Você está na página 1de 1

RESUMO DO XXV SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPA - 2014: ISSN 2176-1213.

ALTERAÇÕES NA ESTABILOMETRIA DE PACIENTES HEMIPLÉGICOS ATENDIDOS EM SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE.

Nathalya Ingrid Cardoso do NASCIMENTO (Bolsista PIBIC/UFPA) - nathalyaingrid.fisio@gmail.com Curso de Fisioterapia, Laboratório de Estudos da Motricidade Humana, Instituto de Ciências da Saúde. Profa. Dra. Bianca CALLEGARI (Orientador) - callegaribi@uol.com.br Curso de Fisioterapia, Laboratório de Estudos da Motricidade Humana, Instituto de Ciências da Saúde.

O acidente vascular encefálico (AVE) é uma das principais doenças cerebrovasculares que levam a

grandes incapacidades funcionais, dentre elas o desequilíbrio postural. A estabilometria é um novo

recurso tecnológico capaz de avaliar quantitativamente o equilíbrio do paciente, detectando todos os movimentos oscilatórios no momento da avaliação. Então, avaliou-se o equilíbrio de vinte e quatro pacientes hemiplégicos, de ambos os sexos, com média das idades de 54 anos, antes e após um protocolo de atendimento de reabilitação pelo sistema único de saúde (SUS), quantificou-se e comparou-se antes e depois da intervenção fisioterapêutica os parâmetros de estabilometria: desvio

X, desvio Y, velocidade média, superfície de elipse, COP distância e a curva de densidade de Sway

(MP, MD, MT). Realizou-se três coletas onde cada sujeito se posicionou com os dois pés sobre a plataforma e permaneceu na posição anatômica de referência, com os pés unidos e braços pendendo relaxados ao longo do corpo, com olhar fixo em um ponto fixado na parede na altura dos olhos. O tempo de aquisição dos dados para cada coleta foi de 60 segundos, alguns casos reduzidos para 40 segundos devido a dificuldade no exame. Os sujeitos foram avaliados somente de olhos abertos, pois proporcionava maior segurança ao paciente. Entre uma coleta e a seguinte o paciente sentava por um minuto para descanso. Os resultados foram analisados pelo Biostatic 5.0. Para amostras paramétricas utilizou-se o Test t Student e para não paramétricas Wilcoxon Test, considerando o nível de significância p≤0,05. Verificou-se que nenhum dos parâmetros analisados obteve diferença estatisticamente significante, ou seja, não houve melhora no equilíbrio dos pacientes. Sugere-se o aumento do número de sessões fisioterapêuticas e a continuidade do tratamento. Mudanças no SUS trariam benefícios duradouros para o paciente e o SUS, pois desta forma o paciente terá uma alta efetiva e não alta melhorada.

Palavras-chave: Estabilometria, Hemiplegia, Equilíbrio.

Titulo do projeto do orientador: IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DO MOVIMENTO PARA PACIENTES HEMIPLÉGICOS DO SUS

Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento no CNPq. Grande-área: Ciências da Saúde Área: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Sub-área: sem registro (CNPq)