Você está na página 1de 4

Loveless

Prólogo (Poema) Quando a guerra dos animais traz o fim do mundo A deusa desce do céu Asas de longe espalhar a luz ea escuridão Ela nos guia para a felicidade, seu presente eterno

Prologue (Interpretado) Quando a guerra dos animais traz o fim do mundo A deusa desce do céu

Asas de longe espalhar a luz ea escuridão Ela nos guia para a felicidade, seu presente eterno

Ato I (Poema) Infinito em mistério é o dom da deusa Buscamos, assim, ele e levá-la para o céu Ondulações forma na superfície da água A alma errante não conhece descanso.

Ato I (Interpretado) O mistério infinito O dom da deusa é o que os três homens procuram Mas os seus destinos estão espalhados pela guerra

Uma pessoa se torna um herói, uma vaga pela terra Eo último é feito prisioneiro

o fim está próximo Act II (Interpretado) Embora o prisioneiro escapa. mais uma vez Act II (Poema) Não há ódio. você voar para longe agora? A um mundo que abomina você e eu? . só a alegria Pois você é amado pela deusa Herói da madrugada. no entanto Por uma mulher da nação opondo Ele começa uma vida de reclusão com ela Que parece manter a promessa de felicidade eterna Mas como a felicidade cresce. ele está gravemente ferido Sua vida é salva. faz assim a culpa De não cumprir o juramento a seus amigos Ato III (Poema) Meu amigo.Mas os três ainda estão ligados por um juramento solene A procurar a resposta juntos. Curador de mundos Sonhos do dia seguinte tem a alma despedaçada O orgulho é perdida Asas arrancadas.

o dom da deusa Mesmo que o amanhã é estéril de promessas Nada deve impedir meu retorno Ato III (interpretado) Enquanto a guerra envia o mundo empurrando-os para a destruição O prisioneiro sai com seu novo amor E embarca em uma nova jornada Ele é guiado pela esperança de que o presente vai trazer felicidade E o juramento que jurou a seus amigos Embora nenhum juramento é compartilhada entre os amantes Em seus corações eles sabem que se reunirá novamente Act IV (Poema) Meu amigo.Tudo o que o espera é um amanhã sombrio Não importa para onde os ventos podem soprar Meu amigo. o seu desejo É o portador da vida. corrompida por vingança Tormento sofrido. o destino é cruel Não há sonhos. não honra permanece A seta deixou o arco da deusa Minha alma. para encontrar o final da jornada Na minha própria salvação .

os céus Te ofereço este sacrifício silencioso .E seu sono eterno Legenda falará Do sacrifício No Fim do Mundo As velas do vento sobre a superfície da água Silenciosamente. os mares. mas com certeza Ato V (Poema) Mesmo que o amanhã é estéril de promessas Nada deve impedir meu retorno Para tornar-se o orvalho que sacia a terra Para poupar as areias.

Interesses relacionados