Você está na página 1de 3

Com Cristo rasga Horizontes à Vocação Missionária

1º Momento: Desenvolver alguns aspectos


1.1 “É Cristo a fonte inexaurível da missão da Igreja”
• "Ide, pois, ensinai todas as nações, baptizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito
Santo, ensinando-as a cumprir tudo quanto vos tenho mandado". E acrescentou: "Eu
estarei sempre convosco, até ao fim do mundo" (Mt 28, 19-20).
• Não é opcional. Quem faz a experiência de encontro com Jesus, da Vida que d’Ele recebe
não pode “guardar” esta vida como um qualquer tesouro que valoriza com o tempo.
• “Guardar o tesouro” significa anunciar. Quanto mais se anuncia, mais valoroso se torna o
tesouro que é Cristo. S. Paulo: “Ai de mim se não Evangelizar”. A Fé se não se apega
apaga-se, para mim claro! Porque Cristo permanece sempre Vivo e fonte de Vida para
quem o acolhe e anuncia.
• Jesus uma vez acolhido traz a salvação! É como uma semente lançada à terra que deita
raízes, nasce, cresce e produz fruto com abundância. Assim a Palavra de Jesus!
• O mundo é o campo de acção do Cristão! Aquele que acolhe Jesus não põe limites à acção
transformadora do Seu Amor: parte, põe-se a caminho, responde a cada passo ao envio do
seu Senhor: “Ide e ensinai”.

1.2 "Todas as Igrejas para o mundo inteiro"”


• " Perante o progredir da cultura secularizada, que por vezes parece invadir cada vez mais
as sociedades ocidentais, considerando além disso a crise da família, a diminuição das
vocações e o progressivo envelhecimento do clero, estas Igrejas correm o risco de se
fecharem em si mesmas, de olhar com pouca esperança para o futuro e de diminuir o seu
esforço missionário.” (nº2)
• É este contexto e este o momento, diz o papa, de se abrirem com confiança à Providência
de Deus, que jamais abandona o seu povo!
• Igrejas de antiga tradição e de recente evangelização são convocadas para viverem em
Espírito de missão num “intercâmbio de dons” intensificando a cooperação missionária.
Cada um é chamado a dar o que tem: individualmente e como comunidade: oração,
pessoas, meios materiais…

1.3 "A Igreja deve à humanidade de hoje o anúncio do Evangelho"”


• " O compromisso missionário permanece portanto, como foi várias vezes recordado, o
primeiro serviço que a Igreja deve à humanidade de hoje, para orientar e evangelizar as
transformações culturais, sociais e éticas; para oferecer a salvação de Cristo ao homem do
nosso tempo, em tantas partes do mundo humilhado e oprimido por causa de pobrezas
endémicas, de violência e de negação sistemática dos direitos humanos.” (nº4)
• “Fazer da Evangelização a expressão e o anúncio da caridade” é este o tema para o triénio
06-09 na diocese de Lisboa. Anunciar Jesus é um acto de caridade. È como dar pão a
quem tem fome, agasalho a quem tem frio, carinho a quem carece de amor… Dar Jesus é
o mais nobre acto de caridade para com os nossos irmãos e irmãs distantes de Deus.
• Oferecer a Salvação! Não impor, oferecer com o mesma humildade que se oferece o pão, o
agasalho, o carinho… O Amor não se impõe… circula naturalmente como o ar que ninguém
pode parar e sem o qual é impossível sobreviver. Quem se move por Amor, por Cristo…
circula, caminha da mesma forma… entra no coração do outro com essa delicadeza que só
o Espírito de Deus pode inspirar. È assim que somos chamados a anúnciar

1.4 "Cada comunidade cristã nasce missionária"”


• " Multidões de sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos voluntários depois de terem
deixado as comunidades de origem, dedicaram as suas energias apostólicas ao serviço de
comunidades acabadas de surgir, em zonas de pobreza e em vias de desenvolvimento.”
(nº6)
• Viver numa atitude de êxodo é a condição do crente! Partir é uma exigência de quem
interiormente se sente animado pela Palavra de Deus. Na realidade a acção missionária é
um gesto de Amor de quem se sente amado desde o ventre materno. Todos nós fomos e
somos evangelizados.
• “É com base na coragem de Evangelizar que se mede o amor dos crentes para com o
Senhor… Cada um dos crentes deve sentir-se protagonista e co-responsável da missão da
Igreja”. Protagonismo que exige, pede compromisso concreto

1.5 Viver a vocação missionária


• “Não esqueçamos que o primeiro e prioritário contributo, que somos chamados a oferecer à
acção missionária da Igreja, é a oração. "A messe é grande, mas os trabalhadores são
poucos diz o Senhor. Pedi, portanto, ao dono da messe que mande trabalhadores para a
sua messe" (Lc 10, 2). (7)
• Recordai-vos das imensas necessidades espirituais de tantos povos! Rezar por quem não
conhecemos, rezar pelas vocações, rezar … apresentar a Deus as inquietações da Igreja e
do mundo! Dar à nossa oração uma dimensão universal
• “Ajudar com pessoal”: sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos voluntários. A missão
necessita de pessoal. Na Além-Mar vem uma frase engraçada e profunda de Manuel
Alegre: “Tenho por vezes a impressão de que certos políticos e certos jornalistas vivem num
país virtual, sem povo, sem história, sem memória”. Também nós como Igreja podemos cair
neste risco. Falar da missão de uma forma bonita, viver a fé no aconchego dos nossos
grupos e tardarmos a perceber as exigências reais da “sequela Cristo”. Há um tempo de
enamoramento, mas esse tempo não pode ser toda a vida! Deus pede-nos uma resposta…
Congrega-nos, ensina-nos e chegada a hora envia-nos: Ide e ensinai. Tornai-vos vós
mesmos construtores de comunidade de Fé, de Vida…”Eu estarei sempre convosco”
• Ajuda material. Aqui é talvez o aspecto em que nos sentimos mais à vontade.

Terminar com a leitura Ac 2, 1-13 e fazer uma introdução ao momento de reflexão


individual e de grupo

2º Momento: lançar a reflexão individual e em grupo


Reflexão Individual:
• Ler Ac 2, 1-13
• Como e quando me sinto missionári@?
• Qual o horizonte que se “rasga” à minha frente na forma de viver a vocação missionária para a qual
me sinto chamad@?

(Escreve a tua reflexão na língua de fogo pedindo a Deus um dom do Espírito para viveres o que Ele te
inspirou)

Trabalho de grupos:

1ª Possibilidade: Ler artigos da Além-Mar


Ler juntos um artigo da Além-Mar e partilhar o que mais nos tocou e inspira atitudes novas. (um porta-
voz toma nota dos aspectos principais)

2ª Possibilidade: preparar inquérito e material


Inquérito de rua:
1º Dividir o grupo em subgrupos de 2
2º Estruturar a forma de abordar as pessoas
o Apresentação pessoal e do grupo
o Perguntar se têm disponibilidade para responder a um pequenino inquérito
o Inquérito
o Agradecer e entregar uma oração
3º Preparar as questões
4º Preparar as orações