Você está na página 1de 25

P.P.R.

Programa de Proteção Respiratória

Relatório 2005.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 2

1. Dados da empresa:

Razão Social .......................................... VANZIN INDUSTRIAL AUTO PEÇAS LTDA

CNPJ ...................................................... 83. 407. 304 / 0001 - 03

Inscrição Estadual ................................. 250. 538. 571

Forma Jurídica ......................................... SOCIEDADE

Localização .............................................. Acesso BR 282 Km 507


Bairro Centro
CEP 89820-000
Xaxerê – Santa Catarina

Fone ......................................................... (049) 441 5000

Atividade principal .................................. Ind. escapamentos e acessórios para veículos


automotores

Grau de Risco ......................................... 03 (três)

Código de atividade ................................ 3449-5


P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 3

1.1- Avaliação atual das atividades desenvolvidas na empresa:

Avaliação atual das atividades desenvolvidas na empresa

A empresa continua desenvolvendo atividade no setor de indústria de escapamentos e


outros acessórios para veículos automotores.

Setores de Trabalho

A empresa continua dividida entre as áreas:


• Administrativo
- Presidência
- Administrativo e Financeiro
- Custos Industriais
- Tecnologia da Informação
- Controladoria
- Depto Pessoal
- Recursos Humanos
- Secretaria

• Comercial
- Comercial
- Marketing
- Show Room
- Comercial Exportação

• Apoio a Produção:
- Engenharia de Processo
- Engenharia de Produto
- Engenharia da Qualidade
- Engenharia de Acessórios
- Administração de materiais
- Administração da produção
- Manutenção industrial
- Matrizaria, Ferramentaria
- Segurança Patrimônio
- Limpeza e Conservação
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 4

• Produção Direta
- Montagem miolo
- Montagem de silenciosos
- Dobras de tubos
- Solda Zapp
- Pintura a pó Zapp
- Tubos pesados montagem SLC
- Estamparia
- Solda
- Esportivo
- Pintura
- Cromagem
- Pintura Montadora
- Moldagem lã de vidro (isolante acústico)
- Ponteiras Zapp
- Fabrica componentes Zapp
- Fabrica catalizadores
- Semi Roboque
- Máquina Dobrar Tubos
- Ponteiras
- Engates protetores
- Montagem de Reboque
- Pintura de Acessórios

• Distribuição:
- Armazenagem e expedição
- Distribuição e Transporte

Das instalações da empresa

Área Administrativa:
O ambiente constitui-se em construção em alvenaria, sendo piso tipo cerâmica, iluminação artificial
proporcionado por meio de lâmpadas fluorescentes e naturais provinda das aberturas, sendo
janelas do tipo panorâmicas, favorecendo assim ventilação e iluminação adequado aos postos de
trabalho na área administrativa.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 5

Área Comercial:
O ambiente constitui-se em construção em alvenaria, sendo piso tipo cerâmica, iluminação artificial
proporcionado por meio de lâmpadas fluorescentes e naturais provinda das aberturas, sendo
janelas do tipo panorâmicas, favorecendo assim ventilação e iluminação adequado aos postos de
trabalho na área comercial.

Área Produção Direta:


O ambiente constitui-se em construção em alvenaria, sendo conjunto de barracão do tipo industrial,
com piso tipo cimentado polido e pintado em cinza, iluminação artificial por meio de lâmpadas tipo
calhas fluorescentes, e iluminação natural provinda das aberturas, sendo janelas do tipo
basculantes localizada na parte superiores das paredes, favorecendo iluminação adequada aos
postos de trabalho.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 6

2.0- Introdução ao programa de proteção respiratória:

A Vanzin Industrial Auto Peças Ltda, industria metalúrgica, atua na atividade de industria e
comercio de acessórios para veículos automotores, estabelecida no município de Xanxerê, adota o
uso de proteção respiratória como forma de minimizar a exposição dos trabalhadores a
contaminantes. Através da implementação deste Programa de Proteção Respiratória, conforme
especificado a seguir, a empresa procura a proteção de seus trabalhadores contra a inalação de
contaminantes, na qual prejudiquem sua saúde.

Justificativa legal PPR:

Instrução Normativa nº 1, de 11 de abril de 1994, Estabelece regulamente técnico sobre o uso de


equipamentos para proteção respiratória. Estabelece como recomendação o Programa de
Proteção Respiratória da Fundacentro (recomendação, seleção e uso de respiradores).

Justifica técnica:

Este trabalho tem como meta primordial assegurar que todos trabalhadores - empregados,
terceiros e visitantes - no desempenho de suas atividades profissionais em suas áreas fabris,
tenham suas condições de saúde preservadas.

O objetivo deste Programa é assegurar proteção à todos os trabalhadores contra riscos


respiratórios pelo uso correto de respiradores. Os respiradores somente podem ser usados nesta
empresa:
- onde as medidas de controle coletivo dos riscos respiratórios não são viáveis;
– enquanto as medidas de controle coletivo estão sendo adotadas;
– nas emergências.

2.1- Objetivos do programa de proteção respiratória:

No controle das doenças ocupacionais provocadas pela inalação de ar contaminado com, por
exemplo, poeiras, fumos, névoas, gases e vapores, o objetivo principal deve ser minimizar a
contaminação do local de trabalho. Isso deve ser alcançado, tanto quanto possível, pelas medidas
de controle de engenharia (enclausuramento, ventilação, ou substituição de substâncias por outras
menos tóxicas).
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 7

Quando as medidas de controle não são viáveis, ou enquanto estão sendo implantadas ou
avaliadas, ou em situações de emergência, devem ser usados respiradores apropriados em
conformidade com as necessidades.

O objetivo deste programa é levantar os principais contaminantes nos locais de trabalho, definir
métodos de avaliação, quantificação e controle dos mesmos. Evitar a exposição dos trabalhadores
a contaminantes capazes de prejudicar a saúde, através de métodos de proteção coletiva ou
individual.

2.2- Glossário de Termos:

TLV (Threshold Limit Values) – Limite de torância ACGIH

OSHA (Occupational Safety and Health Administration) – Departamento de Segurança e Saúde


Ocupacional Americana.

Fator de Proteção – é a relação da concentração de uma substância presente no ar atmosférico


com uma concentração desta mesma substância dentro do equipamento, na zona de respiração do
usuário.

CA – Certificado de Aprovação do Ministério do Trabalho.

NR.6 – Norma Regulamentadora nº 6 do Ministério do Trabalho.

NR 15 – Norma Regulamentadora nº 15 do Ministério do Trabalho.

IPVS – Imediatamente perigoso a vida e a saúde (IDHL – Immediately Dangerous to Health and
Life).

ACGIH (American Conference of Governmental Industrial Hygienists) – Conferência Americana de


Higienistas Industriais Governamentais.

NIOSH (National Institute for Occupational Safety and Health) – Instituto Nacional para Segurança
e Saúde Ocupacional.

AIHA (American Industrial Hygiene Association) – Associação Americana de Higiene Industrial.

ppm (partes por milhão) – partes do contaminante por milhão de partes de ar.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 8

mg/m3 – miligramas do contaminante por metro cúbico de ar.

PEL (Permissible Exposure Level) – Nível de exposição permitida pela OSHA.

WEEL (Workplace Environmental Exposure Level) – Nível de Exposição Ambiental permitida pela
NIOSH.

TWA (Time Weighted Avarage) – Concentração média ponderada diária.


TLVs Valores Tetos (Ceiling) – valor máximo da concentração instantânea.

STEL (Short-Term Exposure Limit) – limite de exposição para períodos curtos.

3.0- Responsabilidades:

3.3.1- Do empregador:

Para que a saúde do usuário seja preservada, o empregador deve, com auxilio da área de
segurança no trabalho, no mínimo:
a) fornecer o respirador, quando necessário, para proteger a saúde do trabalhador;
b) fornecer o respirador conveniente e apropriado para o fim desejado;
c) ser responsável pelo estabelecimento e manutenção de um programa de uso de
respiradores para proteção respiratória (responsabilidade área de segurança no trabalho);
d) permitir ao empregado que usa o respirador deixar a área de risco por qualquer motivo
relacionado com o seu uso;
e) Investigar a causa do mau funcionamento do respirador e tomar providências para sana-
las.

3.3.1- Dos empregados:

Para que as medidas implantadas surtam efeito o usuário deve, no mínimo:


a) usar o respirador fornecido de acordo com as instruções e treinamento recebidos;
b) guardar o respirador, quando não estiver em uso, de modo conveniente para que não se
danifique ou deforme;
c) se observar que o respirador não está funcionando bem, deverá deixar imediatamente a
área contaminada e comunicar a área de segurança no trabalho;
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 9

d) comunicar à área de segurança qualquer alteração do seu estado de saúde que possa
influir na capacidade de uso do respirador de modo seguro.

4. Classificação e descrição sumária dos equipamentos de proteção respiratória

a) Respiradores de adução de ar:


Esta classe de respiradores supre, ao usuário, ar ou outro gás respirável vindo de uma atmosfera
independente do ar ambiente. Pertencem a esta categoria: as máscaras autônomas, os
respiradores de linha de ar comprimido, os respiradores de linha de ar comprimido com cilindro
auxiliar para fuga e os respiradores de ar natural.
Os respiradores de adução de ar proporcionam proteção contra contaminantes presentes no ar,
bem como contra a inalação de ar com deficiência de oxigênio.

b) Respiradores purificadores de ar:


Nestes respiradores o ar ambiente passa através de um elemento filtrante que remove aerossóis,
gases, vapores ou a combinação desses contaminantes. Nos respiradores de pressão negativa a
cobertura das vias respiratórias é do tipo com vedação facial. Os respiradores purificadores de ar
motorizados são equipados com bateria, motor e ventoinha, transportados junto ao corpo do
usuário.
Os respiradores purificadores de ar não protegem o usuário em atmosferas com deficiência de
oxigênio, somente são utilizados em ambientes com teor de oxigênio acima de 18%.
A máxima concentração na qual pode ser utilizado o respirador purificador de ar depende da
eficiência do filtro mecânico, da capacidade do filtro químico (de baixa capacidade, cartucho
pequeno, médio ou grande) e do tipo da peça facial, isto é, do Fator de Proteção Atribuído.
O período de tempo durante o qual o usuário estará protegido depende do tipo de filtro,
concentração do contaminante, temperatura, umidade do ambiente e do nível de esforço
desenvolvido pelo usuário.

b.1) Respiradores purificadores de ar com filtro químico:


Estes respiradores com filtro químico podem ter como cobertura das vias respiratórias uma peça
um quarto facial, semifacial, facial inteira, semifacial filtrante ou bocal. Os filtros químicos podem
ser de baixa capacidade (FBC), pequenos (classe1), médios (classe2) ou grandes (classe3), para
remoção de um único vapor ou gás do ar (por exemplo, cloro), uma classe de vapores ou gases
(vapores orgânicos, por exemplo), ou uma combinação de dois ou mais tipos de vapores ou gases
(por exemplo, vapores orgânicos e gases ácidos).
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 10

b.2) Respiradores purificadores de ar com filtro mecânico:


Estes respiradores com filtro mecânico podem ter como cobertura das vias respiratórias uma peça
um quarto facial, semifacial, facial inteira ou peça semifacial filtrante. Os filtro mecânicos podem ser
da classe P1, P2 ou P3. Os filtros podem ser substituíveis ou podem constituir a própria cobertura
das vias respiratórias, como as peças semifaciais filtrantes PFF1, PFF2 ou PFF3.
Proporcionam proteção somente contra aerossóis;não oferecem nenhuma proteção contra gases e
vapores.

b.3) Respiradores purificadores de ar com filtro combinado:


Estes respiradores possuem filtro mecânico e filtro químico superpostos para a remoção
simultânea de aerossóis, gases e vapores do ar. O filtro pode ser substituível ou constituir a própria
peça semifacial (FBC1 com PFF).

b.4) Combinação de respirador de adução de ar e purificador de ar:


Estes respiradores podem operar como de adução ou como purificador de ar. Enquanto o elemento
purificador está sendo utilizado para a remoção dos contaminantes do ar, o modo adução de ar
não está sendo usado (por exemplo, para locomoção do usuário numa área contaminada até o
ponto de uso do respirador de adução).

5. Áreas ou processos de fabricação que necessitam de proteção respiratória

Os setores e atividades na qual necessitam de proteção respiratória, avaliando-se


quantitativamente e qualitativamente, são abaixo descritos:

Setor/Local Atividades Tipo de contaminante


Manutenção Soldagem Fumos solda
Pintura Vapores tintas/solventes
Solda Soldagem Fumos solda
Solda Zapp Soldagem Fumos solda
Pintura Pintura Névoas e vapores de tintas/solventes
Limpeza peças Vapores de solvente
Pintura montadora Pintura Névoas e vapores de tintas/solventes
Limpeza peças Vapores (detergente limpeza)
Pintura a pó Zapp Pintura Pó de tinta
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 11

Cromagem Cromagem peças Vapores de produtos (cromo, outros)


Polimento Polir peças Poeira
Isolante Acústico Moldagem lã Poeira de lã de basalto
Montagem Silencioso Embutir lã silencioso Poeira de lã de basalto
(montagem miolo)
Pintura Reboque Lixar (acabamento) Poeira
Pintura Névoas e vapores de tintas e solventes

Obs.: FISPQ – Ficha de informação de segurança de produto químico, dos produtos usados na
empresa estão em meio magnético, arquivados no sistema do setor de engenharia de segurança.

6. Seleção dos Respiradores:

Identificação dos riscos, para escolha de respiradores.


A natureza do risco respiratório, foi determinada do seguinte modo:
a) determinação dos contaminantes existentes nos ambientes de trabalho;
b) verificação da existência de limites de tolerância para esses contaminantes;
c) verificação da existência de regulamento ou legislação específica para o contaminante;
d) avaliado de forma quantitativa a concentração dos contaminantes;
e) avaliado as formas de penetração do contaminante no corpo de trabalhador (absorção
cutânia, via respiratória, olhos);

Na seleção dos respiradores, foram considerados os itens abaixo:


a) atividade dos usuários, características da tarefa;
b) condições de uso dos respiradores;
c) localização da área de risco;
d) características e limitações dos respiradores;

Na seleção dos respiradores (tipo e classe) aprovados e em uso, foram considerados os itens
abaixo:
a) respiradores aprovados, com respectivo CA (certificado de aprovação) emitido pelo
Ministério do Trabalho e Emprego.
b) conforto ao usuário;
c) proteção adequada, eficiente e eficaz.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 12

Com Peça semifacial filtrante para partículas (PFF)


É a chamada máscara descartável. Leve, confortável e de baixo custo. Oferece proteção contra
poeiras, névoas e fumos. Dispensa limpeza, manutenção e higienização .Para uso em até 10
vezes o Limite de Tolerância. Existem tipos especiais, denominadas de Filtros de Baixa
Capacidade (FBC) com camada de carvão ativo para baixas concentrações de vapores orgânicos
ou de alguns gases ácidos.

Com peça semifacial, de baixa manutenção, com filtros químicos/mecânicos


Peça semifacial de baixo custo e filtros substituíveis. A peça facial permite limpeza, mas não a
substituição de componentes, exceto os filtros. Reduz o tempo de treinamento e custos de peças
de reposição. Indicado para até 10 vezes o Limite de Tolerância, desde que menor que a
concentração IPVS, ou menor que a Máxima Concentração de Uso do filtro químico.

Com peça semifacial com filtros substituíveis


Leve, fácil manutenção, pequena restrição à visão e aos movimentos. Os filtros são substituíveis.
Poucas peças de reposição. Protege contra poeiras, névoas, fumos, gases e vapores. Indicado
para até 10 vezes o Limite de Tolerância, desde que menor que a concentração IPVS, ou menor
que a Máxima Concentração de Uso do filtro químico.

Com peça facial inteira e filtros substituíveis


Oferece proteção muito maior que a semifacial. Protege os olhos. Pode usar filtro químico
pequeno, médio ou grande. Poucas peças de reposição. Protege contra poeiras, névoas, fumos,
gases e vapores. Indicado para até 100 vezes o Limite de Tolerância, desde que menor que a
concentração IPVS, ou menor que a Máxima Concentração de Uso do filtro químico.

Motorizado, com peça facial inteira e filtros substituíveis


Mais confortável de usar que os não motorizados resultando maior produtividade. Usa filtros
químicos ou mecânicos fixados na peça facial ou no cinturão. A bateria alimenta o motor de uma
ventoinha que força o ar através do filtro até a peça facial. Indicado para até 1000 vezes o Limite
de Tolerância (com P3, ou 100 vezes o LT, com P2) desde que menor que a concentração IPVS,
ou menor que a Máxima Concentração de Uso do filtro químico.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 13

6.1 Protetores selecionados, e em uso:

Nº do CA: 448 Nº do Processo: 46000.008297/82-22

Data de Emisão: 2/8/2002 Validade: 02/08/2007


Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE
PARA PARTÍCULAS PFF1 (USADO SETORES PINTURA)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR DE SEGURANÇA, TIPO PEÇA
SEMIFACIAL FILTRANTE PARA PARTÍCULAS, COR BRANCA, COM FORMATO
TIPO CONCHA, COM SOLDA TÉRMICA EM SEU PERÍMETRO. NAS LATERAIS
DA PEÇA EXISTEM QUATRO GRAMPOS METÁLICOS, SENDO DOIS DE CADA
LADO, POR ONDE PASSAM AS PONTAS DE DOIS TIRANTES ELÁSTICOS
BRANCOS. A PARTE SUPERIOR INTERNA DA PEÇA POSSUI UMA TIRA DE
ESPUMA CINZA E A PARTE SUPERIOR EXTERNA UMA TIRA DE MATERIAL
METÁLICO MOLDÁVEL. REF.: 3M 8713B; 3M 8713B - P.

Dados Complementares

Norma: NBR 13698/1996


Fabricante: 3M DO BRASIL LTDA
Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS DO USUÁRIO CONTRA POEIRAS E NÉVOAS.
Observação: Não Informado.

Nº do CA: 6710 Nº do Processo: 46000.014659/46-86

Data de Emisão: 3/1/2005 Validade: 03/01/2010


Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE
PFF1 COM FBC1 (USADO SETOR ISOLANTE ACUSTICO)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR DE SEGURANÇA, TIPO FILTRO QUÍMICO
DE BAIXA CAPACIDADE, MODELO DOBRÁVEL, INCORPORADO A UMA PEÇA
SEMIFACIAL FILTRANTE PARA PARTÍCULAS, SOLDADO COM SOLDA ULTRA-
SÔNICA EM TODO SEU PERÍMETRO E COM FACE EXTERNA NA COR PRETA
ACINZENTADA E INTERNA (QUE FICA EM CONTATO COM A FACE DO
USUÁRIO) NA COR AZUL CLARA. NAS LATERAIS EXTERNAS DO
RESPIRADOR SÃO FIXADAS DUAS PRESILHAS DE MATERIAL PLÁSTICO DE
COR PRETA, UMA DE CADA LADO, ATRAVÉS DAS QUAIS PASSAM DOIS
TIRANTES ELÁSTICOS PRETOS, ENTRELAÇADOS NAS PRESILHAS,
PERFAZENDO QUATRO ALÇAS: DUAS NA PARTE SUPERIOR, PARA FIXAÇÃO
DA PEÇA NA ALTURA DA NUCA E DUAS NA PARTE INFERIOR, PARA
FIXAÇÃO NA ALTURA DO PESCOÇO DO USUÁRIO. O RESPIRADOR POSSUE
UMA VÁLVULA DE EXALAÇÃO NA LATERAL DIREITA, UMA TIRA EM
MATERIAL METÁLICO MOLDÁVEL FIXADA NA PARTE SUPERIOR EXTERNA.
REF.: ORGAN PFF-1 V.

Dados Complementares

Norma: NBR 13696/1996 (FILTRO QUÍMICO E COMBINADO) E NBR 13698/1996 (PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE).
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 14

Fabricante: EPICON INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS E CONTRA VAPORES ORGÂNICOS ATÉ 50 ppm , POEIRAS E
NÉVOAS.
Observação: PARA A ADEQUADA UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA, DEVEM SER
OBSERVADAS AS RECOMENDAÇÕES DA FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E
MEDICINA DO TRABALHO - FUNDACENTRO CONTIDAS NA PUBLICAÇÃO INTITULADA "PROGRAMA DE
PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA - RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES", ALÉM DO
DISPOSTO NAS NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO.

Nº do CA: 6709 Nº do Processo: 46000.014661/46-55

Data de Emisão: 3/1/2005 Validade: 03/01/2010


Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE PFF2 COM
FBC1 (USADO SETOR ISOLANTE ACUSTICO)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR DE SEGURANÇA, TIPO FILTRO QUÍMICO DE BAIXA
CAPACIDADE, MODELO DOBRÁVEL, INCORPORADO A UMA PEÇA SEMIFACIAL
FILTRANTE PARA PARTÍCULAS, SOLDADO COM SOLDA ULTRA-SÔNICA EM TODO SEU
PERÍMETRO E COM FACE EXTERNA NA COR PRETA ACINZENTADA E INTERNA (QUE
FICA EM CONTATO COM A FACE DO USUÁRIO) NA COR AZUL CLARA. NAS LATERAIS
EXTERNAS DO RESPIRADOR SÃO FIXADAS DUAS PRESILHAS DE MATERIAL PLÁSTICO
DE COR PRETA, UMA DE CADA LADO, ATRAVÉS DAS QUAIS PASSAM DOIS TIRANTES
ELÁSTICOS PRETOS, ENTRELAÇADOS NAS PRESILHAS, PERFAZENDO QUATRO
ALÇAS: DUAS NA PARTE SUPERIOR, PARA FIXAÇÃO DA PEÇA NA ALTURA DA NUCA E
DUAS NA PARTE INFERIOR, PARA FIXAÇÃO NA ALTURA DO PESCOÇO DO USUÁRIO. O
RESPIRADOR POSSUE UMA TIRA EM MATERIAL METÁLICO MOLDÁVEL FIXADA NA
PARTE SUPERIOR EXTERNA. REF.: ORGAN N95 - PFF.2
Dados Complementares

Norma: NBR 13696/1996 (FILTRO QUÍMICO E COMBINADO) E NBR 13698/1996 (PEÇA


SEMIFACIAL FILTRANTE)
Fabricante: EPICON INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PROTEÇÃO INDIVIDUAL
Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS CONTRA VAPORES ORGÂNICOS ATÉ 50
ppm, E POEIRAS, NÉVOAS E FUMOS.
Observação: PARA A ADEQUADA UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA,
DEVEM SER OBSERVADAS AS RECOMENDAÇÕES DA FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT
FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - FUNDACENTRO
CONTIDAS NA PUBLICAÇÃO INTITULADA "PROGRAMA DE PROTEÇÃO
RESPIRATÓRIA - RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES", ALÉM
DO DISPOSTO NAS NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO
TRABALHO.
Laudo/Atenuação

Tipo do Laudo: Laboratório

Laboratório: FUNDACENTRO / SP

Número Laudo: 259/2004-A Data do Laudo: Não Informado


Responsável: Não Informado Registro Profissional: Não Informado

Nº do CA: 2072 Nº do Processo: 46000.007956/79-


11
Data de Emisão: 26/7/2002 Validade: 26/07/2007
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 15

Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE PARA


PARTÍCULAS PFF2 (USADO SETORES SOLDA, POLIMENTO)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE PARA
PARTÍCULAS, COM FORMATO TIPO CONCHA NA COR BRANCA, COM SOLDA
TÉRMICA EM SEU PERÍMETRO. O RESPIRADOR POSSUI CAMADAS EM FIBRA
SINTÉTICA DE POLIPROPILENO. NAS LATERAIS DA PEÇA EXISTEM QUATRO
GRAMPOS MÉTALICOS, SENDO DOIS DE CADA LADO, POR ONDE PASSAM AS
PONTAS DE DOIS TIRANTES ELÁSTICOS BRANCOS. A PARTE SUPERIOR INTERNA
DA PEÇA POSSUI UMA TIRA DE ESPUMA CINZA E A PARTE SUPERIOR EXTERNA
UMA TIRA DE MATERIAL METÁLICO MOLDÁVEL. REF.: 3M 8801; 3M 8801 - P

Dados Complementares

Norma: NBR 13698/1996 (PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE)


Fabricante: 3M DO BRASIL LTDA
Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS DO USUÁRIO CONTRA POEIRAS, NÉVOAS E
FUMOS.
Observação: Não Informado.

Nº do CA: 4115 Nº do Processo: 46000.007382/73-35

Data de Emisão: 18/2/2005 Validade: 18/02/2010


Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL (USADO SETOR
PINTURA E CROMAGEM)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR DE SEGURANÇA, TIPO PEÇA
SEMIFACIAL NOS TAMANHOS PEQUENO, MÉDIO E GRANDE, COM CORPO
MOLDADO EM PLÁSTICO E ELASTÔMERO SINTÉTICO CINZA, COM
TONALIDADE DIFERENTE DE ACORDO COM O TAMANHO. O CORPO DA
PEÇA POSSUI, NAS LATERAIS, DUAS VÁLVULAS DE INALAÇÃO, COM
ENCAIXES TIPO BAIONETA, NOS QUAIS OS FILTROS SÃO FIXADOS
DIRETAMENTE. OPCIONALMENTE, PODE-SE FIXAR UM SUPORTE
ADAPTADOR NOS ENCAIXES PARA UTILIZAÇÃO DE FILTROS DE FORMATOS
DIFERENTES. NA PARTE CENTRAL DO CORPO DA PEÇA LOCALIZA-SE UMA
VÁLVULA DE EXALAÇÃO. O RESPIRADOR PODE SER DOTADO DE: UM
SUPORTE DE MATERIAL PLÁSTICO, RÍGIDO, FIXADO NA PARTE CENTRAL
FRONTAL ATRAVÉS DE ENCAIXE, O QUAL TAMBÉM ATUA COMO
COBERTURA (TAMPA) DA VÁVULA DE EXALAÇÃO, O SUPORTE POSSUI
QUATRO ABERTURAS, SENDO DUAS NAS LATERAIS SUPERIOR E DUAS NAS
LATERAIS INFERIORES, PELAS QUAIS PASSAM DOIS TIRANTES ELÁSTICOS
COM SISTEMA DE AJUSTE NAS PONTAS DO SUPORTE PARA CABEÇA; OU
UM SISTEMA DE HASTES COM PONTAS FLUTUANTES, DOTADAS, NA PARTE
CENTRAL, DE UM ENCAIXE QUE ATUA COMO TAMPA DA VÁLVULA DE
EXALAÇÃO, FIXADAS AO CORPO DA PEÇA ATRAVÉS DE DOIS BOTÕES. AS
PONTAS DESSAS HASTES POSSUEM QUATRO TIRANTES ELÁSTICOS,
AJUSTÁVEIS, DOTADOS DE UM SUPORTE PARA CABEÇA. REF.: PEÇA
SEMIFACIAL SÉRIE - 6000: 6100 P (CINZA CLARO); 6200 M (CINZA MÉDIO) E
6300 G (CINZA ESCURO); 6100 DD P (CINZA CLARO); 6200 DDM (CINZA
MÉDIO); 6300 DDG (CINZA ESCURO); FILTROS QUÍMICOS CLASSE 1 SÉRIE
6000: 6001 - VAPORES ORGÂNICOS; 6002 - GASES ÁCIDOS; 6003 - VAPORES
ORGÂNICOS E GASES ÁCIDOS; 6004 - AMÔNIA E METILAMINA; 6005 -
FORMALDEIDO; 6006 - VAPORES ORGÂNICOS, GASES ÁCIDOS,
FORMALDEÍDO, AMÔNIA E GÁS SULFÍDRICO (ESCAPE); 6009 - VAPOR DE
MERCÚRIO E GÁS CLORO; FILTROS QUÍMICOS COMBINADOS (QUÍMICOS
MAIS MECÂNICOS) CLASSE 1: 60921 - VAPORES ORGÂNICOS, MAIS
POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E RADIONUCLÍDEOS (P3); 60922 - GASES
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 16

ÁCIDOS, GÁS SULFÍDRICO (ESCAPE) MAIS POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E


RADIONUCLÍDEOS (P3); 60926 - VAPORES ORGÂNICOS, GASES ÁCIDOS,
AMÔNIA, METILAMINA, FORMALDEIDO, GÁS SULFÍDRICO (ESCAPE) MAIS
POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E RADIONUCLÍDEOS (P3), FILTROS MECÂNICOS:
5N11- PARA POEIRAS, NÉVOAS E FUMOS (P2); 2071 - PARA POEIRAS,
NÉVOAS E FUMOS (P2; 2076HF - POEIRAS, NÉVOAS E FUMOS - P2; 2078 -
POEIRAS, NÉVOAS E FUMOS - P2; 2091 - PARA POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E
RADIONUCLÍDEOS (P3; 2096 - POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E
RADIONUCLÍDEOS - P3; 2097 - POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E
RADIONUCLÍDEOS - P3; 7093 - PARA POEIRAS, NÉVOAS, FUMOS E
RADIONUCLÍDEOS P3.

Dados Complementares

Norma: NBR 13694/96 (PEÇA SEMIFACIAL); NBR 13696/96 (FILTROS QUÍMICOS E


COMBINADOS) E NBR 13697/96 (FILTROS MECÂNICOS).
Fabricante: 3M DO BRASIL LTDA
Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS DO USUÁRIO PARA USO COM FILTROS
MECÂNICOS, QUÍMICOS E COMBINADOS.
Observação: PARA A ADEQUADA UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA,
DEVEM SER OBSERVADAS AS RECOMENDAÇÕES DA FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT
FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - FUNDACENTRO
CONTIDAS NA PUBLICAÇÃO INTITULADA "PROGRAMA DE PROTEÇÃO
RESPIRATÓRIA - RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES", ALÉM
DO DISPOSTO NAS NORMAS REGULAMENTADORAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO
TRABALHO.

Nº do CA: 11187 Nº do Processo: 46000.002679/26-12

Data de Emisão: 30/11/2000 Validade: 30/11/2005


Tipo do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR TIPO PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE
PARA PARTÍCULAS PFF1 (USADO SETOR MONTAGEM MIOLO)
Natureza: Nacional
Descrição do Equipamento: RESPIRADOR PURIFICADOR DE AR DE SEGURANÇA, TIPO PEÇA
SEMIFACIAL FILTRANTE PARA PARTÍCULAS, COM FORMATO DE CONCHA
DOBRÁVEL, APRESENTANDO O LADO EXTERNO NA COR AZUL E O LADO
INTERNO NA COR BRANCA, COM SOLDA ULTRASÔNICA EM TODO SEU
PERÍMETRO. AS LATERAIS DOS RESPIRADORES POSSUEM UMA SALIÊNCIA
UTILIZADA PARA A FIXAÇÃO, ATRAVÉS DE COSTURA, DE DOIS TIRANTES
ELÁSTICOS PARA AJUSTE DA PEÇA À CABEÇA DO USUÁRIO. A PARTE
SUPERIOR EXTERNA DOS RESPIRADORES POSSUI UMA PEÇA DE
MATERIAL METÁLICO MOLDÁVEL. REF.: MÁSCARA DESCATÁVEL PFF1 -
LOTE ADHI 021

Dados Complementares

Norma: NBR 13698/1996 (PEÇA SEMIFACIAL FILTRANTE)


Fabricante: SBPR SISTEMA BRASILEIRO DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA LTD
Aprovado: PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS DO USUÁRIO CONTRA PARTÍCULAS,
POEIRAS E NÉVOAS.
Observação: Não Informado.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 17

Laudo/Atenuação

Tipo do Laudo: Laboratório

Laboratório: FUNDACENTRO / SP

Número Laudo: 492/2000-A Data do Laudo: Não Informado


Responsável: Não Informado Registro Profissional: Não Informado

6.2 Uso Correto de EPI's:

Respiradores Sem Manutenção

O respirador deve ser apoiado inicialmente no queixo. Depois, posicione-o de forma que a boca e o
nariz fiquem cobertos. Em seguida, puxe o elástico de baixo, passando-o pela cabeça e ajustando-
o na nuca. Faça o mesmo com o elástico superior, ajustando-o bem acima das orelhas.

Com dois dedos de cada mão, pressione a peça de alumínio de forma a moldá-lo ao seu formato
de nariz.

Para verificar o ajuste, coloque as mãos na frente do respirador cobrindo toda sua superfície e
inale. O ar não deve passar pelas laterais.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 18

Esta é a forma correta de utilizar este tipo de respirador.

E não se esqueça: para que os Respiradores tenham um bom tempo de duração e conservação,
são necessários alguns cuidados.

Respiradores de Borracha, Silicone ou Elastômero com Manutenção

Coloque o respirador no rosto e posicione o elástico superior sobre a cabeça. Encaixe os elásticos
inferiores (de baixo) ligando as presilhas atrás do pescoço.

Puxe as extremidades dos elásticos superiores, e depois os inferiores, para fazer ajuste do
respirador ao rosto.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 19

Para verificar a vedação com pressão positiva, coloque a palma da mão sobre a válvula de
exalação e assopre suavemente várias vezes. A peça facial deverá se expandir suavemente sem
ocorrer vazamento.

Para realizar o teste de pressão negativa, coloque as mãos sobre os cartuchos e/ou filtros e inale
com força várias vezes. A peça facial deverá comprimir-se levemente contra o rosto sem ocorrer
vazamentos.

7. Treinamentos:

Com a finalidade de garantir o uso correto dos equipamentos de proteção respiratória, receberão
treinamento adequado e reciclagem periódica: supervisores e encarregados de áreas, os usuários.
O treinamento será realizado pela área de segurança no trabalho, devidamente registrado.

Supervisor
O supervisor, isto é, aquele que tem a responsabilidade de acompanhar a realização do trabalho
de uma ou mais pessoas que necessitem usar equipamento de proteção respiratória, deve receber
treinamento adequado que inclua, no mínimo, os seguintes tópicos:
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 20

• Conhecimentos básicos sobre práticas de proteção respiratória;


• Natureza e extensão dos riscos respiratórios a que as pessoas que estão sob sua supervisão
estão ou poderão ficar expostas;
• Reconhecimento e resolução dos problemas decorrentes do uso de respiradores;
• Princípios e critérios de seleção dos equipamentos de proteção respiratória, usados pelas
pessoas que estão sob sua supervisão;
• Treinamento para usuários de respiradores;
• Inspeção dos equipamentos tipo respiradores;
• Uso e monitoramento do uso dos respiradores;
• Manutenção e guarda dos respiradores;
• Regulamentos e legislação relativos ao uso dos respiradores.

Pessoa que distribui o respirador


Os respiradores são distribuídos aos usuários pelo almoxarife da empresa, mediante apresentação
do respirador usado é entregue o respirador novo.
O almoxarife para distribuir os respiradores, recebe treinamento adequado, a fim de se garantir que
o trabalhador receba o respirador adequado para a tarefa, definido pelos procedimentos
operacionais escritos pela área de segurança no trabalho.
As peças de reposição aos respiradores com manutenção é feita mediante solicitação do usuário,
com a avaliação da área de segurança.

Usuário de equipamentos de proteção individual


Para garantir o uso correto do respirador, todo usuário deverá receber um treinamento mínimo, que
deve incluir os seguintes itens:
• A necessidade do uso da proteção respiratória;
• A natureza, extensão e os efeitos dos riscos respiratórios encontrados no ambiente de
trabalho;
• A necessidade de informar o seu supervisor de qualquer problema que tenha ocorrido consigo
devido ao uso do respirador; ou com seus colegas de trabalho;
• Explicação do porquê de a proteção coletiva não estar sendo realizada, ou não ser adequada,
e o que está sendo feito para diminuir ou eliminar a necessidade de uso de proteção
respiratória;
• Explicação do porquê de ter sido escolhido aquele tipo de equipamento de proteção
respiratória contra aquele risco respiratório;
• Explicação sobre a operação, capacidade e limitações do equipamento respiratório
selecionado;
• Instrução sobre uso, conservação e higienização do respirador
• Normas e regulamentos sobre uso de respiradores;

Freqüência do treinamento:
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 21

O usuário receberá treinamento inicial, quando designado para uma atividade que exija o uso de
respirador, que deverá se repetir, no mínimo cada 12meses. Todos os treinamentos serão
devidamente registrados.
Responsabilidade dos treinamentos da área de segurança no trabalho.

8. Manutenção, Inspeção e guarda:


O programa de manutenção dos respiradores inclui os itens:
- limpeza e higienização, sob a responsabilidade do usuário. Usando-se para isso
água e sabão/detergente neutro (no caso dos respiradores com manutenção).
- inspeção de defeitos, sob a responsabilidade do usuário, com supervisão área de
segurança. Após limpeza e higienização do respirador, o usuário deverá verificar
se está em condições apropriadas para uso, se necessita de substituição de
partes, reparos ou seve ser inutilizado.
- manutenção e reparos, sob a responsabilidade do usuário, com supervisão área
segurança;
- guarda, sob a responsabilidade do usuário, em local apropriado para tal (armários).

Instrução repassada aos usuários de respiradores com manutenção sobre a higienização dos
mesmos, devendo garantir que os respiradores fiquem limpos e desinfetados, e que não se
danifiquem nem representem perigo para o usuário:

• Retire os pré filtros e suporte pré filtro (retentores), os cartuchos e/ou filtros, suportes de filtros e
tirantes. Desmonte completamente o respirador.

• Lave a peça facial com água e sabão, ou detergente neutro. A seguir faça a higienização dos
retentores. Pode utilizar uma escova macia para uma melhor limpeza.

• Enxágüe novamente em água morna e deixe secar ao ar sobre prateleira. Não pendure a peça
facial pois poderá provocar distorção prejudicando a vedação.
Obs.: jamais molhar cartuchos e/ou filtros e pré filtro.

•Após limpo o respirador deverá ser montado, devendo ser observado e/ou verificado se todos os
componentes do respirador estão funcionando perfeitamente, e na necessidade solicitar a
substituição de peças do mesmo.

Instrução repassada aos usuários de respiradores com relação a inspeção:


P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 22

Toda vez que for usar, e após o uso, verifique se o seu respirador está em boas condições. Esse
cuidado é a garantia de que ele protegerá contra poeiras, névoas, fumos, gases ou vapores
perigosos.
-Verifique o funcionamento das válvulas e membranas. Observe se existe poeira ou fiapos
depositados que possam provocar vazamentos;
-Verifique se existem partes gastas ou deterioradas principalmente nas peças de borracha ou
plástico. Troque imediatamente qualquer peça que esteja gasta ou apresente sinais de
deterioração;

• O respirador limpo deverá ser armazenado longe de áreas contaminadas quando estiver fora de
uso.

Instrução repassada aos usuários de respiradores sobre a guarda do mesmo: os respiradores


devem ser guardados de modo que fiquem protegidos contra poeira, luz solar, calor e frio intensos,
umidade excessiva ou agentes químicos.
É recomendável o uso um saco plástico que possa ser fechado quando necessário. Não pendurar
o respirador pelos tirante, ou de modo que provoque a deformação da peça facial, pois a vedação
no rosto ficará prejudicada.

Instrução repassada sobre a substituição dos respiradores purificadores de ar:


• Respiradores PFF2, para poeiras e fumos, usado na solda, substituição a cada 2dias.
• Respiradores PFF1, para vapores orgânicos, usado na pintura, substituição a cada 2dias.
• Respiradores PFF2, para vapores orgânicos, usado no setor isolante acústico, substituição a
cada 3dias.
• Respirador PFF1, para poeiras incômodas, usado na atividade montagem miolo, substituição
conforme uso, observando-se que não há exposição permanente.
• Respiradores PFF2, para poeiras, usado no polimento, substituição a cada 2dias.

Programa de troca de cartuchos, para respiradores purificadores de ar com filtro químico:

A troca das peças do respirador com filtro químico, segue conforme abaixo:
- pré filtro, substituição a cada 30dias, ou em caso de necessidade anterior a isso;
- filtro ou cartucho, substituição a cada 6meses, ou faça-o antes, se algum cheiro,
sabor ou irritação for detectado.

9. Verificação de vedação e ensaios de vedação:


P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 23

"Quando selecionar, e cada vez que colocar o respirador, é necessário verificar a vedação
no rosto"

Cada vez que colocar o respirador é necessário verificar a vedação no rosto. A Verificação de
vedação é feita rápida e facilmente, pelo próprio usuário, antes de entrar na área de risco ou
repetido na própria área, pelo teste da pressão positiva, ou negativa. A verificação de vedação se
deve a necessidade de garantir que o respirador esteja ajustado corretamente na face do usuário.
Se os trabalhadores usam as peças semifaciais filtrantes (PFF) ou respiradores de pressão
negativa (como o purificadores de ar não motorizados) é de fundamental importância a realização
de um dos Ensaios de Vedação aprovados pela Fundacentro: qualitativos (sacarina, óleo de
banana, fumaça irritante), ou quantitativos.
A realização do Ensaio de Vedação para cada usuário, durante a seleção do respirador, garante
uma escolha mais segura entre os diversos tipos e formatos disponíveis no mercado (observação a
ser seguida neste programa).

VERIFICAÇÃO DA VEDAÇÃO PELO TESTE DE PRESSÃO NEGATIVA


Este procedimento é usado com os respiradores purificadores de ar ou de adução de ar, equipados
com coberturas das vias respiratórias com contato facial.
As aberturas de entrada de ar (filtros) são bloqueadas completamente pela palma da mão ou pela
colocação de um selo na entrada do filtro químico ou mecânico, ou estrangulando a traquéia ou
mangueira.
O usuário é orientado a inalar suavemente e segurar a respiração. Se a peça facial aderir ao rosto,
pode-se afirmar, com razoável segurança, que a vedação da peça facial é satisfatória.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 24

VERIFICAÇÃO DA VEDAÇÃO PELO TESTE DE PRESSÃO POSITIVA


Este procedimento é usado em respiradores com cobertura das vias respiratórias com contato
facial e que contenham válvula de inalação e de exalação.
A válvula de exalação ou traquéia, ou ambas, são bloqueadas e o usuário deve exalar
suavemente. A vedação será satisfatória quando o usuário sentir ligeira pressão dentro da peça
facial e não e não conseguir detectar nenhuma fuga de ar na zona de vedação entre a peça facial e
o rosto.
Obs.: há uma certa deficiência nos testes em respiradores que não possuem válvulas, como é o
caso dos respiradores PFF usados.

ENSAIO DE VEDAÇÃO QUALITATIVO


Neste ensaio o usuário é exposto a uma fumaça irritante; a um vapor orgânico com cheiro (óleo de
banana) ; ou partículas com gosto (sacarina) enquanto executa alguns movimentos com a cabeça,
semelhantes aos que faz durante o seu trabalho, a fim de verificar a vedação. O respirador deve
estar equipado com um filtro que retenha o agente de ensaio. Se o usuário não sentir cheiro ou o
gosto do agente de ensaio é porque esse modelo e tamanho de respirador está perfeitamente
adaptado ao seu rosto, isto é, a vedação é satisfatória.

ENSAlO DE VEDAÇÃO QUANTITATIVO


O Ensaio de vedação Quantitativo, mede, por exemplo, a concentração do contaminante na
atmosfera de teste e dentro do respirador enquanto executa os mesmos movimentos que no
ensaio qualitativo, Este ensaio dá uma indicação mais segura que o Ensaio qualitativo,

VERIFICAÇÃO DE VEDAÇÃO
A Verificação de Vedação pelo teste de pressão positiva ou negativa deve ser feito toda vez que o
usuário colocar ou reajustar o respirador (repassar essa orientação no treinamento sobre o uso
correto do respirador). Com isso teremos a certeza que ele esta bem colocado e que está
funcionando corretamente.

NA EMPRESA
Os testes de vedação são feitos pelo próprio usuário. As instruções do teste de verificação de
pressão são repassadas aos usuários nos treinamentos de proteção respiratória. Os treinamentos
são realizados pela área de segurança e saúde no trabalho.
P.P.R. – Programa de Proteção Respiratória 25

10. Avaliação médica de trabalhadores candidatos a utilização de equipamentos de


proteção respiratória:

Nos exames admissionais, periódicos e de mudança de função, o médico do trabalho tomado


conhecimento da tarefa do funcionário, e da necessidade do uso de respirador, fará uma analise
clinica das condições do usuário, analisando se há algum fator que possa dificultar o uso do
respirador.
O médico do trabalho fará as orientações necessárias ao usuário de respirador.
No caso da constatação de impedimento do uso do respirador, o médico do trabalho comunicará
ao depto de segurança no trabalho, para sejam tomadas as devidas providências.

11. Conclusão do Programa:

Tendo cumprido a determinação da empresa, encerramos o presente documento PPR. O PPR


será implantado e coordenado pelo setor de segurança e medicina no trabalho.
O PPR passará por avaliações e revisões anuais, juntamente com as atividades do PPRA.

Xanxerê (SC), julho de 2005.

Responsáveis:

Lídio Bartsch Mario Cezar Siliprandi


Engenheiro Segurança no Trabalho Médico do Trabalho
Crea-SC nº 037989-1 CRM 3237

Fábio Luís Barp Rosiclér Benedet


Técnico de Segurança Técnica de Segurança
Reg. MTb nº 47/01375-8 Reg. MTb nº 47/01151-4