Atividade física é qualidade de vida Exercitar-se com disciplina é a chave para garantir a saúde e o bem-estar Nunca se falou

tanto em qualidade de vida e saúde como nos últimos tempos. O que antes era apenas motivo de preocupação ou modismo, hoje tornou-se necessidade. Para nós, educadores, é nítido o aumento desta consciência. Já não era sem tempo. Pois, o homem atualmente é submetido a uma quantidade avassaladora de pressões e responsabilidades. Isso é apenas uma das conseqüências desse tempo de novas tecnologias e economia globalizada. A evolução permitiu o desenvolvimento, gerando no nosso cotidiano mais conforto e comodidades. A tecnologia facilita o dia-a-dia, mas também nos prende a afazeres que roubam o nosso tempo, diminuindo ou eliminando o lazer e a atividade física. Esta ausência de atividade física trouxe aumento do estresse e do sedentarismo, principais inimigos da vida saudável. Diante desse quadro crônico moderno, só nos resta trazer o homem de volta a sua origem, resgatando o movimento. Todas as descobertas da ciência e da fisiologia humana nos últimos anos levam a aquilo que eu já dizia na década de 60: “A máquina humana é a única que se aprimora com o uso e se atrofia com o desuso”. O exercício físico é o principal mecanismo para melhorar a nossa saúde e qualidade de vida. Realizado de forma moderada e regular, é um santo remédio. Depende unicamente de nossa força de vontade e disciplina para que possamos restaurar este hábito em nossas vidas. O hábito se forma com a prática de exercícios até que o corpo passe a solicitar a mente, incorporando o movimento e substituindo o sedentarismo. É lógico que no início é necessário se impor uma cobrança para realizar a atividade física pelo menos três vezes por semana. Ao acordar, o exercício físico tem um melhor efeito para o seu dia-a-dia. Faça caminhadas, corridas, ciclismo, natação, uma atividade aeróbica de longa duração e baixa intensidade. Evite treinar entre 12h e 14h. Nesse horário, exercícios físicos sobrecarregam o coração. À medida que incorporamos novamente o exercício ao cotidiano, percebemos o quanto ele é importante para nossa energia e vitalidade. Devemos, porém, tomar cuidado com os extremos. Na pressa de resultados imediatos aumentamos muito rápido as sobrecargas de treinamento e sua intensidade, caindo nos excessos da malhação. O caminho do meio é sempre o mais saudável. Evita que nos tornemos vítimas dos padrões de beleza e dos objetivos meramente estéticos. Esses padrões transformam mulheres e homens normais em modelos anoréxicas e malhadores compulsivos. O ideal é esquecer esta loucura de querer ultrapassar limites. Não adianta chegar em dezembro e em um mês querer ficar em forma. É necessário trabalhar no inverno para se estar em forma no verão. Não parar a atividade física quando estamos exagerando corresponde a não realizar o exercício físico quando não temos vontade. Ambos significam falta de disciplina mental. É necessário evitar esses extremos. Assim estaremos fortalecendo nosso corpo emocional. Tornamo-nos mais capazes de superar e enfrentar os obstáculos da vida. Resgatando essa nossa herança natural, estaremos não só conquistando uma qualidade de vida plena, como também dando um grande passo em direção ao nosso futuro com confiança, determinação e saúde.
Autor do best-seller A Semente da Vitória, Nuno Cobra é formado pela Escola de Educação Física de São Carlos, pósgraduado pela USP e é especialista em Qualidade de Vida, tanto individual como na empresa

3° ano P.1 Educação Física. Professor: Junior

O modismo nas academias x Seu coração: quem vence esta batalha? Nesta semana estive com uma amiga que também é Personal Trainer e trabalha em uma das maiores academias do país, localizada em São Paulo-SP. Em nossa conversa ela comentou que uma de suas alunas disse estar decidida a mudar de academia... “ouvi dizer que sua principal concorrente está com uma nova aula que queima mais de 1.300Kcal/hora.” Vivemos atualmente o período em que as aulas “body systems” imperam em grande parte das academias de todo país como um verdadeiro “motivador”, graças á sensação de êxtase e suor que a atividade proporciona aos praticantes. A grande questão é sabermos até que ponto esse modismo contribui efetivamente para a saúde de um indivíduo, seja ele sedentário ou atleta. As pessoas que praticam estas atividades físicas são previamente analisadas através de uma anamnese e avaliação física detalhada? Uma academia irá recusar um cliente que deseja fazer aulas específicas de Body Jump (por exemplo) para queimar calorias, pelo “simples fato” de que o aluno possui uma patologia a qual esta atividade intensa não seria a mais indicada? Talvez o treinamento resistido ou a própria caminhada seja o mais apropriado, porém para muitos não há a mesma motivação se compararmos as aulas body systems, e certamente perderemos nosso cliente que busca uma aula dinâmica, prazerosa e agradável. Não há dúvidas de que atividades aeróbias e anaeróbias podem trazer benefícios e excelentes resultados, contanto que sejam prescritos de maneira correta, respeitando a individualidade do aluno que irá praticá-la. Daí a importância em passar inicialmente por uma anamnese/ entrevista com o educador físico e avaliação física. O médico cardiologista também deve ser consultado obrigatoriamente, não apenas fazendo um eletrocardiograma, mas sim realizando teste ergoespirométrico, exame de sangue. O famoso “eletro” nos dá uma avaliação em repouso. Você ficará também em repouso na academia? Será que seu coração não responderá de maneira diferente quando submetido ao esforço máximo? O trabalho multidisciplinar nesses casos é de suma importância, onde médico e o Personal trabalham juntos objetivando a saúde do aluno, prescrevendo quais exercícios são indicados, intensidade, se há restrições em algumas das atividades, freqüência cardíaca adequada, etc. O que nós profissionais da Educação Física devemos ter como princípio é possibilitar que nossos alunos conheçam as várias atividades e métodos existentes e qual atingirá seu objetivo pessoal, sem comprometer a saúde do cliente, que antes de tudo é um ser humano. Agora sim poderemos pensar no objetivo pessoal do aluno, emagrecimento, condicionamento, aumento de massa muscular... Pensaremos com a certeza de que nenhum “imprevisto” poderá ocorrer, de forma segura e responsável. Como vocês podem ver, existe uma diferença significativa em trabalhar com a orientação de um Personal Trainer Especializado. Minha pergunta é: quais serão as próximas descobertas do mundo fitness? Quais serão as próximas academias a terem o direito a explorar a nova atividade “trituradora de calorias” e delineadora de corpos? Fundamental é termos profissionais de educação física questionadores para que não continuemos a ter pessoas com problemas articulares e musculares causados pela má indicação ou liberação para a realização da prática de uma determinada atividade física. Você profissional, converse com seu aluno, investigue, realize testes e obtenha seus resultados. Certifique-se de que a atividade indicada esteja embasada na cientificidade. Sempre que possível, acompanhe e zele pela saúde de seu aluno como se ele fosse parte de sua própria vida, não o veja apenas como mais um cliente. O verdadeiro profissional da saúde assim se faz, longe de modismos e do marketing que impera hoje, visto por muitos como necessário para a sobrevivência das academias e como única forma de manter seus alunos motivados e fidelizados.
Marun Curi Gutierrez Personal Trainer, Especialista em Bioquímica, Fisiologia, Treinamento e Nutrição Desportiva – Unicamp. Pós-graduado em Medicina Esportiva – Univ. Castelo Branco / IWL.
3° ano P.2 Educação Física. Professor: Junior

Práticas corporais alternativas As Práticas Corporais Alternativas correspondem àquelas atividades corporais que não são tradicionais na nossa cultura, elas incluem as concepções orientais e ocidentais de práticas corporais e de saúde, representadas por atividades como relaxamento, auto-conhecimento, massagem, técnicas respiratórias, etc. Vocês já pararam para pensar em como nós fazemos um uso limitado de nossos sentidos? Transitamos pela nossa vida diária sem prestar atenção nas sutilezas dos nossos sentidos: audição, tato, olfato, paladar, visão e intuição. A poluição sonora, visual e olfativa nos instiga a não atentar aos detalhes de paisagens, odores e sons (até mesmo do nosso próprio corpo). Os alimentos excessivamente industrializados/ modificados e as refeições rápidas deixam o paladar menos sensível. Prova disso é que quando experimentarmos alimentos sem que antes tenhamos olhado-os, percebermos que seu gosto parece ser diferente. O auto-conhecimento consiste em aguçar o sentido por meio de práticas que estimulam os órgãos do sentido, bem como a prática de exercícios respiratórios ou de relaxamento. O relaxamento, na verdade não é somente um descanso quando vamos dormir ou um cochilo qualquer, mas sim a vigilância interior e máxima concentração, sendo que no relaxamento completo, distanciamos-nos das coisas, sejam elas importantes ou não, distanciamos-nos do cotidiano e, neste instante, vemos como todos os nossos problemas se tornam menores ou insignificantes. Exemplo de relaxamento: PRIMEIRO, aprenda a respirar: 1. Inspire profunda e lentamente pelo nariz; no ato de inspirar, sinta sua região abdominal se expandindo como uma bexiga cheia de ar. 2. Expire pela boca no mesmo ritmo que inspirou; no ato de expirar, contraia sua região abdominal, como uma bexiga que se esvazia. 3. No momento em que você exala todo o ar, solte também os músculos do corpo, principalmente os das faces, depois os ombros, braços, abdome e as pernas. A auto-massagem tem a pretensão de aguçar, nos seus praticantes, os reflexos naturais do seu corpo e relaxar as áreas tensionadas, ou seja, fazer com que o indivíduo conheça melhor o seu próprio corpo. Ela pode ser considerada uma forma de auto-cura e uma oportunidade de se atingir o bem-estar. Qualquer massagem, atuando como purificador mecânico, alimenta a irrigação dos tecidos se eles não estão sendo atingidos adequadamente pelas redes linfática (sistema linfático é um importante componente do sistema imunológico, pois colabora com glóbulos brancos para proteção contra bactérias e vírus invasores) e sanguínea, e remove as causas da fadiga e de eventuais inflamações. Exatamente por isso a massagem indiretamente aumenta o tônus muscular (estado normal de tensão do músculo), na medida em que estimula sua capacidade de se contrair adequadamente. Além de propiciar uma profunda sensação de relaxamento, ela melhora também a circulação, estabiliza o equilíbrio líquido dos tecidos e alivia a tensão excessiva.
Aprenda a fazer auto-massagem anti-celulite Procedimento é simples e ainda ajuda a diminuir o problema estético. Coxas: Deslizar a mão e pinçar. Glúteo: Com os ossos das mãos, fazer movimentos circulares. Barriga: Com um pouco de creme fazer movimentos no sentido horário. Braço: Deslizar a mão até o ombro repetidamente.

3°ano P.3 Educação Física.
Professor: Junior

Basquetebol
O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto da equipe adversária (marcando pontos) e, simultaneamente, evitar que esta seja introduzida no próprio cesto, respeitando as regras do jogo. A equipe que obtiver mais pontos no fim do jogo vence. São usadas, geralmente, no basquete, três posições: alas, pivôs e armador Equipe - Existem duas equipes que são compostas por 5 jogadores cada (em jogo), mais 7 reservas. O jogo consistirá de quatro (4) períodos de dez (10) minutos Existirão intervalos de jogo de dois (2) minutos entre o primeiro e o segundo período (primeira metade), entre o terceiro e o quarto período (segunda metade) e antes de cada período extra. Haverá um intervalo de jogo, no meio tempo, de quinze (15) minutos. A quadra de jogo terá uma superfície rígida, plana, livre de obstruções com dimensões de vinte e oito (28) m de comprimento por quinze (15) m de largura, medidos desde a margem interna da linha limítrofe. As Federações Nacionais tem autoridade para, aprovar quadras com medidas de vinte e seis (26) m. por quatorze (14)m. Uma cesta de lance livre vale um (1) ponto. Uma cesta da área da cesta de campo de dois pontos vale dois (2) pontos. Uma cesta da área de campo de três pontos vale três (3) pontos Regra dos 5 segundos - Um jogador que está sendo marcado não pode ter a bola em sua posse (sem driblar) por mais de 5 segundos. Regra dos 3 segundos - Um jogador não pode permanecer mais de 3 segundos dentro da área restritiva (garrafão) do adversário, enquanto a sua equipe esteja na posse da bola. Regra dos 8 segundos - Quando uma equipa ganha a posse da bola na sua zona de defesa, deve, dentro de 8 segundos, fazer com que a bola chegue à zona de ataque. Regra dos 24 segundos - Quando uma equipe está de posse da bola, dispõe de 24 segundos para a lançar ao cesto do adversário. Transição de campo – Um jogador cuja equipe está na posse de bola, na sua zona de ataque, não pode provocar a ida da bola para a sua zona de defesa (retorno). Dribles - Quando se dribla pode-se executar o n.º de passos que pretender. O jogador não pode bater a bola com as duas mãos simultaneamente, nem efectuar dois dribles consecutivos (bater a bola, agarrá-la com as duas mãos e voltar a batê-la). Passos – O jogador não pode executar mais de dois passos com a bola na mão sem driblar (bater a bola no chão). Número de faltas – Um jogador que cometer cinco faltas está desqualificado da partida. Altura do aro - A altura do aro até o solo é de 3,05 metros.

Educação Física. Professor: Junior

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful