Você está na página 1de 3

Imunoglobulinas quantitativas

(nefelometria)
Informações
Riscos Resultados Figuras
gerais

Como é realizado o exame:

Adultos ou crianças:
O sangue é colhido de ume veia (punção venosa), geralmente da prega do cotovelo
ou dorso da mão. O local da punção é limpo com anti-séptico e um torniquete (uma
tira elástica), ou um aparelho utilizado para medir a pressão sangüínea, é colocado
ao redor do braço para comprimi-lo e restringir o fluxo de sangue através da veia.
Isso faz com que a porção da veia abaixo do torniquete se distenda (se encha de
sangue). Uma agulha é introduzida na veia e o sangue coletado em um tubo
vedado ou seringa. Durante o procedimento, o torniquete é removido para
restaurar a circulação. Quando o sangue tiver sido coletado, a agulha é removida e
o local da punção coberto para evitar qualquer sangramento.

Bebês ou crianças mais novas:


A área é lavada com anti-séptico e puncionada com uma agulha fina ou lanceta. O
sangue pode ser coletado em uma pipeta (tubo de vidro pequeno), sobre uma
lâmina, em uma tira de exame ou em um pequeno frasco. Será colocado algodão
ou um curativo sobre o sítio de punção, se persistir o sangramento.

A nefelometria é uma técnica de laboratório para se obter uma medição rápida e


precisa das quantidades de imunoglobulinas IgM, IgG e IgA. Essa técnica utiliza um
instrumento especializado para medir o movimento de partículas em uma solução
(turbidez), provocado pela interação das imunoglobulinas no soro com a
antiimunoglobulina que foi adicionada ao soro.

Como se preparar para o exame:

Faça jejum por 4 horas antes do exame.

Bebês e crianças:
A preparação física e psicológica para este ou qualquer outro exame depende da
idade da criança, seus interesses, experiência anterior e nível de confiança. Para
obter informações específicas sobre como preparar a criança, consulte os tópicos
abaixo, obedecendo aos critérios de idade correspondentes:

• preparação de bebês para o exame ou procedimento (abaixo de 1 ano de


idade)
• preparação de crianças aprendendo a andar para o exame ou procedimento
(1 a 3 anos)
• preparação de crianças em idade pré-escolar para o exame ou procedimento
(3 a 6 anos)
• preparação de crianças em idade escolar para o exame ou procedimento
(6 a 12 anos)
• preparação de adolescentes para o exame ou procedimento
(12 a 18 anos)

O que se sente durante o exame:


Quando a agulha é inserida para a obtenção de sangue, algumas pessoas sentem
dor moderada, enquanto outras sentem apenas uma picada ou ferroada. Após a
coleta, o local poderá latejar.

Motivos pelos quais o exame é realizado:

O exame oferece uma medição rápida e precisa das quantidades de


imunoglobulinas M, G e A. (A imunoglobulina D não tem nenhum significado clínico
conhecido e a IgE deve ser medida por técnicas mais sensíveis, como o
radioimunoensaio ou o imunoensaio ligado à enzima).

Figuras

Exame de sangue

Quais são os riscos:

• sangramento excessivo
• desmaio ou sensação de tontura
• hematoma (acúmulo de sangue sob a pele)
• infecção (risco muito pequeno toda vez que a pele for lesada)
• múltiplas punções para localizar as veias

Considerações especiais:

A nefelometria determina somente a quantidade total de cada imunoglobulina, mas


não pode distinguir anticorpos monoclonais (como o fazem a imunoeletroforese ou
a imunofixação).

As veias e as artérias variam de tamanho de um paciente para outro e de um lado


do corpo para outro. A obtenção de uma amostra de sangue em certas pessoas
pode ser mais difícil do que em outras.

Valores normais:

• IgG: 950 a 1450 mg/dl


• IgM: 75 a 175 mg/dl
• IgA: 160 a 260 mg/dl

OBS.: mg/dl = miligramas por decilitro

O que significam os resultados anormais:

Níveis aumentados de IgG podem indicar:


• infecção crônica
• hiperimunização
• mieloma múltiplo por IgG
• doença hepática
• artrite reumatóide
• febre reumática
• sarcoidose
• desnutrição grave

Níveis de IgG diminuídos podem indicar:

• agamaglobulinemia (muito rara)


• amiloidose
• leucemia
• pré-eclâmpsia

Níveis de IgM aumentados podem indicar:

• brucelose
• infecções fúngicas
• mononucleose infecciosa
• linfossarcoma
• macroglobulinemia
• malária
• artrite reumatóide

Níveis diminuídos de IgM podem indicar:

• agamaglobulinemia (muito rara)


• amiloidose
• leucemia
• hiperplasia linfóide

Níveis de IgA aumentados podem indicar:

• infecções crônicas, especialmente envolvendo o trato gastrointestinal


• doença inflamatória do intestino
• febre reumática

Níveis de IgA diminuídos podem indicar:

• agamaglobulinemia (muito rara)


• enteropatia perdedora de proteína
• deficiência hereditária de IgA (1 em cada 700 pessoas