Você está na página 1de 19
EFEITOS DO USO DA ISOFLAVONA NA MENOPAUSA

EFEITOS DO USO DA ISOFLAVONA NA MENOPAUSA

EFEITOS DO USO DA ISOFLAVONA NA MENOPAUSA
EFEITOS DO USO DA ISOFLAVONA NA MENOPAUSA
EFEITOS DO USO DA ISOFLAVONA NA MENOPAUSA

Menopausa

Última menstruação espontânea da mulher. O período da vida que antecede e precede a menopausa é chamado climatério (vai dos 45 aos 60 anos).

Nessa fase, os ovários deixam de produzir os hormônios estrogênios e progestógeno, de forma gradativa até perderem de vez a capacidade de funcionar. A mulher então deixa de ter a capacidade reprodutiva.

de forma gradativa até perderem de vez a capacidade de funcionar. A mulher então deixa de
de forma gradativa até perderem de vez a capacidade de funcionar. A mulher então deixa de

Climátério

Climátério
Climátério

Sintomas

Sintomas
Sintomas

Essa similaridade estrutural proporciona a habilidade desses compostos em se ligar aos receptores de estrogênio em diversas células humanas

aos receptores de estrogênio em diversas células humanas Para prevenção desses sintomas do climatério as mulheres

Para prevenção desses sintomas do climatério as mulheres estão utilizando tratamentos com fitoestrogênios, sendo o mais recomendado a isoflavona que pode prevenir outras doenças crônicas e cânceres.

Fitoestrogênio é um grupo de substâncias encontrado nas plantas. "Phyto" é o nome grego para plantas. Elas são chamadas "estrogênio" por que agem como versão mais fraca do estrogênio humano ou o hormônio sexual que controla o ciclo reprodutivo.

mais fraca do estrogênio humano ou o hormônio sexual que controla o ciclo reprodutivo. Metabólito das
Metabólito das isoflavonas
Metabólito das
isoflavonas

ISOFLAVONAS

As isoflavonas são substâncias, presentes principalmente na soja e em seus derivados, denominadas de fitoestrógenos por apresentarem semelhança estrutural com os hormônios estrogênicos, encontrados em maior concentração nas mulheres.

por apresentarem semelhança estrutural com os hormônios estrogênicos, encontrados em maior concentração nas mulheres.
por apresentarem semelhança estrutural com os hormônios estrogênicos, encontrados em maior concentração nas mulheres.
por apresentarem semelhança estrutural com os hormônios estrogênicos, encontrados em maior concentração nas mulheres.
As isoflavonas são encontradas no grão de soja, brotos de alfafa, sementes de linhaça, trevo

As isoflavonas são encontradas no grão de soja, brotos de alfafa, sementes de linhaça, trevo vermelho, entre outros vegetais. Na soja, as isoflavonas estão distribuídas em todo o grão, tendo maior concentração no gérmen do grão da soja.

Na soja, as isoflavonas estão distribuídas em todo o grão, tendo maior concentração no gérmen do
Na soja, as isoflavonas estão distribuídas em todo o grão, tendo maior concentração no gérmen do
Na soja, as isoflavonas estão distribuídas em todo o grão, tendo maior concentração no gérmen do

ISOFLAVONAS SOBRE ALTERAÇÕES VASOMOTORAS

Provavelmente devido a alterações hipotalâmicas um dos sintomas mais comuns na menopausa são os fogachos provocados pela queda dos níveis de estrogênio.

fogachos provocados pela queda dos níveis de estrogênio. Estudo sobre o uso da isoflavona no climatério
fogachos provocados pela queda dos níveis de estrogênio. Estudo sobre o uso da isoflavona no climatério

Estudo sobre o uso da isoflavona no climatério (ALBERTAZIE; PURDIE, 2002) verificou-se redução de 40% a 50% as

queixas dos fogachos com 50 a 80 mg/dia durante 1 ano

(ALBERTAZIE; PURDIE, 2002) verificou-se redução de 40% a 50% as queixas dos fogachos com 50 a

ISOFLAVONAS SOBRE ALTERAÇÕES VASOMOTORAS

Porém num outro ensaio (SENA et. Al, 2007) envolvendo 90 mulheres pós menopausas (45 a 60 anos) 50 mg de isoflavonas, cada 12h/dia por 12 semanas, com queixas de fogachos acompanhados ou não de outros sintomas climatéricos não foi verificado tal efeito.

Outro estudo (HAN et. Al, 2002) com a mesma

posologia

houve atenuação dos fogachos e redução do colesterol total plasmático.

(HAN et. Al, 2002) com a mesma posologia houve atenuação dos fogachos e redução do colesterol
(HAN et. Al, 2002) com a mesma posologia houve atenuação dos fogachos e redução do colesterol

ISOFLAVONAS SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Mulheres na menopausa são mais

suscetíveis

cardiovasculares com dislipidemia, HAS e obesidade.

problemas

a

Estudo duplo-cego randomizado com 50 mulheres obesas receberam 70 mg de isoflavonas durante seis meses. Após esse período verificou-se que não houve alteração dos fatores de risco predisponentes às doenças cardiovasculares em comparação as mulheres que receberam placebo. (AUBERTIN – LEHEUDRE et al, 2008)

às doenças cardiovasculares em comparação as mulheres que receberam placebo. (AUBERTIN – LEHEUDRE et al, 2008)
às doenças cardiovasculares em comparação as mulheres que receberam placebo. (AUBERTIN – LEHEUDRE et al, 2008)

ISOFLAVONAS SOBRE A OSTEOPOROSE

Osteoporose – alteração metabólica óssea definida como redução da óssea, levando a fragilidade dos ossos, podendo ocorrer fraturas por traumatismos pouco intensos.

Em estudo sobre efeitos das isoflavonas (40 mg/dia) em 58 mulheres japonesas por 8 semanas a taxa de desoxipiridinolina urinária, um marcador da perda óssea diminuiu significativamente com o uso da isoflavona. Essa tendência foi verificada com o uso do metabólito da isoflavona – o equol.

com o uso do metabólito da isoflavona – o equol. velhice, menopausa, imobilização prolongada,

velhice, menopausa, imobilização prolongada, administração de corticóides e carência de vitamina C.

administração de corticóides e carência de vitamina C. Porém a osteocalcina plasmática e a densidade mineral

Porém a osteocalcina plasmática e a densidade mineral óssea não se alteraram

ISOFLAVONAS SOBRE ALTERAÇÕES UROGENITAIS

Com o declínio na produção ovariana de estrógeno uma das importantes alterações no corpo da mulher é a atrofia do aparelho urológico, genital e da pele.

WENDER et al (2003) realizaram um ensaio clínico duplo-cego randomizado com 40 mulheres pós menopausadas que receberam placebo e cápsulas com isoflavonas por três meses e não houve diferença significativa dos parâmetros analisados que foram avaliação hormonal (GH, FSH, E2 e IGF1) e cito hormonal no início e final do estudo.

parâmetros analisados que foram avaliação hormonal (GH, FSH, E2 e IGF1) e cito hormonal no início
parâmetros analisados que foram avaliação hormonal (GH, FSH, E2 e IGF1) e cito hormonal no início

ISOFLAVONAS SOBRE OS SINTOMAS PSICOLÓGICOS

Alterações de humor, ansiedade, depressão, irritabilidade são também descritas como alterações decorrentes das mudanças hormonais

SOUSA et al (2006) realizaram estudo com 84 pacientes. O grupo experimental recebeu 120 mg/dia de extrato de isoflavona de soja e o controle recebeu placebo. O efeito da isoflavona de soja foi superior ao do placebo, porém de pequeníssima magnitude e após 8 semanas de tratamento.

da isoflavona de soja foi superior ao do placebo, porém de pequeníssima magnitude e após 8
da isoflavona de soja foi superior ao do placebo, porém de pequeníssima magnitude e após 8

ISOFLAVONA E

ISOFLAVONA E As isoflavonas são consideradas pela ANVISA como medicamentos dado as seu perfil de uso

As isoflavonas são consideradas pela ANVISA como medicamentos dado as seu perfil de uso e indicações terapêuticas, sendo obrigatório seu registro e não sendo enquadrada na Legislação Brasileira de Alimentos.

Segundo a ANVISA as evidências científicas existentes, até o momento, sobre os efeitos das isoflavonas permitem reconhecer como viável apenas o seu uso para o alívio das ondas de calor associadas à menopausa ("fogachos") e como auxiliar na redução dos níveis de colesterol, desde que prescrito por profissional habilitado, Demais alegações das isoflavonas, relacionadas a câncer, osteoporose, reposição hormonal, redução do risco de doenças cardiovasculares, não têm comprovação

científica suficiente para justificar o seu uso.

redução do risco de doenças cardiovasculares, não têm comprovação científica suficiente para justificar o seu uso.

ISOFLAVONA E ANVISA

A ANVISA aprova o uso de isoflavonas apenas para o tratamento dos fogachos e adjuvante na redução dos níveis séricos de colesterol

o uso de isoflavonas apenas para o tratamento dos fogachos e adjuvante na redução dos níveis
o uso de isoflavonas apenas para o tratamento dos fogachos e adjuvante na redução dos níveis
o uso de isoflavonas apenas para o tratamento dos fogachos e adjuvante na redução dos níveis

Conclusão

É cada vez mais comum o uso da isoflavona no tratamento dos sintomas da menopausa, mas ainda é controverso o uso desses compostos, porque na maioria das vezes não possuem um mecanismo de ação esclarecido e a sua eficácia ainda não foi comprovada em estudos controlados.

A ANVISA o recomenda como adjuvante no tratamento da redução de colesterol, mas ainda são necessárias pesquisas, uma vez que seu efeito ainda não foi evidenciado completamente.

Em relação aos fogachos as isoflavonas apresentam redução das queixas assim como na redução da osteoporose

Há necessidade de mais estudos, uma vez que os dados atuais são escassos

queixas assim como na redução da osteoporose Há necessidade de mais estudos, uma vez que os

OBRIGADA E BEIJO

OBRIGADA E BEIJO
OBRIGADA E BEIJO
OBRIGADA E BEIJO

Bibliografia

VARASCHINI, Adriana ; MENDEL, Monique T. ; Suyenaga, Edna S. Artigo publicado na Revista Conhecimento online – Ano 3 – vol2 – setembro de 2011. ISOFLAVONAS DE SOJA NO TRATAMENTO DOS SINTOMAS DO CLIMATÉRIO: O QUE É CIENTIFICAMENTO VALIDADO?

http://www.anvisa.gov.br/faqdinamica/index.asp?Secao=Usua - último acesso em 30/01/2013

VALIDADO? http://www . anvisa . gov . br/faqdinamica/index . asp?Secao=Usua - último acesso em 30/01/2013