Você está na página 1de 25

A SAGA DA DRA. PHYLLIS MULLENIX A Dra.

Phyllis Mullenix, então chefe do Toxicology Department at the Forsyth Dental Center, afiliado ao Harvard Medical School, foi convidada pelo Dr. Harold Hodge, um dos fundadores do Society of Toxicology, a dar início ao Forsyth's Toxicology Department com a pesquisa sobre o potencial neurotóxico do flúor. Segue, pois, um resumo do seu depoimento, em 14 de setembro de 1998: Era 1982 quando soube que o flúor necessitava ser investigado. Mas até conseguirmos desenvolver a tecnologia adequada para determinar com precisão quão seguro são os tratamentos dentários à base de flúor passaram-se cinco anos. Inicialmente o estudo despertou pouco interesse. Estávamos ansiosos por algo mais excitante. Baseando-nos em um modelo já existente para estudar a fluorose dental, esperávamos que os ratos, ao beberem a água fluorada, tivessem o mesmo comportamento do grupo de controle. Não foi, porém, o que aconteceu. A literatura científica de que dispúnhamos levava a crer que eles tolerariam 175 ppm de flúor na água e que o flúor não cruzaria as barreiras sangüíneas do cérebro. Também não se supunha que a exposição pré-natal ao flúor provocasse alterações futuras de comportamento. Mas todas essas pressuposições não se confirmaram. Assim, nosso relatório foi o primeiro estudo laboratorial a demonstrar, in vivo, que as funções do Sistema Nervoso Central são vulneráveis ao flúor, que seus efeitos sobre o comportamento estão relacionados à idade a que se lhe foi exposto e ao seu acúmulo nos tecidos do cérebro - a exposição pré-natal, por exemplo, produz comportamentos semelhantes à hiperatividade induzida por drogas e/ou deficiências cognitivas. O estudo não examinou a histologia do cérebro, mas sugerimos que os efeitos sobre o comportamento eram consistentes no que diz respeito à interrupção do desenvolvimento do hipocampo - a região do cérebro relacionada com a memória. Embora a pesquisa não tenha sido projetada para estabelecer a dosagem de flúor que afeta o Sistema Nervoso Central, ficou evidente que os níveis de flúor no plasma sangüíneo dos ratos que consumiam água com 75 a 125 ppm/dia de flúor equivaliam aos encontrados no plasma dos humanos que ingeriam entre 5 e 10 ppm/dia. Esses mesmos níveis são observados no plasma das pessoas que se submetem a certos tratamentos contra a osteoporose. E as aplicações tópicas de flúor nos dentes fazem com que dentro de uma hora os níveis no plasma sangüíneo das crianças cheguem a ser até dez vezes mais elevados. Os humanos estão sendo expostos a níveis de flúor semelhantes aos que observamos alterar o comportamento e a disfunção motora dos ratos, promover a diminuição do QI e dificultar o aprendizado - dados que representam apenas uma peça do quebra-cabeça, pois o quadro completo ainda está por emergir. Estudos epidemiológicos dos chineses (Fluoride, 1995-1996) vieram

igualmente demonstrar a diminuição do QI nas crianças superexpostas ao flúor, fosse através da água que bebiam ou da fuligem de carvão que inalavam. Um outro estudo (International Clinical Psychopharmacology, 1994) sobre 60 anos de exposição ao flúor listou uma série de conseqüências comuns ao Sistema Nervoso Central - problemas de concentração e memória, confusão mental, dor de cabeça, letargia e depressão. Estudos recentes também demonstraram que a exposição prolongada dos ratos ao flúor, através da água, compromete a integridade neural (hipocampal) e cerebrovascular (barreira sangüínea do cérebro), assim como aumenta a concentração de alumínio nos tecidos do cérebro. Segundo Masters e Coplan, o uso do silicofluorido na água também promove o aumento dos níveis de chumbo no sangue das crianças - um fator que contribui para o aumento da criminalidade, deficiência de atenção e problemas de aprendizado. O trabalho apresentado pela Dra. Jennifer Luke, no encontro do International Society for Fluoride Research (ISFR), de 1998, em Bellingham (Washington), mostrava que o flúor se acumula tanto ou mais na glândula pineal do que nos ossos e dentes, afetando a biossíntese da serotonina e da melantonina. Nesse mesmo encontro expus o fato de os esteróides fluorados (dexametasone) serem fator de perturbação muito mais danoso ao comportamento do que os esteróides não fluorados (prednisolon). Por isso, crianças medicadas com esteróides fuoretados contra a leucemia sofrem redução no Q.I., na capacidade de compreensão da leitura e de fazer cálculos matemáticos, na memória de curto prazo ou memória elétrica. A quantidade de flúor a que estamos sendo expostos é muita alta, pois, além de presente nos cremes dentais e na água que se bebe, a fluoração da água e pesticidas como a criolita aumentam o teor de flúor nas bebidas e nos alimentos, somando-se também a tendência de se fluorar os medicamentos em geral. Presente em vários compostos industriais, a exposição ao flúor é ainda maior àqueles que trabalham ou vivem perto das fabricas de aço, alumínio, petróleo, tijolos, vidro etc. Portanto, não se pode mais ignorar suas conseqüências do flúor sobre o Sistema Nervoso Central dos seres humanos.

Para fechar a história, recorro ao artigo de Dale Brown, que descreve as conseqüências da apresentação dos resultados da pesquisa ao National Institute of Dental Research (NIDR), uma divisão do National Institute of Health (NIH).

As pesquisas são totalmente controladas . além da alta incidência de fluorose dental. Tal fato. enquanto que a exposição pré-natal gera a hiperatividade . apontando a redução progressiva das cáries dentárias. janelas. constatando não existir diferença alguma nos dentes dos que viviam em áreas de água fluorada ou não. embora hoje se encontre no Research Associate in Psychiatry do Children's Hospital Medical Center. Na verdade. nos últimos 30 anos. Ao que ela respondeu que.I. móveis etc. de nutrição e higiene. em Crianças de 12 anos. devido à outras medidas preventivas e ao aumento dos níveis da qualidade de vida . jamais conseguiu verba para qualquer outro trabalho investigativo.."Eu não fazia idéia do que estava por vir. foi publicada pelo Journal of Neurotoxicology and Teratology. certamente. "sofreu" uma aposentadoria prematura em conseqüência da divulgação do resultado de seu estudo. que lhe perguntaram se ela estava querendo dizer que os produtos que fabricavam fazia diminuir o Q. um dos maiores promotores da fluoração nos anos 60 e 70 então Principal Dental Officer de Auckland (Nova Zelândia). E assim terminou a carreira de uma brilhante pesquisadora que. Segundo a OMS . O Dr.melhores condições de preservação dos alimentos. porém. sim. antes amplamente presente na gasolina e nas tintas dos brinquedos. mas. diminuição da exposição ao chumbo da gasolina e . logo após sua demissão. Tabela do Percentual de Dentes Estragados. Não demorou muito para Mullenix ser demitida da chefia do laboratório através de uma carta que dizia que seu trabalho não se relacionava com a odontologia e que determinar a segurança e a toxicidade do flúor não era um assunto pertinente ao Instituto. não tem relação alguma com a fluoração dos reservatórios de água.condição que tem obrigado muitas crianças a viverem sob a ação do Ritalin (fármaco com propriedades bioquímicas semelhantes à cocaína). John Colquhoun. hoje já proibido por lei em vários países. Faltando e Obturados (DMFT). indo dar um seminário ao NIDR para contar-lhes que o flúor é um neurotóxico!. foram encontrados misteriosamente danificados. Por que. junto a 60. em Boston. o estudo lhe havia sido encomendado? Por coincidência (ou recompensa). através da revista Nature. ela foi interpelada pelos representantes da indústria odontológica. parede. Eu escolhi a ciência porque ela é divertida e gostaria de retornar a fazer mais pesquisas. como no caso da Alemanha Oriental. QUEM GARANTE QUE A ÁGUA FLUORADA REDUZ AS CÁRIES DENTÁRIAS? Ninguém pode negar que nas últimas décadas houve um grande declínio na incidência de cáries.000 crianças em idade escolar. Terminado o seminário. o Forsyth Institute recebeu US$ 250 mil dólares da Colgate e os equipamentos. como mostra os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). portas. contou Mullenix. das crianças. demonstrando que a exposição pós-natal ao flúor gera a falta de iniciativa e a tendência à inatividade. de Cuba e da Finlândia. do Canadá. Diesendorf já pedia uma reavaliação científica sobre os supostos benefícios das águas fluoradas. No principal hospital do NIH. basicamente.diz Mullinex. que por cinco anos Mullenix havia projetado para aquele estudo específico. A pesquisa. então. Em 1986. independente das águas serem fluoradas ou não. estudos recentes têm apontado a interrupção da fluoração da água como fator de declínio das cáries dentárias. em todas as paredes por que passava estava escrito: Os milagres do flúor". mas eu não confio mais na integridade do sistema. processo confirmado pelos levantamentos da OMS como mostra o quadro ao lado. entretanto.

. A maior parte desse flúor vem de Tampa Bay (Flórida).fluorada fluorada não.5 1.3 3. então chefe do Department of Preventive Dentistry da University of Toronto e presidente do Canadian Association for Dental Research.fluorada 10% fluorada não. possivelmente.8 (Zurique) não. Para o Dr.1 1. ele declarou: Há meio século temos contaminado com o flúor nossos reservatórios de água.8 Suíça 1. Prêmio Nobel de Química (1946) por ter descoberto que as enzimas podem ser cristalizadas: . justificar a ingestão do flúor com o objetivo de melhorar a qualidade dos dentes não parece "muito inteligente": “Na sua odisséia através dos fluidos do corpo. Ele é um subproduto tóxico da indústria de fertilizantes à base de superfosfato.40.fluorada não. Segundo o Dr. Prêmio Nobel de Medicina (1955) por suas descobertas sobre a natureza e ação das enzimas nas reações oxidativas.fluorada 5. em dezembro de 1997.9 1. a maior parte do flúor fica retida em outros órgãos aos quais provavelmente não acrescenta benefício algum. hoje ao alcance de qualquer pessoa.6 Austrália 1. Envenenar nossas crianças era a última coisa que eu tinha em mente.2 2.2 6. Hardy Limeback. eu me recusei a ler as informações sobre sua toxicidade. James Sumner (1887-1955).9 4.9 3. Essa verdade foi uma pílula amarga de ser engolir.6 1.. mas que.7 1.1 1.1 0. mas eu a engoli.1 1.fluorada não.5 3. também se tornou um dissidente do "exército pró-flúor".4 1.fluorada O Dr. Na sua retratação perante professores e alunos do Department of Dentistry da University of Toronto.1 0. Durante os últimos 15 anos.9 1.País França Austria Bélgica Nova Zelândia Noruega Alemanha Finlândia Reino Unido DMFTs % * 4.7 Holanda 1.1 Ano 1987 1993 1998 1988 1994 1997 1972 1998 1993 1985 1998 1997 2000 1975 1997 1996-97 1975 1985 2001 1985 1989 1992-93 1980 1990 1998 1992 1998 Condição da água não-fluorada não-fluorada não-fluorada fluorada não.4 0. Hugo Theorell (1903-1982).7 3. representa grande perigo às enzimas”.0 1.2 Dinamarca 2.

. Além disso. defeitos nos dentes. porque o Dr. O VERDADEIRO POTENCIAL DE INTOXICAÇÃO DO FLÚOR Ainda não se podem dimensionar corretamente as verdadeiras conseqüências da ingestão do flúor. apesar de inertes sob o ponto de vista químico. pois.Todos sabem que o flúor e seus derivados são substâncias altamente venenosas… Nós o utilizamos para envenenar as enzimas.. pois há apenas 50 anos o ser humano passou a ser exposto a ele em proporções aberrantes . agentes vitais ao organismo. bastante utilizados na fluoração das águas. é enfático em afirmar que a fluoração é a maior fraude científica desse século.estima-se que os habitantes das cidades que adicionam flúor à água estejam ingerindo uma média de 8 mg de flúor por dia. que igualmente apresentam os mais altos níveis de obesidade e diabetes . comenta o acontecimento: O flúor é apresentado como fator de prevenção das cáries sem nenhuma evidência científica consistente. Acrescenta-se a isso o fato de que o potencial de dois elementos em sinergia é sempre superior à ação isolada de ambos. a facilidade com que ele se combina ao alumínio. Paul Beeber. a partir de 0.disfunções neurológicas e da tireóide. Indícios de contaminação radioativa também são encontrados no ácido hidrofluossílicico. convocou um painel para fazer um balanço sobre os trabalhos de prevenção às cáries e a qualidade das 560 pesquisas que avaliavam o uso do flúor como fator preventivo. A cárie é epidêmica entre os grupos mais pobres e minoritários. Está claro que as cáries são fruto da má nutrição..doenças relacionadas com o consumo excessivo de açúcares e refrigerantes. . faz com que esses elementos igualmente tóxicos sejam conduzidos a locais que.03 microcúries (1 g/6. Além da facilidade de transpassar as membranas do cérebro. são altamente reativos do ponto de vista bioquímico. ex-consultor do Ministério da Saúde da British Columbia (Canadá). jamais alcançariam. O National Institutes of Health (NIH) dos Estados Unidos. atualmente adicionado em quase 50% dos reservatórios de água dos Estados Unidos. Compreende-se. em março de 2001. Os íons do flúor. advogado e presidente do New York State Coalition Opposed to Fluoridation. Mahaffey observou que a combinação do flúor com o chumbo é muito mais tóxica ao sangue e ao fêmur do que ambos isolados. A ação do flúor sobre as enzimas também pode ocorrer sobre os íons de magnésio. não existe uma única prova de que sua carência seja fator de aumento do risco de cáries nas crianças. são considerados potencialmente carcinogênicos. berílio. chumbo. cujos radionuclídeos (polonium 210)..8 trilhões). um dos principais cofatores enzimáticos. Masters e Coplan estudaram a ação dos compostos de flúor junto ao chumbo e ao silício. rádio e urânio. Por essa razão as plantas e os animais morrem. normalmente. Richard Foulkes. Conseqüentemente tendem a interferir sobre as uniões de hidrogênio do DNA ou das enzimas causando todo o tipo de problema no âmago das funções bioquímicas. E o mais triste é que os mal nutridos são os que mais sofrem com os efeitos adversos do flúor . apontados por Judson Street como fortes candidatos a serem os responsáveis pela alta incidência de criminalidade nas áreas onde estejam sendo usados. Por isso. As principais conclusões foram: A maioria das pesquisas não apresentava a qualidade necessária (ou não apresentavam os resultados que lhes interessava?). deformidades ósseas.

um dos mais utilizados nas plantações de maçã. ou seja. que produzem a calcificação dos tecidos conectivos. As crianças foram apontadas como as mais vulneráveis à intoxicação por terem um organismo mais sensível e por ingerirem mais frutas frescas do que os adultos. como a mineralização óssea e o movimento muscular. * A inibição enzimática. pois ele já havia tentado. Muito utilizado como arma química. a mais tóxica de todas é o gás de ácido hidrofluórico (HF). Em conseqüência da disseminação de íons de flúor. por ser 500 vezes mais solúvel. alface. interferência sobre o sistema reprodutor. em quantidades que extrapolam os limites determinados pelo governo (que já são bastante altos). que. A criolita. na sua maioria. em 1979. batata. De acordo com o comunicado do Consumers Union. * O aumento da atividade dos osteoclastos e dos osteoblastos células que promovem a destruição e a regeneração dos ossos . embora menos tóxico que o HF. uva. Harold Hodge.Segundo o Dr. devido à predominância da formação óssea. elementos tóxicos. é 80 vezes mais tóxico do que o fluoreto de cálcio (CaF2). seus íons formam sais insolúveis com o cálcio (CaF2) e o magnésio (MgF2) minerais fundamentais a diversos processos fisiológicos. O Departamento de Saúde de New Jersey. tomate. sem jamais haver conseguido. foram encontrados em frutas e legumes frescos e em diversos alimentos e processados.informação que surpreendeu o Dr. Para os toxicologistas. Senior Science Advisor do Departamento de Ciência do EPA. geralmente sob a forma de ossificação das inserções musculares. remover ferrugem e lavar a seco. Muitos desses elementos tóxicos certamente estão relacionados aos pesticidas. são à base de flúor. lesão nos rins. é constituída por 54. fundamental à produção de energia celular. responsáveis pelos batimentos irregulares e paradas cardíacas. Por isso. * O estado de choque pelo desequilíbrio da bomba sódio/ potássio. modificação na estrutura e função da tireóide. Estudos da University of Minnesota também verificaram que os moradores das áreas agrícolas do vale do Red River têm o triplo de possibilidades de morrer de câncer da tireóide e o dobro de câncer dos ossos se comparados aos habitantes das áreas urbanas. por exemplo.danificação das estruturas minerálicas do esmalte dos dentes ou dos ossos. divulgado pelo Washington Post em 19 de fevereiro de 1999. inclusive compostos radioativos. diferentes possibilidades de intoxicação pelo flúor estavam sendo estudada em animais de laboratório: anemia. Intoxicação aguda pelo flúor: Intoxicação crônica pelo flúor: .o que explica a alta incidência de câncer da tireóide nas regiões agrícolas. ou superfosfatos.30% de flúor . Já o fluoreto de sódio (NaF). elemento extremamente higroscópico (absorvente de água). * Os depósitos de complexos de cálcio. pêssego e na maioria das "berries". por exemplo. * As disfunções dos rins e da tireóide. da sua atuação sistêmica. levam às deformações dos ossos ou exostoses . apontou para o aumento do câncer dos ossos em relação à ingestão de flúor . induzir um osteossarcoma em roedores. por todos os meios. Penetrando a pele.calombos ósseos. com grande facilidade.que. * A fluorose . que passa ao estado líquido. o glucanato de cálcio é o antídoto do ácido hidrofluórico. William Marcus. ele é extremamente corrosivo. em 1992. a hipocalcemia (perda de cálcio) e a hipercalemia (excesso de potássio). são igualmente conseqüentes da: * A danificação da mucosa do estômago. Entre todas as formas de flúor. que gera a gastrite. perda de peso. limpar metais. e vice-versa. pela indústria eletrônica ou para gravar vidro. são comuns aos operários expostos ao HF. sobretudo da ATPase.

" A overdose de flúor não é. Os ativistas se enfurecem com o fato desses riscos não serem amplamente divulgados. Sua saúde se tornou um enigma para os especialistas até que um ortopedista notou que seus dentes tinham manchas amarronzadas. como vimos. indústrias de petróleo. mas o sinal de um envenenamento crônico pelo flúor. Qualquer pessoa exposta a uma overdose de flúor corre perigo de desenvolver fluorose esquelética que enfraquece os ossos. Os que sofram de: A HISTÓRIA DE ALYSIA (resumo) Como a maioria dos pais. .Imunodeficiência. pois. como igualmente constataram os pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Piracicaba. Beverly Cooke fazia sua filha Alysia usar pasta de dente com flúor.. PRINCIPAIS FONTES DE FLÚOR NO MUNDO ATUAL: POLUIÇÃO AMBIENTAL O flúor é uma das substâncias mais voláteis que existem e o gás de fluoreto de hidrogênio. provoca a artrite. fábricas de cerâmica. dizem eles. no rótulo. incineradores. onde a água jamais foi adicionada de flúor. Os que já ultrapassaram os 40 anos. para que nunca fosse utilizada mais do que a quantidade de pasta recomendada. pois: "Seus benefícios não compensam os perigos que traz. isto é.Disfunções renais. refrigeradores etc.Subnutrição." Por que os consumidores britânicos não são igualmente informados? Tony Lees. condicionada apenas à água fluorada. seja rara. magnésio ou vitamina C. é um dos mais fortes agentes de poluição ambiental. na perna e gripes constantes. pelo menos é obrigatório que as pastas de dente fluorados tragam.. Alysia começou a ter dores de cabeça.. levantando a suspeita da fluorose dental. .Deficiências cardiovasculares. a advertência: "No caso de ingestão acidental. ao qual as crianças são muito mais vulneráveis do que os adultos. . da Unicamp. queima do carvão. Desde os 18 meses de idade. . . .. como a de Alysia. Os testes.. emitido por usinas metalúrgicas. dentista de Herefordshire.. Nos Estados Unidos.Carência de cálcio. com 40 anos de experiência clínica. mas. apesar dela viver em Gower Península (Escócia). então. Embora a hipersensibilidade ao flúor.Hipersensibilidade genética ou adquirida. procure imediatamente a assistência médica ou entre em contato com um centro de envenenamento. A interrupção do uso do dentifrício com flúor foi suficiente para que os sintomas desaparecessem. . apenas o volume relativo a um grão de ervilha. olarias. também ao uso de dentifrício fluorado.Diabetes. embora pouco ou nada seja dito sobre isso.QUEM É MAIS VULNERÁVEL AO FLÚOR? As crianças. a limpeza dos seus dentes era supervisionada. Aos nove anos. embora reapareçam sempre que visita áreas de água fluorada. . confirmaram os altos níveis de flúor no organismo de Alysia.. acredita que o flúor deva ser banido das pastas de dente e da água. A fluorose dental não é somente um problema cosmético. estudos revelaram que 48% das crianças que bebem água com flúor mostram algum sinal de fluorose.

da FOP-Unicamp. quando os limites aceitáveis são de 0.007 mg/kg .35 ppm 3. ele é apontado como uma das principais causas da artrite dos habitantes de muitas regiões. Inglaterra. como mostra a lista abaixo publicada pelo The Journal of Clinical Pediatric Dentistry (1991). de plástico fluorado. sardinha e chá são os alimentos que mais concentram fluoreto de cálcio. onde 90% da população sofriam da intoxicação pelo fluoreto de hidrogênio. ao alumínio da panela ou ao sódio do sal ou dos alimentos. A revista JAMA.98 a 1. especialmente à base de soja. já trazia a informação do flúor ser um elemento protoplasmático extremamente violento: Ele modifica a permeabilidade das membranas celulares. As panelas revestidas pela combinação de flúor com carbono. nas redondezas de Londres. soltarão gases . kale (um tipo de couve crespa). John Yiamouyiannis.20 ppm 1. veicularem altas concentrações de flúor. Jaime Cury. e uma das maiores autoridades a estudar os efeitos biológicos do flúor. O Dr. por exemplo.532 bebidas analisadas apresentavam mais do que 1 ppm de flúor. independente da água da cidade ser ou não fluorada. por muito tempo.30 ppm 1. conta ter visitado uma região produtora de tijolos. embora sua presença nos tranqüilizantes . 80 vezes mais tóxico e. o flúor se desprende com facilidade e fica livre para ser inalado ou ingerido devido à facilidade com que se combina. a alimentação moderna faz com que a contaminação pelo flúor extrapole os limites regionais das redes de água fluorada. através da inibição de certas enzimas (e da ativação da proteína G.5%) vinham da dieta (alimento + água) e 54% (26. no seu livro intitulado Flúor: Fator do Envelhecimento. OS ALIMENTOS MAIS RICOS EM FLÚOR Alface. o maior centro de informação química do mundo. que sempre apresentaram baixas concentrações de flúor. chá. cujo genoma é mais parecido com o dos humanos do que o dos macacos ou dos porcos. Bebidas e sucos de frutas industrializados também se tornaram importantes veículos de íons de flúor. por outro lado. ou seja. Segundo a equipe do Dr.Na Alemanha.80 ppm Por isso. Canadá.5 a 72%) da pasta de dente.118 mg/kg de flúor. hoje se tornaram importantes portadoras do fluoreto de sódio devido à água fluorada e aos pesticidas. As frutas. espinafre. uma vez que sua integridade é rompida por algum arranhão. Embora se diga que o teflon não reage com os alimentos. como resultado da pesquisa que constatou que 42% das 1. Norte da África e Suíça. Estados Unidos. ALIMENTOS E MEDICAMENTOS Nos alimentos naturais. Grape (Very Fine) artificiais Coca-Cola 100% Apple Juice (Minute Maid) Pineapple (Minute Maid) White Grape (Minute Maid) White Grape (Gerber) 0.00 ppm 6. de setembro de 1943. crianças entre 20 e 30 meses estavam recebendo de 0.cerca de 46% (28 a 73. já podemos acrescentar).16 ppm 0. como foi recentemente constatado.059 a 0. Os pesquisadores também constataram o fato de os alimentos infantis. mais conhecido como tefal ou teflon. utilizado unicamente como veneno de rato. que foi um dos editores do Chemical Abstracts Service. O flúor também faz parte de inúmeros complexos vitamínicos. o flúor é encontrado essencialmente sob a forma de fluoreto de cálcio e não como fluoreto de sódio.adverte o manual das panelas de vidro Vision de teflon vendidas em território americano que poderão envenenar um passarinho que se encontre na cozinha. se forem esquecidas vazias sobre o fogo por mais de três minutos. endívia. entretanto.

também não pode ser qualificada como 100% inócua. em 1987. ambos fabricados pela Roche . qualquer quantidade de flúor junto ao alumínio. Para minimizar o perigo. matar uma criança. por ordem do Tribunal de Nurenberg.G. Pendrys constatou que a incidência de fluorose dental é bem maior nas crianças que escovam os dentes com esses dentifrícios duas vezes ao dia do que naquelas que escovam apenas uma vez. CREMES DENTAIS Os cremes dentais fluorados são igualmente protagonistas da intoxicação sistêmica pelo flúor. elas engolem maiores quantidades do que um adulto. Hoje. requisitou ao FDA todas as informações relativas à segurança e à eficiência dos colutórios (líquidos para bochechos). Em 20 de janeiro 1979. ainda que todos absorvam íons de flúor pela mucosa da boca durante a escovação. A quantidade de fluoreto de sódio encontrada na maioria dos cremes dentais é da ordem de 1mg de flúor/g. o Journal Pediatrics. embora algumas o façam. qualquer profissional que atua nessa área sabe que reações alérgicas e anafiláticas podem ocorrer. Segundo a equipe do Dr. a elevação dos níveis de flúor que provoca na corrente . acondicionadas em tubos de alumínio.seja mais significativa. A pesquisa do Dr. assistente legista de New Jersey (EUA). de Ohio (EUA). como eram todas antigamente. banir o uso dos dentifrícios fluorados está ao alcance de qualquer um. hoje tão presente na cadeia alimentar. ou seja. A aplicação tópica do flúor. foi ainda mais traumática quando em 1969 presenciou uma criança que recebia uma aplicação tópica de flúor entrar em convulsão e morrer ainda no consultório. Por isso. em média. ao escovar os dentes. Embora seja praticamente impossível esquivar-se totalmente da toxicidade do flúor. Michael Perrone. já aconselhava que a quantidade de creme dental utilizado não ultrapassasse 1/3 do volume de uma ervilha . Apesar de não ser normal que as crianças comam creme dental. um tubo de pasta tamanho família contém quantidades suficientes de flúor para. teoricamente.empresa farmacêutica expert no potencial neurológico do flúor por ter sido gerada pelo desmembramento da I. Terry Leader. a Dra. mas que dependia deles (os legistas) retirarem essas pílulas e colutórios do mercado. Estima-se que nas crianças a absorção seja. o New York Times noticiava .000 Given in Child's Death in Fluoride Case (não sei se em referência a esse ou a um outro caso). pois esse tipo de mágica não faz parte da realidade bioquímica. dedicada a conscientizar os pais sobre os perigos relativos ao flúor.o Rohypnol. Farben. Mas. a ingestão de 16mg/kg de flúor é suficiente para matar um ser humano. PRODUTOS ODONTOLÓGICOS. é o Diazepam (Valium) acrescido de flúor. é suficiente para impor disfunções aos glóbulos brancos. um procedimento pontual e que não impõe a presença diária do flúor a nível sistêmico. em conseqüência da aplicação.informação que os dentistas deveriam repassar a todos os pais. Allman. são ainda mais tóxicas. por exemplo. Após seis meses. dentista de Long Island. já que uma parte tende a ser ingerida. De acordo com o Akron Regional Poison Center. PÍLULAS E GOTAS Em 1992. Leader esclarece que o flúor ingerido não é utilizado exclusivamente pelo esmalte dos dentes. por menor que seja. pois aumenta o potencial neurológico dos outros componentes . A experiência da Dra. o FDA acabou admitindo a Perrone a inexistência de qualquer documentação. pílulas e gotas à base de flúor. Pastas de dente fluoradas. da Indiana University School of Medicine.$750. 1mg de flúor a cada escovação. Por outro lado as evidências são de que a aplicação tópica do flúor realmente promove a redução das cáries.

onde provocam modificações morfológicas. os ossos doloridos. E é isso que há décadas tem sido questionado e combatido dentro do meio científico com toda a propriedade. pelo menos desde os anos 60. pelo US National Institutes of Health e Harvard University. dos maus efeitos do envelhecimento e dos processos degenerativos. por si só: ♦ Diminui o potencial do sistema imunológico. de alumínio promova a ingestão de fluoretos de alumínio. O fato do flúor interromper a síntese do colágeno e promover a dissolução de suas cadeias nos ossos. porém. das latas de bebida e de conserva etc. ♦ ♦ ♦ Interfere nas reações controladas pelo cálcio. Os estudos de Varner e sua equipe constataram que por menor que seja a ingestão diária do fluoreto de alumínio ou do fluoreto de sódio. Yiamouyiannis cita ainda como conseqüência direta da água fluorada a tendência ao desenvolvimento do câncer do fígado e dos ossos. pulmões. antes de ser exposto à aplicação do flúor. Além da água da maioria dos reservatórios ser tratada com alumínio. colutórios. Outros pesquisadores igualmente constataram a relação do flúor com a desintegração dos tecidos do . Para Burgstahler e Carton. isso se explica pelo fato do flúor ser o elemento eletroquimicamente mais ativo e ter grande facilidade de se combinar ao alumínio e levá-lo ao cérebro. Isaacson. a erupção cutânea. pele. ♦ Inibe as enzimas. rins e traquéia também é conhecido. ex-cientista do Environmental Protec-tion Agency (EPA). os tumores nas células escamosas da boca. torna-se fundamental que o organismo do paciente seja previamente preparado com um superávit de cálcio. Nada. pílulas. O FLÚOR COMO AGENTE DOS PROCESSOS DEGENERATIVOS De acordo com as pesquisas do Dr.sangüínea e os inquestionáveis perigos que isso pode vir a causar. tendões. Reduz a capacidade de utilização do oxigênio. eles se acumulam no cérebro e nos rins. cartilagem. a náusea e o vômito. músculos. o cérebro dos animais expostos a baixas doses de fluoreto de alumínio apresenta um emaranhado de vasos capilares e uma estrutura cristalina semelhante à encontrada nas vítimas da doença de Alzheimer. Infelizmente a comunidade científica também não faz eco às pesquisas que demonstram o impacto do flúor sobre as membranas lipídicas das células e sua interferência sobre as funções cognitivas e a redução do QI. o simples fato dela ser "enriquecida" com o fluoreto de sódio faz com que o seu contato com os utensílios de cozinha. particularmente as metaloenzimas necessárias à transmissão dos impulsos nervosos.os problemas gastrintestinais. seja através dos dentifrícios. Embora o potencial neurotóxico do fluoreto de alumínio (AlF3) seja incontestável. Promove mutações patogênicas. As pesquisas de Yiamouyiannis o fizeram apontar o flúor como um dos principais fatores do envelhecimento precoce. o fluoreto de sódio (NaF). justifica a exposição diária do organismo humano ao flúor a nível sistêmico. embora o exército de "inocentes úteis" treinados para defender a fluoração artificial da água seja enorme. água e alimentos contaminados por esse elemento neurotóxico.

experts nos efeitos negativos do flúor sobre os ossos: As maiores mudanças são observadas na coluna vertebral devido à calcificação dos ligamentos. Mas como a quantidade de flúor acumulado nos ossos aumenta com a idade.4 4. porém. fazendo com que o movimento de fricção acabe provocando o processo inflamatório típico das artrites. Nas regiões aonde as águas fluoradas chegam a 3 ppm.2 9.6% 26.7 2. Para Jolly (1973).. George Waldbott. A fluorose esquelética documentada por radiografias no Norte da África é idêntica à artrose da coluna vertebral típica dos idosos.doença degenerativa das fibras ósseas. assim como anomalias nos tendões. Segundo a experiência clínica de Singh e Jolly. de 1973. Um relatório do National Institute of Arthritis and Metabolic Diseases.4 Percentagem 2.5% 52.1% Ainda segundo Jolly.9% 52. De acordo com a experiência clínica do Dr. os outros prendem os músculos aos ossos. é igualmente alto o número de pessoas que sofrem de arteriosclerose em decorrência da calcificação das artérias (e descalcificação óssea).8% 19. Já nas cartilagens. que recobrem a cabeça dos ossos.6% 80. A fluorose esquelética nos homens a partir dos 21 anos Aldeias da Índia Mandi Baretta Gurnay Kalan Ganza Dhanaula Bajakhana Rorki Saideke Khara Flúor na água (ppm) 0. devido ao enrijecimento da caixa torácica. bebidas. o primeiro sintoma se apresenta como uma dor suave que normalmente aparece nas pequenas juntas da coluna vertebral.0 8.. a rigidez dos ossos também está ligada à fluorose esquelética gerada pela riqueza natural das água em flúor. o enrijecimento acaba limitando o ato de andar e pode provocar até mesmo a quifose (corcunda) e a dispnéia (dificuldade de respiração). que leva à deformação e facilita a fratura dos ossos.2 5.3% 46. A artrite da coluna vertebral é comum e normalmente atribuída ao envelhecimento. O FLÚOR COMO AGENTE DE DISTÚRBIO ÓSSEO Existem inúmeros estudos que mostram a correlação entre os níveis de fluoração das águas e a incidência das fraturas da bacia. as dores nas juntas e os sintomas da artrite podem ser revertidos com a total abstenção da água. também chamava a atenção para o fato de os pacientes submetidos à hemodiálise com água fluorada apresentarem uma incidência de 50 a 100% de osteíte fibrosa . Os ligamentos e os tendões são fibras ricas em colágeno: os primeiros mantêm os ossos juntos.1 7. Nos últimos estágios. o flúor as torna irregulares.corpo. na maioria das vezes. alimentos e medicamentos contaminados pelo flúor. devido a sua interferência sobre a síntese do colágeno. temos que levar em conta que ela também esteja relacionada à ingestão do flúor. . o envelhecimento precoce e a morte prematura. que provoca o crescimento ósseo.

E isso é gravíssimo! Defeitos de nascença são fruto de um óvulo ou esperma com informações genéticas erradas que foram repassadas. Isso tanto evita que as células comecem a agir de forma incorreta como que elas sejam copiadas levando informações erradas às próximas gerações celulares. com todas as informações do DNA transferidas aos ácidos ribonucléicos e proteínas dos ribossomos . como se pode ver nos quadros a seguir: Ano 1966 1968 1970 1971 1973 1973 Instituição Texas A&M University (EUA) University of Missouri (EUA) University of Missouri (EUA) Texas A&M University (EUA) Central Laboratory for Mutagen Testing (Alemanha Ocidental) Planta/Inseto Cebola e tomate Tomate Milho e mosca das frutas Mosca das frutas Mosca das frutas Verificação Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética . admitiu publicamente que o flúor pode intensificar a osteoporose e a osteosclerose (supermineralização dos ossos). perpetuando a multiplicação de cromossomos defeituosos ou de células que não conseguem sobreviver. Embora muita gente ainda afirme não existir prova científica alguma que confirme que o flúor seja promotor da degenerescência genética. o comportamento das células. E como o avanço da idade tende a diminuir a rapidez do processo da auto-reparação do DNA. gerando um RNA. pioneiro no uso do flúor contra a osteoporose. porém. como também determina. constatou é que a água fluorada a 1ppm é suficiente para inibir cerca de 50% da atividade das enzimas responsáveis pela reparação do DNA. O FLÚOR COMO AGENTE DA DEGENERESCÊNCIA GENÉTICA Tanto as células como o núcleo celular. O DNA. pesquisadores da Yale University levaram ao Annual Meeting of the Orthopedics Research Society provas de que a água com 1ppm de flúor é mais do que suficiente para diminuir a resistência e a elasticidade dos ossos. que rapidamente reparam qualquer dano estrutural que os cromossomos possam ter sofrido devido à ação dos radicais livres. esse processo de auto-reparação vai se tornando cada vez mais lento. a susceptibilidade de cada indivíduo a determinadas doenças etc. onde se encontra o DNA.. E o que o Dr. Assim. A água fluorada. do Seibersdorf Research Center (Áustria). Com o passar dos anos. Como a manutenção dessa planta-mestra é de vital importância ao organismo.organela dentro da própria célula -. tipo de sangue etc. existem estudos que provam o contrário. o Dr. os processos e seqüências metabólicos. determina não só nossa altura. Outro mecanismo de proteção à integridade do DNA vem de enzimas geradas pela própria célula. através das proteínas e enzimas que sintetiza. igualmente prejudica os processos de cicatrização das fraturas ósseas.novas células idênticas são sintetizadas. tal qual a planta-mestra de uma construção. para minimizar os riscos de o DNA ser danificado durante o processo de multiplicação celular.Em 1977. como verificou o Anadelu University School of Medicine da Turquia. aumentando as possibilidades do RNA ser sintetizado antes do DNA ter sido restaurado. as células o copiam. gerando uma rápida deterioração dos tecidos e disfunções orgânicas. são protegidos por uma membrana. Em1978. cor dos cabelos. Jennifer Jowsey. Wolfgang Klein. com a humildade característica de todo grande cientista. por prejudicar a síntese do colágeno. mulheres mais velhas têm maiores chances de gerar filhos com defeitos de nascença.

As substâncias que causam modificações genéticas são classificadas como mutagênicas. Kunming (República Popular da China) Kunming Institute of Zoology. Baku(exCebola União Soviética) Danificação genética Danificação genética Ano 1973 1974 1978 1979 1981 1981 1982 1982 1983 1983 1984 1985 Instituição Russian Research Institute of Industrial Health & Occupational Diseases (exUnião Soviética) Columbia University College of Physicians & Surgeons (EUA) Pomeranian Medical Academy (Polônia) National Institute of Dental Research (EUA) Institute of Botany. elas são consideradas como sendo de natureza maligna ou cancerígena . não forem restaurados antes de copiados pelo RNA. o processo de multiplicação de células "estranhas" poderá tornar-se incontrolável. é interessante notar que o único estudo que não apresentou resultado positivo foi o desenvolvido pelo US National Institute of Dental Research. vaca Humanos (WBCs) Camundongo Ratos (3 estudos) Camundongos Peixes Camundongo Veado Humanos (WBCs) Células humanas em cultura Humanos (WBCs) Observação: Nessa relação de estudos sobre o flúor e a danificação dos cromossomos dos mamíferos. incluindo os relacionados ao crescimento celular. Tóquio (Japão) Medical Research Council. Baku (exUnião Soviética) Central University of Venezuela Changjian Institute of Marine Products University of Missouri (EUA) Kunming Institute of Zoology.o que explica o aumento da incidência de câncer com o avanço da idade. E quando as enzimas liberadas por essas células defeituosas são do tipo que atacam as células vizinhas. ovelha. elas se aglutinarão como tumores. O flúor tanto influi sobre o sistema enzimático de reparação do DNA como atua sobre as suas ligações de hidrogênio. E se a ação do sistema imunológico não for suficiente para eliminá-las. Kunming (China) Nippon Dental University.1973 1982 1983 Texas A&M University (EUA) Cevada Institute of Botany. Edinburgo (Reino Unido) Animal Ratos Verificação Danificação genética Danificação genética Danificação genética O flúor não causa danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Danificação genética Camundongo. embora a mutação genética também possa ser causada por desequilíbrios metabólicos decorrentes da sua ação inibitória seletiva sobre determinadas . interferindo diretamente sobre sua estrutura. O FLÚOR E O CÂNCER Se os danos causados aos cromossomos.

como resultado do aumento de flúor na água. do Nippon Dental College (Japão). Mortes que poderiam ter sido prevenidas se "subprodutos industriais não tivessem sido postos nos reservatórios de água para serem distribuídos à população". também inibe o potencial de fagocitose dos glóbulos brancos e a formação de anticorpos no sangue. ex-químico-chefe dessa instituição. Através da corrente sangüínea esses mensageiros químicos se deslocam até alcançar suas células-alvo. que regulam os processos bioquímicos das células. Herskowitz. Desde então. para que a mensagem dos hormônios hidrossolúveis e dos neurotransmissores seja levada ao interior das células. que imita o fosfato . com Yiamouyiannis.fator de aceleração da puberdade. em 1963. Embora o National Cancer Institute tenha tentado refutar esses estudos. Takeki Tsutsui. A desorientação que ele provoca no sistema imunológico é de tal ordem que este acaba atacando os tecidos do próprio corpo. cujos resultados acabaram fazendo com que o flúor fosse incluído na lista das substâncias potencialmente cancerígenas para o consumo humano na emenda "Delaney" do Congresso dos Estados Unidos. resultante da ligação dos íons de flúor com os de alumínio. ♦ A formação do complexo [AlF4]. claramente. E para os pesquisadores do Pomeranian Medical Academy (Polônia). promovendo as doenças auto-imunes e permitindo o aumento de tumores em indivíduos com propensão ao câncer.enzimas. 0. persistiram nos estudos. O FLÚOR E O SISTEMA IMUNOLÓGICO O flúor. Em 1981. cujo distúrbio pode levar à apoptose das células.onde já havia estado em 1976. pelo menos 40. câncer e quadros pré-cancerígenos nas células escamosas da boca e foliculares da tireóide. O FLÚOR E O SISTEMA ENDÓCRINO Entre as principais conseqüências da interferência do flúor no sistema endócrino temos: ♦ A diminuição da produção da melatonina . um artigo relacionando o fluoreto de sódio ao melanoma. Yiamouyiannis e o Dr. o levantamento de Yiamouyiannis já apontava. a maior incidência de mortes por câncer nas áreas de água fluorada. OS HORMÔNIOS Os hormônios são substâncias produzidas por glândulas especiais em momentos específicos. ou seja.que.elemento que ativa a proteína "G" das membranas celulares. ♦ O descontrole da glândula da tireóide. Os hormônios são de duas naturezas: . cujos hormônios são essenciais ao crescimento e ao desenvolvimento normal das crianças. observou a ação do flúor diretamente sobre o DNA. Na década de 70.6 ppm de flúor já é mais do que suficiente para causar danos ao DNA dos glóbulos brancos. ao mesmo tempo que promove um grande aumento na produção dos superóxidos . muitos outros trabalhos científicos sobre o assunto apareceram. transformando células normais em cancerosas.000 mortes por câncer haviam sido atribuídas ao flúor. a equipe do Dr.poderosos radicais livres -. só no ano de 1981. Em relação ao osteossarcoma. Burk testemunhou perante o Congresso Americano . expondo sobre os perigos da fluoração da água . Dean Burk. já havia publicado na revista Genetics. Yiamouyiannis encontrou também tumores.

interferindo nos processos metabólicos e de crescimento. Contato entre o mundo físico e o mundo espiritual. O FLÚOR E A GLÂNDULA PINEAL A glândula da pineal. Também já sabemos que é do campo eletromagnético gerado pela sincronicidade da glândula pienal (alma) com a pituitária (personalidade/ego) que conseguimos desenvolver a intuição e extrapolarmos os limites da matéria. cuja água não era "enriquecida" de flúor. O FLÚOR E GLÂNDULA DA TIREÓIDE De acordo com o Physician's Desk Reference de 1994: Os hormônios da tireóide (. sendo que as duas primeiras produzem o neurotransmissor serotonina que. fundamental aos processos regenerativos do organismo durante seu período de repouso. de 9. semelhante à encontrada nos ossos de pessoas que sofrem de fluorose esquelética.hormônio produzido pela glândula pineal. a glândula pineal.processo de quatro etapas. podem gerar a puberdade precoce ou um severo hiperparatireoidismo neonatal. por ser constituída por cristais de cálcio hidroxiapatite. Embora a ciência ainda não saiba reconhecer todas as conseqüências da "fluorose pinealiana". por exemplo. em média. transmitem suas informações à proteína G. Jennifer Luke. tal quais os dentes e os ossos. não existe argumento que sustente a fluoração da água como uma ação benéfica para o organismo humano. que até 1950 era utilizado como medicamento contra o hipertireoidismo. sobre o desenvolvimento do sistema nervoso central. Recepção da energia que anima o corpo. como já foi visto (página 478). hormônios da tireóide etc. De acordo com as autópsias que realizou a concentração de flúor na glândula pineal é.000 ppm. Após 10 anos da água de Newburgh (NY) ser artificialmente fluorada. é transformado em melatonina .) têm uma influência profunda sobre todo o sistema orgânico e. que as repassa às enzimas encarregadas de modificar as atividades celulares. ♦ Hidrossolúveis retidos pelas membranas celulares. que as retransmite a outro mensageiro. Segundo o Dr. as meninas que ali moravam passaram a ter a primeira menstruação cinco meses mais cedo do que as de Kingston (NY). localizada no lado externo. adrenalina. o flúor inibe as enzimas necessárias à transformação do triptofano em melatonina . também se torna um depósito de flúor.♦ Lipossolúveis trafegam livremente através das membranas celulares e uma vez dentro da célula. segundo Luke. parede das artérias ou em qualquer outro tecido conjuntivo. O flúor. . que. ou seja. no lado interno. Diante do número de pesquisas científicas relacionando o flúor a vários distúrbios da tireóide. assim como ao desenvolvimento das crianças e dos adolescentes. do visível.. Exemplo: esteróides como o estrogênio e a testosterona. é o nosso ponto de: ♦ ♦ ♦ Acesso aos poderes psíquicos/supranaturais. a seguir.. cartilagens. Exemplo: insulina. se acumula na tireóide. O cálcio e o magnésio são capazes de inibir a formação do complexo [AlF4]-. ossos. do sensorial. tal qual acontece com a pineal. Isso significa que a carência de qualquer um deles torna-se fator de vulnerabilidade à formação do [AlF4]-. em particular. modificam sua atividade.

anemia e eosinofilia. uva. Mesmo em pequenas quantidades. sem odor. quando as necessidades de iodo se elevam. o fluoreto de sódio é um veneno mortífero. um suicídio nacional. A pesquisa dos cientistas poloneses. tiroxina livre e triodotironina (T3) no plasma sangüíneo. de Springfield (MA). também possa gerar o hipertireoidismo. talvez explique a alta incidência de câncer da tireóide nas regiões agrícolas. a glândula tireóide é a mais vulnerável à concentração de flúor radioativo . E. em janeiro de 1952: Existe uma sinistra rede de agentes subversivos. a cada ano. trabalhando em nosso país com o objetivo de desmoralizar. penso ser importante voltarmos a escutar o que já foi dito há meio século atrás.embora. dizia em carta publicada no The Catholic Mirror. dentre todos os tecidos moles. No campo da veterinária. as pesquisas são igualmente consistentes. Assim. passo a palavra ao Dr. parasitas "intelectuais". . sem sabor e sem antídoto. Baseado nos meus 22 anos de experiência no campo da alimentação natural e da química. CONCLUSÃO Para concluir toda essa história. em resumo. pesquisador químico de Los Angeles e sobrinho de Einstein. ocasionalmente. alface. pêssego e na maioria das "berries".30% de flúor. paralisar e destruir a República. Descobriu-se também que o flúor faz com que o organismo passe a absorver maiores quantidades de elementos radioativos do meio ambiente. H. quando há deficiência de iodo. Durante a gravidez. que. Alguns estudos mostram que. O pesticida criolita. Apesar dos inúmeros estudos existentes sobre o flúor. mostrou que a ingestão de 1. derivado dos alimentos e necessário aos ossos e aos dentes. muito utilizada nas plantações.600 novos casos de câncer da tireóide.especialmente do iodo radioativo (I131). o fluoreto de sódio é um veneno: sem cor. Bronner. o bócio. Nos Estados Unidos todos os anos são registrados 15. ou seja. Estudos feitos em 1934 sobre o efeito do fluoreto de fosfato já mostravam esses resultados. não existe um único que focalize a sua inter-relação com os elementos de poluição da água .eu aviso: a fluoração da água é um crime insano. o feto se torna extremamente vulnerável a qualquer alteração da glândula da tireóide.cujos sintomas se assemelham aos da intoxicação pelo flúor . O fluoreto de sódio é totalmente diferente do fluoreto de cálcio. assim como o hipertireoidismo .A ação inibitória do flúor sobre o iodo estimula o crescimento das glândulas da tireóide.0 mg/dia de flúor reduz os índices de tiroxina. são mais extensas. mais bem-sucedidas e mais alarmantes. levando-os a concluir que o flúor interfere indiretamente na glândula da tireóide.Não façam isso. sobretudo nas de maçã. Um estudo sobre a tireóide e o sistema imunológico em operários permanentemente expostos ao flúor apontou um aumento significativo no número de linfócitos B e de imunoglobulina A. Bobeck e Kahl. batata. Aqueles com quadros subclínicos de hipertireoidismo (T3 reduzidos em 51%) apresentavam fortes alterações no sistema imunológico: aumento na contagem dos linfócitos T e diminuição do potencial de ação devido às baixas concentrações de T3. e cujas ramificações. O gado que toma água fluorada tende a desenvolver hipotireoidismo.um hemisfério de investigação que não podia ser tão obscuro. Enquanto este é um sal orgânico. composto por 54. tomate. A fluoração dos nossos sistemas de água pode se tornar a arma mais sutil de nossa deterioração física e mental.um dos principais elementostraços encontrados na medicina nuclear . cuja disfunção é suficiente para causar uma diminuição no seu QI.

ao chegar aos 40 anos começa a apresentar problemas estruturais como artrite. acrescenta-se ainda a facilidade com que os íons de flúor (1. Estarão nossas organizações e agências da Defesa Civil alertas sobre o perigo do envenenamento através da fluoração das águas? A fluoração dos sistemas de água pode ser um lento suicídio ou uma rápida aniquilação nacional. Não sendo possível encontra-lo sob a forma livre. produz o colágeno que é o principal elemento constituinte das cartilagens.tem sua organização estrutural/funcional determinada pela natureza da célula gestante: produz o colágeno que serve de estrutura para a fixação da fluorapatita Ca10 (H2PO4)6 F2O . produz o colágeno que dá suporte à pele. passando a deformá-los e a provocar o que cientificamente se conhece como fluorose. É uma insanidade criminosa.33Z) e se incorporam à estrutura dos cristais de apatita. tendões. responsáveis por eliminarem 50% do flúor diariamente ingerido. diante do excesso de flúor. É uma insanidade criminosa . Sua via de eliminação são os rins. à forte interferência do flúor sobre a síntese do colágeno. que as pessoas passarão a acreditar nela. (Adolph Hitler). Não é de se admirar que Hitler e Stalin já previam que "A América deve ser desmoralizada. extremamente volátil e altamente reativo. esses tecidos perdem a flexibilidade e se tornam extremamente rígidos e quebradiços.traição! Diga uma mentira bem alto e por um tempo suficientemente longo. Ameloblasto Condroblasto Fibroblasto . promotor da fusão de outros elementos sólidos. As disfunções renais. é para lá que o excesso de flúor tende a se dirigir. dentes e glândula pineal.principal constituinte do esmalte dos dentes. devido à hipermineralização dos tecidos conectivos dos ossos.Persuadir uma nação civilizada a voluntariamente adicionar tal veneno ao seu sistema de águas é inacreditável. ou seja. Como os dentes e os ossos são os maiores reservatórios de cálcio. e o que sobra tem que encontrar refúgio em alguma parte do corpo. na natureza ele se apresenta como fluorita ou espato de flúor (CaF2). arteriosclerose etc. escoliose. No caso dos ossos. fazem aumentar os riscos da fluorose. rugas.(1. O flúor ingerido é rapidamente absorvido pela mucosa do estômago e do intestino delgado.cadeia protéica que se diferencia das outras devido à presença dos aminoácidos prolina (hidroxiprolina) e lisina (hidroxilisina) . pele e parede das artérias devidas. um organismo que diariamente retém quantidades de flúor superiores a 2mg.29Z) substituem os da hidroxila OH. que geralmente é junto ao cálcio de algum dos tecidos conjuntivos.. ligamentos e músculos. fluorapatita [Ca5(PO4)3F] ou criolita (Na3AlF6). que significa "fluxo" .a fluorita foi um mineral muito utilizado desde a Antiguidade como agente fundente. O FLÚOR NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE O flúor é um gás halógeno. Daí sua grande facilidade em se combinar a outros elementos. como o iodo e o cloro. O nome flúor vem do latim fluere. principalmente. Por isso. O colágeno . dividida e destruída do seu interior". De acordo com cálculos divulgados em 1977 pelo National Academy of Sciences (NAS). ao impedirem a perfeita eliminação do excesso de flúor.

os dados divulgados pela Agency for Toxic Substances and Disease Registry são bastante elucidativos: Os ossos contêm. A FLUOROSE Uma das principais causas da fluorose é decorrente do aumento do número de vesículas gerado pelos estímulos provocados pelo excesso de flúor. parede das artérias etc. sênior toxicologista do US Environmental Protection Agency (EPA). só o colágeno dos ossos e dos dentes sofre o processo de mineralização. mas em conseqüência dos distúrbios causados pelo excesso do flúor. A ciência odontológica. do outono de 1992: Em relação à fluoração da água. ramo da medicina que estuda o impacto do flúor a nível sistêmico. produz o colágeno que provê a estrutura para que os pequenos cristais de apatita Ca10(PO4)6 (OH)2 se encaixem. Sob condições normais... os ossos cicatrizam e os dentes não. de 500 a 1. manchas escuras ou claras características da fluorose dental se formam na sua superfície. então.500 a 5. As vesículas passam. William Marcus.. sem maiores conseqüências. o que faz com que a quantidade de colágeno sintetizado deixa de ser suficiente para supri-las devidamente. que durante toda a vida são capazes de produzir colágeno para a regeneração dos ossos. o colágeno é liberado através de pequenos glóbulos (vesículas) para. para a toxicologia. não só os ossos e dentes podem ser hipermineralizados.. já se apresenta em 22% das crianças americanas. Para o Dr. com sua visão limitada à cavidade bucal. o EPA deveria agir imediatamente para proteger o público. segundo estatísticas de 1993. a liberar moléculas mal estruturadas ou mesmo apenas semelhantes ao colágeno. Por conseguinte. os ameloblastos e odontoblastos interrompem suas atividades após a formação dos dentes definitivos. Por isso. artrite.. qualifica a fluorose apenas como um problema cosmético. Não havendo distúrbio algum neste mecanismo. Entretanto. as fibras e os tecidos conjuntivos aos quais irão se unir. A concentração de flúor nos ossos aumenta com a idade. os tecidos conjuntivos se mantêm em permanente processo de regeneração/rejuvenescimento. apresentam de 3. Embora a concentração do flúor varie de acordo com cada osso. cujas advertências encontram-se registradas na página 66 do Covert Action. Uma vez sintetizado. se tornam defeituosos. ligamentos... a fluorose dental é apenas a ponta de um iceberg . pode sofrer igualmente uma hipermineralização/hiper-calcificação. Se isso acontece durante o período de formação dos dentes e a estrutura do esmalte é deformada. então. mas também das fraturas ósseas.500 ppm. do ponto de vista físico e operacional. com exceção dos dentes..Odontoblasto Osteoblasto produz o colágeno que provê a estrutura onde o hidroxiapatita Ca3(PO4)2 (OH)2 da dentina (parte interna e mais mole dos dentes) se deposita. mutagenicidade etc. cartilagem. como também o colágeno dos tecidos conectivos da pele. tendões.. Diferente dos osteoblastos. normalmente.000 ppm de flúor. se aglutinar e formar as fibras de colágeno. . em estado pré-clinico de fluorose esquelética. não somente do câncer. em detrimento da densidade óssea e provocando conseqüências das mais diversas naturezas como: Rugas na pele e quadros de arteriosclerose.que.a parte visível do estrago que o flúor está causando ao organismo . diante das crescentes evidências.

Os registros sobre toxicidade apontam o flúor. onde se produzia a bomba atômica. mas lucro . que provoca a deformação da estrutura dos ossos. rios ou lagos devido ao seu alto grau de toxicidade. cifose. o Journal of the American Dental Association já alertava: É crescente o número de evidências sobre os efeitos da intoxicação crônica causada pela ingestão prolongada de pequenas quantidades de flúor.000 ppb (ou 1ppm) de flúor foi instituído como uma quantidade ideal pelos americanos. portanto. fazendo-os perder a flexibilidade e resistência e provocando processos degenerativos. incluindo o Brasil. Mesmo assim. Fluorose dental. pois.. essa história é de uma gravidade tão grande. Colágeno Osso Este conhecimento não é absolutamente nada de novo.. parede das artérias etc. Excesso de rigidez/perda de flexibilidade óssea. fluorose esquelética ou osteofluorose. embora a "idéia" ainda seja rejeitada por mais de 90% dos países da Europa Ocidental.. Esse memorando. que dizia: Evidências clínicas sugerem que o hexafluoreto de urânio atua sobre o sistema nervoso central. levando aos mais diversos quadros de artrite. que o deixa mais vulnerável às fraturas. provoca deformações como a escoliose. passando a ser distribuído à população através da rede de águas. Philip Sutton. requisitava um estudo imediato sobre os efeitos do flúor e do urânio alegando que: . então florescente com a guerra e a experiência que os alemãs acabavam de fazer com o flúor . um subproduto que não pode ser jogado ao mar. O excesso de flúor.. autor de The Greatest Fraud: Fluoridation (O maior fraude: a fluoração).subproduto da indústria do alumínio. a reciclagem do flúor. Do ponto de vista toxicológico. entretanto. E tudo indica que a causa seja o F (flúor) e não o T (urânio). Apesar de qualquer número acima de 15 ppb (partes por bilhão) de chumbo continuar sendo considerado tóxico ao organismo. gerando a hipermineralização. do Manhattan Project. que qualquer leigo ou cientista tem que se perguntar: A quem interessa a intoxicação dos cidadãos? O trabalho de investigação do Dr. ligamentos. consiga lucrar uns US$180 milhões. ombros etc. Assim. aumentando a incidência das fraturas e diminuindo a capacidade de cicatrização dos ossos. Todo químico sabe que a toxicidade do flúor é superior à do chumbo e pouca coisa inferior à do arsênico. gerada pela deformação do esmalte.. em 1936.calcula-se que a indústria americana em vez de gastar uns US$400 milhões por ano tentando dispensa-lo sem agredir o ecossistema. que trazia o carimbo de "secreto" e era endereçado ao Coronel Stafford Warren.fosse elevado à categoria de "salvador dos dentes". Fluorose óssea. Para a indústria do alumínio e dos superfosfatos. compressão da coluna e a restrição dos movimentos das juntas. cotovelos. aparece no organismo como fator de desorganização da estrutura do: comprometendo os tecidos conectivos dos tendões. representa não apenas desoneração. então chefe do Departamento Médico do Manhattan Project. bico-depapagaio. levaram-no a descobrir um memorando de 29 de abril de 1944.Calcificação das membranas interósseas da coluna. joelhos.. desde 1945 a toxicidade do flúor foi "absolvida" para que o fluoreto de sódio . 1. cujos padrões culturais não permitem tal insensatez. o chumbo e o arsênico como pertencentes a um grupo que intoxica a doses baixas. essa medida logo se tornou um dogma inquestionável para muitos.

pois há quase vinte anos venho pesquisando as implicações químicas. não receio afirmar que qualquer pessoa que beba água artificialmente fluorada por um período de um ano. de 1936 a 1939.. De acordo com Charles Perkins.G. é necessário conhecermos seus efeitos. tomada de iniciativa etc. O verdadeiro propósito da água fluorada não é beneficiar os dentes das crianças mas reduzir a resistência de todos à dominação. no Annals of the New York Academy of Sciences. fisiológicas e patológicas do flúor. o fluoreto de sódio ocupava um lugar proeminente. Nesse esquema.Sendo essencial trabalharmos com esses componentes. bioquímicas. Por isso. enquanto os que resistiram até o final estavam em péssimas condições de saúde. é igualmente elucidativo. desfrutou de uma posição importante no movimento nazista. De acordo com o Dr. Doses repetidas de quantidades infinitesimais de flúor envenenam e narcotizam lentamente certas áreas do cérebro. Pesquisas subseqüentes continuaram mostrando que mesmo em pequenas quantidades o flúor não apenas aumenta os níveis de alumínio no cérebro como interfere sobre o hipocampo . em 2 de outubro de 1954: Os químicos alemães elaboraram um plano de domínio das massas utilizando os reservatórios de água para dominar a população em todas as áreas. a capacidade de decisão. No estudo publicado em outubro de 1997. Eu soube disso através de um químico alemão. membro da Young Communist League. Acontece que qualquer dano no hipocampo diminui a vontade. Robert Isaacson. torna qualquer pessoa dócil e submissa. também responsável pela produção do gás letal utilizado nas câmaras de extermínio.região relacionada com a coordenação do funcionamento das outras partes do cérebro.G.. . sobre a qual o Tokyo Metropolitan Institute for Neuroscience acaba de concluir mais uma pesquisa.. Quando os nazistas decidiram invadir a Polônia e os alemães trocaram informações científicas com os russos.. da Binghamton University (New York). memória. tanto o fluoreto de alumínio quanto o fluoreto de sódio são extremamente tóxicos nas quantidades a que estamos sendo diariamente expostos através dos cremes dentais e da água fluorada. Conto isso com muita preocupação. a partir do quarto mês de vida. Isaacson revela que já na sua primeira pesquisa ficou evidente o alto grau de mortalidade e a degradação da saúde dos animais que.. ou mais. registrado no Volume 9 do Un-American Activities Report for 1939. esse esquema de domínio através da medicação da água foi assimilado e se tornaria igualmente perfeito para facilitar a expansão soviética. QUEM INVENTOU O FLÚOR NAS CAIXAS D'ÁGUAS? A descoberta do potencial neurotóxico do flúor pela indústria farmacêutica I. de contestação etc. jamais voltará a ser mental ou fisicamente a mesma. receberam 0. isto é. que além de trabalhar para a indústria química I. O depoimento de Oliver Kenneth Goff. foi o que o levou a ser amplamente utilizado pelos nazistas nas caixa-d'água dos campos de concentração. para prevenir perturbações nos operários que possam vir a causar danos a outrem por cumprir sua tarefa de maneira imprópria. Farben.8% morreram antes do estudo completar 45 semanas. Farben. controle e perda da liberdade. cuja contaminação obviamente se expande aos alimentos. em resposta (resumida) a um pedido de esclarecimento da Lee Foundation for Nutritional Research sobre seu livro The Truth About Water Fluoridation. reduzindo a resistência da população e tornando qualquer indivíduo dócil e submisso à vontade daqueles que desejam governá-lo. embora também possa leva-la à loucura.5 ppm de fluoreto de alumínio (AlF3) .

17. Faculty of Dentistry.Box 753. Sutton P. 1978. USA. The Crime and Punishment of I. pois acreditavam que o mesmo processo pudesse ser aplicado na América. Tokyo Metropolitan Institute for Neuroscience. National Research Council. University of British Columbia.htm Mullenix et al. Plenum Press. Neurotoxicology and Teratology. The Greatest Fraud: Fluoridation. Germany. Vancouver. Patterns of dental caries following the cessation of water fluoridation.785. 1992. Society for Neural Science. Science.htm Mullenix P. Free Press/Macmillan. Dept. Vol. A Factual Book. perda da memória e do olfato.I. Kunzel W. 1986. 1995. of New York. além de inúmeras outras conseqüências relacionadas ao seu potencial de intoxicação. 2000 Oct. PO Box 22. Phyllis Mullenix .Tendo participado da escola de treinamento do Partido Comunista em Nova York e Wisconsin. Full statement available from Phyllis Mullenix.23: 569-570. o flúor. Neuroscience 2003.fluoridealert. http://www. Vol. Nature July 1986 Vol. pp. provoca instabilidade do humor. Journal of public Health Dentistry. no. Department of System Neuroscience. dos medicamentos anestésicos. 1984. 322. Volkow ND et al. Vol. eds. Lorne. 1994.J. Moss ME. The Vulnerable Brain and Environmental Risks. o flúor ataca o sistema nervoso central. se renderiam para obter água fresca. desestrutura o nerocortex e o hipocampo. 1999. Nambu A. June 23/30.37. 52(6):456-63. aqueles que não morressem. http://www. 24: 53-54. Canberra. Excitatory gaba input directly drives seizure-like rhythmic synchronization in mature hippocampal CA1 pyramidal cells. 1982. 169-177. Dental School of Erfurt. of Community Preventive Medicine and Eastman Dept. assim como dos gases hoje utilizados como arma militar. The Dark Odyssey of Dr. 1999. Australia 3232. O US Center for Disease Control estima que 22% das crianças americanas apresentam fluorose dental pelo excesso de flúor que ingerem. Community Dent Oral .fluoridealert. Joseph. 1998. Fujiwara-Tsukamoto Y. Varner. Neurotoxicological Evaluation of the Chronic Administration of Aluminum Fluoride and Sodium Fluoride. Is methylphenidate like cocaine? Studies on their pharmacokinetics and distribution in the human brain. Ltd. May 5. Association of dental caries and blood lead levels.119(1):265-75.org/pmullenix. Statement submitted in connection with an Environmental Assessment for a proposed fluoridation project. Massachusetts. Community Dent Oral Epidemiol. Lorenz R. Parker-Pope T. The Mystery of Declining Tooth Decay. Auinger P. Vol. Berkowitz J. 1995. Jenson. 01810-3347. Canada. Vol. Vol 281. N Y. Agency for Toxic Substances and Disease Registry. 1972. Farben. of Dentistry. ao se sentirem ameaçados. Department of Preventive Dentistry. Some Young Children Get Too Much Fluoride Wall Street Journal. State University of New York. Isomura Y. Takada M. L. Decline of caries prevalence after the cessation of water fluoridation in the former East Germany. JAMA 222:783 . Devido à facilidade com que transpõe as barreiras do cérebro. Horvath & Isaacson. hipnóticos e psiquiátricos. "Renal Failure and Fluorosis". que antes de aparecer como lixo industrial da produção do alumínio era um produto bastante caro. Bibliografia Flúor Junco. Fluorine & Dental Health. Uma das estratégia era manter suprimentos de flúor perto dos reservatórios para rapidamente poder jogálos na água na hora devida. Dec 21. 1993. 28.24. levando as massas à letargia e docilidade durante a implementação do comunismo. Oct. 217: 26-30. JAMA. Wall Street Journal article by Marilyn Chase.2. B-6 Isaacson R & Jenson KF. Friedrich-Schiller-University of Jena. Lanphear BP. P. 2. Australian National University.28(5):382-9. Borkin. et al. é um dos principais ingredientes dos venenos de ratos e baratas. Por isso. Neurotoxicity of Sodium Fluoride in Rats. No. (1996). Stony Brook. Isaacson R. The Journal of the American Dental Association. 1993.O.G. 108: 56-59. Kurunda Pty. p. New York. Journal of the American Dental Association. Diesendorf M. p. "Rat studies link brain cell damage with aluminum and fluoride in water" State Univ. University of Rochester.1 and Vol. Goff disse que a fluoração da água utilizada como tranqüilizante nos campos de prisioneiros da União Soviética era muito discutida entre eles. Human Sciences Program. Arch Gen Psychiatry 1995 Jun. Bruhmann S. Andover. Maupome G. Binghampton. Vol. 1936. NY. Levy SM. Assim. Clark DC. Fischer T.org/mullenix. Medical Department. 46: 184-187. Australia. Health Effects of Ingested Fluoride.

em comunidade sem flúor nas águas de abastecimento.org/fluoride/states. Theorell H. Benac M. third edition 1993) ISBN: 0913571-01-6. Effect of sodium fluoride on the enzymatic activity of the thyroid and on the basal metabolism of the rat.. Prominent researcher apologizes for pushing fluoride./Depto Odontol. 1996. 1985. p xvii. Mesa. 3rd. Risk Factors For Enemal Fluorosis in a Nonfluoridated population.htm Source of Fluoride by state/1992 http://www. Comparação da dieta e dentifrício fluoretado para a dose de risco de fluorose dental. September. Caries trends 1992-1998 in two low-fluoride Finnish towns formerly with and without fluoridation.1999. Division of Oral Health. Pereira AC. . Fischer T. Coplan M. em maio de 1998.. Proc. Forbes B. Ann Stomatol (Roma) 14(8): 601-19 (1965) Ferguson DB.orgsites. p 253. 256. 1999. Continuing Evaluation of the Use of Fluorides. Fluoride . University of Oulu. AZ.html Marcus WL. (Sua entrevista. Canton. 35.Odontol.S. 1999) http://www. Silico-fluorides. Faenzi C. Vol. Fluoride Levels in Fruit Juices. 1999. Health Action Press. Japanese Journal of Oral Biology. Journal of Dental Research. 2000 Nov-Dec. Depto Farmacol. Am J of Epid. Health Action Press.niehs. 17. The Tribune. UNICAMP. Cury JA. et al. 143: 808815. Fac. NY 13617. http://www. Mesa. http://www. com/juice_content.net/~fluoride/marcus. AZ. Lead and Violent Crime. CO. Caries prevalence after cessation of water fluoridation in La Salud. 1999.htm Lima BO. 1958.gov/docs/monthly. September. http://www.org CDC Status of Water Fluoridation In The U. Friedrich Schiller University of Jena. Kanematsu N.. The Safety of Fluoride Tablets or Drops. see also: Letter By William L. Department of Preventive Dentistry. Health Action Press.html Hodge Harold. um ano antes de sua morte. Perspectives in Biology and Medicine. Vol. Masters RD. Seppa L. Influência dos dentifrícios fluoretados na prevalência de cárie e fluorose dentária. Centers for Disease Control and Prevention. http://ehpnet1. Public Health Service.nofluoride. Ph. London Times.htm Crompton S. Environmental Health Perspectives. 82.34(1):20-5. (first edition 1983. Street. NY 13617.) Forbes B. Delaware. Marcus. Fluoride is good for theeth but it can also be harmful. Facts for Fluoridationists. Washington Post (Feb. Fluoride: The Aging Factor. Cuba. Ohio (1993). May 5 2001. Institute of Dentistry.Piracicaba. Fluoridation Census 1992. Hausen H. 1976. Fed. Atlanta. que pode ser adquirido no GG Video. 103: 24-28. 523. The Tribune. Genetic Toxicity of Biomaterial. FOP-UNICAMP.washingtonpost.29(1):37-47. International Journal of Environmental Studies.Epidemiol. 55 (Supplement B):. Colquhoun J.trufax. 1997. Journal of the American Chemical Society. Preventiva. edition. The Journal of Clinical Pediatric Dentistry. Prominent researcher apologizes for pushing fluoride. U. Yiamouyiannis J. 1999. Third Edition. Emsley J. Canton.34(6):462-8. Delaware. An Unexpectedly Strong Hydrogen Bond: Ab Initio Calculations and Spectroscopic Studies of Amide-Fluoride Systems.gov/nccdphp/oh/flfact. DNA Damaging Effects of Sodium Fluoride and Other Fluoride Compounds. March. 1993. Meneghim MC. Boulder. Water treatment with Silicofluorides and Lead Toxicity.com/ny/nyscof Mahaffey KR et al. Germany. Georgia 30333. (1979). Why I Changed My Mind About Fluoridation. Effects of inorganic fluoride salts on urine and cyclic AMP concentration in vivo. Caries Res.D (1995).nih. 1993. Pendrys DG et al. Earth Island Journal Special Report "Fluorides And The Environment" (1998). Allman DW. December 5.rvi. encontra-se em vídeo. Finland.htm Yiamouyiannis J. 82 Judson Street. National Center for Prevention Services. GGVideo [Grassroots and Global Video]. Caries Res 2000 Jan-Feb. 6439 Taggart Road. Letter dated March 12. Department of Health and Human Services. Karkkainen S.cdc.com/wp-srv/national/pesticides.16. AAAS Symposium. Arch Oral Biol 21(7): 4478 (1976) Yiamouyiannis J. E-mail: ggvideo@northnet. 1991. Westview Press. Vol. Dental School of Erfurt.27: 372-374.. http://www. 1976. Effect of High Fluorine intake on tissue lead Concentrations.The Aging Factor. 1981.S. December 5. National Library of Health. Ohio 43015. Kunzel W. Judson. Piracicaba. Fluoride: The Aging Factor. 2001 Feb. 6439 Taggart Road. The effect of low doses of fluoride on tissue enzyme activity in the rat.

Journal of Dental Research. Bethesda. Fluoride. Vol. Fluoride poisoning and the effect of collagen biosinthesis of osseous and nonosseous tissue. Community Dentistry and Oral Epidemiology. Oct. 1984. April 10. 190-192. Disney J. 1990. Neurotoxicological Evaluation of the Chronic Ad-ministration of Aluminum Fluoride and Sodium Fluoride. 128 00. Vol. Effect of Fluoride Exposure on Intelligence in Children. A prospective study of bone mineral content and fracture in communities with differential fluoride exposure. Vol. Sharma YD. Switzerland.A. Vol. World Health Organization. Faculty of Sciences. 10: 97-100. Varner JA et al. Jaouni S. 268: 746-748. Danielson C et al. Effects of sodium fluoride on collagen cross-link precursors.Isaacson R. Jacobsen SJ et al. Variations in the metabolism and maturation of collagen after fluoride ingestion. Bello VAO. 1992. Vol. 1990.B. Skeletal Changes in Endemic Fluorosis. JAMA. The heart changes in growing albino rats fed on varied contents of fluorine. 2: 617-626. Stern Magazine. [letter]. 1998.30: 107-108. Am J Epidemiol. Allman DW. Genetics Vol. 1995. Erikson JD.. third edition 1993) ISBN: 0913571-01-6. 1962. Vol. April 10. Vol. Singh A. 1982. 20: 537-542. 64: 201. Presented at the Workshop on Drinking Water Fluoride Influence on Hip Fractures and Bone Health. Oct. A case study in testing the conventional wisdom: school based fluoride mouth rinse programs in the USA. Czech Republic. Prague 2. Chronic Toxic Effects on the Skeletal System. Patocka J. Experimental studies on chronic fluorine poisoning. Chronic Administration of Aluminum-Fluoride and Sodium-Fluoride to Rats in Drinking Water: Alterations in Neuronal and Cerebrovascular Integrity. Vol. 238-249. Keller C. Fluoride. Ann Epidemiol. JAMA. Sharma YD. Canadian Journal of Public Health. 266: 513-514. Vol.S. Li XS. 1992. New England Journal of Medicine. Effects of sodium fluoride and aluminum on adenylate cyclase and phosphodiesterase activity. Medical aspects of excessive fluoride in a water suplly.44 B. 28:4.18: 46-56. 1970. 1991. The village where people are old before their time.E. white women aged 65 years and older. Cor-responding author: Anna Strunecká. 1985. Varner. 1991.48: 307-310. Vol. Jolly SS. Public Health Report. State Univ. et al. Takamorim T. et al. Jacobsen SJ et al. 1954. B-6. Wilson MG. The association between water fluoridation and hip fracture among white women and men aged 65 years and older: A national ecologic study. Hrudley S. Paper presented at the Workshop on Drinking Water Fluoride influence on Hip Fractures and Bone Health.69: 925-936. 3. Increased incidence of melanotic tumors following treatment with sodium fluoride. pp. 298: 1112-1116. et al. 1: 683-690. Vol. Drozdz M et al. Vinièná 7. Health Action Press. 715: 137-141. Strunecká A. Vol. Pharmacological implications of aluminofluoride complexes.2: 99-104. Effect of High Fluoride Water Supply on Children's Intelligence. Vol. Charles University. . Vol. 1962. Brain Research. of New York.. 29:4. Binghampton. 4: 151-157. 15: 320-324. Bethesda. Drinking water fluoridation and osteosarcoma. Toxological Letters. 28. Mukerjee D. 1981. 189-192. Fluorides in Drinking Water. Horvath & Isaacson. Yiamouyiannis J. Mortality of selected cities with fluorided and non-fluorided water supply. 1992. NY. Gitelman H. Society for Neural Science. 1978. Neurotoxicology and Teratology. 1998. Hip fractures and fluoridation in Utah's elderly population. Hip fractures in relation to water fluoridation: an ecologic analysis. Bern. JAMA. Dep of Physiology and Developmental Physiology. N. Susheela AK. 264: 500-502. Fluoride: The Aging Factor. 1991. Zhao L. Rat studies link brain cell damage with aluminum and fluoride in water. Yoshisa Y. Journal of Toxicological Medicine. 1991. Influence of Chronic Fluorosis on Membrane Lipids in Rat Brain. Md. Switzerland. Fluorides and Human Health. May DS. Leone N et al. 125-129. 1990. (first edition 1983. 1995. Wall Street Journal article by Marilyn Chase. Vol. 1959. 1978. Norton I. 81:415-416.J. 1996. Jenson. Sowers MFR et al. 1990. Water fluoridation and hip fracture. Japanese Journal of Industrial Health. Toxological European Research. Regional variation in the incidence of hip fractures: U. Singh A et al. N. Guan ZZ et al.. Geneva. The Toxology of Fluorine Symposium. 111-112. 1963. 1982. American Journal of Kidney Diseases. Md. Studies on the influence of fluoride compounds upon connective tissue matabolism in growing rats e Effects of sodium fluoride with and without simultaneous exposure to hydrogen fluoride on collagen metabolism. Biochemica et Biophysica Acta. Herskowitz I. 133: 649-660. Journal of Bone and Joint Surgery. p. Cooper C et al. 4: 806815. 784: 284-298. High fluoride exposure in hemodiálisis patients. Vol.

Testemony before de Scottish High Court in Edinburgh in the case of McColl vs. 204.an association? Applied Statistics. Dep of Physiology and Developmental Physiology. Immune status of children in chemically contaminated environments.Jones CA et al. National Institute of Envirinment Health Sciences Presentation. Vol. Zdravookhranenie. and Survival? Dutton. Delaware. 1977. Comparison of over 150 symptoms and associations: Hypothyroidism/Fluoride Poisoning. Vinièná 7. IRCS Medical Sciences: Library Compedium. Pennsylvania Judge Rules: Fluoride Is Carcinogenic. 1987. Blood. . Benac M. Division of Environmental Medicine. Center for Health Action. 1992. 55 (Supplement B): 523. Yiamouyiannis J. Our Stolen Future: Are We Threatening Our Fertility. July 27. Prague 2. 1984. 1996. Toxicol. 1979. Susheela AK. Vol. Journal of Clinical Investigation. Leong PA. 119: 252. 63: 637-647. Complementary Medical Research. Fluoride-induced apoptosis in human epithelial lung cells (A549 cells): role of different G protein-linked signal systems. Two-years cacinogenicity study of sodium fluoride in rats. pp. Vol. NY. N.Transforming Activities of Sodium Fluoride in Cultured Syrian Hamster Embryo and BALB/3T3 Cells. Effects of fluoride on the kinetics of superoxide generation by fluoride. 64: 201. Vol. 17723-18150. 1st session. Ohio Clark RA. Zur Toxizität von Fluorverbindungen. Volume 9. Journal of Dental Research. GGVideo [Grassroots and Global Video]. Vol. Canada. Effects of inorganic fluoride salts on urine and cyclic AMP concentration in vivo. Statement Regarding Fluoridation Facts. (1976). Mauer JK et al. Patocka J. 1994. Hum Exp Toxicol 2003 Mar. Meiers P.com/fluoride/html/ symptoms_hypo_f. 4:311-324 (1988). Effects of sodium fluoride on tumor growth. Environment Research.2279-2284 (1988). Jain SK. Website: http://www. and Exhibit 636. Colborn T et al. Journal of Dental Research. Strathclyde Regional Council. 1979. Susheela AK. Ewald Fischer. Tohyama E. Intelligence. pp. Effects of Fluoride on the Physiology of the Pineal Gland. Fluoride inhibition of polymorphonuclear leuckocytes. Washington. NY 13617. Curnette J et al. Vol. E-mail: ggvideo@northnet. Allman DW. Czech Republic. Lasne C et al. Vol. Issue 3: 6-9. Part 8. 1982. Charles University. Public Water Fluoridation Hearings before a subcommittee of the Committee on Appropriations. 1985. 1976. Strunecká A. Japan. Journal of Dental Research. 28. Vol. 6439 Taggart Road. (1981). Allman DW. Tel: 315-379-9544. Washington.2: 125135. Heidelberg.80. House of Representatives. 26. House of Representatives. Norwegian Institute of Public Health. Corresponding author: Anna Strunecká. Refsnes M et al. the Pineal Gland and Melatonin: An Interview with and Presentation by Dr.22(3):111-23. 1987. . 64: 181. 1st session.htm Luke J. 19328-19492. Vol. Gibson S. NY. p. Gabler WL. Carcinigenicity studies with sodium fluoride in rats. 1999. Parents of Fluoride Poisoned Children [PFPC]. N.C. Kozlyuk AS et al. Fax: 315379-0448. Vancouver. D. Effects of sodium fluoride and aluminum on adenylate cyclase and phosphodiesterase activity. Gabler WL et al.bruha. Wilkinson P. Verlag für Medizin Dr. 48. N. 44: 117-125.Sodium Fluoride Promotes Morphological Transformation of Syrian Hamster Embryo Cells. Proceedings of the Society for Experimental Biology and medicine. mit besonderer Berücksichtigung der Onkogenese. D. Jennifer Luke. Hearings before a subcommittee of the Committee on Appropriations. 1985. 1985. Canton. Taylor A. 9. Gamble. Vol. 1999. Vol. 1990. Inhibition of the immune system with low levels of fluoride. Vol. Fluoride-mediated activation of respiratory burst in human nutrophils. 94th Congress. Effects of fluoride on immune system function. Burk D. J Epidemiol (CL8).C. 1965. Journal of the National Cancer Institute. Faculty of Sciences. Neutrophil iodination reaction induced by fluoride:implications for degranulation and metabolic activation. 57: 913-921. Proctor.9: 1933-1939. Burk D. Pharmacological implications of aluminofluoride complexes. Carcinogenesis. 82 Judson Street. 6: 111-113.. Jha M. Fluoride. Caries Research. Journal of Dental Research. Newell DJ. Taylor NC. 82: 1118-1126. Jaouni S. Effects of sodium fluoride and antibody formations in rabbits. Fluoridation of water supplies and cancer .org . 1981. 6 (4): 184-91 (1996). 128 00. National Health Federation Bulletin 25 (1979). Relationship between fluoride concentration in drinking water mortality rate from uterine cancer in Okinawa prefecture.11: 1021-1022. Effects of fluoride on cortical and cancellous boné composition. Geitmyrsvn. Cell Biol. 97th Congress. 1981.

Behandlung der Hypothyreosen einschließlich des schweren genuinen Morbus Basedow mit Fluor. et al. 16: 562-564. Zhao W et al. Effect Of Long Term Fluoride Administration on Thyroid Hormone Levels In Rats.7.ncbi. 1958. DeEds F.nlm. Fluoride . Thyrotropin-Receptor Mutations and Thyroid Dysfunction. Fluoride Watershed.htm Yiamouyiannis J. 105: 182-186. edition. The Effect Of Feeding Raw Rock Phosphate On The Fluorine Content Of The Organs And Tissues Of Dairy Cows.asp Von Mundy G. J Clin Endocrinol.com/fluoride/html/symptoms_hypo_f. Unicef Aid Project Report IDD Newsletter. 1956.bruha. 1963. 276. 937. 18: 1102-1110. Pediatric Findings After ten Years.nejm. 537a. nih. 1997.bruha. http://www. Journal of the National Pure Water Association.abstracts.Herman-Giddens M. 3rd.com/clin/guides/thycancer. Effects of Fluoride on Thyroid Biosynthesis. Delaware. 32(2): 63-70. 5: 3-6.aace. The effect of sodium fluoride on thyroid enzymes and basal metabolism in the rat. 1998.ncbi. Ewy Z. Probl Endokrinol (Mosk) 31(6):25-9 (1985) http://www.fluorideaction.gov/htbin-post/Entrez/query?uid=4088985 Ibdem. Miloni E. Galetti PM. 3 August.org/content/1995/0332/0003/0183. Influence of fluorine and iodine on the metabolism. Muenchener Medicische Wochenschrift. Fa-Fu L et al.com/fluoride/html/virtual_library.html . Endocrinol Exp (Bratisl)10:289-295 (1976).htm http://www. Secondary Sexual Characteristics and Menses in Young Girls Seen in Office Practice: A Study for Pediatrics Research in Office Settings Network. Effect of Fluorine On Thyroidal Iodine Metabolism in Hyperthyroidism. The Synergistic Action Of Thyroid On Fluorine Toxicity. Vol.E. 33:709-710 (Oct. Hypothyroidism and anemia related to fluoride in dairy cattle. Endocrinology 26:851 (1940). American Association of Clinical Endocrinologists Thyroid Cancer Guidelines (Sponsored by Knoll Pharmaceuticals). The New England Journal of Medicine. 1999. p. Long-term Effects of Various Iodine and Fluorine Doses on the Thyroid and Fluorosis in Mice. http://www. 601-619.org/pesticides/2003-b. Pediatrics. 1999.htm Comparison of over 150 symptoms and associations: Hypothyroidism/Fluoride Poisoning. Res. Benagiano A. Annali Di Stomatologia. http://www.The Aging Factor. 1954). J Dairy Science 17:695-700 (1934).nih.gov/htbin-post/Entrez/query?uid=1087230 Hillman D et al. 332. 99: 505-512 and reviewed in Science.632. Action of the body fluorine of healthy persons and thyroidopathy patients on the function of hypophyseal-thyroid the system. Bachinskii PP et al. Hein JW et al. Endocr Regul. http://www. 1991. Schlesinger ER et al. Chang CY et al. Parents of Fluoride Poisoned Children [PFPC]. Vol. 6439 Taggart Road. How Do Fluorides Interfere With Thyroid Function. J Dairy Sci Mar. May W. Bobek S.f. 14:. Kahl S. Studies in a Highly Sensitive Test System. Wilson RH. Newburgh-Kingston Caries-Fluorine Study XIII.nlm. November. Distribution of 1ppm Fluoride As Radioactively Tagged NaF in Soft Tissues of Adult Female Albino Rats. Journal of the American Dental Association. Vol. Siebenhüner L. Health Action Press. Klin Wochenschr 62:859-861 (1984).1995. Klin Wochenschr. The Relationship of a Low-Iodine and High-Fluoride Environment to Subclinical Cretinism in Xinjiang. Vancouver. 52. 62(3):416-23 (1979). 1965. Canada. Particulary on the thyroid gland. Joyet G. Ohio (1993). 1994 Physician's Desk Reference. J Dent. Utiger R. http://www. Bürgi H. Schuld A.