Projeto    PPY  BRA  1007  

Renewable  energy  for  isolated   systems  in  the  Amazon  Region  
FTS  –  CERPCH   Setembro  2011  a  Março  2012  

                             Sumário   1.  Contextualização   2.  JusMficaMva   3.  ObjeMvo   4.    Metodologia   5.  AMvidades  Desenvolvidas   6.  Equipe  Executora  

1.  Contextualização  
•  Em  2003  a  Secretaria  de  Energia  do  MME  e  o  CT-­‐Energ  financiaram   a  implantação  de  unidades  pilotos  de  geração  de  energia  elétrica  a   parMr   de   fontes   renováveis   de   energia   para   o   atendimento   de   comunidades  isoladas  na  região  amazônica.   •  Além   de   atender   a   comunidade   no   quesito   de   suprimento   de   energia  elétrica  com  qualidade,  os  projetos  Mnham  como  objeMvo   a  geração  de  renda  e  melhoria  da  qualidade  de  vida.   •  Para  tanto  a  instalação  das  unidades  geradoras  foi  acompanhada  da   implantação  de  uma  unidade  de  uso  produ8vo  da  energia.     •  Também   promoveu-­‐se     a   organização   da   comunidade   de   forma   a   gerenciar  a  unidade  produMva  e  a  unidade  geradora.  

2.  JusMficaMva  
•  Atendimento  das  comunidades  sem  fornecimento  de  energia;   •  Estudos  indicam  que  98%  da  população  já  conta  com   atendimento,  restam  2%;   •  Cerca  de  800  comunidades  ainda  desassisMdas.   •  200  a  300  comunidades  atendidas  com  geradores  a  diesel:   –   Alto  custo   –  Impacto  Ambiental   –  qualidade  do  atendimento/energia     –  grau  de  sustentabilidade  

3.  ObjeMvos    
OBJETIVO  GERAL   •  Realização  de  um  estudo  para  subsidiar  a  definição  de   alternaMvas  à  geração  de  energia  elétrica  a  diesel,  através  da   uMlização  de  fontes  renováveis  de  energia,  para  o  atendimento,   de  forma  sustentável,  de  sistemas  isolados  da  Amazônia.  

3.  ObjeMvos    
OBJETIVOS  ESPECÍFICOS   •  avaliar  os  resultados  obMdos  com  a  implantação  dessas          unidades  geradoras;     •   o  uso  produMvo  de  energia   •   a  capacidade  de  gestão  das  comunidades   •   idenMficar  as  razões  do  sucesso  e  insucesso  de  sustentabilidade        dos  empreendimentos  e   •   para  levantar  subsídios  a  proposição  de  políMcas  públicas        voltadas  a  realidade  local.       •  Propor  procedimentos  para    replicação      dos  casos  de  sucesso,   como   forma   de   complementar   o   programa   Luz   para   Todos,   principalmente   no   que   refere-­‐se   ao   atendimento   de   pequenas   comunidades  isoladas  da  região  amazônica.  

4.  Metodologia  
•  Levantamento  dos  projetos  pilotos    para  eletrificação  em  sistemas  isolados   já  implantados  na  região  amazônica  ;   •  Mapeamento  dos  projetos:    
–  –  –  –  –  Localização     Fonte  de  energia     CaracterísMcas  socioeconômicas  da  comunidade   Modelo  de  gestão   Grau  de  sucesso  ou  de  insucesso  

•  Desenvolvimento  de  pesquisas  sobre  a  sustentabilidade  e  matriz    FOFA  dos   projetos  selecionados;   •  Analise  das  iniciaMvas  e  poliMcas  públicas  para  eletrificação  com  energia   renovável     •  Desenvolvimento  de  cenários  prioritários     •  Difusão  das  tecnologias  melhor  adaptadas  a  realidade  regional.     •  Proposta  de  um  modelo  para  implantação  e  operação    de  unidades  de   geração  para  o  atendimento    à  comunidades  isoladas  da  região  amazônica   de  forma  sustentável  

5.  AMvidades  executadas  
1  –  Levantamento  do  projetos  relaMvos  ao  uso  de  energias   desenvolvidos  na  região  amazônica.   2  –  Mapeamento  dos  projetos  executados  no  âmbito  do  CT  Energ  e   MME.   3  –  Seleção  dos  projetos  que  envolveram  fontes  renováveis  de  energia   e  seu  uso  produMvo.   4  –  QuesMonário  com  os  coordenadores  dos  projetos  

5.  AMvidades  executadas  
5  –  DiagnósMco  situacional  nas  comunidades  com  visita  as   comunidades.     6  –  Analise  de  viabilidade  dos  projetos.     7  –  Levantamento  da  experiência  do  MME.   8  –  Levantamento  do  arcabouço  legal     9  –  Definição  de  cenário  pré  e  pós  instalação  dos  projetos  

Equipe  de    Execução    

MAPEAMENTO   DIAGNÓSTICO  SITUACIONAL

projetos  licitados  pelo     CT  -­‐  Energia    no  período  de     2001  a  2010  
RESULTADO  FINAL:   06  projetos  instalados  e   em  funcionamento  

1.402    

401  ligados,  direta  ou   indiretamente,  a   energias  renováveis  
Dos  quais,  78  projetos       são  relacionados  a     energia  renovável  em     comunidades  isoladas  

12  Comunidades    com   projeto  :  pesquisa  em   campo   14  projetos:    entrevista/ pesquisa   com  Coordenadores  

03    projetos  sem  dados  *  

31  projetos  são    pesquisas  e   estudos  no  campo  de  energias   renováveis,  na  região  Amazônica  

Figura 1 – Processo de seleção dos projetos para avaliação

1.  Projeto:   Produção   de   energia   alternaMva   a   parMr   de   células   a   combuspvel   e   gás   natural  no  estado  do  Amazonas.   2.     Projeto:   Nacionalização   da   tecnologia   de   gaseificação   de   biomassa   e   formação   de   recursos  humanos  na  região  norte   3  -­‐  Projeto:  Programa  para  geração  de  energia  a  parMr  de  óleos  vegetais  na  Amazônia   através  da  adaptação  de  motores  diesel  existentes   4   -­‐   Projeto:   Cachoeira   do   Aruã   -­‐   um   modelo   energéMco   sustentável   envolvendo   organizações  de  base  comunitária.   5  -­‐  Projeto:  Instalação  de  uma  MCH  em  comunidade  isolada  do  Pará  -­‐  µCH  Jatoarana   6  -­‐Projeto:  Revitalização  de  sistema  híbrido  fotovoltaico  eólico  e  diesel

7   -­‐   Projeto:   Implantação   de   uma   unidade   de   geração   de   energia   elétrica   a   parMr   da   queima  de  biomassa  acoplada  a  uma  usina  de  extração  de  óleo  vegetal,  fábrica  de  gelo   e  câmara  frigorífica  numa  comunidade  isolada  na  Ilha  do  Marajó.     8   -­‐   Projeto:   Energia   renovável   para   a   reserva   extraMvista   do   Vale   do   rio   Maracá   –   HidrocinéMca  (poraquê)   9   -­‐   Projeto:   Programa   de   disseminação   de   MCH   em   sistemas   isolados   no   estado   de   Rondônia  –  Novo  Plano     10  -­‐  Projeto:  Sistemas  fotovoltaicos  domiciliares     11  -­‐  Projeto:  Geração  de  energia  a  parMr  de  oleaginosas  da  Amazônia   12   -­‐   Projeto:   Implementação   de   usina   termelétrica   de   200   kw   a   parMr   do   aproveitamento  de  resíduos  da  extração  de  madeira  sustentável,  dentro  de  uma  reserva   extraMvista  estadual,  localizada  na  região  norte  do  país

13    Projeto:  Produção  sustentável  de  biodiesel  a  parMr  de  oleaginosas  da  Amazônia  em   comunidades  isoladas  da  reserva  extraMvista  do  médio  Juruá   14  -­‐  Projeto:  Instalação  de  uma  pequena  central  eólico-­‐solar  para  geração  de  energia   elétrica  em  uma  pequena  localidade  rural   15  -­‐  Projeto:  Sistema  fotovoltaico-­‐  eólico-­‐  diesel  para  vila  de  Sucuriju     16  -­‐  Projeto:  Desenvolvimento  de  um  protóMpo  de  micro  usina  uMlizando  roda  d’água   para  a  comunidade  de  Cunaní.   17  -­‐  Projeto:  Desenvolvimento  de  um  módulo  combustor  de  biomassa-­‐motor  SMrling   para  geração  de  eletricidade  em  regiões  isoladas   18  -­‐  Projeto  “Geração  de  energia  elétrica  a  parMr  de  um  sistema  híbrido:  biodiesel  de   óleo  de  babaçu/energia  solar  em  localidades  remotas  da  Amazônia  Legal  Maranhense   19  -­‐  Projeto:  Gestão  energéMca  para  o  desenvolvimento  sustentável  -­‐  Centro  de   Pesquisa  Canguçu

Localização  dos  Coordenadores  

4  

2  

2   2   1  

Manaus  -­‐AM   Belém  -­‐  PA   Palmas  -­‐  TO   São  Luís  -­‐  MA   Brasilia  -­‐DF   Rio  de  Janeiro  -­‐  RJ   São  Paulo  -­‐  SP   Itajubá  -­‐MG  

6  

1  

1  

Total:    19  coordenadores  

7  -­‐  Implantação  de  uma  Unidade  de  Geração  de  Energia  Elétrica  a  ParMr  da  Queima  de   12  -­‐Implementação  de  Usina  Termelétrica  de  200  kW  a  ParMr  do  Aproveitamento  de   2  10  Cevitalização  dDruã  -­‐aaUch  e  a  sina  Faseificação  e  e    BCo    Vale  ESo  R  -­‐E  µch  mazônia  –iucá  ––       3    -­‐-­‐Produção  dARo  nergia    AlternaMva  Och  eE  xtraMvista    mazônia  nvolvendo  ddddEGA  –  –  om   4   N  acionalização  dGuma  µara  omiciliares   arMr  Csolada  om  Vegetal,  stado   Organizações   -­‐ 8  -­‐rograma  e  otovoltaicos   m   e  µ leaginosas  Sd e  Ósolados  n  o  io  a  Aaracá  R atural     9   Biomassa   de  nergia  Upma   Energia  aEm    SUarini  ólico  e Dará.    -­‐R    FFábrica   e  Turbina   P SInstalação   A isseminação   Reserva    P -­‐ distemas  d a C P iesel   ( Marapanim   ecursos   P  Energia   E a  Tecnologia   a arMr     e   a  A d V de   istemas   M   atoarana)   e 11    -­‐5  rograma  pFE de  Sistema  dDíbrido   Eotovoltaico  ustentável   d–ão  ormação    a  e  RAtravés   6    R-­‐  achoeira  e   enovável    m   HeUdComunidade  Idélulas  leo    egetais  io  Preto   e  dondônia   .   Geração  d coplada     ParMr   G pe   xtração  d -­‐ Iiomassa  e F nrancisco   – va   Com   E 1   Resíduos  da  dara  e   eração   Modelo    dnergéMco  dDÓleos  o  ombuspvel  eJGás  Ne   elo  Cno   Extração  de  Madeira  Sustentável,   entro  de  uma  Reserva  ExtraMvista   Câmara  FHumanos  ndDdegião  xistentes  om   o  ovo    a  lano  Santa  imbó      ruã.   irideua   rigorífica   numa  -­‐  ACE NTamaruteua   MV P Ie   Luzia.   Maria   solada   da  Adaptação  de  Comunitária  –CMão  Francisco  MN  e  Snale  dCCAo  MTaracá  ABreves  –   de  Base   Motores  e  iesel  antarém    –CCom.  o  ila  dom.  d rixi  arajó  – do  M HidrocinéMca  o      S om.  Nova    lA  namã  ainá   –o  Rio  M de   Reserva     a  Chupinguaia  ––C Iom  ustentável  achoeira   Belterra  esenvolvimento  d ojú  – C lha   om.   D – S azagão  -­‐   M S d V anta   orte   inda   Estado  Rde  omunidade  –anacapuru     Mamirauá   Estadual,  Localizada  na  Região  Nmazonas  aís  –  Breves  –  Vila  Porto  Alegre  do  Curumu   orte  do  P Comunidade  de  Santo  Antônio  –  Ilha  do  Siriri.  

FASE  2.2  –  Estudo  de  Sustentabilidade  

VIABILIDADE  DA  GERAÇÃO  DE  ENERGIA  ELÉTRICA  EM   SISTEMAS  ISOLADOS  DA  REGIÃO  AMAZÔNICA  
ENGº  JONAS  CARVALHEIRA  COSTA  

TÓPICOS  ABORDADOS  

1  –  SUSTENTABILIDADE;   2  -­‐  UNIVERSALIZAÇÃO  DA  ENERGIA  ELÉTRICA;   3  –  INDICADORES  ECONÔMICOS   4  –  ANÁLISE  DE  VIABILIDADE  E  SUSTENTABILIDADE   5  –  CONCLUSÃO   6  –  DISCUSSÕES  

1  -­‐  SUSTENTABILIDADE    
O  desenvolvimento  sustentável  é  aquele  que  supre  as   necessidades   do   presente   sem   comprometer   as   possibilidades   das   gerações   futuras   em   atenderem   as   suas  próprias  necessidades.  (relatório  Brundtland  1988  –  CMMAD)  

OBJETIVOS  
 Eficiência  econômica;    Igualdade  social;    Integridade  ambiental.  

2  –  UNIVERSALIZAÇÃO  DA  ENERGIA  ELÉTRICA    
 Lei   Nº10.438   de   26   de   abril   de   2002,   alterada   pela   Lei   Nº   10.762,   de   11   de   novembro   de   2003   insMtui   o   programa.   Art   14   –   atribui   à   ANEEL   a   tarefa   de   estabelecer  a  universalização,  sem  ônus  para  cargas  de   até  50[kW]  instalados.    Lei   Nº4.873   de   11   de   novembro   de   2003,   alterada   pelo  Decreto  Nº  6.442,  de  25  de  abril  de  2008  insMtui   O   Programa   Nacional   de   Universalização   do   Acesso   e   Uso  da  Energia  Elétrica  –  “Luz  para  Todos”-­‐  LpT.  

2.1  –  PROGRAMA  LUZ  PARA  TODOS  
Contexo  –  80%  da  exclusão  elétrica  no  meio  rural;   Cerca  de  100.000  famílias  sem  eletricidade  (AM)    Promover   acesso   ao   serviço   público   de   eletrificação   no           meio  rural;    Melhorar   a   prestação   de   serviços   à   população   beneficiada;    Intensificar  o  ritmo  de  atendimento;    Subsidiar  o  impacto  tarifário.  

3  –  INDICADORES  ECONÔMICOS  
3.1   –   TIR:   é   aquela   que   iguala   o   valor   atual   das   entradas   líquidas   de   caixa   ao   valor   atual   dos   desembolsos   relaMvos   ao   invesMmento   líquido.   (Braga   1998).   3.2   –   VPL:   técnica   de   análise,   onde   é   subtraído   do   invesMmento   inicial   de   um   projeto   de   valor   presente   seus  fluxos  de  entrada  de  caixa,  sendo  descontada  uma   taxa  mínima  de  atraMvidade.  (Gitman  2001).    

4  –  ANÁLISE  DE  VIABILIDADE  E  SUTENTABILIDADE  
Projeto   Receita   Análise  de     Avaliação  feita  pela     Venda  de   Uso   Sub  Rogação   Avaliação   Cenários   Adesão  [R$]   Energia  [R$/ Produ8vo   Comunidade   CCC    [R$/mês]   mês]   [R$/mês]   Cenário  3   Cenário  2   Cenário  2   Cenário  1   Cenário  3   Cenário  2   Cenário  4   Cenário  3   Cenário  4   Cenário  3   Cenário  3   Cenário  4    X      X      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐      -­‐     X   X   -­‐   -­‐   X   X   X   X   X   X   X   X   -­‐   -­‐   X   X   X   X   X   X   X   X   X   X   X   -­‐   X   -­‐   X   -­‐   X   -­‐   -­‐   -­‐   X   -­‐   viável   viável   3,6   regular  -­‐  bom   3,6   regular  -­‐  bom   bom   bom  

1  

Aiucá   Santo   Antônio   Curumu  

2  

viável   4,0   inviável   4,0   viável   viável   viável  

3  

3,5   regular  -­‐  bom   3,5   regular  -­‐  bom   3,8   regular  -­‐  bom  

4  

Jatoarana  

inviável   3,8   regular  -­‐  bom   viável   3,6   regular  -­‐  bom  

 5   Novo  Plano  

inviável   3,6   regular  -­‐  bom   viável   4,8   inviável   4,8   bom  -­‐  ó8mo   bom  -­‐  ó8mo  

6  

Aruã  

4  –  ANÁLISE  DE  VIABILIDADE  E  SUTENTABILIDADE  
Premissa   Inves8mento  da  Unidade  de  Geração:  a  fundo   perdido;   Inves8mento  da  mini-­‐rede  feita  pelo  programa   “Luz  Para  Todos”   A  Energia  vendida  ?   Cenário  Atual   MME/CTEnerg   Os  projetos  MME/CTEnerg   Alguns  SIM,  um  com  taxa    e   adesão;  alguns  Não,  sem  receita   para  O&M   Não   9%   Biomassa:  0,4.   MCH:    0,7.   PV:  0,29   Biomassa:  12  hs   MCH:  24  hs.   PV:    24  hs   Sim   3  com  Usos  produMvo   Não  pagam   Cenário  Ideal   A  fundo  Perdido   Luz  para  Todos   Sim,  para  todos   consumidores  a  R$0,30/ kWh   Sub-­‐rogação  da  CCC   9%   Biomassa:  0,8.   MCH:  0,95.   PV:  0,29   Biomassa:  24  hs   MCH:    24  hs   PV:    24  hs   Sim   5  com  UP  e   1  (  PV)  sem  UP   Todos  deverão  pagar  

Há  subsídios?   Taxa  Mínima  de  Atra8vidade:    

Fator  de  Capacidade:    

Disponibilidade  de  energia     Uso  Residencial   Uso  Produ8vo   Uso  em  Escolas  e  Posto  de  Saúde  

4  –  ANÁLISE  DE  VIABILIDADE  E  SUTENTABILIDADE  
Operação  Real   Nº   1   2   3   4   5   6   Projeto   Aiucá   Santo   Antônio   Curumu   Jatoarana   Novo   Plano   Aruã   Fonte  de   Energia   Solar  PV   Biomassa   Biomassa   Hidráulica   Hidráulica   Hidráulica   TIR   14%   22%   6%   2%   2%   diverge   VPL   R$11.027,26   R$189.460,41   -R$188.921,28   -R$24.657,49   -R$7.341,12   -R$188.130,52   Operação  real  +  CCC   TIR   18%   50%   8%   15%   21%   17%   VPL   R$18.057,01   R$552.226,71   -R$26.046,29   R$13.488,78   R$121.049,54   R$46.673,71  

5  –  CONCLUSÃO  
 A  GERAÇÃO  DE  ENERGIA  ELÉTRICA,  A  PARTIR  DE   FONTES  RENOVAVEIS,    EM  SISTEMAS  ISOLADOS  É  VIÁVEL   E  SUSTENTÁVEL  

MELHORIAS  IDENTIFICADAS   PROPOSTAS  DE  AÇÕES  PARA     SUSTENTABILIDADE  DOS  PROJETOS  

PROJETO  X  NÚMERO  DE  HABITANTES    

SÍNTESE  DOS  PROJETOS  APÓS  A  INSTALAÇÃO  

FATORES  ESSENCIAIS  PARA    VIABILIDADE  DOS  PROJETOS:  
•  •  TECNOLOGIA   PARTICIPAÇÃO/  COMPROMETIMENTO    DA  COMUNIDADE  NAS  3  FASES  DO   PROJETO     •  TREINAMENTO  PARA:      A    OPERAÇÃO    DA    UNIDADE     USO  ADEQUADO  DA  ENERGIA     USO  PRODUTIVO  DA  ENERGIA   •  AGENTE  EXTERNO,  QUALIFICADO  PARA  A  MANUTENÇÃO  DO  SISTEMA  DE   ENERGIA   •  ALGUMA  FORMA  DE  GESTÃO  PRÉ-­‐DEFINIDA  

MELHORIAS  NA  ECONOMIA  LOCAL    -­‐  QUADRO  SÍNTESE
SITUAÇÃO  NA  FASE  DE   NA  IMPLANTAÇÃO   QUEIMA  DE  BIOMASSA   ATIVIDADE   Serraria  comunitária,  farinha  e  móveis   Comunidade  de  Santo   PRODUTIVA   mercadinho   Antonio  –  Ilha  do  Siriri-­‐   COMÉRCIO   Produtos  locais  vendidos:   Breves/Ilha  de  Marajó-­‐ Peixes,  farinha,  móveis,  madeira  e  açaí   PA   PROJETO   VARIÁVEL   TERMELÉTRICA  -­‐        Vila   Porto  Alegre  do   Curumu,  Breves,   Marajó,PA                 SISTEMA   FOTOVOLTAICO   DOMICILIAR  -­‐Aicá-­‐  RE   Mamiruá-­‐Uarini-­‐AM   MCH  ARUÃ   Comunidade  da   Cachoeria  de   Aruã-­‐Santarém-­‐ PA   MCH  JATUARANA   Comunidade:   Nova  Olinda  e   Santa  Luizia  – Belterra-­‐PA   SITUAÇÃO  ATUAL     EM  DEZEMBRO  2011   Serraria  comunitária,  farinha  e  móveis,  fábrica  de  gelo  e  de  óleos     mercadinho   Produtos  locais  vendidos:    Peixes,  farinha,  móveis,  madeira  e  açaí,  gelo     Venda  de  gelo  para  outras  comunidades,  para  o  centro  urbano  e  para   pescadores  

ATIVIDADE   Serraria/  desdobro  de  madeira,  fabricação  de   Idem,  com  aproveitamento  dos  resíduos  de  madeira  para  queima  na  usina.   2pescaria  e  extraMvismo   Fábrica  de  gelo  e  óleos.   PRODUTIVA   cabos  e  base  de  vassouras   do  açaí  e  outros   COMÉRCIO   Comércio  varejista   04  estabelecimentos:  mercadinho  e  bares   ATIVIDADE   Pesca  e  agricultura  com  forte  produção  de   PRODUTIVA   banana,  criação  de  animais,  o  artesanato,  a  caça  e   Idem   a  extração  de  madeira,  produção  de  farinha  de   mandioca,     COMÉRCIO   Sem  dados   ATIVIDADE   ExtraMvismo  /  pecuária  e  agricultura  familiar   PRODUTIVA   COMÉRCIO   Idem,  acrescido  de  produção  de  farinha  de  mandioca  e  fabricação  de   móveis    05  estabelecimentos  comerciais:  Supermercado,  padaria,  comércio  geral,   sorveteria  e  bar.  Venda  de  produtos  alimenpcios  em  geral,  farinha  e   artesanato(pintura).Há  também  um  telecentro.  

ATIVIDADE   A  fonte  de  renda  é  a  agricultura,  a  pecuária  e  o   PRODUTIVA   gado  leiteiro.  Predomina  a  plantação  de  arroz,   feijão,  milho,  pimenta  do  reino,  limão,  laranja,   açaí,  pupunha,  cupuaçu.  A  produção  é  vendida  em   Santarém,  no  mercadão.   COMÉRCIO   .  

MCH  NOVO   PLANO   Comunidade:   Novo  Plano-­‐   Chupinguaia-­‐RO  

A  fonte  de  renda  principal  conMnua  sendo  a  agricultura,  a  pecuária  e  o   gado  leiteiro.  Predomina  a  plantação  de  arroz,  feijão,  milho,  pimenta  do   reino,  limão,  laranja,  açaí,  pupunha,  cupuaçu.  Indicada  também  a  produção   de  farinha  de  mandioca.   A  produção  é  vendida  em  Santarém,  no  mercadão.   01  estabelecimento:  bodega,  com  venda  de  bebidas  em  geral,  frango,   peixe,  arroz,  feijão,  enlatados   ATIVIDADE   Pecuária  de  leite  e  corte  e  agricultura  de   Incremento  na  lavoura  com  irrigação  possibilitada  pela  energia  elétrica:  a   PRODUTIVA   subsistência  com  culMvo  de  arroz,  feijão,  café,   sobra  da  energia  está  sendo  uMlizada  na  irrigação  de  lavouras  de  milho,   milho,  frutas  da  região  e  banana,  sendo   feijão,  banana  e  mamão.  Há,em  projeto  para  2012,  a  construção  de  um   considerados  os  maiores  produtores  de  banana  do   laMcínio  para  melhorar  a  renda  das  famílias.   município  de  Chupinguaia.   Há,  também,  um  projeto  para  irrigação  e  planMo  de  mamão.   COMÉRCIO   Uma  sorveteria,  supermercado,  posto  de   Não  foi  informado   combuspvel,  

USOS  DA  ENERGIA  
•  Bombeamento  de  água   •  Conservação  dos  alimentos   •  Produção   •  Saúde   •  Educação  –  para  a  escola  e  estudos  em  casa   •  Iluminação     •  Conforto  –  eletrodomésMcos  em  geral,     •  Lazer  –  leitura,  uso    de  televisão,  rádio  

Melhorias  que  a  energia  trouxe  para  as  comunidades  
•     “prender  as  pessoas  em  suas  comunidades    porque  não   haverá  a  necessidade  de  sair  da  localidade  em  busca  de   qualidade  de  vida”   •  Melhoria  na  produção  no  campo  (uso  de  equipamentos   elétricos)   •  Aumento  da  irrigação   •  Produção  de  farinha  de  mandioca   •  Movelaria  

SENTIMENTOS  ACERCA  DA  ENERGIA   Fortes    senMmentos  posiMvos:     •  Aumento  da  auto  esMma  da  comunidade,  que  se  sente   diferente  e  privilegiada   •  Intensa  parMcipação  da  comunidade  como  um  todo  no  zelo   com  as  instalações   •  Permanência  das  famílias,     •  volta  dos  filhos  que  estavam  em  centros  urbanos  para  trabalhar   •  Melhoria  da  informação.  “Todos  podem  saber  o  que  acontece   no  mundo,  via  televisão  ou  rádio“  

SENTIMENTOS  ACERCA  DA  ENERGIA  

São  manifestações  sobre    o  acesso  à  energia,  que   representam,  na  sua  forma  mais  simples,  o  valor  da   cidadania  que  é,  então,  apropriado  pelo  morador    dessas   comunidades.     Um  dos  entrevistados  registra:  “agora  podemos    saber  o   que  acontece  no  mundo”.     E  um  outro  declara:  “  agora,somos  parte  do  mundo”.   Isso  é  um  bem  incomensurável  

INICIATIVAS  PARA  SUSTENTABILIDADE  DOS  PROJETOS   EBSS   APL   APL-­‐ERCIRA  

VARIÁVEIS  PARA  ELABORAÇÃO  DE  PROPOSTAS  DE  APLs  e  REFERÊNCIAS  de  EBSS  

•   Fonte  primária  de  energia;   •  Sistema  de  geração  de  energia;   •  Gestão;   •  O&M;   •  Modelo  de  receita  praMcado;   •  Usos  da  energia;    

VARIÁVEIS  PARA  ELABORAÇÃO  DE  PROPOSTAS  DE  APLs  e  REFERÊNCIAS  de  EBSS  

•  AMvidades    praMcadas;   •  AMvidades  produMvas  atuais;   •  Venda  dos  produtos  /  Transporte  da  produção;     •  Organização  comunitária;     •  Aspectos  ambientais;   •  Avaliação    da  viabilidade  técnico-­‐econômica,  segundo  estudo   realizado  no  escopo  do  presente  projeto  [  31    ]  

INICATIVAS  PARA  SUSTENTABLIDADE  DOS  PROJETOS  JÁ  INSTALADOS    APL-­‐ERCIRA  -­‐  EBSS  
PROPOSTA     EBSS   SFD   AIUCÁ   ILHA   SIRIRI   CURUMU   MCH   ARUÃ   MCH   JATOARANA   MCH  NOVO  PLANO   APOIO      

Instalar  placas  para  secagem  de   bananas,  com  suporte  para  a   comercialização     APL  de  artesanato  local  Mpo   alguidares,  abanos,  peneiras,   urupemas,  balaios,  chapéus,   cestas  etc,  confeccionados  de   barro,  buruM,  madeira,  tala  de   arumã,  palha  e  fibras  naMvas    

EBSS  2  

X   Produção   artesanato   com  a  palha   de  milho,  com   desMno  final  a   exportação.  

X   Produção  artesanato  com  a   palha  de  milho,  direcionada   para  mulheres  e  jovens  da   comunidade,  tendo  com   desMno  final  a  exportação.  

APL  ERCIRA  e     APL     (Apoio  -­‐  LSF/IEE,   o  IDSM  e  o  inst.   WINROCK),para   apoio   insMtucional   para   comercialização     Ver  Projeto   Saúde  e  Alegria   em  Santarém  e   Belterra     com   apoio   do   EMBRAPA    

EBSS  6   produção   e   comercial ização  de   cestaria   baniwa  

X  

X  

Infraestrutura  para  ecoturismo   integrado  a  demais  localidades   do  município  e  entorno.     APL  que  integre  a  produção  e   comercialização  do  leite,   podendo-­‐se  incluir  outras   comunidades  do  entorno.     EBSS  1  

X  

X  

X  

X   das  duas   comunidades   –  Nova  Olinda   e  Santa  Luzia,  

Buscar  empreendedores  para   implantação  de  um  centro   turísMco  dado  o  cenário   ambiental  existente   Implantação  de   equipamentos  de   laMcínios/  uma  câmara   refrigeradora  para   conservar  o  leite(  EBSS1)  

 PARA  O  DESENVOLVIMENTO  SUSTENTÁVEL  É  ESSENCIAL:   •  IDENTIFICAR  O  QUE  A  COMUNIDADE  “QUER”.     •  SABER  QUAL  A  VISÃO  QUE  A  COMUNIDADE  TEM  DE  SEU   FUTURO  COM  ENERGIA   •  DAR  APOIO  À  COMUNIDADE,  ANTES  E  DEPOIS  DO  PROJETO   PARA  A  TRANSIÇÃO  DE  UM  CENÁRIO  SEM  LUZ  PARA  UM   CENÁRIO  QUE  PODE  SER  ILUMINADO  

Sumário  
1.  Conclusão   2.  Recomendações     3.  Modelo  “Opus  FerMlis”  

1.    Conclusão  
•  A   GERAÇÃO   DE   ENERGIA   ELÉTRICA,   A   PARTIR   DE   FONTES   RENOVAVEIS,     EM   SISTEMAS   ISOLADOS   NA   REGIÃO  

AMAZÔNICA    É  ECONÔMICAMENTE  VIÁVEL  E  SUSTENTÁVEL  

…  desde  que  atendam  as  recomendações  a  seguir:  

2.    Recomendações  
   2.1  -­‐  ASPECTO  ECONÔMICO   –  a  instalação  da  unidade  geradora  deverá  ser  feito  a  ptulo   de  “  fundo  perdido”   –  buscar  gerar  rendas  e  melhoria    de  qualidade  de  vida  para   a  comunidade    envolvida   –  incenMvar  e  prover  a  instalação  de  unidades  para    usos   produMvos  da  energia;   –  injeção  de  recursos  do  governo  como  LPT,  RGR  e/ou  a  sub-­‐ rogação  da  CCC   –  a  energia  consumida  deve  ser  tarifada   –  todos  consumidores  devem  pagar  pela  energia  consumida;   –  a  O&M  da  unidade  de  geração  de  energia  elétrica,  cedida   através  de  licitação,    poderia  ser  feita  por  um  agente   privado:  PIE,  APE  ou  a  própria  comunidade  organizada,   caracterizado  como  sendo  PPEE  em  SI  

2.  Recomendações  
     2.2  -­‐  ASPECTO  TECNOLÓGICO              -­‐  uMlizar  de  tecnologias  adequadas  para  atender  as                      necessidades      primordiais  das  comunidades;              -­‐  as  unidades  de  geração  com    fontes  renováveis  de  energia,                    como  a    solar  fotovoltaica,  a  micro  central,    a  térmica/                    biomassas  mostraram—se  mais    adequadas  à  região  amazônica;              -­‐  fazer  a  Gestão  e  o  Acompanhamento  conMnuado  da  O&M                      dos  sistemas;              -­‐  prever  margens  de  crescimento  na  demanda  da  energia  elétrica:  
•  A  geração  de  renda  e  a  melhoria  da  qualidade  de  vida  aumentam  a   procura  por  eletrodomésMcos  e  implementos  agrícolas  e,   consequentemente,  aumentam    consumo  domésMco.     •  A  melhora  das  condições  de  vida  da  comunidade  atrai  moradores    de   outras  localidades    que  buscam  inserção  à      rede  de  energia  elétrica  

         -­‐  presença  de  um  agente  externo,  qualificado  para  a  manutenção                    do  sistema  de  energia  

2.  Recomendações  
2.3  -­‐  MOBILIZAÇÃO  E  ORGANIZAÇÃO  DA  COMUNIDADE  

           São  fatores  essenciais  para    viabilidade  dos      projetos:  
–  os  moradores  de  vilas  e  comunidades  devem  ser  moMvados  e   organizados  em  associações  formais;       –  parMcipação/  compromeMmento    da  comunidade  nas  3  fases  do   projeto:      Antes      Durante      Pós  implantação  

2.  Recomendações  
 2.4  -­‐  SUSTENTABILIDADE  DA  UNIDADE  PRODUTIVA:      Prever  o  treinamento  de  membros  da      comunidade  para:   •  uso  adequado  da  energia   •  uso  eficiente  da  energia   •  uso  produMvo  da  energia  

3.  Modelo  de  Sustentabilidade  
Modelo  de  Gestão  em  Frentes  de  Trabalhos   ProduMvas  e  Sustentáveis  

•  Modelo  “Opus  FerMlis”    

Frente   Técnicnológica  

AGENTES  

Frente  Sócio   Econômica  

Inventário  do  Potencial  de  ER  

MME  -­‐  Programa   Luz  Para  Todos  

Inventário  dos  Indicadores   Sociais   Levantamento  da  Demanda  

Levantamento  da  demanda   Definição  da  Fonte  e  da   Capacidade  da  UG  +  Cadastro   dos  Usuários  

Incra/EMATER/  Serv.   Soc.    Munic.    

Mobilização  da  Comunidade  

Projeto  da  Unidade  de   Geração  +  Mini  Rede   Eletrobrás   Implantação  da  UG  +  Mini   Rede   R$(CCC)   Licitação  para  o   Permissionário  

Organização  da   Comunidade   Definição  da    Unidade   ProduMva-­‐  UP  

Implantação  da  UP  

CooperaMva  /  ONG  

Operação  da  UP   R$   Geração  de  Renda  

O  &  M              (UG  +  MR)  

R$  (Tarifa)  

PIE  SI  

UP  

Residên cias  

Comércio  

Posto   Saúde  

Escola  

Governo  Municipal   e/ou  Estadual  

R$   R$  

Melhoria  da  Qualidade  de   Vida  

Agradecimentos  

www.aproer.org.br   joanaluzMago@aproer.org.br   (35)  3621  1803   (35)  8875  1804  

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful