P. 1
entrevista, consulta, anamnese

entrevista, consulta, anamnese

|Views: 3.472|Likes:
Publicado porAdriana Sleutjes

More info:

Published by: Adriana Sleutjes on Jan 26, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2013

pdf

text

original

ENTREVISTA, CONSULTA E ANAMNESE

Psic. Ms. ADRIANA SLEUTJES

CONSULTA 

Consiste na solicitação da assistência técnica ou profissional, que pode ser prestada ou satisfeita de formas diversas, uma das quais pode ser a entrevista. Consulta não é sinônimo de entrevista; esta última é apenas um dos procedimentos de que o técnico ou profissional, psicólogo ou médico, dispõe para atender a uma consulta.

ENTREVISTA PSICOLÓGICA   A entrevista não é uma anamnese. A entrevista psicológica é uma relação. a entrevista psicológica objetiva o estudo e a utilização do comportamento total do indivíduo. O particular dessa relação reside em que um dos integrantes é um técnico da psicologia.  . que se estabelece entre duas ou mais pessoas. Diferentemente da consulta e da anamnese. com características particulares. e o(s) outro(s) necessita(m) de sua intervenção técnica.

diagnóstico. A realização dos objetivos possíveis da entrevista (investigação. Relação humana na qual um dos integrantes deve procurar saber o que está acontecendo e deve atuar segundo seu conhecimento. orientação. A regra básica não consiste em obter dados completos da vida total de uma pessoa.) depende desse saber e da atuação de acordo com esse saber. etc.  . mas dados completos do seu comportamento.

O Behaviorismo influenciou com a observação do comportamento. da resistência e repressão. da transferência e contratransferência. A Gestalt reforçou a compreensão da entrevista como um todo no qual o entrevistador é um de seus integrantes. . etc. da projeção e introjeção.INFLUÊNCIAS DA ENTREVISTA    A Psicanálise influenciou com o conhecimento da dimensão inconsciente do comportamento.

TRANSFERÊNCIA E CONTRANSFERÊNCIA .

ANSIEDADE NA ENTREVISTA Entrevistador Entrevistado ´Timingµ .

O ENTREVISTADOR   Instrumento de trabalho do Psicólogo é ele mesmo! SELF do terapeuta! .

ANAMNESE    Compilação de dados preestabelecidos que permite obter uma síntese tanto da situação presente como da história de um indivíduo. . ANAMNESE INFANTIL. ANAMNESE ADULTO. de sua doença e de sua saúde.

DIAGNÓSTICO PSICOPEDAGÓGICO .

1995.DIAGNÓSTICO    base que dará suporte ao psicopedagogo para que este faça o encaminhamento necessário. (BOSSE. p. o processo diagnóstico é estruturado para que se possa observar a dinâmica de interação entre o cognitivo e o afetivo de onde resulta o funcionamento do sujeito. 80) .

p. 32 ) . O objetivo básico do diagnóstico psicopedagógico é identificar os desvios e os obstáculos básicos no Modelo de Aprendizagem do sujeito que o impedem de crescer na aprendizagem dentro do esperado pelo meio social. social. (2003.DIAGNÓSTICO    Conforme Weiss.

DIAGNÓSTICO  o diagnóstico começa com a consulta inicial (dos pais ou do próprio paciente) e encerra com a devolução (VISCA. 1987). .

. .Procura do Psicopedagogo: indicação. filiação. escola que freqüenta. . nome da professora. data e horário para a realização das sessões e honorários.Esclarecimento sobre o trabalho psicopedagógico.Motivo da consulta.ENTREVISTA CONTRATUAL  . irmãos. nome da pessoa que cuida da criança.Identificação da criança: nome. . escolaridades dos irmãos. psicopedagógico. horário.Definição de local. turma. . . idade dos irmãos.Expectativa da família e da criança. série.Atendimento anterior. . data de nascimento. endereço.

1991 . TESTES ANAMNESE ELABORAÇÃO DO INFORME VISCA. Formulação do 3º sistema de hipóteses Elaboração de uma imagem do sujeito (irrepetível) que articula a aprendizagem com os aspectos energéticos e estruturais.ESQUEMA SEQUENCIAL Ações do entrevistador EOCA Procedimentos Internos do Entrevistador 1º sistema de hipóteses Linhas de investigação Escolha de instrumentos 2º sistema de hipóteses Linhas de investigação Verificação e decantação do 2º sistema de hipótese. a-históricos e históricos que a condicionam.

. diagnóstico. o que acabaria distorcendo o olhar sobre aquela criança e influenciando no resultado do diagnóstico. Os profissionais que optam pela linha da Epistemologia Convergente realizam a anamnese após as provas para que não haja "contaminação" pelo bombardeio de informações trazidas pela família.

) (E.DIAGNÓSTICO         Porém. Compare abaixo o quadro da Weiss.Anamnese 3º .S.F.Síntese Diagnóstica ± Prognóstico 6º .E.Sessões lúdicas centradas na aprendizagem (para crianças) 4º . alguns profissionais iniciam o diagnóstico com a anamnese.Devolução ± Encaminhamento (WEIS.S.F. É o caso de Weiss.) 2º . 1994) . seqüência diagnóstica proposta por ela: ela: 1º .Entrevista Familiar Exploratória Situacional (E.Complementação com provas e testes (quando for necessário) 5º .E. anamnese.

porém rico em seus resultados. p. Consiste em solicitar ao sujeito que resultados. o que lhe ensinaram a fazer e o que aprendeu a fazer. após a seguinte observação do entrevistador: "este entrevistador: material é para que você o use se precisar para mostrarmostrar-me o que te falei que queria saber de você" (VISCA. 2000. 72) . 44) deverá ser um instrumento simples. mostre ao entrevistador o que ele sabe fazer. 1987. 72). p. utilizandoutilizando-se de materiais dispostos sobre a mesa. 2000. 1987. 44).EOCA   tem a intenção de investigar o modelo de aprendizagem do sujeito (BOSSA.

régua. quebraquebracabeça ou ainda outros materiais que julgar necessários. lápis de cera. borracha. cola. livros ou revistas. . tesoura.EOCA  O entrevistador poderá apresentar vários materiais tais como: folhas de ofício tamanho como: A4. caneta. lápis de cor. barbantes. necessários. lápis. massa de modelar.

áreas de expressão da conduta. ansiedades. operatividade. níveis de operatividade. destrezas.seus conhecimentos. mobilidade horizontal e vertical etc (1987.. 73) 73). o que nos interessa Visca. p. observar na EOCA são ". .seus mecanismos de defesa.. .. 1987.. atitudes.EOCA  De acordo com Visca.

ou seja. etc).é tudo aquilo que o sujeito diz.é tudo aquilo que o sujeito deixa no papel. tons de voz.IMPORTANTE OBSERVAR   três aspectos que fornecerão um sistema de hipóteses a serem verificados em outros momentos do diagnóstico: · A temática . · A dinâmica . pegar os materiais. . A forma de etc). · O produto . de sentar-se são tão ou mais sentarreveladores do que os comentários e o produto.é tudo aquilo que o sujeito faz. tendo sempre um aspecto manifesto e outro latente. postura corporal. gestos.

. complementares. pesquisa. as provas projetivas psicopedagógicas e outros instrumentos de pesquisa complementares.DIAGNÓSTICO  É da EOCA que o psicopedagogo extrairá o 1º Sistema de hipóteses e definirá sua linha de pesquisa. Logo após são selecionadas as provas piagetianas para o diagnóstico operatório.

através dos quais é possível reconhecer três níveis em relação ao grau de consciência dos distintos aspectos que constituem o vínculo de aprendizagem. o familiar e consigo mesmo.PROVAS PROJETIVAS  as provas projetivas. . cuja aplicação tem como objetivo investigar os vínculos que o sujeito pode estabelecer em três grandes domínios: o escolar.

2003. desse modo. psiquismo. Podem-se detectar. distorcer. É possível. 117) 117) . evitar.PROVAS PROJETIVAS  O princípio básico é de que a maneira do sujeito perceber. buscar relações com a apreensão do conhecimento como procurar. omitir. 2003. Podemapresentado. obstáculos afetivos existentes nesse processo de aprendizagem de nível geral e especificamente escolar (WEIS. esquecer algo que lhe é apresentado. interpretar e estruturar o material ou situação reflete os aspectos fundamentais do seu psiquismo. assim. p.

. desenho ou relato é a capacidade do pensamento para construir uma organização coerente e harmoniosa e elaborar a emoção. Esta autora ainda nos diz que o pensamento fala através do desenho onde se diz mal ou não se diz nada.PROVAS PROJETIVAS  Para Sara Paín. Também permitirá avaliar a deteriorização que se produz no próprio pensamento. o que oferece a oportunidade de saber como o sujeito ignora (1992. 61). p. o que podemos avaliar através do Paín.

serão reveladas informações do passado e presente do sujeito juntamente com as variáveis existentes em seu meio. meio. Através dela nos diagnóstico. expectativas. sujeito.ANAMNESE  é uma das peças fundamentais deste quebraquebracabeça que é o diagnóstico. afetos. . conhecimentos e tudo aquilo que é depositado sobre o sujeito. seus preconceitos. Observaremos a visão da família sobre a história da criança.

realizando uma posterior análise e levantamento do 3º sistema de hipóteses. . extrair o máximo de informações possíveis sobre o sujeito. a partir disso. o objetivo da anamnese é "colher dados significativos sobre a história de vida do paciente" (2003. ou responsável para. Para isto é preciso que seja muito bem conduzida e registrada. Consiste em entrevistar o pai e/ou a mãe. 61). p.ANAMNESE   Segundo Weiss.

é claro)" (PAÍN. feita aos pais e ao paciente. 72)... p. 72) . 1992. talvez o momento mais importante desta aprendizagem seja a entrevista dedicada à devolução do diagnóstico.DEVOLUTIVA   é uma comunicação verbal. entrevista que se realiza primeiramente com o sujeito e depois com os pais (quando se trata de uma criança. ". dos resultados obtidos através de uma investigação que se utilizou do diagnóstico para obter resultados. resultados. 1992.

Depois deverão ser mencionados os pontos causadores dos problemas de aprendizagem. o que acaba por inviabilizar a possibilidade para novas conquistas. fonoaudiólogo. Posterior a esta conduta deverá ser mencionada as recomendações como troca de escola ou de turma. valorizado. etc. Muitas vezes a criança já se encontra com sua auto-estima tão autobaixa que a revelação apenas dos aspectos negativos acabam perturbandoperturbando-o ainda mais. conquistas. amenizar a supersuper-proteção dos pais. . psicólogo. indicações que são os atendimentos que se julgue necessário como psicopedagogo. aprendizagem. neurologista etc. e as etc.DEVOLUTIVA    É importante que se toque inicialmente nos aspectos mais positivos do paciente para que o mesmo se sinta valorizado. estimular a leitura em casa etc.

.DEVOLUTIVA  É importante que no momento da devolução o psicopedagogo tenha algumas indicações de instituições particulares e públicas que ofereçam serviços gratuitos ou com diferentes formas pagamento. levantado pelo diagnóstico não fique sem uma posterior solução. Isto evita que o problema pagamento. solução.

Quaisquer que sejam os solicitantes etc. ou seja. solicitado muitas vezes pela escola. é importante não redigir o mesmo laudo. outros profissionais etc. Sua finalidade é "resumir as conclusões a que se chegou na busca de respostas às perguntas que motivaram o diagnóstico" . para cada solicitante deve-se redigir informações deveconvenientes. Ele é diagnosticado. convenientes. pois existem informações que devem ser resguardadas.INFORME OU LAUDO  O informe é um laudo do que foi diagnosticado.

ROTEIRO LAUDO  I. Recomendações e indicações. IX.encaminhamento. IV. Período da avaliação e número de sessões. Motivo da avaliação . . III. II. VII. corporal. Prognóstico.hipótese diagnóstica. cognitiva. Dados pessoais. V. Instrumentos usados. Observações: acréscimo de dados conforme casos específicos. afetivoVI. VIII. Análise dos resultados nas diferentes áreas: pedagógica. Síntese dos resultados . afetivo-social.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->