Você está na página 1de 41

08/03/2010

Bioquímica do Exercício Físico Profª Drd Taísa Belli taisa.belli@gmail.com
Bioquímica do Exercício Físico
Profª Drd Taísa Belli
taisa.belli@gmail.com
METABOLISMOMETABOLISMO EE BIOENERGÉTICABIOENERGÉTICA
METABOLISMOMETABOLISMO EE BIOENERGÉTICABIOENERGÉTICA
CATABOLISMOCATABOLISMO
CATABOLISMOCATABOLISMO

08/03/2010

08/03/2010 ATPATP CREATINACREATINA FOSFATOFOSFATO 2
ATPATP
ATPATP
CREATINACREATINA FOSFATOFOSFATO
CREATINACREATINA FOSFATOFOSFATO

08/03/2010

08/03/2010 NUTRIENTESNUTRIENTES COMOCOMO FONTEFONTE DEDE ENERGIAENERGIA Carboidratos Lipídeos Proteínas Proteínas
NUTRIENTESNUTRIENTES COMOCOMO FONTEFONTE DEDE ENERGIAENERGIA Carboidratos Lipídeos Proteínas
NUTRIENTESNUTRIENTES COMOCOMO FONTEFONTE DEDE ENERGIAENERGIA
Carboidratos
Lipídeos
Proteínas
Proteínas Triacilgliceróis Glicogênio aa Ácidos graxos Glicose ββββ oxidação ATPATP Transaminação
Proteínas
Triacilgliceróis
Glicogênio
aa
Ácidos graxos
Glicose
ββββ oxidação
ATPATP
Transaminação
glicólise
Desaminação
oxidativa
piruvato
ACETIL-CoA
uréia
Ciclo de Krebs
e ATPATP
Fosforilação oxidativa

08/03/2010

08/03/2010 GLICÓLISEGLICÓLISE TransporteTransporte glicoseglicose 4
GLICÓLISEGLICÓLISE TransporteTransporte glicoseglicose
GLICÓLISEGLICÓLISE
TransporteTransporte glicoseglicose
08/03/2010 GLICÓLISEGLICÓLISE TransporteTransporte glicoseglicose 4

08/03/2010

08/03/2010 5
08/03/2010 5
08/03/2010 5

08/03/2010

08/03/2010 GlicogenóliseGlicogenólise Glicogênio hepático glicose sangue Glicose-6-fosfatase Tecidos periféricos
GlicogenóliseGlicogenólise
GlicogenóliseGlicogenólise
Glicogênio hepático glicose sangue Glicose-6-fosfatase Tecidos periféricos Glicogênio muscular glicose 6P
Glicogênio hepático
glicose
sangue
Glicose-6-fosfatase
Tecidos periféricos
Glicogênio muscular
glicose 6P
músculo esquelético
Energia para contração
muscular

08/03/2010

08/03/2010 ? CICLOCICLO DEDE KREBSKREBS 7
?
?
CICLOCICLO DEDE KREBSKREBS
CICLOCICLO DEDE KREBSKREBS

08/03/2010

08/03/2010 OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE LIPÍDEOSLIPÍDEOS 8
OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE LIPÍDEOSLIPÍDEOS
OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE LIPÍDEOSLIPÍDEOS
08/03/2010 OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE LIPÍDEOSLIPÍDEOS 8

08/03/2010

LIPASESLIPASES Lipase pancreática Lipase lipoproteica Lipase hormônio sensível Suco pancreático Capilares Tecido
LIPASESLIPASES
Lipase pancreática
Lipase lipoproteica
Lipase hormônio sensível
Suco pancreático
Capilares
Tecido adiposo
(glucagon e catecolaminas)
fome e exercício
GlicerolGlicerol
GlicerolGlicerol
sensível Suco pancreático Capilares Tecido adiposo (glucagon e catecolaminas) fome e exercício GlicerolGlicerol 9

08/03/2010

TransporteTransporte dede AGAG pelapela membranamembrana plasmáticaplasmática Fatty acid-binding protein plasmatic
TransporteTransporte dede AGAG pelapela membranamembrana plasmáticaplasmática
Fatty acid-binding protein plasmatic membrane (FABP PM )
Fatty acid translocase (FAT)
Fatty acid transport protein (FATP)
Fatty acid binding protein cytosolic (FABPc)
- Treinamento físico ↑ expressão destas proteínas
TransporteTransporte dede AGAG membranamembrana internainterna dada mitocôndriamitocôndria
TransporteTransporte dede AGAG membranamembrana internainterna dada
mitocôndriamitocôndria
destas proteínas TransporteTransporte dede AGAG membranamembrana internainterna dada mitocôndriamitocôndria 10

08/03/2010

ββββββββ OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO AGL cadeia ímpar acetil CoA+ propionil CoA Succinil CoA (CK)
ββββββββ OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO
AGL cadeia ímpar
acetil CoA+ propionil CoA
Succinil CoA
(CK)
TAGTAG dede cadeiacadeia médiamédia (TCM,(TCM, 66--1010 C)C) Ac. Caprílico (C8), ac. Capróico (C6) e Cáprico
TAGTAG dede cadeiacadeia médiamédia (TCM,(TCM, 66--1010 C)C)
Ac. Caprílico (C8), ac. Capróico (C6) e Cáprico (C10)
Rapidamente absorvidos no intestino, sendo transportados pelo
sistema porta e não pela linfa.
A entrada na mitocôndria não depende de carnitina
90% dos TCM - oxidados em 24 h em vários tecidos, enquanto que
só 45% dos TAG de cadeia longa são oxidados no mesmo período
Maior sensação de saciedade
CORPOSCORPOS CETÔNICOSCETÔNICOS
CORPOSCORPOS CETÔNICOSCETÔNICOS

08/03/2010

OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS
OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS
08/03/2010 OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS 12
08/03/2010 OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS 12

08/03/2010

08/03/2010 FOSFORILAÇÃOFOSFORILAÇÃO OXIDATIVAOXIDATIVA 13
FOSFORILAÇÃOFOSFORILAÇÃO OXIDATIVAOXIDATIVA
FOSFORILAÇÃOFOSFORILAÇÃO
OXIDATIVAOXIDATIVA
08/03/2010 FOSFORILAÇÃOFOSFORILAÇÃO OXIDATIVAOXIDATIVA 13

08/03/2010

08/03/2010 14
08/03/2010 14
08/03/2010 14

08/03/2010

PRODUÇÃOPRODUÇÃO DEDE ATPATP
PRODUÇÃOPRODUÇÃO DEDE ATPATP
08/03/2010 PRODUÇÃOPRODUÇÃO DEDE ATPATP VÍDEOVÍDEO MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA 15
VÍDEOVÍDEO MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA
VÍDEOVÍDEO MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA

08/03/2010

EXERCÍCIO FÍSICO
EXERCÍCIO FÍSICO
08/03/2010 EXERCÍCIO FÍSICO Creatina-fosfato – exercício de curta duração Glicose/glicogênio (anaeróbia) -
Creatina-fosfato – exercício de curta duração Glicose/glicogênio (anaeróbia) - exercício de curta duração
Creatina-fosfato
– exercício de curta duração
Glicose/glicogênio (anaeróbia)
- exercício de curta duração
Glicose/glicogênio (aeróbia)
– exercício de longa duração
Ácidos graxos
– repouso e exercício de longa duração
Proteínas
– jejum e exercício prolongado

08/03/2010

FATORESFATORES QUEQUE INFLUENCIAMINFLUENCIAM AA UTILIZAÇÃOUTILIZAÇÃO DEDE FONTESFONTES DEDE ENERGIAENERGIA
FATORESFATORES QUEQUE INFLUENCIAMINFLUENCIAM AA UTILIZAÇÃOUTILIZAÇÃO DEDE
FONTESFONTES DEDE ENERGIAENERGIA DURANTEDURANTE OO EXERCÍCIOEXERCÍCIO
Intensidade e duração do exercício
Disponibilidade de substrato
Dieta e estado nutricional
Exercício prévio
Treinamento físico
Drogas
Disponibilidade de oxigênio
Dieta
Fatores ambientais
Treinamento físico
Atividade enzimática
Treinamento físico
Hormônios
RESPOSTASRESPOSTAS METABÓLICASMETABÓLICAS AOAO EXERCÍCIOEXERCÍCIO DEDE ALTAALTA INTENSIDADEINTENSIDADE
RESPOSTASRESPOSTAS METABÓLICASMETABÓLICAS AOAO EXERCÍCIOEXERCÍCIO DEDE
ALTAALTA INTENSIDADEINTENSIDADE
Hormônios RESPOSTASRESPOSTAS METABÓLICASMETABÓLICAS AOAO EXERCÍCIOEXERCÍCIO DEDE ALTAALTA INTENSIDADEINTENSIDADE 17

08/03/2010

CP 9 7,5 ↓↓↓↓ Gl CP GL 5 4,5 4,5 4 4 4 2 2
CP
9
7,5
↓↓↓↓
Gl
CP
GL
5
4,5
4,5
4 4 4
2
2 2
0,5
RESPOSTASRESPOSTAS METABÓLICASMETABÓLICAS AOAO EXERCÍCIOEXERCÍCIO PROLONGADOPROLONGADO Recordes pessoais 10 km:
RESPOSTASRESPOSTAS METABÓLICASMETABÓLICAS
AOAO EXERCÍCIOEXERCÍCIO PROLONGADOPROLONGADO
Recordes pessoais
10
km: 28:01 ~ 21,7 km/h Santos, 1997
15
km: 43:15 ~ 21,1 km/h Tóquio, 1994
10 milhas (16km): 47:21 ~ 20,5 km/h Vitória, 1995
Meia Maratona (21,1km): 61:24 ~ 20,9 km/h Lisboa, 1995
25
km: 1:15:12 ~ 20,0 km/h Tóquio, 1996
30
km: 1:30:08 ~ 20,0 km/h Tóquio, 1996
Maratona (42,2km): 2:08:31 ~ 19,8 km/h Tóquio, 1998
http://www.vanderleidelima.com.br
Glicogênio Lipídeos Proteínas
Glicogênio Lipídeos Proteínas

08/03/2010

08/03/2010 570kcal 450kcal 180kcal 19
570kcal 450kcal 180kcal
570kcal
450kcal
180kcal
08/03/2010 570kcal 450kcal 180kcal 19

08/03/2010

135 milhas ou 216 km tempo limite de 60 horas, temperatura média de 55ºC Altitude:
135 milhas ou 216 km
tempo limite de 60 horas,
temperatura média de 55ºC
Altitude: - 85,5m até 2533 m
http://www.badwater.com/
Record atual Badwater Ultramarathon Valmir Nunes, 2007, Brasil: 22:51:29 Km/h 12,65 11,36 8,56 8,41 10,59
Record atual Badwater Ultramarathon
Valmir Nunes, 2007, Brasil: 22:51:29
Km/h
12,65
11,36
8,56
8,41
10,59
6,48
9,45 km/h
5,15
http://www.badwater.com/
AJUSTESAJUSTES METABÓLICOSMETABÓLICOS AOAO TREINAMENTOTREINAMENTO ↑↑↑↑ estoques ATP e CP; ↑↑↑↑
AJUSTESAJUSTES METABÓLICOSMETABÓLICOS AOAO TREINAMENTOTREINAMENTO
↑↑↑↑ estoques ATP e CP;
↑↑↑↑ [ATPase e CK];
↑↑↑↑ estoque de glicogênio (2,5x);
↑↑↑↑ [enzimas glicolíticas e oxidativas];
↑↑↑↑ densidade mitocondrial;
↑↑↑↑ oxidação de glicogênio e AGL
melhora no metabolismo de CHO, lipídeos e proteínas

08/03/2010

MÉTODOSMÉTODOS DEDE ESTIMATIVAESTIMATIVA DODO USOUSO DEDE SUBSTRATOSSUBSTRATOS RER ou QR = VCO 2 /VO 2
MÉTODOSMÉTODOS DEDE ESTIMATIVAESTIMATIVA
DODO USOUSO DEDE SUBSTRATOSSUBSTRATOS
RER ou QR = VCO 2 /VO 2
USOUSO DEDE SUBSTRATOSSUBSTRATOS RER ou QR = VCO 2 /VO 2 INTENSIDADEINTENSIDADE ALVOALVO DEDE EXERCÍCIOEXERCÍCIO
INTENSIDADEINTENSIDADE ALVOALVO DEDE EXERCÍCIOEXERCÍCIO FÍSICOFÍSICO PARAPARA OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE GORDURAGORDURA
INTENSIDADEINTENSIDADE ALVOALVO DEDE EXERCÍCIOEXERCÍCIO FÍSICOFÍSICO
PARAPARA OXIDAÇÃOOXIDAÇÃO DEDE GORDURAGORDURA

08/03/2010

08/03/2010 22
08/03/2010 22
08/03/2010 22

08/03/2010

08/03/2010 23
08/03/2010 23
08/03/2010 23

08/03/2010

27 voluntários (13 ♂ e 14 ♀) 18 a 32 anos, sedentários Grupo endurance-training (ET)
27 voluntários (13 ♂ e 14 ♀) 18 a 32 anos, sedentários
Grupo endurance-training (ET) n=17
Ciclismo, 20 sem, 4-5 x/sem
30-45min, 60-85% FC maxres
Grupo high intensity-interval training (HIIT) n=10
5 sem – contínuo - ciclismo, 25-30 min, 70% FC maxres
15 sem – intervalado – 5min 50% VO 2max
sessões curtas: 10-15 séries / 15 a 30s / int inicial = 60% CM
sessões longas: 4-5 séries / 60-90s / int inicial – 70% CM
↑ int – 5% cd 3 sem /rec entre séries – FC:120-130 bpm
longas: 4-5 séries / 60-90s / int inicial – 70% CM ↑ int – 5% cd
longas: 4-5 séries / 60-90s / int inicial – 70% CM ↑ int – 5% cd

08/03/2010

08/03/2010 25
08/03/2010 25
08/03/2010 25

08/03/2010

ANABOLISMOANABOLISMO
ANABOLISMOANABOLISMO
GLICONEOGÊNESEGLICONEOGÊNESE
GLICONEOGÊNESEGLICONEOGÊNESE
08/03/2010 ANABOLISMOANABOLISMO GLICONEOGÊNESEGLICONEOGÊNESE 26

08/03/2010

08/03/2010 27
08/03/2010 27
08/03/2010 27

08/03/2010

08/03/2010 GLICOGÊNESEGLICOGÊNESE RESERVASRESERVAS ENERGÉTICASENERGÉTICAS HOMEMHOMEM ADULTOADULTO TecidoTecido
GLICOGÊNESEGLICOGÊNESE
GLICOGÊNESEGLICOGÊNESE
RESERVASRESERVAS ENERGÉTICASENERGÉTICAS HOMEMHOMEM ADULTOADULTO TecidoTecido CompostoComposto QuantidadeQuantidade
RESERVASRESERVAS ENERGÉTICASENERGÉTICAS
HOMEMHOMEM ADULTOADULTO
TecidoTecido
CompostoComposto
QuantidadeQuantidade
%% pesopeso
EnergiaEnergia
armazenadoarmazenado
(kg)(kg)
corporalcorporal
(kcal)(kcal)
Fígado
Glicogênio
0,070
<1
280
0,150*
<1
600
Músculo
Glicogênio
0,300
<1
1.200
Músculo
Proteína
6-12 #
9-17
24.000-48.000
Adiposo
Triacilgliceróis
11-15 ##
16-21
100.000-
135.000
Líquidos
Glicose
0,020
<1
80
Corporais
* Após refeição rica em glicídios
# Em jejum extremo 50 % pode ser degradado
## Supre calorias por 40 dias de inanição

08/03/2010

08/03/2010 DESVIODESVIO DASDAS PENTOSESPENTOSES Glicose 6 P Glicose 6 P Glicose 6 P NADPH+H + NADPH+H
DESVIODESVIO DASDAS PENTOSESPENTOSES Glicose 6 P Glicose 6 P Glicose 6 P NADPH+H + NADPH+H
DESVIODESVIO DASDAS PENTOSESPENTOSES
Glicose 6 P
Glicose 6 P
Glicose 6 P
NADPH+H
+
NADPH+H +
+ NADPH+H
6
fosfo glucona
6 fosfo glucona
lactona
6 fosfo glucona
lactona
lactona
6
fosfo gluconato
6 fosfo gluconato
6 fosfo gluconato
NADPH+H +
NADPH+H +
CO 2
NADPH+H +
CO 2
CO 2
Ribulose 5 P
Ribulose 5 P
Ribulose 5 P
Xilulose 5 P
Ribose 5 P
Xilulose 5 P
Sedoheptulose 7 P
Gliceraldeído 3 P
Eritrose 4 P
Frutose 6 P
Gliceraldeído 3 P
Frutose 6 P
Glicose 6 P
Glicose 6 P
Acetil CoA + CO 2 + ATP LIPOGÊNESELIPOGÊNESE BiossínteseBiossíntese dede ácidosácidos graxosgraxos Malonil CoA
Acetil CoA + CO 2 + ATP
LIPOGÊNESELIPOGÊNESE
BiossínteseBiossíntese dede ácidosácidos graxosgraxos
Malonil CoA
Acetil CoA
+
Malonil CoA + AG sintase
CO 2
β cetobutiril
1 acetil CoA + 7 malonil CoA
+ 14 NADPH+H +
NADPH+H + - NADP +
β hidroxibutiril
H 2 O
Palmitato (16C) + 7 CO 2 +
7 H 2 O + 14 NADP +
trans-Δ 2 butenoil
NADPH+H + - NADP +
butiril
grupo acil

08/03/2010

ÁcidosÁcidos graxosgraxos essenciasessencias
ÁcidosÁcidos graxosgraxos essenciasessencias
LIPOGÊNESELIPOGÊNESE -- IngestãoIngestão dede gorduragordura
LIPOGÊNESELIPOGÊNESE -- IngestãoIngestão dede gorduragordura
ÁcidosÁcidos graxosgraxos essenciasessencias LIPOGÊNESELIPOGÊNESE -- IngestãoIngestão dede gorduragordura 30

08/03/2010

08/03/2010 Bloqueio da aconitase - sistema imune -↑↑↑↑ síntese gordura - ↓↓↓↓ ATP – ↑↑↑↑
Bloqueio da aconitase - sistema imune -↑↑↑↑ síntese gordura - ↓↓↓↓ ATP – ↑↑↑↑ apetite
Bloqueio da
aconitase
- sistema imune
-↑↑↑↑ síntese gordura
- ↓↓↓↓ ATP – ↑↑↑↑ apetite
Efeito anti-inflamatório do exercício físico
Efeito anti-inflamatório do exercício físico

08/03/2010

08/03/2010 32
08/03/2010 32
08/03/2010 32

08/03/2010

BIOSSÍNTESEBIOSSÍNTESE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS
BIOSSÍNTESEBIOSSÍNTESE
AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS
08/03/2010 BIOSSÍNTESEBIOSSÍNTESE AMINOÁCIDOSAMINOÁCIDOS SÍNTESESÍNTESE PROTÉICAPROTÉICA EE
SÍNTESESÍNTESE PROTÉICAPROTÉICA EE TREINAMENTOTREINAMENTO RESISTIDORESISTIDO
SÍNTESESÍNTESE PROTÉICAPROTÉICA
EE
TREINAMENTOTREINAMENTO RESISTIDORESISTIDO

08/03/2010

TreinamentoTreinamento resistidoresistido - 25 semanas - 20-90 min (aquec+principal+volta calma) - 1 série ou 3
TreinamentoTreinamento resistidoresistido
- 25 semanas
- 20-90 min (aquec+principal+volta calma)
- 1 série ou 3 séries/ circuito
- flexora, extensora, abdominal, supino,
remada, bíceps e tríceps
- 70% (extensora e supino) e 60% 1-RM
- 8-12 repetições/ ciclos 2:3s
- rec: 2 minutos entre as séries.
↑ 50% maior 3vs 1 série
↑ 50% maior 3vs 1 série
20,5% 18,5% 20% IGFBP = ↓ [IGF] livre
20,5% 18,5%
20%
IGFBP = ↓ [IGF] livre

08/03/2010

POSSÍVEISPOSSÍVEIS MECANISMOSMECANISMOS HIPOTÁLAMO GHRH HIPOTÁLAMO GHRH HIPÓFISE HIPÓFISE GH GH FÍGADO
POSSÍVEISPOSSÍVEIS MECANISMOSMECANISMOS
HIPOTÁLAMO
GHRH
HIPOTÁLAMO
GHRH
HIPÓFISE
HIPÓFISE
GH
GH
FÍGADO
IGF -1
MÚSCULO
MÚSCULO
IGF -1
SÍNTESE PROTÉICA
SÍNTESE PROTÉICA
MÚSCULO IGF -1 SÍNTESE PROTÉICA SÍNTESE PROTÉICA CONTROLECONTROLE DASDAS VIASVIAS METABÓLICASMETABÓLICAS 35
CONTROLECONTROLE DASDAS VIASVIAS METABÓLICASMETABÓLICAS
CONTROLECONTROLE DASDAS VIASVIAS METABÓLICASMETABÓLICAS

08/03/2010

IntracelularesIntracelulares Relação [ATP]/[ADP] NADH/NAD+ Níveis glicose-6-P citrato acetil-CoA
IntracelularesIntracelulares
Relação
[ATP]/[ADP]
NADH/NAD+
Níveis
glicose-6-P
citrato
acetil-CoA
ExtracelularesExtracelulares
Hormônios
RegulaçãoRegulação glicóliseglicólise
RegulaçãoRegulação glicóliseglicólise
RegulaçãoRegulação CKCK
RegulaçãoRegulação CKCK

08/03/2010

RegulaçãoRegulação lipogêneselipogênese
RegulaçãoRegulação lipogêneselipogênese
08/03/2010 RegulaçãoRegulação lipogêneselipogênese REGULAÇÃOREGULAÇÃO HORMONALHORMONAL DODO
REGULAÇÃOREGULAÇÃO HORMONALHORMONAL DODO METABOLISMOMETABOLISMO InsulinaInsulina AdrenalinaAdrenalina
REGULAÇÃOREGULAÇÃO HORMONALHORMONAL DODO
METABOLISMOMETABOLISMO
InsulinaInsulina
AdrenalinaAdrenalina ((energia)energia)
armazenamentoarmazenamento combustívelcombustível
mobilizaçãomobilização combustívelcombustível
- glicogenólise
- captação de glicose
- lipólise
- glicogênese
- ↑ O 2
- lipogênese
GlucagonGlucagon (glicemia)(glicemia)
- biossíntese proteica
mobilizaçãomobilização combustívelcombustível
- glicogenólise hepática
CortisolCortisol
- gliconeogênese
- lipólise tecido adiposo
-- proteolíticoproteolítico

08/03/2010

AçãoAção dada insulinainsulina ↓↓↓↓ AGL ↓↓↓↓ Glicose ↓↓↓↓ aa sangue AGL AGL Glicose
AçãoAção dada insulinainsulina
↓↓↓↓ AGL
↓↓↓↓ Glicose
↓↓↓↓ aa
sangue
AGL
AGL
Glicose
Acetil CoA
TG
proteínas
adipócito
Glicose
Glicogênio
Acetil CoA
fígado
Glicogênio
músculo
estimula
inibe
AçãoAção dodo glucagonglucagon ↑↑↑↑ AGL ↑↑↑↑ Glicose ↓↓↓↓ aa sangue AGL aa, glicerol,
AçãoAção dodo glucagonglucagon
↑↑↑↑ AGL
↑↑↑↑ Glicose
↓↓↓↓ aa
sangue
AGL
aa, glicerol,
oxalacetato
Glicose
AGL
TG
adipócito
Glicogênio
Acetil CoA
fígado
sem influência
sobre uso de glicose
e proteólise
músculo
podepode serser cetogênicocetogênico
↑↑↑↑ acetil CoA e ↓↓↓↓ oxalacetato
estimula
inibe
AçãoAção dasdas catecolaminascatecolaminas ↑↑↑↑ AGL ↑↑↑↑ Glicose sangue AGL Glicose TG lactato
AçãoAção dasdas catecolaminascatecolaminas
↑↑↑↑ AGL
↑↑↑↑ Glicose
sangue
AGL
Glicose
TG
lactato
Glicose
adipócito
Glicogênio
ATP
fígado
Glicogênio
músculo
↓↓↓↓insulina e ↑↑↑↑ glucagon
estimula
pâncreas
inibe

08/03/2010

AçãoAção dodo cortisolcortisol ↑↑↑↑ AGL ↑↑↑↑ Glicose aa sangue AGL aa Glicose glicerol TG aa
AçãoAção dodo cortisolcortisol
↑↑↑↑ AGL
↑↑↑↑ Glicose
aa
sangue
AGL
aa
Glicose
glicerol
TG
aa
adipócito
Glicogênio
fígado
proteínas
músculo
catecolaminas
exercícioexercício prolongadoprolongado
estimula
supra adrenal
ee extenuanteextenuante
inibe
INTEGRAÇÃOINTEGRAÇÃO METABÓLICAMETABÓLICA
INTEGRAÇÃOINTEGRAÇÃO METABÓLICAMETABÓLICA
estimula supra adrenal ee extenuanteextenuante inibe INTEGRAÇÃOINTEGRAÇÃO METABÓLICAMETABÓLICA 39

08/03/2010

Referências Murray R.K., Granner D.K., Mayes P.A., Rodwell, V.W. Harper’s Biochemistry. 25ª edition, 2000.
Referências
Murray R.K., Granner D.K., Mayes P.A., Rodwell, V.W. Harper’s
Biochemistry. 25ª edition, 2000.
Lehninger AL, Nelson DL & Cox MM. Principles of Biochemistry.
WORTH PUBLISHERS. Second edition. 1993.
Maughan R., Gleeson M. & Greenhaff P.L. Bioquímica do exercício
e treinamento. São Paulo: Editora Manole, 2000.
Powers S. K. & Howley E. T. Fisiologia do Exercício. Teoria e
aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 1ª. ed. brasileira.
Rio de Janeiro: Manole, 2000.
Wilmore J.K. & Costill. Physiology of Sport and Exercise. Human
Kinetics. 1994
www.scielo.br Revista Brasileira de Medicina do Esporte www.rbme.org.br Revista Paulista de Educação Física
www.scielo.br
Revista Brasileira de Medicina do Esporte
www.rbme.org.br
Revista Paulista de Educação Física
www.usp.br/eef/rpef
Revista Brasileira de Educação Física e Esporte
www.usp.br/eef/rbefe
Revista de Nutrição – PUC- Campinas
Revista de Ciência e Movimento
www.celafiscs.com.br/rbcm
Revista Brasileira de Ciência do Esporte
www.cbce.org.br
www.periodicos.capes.gov.br Medicine and Science in Sports and Exercise www.acms-msse.com Exercise and Sports Sciences
www.periodicos.capes.gov.br
Medicine and Science in Sports and Exercise
www.acms-msse.com
Exercise and Sports Sciences Reviews
www.acms-essr.com
Journal of Applied Physiology
www.jap.com
European Journal of Applied Physiology
Am J Physiol Endocrinol Metab
www.ajpendo.org
Sports Medicine

08/03/2010

08/03/2010 “Transite com calma entre as preocupações e a pressa. Mostre sereno e calmo a sua
“Transite com calma entre as preocupações e a pressa. Mostre sereno e calmo a sua
“Transite com calma entre
as preocupações e a pressa.
Mostre sereno e calmo a sua
verdade e escute a dos outros,
Evite os barulhentos
e os agressivos;
eles constrangem o espírito.
Que a cautela não o
cegue para a virtude.
Seja fiel a si mesmo.
Acima de tudo,
nunca finja afeição.
Exercite a fortaleza de ânimo
para se garantir
Adote uma disciplina saudável,
mas não se esgote por ela.
Esteja, pois, em paz com Deus,
com o seu Deus; e sejam quais
forem as suas lutas e os seus ideais,
viva em paz com sua alma.
Tenha cuidado.
Procure ser feliz”.
(trecho de Serenidade - Max Ehrmann)