Você está na página 1de 59

Direito Constitucional p/AFRFB

Profa. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

Estratégia
C O N C U R S O S ^

AULA 11: DIREITO CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO
1- Reforma e mutação constitucional
2- Lista de Questões e Gabarito

PÁGINA
1 - 45
46 - 59

Reforma e Mutação Constitucional
1- Reforma Constitucional:
1.1 - Introdução:
O Poder Constituinte Originário, quando elabora uma nova Constituição, busca
refletir os dogmas e valores sociais em voga naquele momento. Mas a
sociedade evolui, criando a necessidade de que o texto constitucional a
acom panhe, sob pena de não mais refletir a realidade e se tornar uma mera
"folha de papel".
A necessidade de modificação do texto constitucional tem origem, portanto, na
evolução da sociedade. Ao alterar-se o texto constitucional, o objetivo é
garantir-lhe mais efetividade, compatibilizando-o com a realidade social.
Nesse sentido, não seria razoável deixar a Constituição engessada, sem
possibilidades de modificações.
É por isso que, segundo o Prof. Gilmar Mendes, "aceita-se, então, que a
Constituição seja alterada, justam ente com a finalidade de regenerá-la,
conservá-la na sua essência, eliminando as normas que não mais se justificam
política, social e juridicamente, aditando outras que revitalizem o texto, para
que possa cumprir mais adequadamente a função de conformação da
sociedade."1
Também seria ilógico pensar que qualquer mudança no texto constitucional
exigisse nova manifestação do Poder Constituinte Originário. Este
somente deve ser chamado diante de uma ruptura da ordem política vigente,
com o objetivo de instaurar uma nova ordem jurídica e, porque não dizer, fundar
um novo Estado. Nesse sentido, é comum que o próprio Poder Constituinte
Originário preveja a possibilidade de alteração da Lei Fundamental pelo Poder
Constituinte Derivado.
A Constituição Federal de 1988 é do tipo rígida, o que significa
que mudanças de seu texto exigem um processo mais
dificultoso do que o de elaboração das demais normas. Isso
porque o constituinte entendeu que nossa Carta não poderia
ser imodificável - uma vez que, com a necessidade de
1MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso
de Direito Constitucional, 6a edição. Editora Saraiva, São Paulo, 2011. pp. 134
Prof. Nádia Carolina

www.estrategiaconcursos.com.br

1 de 59

Direito Constitucional p/AFRFB
Profa. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

Estratégia
C O N C U R S O S ^

adaptação às evoluções sociais, seria, inevitavelmente
substituída por outra -, mas também não poderia ter suas
normas vulneráveis a caprichos momentâneos ou de grupos
que ocasionalmente assumam o poder.
Da rigidez constitucional decorre o p r in c íp io da s u p re m a c ia
da C o n s titu iç ã o , que determina que a Constituição ocupe o
topo da hierarquia do ordenamento jurídico, servindo como
parâmetro de validade para todas as demais normas. Assim,
todas as demais normas - leis, decretos e outras - só têm
validade quando obedecem às regras impostas pela Carta
Magna.________________________________________________
O Poder Constituinte Originário previu 2 (d o is) p ro c e d im e n to s de
m o d ific a ç ã o fo rm a l da Constituição: i) e m e n d a c o n s titu c io n a l e ; ii)
re v is ã o c o n s t it u c io n a l. Ambos estão previstos diretamente na Constituição
Federal e constituem manifestação do Poder Constituinte Derivado. A doutrina
majoritária considera que a reforma constitucional é gênero, do qual são
espécies a emenda e a revisão constitucional. Assim, pode-se dizer que o p o d e r
d e re fo rm a in c lu i o p o d e r de e m e n d a e o p o d e r d e r e v is ã o . 2
É importante ressaltar que esses dois procedimentos (emenda e revisão), por
serem realizados pelo Poder Constituinte Derivado, d e v e m o b e d iê n c ia às
re g ra s
im p o s ta s
p e lo
Poder
C o n s titu in te
O r ig in á r io . Qualquer
desobediência formal ou material a essas regras resulta na inconstitucionalidade
da mudança feita à Carta da República. Relembre-se de que o Poder Constituinte
Derivado é jurídico e há autores que chegam, inclusive, a dizer que ele nem
deveria ser considerado um poder "constituinte", mas sim um Poder Constituído.
Existe ainda um p ro c e s s o in fo rm a l de modificação da Constituição, o qual é
chamado pela doutrina de m u ta ç ã o c o n s t it u c io n a l. A mutação constitucional
é obra do P o d e r C o n s titu in te D ifu s o .

1.2- E m en da C o n s titu c io n a l:
Atualmente, a única possibilidade de alteração formal da Constituição é
mediante emenda constitucional. A proposta de emenda constitucional é
d is c u tid a e v o ta d a em ca d a Casa d o C o n g re s s o N a c io n a l, em d o is t u r n o s ,
considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, trê s q u in to s dos votos dos
respectivos membros. Trata-se de procedimento mais dificultoso do que o de
elaboração das leis, donde se conclui que nossa Constituição é do tipo r íg id a .
As emendas constitucionais po d em s e r e la b o ra d a s a q u a lq u e r t e m p o ; em
outras palavras, o Poder Constituinte Derivado poderá se manifestar a qualquer
2SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo, 35a edição. Ed. Malheiros,
São Paulo, 2012, pp. 62
Prof. Nádia Carolina

www.estrategiaconcursos.com.br

2 de 59

Direito Constitucional p/AFRFB
Profa. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

Estratégia
C O N C U R S O S ^

momento, alterando a Constituição. Basta que sejam observados os limites
constitucionais ao poder de reforma.
A aprovação das emendas constitucionais é feita em sessão bicam eral, ou
seja, cada uma das Casas do Congresso Nacional atuará separadamente na
discussão e votação dessa espécie normativa. Como consequência, as emendas
constitucionais são promulgadas pelas Mesas da Câmara dos Deputados e
do Senado Federal.

EMENDA
CONSTITUCIONAL

Pelo principio da simetria, o procedimento de emenda constitucional, previsto
no art. 60, CF/88, é de reprodução obrigatória nas Constituições Estaduais.
Segundo o STF, o procedimento de modificação das Constituições estaduais deve
ter exatamente a mesma rigidez do procedimento exigido para alteração da
Carta Magna. Nesse sentido, considerou inconstitucionais dispositivos que
exigiam aprovação de emendas por 4/5 (quatro quintos) dos membros da
Assembleia Legislativa.3

PROCEDIMENTO ÁRDUO, MAIS DIFICULTOSO QUE
O DE ELABORAÇÃO DAS LEIS

PROCEDIMENTO PERMANENTE, PODENDO SER
REALIZADO A QUALQUER TEMPO

OBSERVÂNCIA OBRIGATÓRIA PELOS ESTADOSMEMBROS

1.3 - Revisão Constitucional:
A revisão constitucional é outro procedimento de modificação formal da
Constituição estabelecido pelo Poder Constituinte Originário, devendo, portanto,
obedecer rigorosamente aos parâmetros por ele estabelecidos.
O procedimento de revisão constitucional está previsto no art. 3° do Ato das
Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT):

Art. 3° - A revisão constitucional será realizada após cinco anos,
contados da promulgação da Constituição, pelo voto da maioria
absoluta dos membros do Congresso Nacional, em sessão
unicameral.

3ADI-MC 1.722, rel. Min. Marco Aurélio, 10.12. 1997.
Prof. Nádia Carolina

www.estrategiaconcursos.com.br

3 de 59

Estratégia
rC nO NN rC i Ui RR Ss O
n Ss

Direito Constitucional p/AFRFB
Profa. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

w

O Poder Constituinte Originário, conforme é possível verificar, previu que a
revisão constitucional ocorreria 5 (cinco) anos após a promulgação da
CF/88, ou seja, em 1993. Nesse mesmo ano, estava prevista a realização de
plebiscito destinado a escolher a forma de governo (Monarquia ou República)
e o sistema de governo (Presidencialismo ou Parlamentarismo) a ser adotado
pelo Brasil. O objetivo do Poder Constituinte Originário, ao impor a revisão
constitucional em 1993, era, portanto, permitir ampla modificação do texto
constitucional caso fosse necessário adequá-lo a uma Monarquia ou a um
sistema parlamentarista.
O resultado do plebiscito, todavia, foi pela manutenção de uma República
presidencialista, o que fez com que a revisão constitucional perdesse boa parte
da sua relevância. Alguns autores chegaram, inclusive, a dizer que a revisão
constitucional tornou-se desnecessária com o resultado do plebiscito.
A revisão constitucional constituiu-se em procedimento destinado à alteração
global e geral do texto constitucional, por meio de formalidades mais
simples do que as exigidas, como veremos a seguir, pela reforma
constitucional. Em decorrência dessa previsão constitucional, em 1993/1994
foram aprovadas seis emendas constitucionais de revisão.
Na revisão constitucional, o procedimento de alteração da Constituição era mais
sim ples. As emendas constitucionais de revisão eram aprovadas em turno
único de votação, por maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional.
Além disso, para realizar a revisão constitucional, o Congresso Nacional reuniase em sessão unicam eral. Uma observação: na sessão unicameral, a discussão
e a deliberação se fazem em conjunto, envolvendo os congressistas de ambas
as Casas Legislativas. Câmara e Senado se unem e se comportam como se
fossem uma única Casa Legislativa.
Como se tratou de sessão unicam eral, a promulgação das emendas
constitucionais de revisão foi feita pela Mesa do Congresso Nacional.
Relembre-se que as emendas constitucionais, por serem aprovadas em sessão
bicameral, são promulgadas pela Mesa da Câmara dos Deputados e do Senado
Federal.
O procedimento de revisão constitucional é único. A Carta Magna autorizou a
realização de apenas um procedimento de revisão constitucional, 5 (cinco)
anos após a sua promulgação. Considerando-se que o prazo para sua realização
já está encerrado, qualquer mudança formal da Constituição hoje em dia
somente pode se dar por meio de emenda constitucional (art. 60, CF/88).
Está claro para todos que a CF/88 não permite que, hoje, seja realizada nova
revisão constitucional. Mas será que emenda constitucional pode prever a
realização de um novo procedimento simplificado de revisão?
Segundo a doutrina majoritária, a resposta é negativa. Uma emenda
constitucional que pretenda estabelecer novo procedimento de revisão será
inconstitucional e, portanto inválida. Isso ocorrerá porque trata-se de uma
Prof. Nádia Carolina

www.estrategiaconcursos.com.br

4 de 59

Direito Constitucional p/AFRFB
Profa. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale

Estratégia
C O N C U R S O S ^

limitação implícita ao poder de reforma, que visa impedir que seja
subvertida, por completo, a vontade do legislador constituinte originário.
O procedimento de revisão constitucional se submete a limites impostos pela
Carta Magna ao poder de reforma, com destaque para as limitações materiais
e circunstanciais, que estudaremos mais à frente. Por ora, basta termos em
mente que a revisão constitucional se submete aos mesmos limites que o
procedimento de emenda constitucional.

R EV ISÃ O
C O N S TITU C IO N A L

Por fim, o procedimento de revisão constitucional é inaplicável aos Estadosm em bros. Isso porque ele só existiu devido à indefinição da Assembleia
Constituinte quanto à forma de governo (república ou monarquia) e ao sistema
de governo (presidencialismo ou parlamentarismo) a serem adotados pelo
Brasil. Nesse sentido, entende o STF que "ao Poder Legislativo estadual não está
aberta a via de introdução, no cenário jurídico, do instituto da revisão
constitucional".4
PROCEDIMENTO MAIS SIMPLES QUE O DE
REFORMA CONSTITUCIONAL

PROCESSO ÚNICO

TEMPO CERTO E LIMITADO PARA SUA REALIZAÇÃO

PROCESSO SUJEITOS ÀS MESMAS LIMITAÇÕES DA
REFORMA CONSTITUCIONAL

INAPLICABILIDADE AOS ESTADOS-MEMBROS

1.4- Comparação: Emenda Constitucional x Revisão Constitucional:
Veja, a seguir, um pequeno quadro que busca comparar os procedimentos de
emenda e de revisão constitucional.
PROCEDIMENTOS
Revisão constitucional

Emenda constitucional

Maioria absoluta, em sessão
unicameral

Discussão e votação em cada Casa do
Congresso Nacional, em dois turnos,

4ADI-MC 1.722, rel. Ministro Mauco Aurélio, 10. 12. 1997.
Prof. Nádia Carolina

www.estrategiaconcursos.com.br

5 de 59

Presidente da República. por 3/5 dos membros de cada Casa. 60. as quais têm um processo legislativo com certas peculiaridades. . o que não é possível para uma PEC. pode-se afirmar que a iniciativa de emenda constitucional não é facultada aos cidadãos. ou seja.mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação. manifestando-se. no mínimo. esta não se aplica às emendas constitucionais. em ambos. Essa é a posição da Prof. Um Senador ou Deputado pode. O processo legislativo das emendas constitucionais está previsto no art. separadamente 1. . detalhar cada uma das peculiaridades desse processo: a) Iniciativa das emendas constitucionais: A iniciativa é o ato que deflagra o processo legislativo. apresentar projeto de lei.Direito Constitucional p/AFRFB Profa.br 6 de 59 . Embora exista a iniciativa popular para a apresentação de projetos de lei. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ Promulgação pela Mesa do Congresso Nacional com aprovação. Assim. sozinho. a alteração da Carta Magna somente pode ser feita mediante emendas constitucionais. pela maioria relativa de seus membros. a seguir.61. Atualmente. Os legitimados a apresentar uma proposta de emenda constitucional são os seguintes: . Nádia Carolina / Prof. Sessão bicameral. Vamos. cada uma delas.5 -Processo Legislativo das Emendas Constitucionais: A Constituição Federal de 1988 é rígida.com. dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal.estrategiaconcursos. Nádia Carolina www. CF/88. Promulgação pelas duas Casas Legislativas. CF/88) é bem mais amplo do que o dos legitimados a apresentar uma proposta de emenda constitucional. sua modificação depende de um processo legislativo mais dificultoso do que o aplicável à elaboração das leis. É o "pontapé inicial" do processo legislativo e consiste na apresentação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) ao Congresso Nacional.1/3 (um terço). É perceptível que o rol de legitimados para apresentação de projetos de lei (art.

os projetos de lei e até mesmo as emendas constitucionais. Há que se enfatizar. os Municípios não tem legitimidade para ter a iniciativa de emenda constitucional. b) Emendas Parlamentares: As emendas parlamentares são proposições legislativas acessórias que alteram . para nova votação. José Afonso da. Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss w doutrina majoritária.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Vira um verdadeiro "pinguepongue"! © 5SILVA. Por exemplo. Segundo o art. 35a edição.br 7 de 59 . não possuem esse poder. 60. cabe ressaltar que os Municípios não participam em nada do processo legislativo das emendas à Constituição. Chegando ao Senado Federal. que existe uma particularidade importante para as emendas parlamentares às propostas de emendas constitucionais. Nádia Carolina / Prof. poderão iniciar sua tramitação em qualquer uma das Casas Legislativas. Caso sejam apresentadas novas emendas parlamentares na Câmara dos Deputados. em dois turnos. Malheiros. 64 Prof. São Paulo. a PEC terá que retornar à Câmara dos Deputados. Como consequência. ainda que haja opiniões respeitáveis em sentido contrário. em ambos.estrategiaconcursos. a PEC terá que voltar ao Senado. Para projetos de lei. o Presidente da República tem a iniciativa privativa para apresentar projeto de lei sobre regime jurídico dos servidores públicos federais. reconhecendo a iniciativa popular em emendas constitucionais. por sua vez. são apresentadas emendas parlamentares a essa PEC. em dois turnos. a proposta de emenda constitucional será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional. Aliás. Os legitimados a apresentar proposta de emenda constitucional (art. Nádia Carolina www.com. todavia. 60. II e III) poderão fazê-lo qualquer que seja o assunto. têm a prerrogativa de apresentar proposta de emenda constitucional. não há que se falar em iniciativa privativa em razão da m atéria. I. pp. que uma proposta de emenda constitucional (PEC) seja aprovada na Câmara dos Deputados. vale destacar que não há Casa Iniciadora para propostas de emenda constitucional. em outras palavras. Os Municípios. § 2°. Curso de Direito Constitucional Positivo. Por último. Ed. CF/88. existe o que se chama de iniciativa privativa ou reservada. então. 2012. Para as emendas constitucionais. de algum modo. por meio das Assembleias Legislativas. Isso quer dizer que uma emenda constitucional somente será considerada aprovada se as duas Casas Legislativas (Câmara dos Deputados e Senado Federal) obtiverem consenso quanto ao seu texto.5 Os Estados. Nesse sentido. Suponha. considerando-se aprovada se obtiver. três quintos dos votos dos respectivos membros.

c) Deliberação: A deliberação. é o ato decisório por meio do qual se aprova ou se rejeita as propostas de emenda à Constituição ou os projetos de lei. Esse processo ocorre sucessivamente até que a matéria receba integralmente votos favoráveis de. Nádia Carolina www. Isso nos demonstra que o processo legislativo das emendas constitucionais é mais dificultoso do que o processo legislativo das demais espécies normativas. Suponha. pode-se concluir que. que decide suprimir 2 desses artigos. Ao tratar da fase da deliberação. Ricardo Vale w Dessa forma. Trata-se de ato precedido de discussão e estudos. as emendas parlamentares aprovadas em uma das Casas levam à revisão de todo o texto da PEC pela outra Casa Legislativa (e não somente das emendas por ela aprovadas!). No processo de reforma constitucional. consolidou-se no Congresso Nacional uma prática cujo objetivo é evitar que uma PEC retorne à outra Casa Legislativa: a "PECparalela". é importante mencionar a figura da "PECParalela". o novo texto deveria retornar à Câmara dos Deputados. em dois turnos. É importante ressaltar. seja perante as comissões parlamentares. Meras alterações na redação da PEC não implicam em seu retorno à outra Casa Legislativa. Nádia Carolina / Prof. deve haver consenso quanto ao texto entre as duas Casas Legislativas.br 8 de 59 . Para evitar isso. para nova apreciação. A PEC segue para o Senado. somente será necessário caso seja promovida alteração substancial no texto. três quintos (3/5) dos membros de ambas as Casas. exige-se discussão e votação em cada uma das Casas do Congresso Nacional. Caso seja apresentada uma emenda parlamentar em uma das Casas Legislativas que promova alteração substancial no texto. a PEC deverá retornar à outra Casa Legislativa. a proposta de emenda constitucional poderá ser promulgada pelas Mesas da Câmara e do Senado Federal. em dois turnos de votação. ou votação. pelo menos. Conforme já vimos. Em tese. para que uma proposta de emenda constitucional seja aprovada.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. para nova apreciação. o Senado divide a PEC em duas: i) parte em que há consenso entre as Casas Legislativas e. ii) parte em que não há Prof. por três quintos dos votos dos respectivos membros. após sofrer emenda parlamentar. desde que cumpridas todas as demais formalidades. Dessa maneira. por exemplo. caso as modificações do texto não sejam substanciais ou não alterem o seu sentido norm ativo. o que nos permite classificar a CF/88 como rígida. em ambos os turnos. todavia.com. devendo a proposta de emenda constitucional ser aprovada. que a Câmara dos Deputados aprove uma PEC que possui 5 artigos. ou perante o Plenário de cada uma das Casas Legislativas.estrategiaconcursos. Com o passar dos anos. que já decidiu o STF que o retorno de uma PEC para a outra Casa Legislativa.

com o respectivo número de ordem. sem que necessite retornar à Câmara dos Deputados.estrategiaconcursos. Segundo a Corte Suprema '"não precisa ser reapreciada pela Câmara dos Deputados expressão suprimida pelo Senado Federal em texto de projeto que. Min. pode-se concluir que o Presidente da República apenas participará do processo legislativo das emendas constitucionais nos casos em que for dele a iniciativa da proposta de emenda constitucional. Uma vez tendo sido aprovadas pelo Poder Legislativo. Prof. A parte da PEC em que há consenso entre a Câmara dos Deputados e o Senado será prom ulgada.367.Limitações Constitucionais ao Poder de Reform a: 6ADI 3.Direito Constitucional p/AFRFB Profa.com. na redação remanescente. a emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Nádia Carolina / Prof. Rel. 1. por sua vez. Assim. O STF tem reconhecido como legítima a prática da "PEC-paralela". por meio do qual este com o projeto de lei aprovado pelo o ato unilateral do Presidente da discordância com o projeto de lei Diversamente do que acontece no processo legislativo ordinário (elaboração das leis comuns). aprovada de ambas as Casas do Congresso. não perdeu sentido normativo". as propostas de emenda constitucional não se submetem à sanção ou veto do Presidente da República. e) Promulgação e Publicação: Segundo o art. § 3°.04. a promulgação é feita pelo Poder Legislativo (e não pelo Poder Executivo).6. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ consenso. Dessa maneira. O veto. Julgamento em 13. É claro que a supressão dos artigos não poderá levar à perda do sentido normativo do texto remanescente.br 9 de 59 . República.2005. as propostas de emenda constitucional são diretamente promulgadas pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Cezar Peluso. CF/88. Nádia Carolina www. 60.6 d) Sanção e V eto: A sanção é ato unilateral do Presidente da manifesta sua aquiescência (concordância) Poder Legislativo. é República por meio do qual ele manifesta a aprovado pelo Poder Legislativo.

seja em razão de vícios formais ou materiais. § 4°. Decorrem da intenção do Poder Constituinte Originário de estabelecer um núcleo essencial que não poderá ser suprimido por meio de emenda constitucional. iii) limitações circunstanciais. o poder de emenda e o poder de revisão. não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir as seguintes normas: i) forma federativa de Estado. § 4°. detalharemos cada uma dessas limitações ao poder de reforma: a) Limitações m ateriais: As limitações materiais são aquelas que restringem o poder de reforma quanto ao conteúdo. Segundo o art. ii) voto direto. A CF/88 estabelece. como o próprio nome já nos indica. a depender do caso. à matéria. como tal. iv) direitos e garantias individuais. Essas matérias são as chamadas cláusulas pétreas. Prof. está sujeito a limitações impostas pelo Poder Constituinte Originário. estão expressamente previstas no texto constitucional. um núcleo intangível. CF/88. 60. secreto. como já tivemos a oportunidade de dizer. A Constituição estabelece.br 10 de 59 . que está protegido contra investidas do poder de reforma. iii) separação dos Poderes e.estrategiaconcursos.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. A seguir. e iv) limitações temporais. ii) implícitas. em seu art. assim.com. As limitações ao poder de reforma devem ser seguidas à risca pelo Poder Constituinte Derivado. 60. Trata-se de um poder instituído e. As limitações constitucionais ao poder de reforma são de 4 (quatro) tipos diferentes: i) limitações materiais. sob pena de as emendas à Constituição serem declaradas inconstitucionais. Nádia Carolina www. As limitações explícitas. ii) limitações formais. Nádia Carolina / Prof. Ricardo Vale w O poder de reforma constitucional abrange. que certas matérias não poderão ser objeto de emendas constitucionais tendentes a aboli-las. A doutrina divide as limitações materiais ao poder de reforma em dois grupos: i) explícitas ou expressas e. universal e periódico.

emenda constitucional poderá tratar dessas matérias. uma emenda constitucional que estabeleça o voto facultativo não estará violando cláusula pétrea e será plenamente válida. Também já sabemos que direitos e garantias individuais são cláusulas pétreas. não significam a intangibilidade literal da respectiva disciplina na Constituição originária. que o núcleo essencial das cláusulas pétreas seja esvaziado. BRANCO.8 Uma emenda constitucional poderá. Da mesma forma. Gilmar Ferreira. desde que resguardado certo grau de autonomia de cada um deles. Editora Saraiva. 143. Foi o caso. em outras palavras.2003. DJ 14. Sepúlveda Pertence.estrategiaconcursos. pp. Curso de Direito Constitucional. Paulo Gustavo Gonet. Emenda constitucional não pode criar cláusula pétrea.com. 6a edição. conforme já concluímos.047-MC. O que elas não podem é ser objeto de emendas tendentes a aboli-las. também será válida emenda constitucional que amplie direitos e garantias individuais. "as limitações materiais ao poder constituinte de reforma. Isso porque as matérias que constituem cláusulas pétreas expressas no texto constitucional podem ser objeto de emenda constitucional. da EC n° 45/2004. que o novo direito ou 7 MS 23. que introduziu no texto constitucional o direito à razoável duração do processo. se o núcleo essencial das cláusulas pétreas permanecer intocado. 8MENDES. 2011. Segundo o STF. § 4°. Rel. Não se autoriza. Destaque-se. de forma alguma. inclusive."7 Nesse sentido. Min. por exemplo. Nádia Caroiina www. crig r um novo direito ou garantia individual.br 11 de 59 . Prof. Ainda podemos afirmar como sendo plenamente constitucional emenda que transfira competência de um ente federativo para outro.11. que o art.E relevante destacar que a expressão "tendente a abolir" tem importância central no estudo das cláusulas pétreas. portanto. a emenda constitucional será plenamente válida. mas apenas a proteção do núcleo essencial dos princípios e institutos cuja preservação nelas se protege. Mas aí vem a pergunta: uma emenda constitucional poderá criar uma cláusula pétrea? Não. Por outro lado. 60. da Lei Fundamental enumera. apenas o Poder Constituinte Originário tem esse poder.

16) são garantias individuais e.estrategiaconcursos. estão gravados por cláusula pétrea. é inconstitucional qualquer emenda à Constituição que transfira a competência de reformar a Constituição atribuída ao Congresso Nacional (representante do povo) a outro órgão do Estado (ao9 0 1 9CANOTILHO. pois. os quais também devem ser considerados cláusula. 5°. também considerados cláusulas pétreas.Procedimentos de reforma constitucional. é inconstitucional qualquer emenda à Constituição que retire tal atribuição do povo. b) e o princípio da anterioridade eleitoral (art. Elementos de direito constitucional. as limitações implícitas " dizem respeito à forma de criação de norma constitucional bem como as que impedem a pura e simples supressão dos dispositivos atinentes à intocabilidade dos temas já elencados (art. J. 150. o STF já teve a oportunidade de dizer que o princípio da anterioridade tributária (art. pelas mesmas razões expressas acima. 1993. M. Analisemos. Caso isso ocorresse. portanto.Estratégia Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Por esse motivo. Ricardo Vale C O N C U R S O S ^ garantia individual (criado pela emenda constitucional) não pode ser considerado uma cláusula pétrea. No que se refere à titularidade do poder constituinte derivado. como se viu. No estudo das cláusulas pétreas. Direito Constitucional. as limitações implícitas ao poder de reforma. Segundo o STF. Gomes. Há. C F)". que asseguram a efetividade das cláusulas pétreas expressas. estaria sendo violado o devido processo legislativo constitucional. Prof. 10TEMER. também é fundamental entender o alcance da expressão " não será objeto de deliberação". .. Sabe-se que a titularidade do Poder Constituinte Originário é do povo: somente a ele cabe decidir a conveniência e a oportunidade de se elaborar uma nova Constituição.9 Nas palavras de Michel Temer. Seguindo essa linha. há diversos outros direitos e garantias individuais espalhados pelo texto constitucional. refere-se à titularidade do Poder Constituinte Originário. cada uma dessas limitações. Nádia Carolina / Prof. p. 145. outorgando-a a qualquer órgão constituído. qualquer proposta de emenda tendente a abolir cláusula pétrea não poderá sequer ser objeto de deliberação no Congresso Nacional.com. ainda. § 4o. Nádia Carolina www. 19aed. da CF/88. 60. Eles não estão arrolados apenas no art.10 A doutrina aponta as seguintes limitações implícitas ao poder de reforma: . III.br 12 de 59 .___ Deve-se ter especial cuidado aos " direitos e garantias individuais".Titularidade do Poder Constituinte Derivado. A primeira delas. J. . São limites tácitos.Titularidade do Poder Constituinte Originário.

60. repita-se mais uma vez: esse procedimento de dupla revisão não é admitido no Brasil. não seria válida emenda constitucional que criasse novas cláusulas pétreas.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Esse artifício. como tal. Nesse hipotético cenário. mais difícil do que aquele de elaboração das leis. para fazer com que o voto universal deixasse de ser uma cláusula pétrea. por exemplo. bem como o de emenda constitucional (CF. Para facilitar nossa análise. 60. § 4°. b) Limitações formais: As limitações formais ao processo de reforma à Constituição se devem à rigidez constitucional. consistiria em alterar. Ricardo Vale Presidente da República. por exemplo. são limitações materiais implícitas. 3°). Nádia Carolina www. art. Nádia Carolina / Prof. não se adm ite. Elas estão previstas no art. art. A competência outorgada ao Congresso para reformar o texto constitucional foi atribuída pelo Poder Constituinte Originário. que uma emenda constitucional incidisse sobre o art. outra emenda constitucional poderia abolir normas antes gravadas pela cláusula pétrea. com o intuito de suprimir ou restringir uma das cláusulas pétreas. cabendo unicamente a esse poder fazer qualquer alteração quanto a esse aspecto.estrategiaconcursos. Da mesma forma. a CF/88 é do tipo rígida e. 3° e 5°. vejamos o quadro a seguir: Prof. 60). uma nova emenda constitucional estabeleceria o voto censitário. o art. o procedimento de revisão constitucional (ADCT. I ao III. mediante emenda constitucional. portanto. a "dupla revisão". No Brasil. defendido por parte da doutrina. Por fim. e §§ 2°. seria possível. Como você se lembra. emenda à Constituição que estabelecesse novo quórum para a aprovação de emendas constitucionais.br 13 de 59 . 60. por exemplo). exige um processo especial para modificação do seu texto. num segundo momento. § 4°. Mas quais são as limitações formais? Vimos algumas delas quando tratamos do processo legislativo das emendas constitucionais. Seria flagrantemente inconstitucional. em seguida. depois.com. Todavia.

Ausência de iniciativa reservada: diferentemente do que ocorre no processo legislativo das leis.br 14 de 59 . Os legitimados para apresentar proposta de emenda constitucional são as seguintes: . arrolados no art. não há previsão para que o cidadão apresente proposta de emenda à Constituição Federal.A primeira limitação formal à reforma da Constituição se refere à iniciativa. destacamos as seguintes outras . pela maioria relativa de seus membros. Ainda no que diz características: respeito à iniciativa. Esse número. como se pode perceber.estrategiaconcursos. .Ausência de iniciativa popular: ao contrário do que ocorre no processo legislativo das leis. Qualquer dos legitimados pode apresentar proposta de emenda constitucional sobre todas as matérias não vedadas pela Carta Magna. no mínimo. ou seja.com. . manifestando-se. Nádia Carolina www.Presidente da República. . Prof. não há iniciativa reservada à emenda constitucional. Os incisos I a III do art. dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal. quem poderá apresentar uma proposta de emenda constitucional (PEC) perante o Congresso Nacional. 60 estabelecem os legitimados no processo legislativo de reforma da Constituição. 61 da Constituição. cada uma delas.1/3 (um terço). é bem menor que o de legitimados no processo legislativo de elaboração das leis.mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da federação.

60. diferentemente do que ocorre no procedimento legislativo ordinário (referente às leis). a proposta de emenda à Constituição não se submete a sanção ou veto do Chefe do Poder Executivo. para que ela faça sua apreciação integral. ela o aprecia como novo. . § 2° da CF/88. Prof. O texto final é aprovado quando a matéria recebe votos favoráveis de.Ausência de previsão. De acordo com o art. Nesse ponto. determina que a emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Em caso de alterações substanciais. de Casa iniciadora obrigatória. Esse dispositivo estabelece. O art. pela Constituição. Nádia Carolina / Prof. igualmente modificá-lo livremente. art. votação e aprovação da proposta de emenda constitucional. . por meio das Assembleias Legislativas (CF. que não participam do processo de reforma à Constituição por não terem representantes no Congresso nacional.Diferentemente do que ocorre no projeto de lei. § 3°. 60. com o respectivo número de ordem.br 15 de 59 . pelo menos. Nádia Carolina www. o texto retorna à primeira Casa. 3/5 dos membros de ambas as Casas (Senado Federal e Câmara dos Deputados).Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. podendo alterá-lo livremente. A segunda Casa Legislativa. em dois turnos de votação. a proposta de emenda constitucional será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional. Ricardo Vale .Ao contrário do que ocorre no processo legislativo das leis. A terceira limitação formal ao poder de reforma diz respeito à prom ulgação. em dois turnos. A segunda limitação formal à reforma da Constituição diz respeito à discussão. II I). Ao contrário disso.com. considerando-se aprovada se obtiver. A discussão e a votação de proposta de emenda à Constituição podem ser iniciadas tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado Federal.Participação dos Estados e do Distrito Federal. não revisa o texto aprovado pela Casa em que foi apresentada a emenda. podendo. três quintos dos votos dos respectivos membros. diferenças importantes no que se refere ao processo legislativo das leis: .Ausência de Casa "revisora". . portanto. . o Presidente da República não dispõe de competência para promulgação de uma emenda à Constituição. em ambos. 60.estrategiaconcursos. diferenciam-se dos Municípios. quanto das discussões e deliberações sobre a mesma.Ausência de participação dos Municípios. Esses entes federados não dispõem de iniciativa de proposta de emenda constitucional nem participam das discussões e votações da mesma. Isso porque o Senado Federal representa os Estados e o Distrito Federal. Esses entes da Federação participam tanto na apresentação de proposta de emenda constitucional.

Em suma: a irrepetibilidade de proposta de emenda constitucional rejeitada ou havida por prejudicada é absoluta. Assim. distinta daquela das leis (EC n° 1. c) Limitações circunstanciais: Essas limitações impedem a reforma da Constituição em situação de instabilidade política do Estado.com. Segundo esse dispositivo. EC n° 3 e assim sucessivamente). já a irrepetibilidade de projeto de lei rejeitado é relativa. a Constituição não poderá ser reform ada. "a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa ". as propostas de emenda à Constituição poderão ser apresentadas. nesses períodos. que trata do princípio da irrepetibilidade. desde que mediante proposta da maioria absoluta dos membros de qualquer das Casas do Congresso Nacional (CF. d) Limitações temporais: Segundo a doutrina majoritária. na mesma sessão legislativa. Nádia Carolina / Prof. discutidas e votadas.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Prof. O que não se permite é a promulgação de emendas constitucionais. estado de defesa e intervenção federal (CF. Trata-se de mais uma distinção em relação ao processo legislativo das leis.A numeração das emendas à Constituição segue ordem própria. CF/88. Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w . Assim. Destaca-se que.br 16 de 59 . uma proposta de emenda constitucional rejeitada ou havida por prejudicada somente poderá ser objeto de nova proposta em uma próxima sessão legislativa. O objetivo é garantir a independência do Poder Constituinte Derivado. art. Estas consistiriam no estabelecimento de um lapso temporal dentro do qual a Constituição seria imodificável. art. a Constituição Federal de 1988 não possui limitações temporais ao poder de reforma. 60.estrategiaconcursos. Nádia Carolina www. § 5°. 67). Isso porque a matéria constante de projeto de lei rejeitado poderá constituir objeto de novo projeto. A quarta e última limitação formal ao poder de reforma está prevista no art. A Carta da República instituiu três circunstâncias excepcionais que impedem a modificação do seu texto: estado de sítio. EC n° 2. 60. § 1o). diante de certas situações excepcionais e de anormalidade institucional.

sendo realizado perante o Supremo Tribunal Federal. 103. Será material quando houver ofensa a cláusula pétrea. a decisão do Poder Judiciário somente alcançará as partes do processo (eficácia "inter partes"). sob pena de inconstitucionalidade. Nádia Carolina www. a Constituição de 1824 (Constituição do Império) estabeleceu um limite temporal ao poder de reforma: seu texto somente poderia ser modificado após 4 anos de sua vigência. a decisão do STF tem eficácia contra todos. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade: I . esta poderá ser questionada perante o Poder Judiciário tanto na via incidental (caso concreto submetido à apreciação do Judiciário) quanto na via abstrata (mediante impugnação da norma "em tese").com. Por outro lado. Não é objetivo dessa aula estudar a fundo o controle de constitucionalidade. 1. 103 da Carta Magna. para que você "mate sua curiosidade" de saber quem são os legitimados a propor o controle de constitucionalidade em abstrato da emenda constitucional. portanto. Nádia Carolina / Prof. a iniciativa poderá ser de qualquer pessoa prejudicada pelos termos da emenda constitucional. Na via incidental. IV .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. perante qualquer juiz ou tribunal do País. da CF/88. Já quando o controle se der pela via abstrata.estrategiaconcursos. A inconstitucionalidade pode ser material ou form al. Nesse caso. que os arrola de maneira exaustiva: Art. Cabe. caso se vislumbre ofensa a algum dos dispositivos do art. controle de constitucionalidade dos atos de reforma constitucional em caso de desrespeito às limitações estabelecidas pelo art. será formal quando desobedecer as formalidades estabelecidas pela Constituição para a elaboração da emenda constitucional. 60 da Constituição Federal.O Controle Judicial do processo de reforma constitucional: Como vimos. reproduzo o art.a Mesa da Câmara dos Deputados.br 17 de 59 . Nesse caso. 103.a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Prof. Entretanto.o Presidente da República. o processo de reforma constitucional deve obedecer a todos os limites impostos pelo Poder Constituinte Originário. II . expurgando a norma inconstitucional do ordenamento jurídico (eficácia "erga omnes"). III . Com a promulgação da emenda constitucional. Ricardo Vale Exemplificando.7.a Mesa do Senado Federal. 60 da CF/88. a iniciativa caberá apenas a um dos legitimados arrolados no art. ferindo limitações de conteúdo estabelecidas pelo legislador constituinte originário.

CF/88. ainda. a instauração desse procedimento de controle de constitucionalidade somente pode ser dar pela ação de um congressista.br 18 de 59 .o Governador de Estado ou do Distrito Federal. o controle de constitucional em tramitação seguintes requisitos: Prof. dispõe que proposta de emenda constitucional (PEC) tendente a abolir cláusula pétrea não poderá sequer ser objeto de deliberação.estrategiaconcursos. Nádia Carolina constitucionalidade de processo de emenda no Congresso Nacional deverá obedecer aos www. § 4°. considera-se que é controle judicial preventivo de constitucionalidade. VII . por perda de objeto. Nádia Carolina / Prof. terceiros (não-congressistas) jamais poderiam instaurar esse procedimento de controle de PEC em tramitação. 60. Não haverá mais apreciação do mandado de segurança pelo STF. Como já se sabe. Entretanto. Por esse motivo. Com base nessa lógica.com. A ação cabível para tanto é o mandado de segurança.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. É em razão disso que se admite o controle de constitucionalidade de PEC em tramitação no Congresso Nacional. a possibilidade de que seja realizado o controle de constitucionalidade de proposta de emenda constitucional em tramitação no Congresso Nacional. IX . os atos emanados dos órgãos do Congresso Nacional. Em virtude de ser um controle realizado sobre norma que ainda não está em vigor. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ Distrito Federal. caso a emenda constitucional seja promulgada antes do julgamento do mandado de segurança. uma vez que o processo legislativo que era seu objeto não mais existe. VI . de suas Casas e de suas Comissões.confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. originariamente. V . o art. uma PEC em tramitação que tenda a abolir cláusula pétrea estará violando o devido processo legislativo constitucional. visto que compete à Corte Suprema apreciar. VIII . O mandado de segurança deverá será ajuizado perante o STF. uma vez que se visa a proteção do direito líquido e certo do congressista de ver respeitado o devido processo legislativo constitucional.o Procurador-Geral da República. Há. a ação restará prejudicada.partido político com representação no Congresso Nacional. Segundo o STF. Em resumo.o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

ou. Prof. em um determinado contexto. que recebe esse nome porque não se sabe bem como e quando iniciou-se o processo de alteração da Constituição por ele promovida.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. por determinação judicial". permitindo com que as Constituições acompanhem as mudanças sociais e não fiquem incompatíveis com a realidade. O art.147. 146 . Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w 2. A mutação constitucional decorre da evolução dos costumes e valores da sociedade. conforme já pudemos constatar. Salvador: 2012. mas o seu sentido ser completamente m odificado. 5°. Juspodium. íntegro.Mutação Constitucional: A mutação constitucional é um processo informal de alteração da Constituição. 11 A mutação constitucional é obra do denominado Poder Constituinte Difuso. XI. Mas então como funciona a mutação constitucional? Para compreendê-la perfeitamente. Manual de Direito Constitucional. Nathalia. é interessante que visualizemos um exem plo. estendendo-se a: i) qualquer compartimento habitado. a mutação constitucional não produz qualquer alteração textual na Carta M agna. ii) qualquer aposento ocupado de habitação coletiva. p. "a mutação constitucional é um processo informai de alteração de sentidos. durante o dia. o texto da norma é apenas a "ponta do iceberg". é importante termos em mente que uma norma jurídica não é apenas o seu texto.12 O Poder Constituinte Difuso é um poder derivado e cuja manifestação. Ed. . 263-264. Salvador: 2013. 12 MASSON.br 19 de 59 . Ed. Dirley da.estrategiaconcursos. Nas palavras de Dirley da Cunha Jr. se dá de maneira não escrita. Para usar uma metáfora bastante difundida. dispõe que "a casa é asilo inviolável do indivíduo. salvo em caso de flagrante delito ou desastre. o conceito de casa estava limitado à residência do indivíduo. 6a edição. Nádia Carolina www. Para ficar mais claro como funciona a mutação constitucional. É em razão disso que o texto constitucional pode ser mantido intacto. uma norma jurídica é o texto e a interpretação que se faz dele. Nádia Carolina / Prof. 11 CUNHA JÚNIOR.com. atualizar e manter a Constituição em contínua interação com a sua realidade social". a jurisprudência do STF evoluiu e. que promove alterações no texto da Constituição. significados e alcance dos enunciados normativos contidos no texto constitucional através de uma interpretação constitucional que se destina a adaptar. Curso de Direito Constitucional. entende que o conceito de "casa" revela-se abrangente. ou para prestar socorro. CF/88. atualmente. Juspodium. O texto da Constituição permanece intacto. ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador. Ao contrário do poder de reforma. pp. Durante um bom tempo. Com o passar dos anos.

Curso de Direito Constitucional Contemporâneo.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 158. Um exemplo de prática política reiterada que passou a ser amplamente admitida pela doutrina e jurisprudência é a possibilidade de que Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) determine a quebra de sigilo bancário. Ed. 14BARROSO. confere-se um sentido diverso daquele anteriormente dado à norma constitucional. Nádia Carolina www. Min. a mutação constitucional ocorrer de três formas diferentes: i) por interpretação judicial ou administrativo. São Paulo: 2011. Saraiva. 3a edição. julgamento em 10-6-2008. Ed. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo. a interpretação anteriormente dada à norma constitucional é modificada por um ato normativo primário. Saraiva. tais como conceitos jurídicos indeterminados e princípios. Em outras palavras. substitui-se uma interpretação antiga por uma nova. o guardião da Constituição. 15BARROSO. Prof. quanto mais dificultosas as exigências para a reforma constitucional. pelo STF. onde alguém exerce profissão ou atividade pessoal. Luís Roberto. na mutação por via de costum e. São Paulo: 2011. telefônico e fiscal.050. devido à evolução e mudança da realidade social. 3a edição. A mutação.estrategiaconcursos. via controle de constitucionalidade. maior a frequência das mutações constitucionais como meio de adaptação da Carta Magna às exigências sociais. É justamente por isso que a mutação constitucional também é chamada de interpretação constitucional evolutiva. que podem modificar o sentido das normas de acordo com a realidade de cada época. Outro fator que favorece a ocorrência desse fenômeno é o caráter abstrato e aberto de grande parte dos dispositivos constitucionais. Luís Roberto Barroso. ii) por atuação do legislador e. então. o que implica uma mudança na forma de se depreender a Constituição. iii) por via de costum e. Finalmente. Celso de Mello. pp. Na segunda forma de mutação (por atuação do legislador).13 Nas Constituições rígidas.br 20 de 59 . 149-161. poderá ser analisada. este sofre modificações em sua expressão. Rel. Nádia Carolina / Prof. Segundo o Prof.15 HORA DE raticar! 13HC 93. DJE de 1°8-2008. Segunda Turma.com.14 Na primeira forma de mutação (por interpretação). pp. Ricardo Vale e iii) qualquer compartimento privado não aberto ao público. Luís Roberto. A mutação constitucional pela via da interpretação é possível devido à presença de inúmeros enunciados abertos no texto da Constituição. por deixar um grande espaço de atuação aos intérpretes do Texto Maior.

Prof. Questão incorreta. 4.2H04) Os direitos individuais estão garantidos contra o poder de emenda. mas não contra o poder de revisão constitucional. 3o. possibilita ao poder constituinte derivado a alteração do texto constitucional. 2. 3o. 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias o quórum de aprovação da maioria absoluta dos votos dos membros do Congresso Nacional.2007) A revisão constitucional prevista por uma Assembleia Nacional Constituinte. separadamente. Comentários: Pelo contrário! No procedimento de revisão constitucional. (ESAF/Procurador . Nádia Carolina www. (ESAF/Procurador .estrategiaconcursos.2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art. Comentários: A aprovação das emendas constitucionais de revisão se dá por maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional. com menor rigor formal e sem as limitações expressas e implícitas originalmente definidas no texto constitucional. 3. (ESAF / SEFAZ-CE .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Questão incorreta. em sessão unicameral (art. (ESAF/Procurador-DF . Assim. 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias o quórum de aprovação de três quintos dos votos dos parlamentares de cada Casa do Congresso Nacional. Questão incorreta. Ricardo Vale 1. Comentários: É exatamente o que determina o art. ADCT). 3° do ADCT. o Congresso Nacional se reuniu em sessão unicameral (art.com. 5.DF .br 21 de 59 . em sessão unicameral. os direitos individuais estão garantidos tanto contra o poder de emenda quanto contra o poder de revisão constitucional. (ESAF /Procurador . 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias a sessão bicameral.DF/2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art. Nádia Carolina / Prof. Comentários: A revisão constitucional está sujeita às mesmas limitações da emenda. ADCT). Questão correta. O quórum de aprovação das emendas constitucionais de revisão era de maioria absoluta dos votos.DF/2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art.

denominado tradicionalmente por "cláusulas pétreas". o Poder Legislativo não pode regular por meio de lei.estrategiaconcursos. (ESAF / AFT .1998) Segundo orientação do Supremo Tribunal Federal. Comentários: Quase caí. Questão incorreta.2010) As limitações expressas circunstanciais formam um núcleo intangível da Constituição Federal. Comentários: O STF entende que o procedimento de revisão constitucional é inaplicável aos Estados-membros. e você? São as limitações expressas materiais.br 22 de 59 . Nádia Carolina / Prof.com. (ESAF / Procurador da Fazenda . Questão incorreta. Nádia Carolina www. as 9. Comentários: É isso mesmo! A doutrina considera que existem tanto limitações expressas quanto implícitas ao poder de reforma da Constituição.2010) De acordo com a doutrina constitucionalista. por ser autoaplicável. tal como previsto no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal. quando comparada ao procedimento de reforma da Constituição. (ESAF / AFT . que constituem as cláusulas pétreas. (ESAF / AFRF . c) Matéria que somente pode ser objeto de emenda constitucional. as limitações expressas e as implícitas. a Constituição Federal traz duas grandes espécies de limitações ao Poder de reformá-la. O erro do enunciado é que a revisão está sujeita a todas as limitações expressas e implícitas definidas no texto constitucional para o procedimento de emenda. Questão correta.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 6. no momento em que redige a sua própria constituição (a constituição estadual). a) Conjunto de princípios constitucionais que regula o exercício da autonomia do Estado-membro. e não circunstanciais. b) Norma da Constituição Federal que. De fato. Prof. Questão incorreta. o Estado-membro pode adotar modelo de revisão constitucional simplificado. 7.2002) Assinale a opção que melhor se ajusta ao conceito de cláusula pétrea. a revisão constitucional apresenta menor rigor formal. 8. Ricardo Vale Comentários: A primeira parte do enunciado está correta.

da Constituição Federal. Questão incorreta. 60. VII. CF).br 23 de 59 . (ESAF / TRT 7a Região . IV. Comentários: Nada disso! A Constituição prevê.2001) Denominam-se princípios constitucionais sensíveis as normas estatuídas pelo poder constituinte originário insuscetíveis de proposta de abolição pelo poder constituinte de reforma. (ESAF / Banco Central . por serem considerados cláusulas pétreas.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Nádia Carolina www. § 4°.estrategiaconcursos. somente podem ser abolidos ou modificados por meio de emenda à Constituição. 60.2005) Os direitos individuais fundamentais. (ESAF / SEFAZ-MG . Os princípios constitucionais sensíveis são os previstos no art. Nádia Carolina / Prof. (ESAF / MPU . CF).2003) Todo e qualquer dispositivo da Constituição pode ser objeto de alteração ou supressão por meio de emenda à Constituição. qualquer norma da Constituição pode ser revogada. e) Norma da Constituição que depende de desenvolvimento legislativo para produzir todos os seus efeitos. § 4°. Questão incorreta.com. 12. Ricardo Vale d) Princípio ou norma da Constituição que não pode ser objeto de emenda constitucional tendente a aboli-lo. 60. Comentários: As cláusulas pétreas estão previstas no art. Trata-se das chamadas cláusulas pétreas (art. constituindo matérias que não podem ser abolidas por meio de emenda constitucional.2004) Por meio de emenda à Constituição. 13. que algumas normas são insuscetíveis de revogação mediante emenda. da Constituição Federal. 34. Trata-se das chamadas cláusulas pétreas (art. 10. como dissemos. Comentários: O enunciado traz o conceito de cláusulas pétreas. Comentários: Algumas normas constitucionais não podem ser objeto de supressão ou emendas tendentes a aboli-las. Questão incorreta. A letra D é o gabarito. Comentários: Prof. e não de princípios constitucionais sensíveis. IV. 11. § 4°.

Questão incorreta.2003) Enquanto a União estiver realizando intervenção federal em qualquer Estado-membro da Federação. Prof. 17. 14. Comentários: A Constituição não poderá ser emendada durante a intervenção federal (art. 60. haver deliberação de proposta de emenda à Constituição. a durante a execução da Comentários: A Constituição não poderá ser emendada durante o estado de sítio (art. (ESAF / SEFAZ-CE . Guarde esse entendimento da ESAF: nessas situações.2000) Somente em caso de urgência e relevância.estrategiaconcursos. Nádia Carolina / Prof. CF).Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. estado de defesa ou estado de sítio. Questão incorreta. IV. suspensão das imunidades parlamentares medida. que rendeu muita discussão. (ESAF / AFRF . na vigência de intervenção federal. 18. Comentários: A proibição de promulgação de emenda se dá durante a vigência de qualquer das limitações circunstanciais ao poder de reforma: estado de sítio. por serem considerados cláusulas pétreas. 60.com. O que não poderá haver é a promulgação da emenda. sim. na época do concurso. não podem sofrer emendas constitucionais tendentes a abolilos (art. é possível emendar a Constituição durante a vigência de intervenção federal. a Constituição não pode ser emendada. 60. § 1o. Questão incorreta. Ricardo Vale É o contrário! Os direitos individuais fundamentais. intervenção federal ou estado de defesa. CF). § 1o. 2006) A aprovação de sítio só é possível se os por quórum qualificado. (ESAF / ANEEL . Comentários: Questão bastante complexa. Nádia Carolina www. poderá.br 24 de 59 .2006) A proibição de promulgação de emenda à Constituição durante a vigência do Estado de Defesa não se aplica após a aprovação do decreto de intervenção pelo Congresso Nacional. Questão incorreta. 15. § 4°. (ESAF / AFRF . Questão incorreta. CF). (ESAF/MPOG/ENAP/Administrador emenda constitucional durante o estado de membros do Congresso Nacional rejeitarem. 16.2007) Não poderá ser objeto de deliberação a proposta de emenda à Constituição.

(ESAF / TCE-RN . 22. 23. 20. estado de sítio e intervenção federal. Como vimos.2007) A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal. Não há possibilidade de se emendar a Constituição quando de sua ocorrência. salvo se a emenda for aprovada pela maioria absoluta de seus membros. 21. CF). da Lei Fundamental. Exemplo disso são as cláusulas pétreas (art. formais e circunstanciais. constitucional brasileiro. sim. 19. Questão incorreta. Questão incorreta. Comentários: O erro do enunciado está na palavra "livremente". entretanto.estrategiaconcursos. Comentários: Essas limitações circunstanciais são absolutas.2003) A Constituição não pode ser emendada na vigência de intervenção federal ou estado de sítio.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. o poder de reforma à Constituição apresenta limitações materiais. Nádia Carolina www.1999) A reforma constitucional. previsão de limitações circunstanciais na Carta Magna: estado de defesa. (ESAF / TCE-GO .2001) Emenda à Constituição é o instrumento normativo apto para livremente modificar qualquer norma da Constituição Federal.br 25 de 59 . limites materiais à reforma constitucional. Questão correta. Ricardo Vale Comentários: É o que determina o art. 60. (ESAF / TCU . 60. Prof. Nádia Carolina / Prof. de estado de defesa ou de estado de sítio. em nosso ordenamento jurídico. a Constituição de 1988 não conhece limitações temporais ao poder de emenda. (ESAF / CVM . Trata-se de uma limitação circunstancial ao poder de reforma. Comentários: De fato.com. Questão incorreta. § 1°. não conhece limites materiais. (ESAF / TRT 7a Região . § 4°.2000) A Constituição de 1988 não conhece limitações temporais nem circunstanciais ao exercício do poder de emenda da Carta. no sistema Comentários: Existem. Há. Questão incorreta.

Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. (ESAF / TCU .com. na mesma legislatura. 24.2004) O texto constitucional brasileiro não poderá ser emendado durante a vigência de intervenção federal. Questão incorreta. uma vez que a matéria não se enquadra entre as hipóteses que constituem as cláusulas pétreas estabelecidas pelo constituinte originário. no caso brasileiro. se tiver o apoiamento de três quintos dos membros de qualquer das Casas. 26. Prof. Comentários: Mesmo que a proposta de emenda à Constituição tenha se dado antes da decretação da intervenção. salvo se a emenda à Constituição tiver sido proposta antes da decretação da intervenção. 60. Nádia Carolina / Prof. Comentários: Trata-se. (ESAF / MRE . 60. a vedação à alteração do processo legislativo das emendas constitucionais é uma limitação implícita ao poder de reforma. pelo poder constituinte derivado. § 1°. Comentários: De jeito nenhum! Reza a Constituição que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art. a emenda não poderá ser promulgada nessa circunstância (art. não poderá ser reapresentada na mesma legislatura. Comentários: Segundo a doutrina majoritária. de acordo com a doutrina.2002) Se uma proposta de emenda for rejeitada.estrategiaconcursos. § 5o. Questão correta. Questão incorreta. de uma limitação implícita ao poder de reforma da Constituição.2006) Segundo a doutrina majoritária. (ESAF / AFRF . (ESAF / TCU .br 26 de 59 .2006) A matéria constante de proposta de emenda à Constituição rejeitada só poderá ser objeto de uma nova proposta. 25. Questão correta. Nádia Carolina www. 27. CF). CF). 60. § 1°. (ESAF / AFT . Ricardo Vale Comentários: É o que determina o art. não há vedação à alteração do processo legislativo das emendas constitucionais. da Lei Fundamental.2010) Vários doutrinadores publicistas salientam ser implicitamente irreformável a norma constitucional que prevê as limitações expressas. Questão incorreta. 28.

Os conceitos de sessão legislativa e legislatura não se confundem. (ESAF / TCU . CF). nenhum outro. CF) foi considerado. 5°.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. as cláusulas pétreas protegem direitos e garantias individuais que não integram expressamente o capítulo relativo aos direitos individuais.com. 31. Ricardo Vale Comentários: Reza a Constituição que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art. fora desse mesmo título. (ESAF / PGE-DF . 150. (ESAF / TRT 7a Região .estrategiaconcursos. Há direitos e garantias individuais (considerados cláusulas pétreas) que estão fora do art. Questão incorreta. § 5o. 60. III. Questão correta. pela Corte.2006) Embora nem todos os direitos enumerados no título dos Direitos Fundamentais sejam considerados cláusulas pétreas. (ESAF / PGFN .2004) Os direitos e garantias individuais que representam limite ao poder de reforma não se encontram exclusivamente no art. 32. CF). "a". Questão incorreta.br 27 de 59 . Nádia Carolina www. como é o caso dos princípios da anterioridade tributária e da anterioridade eleitoral. 29.1999) Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Comentários: "Nã-nã-ni-nã-não"! Reza a Constituição que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art. Questão incorreta. 5° da Constituição Federal. § 5o. Comentários: Prof. Exemplo disso é que o princípio da anterioridade tributária (art.2003) A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. 60. cláusula pétrea. Comentários: É esse o entendimento do STF. Nádia Carolina / Prof. constitui limitação material ao poder constituinte de reforma. Comentários: O STF entende que a cláusula pétrea "direitos e garantias individuais" protege direitos e garantias dispersos pela Constituição. e não apenas aqueles enumerados no título dos Direitos Fundamentais. 30.

Questão incorreta. O STF entende que a cláusula pétrea "direitos e garantias individuais" protege direitos e garantias dispersos pela Constituição. cláusula pétrea. (ESAF / AGU . CF) foi considerado. Por isso também são suscetíveis de revogação ou modificação por emenda. Nádia Carolina www. Comentários: Nada disso.estrategiaconcursos. "a". pela Corte. Comentários: Como dissemos. Exemplo disso é que o princípio da anterioridade tributária (art.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. "a".2006) As normas constantes do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias são insuscetíveis de revogação por emenda. Comentários: Nada disso. III. 150. 36. 37. Comentários: Prof.1998) Os direitos e garantias individuais protegidos por cláusula pétrea são somente aqueles elencados no catálogo de direitos individuais. É o caso do princípio da anterioridade tributária. (ESAF / AFRF . mediante o mecanismo de dupla revisão.2000) As normas da Constituição de 1988 dispostas no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias são insuscetíveis de ser revogadas ou emendadas. 35. Os direitos e garantias individuais protegidos por cláusula pétrea também podem estar fora do catálogo de direitos individuais. é esse o entendimento do STF. . 33. (ESAF / PGFN . Questão incorreta.br 28 de 59 . 5° da Constituição. por exemplo (art.2002) Somente os direitos e garantias individuais previstos expressamente no art. as normas do ADCT têm o mesmo "status" das demais normas da Constitucional. CF). Questão incorreta. Por isso. 150. 34. III.2006) Consolidou-se o entendimento de que. (ESAF / PGFN . é viável a superação das cláusulas pétreas entre nós. 5° da Constituição estão protegidos contra emendas à Constituição. Nádia Carolina / Prof. Questão correta. (ESAF / STN . e não apenas aqueles enumerados no art. Questão incorreta. Comentários: As normas do ADCT têm o mesmo "status" das demais normas da Constitucional.com. Ricardo Vale De fato. também são suscetíveis de revogação por emenda.

em seguida.2007) A emenda à Constituição. Questão incorreta. diferentemente do que diz o enunciado. A segunda parte da questão. Questão incorreta. será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. 38. CF). com o respectivo número de ordem (art. Comentários: De fato. e apresenta a mesma hierarquia das normas constitucionais originárias. entretanto.com. Nádia Carolina www. antes.estrategiaconcursos. esse direito seja subtraído da lista expressa das limitações materiais ao poder de emenda à Constituição. § 3°. Entretanto. (ESAF / PGDF . ordenamento jurídico brasileiro.2007) Firmou-se no Brasil o entendimento de que o poder constituinte de reforma pode suprimir um direito protegido como cláusula pétrea. Nádia Carolina / Prof. 60. desde que. é promulgada será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e Prof. bastando que. vedada em nosso 39. Questão incorreta. (ESAF / Banco Central . num primeiro momento. Ricardo Vale Segundo a doutrina majoritária. com o respectivo número de ordem.2007) A emenda à Constituição Federal só ingressa no ordenamento jurídico após a sua promulgação pelo Presidente da República. o mecanismo de dupla revisão é vedado no ordenamento jurídico brasileiro. Questão incorreta. o caso da condenação pelo crime hediondo excepcionado dessa garantia constitucional. prática vedada no 40.br 29 de 59 . o direito à vida seja excluído do rol das cláusulas pétreas. após aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente da República. está correta: a emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Comentários: O enunciado descreve a prática de "dupla ordenamento jurídico. Comentários: O enunciado traz uma hipótese de dupla revisão. revisão". Comentários: No procedimento de reforma à Constituição.2001) É possível a instituição da pena de morte por crimes hediondos. a emenda constitucional apresenta a mesma hierarquia das normas constitucionais originárias. não há sanção do Presidente da República. 41. (ESAF/Auditor-Fiscal/Ceará . sendo. (ESAF / TCE-GO .

em sessão conjunta das duas Casas. § 3o. Questão incorreta.estrategiaconcursos. 45. em sessão conjunta. é esse o entendimento do STF. foi promulgada sem nova apreciação da Casa iniciadora quanto à referida alteração. Questão correta. Comentários: Não há previsão de sanção ou veto do Presidente da República no procedimento de emenda à Constituição.2006) A emenda à Constituição será promulgada pela Mesa do Congresso Nacional. Também não existe sanção ou veto presidencial a emenda constitucional. sem alteração de conteúdo normativo. Nádia Carolina www. Comentários: As emendas constitucionais serão promulgadas pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Prof.2004) Não apresenta vício formal a emenda constitucional que. 43. 60. Questão correta. com o respectivo número de ordem (art. § 3o. a emenda à Constituição será promulgada pela Mesa do Congresso Nacional. 60.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Questão incorreta. Nádia Carolina / Prof. com o respectivo número de ordem.com. CF). (ESAF / PGE-DF . Comentários: O enunciado está perfeito! A promulgação de emenda constitucional compete às Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Questão incorreta. 42. (ESAF / APO/MPOG . tendo recebido modificação não substancial na Casa revisora. (ESAF/Auditor-Fiscal/Ceará . Comentários: Como vimos. 46. não se sujeitando à sanção ou veto presidencial. com o respectivo número de ordem. Ela já poderá ser promulgada.2007) A promulgação de emendas à Constituição Federal compete às Mesas da Câmara e do Senado. Ricardo Vale do Senado Federal. não precisa voltar à outra Casa Legislativa. CF). (ESAF / CVM .2001) O Presidente da República pode vetar a Emenda à Constituição que lhe parecer não ter cumprido requisitos de forma obrigatórios. Uma emenda que sofra modificação meramente redacional (não substancial). 44. com o respectivo número de ordem (art. (ESAF / ANEEL .2005) Se a proposta for aprovada pelo quórum qualificado estabelecido no texto constitucional. Não há que se falar em aprovação pela Mesa do Congresso Nacional.br 30 de 59 .

49. Questão incorreta. 50. Comentários: De fato. (ESAF / EPPGG . com o respectivo número de ordem. a promulgação compete às Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal (e não ao Presidente!). Questão incorreta. (ESAF / AFC . Questão incorreta. (ESAF/2003/TRT 7a Região) A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. 51. CF). Comentários: De jeito nenhum! Dispõe a Carta Magna que a emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.com. 60. 60. § 3o. Nádia Carolina / Prof. Prof. com o respectivo número de ordem (art. Ricardo Vale Comentários: Não é a Mesa do Congresso Nacional que promulga a emenda à Constituição. (ESAF / TCE-RN . 60.2000) A Constituição de 1988 contemplou ao Presidente da República a titularidade para promulgação das emendas constitucionais. Comentários: É o que determina o art. Entretanto. § 3o. § 3o. (ESAF / TCU . mas sim as Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. mas deve ser por ele promulgada e publicada. § 3°.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 47.2000) As emendas à Constituição devem receber a sanção do Presidente da República antes de serem promulgadas.2002) A Emenda Constitucional não está sujeita a sanção ou a veto do Presidente da República. Comentários: Reza a Carta Magna que a emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. com o respectivo número de ordem (art. Questão incorreta. CF).estrategiaconcursos. 48.2000) Incumbe ao Presidente da República promulgar as emendas à Constituição aprovadas pelo Congresso Nacional. Nádia Carolina www. CF). da Constituição da República. a emenda constitucional não se submete a sanção ou a veto do Presidente da República. Questão incorreta. com o respectivo número de ordem (art.br 31 de 59 . 60.

2005) A impossibilidade de a Constituição Federal ser emendada na vigência de estado de defesa se constitui em uma limitação material explícita ao poder constituinte derivado. 52. ou revisão constitucional.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa.2000) Não cabe sanção ou veto do Presidente da República em proposta de Emenda à Constituição. as emendas à Constituição não se submetem a sanção ou veto do Presidente da República. que não existem limitações implícitas ao poder constituinte de reforma. 56. Ricardo Vale Comentários: Como dissemos. Questão correta. Assim. entre nós. Questão incorreta.estrategiaconcursos. tornando-o menos difícil. Questão correta. Comentários: Prof. (ESAF / AFRF . a aprovação de emenda constitucional. Comentários: A doutrina considera que a alteração da titularidade do Poder Constituinte Originário e do Poder Constituinte Derivado é uma limitação material implícita ao poder de reforma. alterando o processo legislativo da própria reforma. Comentários: Pelo contrário! A doutrina majoritária entende que existem limitações implícitas ao poder de reforma. (ESAF / CGU . não seria válida emenda que estabelecesse novo quórum para a aprovação de emendas constitucionais. (ESAF / AFRF . Comentários: Os procedimentos de reforma constitucional não podem ser alterados por meio de emenda constitucional. porque haveria um limite material implícito ao poder constituinte derivado em relação a essa matéria. (ESAF / AFRF . Nádia Carolina / Prof. 54.2003) Segundo a melhor doutrina.com. 53.br 32 de 59 . Questão incorreta. não seria possível. pois trata-se de uma limitação material implícita ao poder de reforma. Comentários: É isso mesmo! O enunciado está perfeito. 55.2005) A impossibilidade de alteração da sua própria titularidade é uma limitação material implícita do poder constituinte derivado. Questão correta. (ESAF/AFCE/TCU/2000) É pacífico. Nádia Carolina www.

estrategiaconcursos. 60. (E S A F / A N E E L . que é um direito individual. d is c u s s ã o ou v o ta ç ã o d e um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e a p ro p o s ta te n h a p o r o b je to a c ria ç ã o d e n o v o s c a s o s d e p ris ã o c iv il p o r d ív id a s .2 0 0 4) A g a ra n tia d o d ir e ito a d q u ir id o n ã o é m a is c o n s id e ra d a e n tre n ó s um d ir e ito fu n d a m e n ta l. IV. CF). cláusula pétrea (art. 58. Nádia Carolina / Prof. § 4o. s e r s u p e ra d a p o r m e io de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . (E S A F / EPPG G .br 33 de 59 . além daqueles previstos pelo constituinte originário. um direito fundamental.2 0 0 5) P o d e s e r o b je to d e e m e n d a c o n s titu c io n a l n o rm a q u e s u p rim a d o te x to c o n s titu c io n a l a g a ra n tia d o d ir e ito a d q u irid o . C o m e n tá rio s: A forma republicana de governo não é cláusula pétrea. co m o p rin c íp io fu n d a m e n ta l d o E sta d o b ra s ile iro . com isso. 60. § 4o. sim. Questão incorreta. e. p o d e n d o . não pode ser objeto de deliberação pelo Congresso Nacional. Prof.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Nádia Carolina www. Questão incorreta. C o m e n tá rio s: A garantia do direito adquirido é. Questão incorreta. (E S A F / A F R F .. cláusula pétrea (art. Proposta de emenda que preveja tal possibilidade. Questão incorreta. portanto. (E S A F / IN S S . a lé m d a q u e le s já p re v is to s p e lo c o n s titu in te o rig in á rio . Ricardo Vale w Trata-se de uma limitação circunstancial. 60. Trata-se de cláusula pétrea (art. não de uma limitação material. Não pode. tem e x p re s s a p ro te ç ã o no te x to c o n s titu c io n a l c o n tra a lte ra ç õ e s p o r p a rte d o p o d e r c o n s titu in te d e riv a d o .com. Questão incorreta. C o m e n tá rio s: A vedação à criação de novos casos de prisão civil por dívidas. 60. 59. CF). sendo. IV.2 0 0 2 ) N ão c o n fig u ra fa to r im p e d itiv o da a p re s e n ta ç ã o . p o r isso .2 0 0 5) A fo rm a re p u b lic a n a d e g o v e rn o . CF). IV. 57. ser superada por meio de emenda à Constituição. C o m e n tá rio s: Não pode ser objeto de emenda norma que suprima o direito adquirido. portanto. é um direito individual. portanto. § 4o.

universal e periódico (art. (E S A F / IN S S . Questão correta. por se tratar de um direito individual. Nádia Carolina / Prof. 60. A vedação constitucional à pena de morte é cláusula pétrea.2 0 0 2 ) N ão c o n fig u ra fa to r im p e d itiv o da a p re s e n ta ç ã o . não pode emenda constitucional instituir a pena de morte para crimes hediondos.2 0 0 4) E m en d a à C o n s titu iç ã o não p o d e a b o lir o d e v e r fu n d a m e n ta l de v o ta r. (E S A F / P G E -D F . p ara c rim e s h e d io n d o s . CF). II). 62. § 4°. C o m e n tá rio s: A vedação constitucional à pena de morte é cláusula pétrea. 65. por se tratar de um direito individual.2 0 0 3) E m en d a à C o n s titu iç ã o não p o d e a d m itir a pena de m o rte para c rim e s h e d io n d o s .2 0 0 2 ) E m en d a à C o n s titu iç ã o p o d e in s t it u ir a pena d e m o rte para c rim e s h e d io n d o s .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Proposta de emenda que preveja tal possibilidade. (E S A F / M RE . 64.2 0 0 2) É in c o n s titu c io n a l a e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e v e n h a a p e rm itir a in s titu iç ã o da pena d e m o rte p ara c rim e s h e d io n d o s . O que não pode ser abolido mediante emenda constitucional é o voto direto.com.br 34 de 59 . não podendo ser suprimida por meio de emenda constitucional. não é mesmo? A vedação constitucional à pena de morte é cláusula pétrea. C o m e n tá rio s: A vedação à pena de banimento é cláusula pétrea (art. Questão incorreta. Questão incorreta. § 4o. (E S A F / STN . C o m e n tá rio s: É isso mesmo.estrategiaconcursos. não pode ser objeto de deliberação pelo Congresso Nacional. 60. 63. Por isso. (E S A F / A F R F . por se tratar de um direito individual. secreto. Prof. C o m e n tá rio s: Já deu para perceber que a ESAF não foi muito criativa. Questão incorreta. Ricardo Vale w 61. IV. Nádia Carolina www. C o m e n tá rio s: O voto obrigatório não é cláusula pétrea. portanto. Questão correta. d is c u s s ã o ou v o ta ç ã o d e um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e a p ro p o s ta te n h a p o r o b je to q u e a p ro p o s ta te n h a p o r o b je to a c ria ç ã o da pena de b a n im e n to .

69. 70. 60. secreto. ao contrário do voto direto. CF). Nádia Carolina www. § 4°. Nádia Carolina / Prof. Questão correta. 60.com. CF).estrategiaconcursos. (ESAF / ANEEL . Por isso. CF). 67. 60.2002) Reza a Constituição que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art.2005) Pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário entre nós. (ESAF / EEPPGG . Prof. Comentários: É o que determina o art. II).2003) Emenda à Constituição não pode estabelecer o voto indireto para a eleição de prefeitos. Questão correta. I. 60. com sistema de governo parlamentarista. § 4o. § 5°. IV. não pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário no Brasil. CF). (ESAF / AFRF .2006) A transformação do Brasil em um Estado unitário. pode ser feita por emenda à Constituição. emenda constitucional não poderá pretender extinguilo. cláusula pétrea (art. 60.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 60. § 5o.2005) Pode ser objeto de emenda constitucional norma que extinga o "habeas corpus" no Brasil.br 35 de 59 . Questão incorreta. Assim. Comentários: É verdade! O voto direto é cláusula pétrea (art. Ricardo Vale w 66. por isso. § 4o. universal e periódico O erro da questão foi desconsiderar a forma federativa de Estado como cláusula pétrea (art. 68. (ESAF / EEPPGG . Comentários: A forma federativa de Estado é cláusula pétrea (art. Questão incorreta. Não pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário no Brasil. Comentários: O "habeas corpus" é uma garantia individual. Trata-se do princípio da irrepetibilidade. (ESAF / AFRF . Questão incorreta. universal e periódico. § 4o. e. o sistema de governo (presidencialismo) não é cláusula pétrea. I. desde que mantido o voto direto. secreto. Comentários: De fato. da Constituição Federal.

Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Prof. a ESAF gosta mesmo dessa questão! A forma federativa de Estado é cláusula pétrea (art. Questão incorreta. 60. (E S A F / A F R F . in te g ra d o p o r re p re s e n ta n te s d o p o vo. Ricardo Vale w 71.2 0 0 2 ) Em end a à C o n s titu iç ã o p o d e tr a n s fo r m a r o E sta d o F e d e ra l b ra s ile iro num E sta d o u n itá rio . § 4°. C o m e n tá rio s: Definitivamente. não pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário no Brasil. CF). C o m e n tá rio s: O voto direto é cláusula pétrea (art. 60. Por isso. C o m e n tá rio s: Pelo visto. (E S A F / T R T 7 a R e g iã o . o C o n g re s s o N a c io n a l p o d e v o ta r e p ro m u lg a r e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e tra n s fo rm e o E sta d o F e d e ra l b ra s ile iro em E sta d o u n itá rio . a mesma "pegadinha"! ! A forma federativa de Estado é cláusula pétrea (art. 60.2 0 0 1) Um a v e z q u e a fó rm u la fe d e ra l e x p re s s a um a o p ç ã o c o n s titu c io n a l. Nádia Carolina / Prof. I. 73.com. § 4o. Questão incorreta. s o m e n te p o r e m e n d a à C o n s titu iç ã o é p o s s ív e l tra n s fo rm a r a fe d e ra ç ã o b ra s ile ira num E sta d o u n itá rio . § 4o. não pode ser objeto de emenda constitucional norma que estabeleça a eleição do Presidente da República por voto indireto (através de colégio eleitoral). § 4o. ( E S A F / 2 0 0 2 / S T N ) P o r m e io d e p ro p o s ta d e m a is da m e ta d e d a s A s s e m b le ia s L e g is la tiv a s d a s u n id a d e s da F e d e ra çã o .2 0 0 3 ) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta de e m e n d a te n d e n te a a b o lir a fo rm a fe d e ra tiv a d e Estado. Questão incorreta. 72. Consequentemente. não pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário no Brasil.br 36 de 59 . CF). (E S A F / E E P P G G . Questão correta.estrategiaconcursos. Não pode ser objeto de emenda constitucional norma que instaure o Estado unitário no Brasil. I. Por isso. Questão incorreta.2 0 0 5) P o d e s e r o b je to de e m e n d a c o n s titu c io n a l n o rm a q u e e s ta b e le ç a a e le iç ã o do P re s id e n te da R e p ú b lic a p o r c o lé g io e le ito ra l. (E S A F / M RE . 75. II. § 4o. da Carta Magna. C o m e n tá rio s: De novo. 74. C o m e n tá rio s: É o que determina o art. I. Nádia Carolina www. I. e le ito s e s p e c ific a m e n te para e s se fim . 60. 60. CF). você não errará qualquer questão desse tipo na prova! A forma federativa de Estado é cláusula pétrea (art. CF).

da Constituição Federal.com. C o m e n tá rio s: É o que determina o art. Ricardo Vale w 76. Questão correta. C o m e n tá rio s: A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art.br 37 de 59 . (E S A F / A F R F . Questão incorreta. (E S A F / M P U . CF). § 4o.2 0 0 4) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a ou h a v id a p o r p re ju d ic a d a não p o d e s e r o b je to de nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a . 80. Trata-se de uma vedação absoluta. C o m e n tá rio s: Essa proposta de emenda constitucional não poderá.2 0 0 1) É in c o n s titu c io n a l to d a re a p re s e n ta ç ã o de p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a p e lo C o n g re s s o N a cio n a l. s a lv o se a nova p ro p o s ta fo r a p o ia d a p o r um n ú m e ro d e p a rla m e n ta re s s u p e r io r a o e x ig id o para a sua a p ro v a ç ã o . C o m e n tá rio s: Prof. Questão incorreta.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 78. 79. (E S A F / M RE .2 0 0 2 ) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n d a a a b o lir um a c lá u s u la p é tre a s o m e n te p o d e s e r o b je to d e d e lib e ra ç ã o p e lo C o n g re s s o N a c io n a l se fo r a p re s e n ta d a por. § 5o. da Constituição Federal. um te rç o d o s m e m b ro s da C âm ara d o s D e p u ta d o s ou d o S e n a d o Fe d e ra l. § 5o. (E S A F / TCU . 77. Nádia Carolina www. CF). 60. em hipótese alguma. conforme o art. ser objeto de deliberação pelo Congresso Nacional.estrategiaconcursos. C o m e n tá rio s: É inconstitucional apenas a reapresentação de proposta de emenda à Constituição na mesma sessão legislativa (art. Nádia Carolina / Prof. Questão incorreta.2 0 0 0) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n d a a a b o lir um a c lá u s u la p é tre a não p o d e s e q u e r s e r le v a d a à d e lib e ra ç ã o d o C o n g re s s o N a cio n a l. 60.2 0 0 0) N ada o b sta a q u e a m a té ria c o n s ta n te de p ro p o s ta d e e m e n d a re je ita d a num a s e s s ã o le g is la tiv a p o ssa s e r o b je to de nova p ro p o s ta na s e s s ã o le g is la tiv a s e g u in te . no m ín im o . 60. sem qualquer ressalva. (E S A F / A FC . § 4o. 60.

(E S A F / T C E -R N . em n e n h u m te m p o . Questão incorreta. Questão correta. Nádia Carolina / Prof. haver reapresentação dessa proposta no mesmo ano.2 0 0 2 ) N ão c o n fig u ra fa to r im p e d itiv o da a p re s e n ta ç ã o . (E S A F / M RE . a vedação constitucional se refere apenas à reapresentação de proposta de emenda à Constituição na mesma sessão legislativa (art. (E S A F / IN S S .2 0 0 2 ) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a no C o n g re s s o N a c io n a l s o m e n te p o d e s e r re a p re s e n ta d a para d e lib e ra ç ã o em um a o u tra le g is la tu ra . a Carta Magna apenas veda que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada seja objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. (E S A F / STN . 84. 83.br 38 de 59 . sim.estrategiaconcursos. p o d e se r re a p re s e n ta d a no m e sm o ano.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Pode.2 0 0 2) A p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a no C o n g re s s o N a c io n a l não p o d e. 60. se r re a p re s e n ta d a . Não confunda os conceitos de legislatura e sessão legislativa. 82. Nada impede a reapresentação em uma sessão posterior. CF). § 5o. Ricardo Vale De fato. Questão correta. C o m e n tá rio s: De fato. d e s d e q u e em s e s s ã o le g is la tiv a d ife re n te . re je ita d a num d e te rm in a d o ano. C o m e n tá rio s: Você não cai mais nessa "pegadinha". C o m e n tá rio s: Uma proposta de emenda constitucional rejeitada no Congresso Nacional poderá ser reapresentada para deliberação em outra sessão legislativa . Questão incorreta. Nádia Carolina www. a Constituição apenas obsta que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada seja objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. não é mesmo? De fato. ela poderá ser reapresentada. desde que em sessão legislativa diferente.2 0 0 0 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . Numa próxima sessão legislativa.com. Exemplo: se a PEC foi rejeitada na sessão legislativa Prof. 81. C o m e n tá rio s: Nada impede a reapresentação dessa proposta em sessão legislativa posterior àquela em que se deu a rejeição. d is c u s s ã o ou v o ta ç ã o d e um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e a p ro p o s ta d e e m e n d a se ja a re ite ra ç ã o id ê n tic a de o u tra p ro p o s ta de e m e n d a re je ita d a na s e s s ã o le g is la tiv a a n te rio r.

( E S A F / 1 9 9 9 / T C U ) S e g u n d o a ju r is p r u d ê n c ia d o S u p re m o T rib u n a l F e d e ra l. c o n ta d o s de sua p ro m u lg a ç ã o . sim. sofrer emenda. 87. mesmo que a nova proposta seja apoiada por 3/5 dos parlamentares.com.2 0 0 0) N e n h u m a e m e n d a q u e a la rg u e o u d im in u a o c a tá lo g o d o s d ire ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p o d e s e r v o ta d a no C o n g re s s o N a c io n a l. o art. Prof. Sua interpretação não se dá de forma tão estrita quanto diz o enunciado. Nádia Carolina / Prof. C o m e n tá rio s: As cláusulas pétreas podem. Questão incorreta. (E S A F / A N E E L . C o m e n tá rio s: O entendimento da doutrina majoritária é o de que não há limitações temporais ao poder de reforma. p o d e s ig n ific a r um a v io la ç ã o da C o n s titu iç ã o . 88. desde que esta não seja tendente a aboli-los. m e d ia n te e m e n d a . (E S A F / A F C .estrategiaconcursos. m e sm o q u e a nova p ro p o s ta se ja a p o ia d a p o r trê s q u in to s d o s P a rla m e n ta re s da sua Casa d e o rig e m . C o m e n tá rio s: De fato.br 39 de 59 . Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w ordinária. q u e p re v ia a re v is ã o c o n s titu c io n a l a p ó s c in c o an o s. é um a lim ita ç ã o te m p o ra l a o p o d e r c o n s titu in te d e riv a d o . (E S A F / CGU . Questão incorreta.2 0 0 3) S e g u n d o a m e lh o r d o u trin a . Questão incorreta. 85. p o r s e re m o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is c lá u s u la s p étreas. que haja emenda tendente a alargar ou ampliar esse catálogo. não pode haver emenda que diminua o catálogo dos direitos e garantias individuais (que tenda a aboli-los). a matéria constante de proposta de emenda à Constituição rejeitada não poderá ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. poderá Questão correta. o s p r in c íp io s g ra v a d o s com c lá u s u la p é tre a d e v e m s e r in te rp re ta d o s de fo rm a tã o e s trita q u e a s im p le s a lte ra ç ã o d e sua e x p re s s ã o lite ra l. 86. Questão correta. ser reapresentada em sessão legislativa extraordinária. Nádia Carolina www.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Nem mesmo a previsão acerca da revisão constitucional pode ser considerada uma limitação temporal. 3° do A to d a s D is p o s iç õ e s C o n s titu c io n a is T r a n s itó r ia s da C o n s titu iç ã o F e d e ra l de 1 9 8 8 ( C F / 8 8 ). entretanto. C o m e n tá rio s: Em hipótese alguma. Nada impede.2 0 0 6 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a não p o d e rá s e r o b je to de nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a .

não se pode dizer que elas sejam intangíveis. Questão incorreta. emenda constitucional não poderá afetar o núcleo essencial dos princípios e institutos gravados por cláusulas pétreas. não é mesmo? Só estão proibidas as emendas à Constituição tendentes a abolir cláusulas pétreas.2 0 0 2 ) D eve s e r c o n s id e ra d a in c o n s titu c io n a l to d a a e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n h a p o r o b je to d is p o s itiv o p ro te g id o co m o c lá u s u la pétrea. (E S A F / 2 0 0 7 /T C E . 91. Questão correta. sim. e s tã o p ro ib id a s as e m e n d a s á C o n s titu iç ã o q u e te n h a m p o r o b je to e s se tem a. ou seja.com.G O ) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta d e e m e n d a te n d e n te a a lte ra r o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is . Nádia Carolina www. emenda constitucional não pode tencionar aboli-las. Ricardo Vale 89. 90. em outras palavras.br 40 de 59 . C o m e n tá rio s: Não há óbice a que emenda constitucional venha a ampliar os direitos e garantias fundamentais. (E S A F / TC E-R N . Nádia Carolina / Prof.estrategiaconcursos. C o m e n tá rio s: A ESAF gosta mesmo de cobrar esse tópico.2 0 0 4) A s c lá u s u la s p é tre a s não in ib e m to d a e q u a lq u e r a lte ra ç ã o da sua re s p e c tiv a d is c ip lin a c o n s ta n te d a s n o rm a s c o n s titu c io n a is o rig in á ria s . C o m e n tá rio s: O enunciado está perfeito. não re p re s e n ta n d o a ssim a in ta n g ib ilid a d e lite ra l d e s ta s. Questão incorreta. Questão incorreta. jamais aquelas tendentes a alargá-los. 93. (E S A F / STN . ser alteradas por emenda constitucional. C o m e n tá rio s: Só estão proibidas as emendas à Constituição tendentes a abolir os direitos e garantias individuais.2 0 0 8) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta de e m e n d a te n d e n te a a m p lia r a a p lic a ç ã o d a s n o rm a s d e fin id o r a s d o s d ir e ito s e g a ra n tia s fu n d a m e n ta is .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. No entanto. m as c o m p re e n d e m a g a ra n tia d o n ú c le o e s s e n c ia l d o s p rin c íp io s e in s titu to s cu ja p re s e rv a ç ã o n e la s se p ro te g e . 92.2 0 0 0) S e n d o o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is c lá u s u la s p é tre a s. (E S A F / P G E -D F . C o m e n tá rio s: Prof. As cláusulas pétreas podem. (E S A F / STN .

2 0 0 4 ) S o m e n te p o r e m e n d a à C o n s titu iç ã o p o d em s e r a b o lid o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p re v is to s na C arta da R e p ú b lica . (E S A F / M RE . não há impedimento à deliberação da proposta de emenda que a previr.com. Questão incorreta. (E S A F / S E FA Z -M G .2 0 0 5 ) N e n h u m a n o rm a da Lei M a io r em v ig o r q u e d is p õ e s o b re d ire ito fu n d a m e n ta l p o d e s e r o b je to de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . iii) de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação. 94. 60. § 4°.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w Direito Constitucional p/AFRFB Profa. IV. a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o . A Constituição poderá ser emendada mediante proposta: i) de um terço.br 41 de 59 . Questão incorreta. ( E S A F / A F C / 2 0 0 0 ) Todo d e p u ta d o ou senador p ode. Prof. CF). 96. Ricardo Vale Se essa alteração se der no sentido de ampliar (e não no de abolir!) os direitos e garantias individuais. CF). in d iv id u a lm e n te . Questão incorreta. 97. Questão incorreta. sozinho. manifestando-se. Emendas que não afetem seu núcleo essencial são permitidas. C o m e n tá rio s: Um Deputado ou Senador. dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal. Nádia Carolina / Prof. 60. C o m e n tá rio s: As cláusulas pétreas apenas não podem sofrer emendas tendentes a aboli-las. Nádia Carolina www. ( E S A F / 1 9 9 8 / A G U ) A ju ris p r u d ê n c ia d o S u p re m o T rib u n a l F e d e ra l e n fa tiz a q u e as d is p o s iç õ e s p ro te g id a s p e la s c lá u s u la s p é tre a s não p o d e m s o fre r q u a lq u e r a lte ra ç ã o . ii) do Presidente da República. 95.estrategiaconcursos. cada uma delas. não pode apresentar uma proposta de emenda constitucional. desde que esta não seja tendente a aboli-las. pela maioria relativa de seus membros (art. no mínimo. C o m e n tá rio s: Pelo contrário! Todas as normas referentes a direitos fundamentais da Lei Maior podem ser objeto de emenda à Constituição. Questão incorreta. C o m e n tá rio s: Nada disso! Os direitos e garantias individuais previstos na Constituição não podem ser abolidos mediante emenda constitucional (art.

60. III. q u e a in ic ia tiv a se ja a p o ia d a p o r um n ú m e ro de P a rla m e n ta re s e q u iv a le n te a um te rç o d o n ú m e ro to ta l de m e m b ro s d o C o n g re s s o N a cio n a l. Questão correta. cada uma delas. 60. C o m e n tá rio s: Não há possível mínimo. Nádia Carolina www.se. pela m a io ria re la tiv a de s e u s m em b ro s.2 0 0 7 ) A c o rre s p o n d e n te p ro p o s ta p o d e se r a p re s e n ta d a p o r m a is da m e ta d e d a s A s s e m b le ia s L e g is la tiv a s d a s u n id a d e s da F e d e ra çã o . iii) de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação. incorreta. Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss On Ss w 98. 60 da Carta Magna que a Constituição poderá ser emendada mediante proposta: i) de um terço. Questão possibilidade de iniciativa conjunta das duas Casas Legislativas. m a n ife s ta n d o . cad a um a d e la s. dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal. no mínimo. C o m e n tá rio s: A Constituição prevê essa possibilidade em seu art. n e s s e ca so .estrategiaconcursos. 100. É a apresentação de proposta de emenda constitucional por um terço. s e n d o n e c e s s á rio . A letra A é o gabarito da questão. ii) do Presidente da República. pela maioria relativa de seus membros (art. 101. (E S A F / T C E -R N . exclusivamente d) Presidente da República e do Senado e) Presidente do Senado e da Câmara dos Deputados C o m e n tá rio s: De acordo com o art.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. (E S A F / A N E E L . Nádia Carolina / Prof. 99. Prof.2 0 0 0) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l p o d e s e r e m e n d a d a m e d ia n te p ro p o s ta de um p o r c e n to d o e le ito r a d o n a cio n a l. (E S A F / PG FN p ro p o s ta pelo: - 1998) A Em end a C o n s titu c io n a l p o d e rá ser a) Presidente da República b) Presidente do Senado Federal c) Presidente da República. no dos membros da Câmara dos Deputados o u do Senado Federal. manifestando-se.com. (E S A F / TC E-G O . CF).2 0 0 6 ) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l p re v ê a p o s s ib ilid a d e de a p re s e n ta ç ã o d e p ro p o s ta d e Em end a à C o n s titu iç ã o c o n ju n ta m e n te p e lo S e n a d o F e d e ra l e pela C âm ara d o s D e p u ta d o s.br 42 de 59 .

Questão incorreta. 60 da Carta Magna. ii) o Presidente da República pode apresentar proposta de emenda constitucional.2 0 0 2 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta d e e m e n d a re je ita d a ou h a v id a p o r p re ju d ic a d a não p o d e s e r o b je to d e nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a . legitimado a apresentar proposta de emenda à Constituição.br 43 de 59 . Questão incorreta. 60. C o m e n tá rio s: É o que determina o § 5° do art. da CF/88. (E S A F / A F R F . Questão incorreta.2 0 0 3 ) O P re s id e n te da R e p ú b lic a não tem c o m p e tê n c ia para a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o ao C o n g re s s o N a cio n a l. (E S A F / A u d ito r. Ricardo Vale w C o m e n tá rio s: Nada disso! Não existe iniciativa popular de emenda constitucional. não pode apresentar uma proposta de emenda constitucional. Nádia Carolina www. (E S A F / STN . sozinho. 104. 106.F is c a l de R e c ife . 105. C o m e n tá rio s: Não há previsão de iniciativa popular no procedimento legislativo de emenda constitucional. Questão incorreta.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. C o m e n tá rio s: Essa você já sabe.2 0 0 3) A C o n s titu iç ã o p re v ê e x p re s s a m e n te a in ic ia tiv a p o p u la r para a e m e n d a d o T e x to M agno. C o m e n tá rio s: Há dois erros no enunciado: i) um Deputado ou Senador. conforme dispõe o art. 102. 103. Nádia Carolina / Prof.estrategiaconcursos. Questão correta.com. Prof. II. (E S A F / IR B .2 0 0 4) A C o n s titu iç ã o p o d e s e r e m e n d a d a m e d ia n te p ro p o s ta de q u a lq u e r D e p u ta d o o u S e n a d o r e não e stá s u je ita a re g ra s de re se rv a de in ic ia tiv a d o P re s id e n te da R e p ú b lica . Questão incorreta. não é? Não há previsão de iniciativa popular no procedimento legislativo de emenda constitucional. C o m e n tá rio s: O Presidente da República é. (E S A F / A F R F . sim.2 0 0 0) A C o n s titu iç ã o p re v ê e x p re s s a m e n te a p o s s ib ilid a d e de s e r e m e n d a d a p o r p ro p o s ta d e um d e te rm in a d o n ú m e ro de c id a d ã o s ( in ic ia tiv a p o p u la r).

(E S A F / A F R F . se s itu a no â m b ito da in ic ia tiv a le g is la tiv a p riv a tiv a d o C h efe d o E x e cu tiv o . Questão incorreta.2 0 0 0) A s e m e n d a s à C o n s titu iç ã o re la c io n a d a s a s e rv id o re s p ú b lic o s sã o da in ic ia tiv a e x c lu s iv a d o P re s id e n te da R e p ú b lica . no mínimo. a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o . C o m e n tá rio s: Um Deputado ou Senador. Questão incorreta. (E S A F / M RE . Questão incorreta. Questão incorreta. não pode apresentar uma proposta de emenda constitucional. C o m e n tá rio s: Não há tal previsão na Constituição Federal. (E S A F / A F C . Por isso é importante treinar usando provas mais antigas! Não há iniciativa reservada (privativa) para emenda constitucional.2 0 0 0) O P re s id e n te da R e p ú b lic a tem in ic ia tiv a re s e rv a d a para a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o s o b re m a té ria re la c io n a d a a d ire ito s e d e v e re s d e s e rv id o re s p ú b lic o s . 111. (E S A F / A F R F . no p la n o le g a l.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. não é? A questão é idêntica à anterior. 109. C o m e n tá rio s: O examinador não tem mesmo criatividade.2 0 0 2) E x iste m m a té ria s q u e s o m e n te p o d e m s e r o b je to de p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o p o r in ic ia tiv a do P re s id e n te da R e p ú b lica . 110. Ricardo Vale w 107. Prof.estrategiaconcursos. 108.br 44 de 59 .2 0 0 2) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l não p o d e s e r e m e n d a d a p o r p ro p o s ta de m e m b ro s d o C o n g re s s o N a c io n a l em m a té ria qu e. sozinho. É possível a apresentação de proposta de emenda constitucional por um terço. Nádia Carolina www. Questão incorreta. dos membros da Câmara dos Deputados o u do Senado Federal. m esm o q u e s o z in h o . (E S A F / A F R F . Todos os legitimados a apresentar proposta de emenda à Constituição apresentam igual competência no que se refere às matérias. C o m e n tá rio s: Não há iniciativa reservada no procedimento de reforma à Constituição. Nádia Carolina / Prof.2 0 0 2) O m e m b ro d o C o n g re s s o N a c io n a l tem le g itim id a d e para. C o m e n tá rio s: Não custa repetir! Não há iniciativa reservada no procedimento de reforma à Constituição.com.

p o d e o E s ta d o -m e m b ro e s ta b e le c e r " q u ó ru m " para a a p ro v a ç ã o de e m e n d a c o n s titu c io n a l m a is ríg id o d o q u e o p re v is to na C o n s titu iç ã o Fed eral. Questão incorreta. em a m b o s. 113. (E S A F / PG FN . no mínimo. em d o is tu rn o s . 3/5 dos membros de cada uma das Casas Legislativas. três quintos dos votos dos respectivos membros. em dois turnos de votação.1998) D e n tro d o p o d e r d e c o n fo rm a ç ã o da sua o rd e m c o n s titu c io n a l. em dois turnos. m a n tiv e r o te x to in ic ia l. Nesse sentido. Questão incorreta. Ricardo Vale w 112.com.2 0 0 2) A p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o a p ro v a d a na C âm ara d o s D e p u ta d o s.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. em ambos. C om entário s: Para ser promulgada. C o m e n tá rio s: Entende o STF que o procedimento de modificação das Constituições estaduais deve ter exatamente a mesma rigidez do procedimento exigido para alteração da Carta Magna. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos. é necessário que a proposta de emenda à Constituição seja aprovada por. como diz o enunciado. Questão incorreta. Nádia Carolina / Prof. c o n s id e ra n d o . Prof. em n o v o e s c ru tín io . Note que a sessão não é unicameral. C o m e n tá rio s: A proposta de emenda constitucional será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional. trê s q u in to s d o s v o to s d o s re s p e c tiv o s m em b ro s.2 0 0 7) A p ro p o s ta d e e m e n d a c o n s titu c io n a l será d is c u tid a e v o ta d a em s e s s ã o u n ic a m e ra l d o C o n g re s s o N a c io n a l. considerando-se aprovada se obtiver.br 45 de 59 . p o d e s e r p ro m u lg a d a se a C âm ara. entendeu inconstitucionais dispositivos que exigiam aprovação de emendas por 4/5 (quatro quintos) dos membros da Assembleia Legislativa. m as re je ita d a no S e n a d o Fe d e ra l. (E S A F / TC E-G O .s e a p ro v a d a se o b tiv e r. 114. (E S A F / STN .

2010) As limitações expressas circunstanciais formam um núcleo intangível da Constituição Federal.1998) Segundo orientação do Supremo Tribunal Federal. Nádia Carolina www. mas não contra o poder de revisão constitucional. (ESAF/Procurador . (ESAF / Procurador da Fazenda . Ricardo Vale C O N C U R S O S ^ Lista de Questões 1. tal como previsto no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal. o Poder Legislativo não pode regular por meio de lei. b) Norma da Constituição Federal que.estrategiaconcursos. no momento em que redige a sua própria constituição (a constituição estadual). denominado tradicionalmente por "cláusulas pétreas". 9.2004) Os direitos individuais estão garantidos contra o poder de emenda.br 46 de 59 . 2.Estratégia Direito Constitucional p/AFRFB Profa.DF . (ESAF / AFT .com. 7. 8.2010) De acordo com a doutrina constitucionalista. em sessão unicameral. (ESAF / SEFAZ-CE . 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias a sessão bicameral. (ESAF /Procurador . o Estado-membro pode adotar modelo de revisão constitucional simplificado. Prof.DF/2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art. possibilita ao poder constituinte derivado a alteração do texto constitucional. 4.2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art. por ser autoaplicável. (ESAF / AFRF . a) Conjunto de princípios constitucionais que regula o exercício da autonomia do Estado-membro.2002) Assinale a opção que melhor se ajusta ao conceito de cláusula pétrea. (ESAF/Procurador-DF . (ESAF/Procurador . a Constituição Federal traz duas grandes espécies de limitações ao Poder de reformá-la. (ESAF / AFT . 5.DF/2004) É característica do regime da revisão constitucional consagrada no art. c) Matéria que somente pode ser objeto de emenda constitucional.2007) A revisão constitucional prevista por uma Assembleia Nacional Constituinte. as limitações expressas e as implícitas. separadamente. 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias o quórum de aprovação de três quintos dos votos dos parlamentares de cada Casa do Congresso Nacional. com menor rigor formal e sem as limitações expressas e implícitas originalmente definidas no texto constitucional. Nádia Carolina / Prof. 3. 6. 3o do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias o quórum de aprovação da maioria absoluta dos votos dos membros do Congresso Nacional.

(E S A F / T C E -R N . s o m e n te p o d em s e r a b o lid o s o u m o d ific a d o s p o r m e io de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . 18. s u s p e n s ã o d a s im u n id a d e s p a rla m e n ta re s m edid a. ( E S A F / M P O G / E N A P / A d m in is tr a d o r e m e n d a c o n s titu c io n a l d u ra n te o e s ta d o d e m e m b ro s d o C o n g re s s o N a c io n a l re je ita re m . (E S A F / B a n co C e n tra l . a C o n s titu iç ã o não p o d e s e r e m e n d a d a .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Ricardo Vale w d) Princípio ou norma da Constituição que não pode ser objeto de emenda constitucional tendente a aboli-lo.2 0 0 0 ) A C o n s titu iç ã o d e 1 9 8 8 não c o n h e c e lim ita ç õ e s te m p o ra is nem c ir c u n s ta n c ia is a o e x e rc íc io d o p o d e r de e m e n d a da Carta.2 0 0 6) A p ro ib iç ã o d e p ro m u lg a ç ã o de e m e n d a à C o n s titu iç ã o d u ra n te a v ig ê n c ia d o E sta d o de D efesa não se a p lic a a p ó s a a p ro v a ç ã o do d e c re to de in te rv e n ç ã o p e lo C o n g re s s o N a cio n a l. 14. 19. e s ta d o de d e fe sa o u e s ta d o de sítio . a d u ra n te a e x e c u ç ã o da 15. (E S A F / A F R F .2 0 0 1 ) D e n o m in a m -s e p r in c íp io s c o n s titu c io n a is s e n s ív e is a s n o rm a s e s ta tu íd a s p e lo p o d e r c o n s titu in te o rig in á rio in s u s c e tív e is de p ro p o s ta d e a b o liç ã o p e lo p o d e r c o n s titu in te de re fo rm a . 13. 20. (E S A F / S E FA Z -M G .br 47 de 59 .2 0 0 1) Em end a à C o n s titu iç ã o é o in s tru m e n to n o rm a tiv o a p to para liv re m e n te m o d ific a r q u a lq u e r n o rm a da C o n s titu iç ã o Fed eral. (E S A F / T R T 7 a R e g iã o . 11. é p o s s ív e l e m e n d a r a C o n s titu iç ã o d u ra n te a v ig ê n c ia d e in te rv e n ç ã o fe d e ra l.2 0 0 4) P o r m e io d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o . q u a lq u e r n o rm a da C o n s titu iç ã o p o d e s e r re v o g a d a . (E S A F / CVM . 10. 12.2 0 0 3 ) T o d o e q u a lq u e r d is p o s itiv o da C o n s titu iç ã o p o d e s e r o b je to d e a lte ra ç ã o o u s u p re s s ã o p o r m e io de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . 2 0 0 6 ) A a p ro v a ç ã o de s ítio só é p o s s ív e l se o s p o r q u ó ru m q u a lific a d o .com.estrategiaconcursos. na v ig ê n c ia d e in te rv e n ç ã o fe d e ra l.2 0 0 3) E n q u a n to a U n iã o e s tiv e r re a liz a n d o in te rv e n ç ã o fe d e ra l em q u a lq u e r E s ta d o -m e m b ro da F e d e ra çã o . (E S A F / M P U . (E S A F / S EFAZ -C E .2 0 0 7 ) N ão p o d e rá s e r o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o . e) Norma da Constituição que depende de desenvolvimento legislativo para produzir todos os seus efeitos. 17. Nádia Carolina / Prof. Nádia Carolina www. (E S A F / A F R F . (E S A F / A N E E L .2 0 0 0) S o m e n te em c a s o d e u rg ê n c ia e re le v â n c ia . p o r se re m c o n s id e ra d o s c lá u s u la s p é tre a s. 16. Prof.2 0 0 5 ) O s d ir e ito s in d iv id u a is fu n d a m e n ta is .

as cláusulas pétreas protegem direitos e garantias Prof. 29.com.2010) Vários doutrinadores publicistas salientam ser implicitamente irreformável a norma constitucional que prevê as limitações expressas. Nádia Carolina / Prof. na mesma legislatura. (ESAF / PGE-DF . Nádia Carolina www. 26. (ESAF / TRT 7a Região .1999) A reforma constitucional. (ESAF / MRE .1999) Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. uma vez que a matéria não se enquadra entre as hipóteses que constituem as cláusulas pétreas estabelecidas pelo constituinte originário. (ESAF / TCE-GO . constitucional brasileiro. no caso brasileiro. pelo poder constituinte derivado.2003) A Constituição não pode ser emendada na vigência de intervenção federal ou estado de sítio. se tiver o apoiamento de três quintos dos membros de qualquer das Casas.2004) Os direitos e garantias individuais que representam limite ao poder de reforma não se encontram exclusivamente no art. (ESAF / TCU .2006) A matéria constante de proposta de emenda à Constituição rejeitada só poderá ser objeto de uma nova proposta. 31. salvo se a emenda for aprovada pela maioria absoluta de seus membros.2006) Segundo a doutrina majoritária. não poderá ser reapresentada na mesma legislatura. fora desse mesmo título. 25. salvo se a emenda à Constituição tiver sido proposta antes da decretação da intervenção. não há vedação à alteração do processo legislativo das emendas constitucionais. 24.br 48 de 59 . Ricardo Vale w 21.2006) Embora nem todos os direitos enumerados no título dos Direitos Fundamentais sejam considerados cláusulas pétreas.2007) A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal. (ESAF / TCU . constitui limitação material ao poder constituinte de reforma. 28.2003) A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. (ESAF / TCU . (ESAF / TRT 7 a Região . no sistema 22. (ESAF / TCU . não conhece limites materiais. 23. (ESAF / AFRF . 32. (ESAF / AFT .2002) Se uma proposta de emenda for rejeitada.estrategiaconcursos. de estado de defesa ou de estado de sítio. 5° da Constituição Federal.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 30.2004) O texto constitucional brasileiro não poderá ser emendado durante a vigência de intervenção federal. 27. nenhum outro. (ESAF / PGFN .

o d ir e ito à v id a seja e x c lu íd o d o ro l d a s c lá u s u la s p é tre a s . (E S A F / B a n co C e n tra l . (E S A F / A G U .2 0 0 7 ) F irm o u -s e no B ra sil o e n te n d im e n to d e q u e o p o d e r c o n s titu in te de re fo rm a p o d e s u p r im ir um d ir e ito p ro te g id o c o m o c lá u s u la p é tre a . é v iá v e l a s u p e ra ç ã o d a s c lá u s u la s p é tre a s e n tre nós. b a s ta n d o q ue.2 0 0 1 ) É p o s s ív e l a in s titu iç ã o da pena de m o rte p o r c rim e s h e d io n d o s .2 0 0 7 ) A e m e n d a à C o n s titu iç ã o F e d e ra l só in g re s s a no o rd e n a m e n to ju r íd ic o a p ó s a sua p ro m u lg a ç ã o p e lo P re s id e n te da R e p ú b lic a .estrategiaconcursos. 38. ( E S A F / A u d ito r .1 998) O s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p ro te g id o s p o r c lá u s u la p é tre a sã o s o m e n te a q u e le s e le n c a d o s no c a tá lo g o de d ir e ito s in d iv id u a is . fo i p ro m u lg a d a sem nova a p re c ia ç ã o da Casa in ic ia d o ra q u a n to à re fe rid a a lte ra ç ã o . d e s d e q u e. (E S A F / PG FN .2 0 0 2) S o m e n te o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p re v is to s e x p re s s a m e n te no art.2 0 0 6 ) A s n o rm a s c o n s ta n te s d o A to d a s D is p o s iç õ e s C o n s titu c io n a is T r a n s itó r ia s sã o in s u s c e tív e is d e re v o g a çã o p o r em enda.2 0 0 4 ) N ão a p re s e n ta v íc io fo rm a l a e m e n d a c o n s titu c io n a l que.2 0 0 6) C o n s o lid o u -s e o e n te n d im e n to d e q ue.F is c a l/ C e a r á . e s se d ire ito se ja s u b tra íd o da lista e x p re s s a d a s lim ita ç õ e s m a te ria is ao p o d e r de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . 34. te n d o re c e b id o m o d ific a ç ã o não s u b s ta n c ia l na Casa re v is o ra . (E S A F / STN . a n te s. e a p re s e n ta a m esm a h ie ra rq u ia d a s n o rm a s c o n s titu c io n a is o rig in á ria s . o c a s o da conden ação p e lo c rim e h e d io n d o e x c e p c io n a d o d e ssa g a ra n tia c o n s titu c io n a l.2 0 0 7) A e m e n d a à C o n s titu iç ã o . se n d o . num p rim e iro m o m e n to . em s e g u id a . com o re s p e c tiv o n ú m e ro d e o rd em . 39. Nádia Carolina / Prof. m e d ia n te o m e c a n is m o de d u p la re v isã o . (E S A F / A F R F . será p ro m u lg a d a p e la s M e s a s da C âm ara d o s D e p u ta d o s e d o S e n a d o F e d e ra l. 35.2 0 0 0 ) A s n o rm a s da C o n s titu iç ã o d e 1 9 8 8 d is p o s ta s no A to d a s D is p o s iç õ e s C o n s titu c io n a is T r a n s itó r ia s sã o in s u s c e tív e is de s e r re v o g a d a s ou e m e n d a d a s. 40. Ricardo Vale w in d iv id u a is q u e n ã o in te g ra m e x p re s s a m e n te o c a p ítu lo re la tiv o a o s d ir e ito s in d iv id u a is . Prof. 5° da C o n s titu iç ã o e s tã o p ro te g id o s c o n tra e m e n d a s à C o n s titu iç ã o . (E S A F / P G E -D F . 42. 36. a p ó s a p ro v a d a p e lo C o n g re s s o N a c io n a l e s a n c io n a d a p e lo P re s id e n te da R e p ú b lic a .br 49 de 59 .com. (E S A F / P G D F . (E S A F / PG FN .Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 41. 33. (E S A F / TC E-G O . 37. Nádia Carolina www.

Nádia Carolina www. 51.2 0 0 5) A im p o s s ib ilid a d e de a lte ra ç ã o da sua p ró p ria t itu la r id a d e é um a lim ita ç ã o m a te ria l im p líc ita d o p o d e r c o n s titu in te d e riv a d o .2 0 0 1) O P re s id e n te da R e p ú b lic a p o d e v e ta r a E m en da à C o n s titu iç ã o q u e lh e p a re c e r não te r c u m p rid o r e q u is ito s de fo rm a o b rig a tó rio s . (E S A F / T C E -R N . q u e não e x is te m lim ita ç õ e s im p líc ita s ao p o d e r c o n s titu in te d e re fo rm a .2 0 0 7 ) A p ro m u lg a ç ã o d e e m e n d a s à C o n s titu iç ã o F e d e ra l c o m p e te às M e sa s da C âm ara e d o S en ad o . e n tre nós. ( E S A F / 2 0 0 3 / T R T 7 a R e g iã o ) A e m e n d a à C o n s titu iç ã o será p ro m u lg a d a p e la s M e sa s da C âm ara d o s D e p u ta d o s e d o S e n a d o Fe d e ra l. em s e s s ã o c o n ju n ta d a s d u a s Casas. (E S A F / CVM . ( E S A F / A F C E / T C U / 2 0 0 0 ) É p a c ífic o . 54.2 0 0 6) A e m e n d a à C o n s titu iç ã o se rá p ro m u lg a d a pela M esa d o C o n g re s s o N a c io n a l. 48. (E S A F / A N E E L . Prof. 52. m as d e v e s e r p o r e le p ro m u lg a d a e p u b lic a d a . (E S A F / A F R F .2 0 0 0 ) N ão c a b e s a n ç ã o ou v e to d o P re s id e n te da R e p ú b lic a em p ro p o s ta de Em end a à C o n s titu iç ã o . 44. em s e s s ã o c o n ju n ta . não se ria p o s s ív e l.2 0 0 3 ) S e g u n d o a m e lh o r d o u trin a .com.2 0 0 0) A C o n s titu iç ã o d e 1 9 8 8 c o n te m p lo u ao P re s id e n te da R e p ú b lic a a titu la r id a d e p a ra p ro m u lg a ç ã o d a s e m e n d a s c o n s titu c io n a is . (E S A F / TCU . o u re v is ã o c o n s titu c io n a l. (E S A F / EPPG G . Nádia Carolina / Prof. a e m e n d a à C o n s titu iç ã o se rá p ro m u lg a d a pela M esa d o C o n g re s s o N a c io n a l. 46. p o rq u e h a v e ria um lim ite m a te ria l im p líc ito ao p o d e r c o n s titu in te d e riv a d o em re la ç ã o a essa m a té ria . Ricardo Vale w 43.o m e n o s d ifíc il.2 0 0 5 ) Se a p ro p o s ta fo r a p ro v a d a p e lo q u ó ru m q u a lific a d o e s ta b e le c id o no te x to c o n s titu c io n a l. a a p ro v a ç ã o de e m e n d a c o n s titu c io n a l.F is c a l/ C e a r á . (E S A F / A P O / M P O G . (E S A F / A F R F . não se s u je ita n d o à s a n ç ã o ou v e to p re s id e n c ia l.2 0 0 0) A s e m e n d a s à C o n s titu iç ã o d e v e m re c e b e r a s a n ç ã o d o P re s id e n te da R e p ú b lic a a n te s d e s e re m p ro m u lg a d a s .2 0 0 2) A E m end a C o n s titu c io n a l não e stá s u je ita a s a n ç ã o o u a v e to d o P re s id e n te da R e p ú b lic a . ( E S A F / A u d ito r . 45. (E S A F / A FC . com o re s p e c tiv o n ú m e ro d e o rd e m .2 0 0 0) In c u m b e ao P re s id e n te da R e p ú b lic a p ro m u lg a r as e m e n d a s à C o n s titu iç ã o a p ro v a d a s p e lo C o n g re s s o N a cio n a l. a lte ra n d o o p ro c e s s o le g is la tiv o da p ró p ria re fo rm a . 50.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 55.estrategiaconcursos. 47. com o re s p e c tiv o n ú m e ro de o rd em . (E S A F / CGU . to rn a n d o . 49.br 50 de 59 . com o re s p e c tiv o n ú m e ro d e o rd em . 53.

com. 57.2002) Não configura fator impeditivo da apresentação. discussão ou votação de uma proposta de emenda à Constituição que a proposta tenha por objeto a criação de novos casos de prisão civil por dívidas. (ESAF / AFRF . por isso.2003) Emenda à Constituição não pode admitir a pena de morte para crimes hediondos. (ESAF / EPPGG . (ESAF / PGE-DF . 6 6 . (ESAF / INSS . 64.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. (ESAF / AFRF . 59.2003) Emenda à Constituição não pode estabelecer o voto indireto para a eleição de prefeitos. 67. 60. 63.2005) Pode ser objeto de emenda constitucional norma que extinga o "habeas corpus" no Brasil. (ESAF / AFRF . (ESAF / AFRF .2002) Reza a Constituição que a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art.br 51 de 59 .2005) A forma republicana de governo. discussão ou votação de uma proposta de emenda à Constituição que a proposta tenha por objeto que a proposta tenha por objeto a criação da pena de banimento.2004) A garantia do direito adquirido não é mais considerada entre nós um direito fundamental. CF).estrategiaconcursos. ser superada por meio de emenda à Constituição. 61. 62.2002) Emenda à Constituição pode instituir a pena de morte para crimes hediondos.2004) Emenda à Constituição não pode abolir o dever fundamental de votar. Nádia Carolina / Prof.2005) Pode ser objeto de emenda constitucional norma que suprima do texto constitucional a garantia do direito adquirido. (ESAF / AFRF . Nádia Carolina www. Ricardo Vale w 56. § 5o.2002) É inconstitucional a emenda à Constituição que venha a permitir a instituição da pena de morte para crimes hediondos. tem expressa proteção no texto constitucional contra alterações por parte do poder constituinte derivado. para crimes hediondos. além daqueles já previstos pelo constituinte originário. (ESAF / EEPPGG . (ESAF / STN . (ESAF / ANEEL .2005) A impossibilidade de a Constituição Federal ser emendada na vigência de estado de defesa se constitui em uma limitação material explícita ao poder constituinte derivado. 60. Prof. como princípio fundamental do Estado brasileiro.2002) Não configura fator impeditivo da apresentação. 65. 6 8 . (ESAF / MRE . 58. podendo. (ESAF / INSS .

Nádia Carolina / Prof. d e s d e q u e m a n tid o o v o to d ire to .2 0 0 5) P o d e s e r o b je to de e m e n d a c o n s titu c io n a l n o rm a q u e in s ta u re o E sta d o u n itá rio e n tre nós. (E S A F / A N E E L . (E S A F / A F R F . no m ín im o . e le ito s e s p e c ific a m e n te para e s se fim .br 52 de 59 . s a lv o se a nova p ro p o s ta fo r a p o ia d a p o r um n ú m e ro d e p a rla m e n ta re s s u p e r io r ao e x ig id o para a sua a p ro v a ç ã o . (E S A F / M P U .2 0 0 0) N ada o b sta a q u e a m a té ria c o n s ta n te de p ro p o s ta d e e m e n d a re je ita d a num a s e s s ã o le g is la tiv a p o ssa s e r o b je to de nova p ro p o s ta na s e s s ã o le g is la tiv a s e g u in te . 70. p o d e s e r fe ita p o r e m e n d a à C o n s titu iç ã o . (E S A F / M RE . 78. (E S A F / E E P P G G . in te g ra d o p o r re p re s e n ta n te s d o p o vo. (E S A F / A FC . s e cre to .com. 80. u n iv e rs a l e p e rió d ic o .2 0 0 1) Um a v e z q u e a fó rm u la fe d e ra l e x p re s s a um a o p ç ã o c o n s titu c io n a l. 76. (E S A F / E E P P G G .2 0 0 2 ) Em end a à C o n s titu iç ã o p o d e tr a n s fo r m a r o E sta d o F e d e ra l b ra s ile iro num E s ta d o u n itá rio .estrategiaconcursos. um te rç o d o s m e m b ro s da C âm ara d o s D e p u ta d o s ou d o S e n a d o Fe d e ra l.2 0 0 3 ) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta de e m e n d a te n d e n te a a b o lir a fo rm a fe d e ra tiv a d e Estado.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 72.2 0 0 4) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a ou h a v id a p o r p re ju d ic a d a não p o d e s e r o b je to de nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a . 79. ( E S A F / 2 0 0 2 / S T N ) P o r m e io d e p ro p o s ta d e m a is da m e ta d e d a s A s s e m b le ia s L e g is la tiv a s d a s u n id a d e s da F e d e ra çã o . 73.2 0 0 0) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n d a a a b o lir um a c lá u s u la p é tre a não p o d e s e q u e r s e r le v a d a à d e lib e ra ç ã o d o C o n g re s s o N a cio n a l. com s is te m a de g o v e rn o p a rla m e n ta ris ta . 75. 71. 74.2 0 0 1) É in c o n s titu c io n a l to d a re a p re s e n ta ç ã o de p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a p e lo C o n g re s s o N a cio n a l. Ricardo Vale w 69. 77.2 0 0 5) P o d e s e r o b je to de e m e n d a c o n s titu c io n a l n o rm a q u e e s ta b e le ç a a e le iç ã o do P re s id e n te da R e p ú b lic a p o r c o lé g io e le ito ra l. Nádia Carolina www.2 0 0 6) A tra n s fo rm a ç ã o d o B ra sil em um E sta d o u n itá rio . o C o n g re s s o N a c io n a l p o d e v o ta r e p ro m u lg a r e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e tra n s fo rm e o E sta d o F e d e ra l b ra s ile iro em E sta d o u n itá rio . (E S A F / M RE . Prof.2 0 0 2 ) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n d a a a b o lir um a c lá u s u la p é tre a s o m e n te p o d e s e r o b je to d e d e lib e ra ç ã o p e lo C o n g re s s o N a c io n a l se fo r a p re s e n ta d a por. (E S A F / A F R F . (E S A F / TCU . s o m e n te p o r e m e n d a à C o n s titu iç ã o é p o s s ív e l tra n s fo rm a r a fe d e ra ç ã o b ra s ile ira num E sta d o u n itá rio . (E S A F / T R T 7 a R e g iã o .

86. 84.2 0 0 4) A s c lá u s u la s p é tre a s não in ib e m to d a e q u a lq u e r a lte ra ç ã o da sua re s p e c tiv a d is c ip lin a c o n s ta n te d a s n o rm a s c o n s titu c io n a is o rig in á ria s . d is c u s s ã o ou v o ta ç ã o d e um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e a p ro p o s ta d e e m e n d a se ja a re ite ra ç ã o id ê n tic a de o u tra p ro p o s ta de e m e n d a re je ita d a na s e s s ã o le g is la tiv a a n te rio r. p o d e se r re a p re s e n ta d a no m e sm o an o . Prof. 88. (E S A F / IN S S . p o r se re m o s d ir e ito s e g a r a n tia s in d iv id u a is c lá u s u la s p étreas. o art. 87. re je ita d a num d e te rm in a d o ano.2 0 0 2) A p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a no C o n g re s s o N a c io n a l não p o d e. é um a lim ita ç ã o te m p o ra l a o p o d e r c o n s titu in te d e riv a d o . e s tã o p ro ib id a s as e m e n d a s á C o n s titu iç ã o q u e te n h a m p o r o b je to e s se tem a. (E S A F / T C E -R N .br 53 de 59 .estrategiaconcursos.2 0 0 0 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o . (E S A F / CGU . m e sm o q u e a nova p ro p o s ta seja a p o ia d a p o r trê s q u in to s d o s P a rla m e n ta re s da sua Casa d e o rig e m .2 0 0 2 ) N ão c o n fig u ra fa to r im p e d itiv o da a p re s e n ta ç ã o . q u e p re v ia a re v is ã o c o n s titu c io n a l a p ó s c in c o an o s. 89. p o d e s ig n ific a r um a v io la ç ã o da C o n s titu iç ã o . em n e n h u m te m p o . 83. 90.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. (E S A F / A N E E L . (E S A F / A F C .2 0 0 0) S e n d o o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is c lá u s u la s p é tre a s.2 0 0 3) S e g u n d o a m e lh o r d o u trin a . Nádia Carolina / Prof. 85. d e s d e q u e em s e s s ã o le g is la tiv a d ife re n te . Nádia Carolina www.2 0 0 6 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a não p o d e rá s e r o b je to de nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a . (E S A F / P G E -D F . 3° do A to d a s D is p o s iç õ e s C o n s titu c io n a is T r a n s itó r ia s da C o n s titu iç ã o F e d e ra l de 1 9 8 8 ( C F / 8 8 ). c o n ta d o s de sua p ro m u lg a ç ã o . ( E S A F / 2 0 0 2 / S T N ) Um a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o re je ita d a no C o n g re s s o N a c io n a l s o m e n te p o d e s e r re a p re s e n ta d a para d e lib e ra ç ã o em um a o u tra le g is la tu ra . m e d ia n te e m e n d a .com.2 0 0 0) N e n h u m a e m e n d a q u e a la rg u e o u d im in u a o c a tá lo g o d o s d ire ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p o d e s e r v o ta d a no C o n g re s s o N a c io n a l. Ricardo Vale w 81. 82. (E S A F / TC E-R N . (E S A F / M RE . ( E S A F / 1 9 9 9 / T C U ) S e g u n d o a ju r is p r u d ê n c ia d o S u p re m o T rib u n a l F e d e ra l. m as c o m p re e n d e m a g a ra n tia d o n ú c le o e s s e n c ia l d o s p rin c íp io s e in s titu to s cu ja p re s e rv a ç ã o n e la s se p ro te g e . não re p re s e n ta n d o a ssim a in ta n g ib ilid a d e lite ra l d e s ta s. se r re a p re s e n ta d a . o s p r in c íp io s g ra v a d o s com c lá u s u la p é tre a d e v e m s e r in te rp re ta d o s de fo rm a tã o e s trita q u e a s im p le s a lte ra ç ã o d e sua e x p re s s ã o lite ra l.

2 0 0 5 ) N e n h u m a n o rm a da Lei M a io r em v ig o r q u e d is p õ e s o b re d ire ito fu n d a m e n ta l p o d e s e r o b je to d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o . 98. 97. Ricardo Vale Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss w 91. 93. (E S A F / PG FN p ro p o s ta pelo: - 1998) A Em end a C o n s titu c io n a l p o d e rá ser a) Presidente da República b) Presidente do Senado Federal c) Presidente da República.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 92. (E S A F / M RE . (E S A F / 2 0 0 7 /T C E .G O ) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta d e e m e n d a te n d e n te a a lte ra r o s d ir e ito s e g a r a n tia s in d iv id u a is . m a n ife s ta n d o . s e n d o n e c e s s á rio . ( E S A F / 1 9 9 8 / A G U ) A ju ris p r u d ê n c ia d o S u p re m o T rib u n a l F e d e ra l e n fa tiz a q u e as d is p o s iç õ e s p ro te g id a s p e la s c lá u s u la s p é tre a s não p o d e m s o fre r q u a lq u e r a lte ra ç ã o . 95. (E S A F / STN . (E S A F / A N E E L . q u e a in ic ia tiv a se ja a p o ia d a p o r um n ú m e ro de P a rla m e n ta re s e q u iv a le n te a um te rç o d o n ú m e ro to ta l de m e m b ro s d o C o n g re s s o N a cio n a l.estrategiaconcursos.2 0 0 6 ) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l p re v ê a p o s s ib ilid a d e de a p re s e n ta ç ã o d e p ro p o s ta d e E m end a à C o n s titu iç ã o c o n ju n ta m e n te p e lo S e n a d o F e d e ra l e pela C âm ara d o s D e p u ta d o s.2 0 0 7 ) A c o rre s p o n d e n te p ro p o s ta p o d e se r a p re s e n ta d a p o r m a is da m e ta d e d a s A s s e m b le ia s L e g is la tiv a s d a s u n id a d e s da F e d e ra çã o . (E S A F / STN .2 0 0 4 ) S o m e n te p o r e m e n d a à C o n s titu iç ã o p o d em s e r a b o lid o s d ir e ito s e g a ra n tia s in d iv id u a is p re v is to s na C arta da R e p ú b lica .br 54 de 59 . (E S A F /A F C /2 0 0 0 ) Todo d e p u ta d o ou senador p ode. 96.2 0 0 8) N ão será o b je to d e d e lib e ra ç ã o a p ro p o s ta de e m e n d a te n d e n te a a m p lia r a a p lic a ç ã o d a s n o rm a s d e fin id o r a s d o s d ir e ito s e g a ra n tia s fu n d a m e n ta is . 99. Prof. a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o .com. Nádia Carolina / Prof. (E S A F / TC E-G O . in d iv id u a lm e n te . pela m a io ria re la tiv a de s e u s m em b ro s. (E S A F / S E FA Z -M G . Nádia Carolina www. n e s s e ca so . 94. cad a um a d e la s.se.2 0 0 2 ) D eve s e r c o n s id e ra d a in c o n s titu c io n a l to d a a e m e n d a à C o n s titu iç ã o q u e te n h a p o r o b je to d is p o s itiv o p ro te g id o co m o c lá u s u la pétrea. exclusivamente d) Presidente da República e do Senado e) Presidente do Senado e da Câmara dos Deputados 100.

(E S A F / A FC .2 0 0 2) A p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o a p ro v a d a na C âm ara d o s D e p u ta d o s. 112. (E S A F / A F R F . (E S A F / T C E -R N .2 0 0 3 ) O P re s id e n te da R e p ú b lic a não tem c o m p e tê n c ia para a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o ao C o n g re s s o N a cio n a l. Ricardo Vale w 101.F is c a l de R e c ife .2 0 0 2) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l não p o d e s e r e m e n d a d a p o r p ro p o s ta de m e m b ro s d o C o n g re s s o N a c io n a l em m a té ria qu e.estrategiaconcursos. a p re s e n ta r p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o .com.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa.2 0 0 7) A p ro p o s ta d e e m e n d a c o n s titu c io n a l será d is c u tid a e v o ta d a em s e s s ã o u n ic a m e ra l d o C o n g re s s o N a c io n a l. 104. (E S A F / STN .2 0 0 2 ) A m a té ria c o n s ta n te d e p ro p o s ta d e e m e n d a re je ita d a ou h a v id a p o r p re ju d ic a d a não p o d e s e r o b je to d e nova p ro p o s ta na m esm a s e s s ã o le g is la tiv a . (E S A F / A F R F .2 0 0 2) O m e m b ro d o C o n g re s s o N a c io n a l tem le g itim id a d e para. (E S A F / A u d ito r. m esm o q u e s o z in h o .2 0 0 0) A s e m e n d a s à C o n s titu iç ã o re la c io n a d a s a s e rv id o re s p ú b lic o s sã o da in ic ia tiv a e x c lu s iv a d o P re s id e n te da R e p ú b lica . Nádia Carolina / Prof. c o n s id e ra n d o . 102. (E S A F / TC E-G O . 109.2 0 0 0) O P re s id e n te da R e p ú b lic a tem in ic ia tiv a re s e rv a d a para a p ro p o s ta d e e m e n d a à C o n s titu iç ã o s o b re m a té ria re la c io n a d a a d ire ito s e d e v e re s d e s e rv id o re s p ú b lic o s .2 0 0 2) E x iste m m a té ria s q u e s o m e n te p o d e m s e r o b je to de p ro p o s ta de e m e n d a à C o n s titu iç ã o p o r in ic ia tiv a do P re s id e n te da R e p ú b lica .2 0 0 0) A C o n s titu iç ã o F e d e ra l p o d e s e r e m e n d a d a m e d ia n te p ro p o s ta de um p o r c e n to d o e le ito r a d o n a cio n a l.2 0 0 3) A C o n s titu iç ã o p re v ê e x p re s s a m e n te a in ic ia tiv a p o p u la r para a e m e n d a d o T e x to M agno. (E S A F / A F R F .2 0 0 4) A C o n s titu iç ã o p o d e s e r e m e n d a d a m e d ia n te p ro p o s ta de q u a lq u e r D e p u ta d o o u S e n a d o r e não e stá s u je ita a re g ra s de re se rv a de in ic ia tiv a d o P re s id e n te da R e p ú b lica . (E S A F / STN . Prof. trê s q u in to s d o s v o to s d o s re s p e c tiv o s m em b ro s. (E S A F / A F R F . 107. em a m b o s.s e a p ro v a d a se o b tiv e r. no p la n o le g a l. (E S A F / IR B . 108. m as re je ita d a no S e n a d o Fe d e ra l. se s itu a no â m b ito da in ic ia tiv a le g is la tiv a p riv a tiv a d o C h efe d o E x e cu tiv o . 105. em d o is tu rn o s . Nádia Carolina www. (E S A F / M RE . 106. 111. 113. 110.br 55 de 59 . 103. (E S A F / A F R F .2 0 0 0) A C o n s titu iç ã o p re v ê e x p re s s a m e n te a p o s s ib ilid a d e de s e r e m e n d a d a p o r p ro p o s ta d e um d e te rm in a d o n ú m e ro de c id a d ã o s ( in ic ia tiv a p o p u la r).

estrategiaconcursos.1998) D e n tro do p o d e r d e c o n fo rm a ç ã o da sua o rd e m c o n s titu c io n a l. m a n tiv e r o te x to in ic ia l. (E S A F / PG FN .br 56 de 59 . 114. Prof.com. em n o v o e s c ru tín io . Nádia Carolina www. Ricardo Vale w p o d e s e r p ro m u lg a d a se a C âm ara.Estratégia rC nO NN rC i Ui RR Ss O n Ss Direito Constitucional p/AFRFB Profa. Nádia Carolina / Prof. p o d e o E s ta d o -m e m b ro e s ta b e le c e r "q u ó ru m " para a a p ro v a ç ã o de e m e n d a c o n s titu c io n a l m a is ríg id o d o q u e o p re v is to na C o n s titu iç ã o Fed eral.

7. 28. 16. 37. 18. 31. 23. 30. 25. 4.estrategiaconcursos. 38. 12. 9. 40. 39. 5. 17.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 10. 8. 33. 36. 22. 34. 13. 15. Prof. 27. 3. Nádia Carolina ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA Letra D ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA www. 20. 19. 6.br 57 de 59 . 24. 29. 11. 32.com. 26. 14. Nádia Carolina / Prof. 2. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ Gabarito 1. 35. 21.

84. 87. 64. 72. 57. 73. 59. 75.com. 58. 48. 76. 47. 67.estrategiaconcursos. 81. Prof. Nádia Carolina / Prof. 83. 86. 49. 43. 54. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ 41. Nádia Carolina ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA CORRETA ERRADA CORRETA ERRADA CORRETA CORRETA ERRADA ERRADA www.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 65. 63. 82. 71. 42. 56. 52. 78. 61. 50. 68. 77. 74. 46. 79. 53. 62.br 58 de 59 . 60. 44. 66. 69. 51. 55. 70. 45. 85. 80.

94. 91. 93. 114. 113. 98. 99. Nádia Carolina ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA Letra A CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA CORRETA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA ERRADA www. Prof.estrategiaconcursos. 96. Nádia Carolina / Prof. 90. 89. 97. 92. 107. 105. 103.com. 104. 102. 108. 109. 100. 112. 106. Ricardo Vale Estratégia C O N C U R S O S ^ 88. 101. 111.Direito Constitucional p/AFRFB Profa. 110. 95.br 59 de 59 .