Você está na página 1de 38
ESTRUTURA DO CURSO
ESTRUTURA DO CURSO
  • INTRODUÇÃO (1aula)

  • REVISÃO MATEMÁTICA (2aulas)

  • PLANIMETRIA (10 aulas)

  • NOÇÕES DE APARELHOS EM TOPOGRAFIA (1 aula prática)

  • GEODÉSIA (3 aulas)

  • ALTIMETRIA (7 aulas)

  • CARTOGRAFIA (2 aulas)

  • PLANIALTIMETRIA (2aulas)

  • LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (1 aula prática)

  • NAVSTAR / GPS (1 aula)

  • REPRESENTAÇÃO TOPOGRÁFICA EM CAD (1 aula prática)

Geodésia: conceito

Geodésia: conceito Geodésia é a ciência que se ocupa da forma, das dimensões e do campo

Geodésia é a ciência que se ocupa da forma, das dimensões e do campo de gravidade da Terra. O IBGE é responsável no País pela manutenção do Sistema Geodésico Brasileiro, formado pelo conjunto de estações cuja posição referencia os diversos projetos de engenharia.

Os objetivos da topografia e da geodésia são similares, tratando ambas

de representar porções da superfície da terra. No entanto, a topografia se ocupa de áreas com dimensões reduzidas, para a implantação de obras de engenharia de pequeno porte. Já a geodésia, parte para o geral, onde os pontos levantados possuem uma referência global.

Recentemente, com o avanço das Geotecnologias

(GPS geodésico, Sensoriamento remoto e SIG’s), tem sido comum o uso de coordenadas UTM (geodésicas) em áreas reduzidas.

Essas coordenadas globais são transformadas em locais (topográficas) e vice-versa, visando a uniformização dos dados.

Geodésia: conceito Geodésia é a ciência que se ocupa da forma, das dimensões e do campo

Geodésia

O maior desafio das geociências, entre elas a topografia e a cartografia, é representar tudo que existe em uma superfície curva (Terra) em uma superfície plana (projeção horizontal ).

Geodésia O maior desafio das geociências, entre elas a topografia e a cartografia, é representar tudo
Importância do estudo da Geodésia em topografia:
Importância do estudo da Geodésia em topografia:

Levantamentos topográficos com dimensões superiores a 25-30 km devem considerar a curvatura do planeta para as suas representações. Exemplo: Os efeitos da curvatura da Terra na medição de distâncias:

Geodésia O maior desafio das geociências, entre elas a topografia e a cartografia, é representar tudo

Geodésia: formato da terra

Geodésia: formato da terra Aristóteles: primeiros argumentos para uma Terra Esférica (384 a.C. ) Eratóstenes: determinou

Aristóteles: primeiros argumentos para uma Terra Esférica (384 a.C.)

Eratóstenes: determinou geometricamente a circunferência do planeta terra com precisão incrível até para os dias de hoje (250 a.C.)

Geodésia: formato da terra Aristóteles: primeiros argumentos para uma Terra Esférica (384 a.C. ) Eratóstenes: determinou

Colombo: que conhecia as idéias dos gregos, mas não era muito bom em geometria, calculou o caminho mais longo para se chegar às Índias e acabou descobrindo a América no meio do caminho (1492).

Geodésia: formato da terra Aristóteles: primeiros argumentos para uma Terra Esférica (384 a.C. ) Eratóstenes: determinou
Geodésia: formato da terra Aristóteles: primeiros argumentos para uma Terra Esférica (384 a.C. ) Eratóstenes: determinou

Geodésia: formato da terra

Geodésia: formato da terra Isaac Newton (1642-1727) considerou a forma da Terra como uma figura geométrica

Isaac Newton (1642-1727) considerou a forma da Terra como uma figura

geométrica gerada pela rotação de uma elipse em torno do eixo menor, chamada elipsoide de revolução.

Geodésia: formato da terra Isaac Newton (1642-1727) considerou a forma da Terra como uma figura geométrica

Entretanto, a superfície do planeta é irregular, configurando uma geóide.

Johann Friedrich Gauss (1777-1855)
Johann Friedrich Gauss (1777-1855)

definiu a superfície geoidal como uma superfície equivalente ao campo de gravidade que coincide com o nível médio não perturbado dos mares.

Geodésia: formato da terra Isaac Newton (1642-1727) considerou a forma da Terra como uma figura geométrica

Geodésia: formato da terra

Pela dificuldade do ajuste de um modelo

(equação) para o geóide e para simplificar os cálculos geodésicos adotou-se um modelo próximo do geóide na forma e no tamanho, chamado elipsóide de referência. Em geral, cada país ou região adotou um tipo de elipsoide que mais se adequasse ao geóide.

Geodésia: formato da terra Pela dificuldade do ajuste de um modelo (equação) para o geóide e
Geodésia: formato da terra Pela dificuldade do ajuste de um modelo (equação) para o geóide e
Geodésia: formato da terra Pela dificuldade do ajuste de um modelo (equação) para o geóide e

Sistema geodésico: a forma e o tamanho de um elipsoide, bem como, sua posição relativa

ao geóide definem um sistema geodésico

Geodésia: formato da terra Pela dificuldade do ajuste de um modelo (equação) para o geóide e

Datum Geodésico: marcos topográficos precisos que servem como referencial para os

levantamentos a serem realizados em uma

região do planeta. São pontos coincidentes entre o geóide e a elipsóide local.

Geodésia: formato da terra Pela dificuldade do ajuste de um modelo (equação) para o geóide e

Geodésia: Sistema geodésico de referência

Geodésia: Sistema geodésico de referência O IBGE define o SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO – SGB como um

O IBGE define o SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO SGB como um sistema coordenado, utilizado para representar características geométricas ou físicas do território nacional. Na prática, serve para a obtenção de coordenadas (latitude e longitude), que possibilitam a localização em mapas de qualquer elemento da superfície do país”

Geodésia: Sistema geodésico de referência O IBGE define o SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO – SGB como um
Geodésia: Sistema geodésico de referência O IBGE define o SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO – SGB como um

O SGB utiliza desde o final dos anos 80, a tecnologia NAVSTAR/GPS, uma evolução dos métodos de posicionamento até então usados, e é

composto pelas redes planimétrica, altimétrica e gravimétrica de pontos



Até 1979: o SGB utilizou o Datum Córrego Alegre para a elipsóide Hayford (internacional).

 
Geodésia: Sistema geodésico de referência O IBGE define o SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO – SGB como um

Após 1979: utilizou o Datum SAD-69 para a elipsóide GRS 1967.

À partir de 25/02/2005: o Brasil adotou o Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas - SIRGAS 2000 como o novo sistema de referencia geodésico para o SGB. Utiliza a Elipsóide GRS 80.

Geodésia: Sistema geodésico brasileiro atual

Geodésia: Sistema geodésico brasileiro atual SIRGAS-2000 (Sistema de referência Geocêntrico para as Américas).  Sua orientação

SIRGAS-2000 (Sistema de referência Geocêntrico para as Américas).

  • Sua orientação é geocêntrica, ou seja, adota um referencial calculado no centro da terra (geóide) e não mais na superfície (DATUM).

  • Eliminou muitos dos problemas de discrepância entre as coordenadas lidas pelo sistema GPS e aquelas encontradas nos mapas mais antigos que utilizavam os sistemas anteriores de referência.

  • IBGE disponibiliza softwares gratuitos para conversão p/ o SIRGAS.

Geodésia: Sistema geodésico brasileiro atual SIRGAS-2000 (Sistema de referência Geocêntrico para as Américas).  Sua orientação

Geodésia: Sistemas de coordenadas

Em planimetria, vimos a representação de pontos em um sistema cartesiano. Para localizar um ponto nesse sistema, utilizamos dois eixos

perpendiculares (x,y), que se relacionavam entre

si, indicando o ponto desejado.

Para representar pontos na elipsoide, utilizamos também o sistema cartesiano, só que curvilíneo (paralelos e meridianos), no qual, acrescentamos uma terceira coordenada (z) denominada altitude.

Geodésia: Sistemas de coordenadas Em planimetria, vimos a representação de pontos em um sistema cartesiano. Para
Geodésia: Sistemas de coordenadas Em planimetria, vimos a representação de pontos em um sistema cartesiano. Para

O sistema de coordenadas geográficas é montado a partir de uma esfera em três dimensões, onde graus de latitude e longitude são utilizados para medir posições no mundo real. A unidade de medida é o grau e dele derivam minutos e os segundos (1º=60’=3 600’’).

Geodésia: Coordenadas geográficas globais

Cada ponto da superfície terrestre está situado na interseção entre um meridiano (longitude) e um paralelo (latitude). O sistema possui duas

Geodésia: Coordenadas geográficas globais Cada ponto da superfície terrestre está situado na interseção entre um meridiano

linhas de referência: paralelo do Equador e Meridiano de Greenwich.

As medidas são feitas em linhas curvas nos paralelos e meridianos,

Geodésia: Coordenadas geográficas globais Cada ponto da superfície terrestre está situado na interseção entre um meridiano

Geodésia: Coordenadas geográficas globais

Geodésia: Coordenadas geográficas globais Latitude global : distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os

Latitude global: distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os

paralelos da esfera tendo a sua referência no paralelo do Equador (valor zero). Partindo-se dessa referência, em direção aos Polos Norte e

Sul (até 90º positivos ou negativos), sendo que os circulos diminuem progressivamente

Geodésia: Coordenadas geográficas globais Latitude global : distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os
Geodésia: Coordenadas geográficas globais Latitude global : distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os

Longitude global: distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os meridianos da esfera, tendo a sua referência (valor zero) no meridiano de Greenwich. Partindo-se dessa referência na direção Leste ou Oeste por180° atinge-se o antimeridiano

Geodésia: Coordenadas geográficas globais Latitude global : distância angular (graus, minutos e segundos) medida sobre os

Geodésia Sistemas de projeção cartográfica

Geodésia – Sistemas de projeção cartográfica Imagine a seguinte experiência : se desenharmos na superfície de

Imagine a seguinte experiência: se desenharmos na superfície de uma bola de borracha e em seguida a cortarmos longitudinalmente

(polo a polo), esticando-a em uma mesa. Ocorrerá que fatalmente o desenho que fizemos se deformará de maneira mais intensa nas extremidades e sofrerá uma distorção menor em seu centro.

Geodésia – Sistemas de projeção cartográfica Imagine a seguinte experiência : se desenharmos na superfície de

Sistemas de projeção: tentam solucionar problema semelhante na representação de áreas extensas do planeta. Para tanto, recorrem a representação das superfícies em figuras geométricas similares à

esfera. Entre elas, as mais utilizadas são: o cone, o cilindro e o plano.

Geodésia – Sistemas de projeção cartográfica Imagine a seguinte experiência : se desenharmos na superfície de

Geodésia Exemplos gráficos de projeções

Geodésia – Exemplos gráficos de projeções
Geodésia – Exemplos gráficos de projeções
Geodésia – Exemplos gráficos de projeções
Geodésia – Exemplos gráficos de projeções

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM Sistema UTM: projeção cilíndrica, cônica, criada em 1950

Sistema UTM: projeção cilíndrica, cônica, criada em 1950 nos EUA, que abrange todas longitudes. Para tornar isso possível, cria um fracionamento em 60 “fusos” ou zonas de longitude e “faixas” de 8º de latitude à partir do Equador. O sistema UTM é adotado no SGB.

O sistema cilíndrico transverso de projeções UTM é utilizado somente entre as latitudes 84ºN e 80ºS porque as deformações que ele cria nas regiões polares são extremamente grandes. A diferença de 4º entre latitudes N e S se deve à diferença de achatamento entre o hemisfério Norte e o Hemisfério Sul.

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM Sistema UTM: projeção cilíndrica, cônica, criada em 1950

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM

Em uma adaptação militar do sistema UTM, as faixas são definidas

por letras de C, a partir de 80°S, até X, que termina em 84°N. Os fusos são numerados de 1 até 60.

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM Em uma adaptação militar do sistema UTM, as

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM

  • A cada um dos 60 fusos do sistema UTM (6º cada) é associado um sistema cartesiano com escala métrica, no formato (E, N).

  • Para se evitar coordenadas negativas, atribui-se à origem do sistema (interseção da linha do Equador com o meridiano central do fuso) as coordenadas 500.000m para contagem de coordenadas ao longo do Equador , e 10.000m para contagem ao longo do meridiano central.

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM  A cada um dos 60 fusos do

Embora usada no mundo todo, a projeção UTM tem seus problemas. O

maior deles é que se

precisarmos mapear uma região que no sentido leste-oeste é maior que

6º, a projeção UTM não

pode mais ser utilizada.

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM

Território brasileiro dividido em fusos do sistema UTM
Território brasileiro dividido em fusos do sistema UTM

Exemplo:

A entrada da Faculdade (face

Júlio de Mesquita) localiza-se

na coordenada UTM:

23 K (364.825E ; 7.351.318N)

onde: Fuso = 23 Faixa de latitude = K

Geodésia: Projeção Universal Transversa de Mercator - UTM Território brasileiro dividido em fusos do sistema UTM
ESTRUTURA DO CURSO
ESTRUTURA DO CURSO
  • INTRODUÇÃO (1aula)

  • REVISÃO MATEMÁTICA (2aulas)

  • PLANIMETRIA (10 aulas)

  • NOÇÕES DE APARELHOS EM TOPOGRAFIA (1 aula prática)

  • GEODÉSIA (3 aulas)

  • ALTIMETRIA (7 aulas)

  • CARTOGRAFIA (2 aulas)

  • PLANIALTIMETRIA (2aulas)

  • LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (1 aula prática)

  • NAVSTAR / GPS (1 aula)

  • REPRESENTAÇÃO TOPOGRÁFICA EM CAD (1 aula prática)

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

  • Até aqui aprendemos que partindo do seno e cosseno do ângulo “rumo” e da distância horizontal (DH) podemos calcular projeções nos eixos x,y para os pontos de uma poligonal (longitudes e latitudes parciais).

  • Aprendemos também, que as coordenadas UTM são estabelecidas em metros, ou seja, são relacionadas à terra como se ela fosse plana (são trabalhadas por setores chamados fusos), Assim, todo par de ordenadas (E,N) necessita da informação do fuso e da faixa.

Exemplo: fuso 23 faixa K (320.371 E; 7.354,042 N)

* Coordenada obtida com aparelhos GPS (comuns no mercado).

Agora faremos o caminho inverso, calculando o Rumo, o azimute e a

distância horizontal (DH) dos pontos de uma poligonal à partir de coordenadas parciais (referência aleatória definida pelo topografo) ou coordenadas globais (UTM).

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais

Pelo triângulo retângulo:

Tangente R = Cateto oposto / Cateto adjacente

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais Pelo triângulo retângulo: Tangente R =

Outra forma de escrever :

Tan R = (E1-E0) / (N1-N0); Ou ainda: Tan R = ∆E / ∆N

Para saber qual ângulo R (rumo) corresponde a relação ∆E / ∆N, utiliza-se a função inversa da tangente = Tan -1

Exemplo:

Se P0 = (0, 0)

e

P1 = (3, 3)

Então: ∆E = (3 - 0)

e

∆N = (3 - 0)

Rumo = Tan -1 .

(3 / 3)

Rumo = 45º

P/ calcular a Distância (DH) entre os pontos, utiliza-se o Teorema de Pitágoras:

DH 01 =

(∆N) 2 + (∆E) 2 ;

Para o exemplo anterior temos:

DH 01 =

9 + 9

DH 01 =

4,24

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais
Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais

Cálculos entre os pontos 1 2:

As coordenadas dos pontos são: Ponto 1 = (E1,N1); Ponto 2 = (E2,N2), então:

∆N = (N2 N1) como N2 > N1 ∆N positivo (+);

∆E = (E2 E1) como

E2 > E1

∆E

positivo (+);

∆N = positivo(+) e ∆E = positivo (+) Rumo no primeiro quadrante (NE)

Azimute (12) = Rumo

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais Cálculos entre os pontos 1 

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

Cálculos entre os pontos 2 3:

As coordenadas dos pontos são: Ponto 2 = (E2,N2); Ponto 3 = (E3,N3), então:

∆N = (N3 N2) como N3 < N2 ∆N negativo (-);

∆E = (E3 E2) como

E3 > E2

∆E

positivo (+);

∆N = negativo (-) ∆E = positivo (+) Rumo no segundo quadrante (SE)

Azimute (23) = 180º - Rumo (SE)

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas Cálculos entre os pontos 2  3:

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

Cálculos entre os pontos 3 4:

As coordenadas dos pontos são: Ponto 3 = (E3,N3); Ponto 4 = (E4,N4), então:

∆N = (N4 N3) como N4 < N3 ∆N negativo (-);

∆E = (E4 E3) como

E4 < E3

∆E

negativo (-);

∆N = negativo(-) ∆E = negativo(-) Rumo no terceiro quadrante (SW)

Azimute (34) = 180º + Rumo (SW)

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas Cálculos entre os pontos 3  4:

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

Cálculos entre os pontos 4 1

As coordenadas dos pontos são: Ponto 4 = (E4,N4); Ponto 1 = (E1,N1), então:

∆N = (N1 N4) como N1 > N4 ∆N positivo (+); ∆E = (E1 E4) como E1 < E4 ∆E negativo (-); ∆N = positivo(+) ∆E = negativo (-) Rumo no quarto quadrante (NW) Azimute (12) = 360º - Rumo (NW)

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas Cálculos entre os pontos 4  1

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais

Quadro síntese:

Cálculos de ângulos e distâncias à partir de coordenadas parciais Quadro síntese:

Exemplo de aplicação: Cálculo de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

Calcule a DH, o ângulo rumo e o azimute entre 2 pontos, dados ∆E e ∆N:

Pontos 1-2 Solução :

DH (12)

=

(∆E = 15;

∆N = 20) :

√ (E) 2 + (∆N) 2 = 25m

Para o ângulo rumo (R):

R = Tan -1 ∆E / ∆N = 36º 52’11” Como ∆E (+) e ∆N (+) o rumo está no 1ºquadrante (NE) Rumo 12 = 36º 52’ 11” NE

Calcule o rumo, o azimute, contra azimute e a DH entre os seguintes pontos:

A (3000, 4000) e

B (1500, 2345)

Solução:

ΔE = -1500

e

ΔN = -1655

DH (AB)

=

2234 m

Quando ΔE (-) e ΔN(-) o rumo está no terceiro quadrante (SW) R (AB) = Tan 1 (1500 / 1655) Tan 1 (0,9063) = 42°11’14’’SW Az (AB) = 180° + 42°11’14 = 222°11’14“ Quando azimute > 180° CAZ = Az - 180° CAZ (AB) = 42°11‘14

Cálculo de área através de coordenadas Método de Gauss Método de Gauss (matemático e físico alemão, 1777-1855):

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Método de Gauss (matemático e físico

Nesse método, a área da poligonal é obtida, colocando-se as coordenadas dos pontos de vértice na forma de uma matriz (E sobre N), repetindo-se a primeira coordenada na coluna final da matriz. Em seguida multiplica-se na diagonal, a linha superior com a linha inferior, a multiplicação da diagonal a direita (em preto) é positiva e da esquerda (vermelha) é negativa. Executam-se as devidas somas e subtrações e por fim, divide-se o o módulo do resultado obtido por dois para se obter a área da poligonal.

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Método de Gauss (matemático e físico

Exemplo: Dada uma poligonal com vértices representados pelas coordenadas:

ponto 1 = (E1,N1); ponto 2 = (E2,N2); ponto 3 = (E3,N3); ponto 4 = (E4,N4).

Pelo método de Gauss:

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Método de Gauss (matemático e físico

Área =

[(E1 x N2) + (E2 x N3) + (E3 x N4) + (E4 x N1)

Cálculo de área através de coordenadas Método de Gauss

Exemplo: utilizando um polígono de fórmula conhecida para verificação.

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Exemplo : utilizando um polígono de

Área do retângulo (fórmula convencional) = (b x h) = (280x130) = 36.400m Pelo método de Gauss

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Exemplo : utilizando um polígono de

S = [(120x50)+(400x180)+(400x180)+(120x50)] [(400x50)-(400x50)-(120x180)-(120x180)] /2

S = [6000 + 72000 + 72000 + 6000 − 20000 − 20000 − 21600 − 21600] / 2 S = [156000 − 83200] / 2 Área (S) = 36.400m

=

Cálculo de área através de coordenadas Método de Gauss

Exemplo: polígono de fórmula conhecida para verificação.

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Exemplo : polígono de fórmula conhecida

Área do hexágono regular: composto por 6 com base e altura conhecidas :

área do triângulo = 44 x 38.105 / 2 = 838,310 x 6 (nº de triângulos) = 5029,86m

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Exemplo : polígono de fórmula conhecida

S = [204 + 504 + 4309, 03 + 9526, 68 + 7586, 06 + 2104, 412104, 41 1032 1296 4309, 30 3704, 82 1764, 2] / 2

Exercício: Cálculo de ângulos e distâncias à partir de coordenadas

1) Calcule a DH, o ângulo rumo e o azimute entre 2 pontos, dados ∆E e ∆N:

Pontos A-B Solução :

(∆E = -1500; ∆N = -1220)

DH (12) = √ E 2 + ∆N 2 = 1933,49m

Para o ângulo: Rumo = Tan -1 ∆E / ∆N

Rumo = Tan -1 1.22950 = 36º 52’

Como ∆E (-) e ∆N (-) o rumo está no 3ºquadrante R AB = 50º 52’ 38’’ SW Az AB = 230º52’38”

2) Calcule o rumo, o azimute, o contra azimute e a DH entre os pontos:

M1 (160939,7724; 9602501,2466) e M2 (160805,6994; 9602614,0199).

Solução:

ΔN = (9602614,0199 9602501,2466) = 112,773 ΔE = (160805,6994 160939,7724) = 134,073 DH (M1M2) = √(112, 773) 2 + (134, 073) 2 = 30693, 319 = 175,195m

Quando ΔN (+) e ΔE (-) o rumo esta no quarto quadrante, então:

R (M1M2) = Tan1(1,1889) = 49,9317 ° = 49°55'54''NW AZ (M1M2) = 360° 49°55'54“ NW = 310°04'05" CAz (M1M2) = 310°04'05“ – 180° = 130°04'05"

Exercício: Cálculo de ângulos e distâncias à partir de coordenadas de dois pontos

3) Calcule a distância o ângulo rumo e o azimute entre 2 pontos, dadas as coordenadas:

M4 (160960,5455E ; 9602774,4287N) ; M5 (161100,0000E ; 9602576,7025N).

Solução:

ΔE = (161100,0000 160960,5455) = 139,454 ΔN = (9602576,7025 9602774,4287) = 197,726

DH (M4 M5) = √(197,726) 2 + (139,454) 2 = 58542,989 = 241,957m

Quando ΔN (-) e ΔE (+), então o rumo está no segundo quadrante

R (M4M5) SE = Tan 1 (0,70528) = 35,1949 = 35°11'41"SE

Az (M4M5) = 180° 35°11'41"SE = 144°48'19"

Exercício: Cálculo de ângulos e distâncias à partir de coordenadas de dois pontos

4) Calcule a distância o ângulo rumo e o azimute entre 2 pontos, dadas as coordenadas:

M3 (160800,0000 ; 9602700,000) e M4 (160960,5455 ; 9602774,4287).

Solução:

ΔE = (160960,5455 - 160800,0000) = 160,5455 ΔN = (9602774,4287 - 9602700,000) = 74,428

Distancia M3 M4 = √(74, 428) 2 + (160, 5455) 2 = √ 31314, 385 = 176,959m

Quando ΔN (+) e ΔE (+) o rumo esta no primeiro quadrante, entao:

R (M3 M4) = Tan 1 (160, 5455 / 74, 428) Tan -1 (2,157) = 65,1278°

= 65°07'40"NE

Az (M3M4) = R (M3M4) NE = 65°07'40"

Exercício: Cálculo de ângulos e distâncias à partir de coordenadas de dois pontos

5) Calcule a DH, o ângulo rumo e o azimute entre 2 pontos, dadas as coordenadas:

M5 (161100.0000; 9602576,7025) e M1 (160939,7724; 9602501,2466)

Solução ΔE = (160939,7724 -161100,0000) = -160,227 ΔN = (9602501,2466 - 9602576,7025) = -75,456 DH (M5M1) = √(160, 227) 2 + (75, 456) 2 = 31366, 299 = 177,11m

Quando ΔE (-) e ΔN (-) o rumo esta no terceiro quadrante. R (M5M1)= Tan 1 (160, 227 / 75, 456) Tan 1 (2,123) = 64,7828° = 64°46'57"SW

AZ (M5M1) = 180° + 64°46'57" SW = 244°46'57"

Exercício calculo de ângulos à partir de Coordenadas

6) Calcule o rumo, o azimute, o contra azimute e a distância horizontal entre os seguintes pontos:

(2344,286E, 11388,453N) e D (2010,833E, 1101,402N)

Solução:

ΔE = (2.010,833 - 2.344,286) =

-333,45

ΔN = (1.101,402 - 11.388,453) = -10.287,05 Distância (CD) = 10.292,45m Quando ΔE (-) e ΔN(-) o rumo está no terceiro quadrante

R (CD) = Tan 1 (−333,45 /−10.287,05) Tan 1 (0,032) =

1°51’23’’SW

AZ (CD) = 180° + 1°51‘23"SW = 181°51’23“

Quando azimute > 180° CAZ = Az - 180° CAZ (CD) = 1°51’23“

Exercício calculo de ângulos à partir de Coordenadas

7) Calcule o rumo, o azimute, o contra azimute e a distância horizontal entre os seguintes pontos:

E (2344,200E, 1138,000N) e F (2010,000E, 2201,990N) Solução:

ΔE = (2.010 - 2.344,200) = -334,20 ΔN = (2.201,990 - 1.138,000) = 1.063,99 Distância (CD) = 1.115,24m Quando ΔE (-) e ΔN(+) o rumo está no quarto quadrante

R (EF) = Tan 1 (−334,20 /1.063,99) Tan 1 (-0,314) =

17°25’56’’NW

AZ (EF) = 360° - 17°25’56“ = 342°34’04“ Quando azimute > 180° CAZ = Az - 180° CAZ (EF) = 162°34‘04“

Exercício: Cálculo de área através de coordenadas Método de Gauss

Exercício: Calcule a área do polígono abaixo pelo método de Gauss

Exercício: Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Exercício: Calcule a área do

Cálculo de área através de coordenadas Método de Gauss

Resolução: Calcule a área do polígono abaixo pelo método de Gauss.

Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Resolução: Calcule a área do polígono
Cálculo de área através de coordenadas – Método de Gauss Resolução: Calcule a área do polígono

S = (7.726.316.871.000) (7.726.316.967.000) / 2 = 48.000m 2 ou 4,8 ha.