Você está na página 1de 99

NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

NPCP

PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA NPCP MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

2008

FINALIDADE - NORMATIVA

OSTENSIVO

NPCP

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES

NÚMERO DA

EXPEDIENTE QUE A DETERMINOU E RESPECTIVA DATA

PÁGINAS

DATA DA

RUBRICA

MOFICAÇÃO

AFETADAS

ALTERAÇÃO

OSTENSIVO

-III-

ORIGINAL

OSTENSIVO

ÍNDICE

NPCP-SC

Páginas

Folha de Rosto Portaria de Entrada em Vigor Registro de Modificações Índice Introdução

 

I

II

III

IV

VII

CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS

 

SEÇÃO I - ORGANIZAÇÃO, JURISDIÇÃO E LIMITES

 

1-1

0101 – Composição e Jurisdição

 

1-1

0102 – Delimitação de Águas para a Navegação Interior

1-2

SEÇÃO II - DEVERES E SANÇÕES

 

1-3

0103 – Marinas, clubes e entidades desportivas náuticas

1-3

0104 – Infração

1-3

SEÇÃO III - FATOS E ACIDENTES DA NAVEGAÇÃO

 

1-4

0105 – Fatos e Acidentes da Navegação Sujeitos à Investigação

1-4

0106 – Retenção de Embarcação

SEÇÃO IV - NAVEGAÇÃO – CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS

1-4

E SUA ADMINISTRAÇÃO

1-5

0107 – Características Principais

 

1-5

0108 – Administração

1-7

CAPÍTULO 2 –

DOTAÇÃO DE MATERIAL DAS EMBARCAÇÕES E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS

0201 – Equipamentos e Materiais Homologáveis

 

2-1

0202 – Documentos Obrigatórios

 

2-1

CAPÍTULO 3 - PROCEDIMENTO PARA NAVIOS NO PORTO

 

SEÇÃO I - ENTRADA, PERMANÊNCIA E SAÍDA DOS PORTOS

 

3-1

0301 – Tráfego no Porto

 

3-1

0302 – Ferros

 

3-1

0303 – Transporte de Material e Pessoal

 

3-1

0304 – Reparos

 

3-1

SEÇÃO II – PRATICAGEM

 

3-2

0305

– Propósito

 

3-2

0306

– Programa

 

3-2

0307

– Exame para Prático

 

3-3

0308

– Zonas De Praticagem e Número de Práticos Necessários à Manobra do Navio

 

.3-5

0309

– Serviços Disponíveis

 

3-6

0310

– Tipos de Manobras

 

3-6

0311

– Sinalização

 

3-6

0312

– Impraticabilidade da Barra

 

3-7

0313

– Obrigações do Comandante da Embarcação

 

3-7

0314

– Escala de Prático

 

3-7

0315

– Qualificação do Praticante de Prático

 

3-7

OSTENSIVO

ORIGINAL

-IV-

OSTENSIVO

NPCP-SC

SEÇÃO III - SERVIÇO DE REBOCADORES

 

3-9

0316 – Emprego obrigatório de Rebocadores

 

3-9

0317 – Requisitos para operar

 

3-9

0318 – Aplicação

 

3-10

0319 – Situações de força maior

 

3-10

0320 – Disposições complementares

 

3-10

SEÇÃO IV - SEGURANÇA

 

3-10

0321– Segurança das embarcações contra assaltos, roubos e similares

 

3-10

SEÇÃO V - MEIO AMBIENTE

 

3-11

0322 – Preservação Ambiental

 

3-11

0323 – Carga ou Descarga de Petróleo e seus derivados, Produtos Químicos a granel e Gás liquefeito

3-12

0324 – Mercadorias Perigosas

 

3-12

0325 – Áreas para “Bota Fora” de Dragagens

 

3-13

SEÇÃO VI - FISCALIZAÇÃO POR AUTORIDADES NACIONAIS

3-13

0326 – Entrada da Embarcação

 

3-13

0327 – Saída da Embarcação

 

3-14

CAPÍTULO 4 - PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

 

SEÇÃO I - RESTRIÇÕES OPERACIONAIS

 

4-1

0401 – Propósito

 

4-1

0402 – Coordenação

 

4-1

   

4-1

0403 – Calados máximos recomendados 0404 –

Restrições de velocidade, cruzamento e ultrapassagem

 

4-4

0405 – Restrições de horário

 

4-5

0406 – Restrições de porte das embarcações

 

4-5

0407 – Restrições de fundeio – fundeadouros

 

4-5

0408 – Outras restrições

 

4-8

SEÇÃO II - PLATAFORMAS E BÓIAS DE GRANDE PORTE

 

4-9

0409 – Plataformas e Bacias Petrolíferas

 

4-9

0410 – Bóias de grande porte

 

4-10

SEÇÃO III – DIVERSOS

 

4-10

a) Embarcações ligadas à extração de areia

 

4.10

b) Navegação próxima às plataformas de petróleo/monobóias

 

4-10

c) Embarque e desembarque de passageiros

 

4-11

d) Proibição de fundeio próximo a instalações militares

 

4-11

e) Transporte de passageiros (uso obrigatório de coletes sala-vidas)

4-11

f) Obrigatoriedade de instalação de proteção nos eixos propulsores

4-11

g) Transbordo de pessoal trapiche x embarcação

 

4-11

h) Tripulação mínima em embarcações de transporte de passageiros

4-11

i) Realização de shows pirotécnicos em balsas (queimas de fogos)

4-11

j) Resgate de passageiros por helicóptero

 

4-12

k) Atividades de maricultura no estado de Santa Catarina

 

4-12

l) Atividades de reboque em dispositivos flutuantes (bananas boat)

4-12

m) Área de Proteção Ambiental “Baleia Franca”

 

4-12

n) Prazo mínimo para comunicação de realização de eventos náuticos

4-13

CAPÍTULO 5 - HIDROVIAS E RIOS NAVEGÁVEIS DA JURISDIÇÃO

 

SEÇÃO I - CONDIÇÕES DE NAVEGABILIDADE E SINALIZAÇÃO

5-1

OSTENSIVO

-V-

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

0501

– Condições de Navegabilidade e Sinalização nos Rios da Jurisdição

 

5-1

0502

– Outras restrições

5-1

0503

– Campanhas Educativas de Segurança do Tráfego Aqüaviário

 

5-2

ANEXOS

1-A – Áreas de Navegação Interior 2 por Jurisdição 3-A - Programa de Qualificação para Praticante de Prático 3-B - Comprovante de Manobra de Praticagem 3-C - Tabela de Correspondência TPB x Bollard Pull x Nº de Rebocadores 3-D - Decálogo de Segurança 3-E – Exame Prático Oral para Prático – Banca Examinadores 3-F – Exame Prático Oral para Prático – Avaliação do Comandante 3-G – Exame Prático Oral para Prático – Avaliação Geral 3-H – Relatório de Manobras com Praticante de Prático

3-I- Quadro-Resumo Mensal de Manobras por Praticante de Prático em Estágio de Qualificação

3-J - Calendário Mínimo de Manobras para o Praticante de Prático

4-A - Procedimentos de Segurança nas Embarcações de Transporte de Passageiros para serem lidos antes de desatracar 4-B - Procedimentos e Precauções de Segurança em Resgate feito por aeronave da MB. 4-C - Especificações para embarcação de apoio à maricultura. 4-D Especificações para embarcações de reboque (banana boat, aluguel de caiaques,

pedalinhos, parasail, etc). 4-E – Especificações para embarcações de apoio a banana boats e aos pontos de aluguel de caiaques, pedalinhos, parasail, etc. 4-F - Especificações de embarcações que operam em transporte de passageiros do tipo

IV.

4-G Procedimentos Operativos de Eventos especiais.

APÊNDICES

1-A-1 – Áreas de Navegação Interior da Jurisdição da DelSFSul 1-A-2 – Áreas de Navegação Interior da Jurisdição da DelItajaí 1-A-3 – Áreas de Navegação Interior da Jurisdição da CPSC 1-A-4 – Áreas de Navegação Interior da Jurisdição da DelLaguna

OSTENSIVO

-VI-

ORIGINAL

OSTENSIVO

1 - PROPÓSITO

INTRODUÇÃO

NPCP-SC

Esta publicação tem por propósito consolidar as Normas e Procedimentos específicos para a jurisdição da Capitania dos Portos de Santa Catarina e Delegacias subordinadas, localizadas em Itajaí, Laguna e São Francisco do Sul, e complementar as Normas da Autoridade Marítima (NORMAM) em vigor, para atendimento às peculiaridades regionais. O seu conhecimento não desobriga os utilizadores a conhecer os dispositivos da Legislação/Regulamentação superiores, bem como aqueles previstos nas Convenções Internacionais aplicáveis e ratificados pelo Brasil.

OSTENSIVO

- VII -

ORIGINAL

OSTENSIVO

CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS

NPCP-SC

SEÇÃO I ORGANIZAÇÃO, JURISDIÇÃO E LIMITES

0101 – COMPOSIÇÃO E JURISDIÇÃO

A Capitania dos Portos de Santa Catarina é composta pela sua sede em Florianópolis e as seguintes Organizações Militares subordinadas:

Delegacia da Capitania dos Portos em Itajaí (DelItajaí); Delegacia da Capitania dos Portos em São Francisco do Sul (DelSFSul); e Delegacia da Capitania dos Portos em Laguna (DelLaguna).

a) ÁREAS DE JURISDIÇÀO

1 – A jurisdição da Capitania dos Portos abrange as águas que banham o litoral Catarinense, limitada ao norte pela linha divisa com o Estado do Paraná, e ao sul pela linha divisa com o Estado do Rio Grande do Sul, sendo sua área de atuação direta os seguintes municípios:

Agrolândia, Águas Mornas, Alfredo Wagner, Angelina, Anita Garibaldi, Antônio Carlos, Atalanta, Biguaçu, Bocaina do Sul, Bom Retiro, Campo Belo do Sul, Capão Alto, Celso Ramos, Cerro Negro, Chapadão do Lageado, Correia Pinto, Florianópolis, Governador Celso Ramos, Imbuia, Ituporanga, Lages, Leoberto Leal, Otacílio Costa, Painel, Palhoça, Palmeira, Petrolândia, Rancho Queimado, Rio Rufino, Santo Amaro da Imperatriz, São José, São José do Cerrito e São Pedro de Alcântara.

2 – A jurisdição da DelItajaí é limitada ao norte com a área de atuação da Delegacia da Capitania dos Portos em São Francisco do Sul e ao sul com a área de atuação da CPSC, sendo sua área de atuação direta os seguintes municípios:

Abdon Batista, Abelardo Luz, Agronômica, Água Doce, Águas de Chapecó, Águas Frias, Alto Bela Vista, Anchieta, Apiuna, Arabutã, Arroio Trinta, Arvoredo, Ascurra, Aurora, Balneário Camboriú, Bandeirante, Barra Bonita, Barra Velha, Belmonte, Benedito Novo, Blumenau, Bombinhas, Bom Jesus, Bom Jesus do Oeste, Botuverá, Braço do Trombudo, Brunópolis, Brusque, Caçador, Caibi, Camboriú, Canelinha, Campo Erê, Campos Novos, Capinzal, Catanduvas, Caxambu do Sul, Chapadão do Lageado, Chapecó, Concórdia, Cordilheira Alta, Coronel Freitas, Coronel Martins, Cunha-Porã, Cunhataí, Curitibanos, Descanso, Dionizio Cerqueira, Dona Emma, Doutor Pedrinho, Entre Rios, Erval Velho, Faxinal dos Guedes, Flor do Sertão, Formosa do Sul, Fraiburgo, Frei Rogério, Galvão, Gaspar, Guabiruba, Guaraciaba, Guarujá do Sul, Guatambu, Herval do Oeste, Ibiam, Ibicaré, Ibirama, Ilhota, Indaial, Iomerê, Ipira, Iporão do Oeste, Ipuaçu, Ipumirim, Iraceminha, Irani, Irati, Itá, Itajaí, Itapema, Itapiranga, Jaborá, Jardinópolis, Joaçaba, José Boiteaux, Jupiá, Lacerdópolis, Lageado Grande, Laurentino, Lebon Régis, Lindóia do Sul, Lontras, Luís Alves, Luzerna, Macieira, Major Gercino, Maravilha, Marema, Mirim Doce, Modelo, Mondaí, Monte Carlo, Navegantes, Nova Erexim, Nova Itaberaba, Nova Trento, Novo Horizonte, Ouro, Ouro Verde, Paial, Palma Sola, Palmas, Palmitos, Paraíso, Passos Maia, Penha, Peritiba, Piçarras, Pinhalzinho, Pinheiro Preto, Piratuba, Planalto Alegre, Pomerode, Ponte Alta, Ponte Alta do Norte, Ponte Cerrada, Porto Belo, Pouso Redondo, Presidente Castelo Branco, Presidente Getúlio, Presidente Nereu, Princesa, Quilombo, Rio das Antas, Rio do Campo, Rio do Oeste, Rio do Sul, Riqueza, Rodeio, Romelândia, Salete, Saltinho, Salto Veloso, Santa Cecília, Santa Helena, Santa Terezinha do Progresso, Santiago do Sul, São Bernardino, São Carlos, São Cristóvão do Sul, São Domingos, São João Batista, São João do Itaperiú, São Jose do Oeste, São José do Cedro, São

OSTENSIVO

ORIGINAL

1

-

1

OSTENSIVO

NPCP-SC

Lourenço do Oeste, São Miguel da Boa Vista, São Miguel do Oeste, Saudades, Seara, Serra Alta, Sul Brasil, Taió, Tangará, Tigrinhos, Tijucas, Timbó, Timbó Grande, Treze Tílias, Trombudo Central, Tunápolis, União do Oeste, Vargeão, Vargem, Vargem Bonita, Vargeio, Vidal Ramos, Videira, Vitor Meireles, Xanxerê, Xavantina, Xaxim, Witmarsum e Zortéa.

3 – A jurisdição da DelSFSul é limitada ao norte pela linha divisa do Estado do Paraná e ao

sul com a área de atuação direta da Delegacia da Capitania dos Portos em Itajaí, sendo sua área de atuação direta os seguintes municípios:

Araquari, Balneário Barra do Sul, Bela Vista do Toldo, Calmon, Campo Alegre, Canoinhas, Corupá, Garuva, Guaramirim, Irineópolis, Itaiópolis, Itapoá, Jaraguá do Sul, Joinville, Mafra, Major Vieira, Massaranduba, Matos Costa, Monte Castelo, Papanduva, Porto União, Rio dos Cedros, Rio Negrinho, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, Santa Terezinha, Schroeder e Três Barras; e

4 – A jurisdição da DelLaguna é limitada ao norte com a área de atuação direta da Capitania

dos Portos de Santa Catarina e ao sul com a linha divisa do Estado do Rio Grande do Sul, sendo sua

área de atuação direta os seguintes municípios:

Anitápolis, Araranguá, Armazém, Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Bom Jardim da Serra, Braço do Norte, Capivari de Baixo, Cocal do Sul, Criciúma, Ermo, Forquilhinha, Garopaba, Grão Pará, Gravatal, Içara, Imaruí, Imbituba, Jacinto Machado, Jaguaruna, Laguna, Lauro Muller, Maracajá, Meleiro, Morro da Fumaça, Morro Grande, Nova Veneza, Orleans, Passo de Torres, Paulo Lopes, Pedras Grandes, Praia Grande, Rio Fortuna, Santa Rosa de Lima, Santa Rosa do Sul, São Bonifácio, São João do Sul, São Joaquim, São Ludgero, São Martinho, Sangão, Siderópolis, Sombrio, Timbé do Sul, Treviso, Treze de Maio, Tubarão, Turvo, Urubici, Urupema e Urussanga.

0102 – DELIMITAÇÃO DE ÁGUAS PARA A NAVEGAÇÃO INTERIOR

Ficam estabelecidas as seguintes áreas como navegação interior.

ÁREA 1 – Na jurisdição da CPSC, são consideradas como ÁREA 1 todas as áreas abrangidas por lagos, lagoas, baías, canais e rios até as respectivas embocaduras. Durante o período compreendido entre 15 de novembro a 15 de março, na região da Ilha de Santa Catarina, os canais Norte e Sul também serão considerados com Àrea 1, dentro dos limites abaixo:

Canal Norte Ilha de Santa Catarina – Limitada pelos alinhamentos Ponta da Armação - Ponta do Rapa(Carta Náutica nº 1903); e Canal Sul da Ilha de Santa Catarina – Limitada pelos alinhamentos Ponta do Frade – Ilha de Araçatuba, Ilha de Araçatuba – Ilha do Papagaio Pequeno e Ilha do Papagaio Pequeno – Ponta da Pinheira (Carta Náutica nº 1904);

ÁREA 2 – São consideradas como ÁREA 2 aquelas ilustradas no Anexo 1-A desta NPCP. É permitida a passagem de uma área para outra, observando-se o limite de afastamento de

até meia milha dos pontos notáveis que as delimitam. Serão consideradas “Área 3 – Mar Aberto” todas as áreas interiores 2 que apresentarem as seguintes condições metereológicas:

- Intensidade do vento superior a 5 na Escala Beaufort (acima de 21 nós/39 Km/h); e

- Estado do Mar superior a 3 na Escala Beaufort (ondas de tamanho superior a 2,0 m).

Compete ao comandante da embarcação, antes de suspender, verificar a previsão metereológica para a região de navegação, sendo de sua total responsabilidade o cumprimento da

condicionante citada no parágrafo anterior.

OSTENSIVO

1

-

2

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

AS SEGUINTES ÁREAS SÃO DESTINADAS AO TRÁFEGO DE EMBARCAÇÕES DE NAVEGAÇÃO INTERIOR:

1 - Toda a área ao longo dos lagos e lagoas, canais, baías e rios sob a jurisdição da CPSC,

não ultrapassando a sua respectiva foz.

2 - Toda a navegação realizada dentro das áreas portuárias da jurisdição da CPSC, estuários,

baías, enseadas, angras, canais, rios e lagoas, em atendimento às atividades específicas dos portos. As embarcações classificadas como esporte e recreio de navegação interior poderão sair barra afora até a distância de meia milha da costa, tendo como ponto de referência o início do espelho d’água.

3 - As embarcações classificadas como esporte e recreio e outras atividades e serviços para navegação interior, não podem se afastar por mais que meia milha náutica da costa. Os limites estabelecidos nesta Norma poderão ser ultrapassados durante as regatas,

devidamente autorizadas pela CPSC, desde que acompanhadas por uma embarcação de mar aberto. Não é permitido o fundeio de embarcações e a pesca nas seguintes áreas consideradas de segurança:

I) Fundeadouros de navios mercantes identificados nas Cartas Náuticas;

II) Canais de acesso e proximidades das instalações dos portos de São Francisco do Sul,

Itajaí, Laguna e Imbituba; e

III) Áreas especiais, nos prazos determinados em Aviso aos Navegantes.

Além dos limites acima especificados só poderão navegar as embarcações classificadas para mar aberto.

SEÇÃO II DEVERES E SANÇÕES

Além de outras previstas na legislação pertinente, é obrigatório o cumprimento das presentes Normas pelos Agentes Marítimos, Empresas de Navegação, Empresas de Pesca, Comandantes, tripulantes, práticos, marinas, clubes e entidades desportivas náuticas, no que couber, bem como conhecer e/ou fazer conhecer todas as informações contidas no Aviso aos Navegantes e na publicação denominada “ROTEIRO”, emitidas pela Diretoria de Hidrografia e Navegação, relativas às peculiaridades regionais das costas, portos e terminais desta jurisdição.

0103 – MARINAS, CLUBES E ENTIDADES DESPORTIVAS NÁUTICAS

Os deveres e responsabilidades das marinas, clubes e entidades desportivas náuticas estão listados nas Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e Recreio e/ou para Cadastramento e Funcionamento das Marinas, Clubes e Entidades Desportivas Náuticas (NORMAM 03).

0104 – INFRAÇÃO

O não cumprimento das presentes normas será caracterizado como infração às mesmas, estando o infrator sujeito às penas de multa, suspensão do certificado de habilitação, retirada de tráfego e apreensão da embarcação, previstas no Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) em águas sob jurisdição nacional. As penas impostas poderão ser simultâneas e complementares.

OSTENSIVO

1

-

3

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

SEÇÃO III FATOS E ACIDENTES DA NAVEGAÇÃO

0105 – FATOS E ACIDENTES DA NAVEGAÇÃO SUJEITOS À INVESTIGAÇÃO

A ocorrência de fatos ou acidentes da navegação, conforme conceituada em legislação

própria, deverá ser comunicada à Capitania dos Portos ou Delegacia com jurisdição sobre a área, para abertura do competente Inquérito Administrativo. São casos para instauração de Inquérito Administrativo:

a) ACIDENTES DA NAVEGAÇÃO

1 – naufrágio, encalhe, colisão, abalroamento, água aberta, explosão, incêndio, varação,

arribada ou alijamento; e

2 – avaria ou defeito no navio, nas suas instalações, que ponha em risco a embarcação, as vidas e fazendas de bordo.

b) FATOS DA NAVEGAÇÃO

1– o mau aparelhamento ou a impropriedade da embarcação para o serviço em que é

utilizada e a deficiência da equipagem; 2– a alteração da rota;

3–

a má estivação de carga, que sujeite a risco a segurança da expedição;

4–

a recusa injustificada de socorro à embarcação em perigo;

5–

a todos os fatos que prejudiquem ou ponham em risco a incolumidade e segurança da

embarcação, as vidas e fazendas de bordo; e

6 – o emprego da embarcação, no todo ou em parte, na prática de atos ilícitos, previstos em lei como crime ou contravenção penal ou lesivos à Fazenda Nacional.

0106 – RETENÇÃO DE EMBARCAÇÃO

A embarcação será retida, para investigação, apenas por tempo suficiente para a tomada de

depoimentos de tripulantes e a realização do exame pericial, a fim de instruir o respectivo Inquérito

Administrativo. Tal fato não deve ser confundido com eventuais retenções pelo “Port State Control (PSC)” ou para cumprimento de exigências de vistorias ou por alguma outra deficiência apontada durante ação de Inspeção Naval.

a) SOBRESTADIA

A Capitania dos Portos e suas Delegacias subordinadas somente emitem certidão de

permanência no porto, a pedido da parte interessada, exclusivamente no caso de ocorrência de acidente ou fato da navegação, cuja investigação demande tempo além do previsto para estadia

normal da embarcação.

b)COMUNICACÃO DE OCORRÊNCIAS ENVOLVENDO MERCADORIAS PERIGOSAS ACONDICIONADAS Quando ocorrerem no Mar Territorial, Zona Contígua ou na Zona Econômica Exclusiva perda real ou provável de mercadorias perigosas acondicionadas, os Comandantes das embarcações deverão divulgar à Estação Costeira mais próxima as informações solicitadas no Anexo 5-A da NORMAM 01 (Normas da Autoridade Marítima para a Navegação em Mar Aberto). O Brasil tem responsabilidades de divulgação desses incidentes em atendimento a documentos da Organização Marítima Internacional.

OSTENSIVO

1

-

4

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

As estações-rádio costeiras, estações terrenas do sistema INMARSAT e estações de qualquer Sistema de Informações de Navios deverão retransmitir as informações retrocitadas à Capitania dos Portos a fim de que sejam encaminhadas:

a) ao país da bandeira do navio implicado; e

b) a qualquer outro país que também possa ser afetado.

SEÇÃO IV NAVEGAÇÃO - CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E SUA ADMINISTRAÇÃO

0107 – CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS

a)

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

O

porto de São Francisco do Sul, situado no litoral norte do Estado de Santa Catarina, no

interior da Baía da Babitonga, é especializado em carga geral, contêineres e graneis.

A área portuária é limitada entre o alinhamento dos faroletes Pontal (Trincheira),

Sumidouro, e o fundo da Baía da Babitonga. Dentro da área portuária de São Francisco do Sul há o Terminal de Santa Catarina (TESC) adminstrado pela “WRC”.

O porto e sua Bacia de evolução são demarcados pelas coordenadas 26º 14’ 02”S e 048º 38’

01”W, 26º 14’ 28”S e 048º 38’ 02”W e pelas Lages da Cruz, Muchocho e da Vitória.

O porto e seu acesso constam da Carta Náutica nº 1804, devendo ser consultada a publicação

Roteiro Costa Sul, bem como observadas as informações divulgadas nos Avisos aos Navegantes.

b)

PORTO DE ITAJAÍ

O

porto de Itajaí, situado no rio Itajaí-Açu na cidade de Itajaí/SC é especializado em

contêineres e carga geral.

A área portuária é delimitada pelo alinhamento entre as extremidades dos molhes Norte e

Sul do Rio Itajaí-Açu até quinze quilômetros a montante da foz, compreendendo as instalações portuárias, sendo suas coordenadas geográficas 26º 54′′′′ 21′′′′′′′′S e 048º 39′′′′ 04″″″″W, havendo ainda o terminal da Empresa DOW-QUÍMICA, localizada a montante na Lat. 26º52’16”S Long 048º42’38”W e a jusante na Lat. 26º52’13”S Long 048º39’59”W. O porto e seus acessos constam da carta náutica nº 1801, devendo ser consultada a publicação Roteiro Costa Sul, bem como observadas as informações divulgadas nos Avisos aos Navegantes. A nova área de conteiners soma 7.500m2, situada a montante na Lat. 26º54’062”S Long. 048º42’337”W e a jusante na Lat. 26º54’047”S e Long. 048º39’545”W.

c) PORTO DE IMBITUBA

Cais: tem a extensão total de 570m, distribuídos pelos berços 1, 2 e 3 com 550m de

comprimento e 9,5m de profundidade, para graneis sólidos e líquidos e carga geral; e berço 4 com 20m de comprimento e 5m de profundidade, para navios Ro-Ro. Armazéns: - Store/Fertilizantes 20.000t;

- FertiSanta/Fertilizantes 15.000t;

- Manuchar/Barrica 10.000t; e

- CDI Fertilizantes 30.000t. Frigorífico: AGIL/Congelados.

Pátios: um pátio para carvão com capacidade para 20.000t; um pátio para carga Ro-Ro, com área de 10.000m2; e um pátio para containers, com 25.500m2 pavimentados.

Equipamentos:

a)

berço 3 – dois guindastes pórtico, com capacidade de 10 a 16t; cinco empilhadeiras, com capacidade de 2,5 a 4t; e um carregador/descarregador, com capacidade para

1.500t; e

OSTENSIVO

ORIGINAL

1

-

5

OSTENSIVO

NPCP-SC

b)

berços 1 e 2 – dois guindastes pórtico, com capacidade de 2,5 a 4t.

Rebocadores: Rebocador “Lagoa Mineira”, com potência de reboque para 30,10t e potência 2.100 HP; e Rebocador “Centaurus” com potência de reboque para 30,08t e potência 2.170 HP.

Calado : O Calado máximo para entrada e saída é de 9.63metros para uma preamar mínima

de cinqüenta (50) centímetros.

A área destinada à manobra de navios, para atracação e desatracação é a bacia de evolução em

frente ao cais do porto, com largura de trezentos metros. Suprimentos Aguada: há um hidrante em cada um dos berços (1,2, 3 e 4), para fornecimento de água potável, com vazão de 10t/h. Combustíveis e lubrificantes:

Quando necessário, o abastecimento de derivados de petróleo é feito através de caminhões-tanque pela Petrobrás Distribuidora S/A, Rua Reinaldo Schimithausen, nº 2977 Cordeiros, Itajaí/SC Tel (47) 344-2477 e pela SHELL Brasil S/A, Rua Reinaldo Schimithausen, 80 – Cordeiros, Itajaí/SC tel. (47) 356-1688. Comunicação Marítima – restrita aos navios que operam no porto, na sua maioria especializados no transporte de containers e produtos químicos; comunicação ferroviária – o porto dispõe de 5.429m de extensão de linhas férreas, ligadas ao ramal da RFFSA, através da Estrada de Ferro Teresa Cristina; comunicação rodoviária – Imbituba é ligada as cidades circunvizinhas pela BR-101, trecho

totalmente pavimentado, mas ainda não duplicado; comunicação aeroviária – há um pequeno campo

de pouso para aviões de pequeno porte, com pista de chão batido/grama de extensão de 1.230m,

distante do centro de Imbituba cerca de 6,5km; e comunicação radioelétrica – o município é integrado ao Sistema Nacional de Telecomunicações DDD, pelo código (48) Energia Elétrica: No porto, há disponibilidade de energia elétrica na voltagem de 220V monofásica e 440V trifásica, 60Hz, com intensidade de 200 A , havendo a instalação de 24 tomadas para conteiners frigoríficos.

d) PORTO DE LAGUNA Cais: tem a extensão total de 300m e 2,60m de profundidade, para atividade pesqueira. Armazéns: - um interno com 1.600m2;

- um externo com 392m2;

- duas fábricas de gelo, utilizando amônia refrigerada, com capacidade de produção de 2,3t/h cada uma; e

- um mercado de peixe

Frigorífico – um com capacidade de 800t a –25ºC Pátio – um pátio com aproximadamente 20.000m2 de área. Equipamentos: uma empilhadeira a diesel, com capacidade de 1,5t; duas empilhadeiras a gás com capacidade de 4t e uma paleteira elétrica com capacidade de 1,2t. Suprimentos: O Porto de Laguna possui seis tanques para combustível (diesel) com

capacidade para 15.000 litros cada um. Os tanques são dispostos nas extremidades do cais de atracação, em duas estações com três tanques cada uma, possuindo bombas independentes. O porto não dispõe de um plano de emergência e nem de equipes capacitadas para o combate a incêndio; caso seja necessário, é acionada a guarnição do Corpo de Bombeiros Militar de Laguna. Outra dificuldade, que será facilmente percebida em caso de incêndio nos tanques de combustíveis, é que

as estações de CAV são adjacentes a estes. Aguada: há uma tomada principal para o fornecimento de água, em uma das extremidades do cais, abastecida pela Companhia de Abastecimento de Águas e Saneamento (CASAN); dessa tomada principal, há uma ramificação de mais duas outras, dispostas ao longo do cais que alimentam dez hidrantes distribuídos pela área interna do porto. O reservatório de água do porto tem

a

capacidade para 400.000m3. Caso algum impedimento para o fornecimento de água pela CASAN,

o

porto dispõe, ainda, de um poço artesiano, capaz de manter o reservatório em seu nível máximo.

OSTENSIVO

1

-

6

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

Energia Elétrica: há disponibilidade de energia elétrica estabilizada de 220V monofásica, e 380V trifásica, 60Hz, com seis tomadas dispostas na faixa de cais a cada 50m. O porto não possui gerador de emergência. Combustíveis e lubrificantes: o abastecimento de óleo diesel (90.000 litros) é feito pela empresa POLIPETRO, de Itajaí/SC.

0108 – ADMINISTRAÇÃO

O Capitão dos Portos é o Agente da Autoridade Marítima para a área de jurisdição direta da

Capitania dos Portos de Santa Catarina, tendo os seus Delegados como Agente da Autoridade Marítima nas suas respectivas áreas de jurisdição.

a) FLORIANÓPOLIS

A Capitania dos Portos tem sua sede na rua 14 de Julho, nº440, Estreito, Florianópolis, SC,

CEP: 88.075-010, Telefax: 0-XX-48-3248-5500 e mantém escuta permanente no canal 16 VHF.

Endereço eletrônico: secom@cpsc.mar.mil.br

b) SÃO FRANCISCO DO SUL

A Delegacia tem sua sede na rua Dr Lauro Müller, nº138, Centro, São Francisco do Sul, SC,

CEP: 89240-000, Telefax: 0-XX-47-3444-2204/2205 e mantém escuta permanente no canal 16 VHF.

Endereço eletrônico: secom@dlsfsul.mar.mil.br

O Porto de São Francisco do Sul é administrado pela Administração do Porto de São Francisco do Sul, uma autarquia estadual, vinculada à Secretaria da Infra-Estrutura do Estado de Santa Catarina; endereço: Rua Engenheiro Leite Ribeiro, 782 – Centro – São Francisco do Sul/SC – CEP 89240-000 – Caixa Postal 7 – Telefone: 0XX47 3444.2200 Fax: 0XX47 3444.2115. Endereço eletrônico: porto@apsfs.sc.gov.br

c) ITAJAÍ

A Delegacia da Capitania dos Portos em Itajaí tem sua sede na Rua Coronel Eugênio Müller,

nº 106, Centro, Itajaí, SC, CEP:88301-090, Telefax: 0-XX-47-3348-0129 e mantém escuta

permanente no canal 16 VHF. Endereço eletrônico: secom@delitajai.mar.mil.br

O porto de Itajaí, municipal, é administrado pela Superintendência do Porto de Itajaí, com

sede na Rua Blumenau, 05 CEP 88.305-101 – Centro – Itajaí. Telefone: 0XX47 3341.8000 Fax:

0XX47 3341.8045.

Endereço eletrônico: portoitajai@portoitajai.com.br

d) LAGUNA E IMBITUBA

A Delegacia da Capitania dos Portos em Laguna tem sua sede na Av. Engenheiro Colombo

Machado Salles, nº72, Centro,Laguna,SC, CEP: 88790-000, Telefone: 0-XX-48-3644-0196, Fax: 0- XX-48-3644-1348/1518 e guarnece VHF nos seguintes horários: 03:00, 09:00, 15:00 e 21:00 horas.

Endereço eletrônico: secom@dellaguna.mar.mil.br

O porto de Imbituba é administrado pela Companhia Docas de Imbituba S/A, empresa de

capital aberto, com sede na Av. Getúlio Vargas s/n – Centro – Imbituba/SC – CEP 88780-000

Telefones: 0XX48 3255.0080 Fax: 0XX48 3255.0701. Endereço eletrônico: docas@cdiport.com.br

OSTENSIVO

1

-

7

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

O porto de Laguna está sob a administração da Companhia Docas do Estado de São Paulo – CODESP, empresa pública do governo estadual com sua sede à Av. Getúlio Vargas, 728 – Laguna/SC; Telefone: 0XX48 3644.0183.

e) HORÁRIOS DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO EXTERNO Nos dias úteis, o atendimento ao público será realizado nos seguintes locais, de 08:30h às 11:30h. Em horários fora do expediente, feriados e finais de semana, o atendimento ao público será realizado, em casos excepcionais, nos mesmos locais e pelos mesmos telefones da indicados anteriormente.

OSTENSIVO

1

-

8

ORIGINAL

OSTENSIVO

CAPÍTULO 2

NPCP-SC

DOTAÇÃO DE MATERIAL DAS EMBARCAÇÕES E DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS

0201 – EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOMOLOGÁVEIS

Os equipamentos e materiais homologáveis das embarcações sob a jurisdição da CPSC, são os previstos nas Normas da Autoridade Marítima para Embarcações empregadas na Navegação de Mar Aberto e Interior e nas Normas da Autoridade Marítima para Homologação de Material e Autorização de Estações de Manutenção (NORMAM 01, 02 e 05), com as seguintes adaptações:

1) As embarcações empregadas na navegação interior serão dispensadas de dotar os seguintes equipamentos:

- prumo de mão, caso possua o ecobatímetro; e - artefatos pirotécnicos, caso possua arqueação bruta inferior a 100 AB. 2) Todas as embarcações de pesca classificadas para operarem em mar aberto, navegando na

jurisdição da Capitania dos Portos de Santa Catarina, terão que ser dotadas de balsas salva-vidas classe

II.

3)As embarcações de pequeno porte deverão, obrigatoriamente, dotar os eixos propulsores, ou demais partes móveis e/ou quentes com um dispositivo de proteção dos mesmos (visando evitar acidentes como escalpelamento, mutilações, queimaduras ou traumatismos). 4) Todas as embarcações de pesca classificadas para operarem em mar aberto deverão ser dotadas com sistemas de navegação “Global Positioning System” GPS.

0202 – DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS

Os documentos obrigatórios das embarcações sob a jurisdição da CPSC, são os previstos nas Normas da Autoridade Marítima para Embarcações empregadas na Navegação de Mar Aberto e Interior (NORMAM 01 e 02), para as Embarcações de Esporte e/ou Recreio (NORMAM 03) e para Operação de Embarcações Estrangeiras (NORMAM 04). Adicionalmente ao previsto nas citadas NORMAM, nas EMBARCAÇÕES DE PASSAGEIROS COM AB MENOR QUE 20 E COMPRIMENTO IGUAL OU SUPERIOR A 12 METROS (MONOCASCO) OU 8 METROS (MULTICASCO), TRANSPORTANDO MAIS DE 12 PASSAGEIROS, quando empregadas na Navegação Interior, será realizada uma vistoria inicial em conformidade com o Anexo 8-A da NORMAM-02/DPC e constará no campo “observações” do Certificado de Segurança da navegação (CSN) o seguinte texto:

“Validade indeterminada, sujeita a manutenção das condições de segurança observadas por ocasião da vistoria inicial. Este certificado será automaticamente cancelado sempre que ocorrerem alterações/reclassificações que afetem as condições de segurança.” Ainda sobre as embarcações empregadas na Navegação Interior, as embarcações citadas no parágrafo anterior, que forem operar em Área de Navegação 2, deverão ser dotadas de aparelho flutuante (rígido ou inflável) para 100% das pessoas a bordo. As embarcações existentes deverão dotar esse equipamento até 28 de fevereiro de 2009.

OSTENSIVO

2 - 1

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTOS PARA NAVIOS NO PORTO

SEÇÃO I ENTRADA, PERMANÊNCIA E SAÍDA DO PORTO

0301 – TRÁFEGO NO PORTO

O tráfego nos portos da jurisdição obedecerá à legislação vigente, bem como às regras

previstas em convenções internacionais ratificadas pelo Brasil, além das normas ora estabelecidas.

Todas as embarcações que adentram os portos catarinenses deverão fornecer dados completos sobre a embarcação, seus tripulantes e suas cargas, sem omissão de qualquer dado necessário. Os sinais sonoros utilizados serão aqueles previstos no RIPEAM.

O uso da Bandeira Nacional é obrigatória no período do nascer ao por do sol para as

embarcações de bandeira brasileira quando no porto, podendo ser retirada em caso de fortes ventos, à critério do Comandante. Para as embarcações estrangeiras, é obrigatório o uso da bandeira do país de origem durante as 24 horas do dia , devendo manter uma bandeira nacional no mastro principal, quando atracadas. É também obrigatório o uso das bandeiras do Código Internacional de Sinais (CIS) nas condições previstas naquele Código.

O uso da escada de portaló é obrigatório durante o período diurno, podendo ser retirada

quando julgado conveniente pela administração portuária ou pelo Comandante, quando se tratar de

aspectos relacionados à segurança.

A pintura e/ou tratamento do costado de navio, quando no porto, poderá ser efetuada sem

autorização prévia, devendo os comandantes adotarem medidas visando a segurança de seus trabalhadores. As embarcações de salvatagem deverão ser utilizadas só e exclusivamente para fins de salvatagem, não sendo permitido seu uso para outros fins.

Recomenda-se a iluminação do costado pelo lado do cais, em todo o seu comprimento, quando atracado, podendo também ser iluminado o bordo contrário, se julgado conveniente.

A entrada e saída de bordo de material e/ou carga do navio, obedecerá, no que couber, as

normas fiscais vigentes no país.

A colocação de qualquer navio fora de serviço deverá ser antecipadamente comunicado ao

Agente da Autoridade Marítima da jurisdição.

0302 – FERROS

As embarcações, quando em movimento no canal, deverão manter um dos ferros fora do escovém, acima da linha de flutuação, a fim de estar pronto para ser largado em caso de emergência.

0303 – TRANSPORTE DE MATERIAL E PESSOAL

Somente as embarcações de pequeno porte, autorizadas pela Capitania dos Portos, podem trafegar entre navios e pontos de terra, para transporte de pessoal e material. O embarque e o desembarque em terra somente poderá ser efetuado em um dos pontos fiscais, em obediência à regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Receita Federal e Polícia Federal.

0304 – REPAROS

OSTENSIVO

3 -

1

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

É proibido, ao navio atracado, o reparo que o impossibilite de manobrar, salvo em situação

especial e desde que obtida a concordância da Administração do Porto ou Terminal.

A movimentação de navios impossibilitados de manobrar por seus próprios recursos, da/para

área de fundeio, deverá ser executada utilizando dispositivo especial de rebocadores, adequado à

situação de rebocado sem propulsão e após autorização da CP/DL.

SEÇÃO II

PRATICAGEM

0305 – PROPÓSITO

Estabelecer normas complementares as Normas da Autoridade Marítima para Serviços de Praticagem (NORMAM 12) para o controle da manutenção da Habilitação dos Práticos e para treinamento e qualificação dos Praticantes de Práticos da Zona de Praticagem de São Francisco do Sul, Itajaí, Shell, Dow Química e Liquigás e Imbituba (SC), que abrange os portos e terminais da jurisdição.

0306 – PROGRAMA

a) Princípios Gerais

O exercício da atividade de Prático envolve, normalmente, dois tipos de ações distintas: a

pilotagem ou praticagem de singradura e como auxiliar do Comandante nas manobras de atracação/desatracação. No primeiro caso, visa orientar o Comandante das embarcações através de trechos navegáveis, bem hidrografados ou não, mas cujas peculiaridades recomendem um bom conhecimento dos pontos de referência, dos perigos, das condições meteorológicas ou hidrográficas. No segundo caso, visa assessorar os Comandantes nas manobras de atracação, desatracação, fundeio dos navios e noutras, em locais onde o conhecimento do regime de ventos e correntes, bem como das restrições de espaço, se torne necessário tal assessoramento em proveito da segurança. Ambos os tipos podem ter graus diversos de dificuldade, resultando ser a Praticagem obrigatória ou não, conforme estabelecido pelo Agente da Autoridade Marítima. Uma faina de praticagem, em geral, envolve os dois tipos de atuação, podendo predominar um ou outro, na maioria dos portos, ocorre uma singradura curta, seguido da manobra de atracação e vice-versa.

O estabelecimento do número mínimo de manobras que cada Prático deve executar, para

manter-se habilitado, consta na NORMAM-12.

É importante observar que esse número mínimo de manobras, estabelecido na NORMAM-

12, visa manter a manutenção da habilitação do Prático na ZP, já bem desenvolvido pelo

profissional.

b)Plano de Manutenção da Habilitação dos Práticos

O plano de manutenção da habilitação, específico para a Zona de Praticagem de São

Francisco do Sul, Itajaí, Shell, Dow Química e Liquigás e Imbituba-SC, indica o número de manobras por semestre a serem realizadas pelo Prático habilitado nos portos e terminais da Zona de Praticagem, de acordo com o número mínimo determinado na NORMAM-12. Casos de força maior que impossibilitem o cumprimento dessas manobras, deverão ser apresentados ao Capitão dos Portos, para decisão.

OSTENSIVO

3 -

2

ORIGINAL

OSTENSIVO

c) Comprovação das Fainas Realizadas

NPCP-SC

Os comprovantes de manobra de praticagem realizadas (modelo constante do Anexo 3-B),

devidamente preenchidos e assinados pelos Comandantes dos navios manobrados, deverão ficar sob a guarda do respectivo Prático, a disposição dos Agentes da Autoridade Marítima, por um período de um (1) ano. Semestralmente, até os dias 10 de janeiro e 10 de julho, respectivamente, a Associação/Empresa de praticagem deverá encaminhar ao Capitão dos Portos, a relação dos Práticos que no semestre em questão cumpriram o Plano de Manutenção da Habilitação, indicando por tipo de manobra, a quantidade de manobras realizadas/assistidas. Os Práticos que, por ventura, atuam individualmente, com a mesma periodicidade, deverão encaminhar ao respectivo Capitão dos Portos, uma declaração informando ter cumprido o Plano de Manutenção da Habilitação e o número de manobras.

d) Não cumprimento do Plano de Manutenção de Habilitação – Recuperação da Qualificação

O Prático que não cumprir o Plano de Manutenção no período estabelecido, poderá

cumprir o Plano de Recuperação previsto no Capítulo 2 da NORMAM-12, mediante requerimento ao Capitão dos Portos.

e) Afastamento do Prático e Praticante de Prático

O Prático e Praticante de Prático que não cumprirem seus referidos planos, serão afastados

temporária ou definitivamente, conforme previsto na NORMAM-12.

f) Garantia de Execução do Plano

A Capitania dos Portos de Santa Catarina não controlará a distribuição das fainas pelos

Práticos, Associação ou Empresa de praticagem existente. Entretanto, garantirá a execução do mínimo de manobras previstas no semestre para cada Prático individualmente, dentro da movimentação de navios que freqüentam aquele Porto. Para isso, o Prático que, até 30 de maio e 30

de novembro de cada ano, não tiver realizado as fainas previstas no plano, poderá requerer, nessas datas, a reserva de navios para o seu cumprimento.

A Capitania dos Portos de Santa Catarina designará o(s) navio(s) para a(s) manobra(s),

situação em que o serviço de praticagem não será cobrado.

g) Informação à DPC

Semestralmente, até o dia 15 dos meses de janeiro e julho, a Capitania dos Portos de Santa Catarina remeterá à DPC a relação de todos os Práticos da ZP, discriminando a situação quanto ao

cumprimento do plano.

0307 – EXAME PARA PRÁTICO

a) Propósito Estabelecer os procedimentos para o exame de habilitação de Praticante de Prático a Prático para a ZP da jurisdição da CPSC.

b) Planejamento, Preparação e Apoio Administrativo ao Exame

O exame será realizado para cada uma das áreas separadamente, em virtude das diferenças

locais das mesmas.

O exame será feito através da avaliação prático-oral de manobras em navios, realizadas de

acordo com a oportunidade, quando de suas aportagens nos portos de jurisdição desta Capitania. Caberá ao Presidente da Banca, após ouvir os demais membros, a escolha dos navios e das

manobras a serem realizadas.

OSTENSIVO

3 -

3

ORIGINAL

OSTENSIVO

Os membros da banca examinadora avaliarão o Praticante de Prático (PPR) conforme estabelecido no item 0211 da NORMAM-12/DPC. Os examinadores efetuarão perguntas ao PPR pertinentes aos itens em exame, atentando para não atrapalhar ou pôr em risco a segurança das manobras. Desde o momento em que o PPR em avaliação está a bordo do navio ou mesmo da embarcação do Prático até o seu desembarque será considerado como estando em exame, cabendo nessas ocasiões, inclusive, perguntas pelos examinadores. As avaliações iniciar-se-ão até o trigésimo dia a contar da entrega do Programa de Treinamento devidamente firmado pelo PPR, não estando prevista, a princípio, a data de encerramento, uma vez que serão utilizadas na oportunidade de chegada e partida dos navios na ZP. O PPR realizará as manobras assistido pelo Prático de Serviço que poderá, se necessário, e em nome da segurança, a qualquer momento, interferir ou mesmo assumir a manobra do navio, bem como, obviamente, o Comandante. O Comandante dever ser previamente alertado dessa premissa básica.

NPCP-SC

c) Avaliação

1)

Procedimentos da Banca

A Banca Examinadora, designada por portaria específica do Capitão dos Portos, avaliará à luz dos assuntos previstos na NORMAM-12, o desempenho e o conhecimento do PPR, avaliando-o através de notas conceituais.

2) Conceitos e Graus Os conceitos a serem atribuídos serão dados em termos de graus, em números inteiros, de 1 a 5, a saber:

Excelente

5

Muito Bom

4

Bom

3

Deficiente

2

Inapto

1

3) Modelos Os examinadores preencherão os modelos constantes do Anexo 3-E em cada

manobra.

O Comandante do navio em manobra preencherá o modelo do Anexo 3-F.

Ao final de cada manobra, os modelos serão entregues ao Chefe do Departamento de Ensino Profissional Marítimo (CP-10).

O modelo do Anexo 3-G (Avaliação Geral) deverá ser preenchido ao final do exame.

Todos os modelos serão arquivados, posteriormente, em pasta própria no Departamento de Ensino Profissional Marítimo (CP-10), por um período de cinco anos.

4) Manobras a Avaliar

O Presidente da Banca Examinadora, à luz do desempenho do PPR e das avaliações

e comentários feitos pelos membros da Banca, poderá, ouvidos estes, decidir, a seu critério, por uma

redução no número de manobras. Deverá, entretanto, considerar criteriosamente as diferentes possibilidades e situações de manobras possíveis na área.

5) Reuniões de Crítica Poderão ser realizadas reuniões de crítica da Banca Examinadora após cada manobra realizada, a critério de seu Presidente.

OSTENSIVO

3 -

4

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

6) Aprovação

A nota mínima para aprovação será a obtenção, em todas as manobras, de grau 3

(conceito BOM) em todos os itens avaliados. Para ser considerado aprovado para ascensão à categoria de Prático, o PPR não poderá ter avaliação Deficiente (2) ou Inapto (1) em nenhum item auferido por mais de um

examinador, em cada manobra. Caso isto ocorra, deverá repetir o mesmo tipo de manobra, sob mesmas circunstâncias da anterior de avaliação reprovativa, na medida do possível.

A avaliação como Inapto (1) dada por mais de um examinador em uma manobra

implicará em que se reúna a Banca Examinadora para avaliar o prosseguimento do exame ou a imediata reprovação do PPR. A repetição de avaliação com grau 2 ou 1 levará a que se reúna a Banca Examinadora para decidir sobre a conveniência ou não do prosseguimento do exame ou da reprovação do examinado.

7) Casos Omissos Serão submetidos à decisão do Capitão dos Portos.

0308 – ZONAS DE PRATICAGEM E NÚMERO DE PRÁTICOS NECESSÁRIOS A MANOBRA DO NAVIO

Na jurisdição desta Capitania existem as seguintes Zonas de Praticagem:

a) ZP de Itajaí:

No porto de Itajaí a praticagem será facultativa para os navios brasileiros e estrangeiros de apoio marítimo, de arqueação bruta inferior a 2000. Os navios estrangeiros de apoio marítimo deverão estar arrendados à empresa constituída sob as leis brasileiras com sua sede e administração no Brasil, e comandados por marítimos brasileiros de categoria igual ou superior à de 1º Oficial de Náutica.

A praticagem é obrigatória para navios estrangeiros de qualquer arqueação bruta e para os navios de bandeira brasileira ou arrendados, com arqueação bruta superior a 2000 AB.

b) ZP de São Francisco do Sul:

No porto de São Francisco do Sul a praticagem é facultativa para os navios brasileiros e estrangeiros de apoio marítimo, de arqueação bruta inferior a 2000. Os estrangeiros deverão estar arrendados à empresa constituída sob as leis brasileiras com sua sede e administração no país, e comandados por marítimos brasileiros de categoria igual ou superior à de 1º Oficial de Náutica. A praticagem é obrigatória para navios estrangeiros de qualquer arqueação bruta e, para navios de bandeira brasileira ou arrendados com arqueação bruta superior a 2000. Não há manobras especiais no porto de São Fco. do Sul que exijam a necessidade de dois Práticos.

c) ZP de Imbituba:

No porto de Imbituba, a praticagem é facultativa para navios de bandeira brasileira e para navios estrangeiros de apoio marítimo de arqueação bruta igual ou inferior a 2000 AB, arrendados à empresa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sua sede e administração no país, desde que estejam sob o comando de marítimos brasileiros de categorias igual ou superior à de 1º Oficial de Náutica para navios até 2000 de arqueação bruta, acima deste valor por marítimo brasileiro de categoria compatível com o porte do navio. A praticagem é obrigatória para navios petroleiros, propaneiros e transportadores de cargas explosivas, brasileiros ou arrendados, com arqueação bruta superior a 2000.

OSTENSIVO

3 -

5

ORIGINAL

OSTENSIVO

Considerando as peculiaridades locais, fica autorizado o desembarque do Prático em local mais abrigado, próximo ao farolete do molhe, em ocasiões que as condições do mar não permitam um desembarque seguro, mediante concordância, por escrito, do Comandante do navio. Não há manobras especiais de praticagem no porto de Laguna. Já no de Imbituba, observar a manobra de girar o navio descrita no item 0310.

NPCP-SC

0309 – SERVIÇOS DISPONÍVEIS

a) O serviço de praticagem na Zona de Praticagem de São Francisco do Sul, Itajaí, Shell, Dow

Química e Liquigás e Imbituba (SC) e seus terminais é efetuado por:

- Itajaí Práticos Serviços de Praticagem S/C Ltda, localizada na Av. República Argentina,

657 – Itajai – Santa Catarina, que atende no telefone 0xx47-3348.3592/3344.1692 e no VHF canal

16.

- São Francisco do Sul – Serviço executado pelas empresas: São Francisco Pilots - Rua Quintino Bocaiuva, 67 – Centro – São francisco do Sul – Caixa postal nº 70, CEP 89240-000 – Fone; (47) 3444-2513 – Endereço eletrônico: sfpilots@sfpilots@com.br; e Praticagem de São Francisco – Rua Marechal Floriano Peixoto, 286 – Centro – São Francisco do Sul –CEP 89240-000 – Fone: (47) 3444- 5292 – Endereço eletrônco: contato@sfpraticos.com.br

- Imbituba – Imbituba Pilots – Avenida 01, nº 27 – Loteamento Village, tel. (48) 3255- 1334/3356-0490 – FAX 3255-2995 – Imbituba/SC.

b) O Prático, quando no exercício da Presidência de cada Associação ou empresa de Práticos,

é o responsável pelo cumprimento das atribuições impostas às respectivas Associações/Empresas,

nestas e nas demais Normas da Autoridade Marítima;

c) O Prático, escalado para a realização de manobra deverá participar imediatamente ao

Representante da Autoridade Marítima, em sua respectiva ZP, todas as irregularidades ocorridas ou

observadas durante a manobra, relativas à segurança da navegação, à salvaguarda da vida humana no mar e à prevenção da poluição ambiental por parte das embarcações.

0310 – TIPOS DE MANOBRAS

O serviço de praticagem, quando obrigatório, deverá ser utilizado para as manobras de suspender, atracar, fundear, amarrar e desamarrar das bóias, mudar de fundeadouro ou de cais e na entrada e saída de dique, quando estas se referirem a navios provenientes/destinados de/a outro porto.

Especificamente, para o Porto de Imbituba, a manobra de desatracar, fazer o giro e atracar posteriormente no mesmo cais, em função da necessidade de mudança de posição do navio, é contada como uma outra manobra.

0311 – SINALIZAÇÃO

As embarcações deverão içar nos seus mastros os sinais de “Chamada de Prático” e “Calado do Navio”, segundo o Código Internacional de Sinais, enquanto aguardam a chegada do Prático, fundeadas ou sob máquinas no ponto de espera de Prático. Após o embarque, obrigatoriamente, o sinal de prático a bordo deverá ser içado, como estabelecido pelo mesmo código.

OSTENSIVO

3 -

6

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

0312 – IMPRATICABILIDADE DA BARRA

É competência do Capitão dos Portos/Delegado declarar a impraticabilidade da barra. Caso o Prático constate que as condições do mar, vento e visibilidade estejam desfavoráveis, deverá entrar em contato com a Capitania dos Portos/Delegacia, a fim de que possa ser analisada a necessidade de ser declarada a impraticabilidade da barra. Para o restabelecimento da condição de Praticabilidade da Barra, o Serviço de Praticagem deverá comunicar que as condições são favoráveis às manobras e solicitar autorização ao Capitão dos Portos/Delegado.

0313 – OBRIGAÇÕES DO COMANDANTE DA EMBARCAÇÃO

O Comandante da embarcação é responsável por:

a) informar ao prático as condições de manobra do navio, suas restrições e facilidades,

bem como todas as demais informações necessárias ao desempenho do serviço;

b) fiscalizar a execução do serviço de praticagem, informando ao Agente da Autoridade

Marítima da jurisdição qualquer anormalidade;

c) retirar do prático a direção da manobra, quando convencido de que ela esteja sendo

executada de forma errada ou perigosa, dando ciência do fato, por escrito, ao Capitão dos Portos e registrando a ocorrência no modelo próprio de Comprovação da Manobra. Assumir, nesse caso, a

direção ou solicitar substituto, conforme as circunstâncias o permitirem; e d) preencher o modelo de Comprovação de Manobra (Anexo 3-B).

0314 – ESCALA DE PRÁTICO

A escala de rodízio mensal do serviço de Práticos deverá ser elaborada pela Estação única da Zona de Praticagem de São Francisco do Sul, Itajaí, Shell, Dow Química e Liquigás e Imbituba (SC), de acordo com o previsto na NORMAM-12, e encaminhada, mensalmente, à Capitania dos Portos, até cinco dias úteis antes do início do período de escalação, para ratificação.

0315 – QUALIFICAÇÃO DO PRATICANTE DE PRÁTICO

a) Estágio de Qualificação do Praticante de Prático

1) Princípios Gerais Estabelecer as normas que atendam aos requisitos estabelecidos para as Zonas de Praticagem (ZP) e que permitam aos Praticantes de Prático nos Portos do Estado de Santa Catarina realizarem um estágio de modo adequado, em conformidade com o previsto na seção I do capítulo 2 da NORMAM-12. Nesse estágio deverão estar previstos os mecanismos que possibilitem o monitoramento do treinamento e do desempenho do Praticante, com o propósito maior de aprimorar a qualidade e eficiência dos Serviços de Praticagem.

2) Plano de Qualificação do Praticante de Prático O Praticante de Prático deverá ser cientificado de todos os procedimentos abaixo:

I - O estágio será desenvolvido em duas fases: Fase de Treinamento e Fase de

Qualificação;

II – Na fase de treinamento, o Praticante de Prático conhecerá os detalhes da Zona de Praticagem, dos rebocadores disponíveis, dos procedimentos administrativos da Praticagem, das normas baixadas pela Capitania dos Portos e acompanhará as diversas manobras realizadas na Zona de Praticagem;

OSTENSIVO

3 -

7

ORIGINAL

OSTENSIVO

III – Na fase de qualificação, o Praticante de Prático exercitará as diversas manobras

da Zona de Praticagem, sempre acompanhado por um Prático, para efeitos destas Normas designado Prático Titular, quando deverá cumprir o previsto no Calendário Mínimo de Manobras para o

Praticante de Prático(Anexo 3-J);

IV – O documento do Anexo 3-A especifica os requisitos a serem observados

durante as fases de treinamento e de qualificação, bem como, discrimina manobras citadas no item anterior;

V – Após cada manobra, o Praticante de Prático deverá estabelecer um apropriado

debate técnico com o Prático Titular a respeito da manobra executada, para eliminação de dúvidas e sedimentação de conceitos;

VI – Um Prático Monitor será designado para organizar o estágio de cada Praticante

de Prático e acompanhar o andamento do estágio e o progresso do Praticante;

VII – Durante a Fase de Qualificação, após cada manobra, o Prático Titular deverá

preencher e assinar o “Relatório de Manobra com Praticante de Prático”, cujo modelo consta do Anexo 3-H. O Prático Titular atribuirá notas às diversas fases de manobra executada pelo Praticante de Prático;

VIII – O “Relatório de Manobra com Praticante de Prático”, Anexo 3-I, preenchido,

deverá ser encaminhado ao Prático Monitor, para acompanhamento do treinamento e do desempenho do Praticante de Prático. O Prático Monitor, após a devida apreciação, deverá dar conhecimento do contido no relatório ao Praticante de Prático e orienta-lo para a correção das falhas constatadas. As manobras que receberem resultado final igual ou inferior a 3 (três), em uma escala de zero a cinco, deverão ser repetidas, não sendo computadas como válidas para o Plano de Qualificação;

IX – Os “Relatórios de Manobras com Praticante de Prático” deverão ser,

mensalmente, consolidados no “Quadro Resumo” Anexo 3-I, quadro este que deverá ser

encaminhado, até o dia 10 do mês subseqüente, à Capitania dos Portos de Santa Catarina, para o acompanhamento do estágio em realização. Deverá conter as assinaturas do Prático Monitor e do Praticante de Prático.

X – Durante o período do estágio, o Praticante de Prático deverá dar a máxima

atenção a todas as atividades que estiverem sendo desenvolvidas nas diversas áreas da Zona de Praticagem;

XI – O Praticante de Prático deverá sempre se apresentar com os equipamentos de

proteção individual necessários à manutenção de sua segurança, tais como colete salva-vidas, luvas,

sapatos antiderrapantes e rádio VHF portátil; XII – As associações/Empresas dos Práticos de Santa Catarina terão a responsabilidade de designar o pessoal necessário para a perfeita execução do estágio, bem como, recomendar que o pessoal designado transmita aos Praticantes de Práticos o conhecimento técnico que possuem;

XIII – Ao término do estágio e dentro do período estabelecido para o mesmo, as

associações deverão emitir, para o Praticante de Prático, a declaração de conclusão do Plano de Qualificação.

NPCP-SC

3) Exame de Habilitação para Prático Após a conclusão do Plano de Qualificação, o Praticante de Prático deverá requerer ao Agente da Autoridade Marítima para que seja submetido a exame de habilitação.

SEÇÃO III SERVIÇO DE REBOCADORES

OSTENSIVO

3 -

8

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

0316 – EMPREGO OBRIGATÓRIO DE REBOCADORES

O emprego de rebocadores nas manobras será obrigatório nos portos ou terminais de Itajaí, São Francisco do Sul e Imbituba, exceto quando, por decisão do comandante da embarcação, em

conjunto com a praticagem, tratar-se apenas de mudança de posição ao longo do cais, com mudança de cabeços de amarração em que seja possível a dispensa de rebocadores. O serviço de rebocadores serão prestados pelas seguintes empresas:

- Superintendência do Porto de Itajaí, Rua Blumenau, 05–Cep 88.305-101 - Centro – Itajaí/SC

- SulNorte Serviços Marítimos– Av. Cel Eugênio Muller, 205 Cep 88.301-120 - Centro – Itajaí/SC

- Tug Brasil Apoio Portuário S/A – Rua Dr. Cacildo Romagnani, 205 -Cep 88.303-023 - Centro – Itajaí/SC

- Saveiros Camuyranos Serviços Marítimos Ltda – Av Santa Catarina, 353 SL 101/102- CEP 88780-000 – Centro – Imbituba –Fone (48) 3255-6619 Fax (48) 3255-

2468

0317 – REQUISITOS PARA OPERAR

Todas as embarcações classificadas quanto ao serviço e/ou atividades como rebocadores, com potência instalada superior a 500HP, deverão possuir o Certificado de Tração Estática Longitudinal, homologado pela Diretoria de Portos e Costas (DPC), de acordo com instruções específicas. Os rebocadores serão reconhecidos pelos valores nominais constantes desse Certificado.

a) No caso da mudança dos rebocadores para outros portos seja da jurisdição desta

Capitania dos Portos ou de outra qualquer, será necessária apenas a comunicação do fato à CPSC ou Delegacia que detém o seu cadastro e aquela da nova área de jurisdição.

b) Os rebocadores com potência instalada igual ou inferior a 500HP não terão necessidade

de possuir o Certificado de Tração Estática Longitudinal. Eles serão reconhecidos pelo “BOLLARD

PULL”, estimado, isto é, utilizando a regra prática de correspondência de uma tonelada métrica de força de tração para cada 100HP de potência do motor.

c) Para efeito de segurança da navegação, os rebocadores citados no subitem anterior

somente poderão, mesmo que temporariamente, ser empregados em operação de reboque nas

classes de navegação de alto mar, costeira e interior, caso possuam o referido Certificado de Tração Estática, homologado pela DPC.

d) As manobras em águas interiores com plataformas são consideradas especiais e deverão

ser planejadas com antecedência entre os armadores e/ou agentes marítimos e seus prestadores de

serviços. Como medida de segurança, o Agente da Autoridade Marítima da ZP poderá avaliar a necessidade de um rebocador de alto-mar acompanhar todas as manobras realizadas pelo demais rebocadores.

e) Os rebocadores deverão acompanhar os navios mercantes desde sua desatracação do

cais do porto até a saída da barra de Itajaí, realizando a mesma manobra quando da entrada dos

navios na barra.

f) Os testes de tração estática longitudinal deverão ser informados a CPSC, que enviará

um engenheiro naval da Capitania dos Portos para acompanha-los.

0318 – APLICAÇÃO

OSTENSIVO

3 -

9

ORIGINAL

OSTENSIVO

a) Todas as manobras nos portos nacionais, quando obrigatoriamente executadas com

auxílio de rebocadores, poderão, como sugestão, seguir as correspondências entre TPB.

b) Caberá ao Armador ou seu proposto Agente Marítimo requisitar os rebocadores

necessários às manobras a serem efetuadas. Por ocasião da manobra, o Comandante da embarcação decidirá o dispositivo para o reboque, isto é, o número de rebocadores e seus posicionamentos para formarem o necessário binário de forças, sendo recomendável ouvir a sugestão do prático se o serviço de praticagem estiver sendo usado.

c) As embarcações que possuírem dispositivo de “BOW TRUSTER” e/ou “STERN

TRUSTER” em perfeitas condições de funcionamento poderão reduzir os valores sugeridos de “BOLLARD PULL”, previstos na tabela do Anexo 3-C em função do dobro dos valores nominais das potências dos seus dispositivos orgânicos, seguindo-se a regra prática de correspondência

prevista na alínea c do item 0317.(Subtrai-se do “BOLLARD PULL” requerido o dobro da potência do “TRUSTER” dividido por 100).

d) os cabos de reboque e outros materiais a serem utilizados nas manobras com os

rebocadores deverão ser adequados aos requisitos de segurança para a manobra. O seu fornecimento deverá ser produto de acordo entre o contratante, armador ou agente, e o contratado, empresa de

rebocadores.

e) Ao Comandante do navio caberá a decisão final quanto à utilização dos materiais

adequados à manobra e dispositivos.

NPCP-SC

0319 – SITUAÇÕES DE FORÇA MAIOR

As situações especiais ou de “força maior” serão resolvidas pelo Capitão dos Portos/Delegado.

0320 – DISPOSIÇÕES COMPLEMENTARES

a) Nenhum Comandante autorizará uma manobra com o navio, sob seu comando e

responsabilidade, se não estiver convicto de que estão resguardadas as condições satisfatórias de segurança da navegação.

b) Recomenda-se que o Comandante troque informações prévias com a praticagem (se

estiver sendo usada) e/ou com os mestres dos rebocadores sobre a manobra a ser feita, a bacia de

evolução e as características do próprio navio.

c) A Força de Tração Estática Longitudinal (BOLLARD PULL) dos rebocadores será

medida e atestada conforme instruções específicas baixadas pela Diretoria de Portos e Costas. d) Nas manobras de rebocadores, junto à proa dos navios, é proibida a passagem do cabo de reboque arriando-o pela proa para ser apanhado com croque pela guarnição do rebocador. A passagem do cabo deverá ser feita através de retinida, lançada a partir do castelo de proa em direção ao convés do rebocador, de modo a evitar a excessiva aproximação rebocador/navio, reduzindo os efeitos da interação hidrodinâmica entre as embarcações.

SEÇÃO IV

SEGURANÇA

0321

SIMILARES

SEGURANÇA

DAS

EMBARCAÇÕES

CONTRA

ASSALTOS,

ROUBOS

E

Os navegantes devem estar atentos contra a possibilidade de atos de assalto e roubo a mão armada, a bordo das embarcações, quando fundeadas ou atracadas. O “Decálogo de Segurança”, constante do Anexo 3-D, sugere precauções a fim de evitar prejuízos aos navios. Os armadores ou seus representantes legais, cujas embarcações estejam atracadas ou fundeadas, visando a defesa de seus tripulantes e a manutenção dos bens de sua propriedade ou sob

OSTENSIVO

sua guarda, poderão, sob sua inteira responsabilidade, contratar empresas credenciadas que oferecem segurança armada ou empregar equipamento de detecção de intrusos, tais como alarmes, detetores infravermelho, etc.

Na ocorrência de um assalto ou roubo a mão armada, o Comandante deverá fazer um

relatório circunstanciado dos acontecimentos e dos procedimentos preventivos adotados, o mais detalhado possível, contendo a descrição dos ladrões, número e tipo de embarcações usadas e meios utilizados para atingirem o convés. O relatório deverá ser encaminhado a Capitania dos Portos ou Delegacia com jurisdição sobre o porto, para fins de abertura de Inquérito Administrativo. São responsáveis pelo Registro Policial da ocorrência, o Comandante, o proprietário ou o armador do navio, sendo co-responsável o Agente Marítimo. É necessário que o Vigia Portuário, contratado para o serviço de vigilância do navio, preste depoimento a autoridade policial sobre o ataque.

A autoridade competente para investigar e coibir ilícitos penais a bordo é a Polícia Marítima

e de Fronteiras, exercida pela Polícia Federal.

NPCP-SC

SEÇÃO V MEIO AMBIENTE

0322 – PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

a) REBIO ARVOREDO

A Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, criada pelo Decreto nº 99.142 de 12 de março

de 1990, localiza-se ao norte da Ilha de Santa Catarina (Cartas Náuticas nº 1902 e 1903); Não há portos no interior das áreas de Proteção Ambiental.

b) APA “BALEIA FRANCA”

A Área de Proteção Ambiental “Baleia Franca”, criada pelo decreto Federal s/nº de 14 de

setembro de 1990, localiza-se entre o sul da Ilha de Santa Catarina e o Farol de Santa Marta(carta náutica 1910). Existem os portos de Laguna e Imbituba no interior da referida APA.

c)

COMUNICAÇÃO AMBIENTAL

O

derramamento de poluentes, ocorrido de forma acidental ou não, deverá ser

imediatamente comunicado a Capitania dos Portos ou Delegacia com jurisdição sobre a área. Idêntica comunicação deverá ser feita ao IBAMA ou à FATMA (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina);

d)

Os

PLANO DE EMERGÊNCIA

navios, na ocorrência de derramamento de óleo, farão a execução de seu “Plano de

Emergência para Poluição por Óleo”, exigido conforme Normas da DPC, até que as autoridades

locais iniciem a execução do plano local para combate aos danos causados ao meio ambiente;

e) CUIDADOS PARA EVITAR POLUIÇÃO

1) as embarcações deverão recolher o lixo em recipientes adequados e mantê-los tampados até sua retirada de bordo; 2) não é permitido que recipientes de lixo fiquem dependurados pela borda da embarcação ou acumulados no convés principal onde possam vir a rolar para o mar; 3) é proibido efetuar qualquer tipo de esgoto, que não seja de águas servidas, com descarga direta para o mar, durante a permanência no porto;

OSTENSIVO

4) a retirada de objetos contendo produtos químicos poderá ser feita empregando-se chata, caminhão ou outro meio, desde que executada por firma legalmente habilitada e com consentimento da Administração do Porto;

NPCP-SC

f) RECEBIMENTO E TRANSFERÊNCIA DE COMBUSTÍVEL

As operações de recebimento e transferência de combustível não destinado a carga deverão obedecer, no que couber, ao previsto no item 0324 deste Capítulo, devendo, ainda, ser mantidos fechados todos os embornais no convés do navio; e

g) LIMPEZA DE TANQUES, PORÕES E RECOLHIMENTO DE LIXO

O recolhimento de lixo é feito diariamente pelas Prefeituras locais.

0323 – CARGA OU DESCARGA DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS, PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL E GÁS LIQÜEFEITO

a) PRONTIDÃO

1) as embarcações deverão manter contínua vigilância durante as operações de carregamento ou descarregamento de petróleo e seus derivados, produtos químicos a granel e gás liqüefeito, pois,

como demonstram as estatísticas, é nessas ocasiões que ocorrem a maioria de derramamentos registrados; 2) para tanto, durante todo o período de carga ou descarga, deverão ser mantidos a postos no convés, tripulantes qualificados e conhecedores das manobras de modo a poderem, rapidamente, interromper a operação em caso de acidente ou avaria nos equipamentos; e 3) da mesma forma os terminais deverão manter operadores qualificados e atentos à faina, em tal posição que possam paralisar a operação imediatamente em caso de vazamento ou derramamento do produto.

b) HABILITAÇÃO Serão considerados qualificados os Oficiais e tripulantes que, além de seus cursos de formação e decorrentes, possuam habilitações específicas para exercerem atividades em navios tanques petroleiros, navios tanques para produtos químicos e navios transportadores de gás liqüefeito, em Resoluções da Conferência Internacional sobre a Formação de Marítimos e Expedição de Certificados.

0324 – MERCADORIAS PERIGOSAS

a) EMBARCAÇÕES QUE CHEGAM AO PORTO

A Capitania/Delegacia dos Portos deverá ser notificada pelo Comandante da embarcação ou seus agentes, de toda carga perigosa que chegar ao porto, seja para descarga ou em trânsito. Esta

notificação deverá ser feita de acordo com o previsto no Anexo 5-B da NORMAM-01 ou 02, conforme aplicável.

b) EMBARCAÇÕES QUE DEIXAM O PORTO Uma Cópia do Manifesto de Carga, tendo em anexo a “Declaração de Mercadorias Perigosas” (Anexo 5-A da NORMAM 01 ou 02, conforme aplicável), deverá ser entregue até 24 horas antes da saída da embarcação à Capitania dos Portos. Para os navios de bandeira brasileira classificados para o transporte de carga e/ou passageiros, deverá ser emitido o Termo de Responsabilidade previsto no Anexo 5-C (NORMAM 01 ou 02).

c) IRREGULARIDADES

OSTENSIVO

O descumprimento das regras em vigor ou a constatação de divergência entre documentos e

cargas sujeitarão o infrator, além das demais penas previstas, no impedimento da carga ou descarga das mercadorias que venham a colocar em risco a segurança da navegação, salvaguarda da vida

humana no mar e da prevenção da poluição ambiental, exceto as envolvidas nas operações portuárias, cabendo as ações, nesse caso, à Autoridade Portuária.

NPCP-SC

SEÇÃO VI FISCALIZAÇÃO POR AUTORIDADES NACIONAIS

0325 – ENTRADA DA EMBARCAÇÃO

A visita das autoridades do porto, constituída por fiscais de aduana, saúde dos portos e

imigração é a primeira exigência a ser atendida pelas embarcações que demandam o porto. Compete

ao representante local do Armador as providências necessárias para sua realização, antes de ser a embarcação liberada para as operações de carga e descarga, de embarque e desembarque de passageiros.

É proibido às lanchas que estiverem a serviço do Armador ou Agente de Navegação, atracar

em embarcação mercante fundeada, que seja procedente de porto estrangeiro, sem a prévia liberação da Receita Federal, Polícia Federal e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

a)

PARTE DE ENTRADA

1)

Obrigatoriedade

1.1) embarcações estrangeiras, exceto: as de esporte e recreio e navios de guerra e de Estado

não exercendo atividade comercial; e 1.2) embarcações nacionais com mais de 20 (vinte) AB, exceto: as de esporte e recreio, de pesca, quando saindo e retornando a um mesmo porto sem escalas intermediárias e os navios de guerra e de Estado não exercendo atividade comercial.

2) Prazos

Na chegada (Data-Hora) de uma embarcação, em fundeadouro ou área portuária, deverá ser comunicada ou remetida a Parte de Entrada ao Órgão de Despacho o mais rápido possível por qualquer dos meios disponíveis (de preferência por fac-símile), devendo a pertinente Parte de Entrada ser enviada para a Capitania, Delegacia ou Agência, no máximo 06 (seis) horas após a atracação ou fundeio da embarcação. Se no decurso da viagem imediatamente anterior à escala ocorrer qualquer das hipóteses abaixo discriminadas, o Comandante de navio brasileiro encaminhará ao OD, preferencialmente por fac-símile, um extrato devidamente autenticado do lançamento da ocorrência no Diário de Navegação:

1) avaria de vulto na embarcação ou na carga; 2) insubordinação de tripulante ou passageiro; 3) observação da existência de qualquer elemento de interesse da navegação, não registrado

na carta náutica; 4) alteração no balizamento ou no funcionamento dos faróis; 5) acidente pessoal grave ocorrido; e 6) fato importante ocorrido durante a viagem, a critério do Comandante. O Comandante de navio estrangeiro somente encaminhará ao Órgão de Despacho (OD) as hipóteses citadas em 3 e 4, caso ocorram em águas de jurisdição brasileira.

b) LIVRE PRÁTICA

OSTENSIVO

A Livre Prática (free pratique), poderá ser solicitada via rádio, ou por meio de mensagem

enviada pelos Agentes de Navegação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras, até duas horas antes da chegada do navio. Quando as condições sanitárias da embarcação não forem consideradas satisfatórias (não tiver sido obtida a Livre Prática), o navio deverá fundear na área de quarentena, até sua liberação. O navio deverá manter içada a bandeira adequada do Código Internacional de Sinais, ficando proibida a descida de qualquer pessoa da embarcação.

NPCP-SC

c) QUARENTENA

1) As embarcações, cujas condições sanitárias não forem consideradas satisfatórias ou que forem provenientes de regiões onde esteja ocorrendo surto de doença transmissível, deverão permanecer nos fundeadouros de quarentena até liberação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O fundeio na zona de quarentena dependerá ainda de que as embarcações possuam “tanques de retenção”. 2) Os Comandantes deverão apresentar à Capitania dos Portos ou Delegacia com jurisdição sobre o porto, uma declaração de que os tanques de dejetos estão perfeitamente vedados e tratados quimicamente de forma adequada a combater a doença em questão. 3) É proibida, nessa situação, a descarga de águas servidas. 4) O descumprimento destas normas ou de qualquer outra estabelecida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária sujeitará a retirada da embarcação para área costeira afastada, sem prejuízo de outras penalidades previstas. 5) Os Agentes Marítimos, Armadores e Comandantes deverão disseminar, de forma mais ampla e rápida possível, as informações e diretivas das autoridades do porto, de modo a garantir a eficácia das medidas de prevenção adotadas, a fim de evitar a propagação da doença.

d) CONTROLE DO NAVIO PELO ESTADO DO PORTO - PORT STATE CONTROL (PSC) Os navios estrangeiros estarão sujeitos ao Controle do Navio pelo Estado do Porto, de acordo com as Convenções Internacionais ratificadas pelo País e normas aprovadas por Portaria da Diretoria de Portos e Costas. Os navios nacionais também estarão sujeitos a inspeção do Controle de Navios pelo Estado do Porto.

0326 – SAÍDA DA EMBARCAÇÃO

a) Despacho

Em tempo hábil, deverá ser solicitada à Capitania ou Delegacia, permissão para saída da embarcação, por meio do Pedido de Despacho. Para obter tal autorização, deverão ser cumpridas as

prescrições regulamentares, emitidas pela Diretoria de Portos e Costas. Caso não seja possível, em virtude da estadia da embarcação no porto ocorrer em período fora do horário de expediente, a embarcação será liberada por meio do Despacho como Esperado;

b) Saída

Cumpridas as exigências do despacho, a embarcação será liberada, recebendo o PASSE DE SAÍDA, a partir do que, deverá deixar o porto no prazo de dois dias. Vencido este prazo, o

despacho deverá ser revalidado.

A efetiva saída da embarcação será participada por meio da PARTE DE SAÍDA, a ser

apresentada à Capitania ou Delegacia no prazo máximo de até 6 (seis) horas após a saída;

c)

Embarque de pessoal não tripulante

O

embarque e desembarque de familiares de tripulantes, de pessoal envolvido em reparos e

manutenção, bem como de passageiros (em navio não destinado ao transporte de passageiros), será feito mediante inclusão dos respectivos nomes na Lista de Passageiros, apresentada por ocasião do

OSTENSIVO

despacho ou juntamente com a Parte de Saída (no caso de haver alterações), observados sempre o número máximo de pessoas que compõem a lotação, as acomodações e o material de salvatagem disponível. O embarque e desembarque de pessoal não tripulante deverá ser feito sempre que a embarcação estiver atracada, sendo expressamente proibido o embarque e desembarque de pessoal não tripulante pela escada de prático; e

NPCP-SC

d) Dispensa de despacho Os navios fundeados nas proximidades do porto, que não estejam realizando navegação de cabotagem e não tenham sido visitados pelas autoridades do porto, poderão suspender ferros para outro destino, sem despacho, devendo seus agentes comunicar tal evento à Capitania ou Delegacia, para que sejam cumpridos os procedimentos previstos para a Parte de Saída. Esses navios não podem movimentar tripulantes ou cargas, nem receber visitas de qualquer natureza, ocorrências que os sujeitariam ao despacho.

OSTENSIVO

NPCP-SC

CAPÍTULO 4 PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

SEÇÃO I RESTRIÇÕES OPERACIONAIS

0401 – PROPÓSITO

Orientar os procedimentos necessários ao estabelecimento de limitações operacionais nos portos e seus acessos.

0402 – COORDENAÇÃO

Quando a Autoridade Portuária desejar estabelecer novos limites de porte, dimensões e calados de navios, responsabilidade que lhe é atribuída pela Lei 8.630/93 (Lei dos Portos), este processo, segundo a mesma Lei, deve ocorrer sob coordenação da Autoridade Marítima (responsável pela segurança da navegação aquaviária). Entende-se por coordenação, na visão da Autoridade Marítima: obrigação de exigir da Autoridade Portuária providências que demonstrem que os limites de calado, folga abaixo da quilha (FAQ), de porte bruto máximo e as dimensões máximas dos navios que irão trafegar possam ser praticados com segurança, através do seu enquadramento em normas técnicas nacionais ou internacionais, bem como o uso de uma metodologia cientifica para propor novos valores. Visando o estabelecimento de parâmetros aceitáveis de segurança da navegação, o Capitão dos Portos poderá recorrer à literatura sobre o assunto, como o PTC II-30 “APROACH CHANNELS A GUIDE FOR DESIGN” do PERMANENT INTERNATIONAL ASSOCIATION OF NAVIGATION CONGRESSES (PIANC) ou a NBR-13246 – Planejamento Portuário – Aspectos Náuticos, entre outros, baseadas em estudos e experiências já realizadas em diversos países e de caráter recomendável, não normativo. Para tal, a Autoridade Portuária e as administrações dos terminais deverão providenciar os estudos supracitados e um levantamento hidrográfico categoria ALFA, devidamente analisado pelo Centro de Hidrografia da Marinha, sendo atribuição do Capitão dos Portos promover reuniões com representantes das administrações dos portos e terminais, associações ou empresas de praticagem, firmas de dragagem e de batimetria e outras organizações, da MB ou não, conforme necessário, visando a análise do estudo e ratificação dos novos parâmetros propostos para operação do porto ou terminal. A administração do Porto ou Terminal, com base na documentação pertinente e no consenso obtido, divulgará os calados máximos recomendados nos acessos e berços e velocidades de trânsito. Informações de dragagem e balizamento deverão ser divulgadas, quando for o caso. O Capitão-dos-Portos definirá os trechos onde tais responsabilidades couberem à MB. Caso não haja consenso, a decisão final sobre as restrições operacionais aplicáveis aos portos será do Capitão-dos-Portos.

0403 – CALADOS MÁXIMOS RECOMENDADOS

O calado máximo recomendado deve ser calculado com base na seguinte fórmula:

CMR = P + H - FAQ

Sendo:

CMR = Calado Máximo Recomendado P = Menor Profundidade observada no canal e bacia de evoluções reduzida ao nível de redução da DHN.

OSTENSIVO

-

ORIGINAL

4

1

OSTENSIVO

NPCP-SC

H = Previsão da altura da Maré no instante considerado, retirada da Tábua das Marés, da

DHN.

FAQ – Folga Abaixo da Quilha.

a) PORTO DE ITAJAÍ

O canal de acesso é uma faixa de 120 a 140 metros de largura, orientada na direção 275º

verdadeiros, demarcado na Carta Náutica nº 1801 da DHN e a sua profundidade média é de 11 metros, até o porto de Itajaí. O canal é sujeito a assoreamento e sua profundidade pode sofrer reduções. Do porto de Itajaí até o terminal da Trocadeiro, a profundidade é de 6,1 metros e do terminal da Trocadeiro ao terminal da Dow-Química a profundidade é de 5,9 metros.

A maré sofre grandes influências dos ventos S e N, sendo que a velocidade média da vazante

é de 2 nós e na enchente é de 1,5 nós. A altura média da sizígia é de 1,10 metros, sendo a altura média na quadratura de 0,8 metros.

A bacia de manobra tem a largura de 400 metros nos berços 1 e 2.

O comprimento máximo de meios para operação com segurança é de 275m, com as seguintes ressalvas:

1) Navios com as seguintes dimensões:

Comprimento:

250m < L < 276,5m

Boca:

37m < B < 38,8 m

Calado

C = 10,50 m

Tais navios somente poderão realizar fainas de atracação/desatracação no período diurno.

2) Restrições de caráter ambiental:

Os seguintes fatores podem atingir valores consideráveis, ocasionando eventuais restrições às manobras. Assim, seus limites que servirão para todos os navios, serão:

– Ventos:

A intensidade média máxima do vento deve ser de 10 m/s (18 nós).

– Correntes:

A velocidade da corrente, tanto na enchente quanto na vazante, não deverá ser superior a 2

nós.

 

– Altura das ondas:

Com efeito predominante no canal de acesso externo, a altura máxima das ondas deve ser de

2m.

 

3) De caráter náutico:

A

velocidade máxima de trânsito nos canais de acesso é de 5.0 nós

4) Folga Abaixo da Quilha (FAQ) para navios superiores a 250 m:

Resultado da influência dos movimentos verticais e do “squat”, a FAQ adotada será de

1,50m,

5) Emprego de rebocadores:

Para manter o navio rigorosamente no eixo do canal e controlar sua velocidade, será mandatório, no canal interno, o emprego de dois rebocadores azimutais com os cabos passados na proa e popa do navio, devendo um terceiro estar em stand-by para a manobra de atracação.

6) Manobras no Período Noturno

Para o período noturno, existem as seguintes restrições:

- Comprimento total:

230 metros

OSTENSIVO

4

-

2

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

- Calado máximo: 10m

- FAQ; 1,05m.

Obs. Adota-se as mesmas condições ambientais de limite já expressa na norma;

7) Navios com comprimento até 250m (Período diurno)

- A FAQ adotada é de 1,05m;

- Calado máximo de 10,50m; e

- Dois rebocadores, sendo um obrigatoriamente azimutal.

Em virtude do canal e bacia de evolução serem sujeitos a assoreamento e sua profundidade podem sofrer reduções, a administração do Porto deverá apresentar, mensalmente, até o segundo dia útil de cada mês, levantamento batimétrico das respectivas áreas.

b) PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

O tráfego entre a Laje da Cruz e a Ponta da Cruz é proibido a navios de calado superior a

12,0 metros no período diurno e 11,0 metros no período noturno. O calado máximo permitido no canal de acesso ao porto é aquele calculado aplicando-se a fórmula de Cmr, observando-se, ainda, as horas propícias das preamares. No cais, os calados e comprimentos máximos admitidos para os navios são os seguintes:

 

CALADO

COMPRIMENTO

BERÇO

(metros)

(metros)

101

13

220

102

10,5

210

103

8

170

201

7

150

301

10

225

A bacia de manobra tem 280 metros de largura.

c) PORTO DE IMBITUBA

 

A

largura da bacia de manobra é de 315m.

O

calado máximo para entrada e saída de navios é o seguinte:

-

Canal de aproximação: 9,63m

-

Bacia de manobra: 9,63m

BERÇOS

CALADO MÁXIMO

COMPRIMENTO DOS BERÇOS

- berço 1

9,50m

140m

- berço 2

9,90m

168m

- berço 3

10,50m

245m

- berço 4

7,00m.

24m

Os berços um (1) e dois (2) são contíguos, perfazendo um total de 308m, podendo atracar navios de até 290m, individualmente ou 310m, para dois navios, observada a profundidade máxima

de 10m. Os berços se destinam a granéis e carga geral, podendo o berço dois receber congeladas.

O berço três (3) tem 245m de comprimento, podendo atracar navios de até 290m, desde que

a proa fique lançada, dependendo da necessidade da manobra durante a operação do navio. Destina-

se a granéis sólidos e carga geral.

O berço quatro (4) possui 24m de comprimento e 96m na plataforma e destina-se a carga e

descarga de navios Roll on/Roll-of e pequenas embarcações. OSTENSIVO

-

ORIGINAL

4

3

OSTENSIVO

Os navios de comprimento de até 225m poderão ser girados na bacia de manobra, ou seja,

na área compreendida entre os berços 1, 2 e 3. Os navios maiores que 225m deverão girar fora da bacia de manobra, ou seja, no canal de acesso.

A restrição da manobra de giro para o tamanho de navio dentro da bacia de manobra, deverá

levar em conta, no mínimo, uma folga de 50m, após descontados dos 315m relativos ao espaçamento existente entre os berços 1, 2 e 3, a boca dos navios porventura atracados nesses

mesmos berços e o comprimento total do navio a ser manobrado.

A velocidade máxima permitida dentro da área abrigada pelo molhe do porto de Imbituba,

NPCP-SC

no

canal de aproximação, é de quatro (4) nós. A velocidade máxima permitida do ponto de espera

do

prático até o molhe do Porto de Imbituba é de sete (7) nós. As manobras de entrada e/ou saída do Porto de Imbituba não poderão ser simultâneas. Fica proibido o fundeio e a pesca no canal de acesso e bacia de manobra do porto. O comprimento máximo de um navio manobrando no período diurno é de 242 metros. No

período noturno não há restrições para navios com até 200m.

d) PORTO DE LAGUNA

O navegante só deve demandar a barra e o canal de acesso até o porto com perfeito

conhecimento do local. Há constantes alterações nas profundidades.

A área de manobra para atracação e desatracação fica em frente ao cais do porto com a

largura de setenta metros e profundidade média de 3,0 metros.

O calado máximo para entrada e saída de navios é o seguinte:

- Canal de aproximação: 5,00m.

- Bacia de manobra: 2,80m.

- Berço de atracação: 2,80m. Possui 300m de comprimento.

O comprimento máximo de um navio manobrando no período diurno ou noturno é de 242

metros. O berço de atracação possui 300m. de comprimento.

0404 – RESTRIÇÕES DE VELOCIDADE, CRUZAMENTO E ULTRAPASSAGEM

a) PORTO DE ITAJAÍ

Estão proibidos o cruzamento e a ultrapassagem de embarcações no canal de acesso ao Porto

de Itajaí, exceção às situações de emergência e desde que as ultrapassagens ocorram a montante do

ferry-boat. A velocidade máxima permitida é limitada em sete nós.

É proibido o acesso de navios à barra, para manobras de atracação e desatracação, quando a

mesma for declarada “IMPRATICÁVEL” por iniciativa do Agente da Autoridade Marítima, ouvido

o Serviço de Praticagem, ficando automaticamente suspensos os despachos efetuados pela

Delegacia da Capitania dos Portos. O acesso aos terminais à montante da área do Porto Organizado deverá ser evitado com corrente superior a 3 nós.

b) PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL Para cumprimento dos itens VI e VII do Art. 23 do Regulamento de Segurança do Tráfego Aquaviário, fica limitada em até doze nós a velocidade máxima permitida do início do canal até a altura da bóia encarnada que demarca o Banco da Galharada, em doze nós daí até a Laje Grande de Baixo e velocidade e rumos práticos daí até a Bacia de Manobra do porto. A ultrapassagem e cruzamento de navios no canal de acesso entre as bóias nº 2 e nº 14 são proibidos. Os navios não deverão cruzar a menos de 1,5 milhas da Laje Grande. Os cruzamentos entre navios de grande porte deverão ser evitados nas proximidades da Laje Grande e quando possível devem ser efetuados em velocidade reduzida.

c) PORTO DE IMBITUBA

OSTENSIVO

4

-

4

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

A velocidade máxima permitida é de cinco nós, tanto na atracação quanto na desatracação.

As manobras de atracação, desatracação, entrada e saída não poderão ser efetuadas simultaneamente com a de outros navios.

d) PORTO DE LAGUNA

A velocidade máxima permitida dentro do canal de acesso e nas proximidades da área

portuária é de cinco nós. As manobras de atracação, desatracação, entrada e saída não poderão ser efetuadas simultaneamente com a de outros navios.

0405 – RESTRIÇÕES DE HORÁRIO

a) PORTO DE ITAJAÍ

Acesso livre a qualquer hora para navios até 230 metros de comprimento total e 10,50 metros de calado. Acima deste comprimento é vedado o acesso noturno. O acesso aos demais terminais a montante da área do Porto Organizado só é permitido no período diurno e para navios de até 140m de comprimento.

b) PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

No período noturno devem ser evitadas a atracação e/ou desatracação de navios de calado

superior a 11 metros e/ou de comprimento superior a 260m.

c)

PORTO DE IMBITUBA

O

acesso ao porto é livre, a qualquer hora do dia ou da noite.

d)

PORTO DE LAGUNA

Deverá ser evitado o acesso à barra durante o período noturno.

0406 – RESTRIÇÕES DE PORTE DAS EMBARCAÇÕES

a) PORTO DE ITAJAÍ

É proibido qualquer tipo de manobra noturna com navios de comprimento total superior a

230 metros.

b) PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

É vedada a atracação de navios de comprimento superior a 270m, sem prévia autorização do

Agente da Autoridade Marítima.

c) PORTO DE IMBITUBA

Não há restrições.

d)

PORTO DE LAGUNA

O

cais acostável possui 300m de extensão.

0407 – RESTRIÇÕES DE FUNDEIO – FUNDEADOUROS

a) REGIÃO DE FLORIANÓPOLIS

Na região de Florianópolis, as seguintes áreas são consideradas para fundeio de embarcações miúdas e de médio porte, devendo o fundeio ser realizado com as âncoras (ferro) das embarcações:

Enseada da Praia da Pinheira Enseada de Pântano do Sul

OSTENSIVO

4

-

5

ORIGINAL

OSTENSIVO

Enseada da Armação do Pântano do Sul Proximidades da Barra do Canal da Barra da Lagoa Área sul da Praia dos Ingleses Área a leste da Praia de Cachoeira de Bom Jesus Área Norte da Praia do Forte Área Norte da Praia de Jurerê Internacional Praia de Sambaqui Área em Frente ao Iate Clube Veleiros da Ilha Imediações da Ponta do Leal, no Estreito Imediações da Foz do Rio Biguaçu Imediações da Praia da Fazenda da Armação

Imediações da Praia de Ganchos do Meio, Gov. Celso Ramos.

Além dos pontos de fundeio acima citados, poderá também ocorrer a amarração em bóias

previamente requeridas e autorizadas pela CPSC, por um período de dois anos, conforme instruções contidas na NORMAM 11. Os interessados em colocar estas bóias de fundeio, além das normas regulamentares para este tipo de obra já existentes na NORMAM 11, deverão também seguir as seguintes normas:

- as bóias deverão ser de cor amarelas, numeradas seqüencialmente dentro de cada área pela

NPCP-SC

CPSC;

- as bóias e suas poitas terão tamanho padrão, estabelecidas por engenheiro naval da CPSC;

- os cabos unindo as bóias às suas poitas deverão ser aprovados pela CPSC e deverão ter, no mínimo, o tamanho de duas vezes a profundidade do local onde for instalada;

- cada área citada abaixo terá uma determinada quantidade de bóias a serem fixadas pela

CPSC. As áreas para colocação de bóias são aquelas com um raio de 200m a partir das seguintes coordenadas geográficas:

ÁREA

LOCALIZAÇÃO

COORDENADAS

Lat 27º

Long 048

A

Enseada da Praia da Pinheira

52’60’’S

35’45’’W

B

Enseada de Pântano do Sul

47’10’’S

30’62’’W

C

Enseada da Armação do Pântano do Sul

44’52’’S

30’00’’W

D

Barra do Canal da Barra da Lagoa

33’75’’S

25’10’’W

E

sul da Praia dos Ingleses

26’08’’S

22’40’’W

F

Leste da Praia de Cachoeira de Bom Jesus

24’60’’S

26’12’’W

G

área norte da Praia de Jurerê

25’75’’S

29’05’’W

H

Praia de Sambaqui

30’08’’S

31’40’’W

I

Proximidades Iate Clube de SC

34’50’’S

34’02’’W

J

Ponta do Leal

36’50’’S

33’15’’W

K

Fazenda da Armação

22’15’’S

32’60’’W

L

Praia de Ganchos do Meio – Gov. Celso Ramos

18’40’’S

33’45’’W

b) PORTO DE ITAJAÍ Fica proibido o fundeio no canal e bacia de manobras. Para o tráfego no canal e fundeadouros, deverá ser observado o Código de Apitos, previsto no Regulamento Internacional Para Evitar Abalroamentos no Mar, de 1972 e suas emendas em vigor.

O ponto de fundeio para visita e espera do prático é demarcado pela latitude 26º55’S e longitude 048º34’30”W e a zona de quarentena é delimitada pelos paralelos 26º 55’ 30”S e 26º 56’ 00”S e pelos meridianos 048º 36’ 00”W e 048º 36’ 30”W.

OSTENSIVO

4

-

6

ORIGINAL

OSTENSIVO

Para embarcações de esporte e recreio, fica delimitada a área entre o alinhamento da ponta do Molhe Sul com a Ponta de Cabeçudas.

NPCP-SC

c)

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

O

porto dispõe de quatro fundeadouros, sendo proibido o fundeio fora das áreas demarcadas

na carta náutica nº 1804 da DHN e nestas instruções, sem a devida autorização do Delegado da Capitania dos Portos, em São Francisco do Sul. Os fundeadouros possuem as seguintes características:

Fundeadouro nº 1 – permanência de navios até 27 pés de calado. Área situada a meio do alinhamento entre o Parcel da Torre e a Laje Grande de Baixo. O fundo apresenta densa camada de areia e lama com profundidade de 10m; Fundeadouro nº 2 – permanência de navios com mais de 27 pés de calado. Área com centro localizado 5 milhas a nordeste da Laje Grande de Baixo. O fundo apresenta densa camada de areia e

lama.

Fundeadouro nº 3 – permanência de pequenas embarcações, iates e veleiros. Área localizada no alinhamento entre a Laje do Abreu de Dentro e a Laje do Sueco;

Fundeadouro nº 4 – permanência de navios em quarentena – área situada no canal, no trecho entre o Pontal (ponta da Trincheira) e a Bóia da Coroa dos Pampos; e Fundeadouro nº 5 – permanência da barcaça da empresa NORSUL – ponto de coordenadas:

LAT 26° 14’ 03” S/ LONG 048° 39’ 13” W . Fica estabelecido o ponto geográfico LAT 26º10’55’’S e 48º29’30’’W, entre a Ilha da Paz e a Ilha da Velha, como área de abrigo para embarcações em caso de mau tempo.

É PROIBIDO o fundeio de embarcações:

- na área de Segurança da Monobóia e do óleoduto submarino, constantes da carta nº 1804;

- fora dos fundeadouros, sem a prévia autorização do Agente da Autoridade Marítima; e

- na área de manobra e bacia de manobra do porto, delimitada pelas bóias Parcel da Torre,

Laje da Cruz, Lage da Vitória, Lage do Muchocho e a Doca. O fundeadouro para navios com explosivos e cargas perigosas compreende toda a área situada no canal, a meio do trecho entre o Pontal (ponta da trincheira) e a Bóia da Coroa dos Pampos. Para os navios fundeados, considerando que algumas vezes, especialmente no inverno, os ventos de W e SW são fortes, fica estabelecido como Condição de Segurança a obrigatoriedade dos navios estarem com suas máquinas prontas para qualquer eventualidade, conservando a bordo todo

pessoal necessário às manobras.

O ponto de fundeio externo, para espera do prático e visita é demarcada pela latitude 26º

12’,0 S e longitude 048º 28’,1W.

d) PORTO DE IMBITUBA

É proibido o fundeio no acesso e bacia de manobra, sem a prévia autorização do Agente da

Autoridade Marítima e Portuária, a não ser em casos de emergência.

O ponto de fundeio externo, para espera do prático e visita é demarcado pela latitude 28º

12’32”S e longitude 048º 38’44”W com profundidade de 13 metros, fundo de areia e desabrigado das vagas e dos ventos leste e sul. O ponto de fundeio interno somente deverá ser utilizado por navios em situações de emergência e deverão ser autorizados pelo Agente da Autoridade Marítima e Portuária e ouvida a Praticagem.

e) PORTO DE LAGUNA

É proibido o fundeio de qualquer embarcação no canal de acesso e na área de manobra em

frente ao cais do porto, a não ser nos casos de emergência ou quando devidamente autorizados pelo

Agente da Autoridade Marítima e Portuária.

OSTENSIVO

4

-

7

ORIGINAL

OSTENSIVO

É proibido às embarcações fundeadas efetuar qualquer tipo de manutenção ou reparo em equipamentos que não as possibilite estar com suas máquinas prontas e com pessoal necessário para suspender, em caso de qualquer eventualidade.

NPCP-SC

0408 – OUTRAS RESTRIÇÕES

1) As embarcações de transporte de passageiros que operam em águas da jurisdição deverão cumprir, além de todas as normas previstas na legislação em vigor, também instruções especiais, contidas no Anexo 4-A.

2)

Nas praias do Estado de Santa Catarina, as embarcações com propulsão a motor não

poderão fundear a menos de 50 metros da praia.

Nas praias abaixo mencionadas, serão colocadas durante a alta temporada, bóias

amarelas a 200m da faixa de areia, devidamente espaçadas, que delimitarão a área destinada a

banhistas (entre a faixa de areia e a linha de bóias) e embarcações (a partir da linha de bóias):

3)

- Praia da Daniela;

- Praia de Jurerê e Jurerê Internacional;

- Praia de Canasvieiras;

- Praia de Cachoeira de Bom Jesus;

- Praia da Lagoinha;

- Praia dos Ingleses; e

- Lagoa da Conceição, ao longo da Av. das Rendeiras.

4) As embarcações só poderão adentrar a linha de bóias de forma perpendicular à praia, em baixa velocidade, para fundeio ou para entrada e saída da água, que deverá ser feita em local determinado pela Autoridade Municipal, ou na falta de local próprio, pelas extremidades navegáveis das praias.

5)

Na

região

da

Lagoa

da

Conceição,

dentro

do

município

de

Florianópolis,

fica

estabelecida a velocidade máxima de 10 nós para o período diurno e 05 nós para o período noturno.

No canal de acesso à Lagoa da Conceição a velocidade máxima permitida é de 03 nós,

devendo ser este canal considerado como via de tráfego, sendo proibido o fundeio e as manobras de exibição de embarcações.

6)

7)

Nos Rios Camboriú, Rebello e Piçarras, a velocidade máxima permitida é de 5 (cinco)

nós, sendo proibido o fundeio e as manobras de exibição de embarcações.

8) O número máximo de embarcações de pesca e similares a serem atracadas ao longo dos trapiches e cais localizados nas margens do rio Itajaí-Açú, no trecho compreendido entre a Foz e o Terminal da Dow Brasil, será:

- Trapiches e cais próximos ao Ferry-Boat Itajaí/Navegantes, IPÊ e CABRAL, margem de

Itajaí: poderão atracar três embarcações de pesca, sendo uma no trapiche/cais e duas a contrabordo;

- Margem de Navegantes, na LEARDINI: poderá atracar uma embarcação no trapiche/cais e

da LEARDINI até o Ferry-Boat Itajaí/Machados, poderão atracar duas embarcações, sendo uma no trapiche/cais e outra a contrabordo;

- Trapiches e cais da QUAKER, DOIS IRMÃOS, JS PESCADOS e COOPERATIVA, em

ambas as margens: poderão atracar três embarcações, sendo uma no trapiche e duas a contrabordo e do POSTO NÁUTICO Itajaí-Açú até o Terminal GDC: poderão atracar duas embarcações, sendo uma no trapiche e outra a contrabordo;

OSTENSIVO

4

-

8

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP-SC

- Em ambas as margens, a partir do Estaleiro NavShip até a Dow Brasil: poderão atracar

duas embarcações, sendo uma no trapiche/cais e outra a contrabordo;

- No Estaleiro NavShip: poderá atracar uma embarcação, não sendo permitida a atracação a

contrabordo; e - No Estaleiro EISA: poderão atracar duas embarcações, uma no cais e outra a contrabordo. Para fundeio de embarcações próximo à margem pertencente ao Estaleiro, esta Delegacia deverá ser previamente consultada. 9) As restrições constantes do item 9 poderão ser alteradas pelo Capitão dos Portos, no caso de modificações dos parâmetros atualmente estabelecidos.

SEÇÃO II PLATAFORMAS, NAVIOS SONDA, FPSO, FSU e DEMAIS CONSTRUÇÕS E BÓIAS DE GRANDE PORTE

0409 – PLATAFORMAS E BACIAS PETROLÍFERAS

a) CONTROLE

O estabelecimento de plataformas de prospecção e produção de petróleo ou gás, de navios- sonda, navios-cisterna, além de gerador de tráfego adicional, constitui obstáculo à navegação, sendo necessário o conhecimento de sua posição exata para divulgação aos navegantes. O mesmo cuidado deve-se ter para o posicionamento de monobóias, poitas e dutos submarinos, a fim de se obter uma

navegação segura.

b) ACOMPANHAMENTO

As Companhias responsáveis por terminais e bacias petrolíferas ou gás deverão solicitar à Capitania dos Portos, com antecedência mínima de dez dias, autorização para:

1) fixação de plataforma de prospecção e produção de petróleo ou gás, lançamento de bóias e poitas ou de qualquer tipo de artefato flutuante ou submerso, quando estes dispositivos não forem enquadrados como obras sob ou sobre a água, regulamentadas por Portaria específica da Diretoria de Portos e Costas; e 2) deslocamentos de plataformas de prospecção ou produção de petróleo ou gás, navios- sonda, navios-cisterna e plataformas de apoio. O pedido de autorização deverá ser feito com informação para a Diretoria de Hidrografia e Navegação e deverá citar o início do deslocamento,

rumo, velocidade, previsão de chegada e destino. Quando atingida a posição final, esta deverá ser confirmada em nova comunicação.

c) INFORMAÇÕES MENSAIS

Os responsáveis pelo posicionamento ou deslocamentos de plataformas e similares, deverão encaminhar ao Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), até o dia cinco de cada mês, um mapa de controle, indicando o posicionamento, no último dia do mês anterior, de todas as plataformas, navios-sonda, navios-cisterna, bóias e dutos submarinos.

0410 – BÓIAS DE GRANDE PORTE

a) CONCEITUAÇÃO

1) consideram-se bóias de grande porte aquelas com volume superior a dois metros cúbicos; 2) as bóias de grande porte têm sido geralmente posicionadas em mar aberto em apoio a diversas atividades, especialmente aquelas ligadas à prospecção exploração de petróleo ou gás; e 3) tais bóias apresentam riscos ao navegante não somente pelo seu posicionamento, mas também por garrarem, ficando à deriva.

OSTENSIVO

4

-

9

ORIGINAL

OSTENSIVO

b) IDENTIFICAÇÃO

NPCP-SC

Em São francisco do Sul existe a Monobóia da Transpetro, localizada no ponto LAT 26º13’55.5” LONG 048º25’08.7”. As bóias de grande porte deverão ser identificadas, mediante uma placa, contendo o nome da firma proprietária, o local de fundeio e a sigla da Capitania dos Portos.

c) LANÇAMENTO

1) O lançamento desses artefatos obedecerá normas específicas, emitidas pela Diretoria de Portos e Costas; e 2) as bóias lançadas deverão ser vistoriadas periodicamente por seus proprietários, especialmente no que diz respeito ao aparelho de fundeio, a fim de se evitar que garre. É responsabilidade do proprietário a conservação e manutenção das condições adequadas para o

perfeito posicionamento das bóias.

d) PROVIDÊNCIAS NO CASO DA BÓIA GARRAR

1) O navegante ao encontrar uma bóia à deriva, deverá notificar imediatamente ao Comando do 5º Distrito Naval ou à Capitania dos Portos ou Delegacia com jurisdição sobre a área, para divulgação em Aviso aos Navegantes. 2) As bóias de grande porte encontradas à deriva, que forem recuperadas pela Marinha, serão restituídas ao proprietário, mediante ressarcimento das despesas realizadas com o seu reboque, conservação e guarda. O proprietário será notificado para retirar a bóia no prazo de quinze dias, e, caso não retire, a bóia será leiloada, conforme a legislação vigente.

SEÇÃO III

DIVERSOS

a) Embarcações ligadas à extração de areia As embarcações classificadas como interiores utilizadas nas atividades de extração de

areia, transporte de carga e transporte de passageiros poderão ter os seus Cartões de Tripulação de Segurança (CTS) abrandados, quando operarem em águas restritas ou local de tráfego reduzido, conduzidas por pessoas habilitadas, sendo o abrandamento da seguinte forma:

1)

Quanto ao nível do Comandante:

a) embarcações com AB até 100: 01 MAC (Marinheiro Auxiliar de Convés);

b) embarcações com AB até 200: 01 MOC (Moço de Convés);

c) embarcações com AB maior que 200: 01 MNC (Marinheiro de Convés); e

2)

Quanto ao nível do Chefe de Máquinas:

a) embarcações de até 250 Kw: 01 MAM (Marinheiro Auxiliar de Máquinas);

b) embarcações de até 350 Kw: 01 MOM (Moço de Máquinas).

b) Navegação próxima às plataformas de petróleo/monobóia

São PROIBIDAS a pesca e a navegação (neste caso, excetuam-se aquelas destinadas ao apoio às plataformas), em um círculo de 500m (quinhentos metros) de raio em torno das plataformas de exploração de petróleo e da monobóia localiza próximo à praia da Enseada em São Francisco do Sul-SC, e a sudoeste do farol da ilha da Paz;

c) Embarque e desembarque de passageiros

O embarque e o desembarque de pessoas das embarcações classificadas como transporte de passageiros somente poderá ser executado em atracadouros que ofereçam condições de segurança;

d) Proibição de fundeio próximo a instalações militares

OSTENSIVO

4 - 10

ORIGINAL

OSTENSIVO

São PROIBIDOS a pesca, o fundeio e a navegação (exceto para as embarcações próprias ou autorizadas) a uma distância de 200m (duzentos metros) de Organizações Militares;

NPCP-SC

e) Transporte de passageiros (Uso obrigatório de coletes salva-vidas)

Nas embarcações classificadas como transporte de passageiros, empregadas na travessia entre a Ilha de Santa Catarina e a Ilha do Campeche, município de Florianópolis, e a travessia do

Rio da Guarda na localidade de Guarda do Embaú, município de Palhoça, é OBRIGATÓRIO o porte de coletes salva-vidas, pelos passageiros, durante o trânsito;

f) Obrigatoriedade da instalação de proteção nos eixos propulsores

Nas embarcações de pequeno porte é OBRIGATÓRIA a instalação de proteção nos eixos propulsores de modo a impedir que pessoas portadoras de cabelos longos tenham seus cabelos alcançados pelos referidos eixos, causando acidentes pessoais. Esta obrigatoriedade deverá ser

exigida quando da vistoria por ocasião das inscrições das embarcações; e

g) Transbordo de pessoal trapiche X embarcação

As embarcações que efetuarem transbordo de pessoal para trapiches deverão ser inscritas e classificadas como embarcações de passageiros, além de cumprir os requisitos adicionais abaixo:

- só trafegar no período diurno;

- os passageiros deverão vestir coletes salva-vidas e estar devidamente acomodados no

interior da embarcação, não sendo permitida a acomodação de passageiros sobre o tubulão/borda da

embarcação;

- quando transportando passageiros a velocidade deverá ser inferior a 3 nós; e

- que as operações de transbordo não sejam efetuadas com as condições de mar superior a 2

e em condições de vento superior a 3 na escala Beaufort ; e As especificações das embarcações, tripulantes, embarcações de apoio constam do anexo 4-F destas normas.

h) Tripulação mínima em embarcações de transporte de passageiros

De acordo com a NORMAM 02, as embarcações classificadas como interior - transporte de passageiros na área da Lagoa da Conceição, Armação do Pântano do Sul e Pântano do Sul deverão operar com 2 (dois) aquaviários, sendo um para o timão e outro para auxílio a atracação e desatracação, serviços gerais durante a travessia, orientação dos passageiros em viagem, durante o

embarque e desembarque de passageiros e situações de emergências.

i) Resgate de passageiros por helicóptero As Colônias de Pesca, Armadores de Pesca, Empresas de Navegação/Transporte de Passageiros e Clubes Náuticos deverão efetuar ampla divulgação dos Procedimentos e Precauções de Segurança para Resgate por helicóptero da Marinha valendo-se do modelo de folder/cartaz ilustrado no Anexo 4-B desta NPCP, podendo ser ampliado ou reduzido, desde que não se modifique o seu teor.

j) Atividades de maricultura no estado de Santa Catarina

As atividades ligadas à maricultura, no Estado de Santa Catarina, deverão cumprir o contido

na NORMAN –11, sendo que as características das embarcações que apoiam àquela atividade se encontram descritas no Anexo 4 – C.

k) Atividades de reboque em dispositivos flutuantes rebocáveis (Bananas Boat)

As embarcações ligadas às atividades de reboque de dispositivos flutuantes rebocáveis (banana boats) e aos apoios necessários ao aluguel de pedalinhos, caiaques, para-sail, windsurf e

meios flutuantes rígidos ou infláveis deverão cumprir o preconizado na NORMAM 02, bem como

OSTENSIVO

4 - 11

ORIGINAL

OSTENSIVO

as especificações contidas nos anexos 4-D (embarcações para reboque) e 4-E (embarcações para apoio).

NPCP-SC

l) Área de Proteção Ambiental “Baleia Franca” Na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, durante os meses de junho a novembro,

fica assegurada a liberdade da navegação, sendo vedadas as seguintes atividades náuticas por embarcações motorizadas:

- o transporte de passageiros com finalidade turística, mediante pagamento ou não, exceto quando autorizado pelo órgão ambiental competente;

- a prática e apoio a qualquer forma de esporte náutico;

- atividades recreativas em geral;

- o uso de explosivos e a realização de atividades que envolvam a prospecção sísmica; e

- a implantação ou ampliação de atividades de maricultura;

Os exercícios operativos realizados pela Marinha do Brasil, assim como toda e qualquer

atividade necessária à salvaguarda da vida humana no mar e à segurança do tráfego aqüaviário, poderão ser realizados sem restrições.

Os setores sujeitos a estas restrições são:

I – Praia da Vila – Imbituba/SC, no interior da área delimitada pelo polígono que se inicia no ponto de coordenadas LAT 28º14’02”S e LONG 048º38’45”W, seguindo em linha reta até o ponto de coordenadas LAT 28º14’54”S e LONG 048º38’10”W, contornando a ilha no sentido horário até

o ponto de coordenadas LAT 28º14’54”S e LONG 048º39’10”W, seguindo em linha reta até o

ponto de coordenadas LAT 28º14’35”S e LONG 048º39’38”W, seguindo posteriormente pela linha

d’água pela praia no sentido horário até atingir o ponto inicial, fechando o polígono;

II – Praia d’Água – Imbituba/SC, no interior da área delimitada pelo polígono que se inicia

no ponto de coordenadas LAT 28º12’06”S e LONG 048º39’43”W, na ponta mais ao norte do costão da referida praia, seguindo em linha reta até o ponto correspondente às coordenadas LAT 28º12’29”S e LONG 048º39’44”W, seguindo posteriormente pela linha d’água pela praia no sentido horário até atingir o ponto inicial, fechando o polígono;

III – Praia da Gamboa – Garopaba/SC, no interior da área delimitada pelo polígono que se

seguindo em linha reta

até o ponto localizado no costão da Praia da Gamboa, de coordenadas LAT 27º54’44”S e LONG 048º37’10”W, seguindo no sentido anti-horário pela Praia da Gamboa e fechando o polígono no ponto inicial;

inicia no ponto de coordenadas LAT 27º56’42”S e LONG 048º37’14’W,

IV – Praia do Luz (Ibiraquera) – Imbituba /SC, no interior da área delimitada pelo polígono

que se inicia no ponto de coordenadas LAT 28º08’17”S e LONG 048º38’10”W, no costão sul da

Praia do Rosa, seguindo em linha reta até o ponto correspondente às coordenadas LAT 28º09’06”S

e LONG 048º38’27”W, seguindo pela ilha no sentido horário até o ponto correspondente às

coordenadas LAT 28º09’08”S e LONG 048º38’40”W, de onde seguem em linha reta, no sentido NW, até a Praia do Luz no ponto correspondente às coordenadas LAT 28º08’59”S e LONG 048º38’50”W, seguindo posteriormente pela Praia do Luz e pelo costão posterior até atingir o ponto inicial, fechando o polígono. Fica assegurado o direito de acesso a embarcações no setor VI – Praia de Garopaba, com a finalidade única de promover o embarque e desembarque de passageiros.

V – Praia do Silveira – Garopaba/SC, no interior da área delimitada pelo polígono que se

inicia no ponto de coordenadas LAT 28º02’49”S e LONG 048º38’26’W, seguindo pelo costão para NW até encontrar com a Praia do Silveira, de onde segue em direção NE pela referida praia até se

OSTENSIVO

4 - 12

ORIGINAL

OSTENSIVO

encontrar com o costão norte, de onde continua em direção a SE até o ponto com coordenadas LAT 28º02’02”S e LONG 048º35’59’W, de onde segue em linha reta até o ponto inicial, fechando o polígono; e

NPCP-SC

VI – Praia de Garopaba – Garopaba/SC, no interior da área delimitada pelo polígono que se

inicia no ponto de coordenadas LAT 28º00’59”S e LONG 048º36’33’W (Ponta da Vigia), seguindo para SW pelo Costão da Vigia até a Praia de Garopaba, de onde continua até encontrar com o ponto no costão norte da Praia de Garopaba, com as coordenadas LAT 28º00’43”S e LONG 048º37’44”W, seguindo em linha reta até o ponto inicial localizado no costão, e fechando o polígono.

m) Prazo mínimo para comunicação de realização de eventos Todos os requerimentos para realização de eventos náuticos deverão dar entrada na Capitania/Delegacias com 10 (dez) dias de antecedência, visando permitir a divulgação das precauções de segurança em aviso aos navegantes.

n) Operações de mergulho

As empresas envolvidas com atividades que envolvam o emprego de mergulhadores deverão

cumprir o estabelecido na NORMAM-15/DPC (Normas da Autoridade Marítima para Atividades Subaquáticas).

Os procedimentos abaixo deverão ser adotados para sinalização e interdição da área onde

esteja ocorrendo operações de mergulho:

I) em todas as operações de mergulho serão utilizados balizamento e sinalização adequadas, de acordo com o Código Internacional de Sinais, e outros meios julgados necessários à segurança; e II) operações de mergulho realizadas em canais de acesso aos portos ou área de tráfego previsto de embarcações, o contratante e o prestador de serviço de mergulho deverão informar, com antecedência mínima de 72 horas, à CP/DL/AG para que esta possa avaliar a necessidade de solicitação de interdição de área através de Aviso aos Navegantes.

SEÇÃO IV PROCEDIMENTOS OPERATIVOS PARA EVENTOS ESPECIAIS

a) Realização de shows pirotécnicos em balsas (queima de fogos) Para a realização de Shows Pirotécnicos, deverão ser apresentados Memorial Descritivo contemplando a descrição do sistema de fundeio e reboque das balsas que suportarão os artefatos pirotécnicos para o show, acompanhado de Declaração de Engenheiro Naval atestando a estabilidade e resistência estrutural dessas balsas. Esses documentos deverão ser respaldados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART).

As embarcações que efetuarem o reboque deverão estar dotadas de mangueiras/bombas de

incêndio com vazão superior a 15 m 3 /hora, estarem tripuladas por aqüaviários e deverão ficar de

prontidão durante todo o evento. Antes da autorização para tráfego das embarcações envolvidas no evento (balsa e embarcação de apoio), deverão ser realizadas vistoria para cumprimento das providências solicitadas.

OSTENSIVO

4 - 13

ORIGINAL

OSTENSIVO

CAPÍTULO 5

NPCP

HIDROVIAS E RIOS NAVEGÁVEIS DA JURISDIÇÃO

SEÇÃO I CONDIÇÕES DE NAVEGABILIDADE E SINALIZAÇÃO

0501 - CONDIÇÃO DE NAVEGABILIDADE E SINALIZAÇÃO NOS RIOS DA JURISDIÇÃO

Os rios existentes na jurisdição não são hidrografados, permitindo somente a navegação de embarcações de pequeno porte relacionadas com pesca artesanal, turismo, esporte e recreio, pequeno comércio e, eventualmente, transporte de passageiros. Estes rios são os seguintes:

a) Na área de jurisdição da CPSC:

- Rio Biguaçu

- Rio Tijucas

- Rio da Madre

- Rio Caveiras

b) Na área de jurisdição da DelItajaí:

- Rio Itajaí-Açu

- Rio Peperi-Guaçu

- Rio Camboriú

- Rio Itapocu

- Rio Uruguai

- Rio Pelotas

- Rio Piçarras

- Rio Rebelo

- Rio Santa Luzia.

c) Na área de jurisdição da DelSFSul:

- Rio Itapocu

- Rio Araquari

- Rio Acarai

- Rio Saí-mirim

- Rio Saí-guaçu

- Rio Ubatuba

- Rio Monte de trigo

- Rio Cachoeira

- Rio Cubatão.

d) Na jurisdição da DelLaguna:

- Rio Tubarão

- Rio Araranguá

- Rio Mampituba.

0502 - OUTRAS RESTRIÇÕES

a) Nas lagoas e represas da jurisdição, onde exista navegação, deverão ser observados os seguintes limites:

I) 100 metros da margem para embarcações a vela.

II) 200 metros da margem para embarcações a motor.

b) No canal que liga a Lagoa da Conceição ao mar a velocidade máxima permitida é de 3

nós.

OSTENSIVO

5 -

1

ORIGINAL

OSTENSIVO

SEÇÃO II CAMPANHAS EDUCATIVAS

NPCP

0503 – CAMPANHAS EDUCATIVAS DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQÜAVIÁRIO

a) Operação Verão

A Capitania dos Portos de Santa Catarina e suas Delegacias subordinadas realizarão,

anualmente, a “Operação Verão”, que consiste no aumento da fiscalização das atividades náuticas no Estado de Santa Catarina a fim de se evitar acidentes.

b) Outras Campanhas poderão ser realizadas a qualquer momento, desde que não interfiram

na segurança da navegação e no ordenamento do espaço aqüaviário.

OSTENSIVO

5 -

2

ORIGINAL

OSTENSIVO

NPCP

ANEXO 1-A

MARINHA DO BRASIL

CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

ÁREAS DE NAVEGAÇÃO INTERIOR 2 POR JURISDIÇÃO

CATARINA ÁREAS DE NAVEGAÇÃO INTERIOR 2 POR JURISDIÇÃO   ÁREAS DE   ORGANIZAÇÃO MILITAR
 

ÁREAS DE

 

ORGANIZAÇÃO MILITAR

NAVEGAÇÃO INTERIOR

APÊNDICE

 

2

Delegacia da CPSC em São Francisco do Sul

(A)

até (D)

1-A-1

Delegacia da CPSC em Itajaí

(D)

até (L)

1-A-2

Capitania dos Portos de Santa Catarina

(L)

até (O)

1-A-3

Delegacia da CPSC em Laguna

(P)

até (N)

1-A-4

OSTENSIVO

1-A-1

NPCP

OSTENSIVO

NPC P

ANEXO 3-A

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA PRATICANTE DE PRÁTICO

Nome do Praticante de Prático:

Início da Qualificação:

Data Limite:

/

/

/

/

DATA DE CONCLUSÃO, RUBRICA E CARIMBO DE QUEM ATESTA E EXECUÇÃO

REQUISITOS

- Visitar e conhecer as atividades da Divisão de Inspeção Naval da Capitania dos Portos ou Delegacia, no que se refere ao controle da atividade de praticagem, normas de tráfego e permanência e emprego de rebocadores.

- Visitar e conhecer a estação de praticagem, todas suas atividades, limitações e capacidades.

- Visitar todas as instalações

portuárias e terminais e seus

controles operacionais de comunicações com os navios.

- Conhecer, detalhadamente, as

silhuetas da costa, altos fundos, ilhas, nomes de canais e estreitos, inclusive passagens normais de navegação e situações alternativas em manobras de emergência.

- Conhecer, detalhadamente, nomes e locais dos portos, terminais e atracadouros, suas manobras de atracação, inclusive as limitações em emergência e em condições meteorológicas e de correntes desfavoráveis.

OSTENSIVO

Continuação:

NPC P

ANEXO 3-A

 

REQUISITOS

DATA DE CONCLUSÃO, RUBRICA E CARIMBO DE QUEM ATESTA E EXECUÇÃO

-

Conhecer, detalhadamente, nome e

 

características de faróis e faroletes

seus alcances e arcos de visibilidade; profundidades da zona de praticagem e uso de equipamento de sondagem.

-

Conhecer os pontos de referência

 

para eventuais navegações por rumos práticos.

- Acompanhar manobras da praticagem a bordo de rebocadores, conhecer a operação, limitação e precauções dos rebocadores do porto e sistemas usualmente utilizados para comunicação VHF, sonoro e visual.

 
 
(**).
(**).
 

-

Observar manobras de entrada e

 

saída acompanhadas por um Prático habilitado para cada terminal, cais

 

ou fundeadouro.

(**).
(**).

- Acompanhar singraduras conduzidas por Prático habilitado em cada trecho da Zona de praticagem.

 
 
(**).
(**).
 

-

Executar manobras de entrada e

 

saída acompanhadas por um prático habilitado, para cada terminal, cais

 

ou fundeadouro.

(**).
(**).

OSTENSIVO

NPC P

ANEXO 3-A

Continuação:

DATA DE CONCLUSÃO, RUBRICA E CARIMBO DE QUEM ATESTA E EXECUÇÃO

REQUISITOS

Conduzir singraduras sob supervisão de prático habilitado em cada trecho da Zona de Praticagem.

(**).
(**).

- executar manobras noturnas de entrada, saída e singradura, acompanhadas por um Prático habilitado, para cada terminal, cais, fundeadouro ou trecho navegado,

quando aplicável.

(**).
(**).

Atesto que todos os itens listados foram cumpridos integralmente e com aproveitamento, exceto os abaixo listados cujo cumprimento foi dispensado por motivo de força maior, sendo que estou pronto para ser examinado.

(Local de Data)

ASSINATURA DO PRATICANTE DE PRÁTICO

OBS.: (*) – O programa não necessita ser observado obrigatoriamente na forma seqüencial que é apresentada. O Praticante de Prático poderá seguir seqüência adequada que convier e mesmo realizá-la simultaneamente quando for o caso.

OBS.: (**) – A duração dos treinamentos e a quantidade de manobras a serem executadas estão estabelecidas no Anexo 3-I(CALENDÁRIO MÍNIMO DE MANOBRAS ENTRE 12 E 24 MESES), obedecendo às peculiaridades do local.

OSTENSIVO

NPCP

ANEXO 3-B

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

COMPROVANTE DE MANOBRA DE PRATICAGEM

Declaro, para fins de comprovação junto ao Agente da Autoridade Marítima desta Zona de Praticagem que o navio

foi atendido pelo

Prático

que se identificou, nas manobras de (ATRACAÇÃO, DESATRACAÇÃO,

SINGRADURA) (discriminar trecho), no (PORTO OU TERMINAL) em

IRIN

/

/ no período de (DATA/HORA) a

Participaram como assistentes os seguintes Práticos, devidamente identificados:

Ocorrências e Observações:

A declaração acima é expressão da verdade.

(Local e Data)

(COMANDANTE)

BRAZILIAN OF THE NAVY HARBOURMASTER’S OF THE STATE OF SANTA CATARINA

CONFIRMATION OF PILOTING MANOEUVER

I declare, to be used as a proof to the Agent of Brazilian Maritime Authority on this Pilot Zone that the ship

which identified LEAVING THE WHARF, GETTING

himself, in maneuvers of (BERTHING,

UNDERWAY OR LEAVING

in

IRIN

was attended by the pilot

THE

HARBOUR),

in

the

(HARBOUR

PIER)

/

/ in the period of (TIME) to

Participating in the maneuvers as assistants the following

properly identified pilots:

Comments and additional remarks:

I affirm the above are all true.

OSTENSIVO

3-B-1

(Place and Date)

MASTER

NPCP

OSTENSIVO

NPCP

ANEXO 3-C

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

SUGESTÃO DE CORRESPONDÊNCIA ENTRE TONELAGEM DE PORTE BRUTO (TPB) DA EMBARCAÇÃO COM A FORÇA DE TRAÇÃO ESTÁTICA LONGITUDINAL (BOLLARD PULL) DOS REBOCADORES

TPB (t)

FORÇA DE TRAÇÃO (BOLLARD PULL) EM t METRICA

NÚMERO RECOMENDADO DE REBOCADORES

de 2000 até 2500

3.0

 

1

de 2501 até 3000

5.0

 

1

de 3001 até 4500

6.0

 

1

de 4501 até 5000

7.0

 

1

de 5001 até 7500

9.0

 

1

de 7501 até 10000

11.0

1

a 2

de 10001 até 12500

14.0

1

a 2

de 12501 até 15000

17.0

1

a 2

de 15001 até 17500

19.0

1

a 2

De 17501 até 20000

21.0

1

a 2

de 20001 até 25000

25.0

1

a 2

de 25001 até 30000

28.0

1

a 2

de 30001 até 35000

32.0

 

2

de 35001 até 40000

36.0

 

2

de 40001 até 45000

39.0

 

2

de 45001 até 50000

42.0

 

2

de 50001 até 60000

46.0

 

2

de 60001 até 70000

51.0

 

2

de 70001 até 80000

53.0

 

2

de 80001 até 90000

55.0

2

a 3

de 90001 até 100000

56.0

2

a 3

de 100001 até 110000

58.0

2

a 3

de 110001 até 120000

60.0

2

a 3

de 120001 até 130000

62.0

2

a 3

OSTENSIVO

NPCP

ANEXO 3-C

TPB (t)

FORÇA DE TRAÇÃO (BOLLARD PULL) EM t METRICA

NÚMERO RECOMENDADO DE REBOCADORES

de 130001 até 140000

64.0

2

a 3

de 140001 até 150000

66.0

2

a 3

de 150001 até 160000

81.0

2

a 3

de 160001 até 170000

83.0

2

a 3

de 170001 até 180000

86.0

2

a 3

de 180001 até 190000

87.0

2

a 3

de 190001 até 200000

89.0

2

a 3

de 200001 até 210000

90.0

 

4

de 210001 até 220000

91.0

 

4

de 220001 até 230000

93.0

 

4

de 230001 até 240000

95.0

 

4

de 240001 até 250000

96.0

 

4

de 250001 até 270000

98.0

 

4

de 270001 até 290000

101.0

 

4

de 290001 até 310000

106.0

 

4

de 310001 até 330000

110.0

4

a 6

de 330001 até 350000

114.0

4

a 6

de 350001 até 370000

118.0

4

a 6

de 370001 até 390000

121.0

4

a 6

OSTENSIVO

NPCP

ANEXO 3-D

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SANTA CATARINA

DECÁLOGO DE SEGURANÇA

1 – VIGIE O NAVIO E A CARGA

É dever de todo Comandante zelar pela carga e adotar as medidas de precaução para a completa segurança do navio, bem como das atividades nele desenvolvidas, exercidas pela tripulação ou outras pessoas a bordo. Toda a tripulação deverá cooperar na vigilância em seu próprio interesse, comunicando ao Oficial de Quarto qualquer atividade suspeita. Estando o navio fundeado ou atracado, é mandatório o guarnecimento permanente de tripulante munido com equipamento de VHF. As principais Estações de terra que mantém escuta permanente no canal 16 VHF, podendo ser acionadas em caso de necessidade, estão listadas na tabela a seguir:

ESTAÇÕES

INDICATIVO CHAMADA

Agentes da Autoridades Marítimas em Florianópolis, Itajaí, São Francisco do Sul e Laguna

CAPITANIA (Florianópolis, Itajaí, São Francisco do Sul, Laguna)

Praticagem

PRATICAGEM (Itajaí, São Francisco do Sul, Imbituba)

Administrações dos Portos

PORTO DE (Nome da cidade)

2 – ILUMINE O NAVIO E SEU COSTADO

Mantenha o navio iluminado, principalmente o costado do lado do mar e convés em toda a extensão, use refletores de grande potência. A má visibilidade dificulta a ação de fiscalização, constituindo-se em fator favorável às atividades ilícitas. Não se esqueça do preconizado pelas regras 2 e 30 do RIPEAM.

3 – ESTABELEÇA COMUNICAÇÕES PARA APOIO EXTERNO

Instale, sempre que possível, uma linha telefônica que seja de fácil acesso ao vigia ou tripulante de serviço. As Autoridades do Porto mantém um serviço permanente de combate à criminalidade. Peça auxílio pelo telefone.