Você está na página 1de 18
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

FABRÍCIO SILVA DO AMARAL MÁRCIO LUCAS RODRIGUES

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO, DETALHES CONSTRUTIVOS E APLICAÇÕES PARA COMPRESSORES

Rondonópolis - MT Julho de 2014

FABRÍCIO SILVA DO AMARAL MÁRCIO LUCAS RODRIGUES

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO, DETALHES CONSTRUTIVOS E APLICAÇÕES PARA COMPRESSORES

Trabalho realizado como forma de avaliação para disciplina de Comandos Hidráulicos e Pneumáticos do Curso de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Mato Grosso Prof. Márcio Venzon

Rondonópolis MT Julho de 2014

LISTA DE FIGURAS

Figura 1. Primeira planta de distribuição de ar comprimido

................................

6

Figura 2. Classificação dos Compressores

.. Figura 3. Ciclo de trabalho de um compressor de pistão de duplo

.......................................................

efeito. ..........

7

8

Figura 4. Cilindro com duplo

efeito. ....................................................................

9

Figura 5. Efeito de mais de um

estágio. ............................................................

10

Figura 6. Compressor

parafuso. .......................................................................

13

Figura 7. Supercharger utilizado nos automóveis

.............................................

13

Figura 8. Compressor Diafragma

......................................................................

15

Figura 9. Compressor Shulz utilizado em pequenas pinturas

...........................

16

SUMÁRIO

LISTA DE FIGURAS ------------------------------------------------------------------------------- 3

  • 1. TRABALHO-------------------------------------------------------------- 5

OBJETIVO DO

  • 2. TEÓRICA ---------------------------------------------------------------- 6

INTRODUÇÃO

  • 2.1 Compressor com pistão de simples estágio e duplo efeito ----------------------- 8

  • 2.2 Compressor com pistão de dois ou mais estágio e duplo efeito ----------------- 8

    • 2.2.1 Detalhe Construtivo ----------------------------------------------------------- 11

    • 2.2.2 Aplicação ------------------------------------------------------------------------ 12

  • 2.3 Compressor de Parafuso --------------------------------------------------------------- 12

    • 2.3.1 Aplicação ------------------------------------------------------------------------ 13

  • 2.4 Compressor de Diafragma ------------------------------------------------------------- 14

    • 2.4.1 Aplicação ------------------------------------------------------------------------ 15

  • 2.5 Compressor de Lóbulo ------------------------------------------------------------------ 16

    • 2.5.1 Aplicação ------------------------------------------------------------------------ 16

    • 2.5.2 Vantagens ----------------------------------------------------------------------- 17

  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ---------------------------------------------------------- 18

    1.

    OBJETIVO DO TRABALHO

    Esta pesquisa tem por objetivo expor os princípios de funcionamento, detalhes construtivos e aplicação para os compressores de pistão de simples estágio e duplo efeito, pistão de dois ou mais estágio de simples e duplo efeito, parafuso, lóbulo e diafragma, dando maior ênfase a detalhes que não puderam ser expostos em sala de aula, uma vez que existem disponíveis no mercado diversas variações para cada tipo de compressor. Compreender estes princípios e aplicações possibilita ao futuro engenheiro mais opções para tomada de decisões perante a um novo projeto ou solução de problemas.

    2.

    INTRODUÇÃO TEÓRICA

    O compressor é um equipamento cujo objetivo é aumentar a pressão de um determinado fluido. Segundo a equação de Clapeyron isto só é possível alterando seu volume e/ou temperatura, já que alterar as propriedades do fluido seria um tanto quanto complexo. Os compressores de ar comprimido absorvem o ar atmosférico e comprime-o, aumentando sua pressão e diminuindo seu volume, logo após é armazenado e segue para diversas aplicações.

    Equação 1. Equação de Clapeyron

    Os primeiros compressores de que se tem notícias são os pulmões humanos,

    em 1762 John Smeaton patenteou um compressor acionado por uma roda d’água,

    sendo um dos mais importantes para o desenvolvimento dos modelos atuais. Em Paris, no ano de 1888, foi inaugurada a primeira planta de distribuição de ar comprimido, que era utilizada pela grande maioria dos equipamentos da fábrica,

    conforme ilustra a Figura 1. (Marques, 2008).

    2. INTRODUÇÃO TEÓRICA O compressor é um equipamento cujo objetivo é aumentar a pressão de um

    Figura 1. Primeira planta de distribuição de ar comprimido. Fonte: MARQUES (2008, p. 05)

    Os compressores de ar, aos quais daremos ênfase neste trabalho, têm como característica converter energia mecânica (ou elétrica) em energia pneumática (ar comprimido). Atualmente estas máquinas são facilmente encontradas, pois existem modelos dimensionados para lidar com cada trabalho, desde inflar um brinquedo, até alimentar furadeiras, chave de impacto, grampeadores e pistolas. A maior vantagem de sua utilização é que por não necessitar de motores volumosos, a ferramenta torna-se leve, compacta e de fácil manuseio (KLENCK, 1999). Existem diversos tipos de compressores e suas classificações, sua escolha depende da quantidade de ar, qualidade de limpeza, e quão seco o ar deve ser para atender as necessidades.

    Os compressores de ar, aos quais daremos ênfase neste trabalho, têm como característica converter energia mecânica

    Figura 2. Classificação dos Compressores. Fonte: SAGGIN (2004, p.14).

    Destacamos entre estes modelos, os compressores de pistão de simples estágio e duplo efeito, de pistão de dois ou mais estágio de simples e duplo efeito, de parafuso, de lóbulo e de diafragma, que são nosso objeto de estudo. Esses compressores compõe o grupo dos compressores de deslocamento positivo que consiste fundamentalmente na redução de volume. O ar é admitido para uma câmara isolada do meio exterior onde se processa a compressão.

    2.1

    Compressor com pistão de simples estágio e duplo efeito

    O compressor com pistão simples estágio e duplo efeito (Figura 3), também

    conhecido como compressor tipo cruzeta apresenta duas câmeras, o êmbolo efetua o movimento descendente e o ar é admitido na câmara superior, enquanto que o ar contido na câmara inferior é comprimido e expelido. Procedendo-se o movimento

    oposto, a câmara que havia efetuado a admissão do ar realiza a sua compressão e a que havia comprimido efetua a admissão, resultando em duas sucções e duas descargas para cada revolução.

    2.1 Compressor com pistão de simples estágio e duplo efeito O compressor com pistão simples estágio

    Figura 3. Ciclo de trabalho de um compressor de pistão de duplo efeito Fonte: Parker (2000, p.19).

    • 2.2 Compressor com pistão de dois ou mais estágio e duplo efeito

    O compressor de duplo estágio e duplo efeito possui dois pistões atuando no sistema, cada cilindro é dividido em duas câmaras separadas pelo pistão, enquanto uma face do cilindro comprime o fluido, o lado oposto sucção, como mostra a Figura

    4.

    Figura 4. Cilindro com duplo efeito. Fonte: Vale (2013, p. 37) Se a temperatura de descarga

    Figura 4. Cilindro com duplo efeito. Fonte: Vale (2013, p. 37)

    Se a temperatura de descarga calculada usando uma fase é muito elevada, é necessário, obviamente, mais fases. Durante dimensionamento preliminar, a temperatura de descarga isentrópica pode ser utilizado, mas, se um certo número de etapas cria uma situação marginal, a temperatura de descarga deve ser estimado com maior precisão. Como uma primeira estimativa, pode presumir-se que proporções iguais de pressão são utilizados para todas as etapas. Na prática, é muitas vezes utilizada para dar uma razão de pressão mais elevada nas fases de baixa relação de pressão e de pressão mais elevada na descarga. Em quase todas as aplicações com mais de um estágio o gás será refrigerado entre os estágios. Neste caso, o aumento do número de fases, até ao limite, irá aumentar a eficiência do compressor. Isto porque com resfriador, a compressão se aproxima mais de uma compressão isotérmica, resultando em uma menor necessidade de energia. Uma forma alternativa de olhar para isto é em um diagrama de pressão-volume mostrado na Figura 5. O trabalho necessário para comprimir o gás é dada pela área do diagrama de pressão-volume.

    Figura 5. Efeito de mais de um estágio Fonte: Hanlon (2001, p. 34). O trabalho determinado

    Figura 5. Efeito de mais de um estágio Fonte: Hanlon (2001, p. 34).

    O trabalho determinado pelas áreas dos diagramas é, obviamente, menor no caso de dois estágios do que no caso de estágio único. Além disso, se todos os líquidos são condensados na parte externa à do gás nos refrigeradores intermediários, os líquidos devem ser separados do ar comprimido entre as etapas para a utilização. No entanto, se forem usados muitos estágios, as perdas de pressão nas válvulas e nas tubulações irá compensar os ganhos da refrigeração, e a eficiência será reduzida. O custo de um compressor para fazer uma dada tarefa geralmente aumenta à medida que o número de fases é aumentado por causa dos cilindros compressores adicionais, refrigeradores e tubulações.

    Em algumas aplicações, não haverá escapes laterais, nas quais o gás ou entra ou sai do processo a pressões fixas. Estes requisitos podem determinar as pressões entre estágios usados. Uma vez que o número de estágios é selecionado, os cilindros para cada estágio pode ser selecionado. Normalmente, uma seleção será feita a partir de desenhos de cilindros disponíveis. Conhecendo as condições de admissão e a capacidade exigida, e com a velocidade e curso já selecionado, o diâmetro do cilindro necessário pode ser calculada, e posteriormente selecionados conforme disponibilidade do fornecedor. A classificação de pressão do cilindro deve ser adequada para ser seguro para o design e todas as condições adversas, atendando- se para que a pressão máxima no cilindro seja sempre menos que na válvula de escape, por questões de segurança. Note-se que, se os cilindros mais pequenos são utilizados, a carga e a estrutura de alimentação por lance será reduzida. É usual para cilindros menores para estar disponível em versões superiores razão de pressão, de modo que todos os requisitos geralmente podem ser atendidas pelo uso de múltiplos cilindros por palco.

    O dimensionamento básico compressor é pouco complexa, mas deve ser verificada condições adversas. Outros fatores, como a força transmitida do compressor para a fundação, o potencial de vibrações torcionais nocivos no virabrequim e trem de acionamento, a otimização do layout do compressor, eficiência e custo devem ser consideradas antes que o projeto seja finalizado. A Figura 5 mostra um comportamento de pistão com uma única fase e uma compressão de duas fases para uma dada aplicação. O esquema de compressão de estágio único é 1-2-3-4-1. Para compressão de dois estágios, é 1-5-6-7-3-8-4-1. À medida que o gás é arrefecido entre estágios (5-6), o seu volume diminui.

    • 2.2.1 Detalhe Construtivo

    Os compressores de deslocamento positivo alternativos (pistão) são basicamente constituídos de cilindro(s) e seus componentes, êmbolo (pistão) e seus componentes, virabrequim e válvulas. Os cilindros são geralmente em ferro fundido de boa resistência mecânica e

    boas características de lubrificação. Pode ser fundido com aletas para auxiliar no resfriamento com ar ou ainda com paredes duplas para resfriamento com água.

    Geralmente utiliza-se camisa de aço em bloco de ferro fundido. O êmbolo (pistão) pode variar seu formato de acordo com a articulação existente entre ele e a biela, uma vez que no simples efeito o pé da biela articula diretamente sob o pistão. Já no duplo efeito o êmbolo é rigidamente preso a haste e são fabricados em ferro fundido ou alumínio. O virabrequim transforma o movimento rotativo da fonte de energia (elétrica por exemplo) em movimento linear para que seja realizada a compressão. As válvulas são utilizadas para regular o fluxo de entrada e saída de ar da câmara (cilindro).

    2.2.2 Aplicação

    Os compressores de pistão são muito utilizados em serviços de jateamento, limpeza, pintura, acionamento de pequenas máquinas pneumáticas e até para abastecimento de ar comprimido em indústrias de pequeno porte.

    • 2.3 Compressor de Parafuso

    O Compressor de Parafuso é classificado como Compressor de Deslocamento Positivo Rotativo e é composto basicamente por uma carcaça e dois rotores em forma de parafuso que giram em sentidos opostos. Um dos rotores possui lóbulos convexos enquanto o outro apresenta depressões côncavas, sendo denominados respectivamente macho e fêmea. A compressão basicamente acontece quando o ar penetra pela abertura de sucção e ocupa os intervalos existentes entre os filetes (paredes dos rotores). A partir do momento em que existe o engrenamento dos dois rotores, o ar fica retido entre as paredes do rotor e a carcaça. A rotação faz então que o ponto de engrenamento dos rotores se desloque para frente reduzindo o espaço disponível para o ar e então acontece a compressão. Os rotores podem ser engrenados de duas formas: através de engrenagens ou por contato direto. Quando os rotores são engrenados através de engrenagens, não existe um contato metálico entre os rotores. O desgaste nesse caso ocorre nas engrenagens e não existe necessidade de óleo para lubrificação dos rotores, possibilitando um ar mais limpo isento de óleo. No sistema por contato direto dos rotores (acionamento por arraste), o desgaste ocorre nos rotores macho e fêmea, sendo necessária a utilização de lubrificante nos parafusos. Dessa forma o ar

    produzido por esse sistema se torna impróprio para aplicações como por exemplo em hospitais e indústrias alimentícias.

    produzido por esse sistema se torna impróprio para aplicações como por exemplo em hospitais e indústrias

    Figura 6. Compressor parafuso Fonte: Shanghai Success Engine Compressor Co., Ltd. 1

    2.3.1 Aplicação

    Os compressores do tipo parafuso são utilizados na indústria alimentícia, bebidas, fábrica de cerveja (nos três exceto por contato direto), indústria automobilística, manufatura, petroquímica, aeroespacial, entre outras.

    produzido por esse sistema se torna impróprio para aplicações como por exemplo em hospitais e indústrias

    Figura 7. Supercharger utilizado nos automóveis Fonte: Google Imagens 2

    1

    Disponível

    em:

    <http://image.made-in-china.com/6f3j00JCBEjMKREtge/Reliable-

    Combination.jpg>. Acesso em: 27 jun. 2014

    2.4

    Compressor de Diafragma

    Classificado como Compressor de Deslocamento Positivo Alternativo, o compressor de diafragma é um dispositivo destinado a comprimir ou pressionar o ar atmosférico para o seu armazenamento ou uso imediato por meio de deslocamento de uma membrana flexível ou diafragma. Esta definição bastante técnica significa simplesmente que um compressor de diafragma é um equipamento que emprega a flexão de uma membrana de borracha ou silicone para comprimir o ar, impedindo o contato do ar com as partes móveis do equipamento, um fator essencial a fim que não haja contaminação do ar com os fluidos lubrificantes do compressor. Dentro da categoria de compressores de êmbolo, os tipos de compressores de diafragma, ou compressores de membrana como também são conhecidos, comprimem o ar devido ao fenômeno do deslocamento, atingindo pressões de até 300 MPa, vazões até 200 Nm³/h. Seus principais componentes são: um cilindro, onde ocorre a compressão, válvulas de sucção ou de descarga que regulam o fluxo de entrada e de saída do ar do cilindro, o virabrequim, responsável por transformar o movimento rotacional do eixo do motor elétrico em linear, as membranas, que ajudam a comprimir o ar e a cruzeta, servindo como um guia o movimento do eixo do pistão. Uma das maneiras mais fáceis de demonstrar esses princípios é citando o exemplo de uma seringa de plástico vazia. Esta seringa, quando bloqueada com um dedo, tem seu êmbolo pressionado lentamente. Um aumento da tensão sobre o êmbolo será sentido nesse momento, devido à compressão da coluna de ar no tubo de seringa. Este fenômeno é o resultado do ar que está sendo movido ou deslocado por um objeto sólido. O deslocamento de ar resultante provoca a compressão do ar em uma câmara equipada com o mesmo tipo de válvula encontrado em um compressor de pistão convencional. Além das diferenças óbvias operacionais, o ciclo de compressão continua o mesmo. O compressor de diafragma é especialmente eficaz em lidar com gases corrosivos ou perigosos, em detrimento de sua característica de estanqueidade, em que o gás já comprimido mantém-se totalmente isolado, evitando riscos de haver mistura dos lubrificantes do equipamento.

    2

    Disponível

    em:

    <

    Acesso em: 27 jun. 2014.

    http://dc398.4shared.com/doc/q2fA4IGK/preview_html_4da97ed.jpg>.

    Figura 8. Compressor Diafragma. Fonte: Fórum 4x4brasil 2.4.1 Aplicação O compressor de diafragma industrial é usado

    Figura 8. Compressor Diafragma. Fonte: Fórum 4x4brasil 3

    2.4.1

    Aplicação

    O compressor de diafragma industrial é usado em uma ampla gama de aplicações, já que os fabricantes de compressores desse modelo produzem desde mini compressores com 08/01 cv, capazes de produzir até 50 libras por polegada quadrada (PSI) de pressão contínua. O compressor de diafragma é particularmente adequado para aplicações como no caso de pintura de automóveis e pulverização de tintas até a compressão de gases tóxicos ou explosivos, devido ao fato de que o atrito entre metais é quase nulo.

    3 Disponível em: < http://www.4x4brasil.com.br/forum/attachments/suzuki/405844d1365958253- acionamento-do-4x4-do-grand-vitara-tracker-bomba-de-diafragma.jpg>. Acesso em: 27 jun. 2014.

    Figura 9. Compressor Shulz utilizado em pequenas pinturas. Fonte: Shulz S/A 2.5 Compressor de Lóbulo Osrotores em que giram em sentido contrário, mantendo uma folga muito pequena no ponto de tangência entre si e com relação à carcaça. O gás penetra pela abertura de sucção e ocupa a câmara de compressão, sendo conduzido até a abertura de descarga pelos rotores. Os compressores de lóbulos, embora classificados volumétricos, não possuem compressão interna, porque os rotores apenas deslocam o fluído de uma região de baixa pressão para uma de alta pressão. São conhecidos como sopradores ROOTS e constituem um exemplo típico do que se pode chamar de soprador, porque gera aumentos de pressão muito pequenos. São amplamente utilizados na sobre alimentação de motores e como sopradores de gases de pressão moderada. 2.5.1 Aplicação Os Compressores tipo roots, são compressores de baixa pressão, que são muito utilizados em transportes pneumáticos e na sobrealimentação dos motores Diesel. Estes compressores apresentam um rendimento volumétrico muito baixo, mas em compensação o rendimento mecânico é elevado. No entanto a Disponível em: <http://www.schulz.com.br/uploads/produto_foto/920.1115-0.jpg>. Acesso em: 27 jun. 2014. 16 " id="pdf-obj-15-2" src="pdf-obj-15-2.jpg">

    Figura 9. Compressor Shulz utilizado em pequenas pinturas. Fonte: Shulz S/A 4

    • 2.5 Compressor de Lóbulo

    Os Compressores de lóbulos possuem dois rotores em que giram em sentido contrário, mantendo uma folga muito pequena no ponto de tangência entre si e com relação à carcaça. O gás penetra pela abertura de sucção e ocupa a câmara de compressão, sendo conduzido até a abertura de descarga pelos rotores. Os compressores de lóbulos, embora classificados volumétricos, não possuem compressão interna, porque os rotores apenas deslocam o fluído de uma região de baixa pressão para uma de alta pressão. São conhecidos como sopradores ROOTS e constituem um exemplo típico do que se pode chamar de soprador, porque gera aumentos de pressão muito pequenos. São amplamente utilizados na sobre alimentação de motores e como sopradores de gases de pressão moderada.

    2.5.1 Aplicação

    Os Compressores tipo roots, são compressores de baixa pressão, que são muito utilizados em transportes pneumáticos e na sobrealimentação dos motores Diesel. Estes compressores apresentam um rendimento volumétrico muito baixo, mas em compensação o rendimento mecânico é elevado. No entanto a

    4 Disponível em: <http://www.schulz.com.br/uploads/produto_foto/920.1115-0.jpg>. Acesso em:

    27 jun. 2014.

    principal vantagem destes compressores é a sua grande robustez, o que permite que rodem anos sem qualquer revisão.

    2.5.2

    Vantagens

    • 1. O movimento é de rotação;

    • 2. A velocidade de rotação é alta, o que permite acoplamento direto e dimensões reduzidas;

    • 3. A fundação pode ser pequena;

    • 4. O rendimento volumétrico é alto e independente da relação de pressão do compressor;

    • 5. A ausência de válvulas, a não ser a da retenção de carga;

    • 6. O funcionamento é silencioso.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    BRANCO, Renata. Características do compressor de diafragma. 2011. Disponível em: <http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/3542-caracteristicas-do- compressor-de-diafragma/>. Acesso em: 25 jun. 2014.

    COMPAIR. Informações Sobre Ar Comprimido: Os três tipos de compressores. Disponível em: <http://www.compair.pt/About_Us/Compressed_Air_Explained-- 03The_three_types_of_compressors.aspx>. Acesso em: 25 jun. 2014.

    HANLON, Paul C. Compressor handbook. McGraw Hill Professional, 2000.

    KLENCK,

    Thomas.

    How

    it

    Works:

    Air

    Compressor.

    1997.

    Disponível

    em:

    <http://www.popularmechanics.com/home/improvement/energy-efficient/1275131>.

    Acesso em: 10 jun. 2014.

    MARQUES, Carlos Alberto. Dias, Jair Silva. Compressores. Salvador: CEFET-BA,

    2008.

    MEKA-WIKI.

    Compressores

    de

    lóbulos.

    Disponível

    em:

    <zhttp://pt-

    br.mecawiki.wikia.com/wiki/Compressores_de_l%C3%B3bulos>. Acesso em: 30 jun.

    2014.

    PARKER Trainning. Tecnologia Pneumática Industrial. São Paulo, 2000, 195 p. Apostila Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.

    SAGGIN, Adagir et al. Hidráulica e técnicas de comando. Florianópolis: SENAI-SC,

    2004.

    Wikipédia A enciclopédia livre.

    Compressor

    de

    ar.

    Disponível

    em:

    <http://pt.wikipedia.org/wiki/Compressor_de_ar>. Acesso em: 09 jun. 2014.

    Wikipédia

    A

    enciclopédia

    livre.

    Compressor.

     

    Disponível

    em:

    <http://pt.wikipedia.org/wiki/Compressor>. Acesso em: 09 jun. 2014.