Você está na página 1de 19

Cartilha

CT-e

Conheciment o de Transporte Eletrô nico

Cartilha CT-e Conheciment o de Transporte Eletrô nico Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Este

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0

Este documento descreve as obrigações e procedimentos no manuseio de C T- e – Conhecimento de Transporte Eletrônicos.

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

Conteúdo

1. Introdução

3

2. Papeis e Responsabilidades

6

3. Macro Processo

7

4. Conceituação

8

5. Anexo II – Guia de Referência

12

6. Anexo III – Perguntas Freqüentes

15

7. Anexo IV – Glossário

19

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

1.Introdução

Institucional

O Conhecimento de Transporte Eletrônico já é uma realidade, em todo o

território Brasileiro, diante disso esta cartilha tem por finalidade a orientação a

transportadores quanto às obrigações e procedimentos na emissão e envio de

CT-es e dos arquivos digitais (XML) junto as unidades da Vale Fertilizantes.

Fundamentos Legais

Os principais fundamentos legais são:

Ato 08/2008 (vigente desde 18/04/2008) – divulga o Manual de Integração do Contribuinte com as especificações técnicas, os leiautes e Auxiliar de Conhecimento de Transporte Eletrônico - DACTE.

Ajuste SINIEF 09/2007, 04/2009 e de suas alterações - Estabelece obrigatoriedade da utilização do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) modelo 57 em função de atividade desenvolvida no estabelecimento.

Ajuste SINIEF 04/2009 Cláusula 8ª:

encaminhar ou disponibilizar 'download' do arquivo eletrônico (XML) do CT-e e seu respectivo protocolo de autorização ao tomador do serviço, observado leiaute e padrões técnicos definidos em Ato COTEPE." ;

"§9º O emitente do CT-e deverá

Ajuste SINIEF 04/2009 Cláusula 19ª: § 4º A administração tributária da unidade federada do recebedor, destinatário, tomador ou transportador deverá transmitir para a Receita Federal do Brasil as Informações de Recebimento dos CT-e.

Ajuste SINIEF 09/07 Cláusula 12ª: O transportador e o tomador do serviço de transporte deverão manter em arquivo digital (XML) os CT-e pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais, devendo ser apresentados à administração tributária, quando solicitado.

§ 1º O tomador do serviço deverá, antes do aproveitamento de eventual crédito

do imposto, verificar a validade e autenticidade do CT-e e a existência de

Autorização de Uso do CT-e, conforme disposto na cláusula décima oitava.

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

§ 2º Quando o tomador não for contribuinte credenciado à emissão de documentos fiscais eletrônicos poderá, alternativamente ao disposto no caput, manter em arquivo o DACTE relativo ao CT-e da prestação, quando solicitado

Motivadores / Problemas

Envio de mercadorias e serviços sem o envio / disponibilização do arquivo digital (XML);

Envio ou disponibilização de arquivo digital (XML) sem protocolo de Autorização de Uso CT-e;

Envio ou disponibilização de arquivo digital (XML) com situação invalida (Cancelamento / Inutilização / Denegação);

Envio ou disponibilização de arquivo digital (XML) emitidos em ambiente de Homologação (Ambiente de Teste);

Envio ou disponibilização de arquivo digital (XML) com assinatura digital prescrita ou invalida;

Envio ou disponibilização de arquivo digital em formato impróprio

PDF, PPT, DOC, TXT;

Não anexado / atachado quando de emails

Benefícios Esperados

Cumprimento legal e mitigação de autuações fiscais

Devoluções de mercadorias;

Sinergia na execução dos trabalhos de forma a agregar valor e estreitar relacionamentos.

Cartilha CT-e – Orientações a Transpor tadoras

Áreas envolvidas

Cartilha CT-e – Orientações a Transpor tadoras Áreas envolvidas Figura 1: Áreas envolvidas 5

Figura 1: Áreas envolvidas

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

2.Papeis e Responsabilidades

EXTERNOS

FORNECEDORES

- Emitir / Validar / Protocolar NF-e’s junto a SEFAZ

- Disponibilizar Arquivo Digital Protocolado (XML) para Destinatário

- Disponibilizar Arquivo Digital Protocolado (XML) para Transportadora

- Manter / Arquivar Arquivo Digital NF-e (XML)

TRANSPORTADORES

- Emitir / Validar / Protocolar CT-e’s junto a SEFAZ

- Disponibilizar Arquivo Digital Protocolado (XML) para Tomador Serviço

- Manter / Arquivar Arquivo Digital CT-e (XML)

VALE FERTILIZANTES

ARMAZÉNS / FATURAMENTO / LOGISTICA / CSC

- Validar Recebimento Arquivo Digital NF-e’s (XML)

- Receber / Consultar / Validar / Protocolar Arquivo Digital NF-e’s (XML) junto a SEFAZ

- Armazenar Registro de Consulta Arquivo Digital NF-e’s (XML) junto a SEFAZ

- Validar Recebimento Arquivo Digital CT-e’s (XML)

- Receber / Consultar / Validar / Protocolar Arquivo Digital CT-e’s (XML) junto a SEFAZ

- Armazenar Registro de Consulta Arquivo Digital CT-e’s (XML) junto a SEFAZ

- Manter / Arquivar Arquivo Digital NF-e / CT-e (XML)

- Registro de Ocorrências

LOGISTICA / CSC

- Validar Recebimento Arquivo Digital CT-e’s (XML)

- Receber / Consultar / Validar / Protocolar Arquivo Digital CT-es (XML) junto a SEFAZ

- Armazenar Registro de Consulta Arquivo Digital CT-e’s (XML) junto a SEFAZ

- Manter / Arquivar Arquivo Digital CT-e (XML)

- Registro de Ocorrências

CONTROLADORIA / CSC

- Acompanhamento / Monitoria Arquivos Digitais (NF-e / CT-e)

- Manter / Arquivar Arquivo Digital NF-e (XML)

- Manter / Arquivar Arquivo Digital CT-e (XML)

- Solução de Ocorrências

- Manter Escrituração Digital

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

3.Macro Processo

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras 3.Macro Processo Figura 2: Macro Processo 7

Figura 2: Macro Processo

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

4.Conceituação

Informamos aos transportadores emissores de conhecimentos de transporte eletrônicos (CT-e), que a VALE FERTILIZANTES e COLIGADAS, somente receberão serviços enviados com DACTE, mediante o recebimento antecipado (via email ou Portal) de respectivo Arquivo Digital Protocolado pela Sefaz (XML) do Conhecimento de Transporte Eletrônico.

Conforme determina a legislação, solicitamos aos fornecedores a disponibilização dos arquivos eletrônicos (XML) das Conhecimentos de Transporte Eletrônicos devidamente protocoladas pela Sefaz, através do e-

mail: nf-e@valefert.com.

.

Obs: O email citado é destinado somente a recepção dos arquivos digitais (XML) de CT-es.

Orientações Gerais:

a) São validos apenas arquivos digitais anexados ou atachados ao email, ou seja, vinculo como anexos.

Exemplo válido:

ao email, ou seja, vinculo como anexos . Exemplo válido: Figura 3: Arquivo anexo Obs: Utilizar

Figura 3: Arquivo anexo

Obs: Utilizar a função “Anexar” botão “ vincular arquivos

a função “Anexar” botão “ vincular arquivos ” do aplicativo de emails para b) Serão validos

” do aplicativo de emails para

b) Serão validos apenas arquivos digitais no formato XML.

Exemplo: “31100819443985000158550000005501560000151190-cte.xml”

“31100819443985000158550000005501560000151190-cte.xml” 31110944914992001290570010000014390000014392-cte.xml 8

31110944914992001290570010000014390000014392-cte.xml

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

c) Serão permitidos mais de um arquivo digital anexado ou atachado ao email

mais de um arquivo digital anexado ou atachado ao email 31110944914992001290570010000014390000014392-cte.xml

31110944914992001290570010000014390000014392-cte.xml

email 31110944914992001290570010000014390000014392-cte.xml 35111244914992000138570010008478160008478168-cte.xml d)

35111244914992000138570010008478160008478168-cte.xml

d) Serão permitidos arquivos compactados (ZIP) contendo mais de um arquivo digital (XML) anexado ou atachado ao email

Exemplo: “1O3HWD5SL.zip”

anexado ou atachado ao email Exemplo: “1O3HWD5SL.zip” Figura 4: Detalhamento Arquivo ZIP Obs1: Arquivos em formato
anexado ou atachado ao email Exemplo: “1O3HWD5SL.zip” Figura 4: Detalhamento Arquivo ZIP Obs1: Arquivos em formato

Figura 4: Detalhamento Arquivo ZIP

Obs1: Arquivos em formato distinto de “XML” ou “ZIP” serão descaracterizados e rejeitados

Exemplos Invalidos:

1001399936-nfe.pdf

1001399936-nfe.txt

1001399936-nfe.doc

1001399936-nfe.ppt

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

Formatos:

(PDF) – Portable Document Format (Acrobat Header) (TXT) – Formato Texto (DOC) – Formato Microsoft Word (PPT) – Microsoft Power Point (XLS) – Microsoft Excel (RTF) – Formato Rico de Texto

Obs2: Arquivos em formato “ZIP” não deverão conter estruturas de subpastas / subdiretórios, ou seja, serão validos arquivos apenas em pasta (diretório) único:

Exemplo Válido Arquivo Compactado: 1O3HWD5SL.zip (Diretório Único)

C:\29120161442810000192550010000031381001399936-cte.xml

C:\29120161442810000192550010000031381001399937-cte.xml

C:\29120161442810000192550010000031381001399938-cte.xml

C:\29120161442810000192550010000031381001399939-cte.xml

Exemplo inválido Arquivo Compactado: 1O3HWD5SL.zip (Subdiretórios)

C:\PASTA\SUBPASTA\CTE_1\2550010000031381001399936-cte.xml

C:\PASTA\SUBPASTA\CTE_2\2550010000031381001399937-cte.xml

C:\PASTA\SUBPASTA\CTE_3\2550010000031381001399938-cte.xml

C:\PASTA\SUBPASTA\CTE_4\2550010000031381001399939-cte.xml

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

Convenções:

Para o envio de múltiplos arquivos deverão ser gerados lotes

compactados (ZIP) até o limite de 1 mb, contendo no lote apenas NF-

es ou CT-es separadamente.

Múltiplos diretórios internamente não serão aceitos.

Informações no corpo do e-mail serão ignoradas.

Validações realizadas.

Serão realizadas verificações e validações dos arquivos digitais (XML) recebidos, a saber:

Assinante e assinatura do emissor CT-e;

CT-e destinada a Vale Fertilizantes e Coligadas;

Situação do documento junto a SEFAZ;

Obs:

representação gráfica.

O

DACTE

não

é

um

arquivo

digital

do

CT-e,

é

apenas

uma

Contato e Suporte Vale Fertilizantes:

Para maiores informações ou esclarecimentos, contate respectivo

representante da área de Transporte / Logística da Vale Fertilizantes.

Agradecemos sua atenção e colaboração para que o processo de recebimento de mercadorias ocorra da melhor forma possível.

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

5.Anexo II – Guia de Referência

DANFE – DOCUMENTO AUXILIAR DA NF-e

Orientações a Transportadoras 5.Anexo II – Guia de Referência DANFE – DOCUMENTO AUXILIAR DA NF-e Figura

Figura 5: DANFE

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

DACTE – DOCUMENTO AUXILIAR DO CT-e

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras DACTE – DOCUMENTO AUXILIAR DO CT-e Figura 6: DACTE 13

Figura 6: DACTE

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

XML - Extended Markup Language

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras XML - Extended Markup Language Figura 7: XML 14

Figura 7: XML

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

6.Anexo III – Perguntas Freqüentes

1. O que é Web Service?

- É uma tecnologia que permite que computadores em diferentes plataformas façam intercâmbio de dados. São endereços de serviços on line. Portanto, WS é uma solução utilizada na integração de sistemas e na comunicação entre aplicações diferentes.

2. O que é um documento XML?

O XML é um formato de arquivo para a criação de documentos com dados

organizados de forma hierárquica, como se vê, frequentemente, em documentos de texto formatados, imagens vetoriais ou bancos de dados. Seu propósito principal é a facilidade de compartilhamento de informações através da Internet. No CT-e, o XML é gerado sistêmicamente sendo o arquivo que possui todas as informações fiscais, no qual substitui o papel, e deve ser armazenado da mesma forma.

3. O que é um Certificado Digital?

O Certificado Digital é o documento eletrônico que garante a certeza de

integridade e autoria da NF-e / CT-e emitida pela sua empresa, ou seja, não é

possível que um contribuinte emita NF-e / CT-e por outro.

4. O que é DANFE?

A sigla DANFE significa Documento Auxiliar da NF-e, sendo uma

representação gráfica simplificada da NF-e e tem como funções, dentre outras,

conter a chave de acesso da NF-e. O DANFE não é a NF-e.

5. O que é DACTE?

A sigla DACTE significa Documento Auxiliar do CT-e, sendo uma

representação gráfica simplificada do CT-e e tem como funções, dentre outras,

conter a chave de acesso do CT-e. O DACTE não é o CT-e.

6. O que muda para meu cliente se minha empresa passar a utilizar NF-e em suas operações?

A principal mudança para os destinatários / tomadores de serviço do CT-e, seja

ele emissor ou não deste documento, é a obrigação de verificar a validade da assinatura digital e a autenticidade do arquivo digital, bem como a concessão da Autorização de Uso do CT-e mediante consulta eletrônica nos sites das Secretarias de Fazenda ou Portal Nacional do CT-e (www.cte.fazenda.gov.br).

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

O emitente do CT-e é obrigado a encaminhar ou disponibilizar download do arquivo XML da CT-e e seu respectivo protocolo de autorização para o destinatário, conforme definido no Ajuste SINIEF 11/08, cláusula segunda, Inciso I;

O emitente e o tomador do serviço do CT-e deverão conservar o CT-e em

arquivo digital pelo prazo previsto na legislação, para apresentação ao fisco quando solicitado, e utilizar o código “57” na escrituração da CT-e para identificar o modelo.

Atenção: Relativamente às operações em que seja obrigatória a emissão da CT-e, o destinatário deverá exigir a sua emissão, sendo vedada a recepção de mercadoria cujo transporte tenha sido acompanhado por outro documento fiscal

7. As empresas (emitentes e destinatárias) deverão guardar

algum tipo de documento (CT-e ou DACTE)?

A regra geral é que o emitente e o destinatário deverão manter em arquivo

digital os CT-e’s pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda

dos documentos fiscais, devendo ser apresentadas à administração tributária, quando solicitado. Assim, o emitente deve armazenar apenas o arquivo digital.

O destinatário sempre deverá verificar a validade e autenticidade do CT-e e a

existência de Autorização de Uso do CT-e, tenha ele recebido o arquivo digital

do

CT-e ou o DACTE acompanhando a mercadoria.

O

CT-e é o arquivo XML assinado digitalmente agregado com a sua respectiva

autorização de uso. Esses elementos é que devem ser armazenados, no mesmo formato que foram transmitidos e autorizados.

A manutenção das informações em banco de dados é decisão do contribuinte.

Esses bancos de dados são importantes para as questões operacionais da empresa, mas não substituem a obrigação da guarda do XML do CT-e.

8. Qual a forma estabelecida para a entrega da CT-e ao meu

cliente? Esta entrega é obrigatória ou basta entregar o DACT- e?

Não há regras estabelecidas da forma como o fornecedor irá entregar o CT-e a seu cliente (tomador do serviço), de modo que esta entrega pode ocorrer da melhor maneira que aprouver às partes envolvidas. A transmissão, em comum acordo com as partes poderá ocorrer, por exemplo: por e-mail, disponibilizado num site e acessível mediante uma senha, etc.

9. Como proceder nos casos de recusa do recebimento da

mercadoria em operação documentada por NF-e/CT-e?

A recusa da mercadoria pode ocorrer de duas formas: ou o destinatário emite

uma Nota Fiscal de devolução de compras, ou o destinatário recusa a

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

mercadoria no verso do próprio DANFE, destacando os motivos que o levaram a isso. Nesta segunda hipótese, o emitente da NF-e irá emitir uma NF-e de entrada para receber a mercadoria devolvida.

Importante:

• Como houve a circulação da mercadoria, a NF-e original não poderá ser cancelada;

• Caso a Nota Fiscal de devolução emitida pelo comprador também seja Eletrônica, esta deverá, como todas as NF-e, ser previamente autorizada pelo Fisco.

10. É possível alterar um CT-e emitido?

Após ter o seu uso autorizado pela SEFAZ, um CT-e não poderá sofrer qualquer alteração, pois qualquer modificação no seu conteúdo invalida a sua assinatura digital.

O emitente poderá:

antes de iniciada a prestação de serviço de transporte, efetuar o cancelamento do CT-e, por meio da geração de um arquivo XML específico para isso. Da mesma forma que foi realizada a emissão de um CT-e, o pedido de cancelamento de um CT-e também deverá ser autorizado pela SEFAZ. O Layout do arquivo de solicitação de cancelamento poderá ser consultado no Manual de Integração do Contribuinte.

caso o erro tenha gerado emissão de um CT-e com valor inferior ao correto, o contribuinte poderá emitir um CT-e complementar, contendo as diferenças faltantes no CT-e inicial, por meio de geração de um arquivo XML no mesmo padrão do primeiro emitido com erro.

sanar erros em campos específicos do CT-e, não vedados pela

legislação, por meio de Carta de Correção Eletrônica - CC-e transmitida

à Secretaria da Fazenda. A Carta de Correção Eletrônica - CC-e deverá

observar o leiaute estabelecido em Ato COTEPE;

poderá ainda, em caso de CT-e emitidos incorretamente com valor superior ao correto, utilizar-se da Anulação de Débitos, prevista na cláusula 17ª do Ajuste SINIEF 09/07.

11. Quais são as condições e prazos para o cancelamento de

um CT-e?

Somente poderá ser cancelado um CT-e que tenha sido previamente autorizado o seu uso pelo Fisco e desde que não tenha ainda ocorrido

o fato gerador, ou seja, em regra, ainda não tenha ocorrido o inicio da

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

prestação de serviço de transporte. Caso tenha sido emitida Carta de Correção Eletrônica relativa a determinado CT-e, nos termos da cláusula décima sexta, este não poderá ser cancelado.

O prazo atual para o cancelamento do CT-e é de 60 dias.

LINKS ÚTEIS

NF-e

Os esclarecimentos relativos às dúvidas frequentes sobre NF-e podem ser consultados nos portais estaduais da NF-e ou no portal nacional – http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/.

CT-e

Os esclarecimentos relativos às dúvidas frequentes sobre CT-e podem ser consultados nos portais estaduais da CT-e ou no portal nacional http://www.cte.fazenda.gov.br/.

Cartilha CT-e – Orientações a Transportadoras

7.Anexo IV – Glossário

CC-e - Carta de Correção Eletrônica CONFAZ - Conselho Nacional de Política Fazendária DACTE - Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica DIRETÓRIO - Estrutura utilizada para organizar arquivos em um computador ou um arquivo que contém referências a outros arquivos. DPEC - Declaração Prévia de Emissão em Contingência ENAT - Encontro Nacional de Administradores Tributários ENCAT - Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais FS - Formulário de Segurança FS-DA - Formulário de Segurança para Impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico ICP-Brasil - Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileiras NF - Nota Fiscal NF-e - Nota Fiscal Eletrônica CT-e – Conhecimento de Transporte Eletrônico RFB - Receita Federal do Brasil RICMS - Regulamento do ICMS RUDFTO - Registro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência SCE - Sistema de Contingência Eletrônica SCAN - Sistema de Contingência do Ambiente Nacional SEFAZ - Secretaria de Estado de Fazenda SUFRAMA - Superintendência da Zona Franca de Manaus UF - Unidades Federadas XML - Extended Markup Language WS - Web Services - Tecnologia utilizada para comunicação entre sistemas para disponibilização de serviços na Internet. ZIP - Formato de compactação de arquivos muito difundido pela Internet, compátivel com vários sistemas operacionais, como o Windows da Microsoft.