Você está na página 1de 7

Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)

20 de Nov

DOMÍNIO B
Leitura e Literacia

SUBDOMÍNIO B1

Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento.


Este Subdomínio será analisado como processo em virtude de melhor se enquadrar, no
meu ponto de vista, àquilo que é entendido como processo “ actividades e serviços”.

SUBDOMÍNIO B3

Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da


leitura e da literacia.

Este Subdomínio será analisado como impacto/outcome uma vez que é nele que
melhor se enquadram os itens para conhecer os benefícios da BE, para os utilizadores.

A escolha deste domínio prende-se, com a aplicação do modelo de auto-avaliação das


BE e que, na nossa Biblioteca será este o Domínio a avaliar.

“As bibliotecas escolares podem contribuir positivamente para o ensino e a


aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da
e com a BE e os resultados escolares dos alunos.
É neste contexto que surge o presente modelo para a auto-avaliação das bibliotecas
escolares”

Modelo de auto-avaliação das BE

Formanda: Margarida Barreiros Página 1


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

O modelo de auto avaliação é fundamental para que cada Escola conheça de que
forma está a trabalhar no sentido de cumprir os objectivos essenciais a que se propôs
e que se verifique um efectivo contributo da BE para o sucesso dos alunos.

“Uma vez que a auto-avaliação implica a recolha sistemática de um conjunto alargado


de evidências ao longo de todo o ano lectivo, a escolha do domínio deve ser efectuada
de forma atempada e desejavelmente logo no início do ano lectivo
(Setembro/Outubro).”

A aplicação e operacionalização do modelo, requer uma metodologia própria para que


os efeitos sejam os desejados ou pelo menos, se aproximem deles. Nesse sentido
devemos seguir, segundo o documento “Modelo de Auto-avaliação das BE”, os
seguintes passos:

Seleccionar o domínio;

Recolher evidências;

Identificar o perfil de desempenho: os resultados da análise efectuada serão


depois confrontados com os perfis de desempenho apresentados para cada um dos
domínios, no sentido de verificar em que nível se situará a biblioteca escolar;

 Registar a auto-avaliação: os resultados da avaliação do domínio seleccionado.

ELABORAÇÃO DO PLANO DE AVALIAÇÃO (De acordo com o texto da


sessão)

 Problema/diagnóstico

Um dos problemas principais que leva, muitas vezes, ao insucesso dos alunos, é
a falta de hábitos de leitura, o que limita por exemplo, o vocabulário empregue na

Formanda: Margarida Barreiros Página 2


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

realização das tarefas, bem como a dificuldade de interpretação dos enunciados e


consequentemente o insucesso.

 Identificação do objecto de avaliação:

Como consequência do primeiro ponto é necessário criar condições, em


conjunto com todos os docentes em geral e os de Língua Portuguesa, em particular,
para que os discentes consigam se não ultrapassar essa barreira, pelo menos atenuá-
la. Esta tarefa não é fácil e não podemos pretender que no primeiro ano de
implementação das actividades/estratégias, se obtenham resultados absolutos.

 Tipo de avaliação de medida a empreender:

A avaliação será qualitativa/quantitativa e será enquadrada no relatório interno


e externo da Escola.

 Métodos e instrumentos a utilizar

Antes de fazer uma avaliação das medidas implementadas, será necessário


aplicar questionários aos alunos para aferir o nível em que se enquadram no
parâmetro da leitura e desenvolvimento das capacidades de compreensão e escrita.
Após tratamento estatístico desses questionários prévios, dever-se-á implementar as
estratégias adequadas para superar as dificuldades apresentadas. No final da aplicação
das medidas dever-se-á aplicar novamente o questionário no sentido de aferir os
benefícios das medidas implementadas. No que se refere aos professores envolvidos
no processo será entregue uma ficha de avaliação dos seus alunos, no sentido de
determinar quais as principais dificuldades que apresentam. Essa ficha será novamente
preenchida no final da aplicação das estratégias.

 Intervenientes

Os intervenientes no processo serão todos os órgãos intermédios e de gestão,


bem como alunos e professores.

Formanda: Margarida Barreiros Página 3


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

 Calendarização; planificação da recolha e tratamento dos dados; análise e


comunicação da informação.

Será iniciada no 1º período com a aplicação dos questionários. Após a recepção


dos questionários será feita a estatística e comunicada aos professores para se
aplicarem, em conjunto, as medidas necessárias de recuperação.

 Limitações e levantamento das necessidades.

Na aplicação das medidas vamos deparar-nos com entraves ao


desenvolvimento do processo. Esses entraves podem ser de vária ordem: falta de
colaboração de alguns docentes que ainda vêem a sala de aula e a transmissão do
saber, do ponto de vista magistral; falta de materiais que sejam imprescindíveis para a
concretização das tarefas.

As necessidades que, neste momento a nossa Escola têm, prendem-se com


materiais multimédia como por exemplo, manuais interactivos. Outra dificuldade, que
ultrapassa a própria Escola, refere-se ao PTE, que estando concluído a nível de
equipamentos, aguarda-se vistoria por parte da DREN, para se poderem ligar os
equipamentos em rede.

Perante tudo aquilo que foi mencionado no texto anterior, e de acordo com os
resultados da aplicação do primeiro questionário e posteriormente da aplicação das
estratégias, será feita uma avaliação no sentido de aferir a contribuição/impacto que
as acções da BE tiveram no sucesso dos alunos. Posteriormente será preenchida a
grelha respectiva no sentido de identificar os aspectos que são factores de sucesso e
devem continuar a ser implementados e aqueles que precisam de melhoria.

Em jeito de conclusão, apresento a grelha que hipoteticamente será preenchida no


final do ano. Há actividades que realizamos e que já podemos considerar como factor
de sucesso, outras que serão implementadas e que ainda não sabemos qual o seu
impacto. Esta grelha baseia-se na avaliação interna da Escola no ano lectivo
2008/2009.

Formanda: Margarida Barreiros Página 4


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

PLANO DE AVALIAÇÃO DO INDICADOR B1

Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento

Os processos incidem sobre a verificação do trabalho que é realizado pela escola e pela
biblioteca (por exemplo, criação de guiões de apoio ao trabalho na biblioteca;
procedimentos no âmbito da gestão da colecção.)

Factores críticos de Evidências Acções para melhoria


sucesso
A BE disponibiliza uma Registos dos livros Catalogação dos livros para
colecção adequada aos existentes na BE que toda a comunidade
gostos dos utilizadores Número de aquisições escolar tenha acesso via
internet

Adequa a colecção a Sugestões de toda a Realizar avaliações


novos públicos comunidade educativa na periódicas da colecção
aquisição e enriquecimento
da colecção

A BE promove acções Clube de leitura Criar grupos ou


formativas que ajudem a Substituir a ler comunidades de leitores
promover as Leitura orientada em sala de para partilhar gostos pela
competências no âmbito aula leitura
da leitura

A BE incentiva o Estatísticas de requisição


empréstimo domiciliário domiciliária

A BE colabora Lista de aquisição de Motivar os alunos para a


activamente com o PNL livros sugeridos pelo PNL participação em mais
Participação em concursos propostos pelo
concursos propostos pelo PNL
PNL

A BE desenvolve Semana da leitura Estender as actividades da


actividades no âmbito da Chá com livros semana da leitura ao longo
promoção da leitura Leitura de fábulas do ano lectivo
Dramatizações

A BE promove encontros Convites a escritores como, Envolver mais os alunos do


com autores Pedro Seromenho e Maria ensino secundário
José Meireles
Realização de palestras
sobre vários temas do
interesse dos alunos

A BE incentiva a leitura Divulgação e apresentação Formar grupos de trabalho


em ambientes digitais dos livros digitais para ir mais além dos livros
digitais

Formanda: Margarida Barreiros Página 5


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

A BE organiza e difunde Pesquisa de sites úteis para Maior divulgação do blog da


recursos documentais professores e alunos no BE
âmbito das várias Sensibilizar os
disciplinas. docentes/discentes para
Difundidos através do blog partilhar materiais
da BE

A BE apoia os alunos nas Apoio constante na escolha Formar todos os elementos


suas escolhas dos livros a requisitar, da equipa no sentido de
adequados a cada faixa estarem aptos a responder
etária às solicitações dos
utilizadores

PLANO DE AVALIAÇÃO DO INDICADOR B3

Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da


leitura e literacia

Os resultados e impactos incidem fundamentalmente sobre a verificação dos efeitos


desse trabalho nas aprendizagens dos alunos (por exemplo, aumento das
competências em literacia da informação) e na própria biblioteca (por exemplo,
aumento da sua utilização pelos docentes).

Factores críticos de Evidências Acções para melhoria


sucesso
Os alunos usam o livro e a Estatísticas de utilização da Promover o diálogo com os
BE para ler de forma BE para actividades de docentes no sentido de
recreativa, para se leitura garantir um esforço conjunto
informar ou para realizar Trabalhos dos alunos Aplicação de questionários
trabalhos

Os alunos manifestam Análise por aluno dos livros Promover o diálogo com os
progressos nas requisitados em termos de docentes no sentido de
competências da leitura temáticas e complexidade garantir um esforço conjunto
Aplicação de questionários

Os alunos desenvolvem Trabalhos dos alunos Envolver mais a Escola no


trabalhos em vários sentido de verem a BE
suportes como espaço de partilha

Os alunos participam Participação nas actividades Sensibilizar os alunos do


activamente nas com registos fotográficos e secundário para a
actividades propostas vídeos participação nas actividades

Formanda: Margarida Barreiros Página 6


Modelo de auto-avaliação das bibliotecas: metodologias de operacionalização (1ª parte)
20 de Nov

Formanda: Margarida Barreiros Página 7

Interesses relacionados