for utilizado em tempo integral, as perdas auditivas poderão ocorrer, apesar de se utilizar protetores muito eficientes.

Se os cálculos indicarem uma atenuação de 20 dBA e o protetor for utilizado sómente 75% do tempo de exposição (duas horas sem uso), esse protetor atenuará somente 9 dBA.

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA - ( PCA)
A empresa deverá instituir um Programa de Conservação Auditiva quando a exposição média ponderada para 8 horas de qualquer trabalhador for igual ou superior a 85 dBA LT-Média Ponderada.

1) AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE EXPOSIÇÃO A avaliação deverá ser feita conforme Norma de Higiene Ocupacional 01- NHO-01 da FUNDACENTRO ou a norma ANSI-S12.19-1996(ANSI 1996 a). A medição da exposição deverá ser feita sem considerar a utilização de protetores auriculares. a) Avaliação Inicial Avaliação inicial........................determinar locais e funções c/ NME >= 85 dBA Trabalhadores em situação estacionária e níveis contínuos............Medidor de nível sonoro ou dosímetro. Trabalhadores que: • Se movem com freqüência; • Com tarefas diferentes; Ruído intermitente ou variável; exposição b) Avaliação Periódica Monitoramento a cada dois anos Monitoramento dentro de 3 meses se houver: * Mudança no processo * Mudanças na prática de trabalho * Mudanças audiométricas c) instrumentação Instrumentos calibrados Tipo 2 (ANSI-21.3-1983 e S1.DA-1985) Para dosímetros (ANSI S1.25-1991) Resposta atenuada (Slow) Na determinação da exposição média ponderada, para ruídos contínuos, variáveis, intermitentes e impulsivo variando de 80 a 140 dBA deverão ser integrados pelo medidor.

Monitoração mais precisa, ao longo de toda a

2) CONTROLES ADMINISTRATIVOS, DE ENGENHARIA E PRÁTICAS DE TRABALHO. Controles de Engenharia Controles Administrativos Práticas de Trabalho

Exposição menor que 85 dBA

Protetores Auriculares adequados e sem custo para os trabalhadores 3) PROTETORES AURICULARES Trabalhadores orientados para o uso dos protetores Em exposição maior que 100 dBA utilizar tipo concha e inserção simultaneamente. Para compensar as diferenças conhecidas entre os valores de atenuação fornecido pelos laboratórios e a proteção obtida por um trabalhador na condição real, o Rc deverá ter uma redução da seguinte forma: Protetores tipo concha......................... subtrair 25% do valor fornecido pelo fabricante Protetores tipo inserção moldáveis...... subtrair 50% do valor fornecido pelo fabricante Outros protetores................................. subtrair 70% do valor fornecido pelo fabricante Treinamento anual sobre: uso, seleção e ajuste dos protetores.

4) VIGILÂNCIA MÉDICA A empresa deverá providenciar audiometria para todos os trabalhadores expostos a mais de 85 dBA. a) AUDIOMETRIA. Os testes audiométricos deverão ser supervisionados por um Médico do Trabalho. Testes audiométricos deverão contemplar: • • • Condução óssea, Tons Puros e Limiar auditivo nas freqüências(500,1k, 2k, 3k, 4k e 6k)

Ouvidos direito e esquerdo testados separadamente Limiar p/8k também testado como fonte útil sobre a etiologia da perda auditiva.

b) Audiograma básico

Audiograma básico antes do emprego ou no máximo dentro de 30 dias É vedada a exposição a níveis iguais ou superiores a 85 dBA 12 horas antes do teste

c) Audiograma de acompanhamento e audiograma de reteste Trabalhadores alistados no PCA deverão Ter os limiares auditivos testados anualmente. Os audiogramas deverão ser examinados imediatamente. Mudança no limiar ≥ 15 dB a 500, 1k, 2k, 3k, 4k ou 6k deverá ser feito reteste imediato. Se ocorreu uma mudança no limiar persistente, o trabalhador deverá ser informado que sua audição deve ter sido agravada e testes adicionais deverão ser necessários.

d) Audiograma de confirmação, Mudança Significativa no Limiar,, e Ação de Acompanhamento.

Havendo mudança no limiar

Audiograma de confirmação em 30 dias Registrar no prontuário do trabalhador Audiograma de confirm. Será novo básico Trabalhador informado dentro de 30 dias Medidas para evitar novas perdas

Havendo confirmação da mudança

Essas medidas • • • • •

incluem: revisão dos protetores auriculares reinstrução dos trabalhadores explanação dos efeitos das perdas aurditivas recolocação em área menos ruidosa treinamento em Programa de Conservação Auditiva

e) Audiograma demissional

Audiograma demissional: • Saída do emprego • Mudança para função não envolvendo exposição a ruído nocivo • Nas mesmas condições do audiograma básico 5) COMUNICAÇAO DE RISCO a) Placas de aviso

Placas de aviso: • Visíveis na entrada da área • Visíveis nas regiões periféricas • Escritas na linguagem predominante dos trabalhadores • Informação verbal aos incapazes de ler os avisos As placas de aviso deverão conter as seguintes informações:

ATENÇÃO ÁREA RUIDOSA RISCO DE PERDA AUDITIVA Uso obrigatório de protetores auriculares

b) Notificação aos trabalhadores Informação a todos expostos sobre: Conseqüências da exposição e sobre métodos preventivos Aos trabalhadores novos as informações deverão ser dadas antes da exposição. 6) TREINAMENTO O empregador deverá assegurar que os treinamentos sejam no mínimo anual e contenham no mínimo as informações: 1)Efeitos físicos e psicológicos do ruído e da perda auditiva; 2) Seleção, ajuste, usos e cuidados com o protetor auditivo; 3) Testes audiométricos; 4) As regras e as responsabilidades do trabalhador e do empregado na prevenção da perda auditiva. A estrutura do programa de treinamento pode variar desde reuniões formais a apresentações informais. O treinamento deverá coincidir com a entrega da informação aos trabalhadores sobre os resultados dos testes audiométricos. O empregador deverá manter um registro dos programas de treinamento e educação para cada trabalhador durante a duração do emprego e mais um ano. No término do

contrato de trabalho o empregador deverá fornecer para o trabalhador uma cópia do registro de treinamento.

7) CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA A efetividade do PCA deverá ser avaliada a nível do trabalhador e a nível programático. A avaliação a nível do trabalhador deverá ser feita na época da audiometria anual. A avaliação a nível programático deverá ser feita anualmente. A razão de incidência de mudança significativa no limiar para trabalhadores expostos deverá ser comparada com a da população não exposta a ruído ocupacional. 8) GUARDA DOS REGISTROS O empregador deverá manter os registros de acordo com os ítens a até o ítem e. a) Registro da avaliação da exposição O empregador deverá realizar e manter o registro preciso de todas a realizadas incluindo no mínimo: medições

- O nome do trabalhador monitorado; - Número de identificação; - Tarefas realizadas e locais de trabalho; - Datas e tempos das medições; - Tipo, marca, modelo e tamanho dos protetores auriculares utilizados; - As medições dos níveis de exposição; - A identificação do técnico que realizou as medições; Cópias do histórico de exposição do trabalhador, deverão ser incluídas na ficha de avaliação médica individual. b) Registro dos Acompanhamentos Médicos O empregador deverá estabelecer e manter um registro preciso para cada trabalhador sujeito ao acompanhamento médico. Estes registros deverão incluir no mínimo informações como:

-

Nome do trabalhador; Número de identificação; Tarefas realizadas e locais dos trabalhos; Histórico médico, de emprego e de exposição ao ruído; Datas, tempos e tipos de testes realizados(i.e. básico, anual , reteste, confirmação); Horas desde a última exposição antes de cada teste; Limiares de audição nas freqüências recomendadas;

-

Identificação do técnico que realizou a avaliação; A etiologia de qualquer mudança no limiar; Identificação do revisor.

c) Retenção do Registro Os registro deverão permanecer na empresa pelo menos nos seguintes períodos: • • 30 anos para os registro da monitoração da exposição Duração do emprego mais 30 anos para os registros de monitoração médica.

Além disso, os registros das calibrações do audiômetro e das medições do ruído em salas de testes audiométricos deverão ser mantidos por cinco anos. d) Disponibilidade dos Registros O acesso á exposição do empregado e os registros médicos, deverá ser permitido, sob solicitação, bem como fornecidas cópias destes registros ao trabalhador, ou a qualquer pessoa com autorização apropriada. e) Transferência dos Registros O empregador deverá concordar com a transferência dos registros f) Normas ANSI Todas as normas ANSI referidas deverão ser substituídas pela última versão disponível.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->