Você está na página 1de 2

Ficha 5. Os Lusíadas de Camões

Ficha 5. Os Lusíadas de Camões

Ficha 5 · Sequência 5 (p. 196)

Soluções • Ficha de trabalho por sequência

Soluções • Ficha de trabalho por domínio

Grupo I

1.1. Constituem marcas de invocação, na estância 78, os seguintes elementos do discurso: “vós,

Ninfas do Tejo e do Mondego” (v. 3), “Vosso favor invoco” (v. 5) e “se não me ajudais” (v. 7). 1

2. Com base no texto, a caracterização que o sujeito poético faz da sua vida destaca, entre outros, os

seguintes aspetos:

· desmesura da tarefa a que se propôs nas duras condições em que se encontra (est. 78, vv. 1-2 e 4-

6);

· risco de não conseguir realizar os seus objetivos de poeta, por soçobrar perante as adversidades (est. 78, vv. 5-8);

· persistência no cumprimento da sua missão de poeta e guerreiro, enfrentando uma vida de perigos diversos, de guerras, de viagens atribuladas por mar e por terra (est. 79);

· errância (est. 79, v. 3 e est. 80, v. 2);

· pobreza (est. 80, vv.1-2);

· desterro (est. 80, v. 2);

· desilusões sucessivas (est. 80, vv. 3-4);

· excecionalidade da sua vida, miraculosamente salva de um naufrágio (est. 80, vv. 5-8);

· expectativas frustradas quanto ao reconhecimento da sua obra pelos detentores do poder (est. 81, vv. 3-8);

· sofrimentos vários causados por aqueles que deveriam honrá-lo (est. 81, vv. 5-8);

· … 1

3. Através da comparação com Cânace, o sujeito poético coloca em evidência a conjugação das

vertentes bélica e artística/literária na sua vida, durante a qual, “peregrinando”, sentiu os “perigos Mavórcios”, mas não deixou de ir “cantando” os seus conterrâneos.

4. A anáfora “Agora” tem, entre outros, os seguintes valores expressivos:

· marca a sucessão de vivências disfóricas do sujeito, acentuando o tom depreciativo do “eu”;

· realça a quantidade e a variedade de situações e estados de alma;

· expressa uma vida ritmada por desgraças e fugazes esperanças;

· cria um efeito de simultaneidade de vivências (como se a memória operasse por saltos entre

“presentes”);

· … 1

5.1. Na estância 82, o sujeito critica (recorrendo à ironia) o menosprezo dos poderosos pelos artistas:

assim, denuncia a incapacidade daqueles para reconhecerem a importância destes na preservação e na glorificação da memória nacional. Tomando-se a si como exemplo, alerta para as consequências futuros deste divórcio entre “senhores” e “escritores”: tal divórcio não favorecerá o aparecimento de novos talentos, conduzindo à estagnação artística do país e ao enfraquecimento (ou mesmo perda) da memória coletiva. 1

1. In Critérios de Classificação Prova Escrita de Português, 12.º ano, 2006, 2.ª fase, GAVE

Grupo II

1. O texto apresenta marcas específicas do género do relato de viagem:

· o tema da viagem (“Depois de correr os quatro cantos do mundo, cumpri o sonho de ir à Índia.”, l. 1);

· o discurso pessoal (narrador na primeira pessoa, no caso, autodiegético: “cumpri”, l. 1; “Cheguei”, l.

1; “comecei”, l. 2; “entrei”, l. 4; “mim”, l. 4; “minha”, l. 8; …);

· a dimensão narrativa, correspondente ao relato, no pretérito perfeito (“Cheguei”, l. 1; “viajei”, l. 6;

“viajámos”, l. 11…), dos acontecimentos associados à viagem, segundo um encadeamento lógico marcado pela progressão temporal (“durante a noite”, l. 2; “No dia seguinte”, l. 11; “Ao quarto dia”, l.

OEXP10 © Porto Editora

Ficha 5. Os Lusíadas de Camões

Soluções • Ficha de trabalho por domínio

15; “Durante a tarde”, l. 16; “ao final do dia seguinte”, l. 17; “De manhã”, l. 18; “Nos últimos dias da viagem”, l. 21), conjugada com momentos descritivos (ll. 2-5, 7-10, 11-12, 25-28).

2. Resposta pessoal. Tópicos de resposta: “A pobreza, a imundície” e a “desordem” como elementos

propiciadores de medo, mas igualmente de tristeza, provavelmente por não corresponderem aos padrões de higiene e de segurança habituais no ocidente e adequados, na perspetiva do narrador, aos seres humanos.

3. (C).

4. Verdejante, coberta de plantas e árvores, viçosa.

4.1. Cor: “O indiano vestiu um casaco verde.” Algo que ainda não está maduro: “Não comas essa maçã; ainda está verde.” Inexperiente: “O novo funcionário ainda está muito verde… Precisa de mais alguns dias de contacto com o público.”

5. Oração subordinada adverbial temporal.

6. a) (3); b) (5); c) (2); d) (6); e) (1).

OEXP10 © Porto Editora